SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Espaço civilizacional greco-latino a beira da mudança
[object Object],[object Object]
O Aparecimento do cristianismo no império romano . Por todo o império romano, eram acolhidos diversos cultos e devoções a vários deuses.  ,[object Object],Mas nesse vasto império, havia um povo monoteísta os JUDEUS. Que se encontravam na Palestina que, estava sob domínio dos romanos desde 64 a.C.  (JUDAISMO-JEOVÁ)
Segundo a fé cristã, Deus enviou à terra o seu filho, não só para espalhar a mensagem de deus, mas também, para ser o Messias ou Cristo (em grego), “O salvador”, à muito esperado pelo povo hebreu (o antigo povo que dará origem aos judeus). Daí a chamar-se JESUS CRISTO . Pois estes acreditavam que um dia viria alguém, para os libertar do domínio dos romanos.  Ora, Jesus veio ao mundo com a missão de difundir a palavra de seu pai e assim fundar uma nova religião, CRISTIANISMO. Começa por espalhar a “Boa Mensagem”, o significado da palavra Evangelho, na região onde vivia. E só depois de 2 anos, é que parte  junto com os seus 12 discípulos, para outras cidades e aldeias. ,[object Object],[object Object],O Aparecimento do cristianismo no império romano .
[object Object],Jesus Cristo, divulgava uma nova mensagem de  FRATERNIDADE, SOLIDARIEDADE HUMANA, HUMILDADE, PACIFISMO, UNICIDADE  e “ SALVAÇÃO ”, ora prometia aos crentes a imortalidade espiritual pela sobrevivência da alma, depois da morte.  UNIVERSAL REVOLUCIONÁRIA  TOTALITÁRIA Dirige-se a toda Humanidade sem distinção de, raça, sexo ou situação social. (ao contrário do judaísmo) Pois vem contrariar as desigualdades sociais do seu tempo, e defende a igualdade entre os homens. Defendia a existência de um único deus, não admitiam e prestavam culto qualquer outro credo, se não a Deus, o todo poderoso. Aos olhos de deus todos podem alcançar a vida eterna, pois para ele não há diferenças entre os homens. Era uma mensagem carácter exclusivo e messiânico, isto é, anunciador de uma nova ordem espiritual, em que todos tinham de ser seus crentes. O Aparecimento do cristianismo no império romano .
Por isso Jesus foi rejeitado e acusado de blasfemo, e juntamente com os seus seguidores, foram martirizados e perseguidos pelas autoridades judaicas.  Mas Jesus, quando foi aclamado Messias, não vêm a ser aceite por todos os judeus, nomeadamente os lideres religiosos judeus, os que defendiam o judaísmo oficial. Pois estes já tinham tido conhecimentos de outros anteriores messias que, não tinham tido um grande impacto, como Jesus. O Aparecimento do cristianismo no império romano . E só após à morte de Jesus é que os cristãos vão sofrer, as sucessivas e sangrentas perseguições e massacres por parte dos romanos.
Ora os romanos ao quererem,  criar laços  com autoridade  religiosas judaicas, ao concordarem que Jesus  não passava de um  blasfemo , por verem-no como  perturbador da paz social  e  temerem que se tornasse num líder  numa das regiões de domínio romano. Entre o ano  30  e  33 , a mando do procurador romano Pâncio Pilatos, Jesus vêm a ser torturado, condenado à morte, através de um castigo comum na época, a CRUCIFICAÇÃO.  Crucificação de Jesus no império romano. O Aparecimento do cristianismo no império romano .
E assim foram ganhando cada vez mais seguidores e crentes, nomeadamente, entre os excluídos da sociedade, como as mulheres, os pobres e em especial os escravos. E cada vez eram mais mal vistos pela maior parte da sociedade romana. Os apostoles, os principais testemunhos da vida de Jesus, (entre eles, S.Pedro e S.Paulo) entre 45 d.C. e 61 d.C ., vão estar encarregues de difundir a mensagem cristã, que juntamente com o Novo testamento (bíblia), se vai espalhar rapidamente pelo império, devido a factores que os beneficiaram, como: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],E após a morte de Jesus. O Aparecimento do cristianismo no império romano.
 
