SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Professor: Rodrigo Gomes da Silva
Assunto: Introdução ao Processo Iterativo com RUP
Novembro / 2013
Apresentação
Rodrigo Gomes da Silva
Contatos:
rodrigo.gomes3@hotmail.com
rogomes@br.ibm.com
rodrigo.gomes@unis.edu.br

Redes Sociais
http://www.linkedin.com/pub/rodrigo-gomes-da-silva/37/568/716
https://twitter.com/rodrigogomes3
https://www.facebook.com/rodrigo.gomesdasilva.92

•

Certificações
–
–

•

Formação:
–
–
–
–

•

Especialista em Design Instrucional para EaD Virtual (UNIFEI)
Especialista em Docência do Ensino Superior (FINOM)
Bacharel em Sistemas de Informação (UEMG)
Técnico em Processamento de Dados (CETEV)

Atualmente:
–
–

•

IBM Certified RMUC – Requirements Management with Use Cases Part 1
IBM Certified RMUC – Requirements Management with Use Cases Part 2

Analista de Requisitos na IBM do Brasil - SP
Professor Universitário – UNIS-MG

Atuações Anteriores
–
–
–
–
–

Professor Universitário – FACECA
Professor Universitário – UNINCOR
Professor Universitário – FIPV
Analista de Sistemas – Sindicato Rural da Campanha
Gerente de TI – Santa Casa de Misericórdia da Campanha
Agenda
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Sintomas dos problemas de desenvolvimento de software
As 6 melhores práticas da Engenharia de Software
Princípios do Desenvolvimento Iterativo
Processo de Desenvolvimento RUP – Rational Unified Process
Fases do RUP
Disciplinas do RUP
Papéis, Atividades e Artefatos do RUP
Acessar uma Instância do RUP
Documento Visão
Sintomas dos Problemas de Desenvolvimento
de Software
•
•
•
•
•

Necessidade dos usuários e do negócio não são totalmente
compreendidas
Módulos não integrados
Dificuldade de manutenção
Qualidade ruim na experiência do usuário final
Time descordenado
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
•
•
•
•
•
•

Desenvolvimento iterativo
Gestão de requisitos
Arquitetura baseada em componentes
Modelagem Visual (UML)
Verificação Contínua da Qualidade
Gestão de Mudanças
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
•

Desenvolvimento em Cascata

Planejamento

– Atraso na percepção e
resolução de riscos críticos
– Impede a implantação
antecipada

Análise Requisitos

Design

Codificação / Teste
Integração
Sub-Sistemas
Teste de Sistemas

– Frequentemente resulta em
grandes iterações planejadas
– A fase seguinte só inicia
quando a fase anterior termina
– Dificuldade em realizar
mudanças com o projeto em
andamento
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 1 - Desenvolvimento Iterativo
– Resolve maiores riscos
antes de grandes
investimentos
– Permite conhecer um
feedback do usuário mais
cedo
– Realiza testes e integrações
contínuamente
– Define marcos do projeto a
curto prazo
– Permite implantações
parciais
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 1 - Desenvolvimento Iterativo
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Risco ( Cascata x Iterativo)
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 2 - Gestão de Requisitos
– Certifica-se de resolver o problema certo e construir o sistema
correto
– Através de uma abordagem sistêmica para:
• Compreensão do problema.
• Elicitar, organizar e documentar os requisitos.
• Gerenciando as novas exigências de uma aplicação de software (Change
Request)
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 3 - Arquitetura Baseada em
Componentes
– Reuso e customizção de componentes
– Selecione a partir de componentes disponíveis
comercialmente
– Evoluir software existente de forma incremental
– Maior encapsulamento
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 4 - Modelagem Visual - UML
– Captura a estrutura e o comportamento
– Mostra como os elementos do sistemas se
encaixam
– Mantém uma conscistência entre concepção e
implementação
– Esconde ou expõe detalhes quando necessário
– Promove uma comunicação não ambígua
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 5 - Verificação Contínua da
Qualidade
– Dimensões de Teste da Qualidade
•
•
•
•
•

Funcionalidade
Usabilidade
Confiança
Suportabilidade
Performance
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 5 - Verificação Contínua da
Qualidade
– Funcionalidade
• Testa o funcionamento preciso de cada cenário de uso
da aplicação

– Usabilidade
• Testa o aplicativa a partir da perspectiva de
conveniência para o usuário final

– Confiança
• Testa se o aplicativo possui um comportamento
consistente e previsível
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 5 - Verificação Contínua da
Qualidade
– Suportabilidade
• Testa a capacidade de manter e apoiar o aplicativo no
momento em que está em produção

– Performance
• Teste de carga com média e alto de pico
As 6 Melhores Práticas da Engenharia de
Software
• Melhor Prática 6 - Change Request Management
(Gestão da Solicitação de Mudanca) As solicitações de mudança
podem vir de várias fontes
durante o ciclo de vida do
produto.

