SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
Caderno de Teoria e Prática 05

Objetivo:
Reconhecer,       relacionar     e
compreender        conteúdos     e
atividades voltados para as
temáticas Estilística, Coerência e
Coesão.
Fundamentação Teórica
 Estilística
 Coerência Textual

 Coesão Textual

 Relações lógicas no texto
Retomadas

   Conversar sobre os recursos
    linguísticos e discursivos
    apresentados em um texto.
   Objetivo alcançado.

                      Avaliação
   Oral e Escrita.
Atividades
1. Apresentação da Teoria do Caderno 5
2. Leitura da Crônica – E o noivo estava de
  tênis – Luis Fernando Verissimo.
 Conversa sobre o título.

 Perceber a intenção do autor – Finalidade.

 Análise dos recursos linguísticos,

  estilísticos e discursivos disponíveis na
  crônica
 Observar como o autor seleciona as

  palavras.
A Estilística é a disciplina que estuda a
linguagem que se cria com os elementos
da Língua. (Estudo do estilo)
O Estilo - o resultado da escolha dos
recursos expressivos capazes de produzir
os efeitos de sentido motivados pela
emoção e afetividade do falante. (Gênero)
Gramática estuda os elementos da língua e
estilística estuda a linguagem que se cria
com esses elementos.
A Estilística em dois níveis:

Nível fonético refere se aos valores expressivos
de natureza sonora.
Nível léxico estuda aspectos expressivos das
palavras ligadas aos seus componentes
semânticos e morfológicos.

Estilística associada a sintaxe - combina as
palavras na frase, e a enunciação, que pesquisa
no enunciado as marcas dos vários elementos
com ela relacionados: situação, contexto sócio-
histórico, locutor, receptor, referente.
A estilística estuda os valores
    relacionados a:
   sonoridade,
   significação,
   formação das palavras,
   à constituição da frase e do discurso.
Coerência Textual
É o resultado da articulação das ideias de
um texto; é a estrutura lógico-semântica
que faz com que numa situação discursiva
palavras e frases componham um todo
significativo para os interlocutores.
Coerência textual

   Para ser coerente, o texto deve
    apresentar uma relação lógica e
    harmônica entre suas ideias, que
    devem ser ordenadas e interligadas de
    maneira clara, formando, assim, uma
    unidade na qual as partes tenham
    nexo.
Fatores que contribuem para a
    coerência textual:
    Contexto situacional.
   Os interlocutores em si, suas crenças e
    intenções       comunicativas,        o
    relacionamento     social   entre    os
    interlocutores.
   Função      comunicativa    do    texto
    (finalidade)


Página 94 do TP 5
Coesão textual
   A Coesão é um mecanismo linguístico
    que articula as informações de um
    texto, relacionando sentenças com o
    que veio antes e que virá depois, ou
    seja, um conjunto de recursos que
    orientam a construção da continuidade
    do texto.
   Os    elementos    que    marcam     a
    continuidade dos sentidos do texto são
    chamados elos ou laços coesivos.


            Coerência X Coesão
      A coerência se constrói na relação
    entre o texto e o seu contexto. A
    coesão se constrói entre as partes do
    texto. O fenômeno da coesão textual é
    solidário ao da coerência.
Coesão textual

   Para que um texto apresente coesão,
    devemos escrever de maneira que as
    ideias se liguem umas às outras,
    formando um fluxo lógico e contínuo.
    Quando um texto está coeso, temos a
    sensação de que sua leitura acontece
    com facilidade.
1. Coesão referencial

       Alcançamos a coesão referencial utilizando
    expressões que retomam ou antecipam nossas
    ideias:
      # onde: "lugar" e pode substituir outras
    palavras.
   São Paulo é uma cidade onde a poluição atinge
    níveis muito altos.
    # cujo: pode estabelecer uma relação de posse
    entre dois substantivos.
   Verissimo é um escritor cujas obras lemos com
    prazer.
2. Coesão lexical
   Permite evitar a repetição de palavras e, também,
    unir partes de um texto.