E é então no ano  64 d.C .  que se vai iniciar a época  dos mártires, a época das perseguições aos cristãos. Pois incomodados com o crescimento de cristãos e com  alguns aspectos que os caracterizavam, viam-nos assim como perturbadores da paz social, mas esses aspectos tinham mais um carácter politico do que propriamente religioso, tais como: ,[object Object],[object Object],[object Object],Vão ser acusados de : ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Crescimento do cristianismo no império romano.
Estes vão ser perseguidos e massacrados desde  64 d.C.  até entre  303 d.C. e 305 d.C ., pelos imperadores, Nero, Domiciano, Trajano, Marco Aurelio Septimio Severo, Maximiano, Decio, Valeriano, Aureliano e por ultimo Diocleciano. Se fossem cidadãos romanos eram decapitados se não, podiam ser  atirados às feras  no coliseu, ou  enviados para  trabalhar nas minas , eram  crucificados ,  condenados aos  trabalhos forçados ,  exílios  e utilizados como  tochas . Cristãos sendo usados como tochas humanas. E por volta do  séc. II d.C . , as perseguições aos cristãos começam atingem uma grande violência. Crescimento do cristianismo no império romano.
 
Perante a situação vivida vão ser cridas as  catacumbas   para os cristãos se refugiarem e de certa forma ali poderem  praticar em tranquilidade cerimónias de culto ou até enterramento dos mortos. - Seus adeptos uniram-se, e o heroísmo dos mártires começou a suscitar múltiplas conversões, e foram ganhando cada vez mais adeptos em todas as  classes   sociais   e na  política , na  administração  e no  exército   e ainda nas  cortes , aumentando consideravelmente o número de fiéis. No  séc. III d.C . as perseguições acabaram por fortalecer o Cristianismo. Crescimento do cristianismo no império romano.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],E assim Constantino a partir de 313 vêm conceder aos cristãos um tratamento preferencial, colocando-os nos   mais altos cargos do Império ,  isenções fiscais  e a  permissão de construção de Templos   ao seu Deus. Escultura de Constantino . Mas este, ao temer as divisões que começaram a surgir entre os cidadãos, convocou em  325 , o  I Concílio Ecuménico  (Concílio de Niceia) onde se vão reunir os bispos cristãos para definir as verdadeiras doutrinas (Credo Niceno) Império romano - cristão
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],E todos os sucessores a Constantino, à excepção de Julião, o  Apóstata , professaram o cristianismo, que vem assim ganhando cada vez mais evidência. ,[object Object],[object Object],Escultura de Teodósio. Império romano - cristão
O imperador vai ser visto como o “ escolhido , que Deus  mandou à terra, para governar em Seu nome” , sendo destituído da condição de deus vivo, mas adquirindo um enorme poder.  ,[object Object],[object Object],E o monoteísmo vem adaptar-se à instituição imperial  havendo agora um só deus e um só imperador onde concentram em si, toda autoridade. Império romano - cristão
E aliada a autoridade terrena à  igreja   romana – cristã,  é consolidada e sob o seu aspecto doutrinal e administrativo vem ser essencial para os romanos. A organização eclesiástica toma por base  Diocese  (do grego antigo  διοίκησις , pelo  latim  dioecēsis  ), uma unidade territorial  administrada por um bispo, que  coordenava  a capital de província. E assim Roma, para além de ser o coração do império, vem-se tornar a sede do cristianismo,  onde o bispo vem receber o título  de Papa  (pai, em grego), que vem centrar em si a autoridade  sobre todos os fiéis. Pedro como o primeiro Bispo de Roma Pedro o Primeiro Papa da Igreja Católica Império romano - cristão
O Cristianismo no ano 400.
No decorrer dos primeiros séculos, os cristãos encontravam-se essencialmente entre os habitantes das cidades, atraindo cada vez mais outros  grupos sociais  mais elevados e  mais cultos , ora as  elites  romanas  vieram aderir à nova religião, e a partir do  século IV , ao serviço da qual colocaram os seus conhecimentos da cultura greco-latina.  ,[object Object],[object Object],Foi mais fácil para os Cristãos propagarem a sua fé nas cidades do que no campo, e foi nelas que também os apóstolos mais exerceram a sua acção.  ,[object Object],A Igreja e a transmissão do legado  político – cultural clássico
- Vieram merecer por parte de alguns Padres da Igreja uma especial atenção já que consideravam que esta poderia  fornecer os  instrumentos lógicos  ,outros métodos e conceitos ,   conceptuais para o ensino da verdade revelada.   (Lactâncio, Sto. Ambrósio, S. Jerónimo e Sto. Agostinho). ,[object Object],Elementos culturais clássicos que se tornam  suporte da cultura cristã: S. Jerónimo ,[object Object],A Igreja e a transmissão do legado  político – cultural clássico
- Este revelou-se muito importante na defesa das ideias sobre questões de natureza política e social e no controlo das questões administrativas e disciplinares no interior da Igreja, pois foi base do  Direito Canónico . ,[object Object],- Compreende uma  celebração religiosa  pré-definida, que foi enriquecida pela incorporação de aspectos só cerimonial imperial. ,[object Object],[object Object],A Igreja e a transmissão do legado  político – cultural clássico
- A  arquitectura religiosa  seguiu os modelos das construções romanas, quer públicas ou privadas, estas vão-se basear nos palácios imperiais, termas, nas basílicas e entre outros edifícios religiosos. ,[object Object],- Tal como os  frescos, mosaicos, estátuas e relevos  cristãos que se vão inspirar nos modelos romanos atribuindo-lhes apenas um conteúdo diferente. ,[object Object],[object Object],A Igreja e a transmissão do legado  político – cultural clássico
Basílica de Santa Maria Maggiore em Roma .
Para além dos aspectos culturais, a Igreja preservou  o legado político da antiguidade: . Ideia de um poder forte , centrado numa só pessoa (um imperador), manteve-se viva até ao tempo medieval. .  Ideia de um poder Sagrado , tal como os últimos imperadores romanos, os monarcas afirmaram que governam em nome de Deus. No séc. XIII, os reis vêm iniciar igualmente aos imperadores um poder centralizado sendo nos escritores religiosos, que estes fundamentam as suas intenções. ,[object Object],A Igreja e a transmissão do legado  político – cultural clássico
A  Igreja romano-cristã , após a queda de Roma vai assumir -se como a única força organizada capaz de defender a unidade da Fé Cristã e  assegurar a transmissão de grande parte do legado cultural clássico. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],A Igreja e a transmissão do legado  político – cultural clássico
. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
“ TODO O PODER VEM DE DEUS” S. Paulo " Que saibamos Amar e Respeitar o Próximo como a nós mesmos " 2010/11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
Prenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordemPrenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordemcattonia
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibéricaMaria Cristina Ribeiro
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana eb23ja
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em romaCarla Teixeira
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANOCarina Vale
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo atenienseEscoladocs
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medievalcattonia
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romanoVítor Santos
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundoVítor Santos
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizadaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais procurados (20)