Novas características
Requisito
Canal de
Aprovação

Novos requisitos

Bug

Design

Codificação
Teste

Change request
Manutenção

Clientes e usuários

Marketing
Codificadores e
testadores
Outros stakeholders
RUP – Rational Unified Process
• O RUP é um processo de
engenharia de software.
– Abordagem disciplinar de
atribuir tarefas e
responsabilidades em um
processo de
desenvolvimento de uma
organização.
• O RUP é um Framework.
– Pode ser instanciado
gerando diversos processos.
• Dependentes da organização.
• Dependentes da aplicação.

Nenhum processo é

adequado para todos as
organizações/aplicações.
Processo de Desenvolvimento RUP
•

Um processo define quem está fazendo o quê, quando e
como alcançar um determinado objetivo.

Novos requisitos
ou requisitos alterados

Processo de
Engenharia de
Software

Sistema novo ou
melhorado

• Roteiro para um desenvolvimento eficiente e de qualidade.
– Aborda as melhores práticas
• Visando reduzir o risco e o custo do projeto.
Processo de Desenvolvimento RUP
•Um processo descreve quem
está fazendo o que, como e
quando.
– Papéis
• Quem

– Atividades
• Como

– Artefatos
• O que

– Disciplinas
• Quando
Instância do RUP – Rational Unified Process
Download Rational Method Composer
http://www.ibm.com/developerworks/br/downloads/r/rup/
Instância do RUP – Rational Unified Process
Instância Online do RUP
http://www.wthreex.com/rup/v711_ptbr/index.htm
Fases do RUP

Iniciação
Elaboração
Construção
Transição
Fases do RUP
Fase de Iniciação
Formular o escopo do projeto. Isso envolve capturar o contexto, bem
como os requisitos e as restrições mais importantes, para que seja
possível depreender critérios de aceitação para o produto final.
Planejar e preparar um caso de negócios. Avaliar alternativas para o
gerenciamento de riscos, as equipes de pessoal, o plano do projeto e
as mudanças de custo/planejamento/lucratividade.
Sintetizar uma sugestão de arquitetura, avaliando as mudanças no
design e em fazer/comprar/reutilizar para que seja possível calcular
custo, planejamento e recursos.
Preparar o ambiente para o projeto, avaliando o projeto e a
organização, selecionando ferramentas e decidindo quais partes do
processo aprimorar.
Fases do RUP
Fase de Elaboração
Definir, validar e criar a baseline da arquitetura, com rapidez e
praticidade.
Refinar a Visão, com base nas informações novas obtidas durante a
fase, estabelecendo uma compreensão sólida dos casos de uso mais
críticos que conduzem as decisões de arquitetura e planejamento.
Criar planos de iteração detalhados de baselines para a fase de
construção.
Refinar o processo de desenvolvimento e posicionar o ambiente
de desenvolvimento
Refinar a arquitetura e selecionar componentes. Os componentes
potenciais são avaliados e as decisões de fazer/comprar/reutilizar são
bem compreendidas para determinar o custo da fase de construção e
programar com confiança.
Fases do RUP
Fase de Construção
Gerenciamento de recursos, otimização de controle e processo
Desenvolvimento completo do componente e teste dos critérios de
avaliação definidos
Avaliação dos releases do produto de acordo com os critérios de
aceitação para a visão
Fases do RUP
Fase de Transição
Executar planos de implementação
Finalizar o material de suporte para o usuário final
Testar o produto liberado no local do desenvolvimento
Criar um release do produto
Obter feedback do usuário
Ajustar o produto com base em feedback
Tornar o produto disponível aos usuários
Disciplinas do RUP