Pode ser alcançada utilizando-se:
 #   de sinônimos: palavras semelhantes que
  podem ser usadas em diferentes contextos, mas
  sem alterar o que o texto pretende transmitir.
 A Bíblia não esclarece se Adão e Eva chegaram a
  se casar, formalmente. ... Na ausência de um
  padre, o próprio Criador, na qualidade de maior
  autoridade presente — algo assim como o
  comandante de um navio em alto-mar __, deve ter
  oficiado a cerimônia.
3. Coesão sequencial
   Trata-se de estabelecer relações lógicas
    entre as ideias do texto. Para tanto,
    utilizamos   os    chamados   conectivos
    (preposições e conjunções).

 # Consequência (ou conclusão): por isso,
  logo, portanto, pois, de modo que, assim.
 Ela é muito competente, por isso conseguiu

  a vaga.
 # Causa: porque, pois, visto que, já que,.
 Ela conseguiu a vaga, já que é muito

  competente.
# Oposição: entretanto, mas, porém, no entanto,
  todavia, apesar, contudo.
 Foi o primeiro casamento feliz, apesar daquele

  incidente desagradável com a serpente.
 # Condição: se, caso, desde que, contanto que.
 Você pode ir brincar na rua, desde que faça todo

  o dever.
 # Finalidade: para que, a fim de que, com o
  objetivo de, com o intuito de.
 Com o intuito de conseguir a vaga na faculdade,

  Sílvia estudava oito horas todos os dias.
Relações lógicas no texto
   Para produzir sentidos, ser coerente, um
    texto   deve     fornecer    informações
    adequadas para que o leitor/ouvinte seja
    capaz de construir uma representação do
    mundo textual.
   As relações lógicas oferecem “pistas”
    sobre como essas informações devem
    ser organizadas.
Relações lógicas
   As Relações lógicas de tempo tem a
    função de localizar os fatos ou
    eventos referidos pelo texto em
    “tempos” relacionados ao momento
    da interação.
     Podem ser marcadas pela flexão
    verbal, por expressões substantivas
    e pronominais – esta semana,
    próximo ano. Por advérbios – agora,
    amanhã.
   Relação     lógica    de    identidade
    estabelece    a    comparação     entre
    elementos linguísticos que designam o
    mesmo objeto de discurso.
Relação lógica de identidade

    Em uma língua natural a
comparação nunca é absoluta e
total, pois o contexto de uso é
relevante para criar sentido ou
provocar uma certa finalidade
discursiva.
Exemplo: guri, moleque e menino...
   Relação lógica de Negação – representa a
    exclusão, a rejeição de possibilidade de
    uma informação, um fato ou uma idéia.
    As expressões linguísticas mais utilizadas
    podem ter a expressão mínima de um
    prefixo.
    (não, nenhum, nada, ninguém, nem, nego
    que, refuto que, deixe de...).
   Significados implícitos
    Ao construir ou ler um texto fazemos
    uso    de   “pistas”    que    ativam
    conhecimento ou informam sobre o
    assunto.
Há     “pistas” que orientam como
articular estes conhecimentos, ou seja,
marcas linguísticas que desencadeiam
relações lógicas no texto.
É nas relações lógicas de implicação
que     construímos    o   significados
implícitos.
Referências Bibliográficas
   VERISSIMO, Luis Fernando. Mais Comédias para ler na escola.Rio de
    Janeiro:Objetiva, 2008.
   I.LAGINESTRA, Maria Aparecida. II.PEREIRA, Maria Imaculada Pereira.
    III.Série A Ocasião faz o escritor:Caderno do Professor:Orientação para
    produção de Texto - Olimpíada de Língua Portuguesa. São Paulo: Cenpec,
    2010.
   DUBOIS, Jean e outros. Dicionário de Linguística. São Paulo: Ed. Cultrix,
    2007.
   KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A coesão textual. 17.ed.-São Paulo:
    Contexto, 2002.
     I.KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. II. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A
    coerência textual. 14.ed.- São Paulo: Contexto, 2002.
    ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras: coesão e coerencia – São Paulo:
    Parábola Editorial, 2005.
   Programa Gestão da Aprendizagem Escolar – Gestar II. Língua Portuguesa:
    Caderno de Teoria e Prática 5 – TP5: Estilo, coerência e coesão. Brasília:
    Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.
   http://www.filologia.org.br/ixcnlf/5/08.htm