País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
Prenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordemPrenúncios de uma nova ordem
Prenúncios de uma nova ordem
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
O poder político em roma
O poder político em romaO poder político em roma
O poder político em roma
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 

Destaque

O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseLojinha da Flor
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
As transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaAs transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaSusana Simões
 
Geografia cultural europeia
Geografia cultural europeiaGeografia cultural europeia
Geografia cultural europeiaCarlos Vieira
 
O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O CristianismoAEDFL
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidadeVítor Santos
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeiaVítor Santos
 
O surgimento do cristianismo
O surgimento do cristianismoO surgimento do cristianismo
O surgimento do cristianismoFabrício Colombo
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2Vítor Santos
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaAna Barreiros
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 

Destaque (18)

O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 
As transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaAs transformações económicas da europa
As transformações económicas da europa
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Geografia cultural europeia
Geografia cultural europeiaGeografia cultural europeia
Geografia cultural europeia
 
O Cristianismo
O CristianismoO Cristianismo
O Cristianismo
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
O surgimento do cristianismo
O surgimento do cristianismoO surgimento do cristianismo
O surgimento do cristianismo
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 

Semelhante a Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança

O império em crise parte 1
O império em crise  parte 1O império em crise  parte 1
O império em crise parte 1Carla Teixeira
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em romaAna Barreiros
 
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino Raimund M Souza
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bEscoladocs
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bEscoladocs
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismofaculdadeteologica
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antigaJosJunqueira1
 
História da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivência
História da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivênciaHistória da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivência
História da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivênciaAndre Nascimento
 
História da igreja antiga
História da igreja antigaHistória da igreja antiga
História da igreja antigaAlberto Simonton
 
O Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completo
O Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completoO Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completo
O Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completoADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
Slide cristianismo hist. das religiões
Slide cristianismo   hist. das religiõesSlide cristianismo   hist. das religiões
Slide cristianismo hist. das religiõesJoás Silva
 

Semelhante a Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança (20)

O império em crise parte 1
O império em crise  parte 1O império em crise  parte 1
O império em crise parte 1
 
O cristianismo em roma
O cristianismo em romaO cristianismo em roma
O cristianismo em roma
 