• Modelagem de Negócios
• Requisitos
• Análise e Design
• Implementação
• Teste
• Implantação
• Gerenciamento de Configuração e
Mudança
• Gerenciamento de Projetos
• Ambiente
Disciplinas do RUP
Modelagem de Negócios
• Entender os problemas da organização identificando as possíveis
melhorias
• Avaliar o impacto de mudanças na organização;
• Assegurar que os clientes, usuários, desenvolvedores e outros
parceiros tenham uma compreensão comum da organização;
• Gerar conteúdo para a fase de requisitos do sistema que suportará a
organização e seus processos;
•Entender como o software se ajustará à organização.
Disciplinas do RUP
Requisitos
• Estabelecer e manter concordância com os clientes e outros
investidores sobre o que o sistema deve fazer.
• Oferecer aos desenvolvedores do sistema uma compreensão melhor
dos requisitos do sistema.
• Definir os limites do sistema (ou delimitar o sistema).
• Fornecer uma base para planejar o conteúdo técnico das iterações.
• Fornecer uma base para estimar o custo e o tempo de
desenvolvimento do sistema.
• Definir uma interface de usuário para o sistema, focando nas
necessidades e metas dos usuários
Disciplinas do RUP
Análise e Design
• Transformar os requisitos em um design do sistema a ser criado.
• Desenvolver uma arquitetura sofisticada para o sistema.
• Adaptar o design para que corresponda ao ambiente de
implementação, projetando-o para fins de desempenho.
Disciplinas do RUP
Implementação
• Definir a organização do código em termos de subsistemas de
implementação organizados em camadas
• Implementar os elementos de design em termos de elementos de
implementação (arquivos de origem, executáveis e outros)
• Testar os componentes desenvolvidos como unidades
• Integrar os resultados produzidos por implementadores individuais (ou
equipes) ao sistema executável
Disciplinas do RUP
Teste
• Localizar e documentar defeitos na qualidade do software.
• Sugestões sobre a qualidade do software.
• Validar e provar as suposições feitas nas especificações de projeto e
requisitos através de demonstração concreta.
• Validar se o software funciona conforme o projeto.
• Validar se os requisitos são implementados adequadamente.
Disciplinas do RUP
Implantação
• Produzir com sucesso lançamentos de produtos e entregar o software
para seus usuários finais.
• Produção de releases externos do software, a embalagem do software
e aplicativos de negócios, distribuição do software, instalação do
software e prestação de ajuda e assistência aos usuários.
Disciplinas do RUP
Gerenciamento de Configuração e Mudanças
• Controlar os vários produtos do trabalho
• Gerenciar diversas variantes de sistemas de software em
desenvolvimento
• Controlar as versões que são utilizadas em determinados builds do
software
• Permitir atualização simultâneas
Disciplinas do RUP
Gerenciamento de Projetos
• Fornecer uma estrutura para gerenciar projetos software intensivo.
• Fornecer orientação prática para planejar, formar a equipe, executar e
monitorar projetos
• Fornecer uma estrutura para gerenciar riscos
• Gerenciamento de pessoas: contratar, treinar, instruir
• Gerenciamento de orçamento: definir, alocar e assim por diante
• Gerenciamento de contratos, com fornecedores e clientes
• Planejamento de um projeto repetitivo, através do ciclo de vida e por
uma iteração específica
• Monitoramento do progresso de um projeto repetitivo
Disciplinas do RUP
Ambiente
• Fornecer a organização de desenvolvimento de software com o
ambiente de desenvolvimento de software -- para processos e
ferramentas -- que oferecerão suporte à equipe de desenvolvimento.
Iteração no RUP
O que é uma Iteração?
• Envolve as atividades de desenvolvimento que levam ao release
• Uma passagem completa por pelo menos as disciplinas:
• Requisitos
• Análise e Design
• Implementação
• Teste
• É como um pequeno projeto cascata
Iteração no RUP
Por que Iterar?
• Projetos organizados para percorrer cada disciplina em sequencia,
abordagem “cascata”
Iteração no RUP
Por que Iterar?
• A iteração permite percorrer várias vezes as
diversas disciplinas de desenvolvimento:
• Melhor entendimento dos requisitos
• Planejamento de uma arquitetura
robusta
• Organiza o desenvolvimento
• Libera uma série de implementações
que são gradualmente mais complexas
RUP – Análise eixos Horizontal - Vertical
Papéis do RUP
•É uma definição abstrata para um conjunto
de atividades realizadas e seus artefatos.
•Um papel pode ser realizado por:
– um pessoa ou
– uma equipe
•Um papel corresponde a:
– Responsabilidades e
– Comportamentos.