    Fonte: http://vestibular.uol.com.br/ultnot/resumos/ult2772u52.jhtm
Equipe de Organização
   Luziane Pereira Castro
   Marisa Martins
   Roseli Bitzcof de Moura
   Sádia Maria Soares Azevedo Rocha


              Agosto, 2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (18)

Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º ano
 
Slide elaborado a construção do texto
Slide elaborado   a construção do textoSlide elaborado   a construção do texto
Slide elaborado a construção do texto
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
 
Coesão e coerência textual
Coesão e coerência textual Coesão e coerência textual
Coesão e coerência textual
 
Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)Textualidade e discursividade_(2)
Textualidade e discursividade_(2)
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Aula 3 fatores de textualidade (1)
Aula 3   fatores de textualidade (1)Aula 3   fatores de textualidade (1)
Aula 3 fatores de textualidade (1)
 
Aula red 06 02-2014 redação e textualidade
Aula red 06 02-2014 redação e textualidadeAula red 06 02-2014 redação e textualidade
Aula red 06 02-2014 redação e textualidade
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coesão Textual
Coesão TextualCoesão Textual
Coesão Textual
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Coerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuaisCoerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuais
 

Semelhante a Oficina de Língua Portuguesa

1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.pptssuser4f5e67
 
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptxAULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptxPAULOMOREIRA613632
 
Anafora e leitura cecilia aparecida tavares
Anafora e leitura   cecilia aparecida tavaresAnafora e leitura   cecilia aparecida tavares
Anafora e leitura cecilia aparecida tavaresAntonio Junior
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Helen Cristina
 
Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valSabrina Dará
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceEdilson A. Souza
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoAFMO35
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfbertonLopes
 
Coerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptx
Coerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptxCoerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptx
Coerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptxCarolinaBastos42
 
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano cNivea Neves
 

Semelhante a Oficina de Língua Portuguesa (20)

Tp5unidade20
Tp5unidade20Tp5unidade20
Tp5unidade20
 
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
 
Planos textuais
Planos textuaisPlanos textuais
Planos textuais
 
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptxAULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
AULA2LinguagemLinguaLinguistica.pptx
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
Anafora e leitura cecilia aparecida tavares
Anafora e leitura   cecilia aparecida tavaresAnafora e leitura   cecilia aparecida tavares
Anafora e leitura cecilia aparecida tavares
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
06
0606
06
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
Texto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa valTexto textualidade textualizacao_costa val
Texto textualidade textualizacao_costa val
 
Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1Comunicação Aplicada B1
Comunicação Aplicada B1
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escrito
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
 
Coerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptx
Coerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptxCoerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptx
Coerencia textual, relação de sentido nos textos, interpretação textual.pptx
 
Resumo Tp5 Unid 17 18
Resumo   Tp5   Unid 17 18Resumo   Tp5   Unid 17 18
Resumo Tp5 Unid 17 18
 
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c07  2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
07 2º bimestre - bloco 02 - 14_06_21 a 08_07_21 - 5º ano c
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Oficina de Língua Portuguesa