Roma antiga arlete
Roma antiga arleteRoma antiga arlete
Roma antiga arlete
 
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
Roma antiga Cristianismo Reino Franco e Império Bizantino
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
18
18 18
18
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
CRISTIANISMO
CRISTIANISMOCRISTIANISMO
CRISTIANISMO
 
Historia da igreja antiga
Historia da igreja antigaHistoria da igreja antiga
Historia da igreja antiga
 
História da Igreja #6
História da Igreja #6História da Igreja #6
História da Igreja #6
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
História da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivência
História da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivênciaHistória da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivência
História da Igreja I: Aula 4 - A batalha pela sobrevivência
 
Origens do Cristianismo
Origens do CristianismoOrigens do Cristianismo
Origens do Cristianismo
 
História da igreja antiga
História da igreja antigaHistória da igreja antiga
História da igreja antiga
 
O Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completo
O Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completoO Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completo
O Martírio nos Tempos Atuais - Ave-Cristo - 70 anos_TEXTO_completo
 
Slide cristianismo hist. das religiões
Slide cristianismo   hist. das religiõesSlide cristianismo   hist. das religiões
Slide cristianismo hist. das religiões
 

Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança

  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Por isso Jesus foi rejeitado e acusado de blasfemo, e juntamente com os seus seguidores, foram martirizados e perseguidos pelas autoridades judaicas. Mas Jesus, quando foi aclamado Messias, não vêm a ser aceite por todos os judeus, nomeadamente os lideres religiosos judeus, os que defendiam o judaísmo oficial. Pois estes já tinham tido conhecimentos de outros anteriores messias que, não tinham tido um grande impacto, como Jesus. O Aparecimento do cristianismo no império romano . E só após à morte de Jesus é que os cristãos vão sofrer, as sucessivas e sangrentas perseguições e massacres por parte dos romanos.
  • 7. Ora os romanos ao quererem, criar laços com autoridade religiosas judaicas, ao concordarem que Jesus não passava de um blasfemo , por verem-no como perturbador da paz social e temerem que se tornasse num líder numa das regiões de domínio romano. Entre o ano 30 e 33 , a mando do procurador romano Pâncio Pilatos, Jesus vêm a ser torturado, condenado à morte, através de um castigo comum na época, a CRUCIFICAÇÃO. Crucificação de Jesus no império romano. O Aparecimento do cristianismo no império romano .
  • 8.
  • 9.  
  • 10.
  • 11. Estes vão ser perseguidos e massacrados desde 64 d.C. até entre 303 d.C. e 305 d.C ., pelos imperadores, Nero, Domiciano, Trajano, Marco Aurelio Septimio Severo, Maximiano, Decio, Valeriano, Aureliano e por ultimo Diocleciano. Se fossem cidadãos romanos eram decapitados se não, podiam ser atirados às feras no coliseu, ou enviados para trabalhar nas minas , eram crucificados , condenados aos trabalhos forçados , exílios e utilizados como tochas . Cristãos sendo usados como tochas humanas. E por volta do séc. II d.C . , as perseguições aos cristãos começam atingem uma grande violência. Crescimento do cristianismo no império romano.
  • 12.  
  • 13. Perante a situação vivida vão ser cridas as catacumbas para os cristãos se refugiarem e de certa forma ali poderem praticar em tranquilidade cerimónias de culto ou até enterramento dos mortos. - Seus adeptos uniram-se, e o heroísmo dos mártires começou a suscitar múltiplas conversões, e foram ganhando cada vez mais adeptos em todas as classes sociais e na política , na administração e no exército e ainda nas cortes , aumentando consideravelmente o número de fiéis. No séc. III d.C . as perseguições acabaram por fortalecer o Cristianismo. Crescimento do cristianismo no império romano.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. E aliada a autoridade terrena à igreja romana – cristã, é consolidada e sob o seu aspecto doutrinal e administrativo vem ser essencial para os romanos. A organização eclesiástica toma por base Diocese (do grego antigo διοίκησις , pelo latim dioecēsis ), uma unidade territorial administrada por um bispo, que coordenava a capital de província. E assim Roma, para além de ser o coração do império, vem-se tornar a sede do cristianismo, onde o bispo vem receber o título de Papa (pai, em grego), que vem centrar em si a autoridade sobre todos os fiéis. Pedro como o primeiro Bispo de Roma Pedro o Primeiro Papa da Igreja Católica Império romano - cristão
  • 18. O Cristianismo no ano 400.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. Basílica de Santa Maria Maggiore em Roma .
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. “ TODO O PODER VEM DE DEUS” S. Paulo " Que saibamos Amar e Respeitar o Próximo como a nós mesmos " 2010/11