Exemplos
Papéis do RUP
• Atribuições
– Coleta de todos os conjuntos de funções publicados. Identificam
os principais papéis e atividades de cada papél do time.
Papéis do RUP
•

Analistas
– Sistemas, Processos de negócios, Projeto de Negócios, Revisor do modelo de
Negócios, Revisor de requisitos, Requisitos, Projetista de interface.

•

Desenvolvedores
– Arquiteto, Designer, Database Designer, Programador, Integrador, Revisor da
arquitetura, Revisor de código

•

Testadores
– Testador
– Projetista de testes

•

Gerentes
– Projeto, Processo, Configuração, Mudanças, Revisão de projeto
Papéis do RUP
•

Exemplo do Papél Analista de Sistemas
Atividades do RUP
•Atividade
– Uma atividade é uma unidade de
trabalho atribuída a um papel.
– A atividade tem um propósito
claro.
• Criação e atualização de
artefatos.

– A atividade deve ser utilizada
como elemento para
planejamento e controle de
progresso.
•Exemplo de atividades:
– Planejar uma iteração.
• Papel: Gerente de Projeto.

– Identificar atores e use cases.
• Papel: Analista de Sistemas.

– Revisar o design.
• Papel: Revisor

•Atividades e Artefatos:
– As atividades estão estritamente
ligadas a artefatos.
– Os artefatos são as entradas ou
saídas de uma atividade.
– Os artefatos servem como
mecanismo de comunicação entre as
atividades.
Artefatos do RUP
•Artefato
– Um artefato é um pedaço de
informação que é produzido,
modificado ou utilizado pelo
processo.
– Artefatos podem ser:
•
•
•
•
•

Modelos.
Elementos de Modelo.
Documentos.
Código Fontes.
Executáveis.

•Artefatos podem ser expresso:
– Visualmente.
– Textualmente.

: anActor

anActor
Documento Visão
• Esta tarefa descreve como
desenvolver a visão geral para o
sistema, incluindo o problema a ser
resolvido, os investidores chave, o
escopo/limite do sistema, os
recursos-chave do sistema e
quaisquer restrições.
A finalidade dessa tarefa é:
• Estabelecer um acordo sobre quais
problemas precisam ser resolvidos.
• Identificar investidores do sistema.
• Definir os limites do sistema.
• Descrever os principais recursos do
sistema.
Certificação em RUP

IBM Certified Solution Designer - IBM Rational Unified Process
V7.0
http://www-03.ibm.com/certify/certs/38008003.shtml
Atividade Prática
• Dividir a sala em 4 grupos
• Desenvolver o Documento Visão dos sistemas propostos:
• Controle acadêmico de notas
• Controle de recebimento de mensalidades
• Controle de contas à pagar
• Controle de empréstimos de livros de uma biblioteca
• Cada grupo deverá apresentar o Documento Visão Construído

Template Documento
Visão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoDionísio Carmo-Neto
 
183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental
183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental
183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documentalAna Brandão
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de SoftwareLeinylson Fontinele
 
OrganizaçãO Do Posto De Trabalho
OrganizaçãO Do Posto De TrabalhoOrganizaçãO Do Posto De Trabalho
OrganizaçãO Do Posto De Trabalhoguest8e2d2a
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesJoão Rafael Lopes
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)Robson Costa
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura delano chaves gurgel do amaral
 
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAndré Constantino da Silva
 
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)Paulo Junior
 
UFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdf
UFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdfUFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdf
UFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdfFernandoFino
 

Mais procurados (20)

Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Como escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario ExecutivoComo escrever um Sumario Executivo
Como escrever um Sumario Executivo
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Caso De Uso E Use Case Point
Caso De Uso E Use Case PointCaso De Uso E Use Case Point
Caso De Uso E Use Case Point
 
UFCD_0619.DOCX
UFCD_0619.DOCXUFCD_0619.DOCX
UFCD_0619.DOCX
 
183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental
183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental
183519659 manual-ufcd-6225-tecnicas-de-normalizacao-documental
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
 
OrganizaçãO Do Posto De Trabalho
OrganizaçãO Do Posto De TrabalhoOrganizaçãO Do Posto De Trabalho
OrganizaçãO Do Posto De Trabalho
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
 
Arquivo mt bom
Arquivo  mt bomArquivo  mt bom
Arquivo mt bom
 
Gestao agil de projetos
Gestao agil de projetosGestao agil de projetos
Gestao agil de projetos
 