  • 1.
  • 2. Caderno de Teoria e Prática 05 Objetivo: Reconhecer, relacionar e compreender conteúdos e atividades voltados para as temáticas Estilística, Coerência e Coesão.
  • 3. Fundamentação Teórica  Estilística  Coerência Textual  Coesão Textual  Relações lógicas no texto
  • 4. Retomadas  Conversar sobre os recursos linguísticos e discursivos apresentados em um texto.  Objetivo alcançado. Avaliação  Oral e Escrita.
  • 5. Atividades 1. Apresentação da Teoria do Caderno 5 2. Leitura da Crônica – E o noivo estava de tênis – Luis Fernando Verissimo.  Conversa sobre o título.  Perceber a intenção do autor – Finalidade.  Análise dos recursos linguísticos, estilísticos e discursivos disponíveis na crônica  Observar como o autor seleciona as palavras.
  • 6. A Estilística é a disciplina que estuda a linguagem que se cria com os elementos da Língua. (Estudo do estilo) O Estilo - o resultado da escolha dos recursos expressivos capazes de produzir os efeitos de sentido motivados pela emoção e afetividade do falante. (Gênero) Gramática estuda os elementos da língua e estilística estuda a linguagem que se cria com esses elementos.
  • 7. A Estilística em dois níveis: Nível fonético refere se aos valores expressivos de natureza sonora. Nível léxico estuda aspectos expressivos das palavras ligadas aos seus componentes semânticos e morfológicos. Estilística associada a sintaxe - combina as palavras na frase, e a enunciação, que pesquisa no enunciado as marcas dos vários elementos com ela relacionados: situação, contexto sócio- histórico, locutor, receptor, referente.
  • 8. A estilística estuda os valores relacionados a:  sonoridade,  significação,  formação das palavras,  à constituição da frase e do discurso.
  • 9. Coerência Textual É o resultado da articulação das ideias de um texto; é a estrutura lógico-semântica que faz com que numa situação discursiva palavras e frases componham um todo significativo para os interlocutores.
  • 10. Coerência textual  Para ser coerente, o texto deve apresentar uma relação lógica e harmônica entre suas ideias, que devem ser ordenadas e interligadas de maneira clara, formando, assim, uma unidade na qual as partes tenham nexo.
  • 11. Fatores que contribuem para a coerência textual:  Contexto situacional.  Os interlocutores em si, suas crenças e intenções comunicativas, o relacionamento social entre os interlocutores.  Função comunicativa do texto (finalidade) Página 94 do TP 5
  • 12. Coesão textual  A Coesão é um mecanismo linguístico que articula as informações de um texto, relacionando sentenças com o que veio antes e que virá depois, ou seja, um conjunto de recursos que orientam a construção da continuidade do texto.
  • 13. Os elementos que marcam a continuidade dos sentidos do texto são chamados elos ou laços coesivos. Coerência X Coesão A coerência se constrói na relação entre o texto e o seu contexto. A coesão se constrói entre as partes do texto. O fenômeno da coesão textual é solidário ao da coerência.
  • 14. Coesão textual  Para que um texto apresente coesão, devemos escrever de maneira que as ideias se liguem umas às outras, formando um fluxo lógico e contínuo. Quando um texto está coeso, temos a sensação de que sua leitura acontece com facilidade.
  • 15. 1. Coesão referencial Alcançamos a coesão referencial utilizando expressões que retomam ou antecipam nossas ideias: # onde: "lugar" e pode substituir outras palavras.  São Paulo é uma cidade onde a poluição atinge níveis muito altos. # cujo: pode estabelecer uma relação de posse entre dois substantivos.  Verissimo é um escritor cujas obras lemos com prazer.
  • 16. 2. Coesão lexical  Permite evitar a repetição de palavras e, também, unir partes de um texto. Pode ser alcançada utilizando-se:  # de sinônimos: palavras semelhantes que podem ser usadas em diferentes contextos, mas sem alterar o que o texto pretende transmitir.  A Bíblia não esclarece se Adão e Eva chegaram a se casar, formalmente. ... Na ausência de um padre, o próprio Criador, na qualidade de maior autoridade presente — algo assim como o comandante de um navio em alto-mar __, deve ter oficiado a cerimônia.
