A independência argentina

8.240 visualizações

Publicada em

A independência argentina tornou-se possível como consequência de alguns fenômenos, dos quais pode-se destacar: a crise do Antigo Regime, Crise Espanhola, Ascensão Napoleônica, Deposição da Realeza Espanhola. O objetivo deste trabalho é efetuar uma análise descritiva das principais causas que possibilitaram a Independência Argentina.

1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A independência argentina

  1. 1. Argentina, Espanha e França: do Declínio à Ascensão. O processo de revolução.
  2. 2. APRESENTAÇÃO Discentes: • Jason Levy Reis de Souza • Mateus Barbosa Machado • Victor Said dos S. Sousa • Victória Benvenuto S. Cabral Docente: Laís Viena Disciplina: História II Tema Geral: A Independência da América Hispânica Tema Específico: A independência Argentina Turma: 5822 – Unidade II Curso: Automação Industrial
  3. 3. SUMÁRIO CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA SISTEMA COLONIAL CRISE ESPANHOLA INDEPENDÊNCIA DOS EUA NAPOLEÃO NA ESPANHA DESASTRES DA GUERRA ARGENTINA ESPANHA X ARGENTINA CONTEXTO SÓCIO ECONÔMICO IDEAL DE REVOLUÇÃO: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL X ILUMINISMO X INDEPENDÊNCIA INDEPENDÊNCIA ARGENTINA ESPANHA X FRANÇA CONFLITOS INTERNOS UNIFICAÇÃO DA ARGENTINA CONGRESSO DE TUCUMÃ – 1816 CONSTITUIÇÃO ARGENTINA HERÓIS DA INDEPENDÊNCIA INGLATERRA E OS EUA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  4. 4. A independência argentina tornou-se possível como consequência de alguns fenômenos, dos quais pode-se destacar: a crise do Antigo Regime, Crise Espanhola, Ascensão Napoleônica, Deposição da Realeza Espanhola. INTRODUÇÃO O objetivo deste trabalho é efetuar uma análise descritiva das principais causas que possibilitaram a Independência Argentina. OBJETIVO
  5. 5. Espanha, França e Argentina: o sistema Colonial na américa espanhola.
  6. 6. Apoio aos Negócios da Burguesia ESTADO ABSOLUTISTA A Nobreza detinha grande parte do capital do Estado MERCANTILISMO Reforço do poder do Estado Nacional Metalismo: entesouramento de metais preciosos Busca de balança comercial favorável (explorações > importações) OBJETIVOS Barreiras alfandegárias Estimulo à expansão marítima e colonial Aumento da população Incentivo às manufaturas nacionais MEIOS O sistema colonial obedecia aos princípios mercantilistas, no caso da Espanha com foco no metalismo. O pacto colonial garantia os lucros da metrópole em detrimento da economia da colônia. Clero Nobreza Terceiro estado
  7. 7. CRISE DA ESPANHA Acabam-se as principais jazidas de minérios no México e no Peru O Pacto Colonial é quebrado A Espanha está envolvida em guerras desde o século 18
  8. 8. Os Estados Unidos foi o primeiro país a conseguir sua independência. A constituição estadunidense foi construída com base nos ideais iluministas que incentivaram também a revolução. INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS
  9. 9. José BonaparteFernando VII de Espanha Napoleão Bonaparte NAPOLEÃO NA ESPANHA
  10. 10. Os Desastres da Guerra são uma série de gravuras feitas entre 1810 e 1815 por Francisco Goya com o objetivo de expor o horror enfrentado pelo povo espanhol. OS DESASTRES DA GUERRA
  11. 11. ESPANHA VICE-REINOS Rio da Prata Nova Granada Nova Espanha Do Peru CAPITANIAS Cuba Venezuela Chile Guatemala Buenos Aires A AMÉRICA HISPÂNICA 1776
  12. 12. CONTEXTO SOCIO-ECONÔMICO • Exploração Mineral • Exploração dos recursos tropicais • Produção de Couro • Produção Agropecuária • Fragmentação econômica • Desavenças internas • Conflito de Interesses • Fortalecimento das Elites locais • Buenos Aires se torna Capitania de Prata • Ampliação dos conflitos entre Metrópole e interior • Criação do Vice-Reino de Prata • Aumento dos conflitos internos • Protestos interno: Assunção, Córdoba e de Montevidéu Segundo MECHER (2007):
  13. 13. Com as independências dos Estados Unidos e do Haiti; o fortalecimento das elites locais; a ocupação da metrópole pelas tropas francesas e; com os novos ares iluministas e liberais a chegarem, levantes regionais se multiplicam e resultarão aos processos de independência. (MERCHER, 2007) IDEAIS DA INDEPENDÊNCIA
  14. 14. Conflitos Internos, Unificação, Independência e Constituição
  15. 15. ESPANHA X FRANÇA • Invasão das tropas em 1808 • Frederico VII é mantido em cárcere. • Ideais revolucionários disseminados por toda a Europa