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
 
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)Gerenciamento de projetos   aula 7 (custos)
Gerenciamento de projetos aula 7 (custos)
 
Fundamentos da Gestão de Projetos
Fundamentos da Gestão de ProjetosFundamentos da Gestão de Projetos
Fundamentos da Gestão de Projetos
 
UFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdf
UFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdfUFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdf
UFCD 0653 - ARQUIVO – ORGANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO.pdf
 

Destaque

R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção CivilR.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção CivilBruno Ferreira
 
Engenharia Software Rup
Engenharia Software   RupEngenharia Software   Rup
Engenharia Software RupFelipe
 
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPIntrodução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPVagner Santana
 
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupApresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupJarbas Pereira
 
Documento de visao SCCI - Grupo ACCER
Documento de visao SCCI - Grupo ACCERDocumento de visao SCCI - Grupo ACCER
Documento de visao SCCI - Grupo ACCERaccer-scci
 
Controle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividade
Controle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividadeControle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividade
Controle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividadeAlexandre Guimarães
 
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)Rennan Martini
 
Extreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoExtreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoDaniel Brandão
 
Gerenciamento de escopo em projetos
Gerenciamento de escopo em projetosGerenciamento de escopo em projetos
Gerenciamento de escopo em projetosPaulo Junior
 
Especificação de requisitos
Especificação de requisitosEspecificação de requisitos
Especificação de requisitosFernando Palma
 
Curso orçamento de obras de construção civil módulo i rev
Curso orçamento de obras de construção civil   módulo i revCurso orçamento de obras de construção civil   módulo i rev
Curso orçamento de obras de construção civil módulo i revfernanda88650416
 
Orçamento, planejamento e controle de obras
Orçamento, planejamento e controle de obrasOrçamento, planejamento e controle de obras
Orçamento, planejamento e controle de obrasAndrea Chociay
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoSara Dantas
 

Destaque (20)

R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção CivilR.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
R.U.P. - Razão Unitária de Produção na Construção Civil
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
 
Engenharia Software Rup
Engenharia Software   RupEngenharia Software   Rup
Engenharia Software Rup
 
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUPIntrodução à Engenharia de Requisitos e RUP
Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP
 
Visao Geral Rup
Visao Geral RupVisao Geral Rup
Visao Geral Rup
 
Apresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rupApresentação modelagem de_negócio_rup
Apresentação modelagem de_negócio_rup
 
Documento de visao SCCI - Grupo ACCER
Documento de visao SCCI - Grupo ACCERDocumento de visao SCCI - Grupo ACCER
Documento de visao SCCI - Grupo ACCER
 
Controle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividade
Controle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividadeControle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividade
Controle de qualidade, mão de obra e indicadores de produtividade
 
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
Introdução a Metodologia XP (E Xtreme Programming)
 
Extreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoExtreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - Resumo
 
eXtreme Programming (XP)
eXtreme Programming (XP)eXtreme Programming (XP)
eXtreme Programming (XP)
 
2 aula produtividade
2 aula produtividade2 aula produtividade
2 aula produtividade
 
Gerenciamento de escopo em projetos
Gerenciamento de escopo em projetosGerenciamento de escopo em projetos
Gerenciamento de escopo em projetos
 
Compósitos
CompósitosCompósitos
Compósitos
 
Eca Estruturas de concreto armado
Eca   Estruturas de concreto armadoEca   Estruturas de concreto armado
Eca Estruturas de concreto armado
 
Especificação de requisitos
Especificação de requisitosEspecificação de requisitos
Especificação de requisitos
 
Curso orçamento de obras de construção civil módulo i rev
Curso orçamento de obras de construção civil   módulo i revCurso orçamento de obras de construção civil   módulo i rev
Curso orçamento de obras de construção civil módulo i rev
 
Orçamento, planejamento e controle de obras
Orçamento, planejamento e controle de obrasOrçamento, planejamento e controle de obras
Orçamento, planejamento e controle de obras
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
 

Semelhante a Introdução ao RUP

Visao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slidesVisao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slideshoraciosila
 
1- Apresentacao Metodologia RCP
1- Apresentacao Metodologia RCP1- Apresentacao Metodologia RCP
1- Apresentacao Metodologia RCPFrank Coelho
 