  • 17. 3. Coesão sequencial  Trata-se de estabelecer relações lógicas entre as ideias do texto. Para tanto, utilizamos os chamados conectivos (preposições e conjunções). # Consequência (ou conclusão): por isso, logo, portanto, pois, de modo que, assim.  Ela é muito competente, por isso conseguiu a vaga. # Causa: porque, pois, visto que, já que,.  Ela conseguiu a vaga, já que é muito competente.
  • 18. # Oposição: entretanto, mas, porém, no entanto, todavia, apesar, contudo.  Foi o primeiro casamento feliz, apesar daquele incidente desagradável com a serpente. # Condição: se, caso, desde que, contanto que.  Você pode ir brincar na rua, desde que faça todo o dever. # Finalidade: para que, a fim de que, com o objetivo de, com o intuito de.  Com o intuito de conseguir a vaga na faculdade, Sílvia estudava oito horas todos os dias.
  • 19. Relações lógicas no texto  Para produzir sentidos, ser coerente, um texto deve fornecer informações adequadas para que o leitor/ouvinte seja capaz de construir uma representação do mundo textual.  As relações lógicas oferecem “pistas” sobre como essas informações devem ser organizadas.
  • 20. Relações lógicas  As Relações lógicas de tempo tem a função de localizar os fatos ou eventos referidos pelo texto em “tempos” relacionados ao momento da interação. Podem ser marcadas pela flexão verbal, por expressões substantivas e pronominais – esta semana, próximo ano. Por advérbios – agora, amanhã.
  • 21. Relação lógica de identidade estabelece a comparação entre elementos linguísticos que designam o mesmo objeto de discurso.
  • 22. Relação lógica de identidade Em uma língua natural a comparação nunca é absoluta e total, pois o contexto de uso é relevante para criar sentido ou provocar uma certa finalidade discursiva. Exemplo: guri, moleque e menino...
  • 23. Relação lógica de Negação – representa a exclusão, a rejeição de possibilidade de uma informação, um fato ou uma idéia. As expressões linguísticas mais utilizadas podem ter a expressão mínima de um prefixo. (não, nenhum, nada, ninguém, nem, nego que, refuto que, deixe de...).
  • 24. Significados implícitos Ao construir ou ler um texto fazemos uso de “pistas” que ativam conhecimento ou informam sobre o assunto.
  • 25. “pistas” que orientam como articular estes conhecimentos, ou seja, marcas linguísticas que desencadeiam relações lógicas no texto. É nas relações lógicas de implicação que construímos o significados implícitos.
  • 26. Referências Bibliográficas  VERISSIMO, Luis Fernando. Mais Comédias para ler na escola.Rio de Janeiro:Objetiva, 2008.  I.LAGINESTRA, Maria Aparecida. II.PEREIRA, Maria Imaculada Pereira. III.Série A Ocasião faz o escritor:Caderno do Professor:Orientação para produção de Texto - Olimpíada de Língua Portuguesa. São Paulo: Cenpec, 2010.  DUBOIS, Jean e outros. Dicionário de Linguística. São Paulo: Ed. Cultrix, 2007.  KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A coesão textual. 17.ed.-São Paulo: Contexto, 2002.  I.KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. II. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 14.ed.- São Paulo: Contexto, 2002.  ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras: coesão e coerencia – São Paulo: Parábola Editorial, 2005.  Programa Gestão da Aprendizagem Escolar – Gestar II. Língua Portuguesa: Caderno de Teoria e Prática 5 – TP5: Estilo, coerência e coesão. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.  http://www.filologia.org.br/ixcnlf/5/08.htm  Fonte: http://vestibular.uol.com.br/ultnot/resumos/ult2772u52.jhtm
  • 27. Equipe de Organização  Luziane Pereira Castro  Marisa Martins  Roseli Bitzcof de Moura  Sádia Maria Soares Azevedo Rocha Agosto, 2011