  16. 16. MOTIVAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA • Crise da Espanha • Invasões Inglesas • Insatisfação dos Criollos • Ideais iluministas • Independência do Haiti e EUA • Ocorrida em 1816 • Vice-Reinado do Rio Prata. • Criação da Junta de Criollos • União das Províncias do Sul • Buenos Aires é capital REVOLUÇÃO DE MAIO
  17. 17. • Ideais políticos diferentes. • Situação econômica instável. • Privilégios aos Chapetones. • Crise de classes • Apoio dos EUA e Inglaterra CONFLITOS INTERNOS Chapetones: Nascidos na Espanha, possuíam todos os privilégios, em geral, eram clérigos e não apoiavam a independência. Criollos: Nascidos em solo Americano, influenciados pelo iluminismo, ansiavam a liberdade politica e econômica da América Espanhola.
  18. 18. UNIFICAÇÃO DA ARGENTINA Processo de Independência 1810 Conflitos internos durante 20 anos Unificação em 1826 Sol de Maio
  19. 19. • Processo de Independência começa em 1810. • Cenário da época: instabilidade política e econômica, somado à guerras • Congresso de Tucumã é convocado em 1816 para decidir o futuro do país. CONGRESSO DE TUCUMÃ • Os representantes debatem por muitos dias. • No dia 9 de julho é discutido o projeto de declaração da independência. • Com a aprovação, a independência é oficializada no mesmo dia.
  20. 20. • Após a Independência foi constituído um governo provisório de Militares e intelectuais. • Este governo provisório tinha por objetivo elaborar a constituição do país. CONSTITUIÇÃO ARGENTINA • Os políticos não concordavam com o tipo de estado a ser adotado. • Diante desse impasse Juan Domingos Rosas estabelece uma Ditadura. • Jovens intelectuais inspiram a constituição • Derrubada da ditadura em 1852. • É realizada uma assembleia constituinte e a constituição fica pronta em 1853
  21. 21. • Militar espanhol • Excelente estrategista • Libertou a Argentina • Independência frágil SAN MARTÍN INGLATERRA E EUA• Os dois apoiam a independência. • EUA, baseados na Doutrina Monroe. • Inglaterra buscando mais mercado para seus produtos manufaturados. • Queriam uma América
  22. 22. CONCLUSÃO
  23. 23. • ________. A Independência da Argentina (Províncias Unidas do Prata). Disponível em:<http://goo.gl/hE4K9N>. Acesso em: 23/08/2013. • CAMPOS, F. A escrita da Historia. Independência da América Hispânica. São Paulo, 1ª Edição, Editora Escala Educacional, 2005. • CANDEAS, A. W. Relações Brasil-Argentina: uma análise dos avanços e recuos. Disponível em: <http://goo.gl/2rTE6c>. Acesso em: 22 de ago de 2013. • ELI, Marcos. Sistema Colonial: Mercantilismo. Disponível em: <http://goo.gl/ui6wQm>. Acesso em: 24 de ago de 2013. • LIMA, C. I.; NOGUEIRA, G. P. A formação do estado-nacional argentino e a Construção da identidade nacional. Disponível em: <http://goo.gl/3MLN4c>. Acesso em: 22 de ago de 2013. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  24. 24. • LUFT, M. C. O processo de independência e organização nacional das ex-colônias espanholas: visões de autores. Disponível em: <http://goo.gl/cjqav6>. Acesso em: 22 de ago de 2013. • MARTINS, Reinaldo. A Crise do Antigo Regime. Disponível em: <http://goo.gl/0mK9BA>. Acesso em: 24 de ago de 2013. • MERCHER, L. Argentina: De Vice-Reino A Um Estado De Províncias. Disponível em: <http://goo.gl/ew2kdk>. Acesso em: 22 de ago de 2013. • PILETTI, N. Toda a Historia. Independência da América Hispânica. 13º edição, Editora Atica, 2007. • PRADO, Maria L.C. Esperança radical e desencanto conservador na Independência da América Espanhola. História. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  25. 25. • SCHILLING, Voltaire. Goya, o pintor das mil caras. Disponível em: <http://goo.gl/E4WzfT>. Acesso em: 24 de ago de 2013. • SILVA, J. C. Argentina, política, história e literatura: governo e sociedade rosista, observação da história e corroboração através da literatura. Disponível em: <http://goo.gl/XGt74s>. Acesso em: 22 de ago de 2013. • SILVA, R. R. “Facundo – civilização e barbárie”: uma interpretação da argentina pós-independência. Disponível em< http://goo.gl/p5HG6I>. Acesso em: 22 de ago de 2013. • SODRÉ, Marcos. O Processo de Crise e Independência da América Espanhola e da América Portuguesa. Disponível em <http://goo.gl/5vlfSu>. Acesso em: 24 de ago de 2013. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

×