1 apresentacao metodologia rcp
1  apresentacao metodologia rcp1  apresentacao metodologia rcp
1 apresentacao metodologia rcpFrank Coelho
 
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdfAula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdfJadna Almeida
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Fernando Vargas
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processoPatrícia Melo
 
Gestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOK
Gestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOKGestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOK
Gestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOKIcaro Dourado
 
[Uff]qualidade agilidade
[Uff]qualidade agilidade[Uff]qualidade agilidade
[Uff]qualidade agilidadeSti Uff
 
Oficina de Metodologias Ágeis
Oficina de Metodologias ÁgeisOficina de Metodologias Ágeis
Oficina de Metodologias ÁgeisProfa Karen Borges
 
Engenharia de Software: A ponte para um código sustentável
Engenharia de Software: A ponte para um código sustentávelEngenharia de Software: A ponte para um código sustentável
Engenharia de Software: A ponte para um código sustentávelFernando Pontes
 
Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010
Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010
Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010zeluisbraga
 

Semelhante a Introdução ao RUP (20)

Visao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slidesVisao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slides
 
Metodologias Ageis
Metodologias AgeisMetodologias Ageis
Metodologias Ageis
 
Aula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de SoftwareAula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de Software
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
DSDM
DSDMDSDM
DSDM
 
Aula 2 - Modelos de processos
Aula 2 -  Modelos de processosAula 2 -  Modelos de processos
Aula 2 - Modelos de processos
 
Outras Metodologias Ágeis Parte 2
Outras Metodologias Ágeis Parte 2Outras Metodologias Ágeis Parte 2
Outras Metodologias Ágeis Parte 2
 
1- Apresentacao Metodologia RCP
1- Apresentacao Metodologia RCP1- Apresentacao Metodologia RCP
1- Apresentacao Metodologia RCP
 
1 apresentacao metodologia rcp
1  apresentacao metodologia rcp1  apresentacao metodologia rcp
1 apresentacao metodologia rcp
 
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdfAula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
 
Gestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOK
Gestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOKGestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOK
Gestão de Projetos usando Abordagem Ágil e o guia PMBOK
 
CMMI aula1
CMMI aula1CMMI aula1
CMMI aula1
 
[Uff]qualidade agilidade
[Uff]qualidade agilidade[Uff]qualidade agilidade
[Uff]qualidade agilidade
 
Oficina de Metodologias Ágeis
Oficina de Metodologias ÁgeisOficina de Metodologias Ágeis
Oficina de Metodologias Ágeis
 
Engenharia de Software: A ponte para um código sustentável
Engenharia de Software: A ponte para um código sustentávelEngenharia de Software: A ponte para um código sustentável
Engenharia de Software: A ponte para um código sustentável
 
Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010
Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010
Zeluisbraga engsoftware-academico-inland-fev2010
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
 
ageis2003.ppt
ageis2003.pptageis2003.ppt
ageis2003.ppt
 

Mais de Rodrigo Gomes da Silva

Gerenciamento de Requisitos de Software
Gerenciamento de Requisitos de SoftwareGerenciamento de Requisitos de Software
Gerenciamento de Requisitos de SoftwareRodrigo Gomes da Silva
 
Es 04 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iii
Es 04   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iiiEs 04   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iii
Es 04 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iiiRodrigo Gomes da Silva
 
Es 02 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte i
Es 02   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iEs 02   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte i
Es 02 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iRodrigo Gomes da Silva
 
Segurança dos sistemas de informação parte 2
Segurança dos sistemas de informação   parte 2Segurança dos sistemas de informação   parte 2
Segurança dos sistemas de informação parte 2Rodrigo Gomes da Silva
 
Segurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informaçãoSegurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informaçãoRodrigo Gomes da Silva
 
Segurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informaçãoSegurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informaçãoRodrigo Gomes da Silva
 
Asi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacao
Asi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacaoAsi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacao
Asi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacaoRodrigo Gomes da Silva
 

Mais de Rodrigo Gomes da Silva (16)

BABOK - Visão Geral
BABOK - Visão GeralBABOK - Visão Geral
BABOK - Visão Geral
 
Análise de negócios para curiosos
Análise de negócios para curiososAnálise de negócios para curiosos
Análise de negócios para curiosos
 
Gerenciamento de Requisitos de Software
Gerenciamento de Requisitos de SoftwareGerenciamento de Requisitos de Software
Gerenciamento de Requisitos de Software
 
Es 04 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iii
Es 04   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iiiEs 04   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iii
Es 04 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iii
 
Es 02 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte i
Es 02   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte iEs 02   desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte i
Es 02 desenvolvimento de software dirigido por casos de uso - parte i
 
PHP Orientado a Objetos
PHP Orientado a ObjetosPHP Orientado a Objetos
PHP Orientado a Objetos
 
Introdução à UML com Casos de Uso
Introdução à UML com Casos de UsoIntrodução à UML com Casos de Uso
Introdução à UML com Casos de Uso
 
Computacao na 01_introdução
Computacao na 01_introduçãoComputacao na 01_introdução
Computacao na 01_introdução
 
Aula inaugural computação
Aula inaugural computaçãoAula inaugural computação
Aula inaugural computação
 
Comércio eletrônico
Comércio eletrônicoComércio eletrônico
Comércio eletrônico
 
Auditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informaçãoAuditoria de sistemas de informação
Auditoria de sistemas de informação
 
Pirataria de software
Pirataria de softwarePirataria de software
Pirataria de software
 
Segurança dos sistemas de informação parte 2
Segurança dos sistemas de informação   parte 2Segurança dos sistemas de informação   parte 2
Segurança dos sistemas de informação parte 2
 
Segurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informaçãoSegurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informação
 
Segurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informaçãoSegurança dos sistemas de informação
Segurança dos sistemas de informação
 
Asi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacao
Asi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacaoAsi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacao
Asi na 01_conquistando_vantagem_competitiva_com_os_sistemas_de_informacao
 

Introdução ao RUP

  • 1. Professor: Rodrigo Gomes da Silva Assunto: Introdução ao Processo Iterativo com RUP Novembro / 2013
  • 2. Apresentação Rodrigo Gomes da Silva Contatos: rodrigo.gomes3@hotmail.com rogomes@br.ibm.com rodrigo.gomes@unis.edu.br Redes Sociais http://www.linkedin.com/pub/rodrigo-gomes-da-silva/37/568/716 https://twitter.com/rodrigogomes3 https://www.facebook.com/rodrigo.gomesdasilva.92 • Certificações – – • Formação: – – – – • Especialista em Design Instrucional para EaD Virtual (UNIFEI) Especialista em Docência do Ensino Superior (FINOM) Bacharel em Sistemas de Informação (UEMG) Técnico em Processamento de Dados (CETEV) Atualmente: – – • IBM Certified RMUC – Requirements Management with Use Cases Part 1 IBM Certified RMUC – Requirements Management with Use Cases Part 2 Analista de Requisitos na IBM do Brasil - SP Professor Universitário – UNIS-MG Atuações Anteriores – – – – – Professor Universitário – FACECA Professor Universitário – UNINCOR Professor Universitário – FIPV Analista de Sistemas – Sindicato Rural da Campanha Gerente de TI – Santa Casa de Misericórdia da Campanha
  • 3. Agenda • • • • • • • • • Sintomas dos problemas de desenvolvimento de software As 6 melhores práticas da Engenharia de Software Princípios do Desenvolvimento Iterativo Processo de Desenvolvimento RUP – Rational Unified Process Fases do RUP Disciplinas do RUP Papéis, Atividades e Artefatos do RUP Acessar uma Instância do RUP Documento Visão
  • 4. Sintomas dos Problemas de Desenvolvimento de Software • • • • • Necessidade dos usuários e do negócio não são totalmente compreendidas Módulos não integrados Dificuldade de manutenção Qualidade ruim na experiência do usuário final Time descordenado
  • 5. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • • • • • • Desenvolvimento iterativo Gestão de requisitos Arquitetura baseada em componentes Modelagem Visual (UML) Verificação Contínua da Qualidade Gestão de Mudanças
  • 6. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Desenvolvimento em Cascata Planejamento – Atraso na percepção e resolução de riscos críticos – Impede a implantação antecipada Análise Requisitos Design Codificação / Teste Integração Sub-Sistemas Teste de Sistemas – Frequentemente resulta em grandes iterações planejadas – A fase seguinte só inicia quando a fase anterior termina – Dificuldade em realizar mudanças com o projeto em andamento
  • 7. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 1 - Desenvolvimento Iterativo – Resolve maiores riscos antes de grandes investimentos – Permite conhecer um feedback do usuário mais cedo – Realiza testes e integrações contínuamente – Define marcos do projeto a curto prazo – Permite implantações parciais
  • 8. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 1 - Desenvolvimento Iterativo
  • 9. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Risco ( Cascata x Iterativo)
  • 10. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 2 - Gestão de Requisitos – Certifica-se de resolver o problema certo e construir o sistema correto – Através de uma abordagem sistêmica para: • Compreensão do problema. • Elicitar, organizar e documentar os requisitos. • Gerenciando as novas exigências de uma aplicação de software (Change Request)
  • 11. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 3 - Arquitetura Baseada em Componentes – Reuso e customizção de componentes – Selecione a partir de componentes disponíveis comercialmente – Evoluir software existente de forma incremental – Maior encapsulamento
  • 12. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 4 - Modelagem Visual - UML – Captura a estrutura e o comportamento – Mostra como os elementos do sistemas se encaixam – Mantém uma conscistência entre concepção e implementação – Esconde ou expõe detalhes quando necessário – Promove uma comunicação não ambígua
  • 13. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 5 - Verificação Contínua da Qualidade – Dimensões de Teste da Qualidade • • • • • Funcionalidade Usabilidade Confiança Suportabilidade Performance
  • 14. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 5 - Verificação Contínua da Qualidade – Funcionalidade • Testa o funcionamento preciso de cada cenário de uso da aplicação – Usabilidade • Testa o aplicativa a partir da perspectiva de conveniência para o usuário final – Confiança • Testa se o aplicativo possui um comportamento consistente e previsível
  • 15. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 5 - Verificação Contínua da Qualidade – Suportabilidade • Testa a capacidade de manter e apoiar o aplicativo no momento em que está em produção – Performance • Teste de carga com média e alto de pico
  • 16. As 6 Melhores Práticas da Engenharia de Software • Melhor Prática 6 - Change Request Management (Gestão da Solicitação de Mudanca) As solicitações de mudança podem vir de várias fontes durante o ciclo de vida do produto. Novas características Requisito Canal de Aprovação Novos requisitos Bug Design Codificação Teste Change request Manutenção Clientes e usuários Marketing Codificadores e testadores Outros stakeholders
  • 17.
  • 18. RUP – Rational Unified Process • O RUP é um processo de engenharia de software. – Abordagem disciplinar de atribuir tarefas e responsabilidades em um processo de desenvolvimento de uma organização. • O RUP é um Framework. – Pode ser instanciado gerando diversos processos. • Dependentes da organização. • Dependentes da aplicação. Nenhum processo é adequado para todos as organizações/aplicações.
  • 19. Processo de Desenvolvimento RUP • Um processo define quem está fazendo o quê, quando e como alcançar um determinado objetivo. Novos requisitos ou requisitos alterados Processo de Engenharia de Software Sistema novo ou melhorado • Roteiro para um desenvolvimento eficiente e de qualidade. – Aborda as melhores práticas • Visando reduzir o risco e o custo do projeto.
  • 20. Processo de Desenvolvimento RUP •Um processo descreve quem está fazendo o que, como e quando. – Papéis • Quem – Atividades • Como – Artefatos • O que – Disciplinas • Quando
  • 21. Instância do RUP – Rational Unified Process Download Rational Method Composer http://www.ibm.com/developerworks/br/downloads/r/rup/
  • 22. Instância do RUP – Rational Unified Process Instância Online do RUP http://www.wthreex.com/rup/v711_ptbr/index.htm
  • 24. Fases do RUP Fase de Iniciação Formular o escopo do projeto. Isso envolve capturar o contexto, bem como os requisitos e as restrições mais importantes, para que seja possível depreender critérios de aceitação para o produto final. Planejar e preparar um caso de negócios. Avaliar alternativas para o gerenciamento de riscos, as equipes de pessoal, o plano do projeto e as mudanças de custo/planejamento/lucratividade. Sintetizar uma sugestão de arquitetura, avaliando as mudanças no design e em fazer/comprar/reutilizar para que seja possível calcular custo, planejamento e recursos. Preparar o ambiente para o projeto, avaliando o projeto e a organização, selecionando ferramentas e decidindo quais partes do processo aprimorar.
  • 25. Fases do RUP Fase de Elaboração Definir, validar e criar a baseline da arquitetura, com rapidez e praticidade. Refinar a Visão, com base nas informações novas obtidas durante a fase, estabelecendo uma compreensão sólida dos casos de uso mais críticos que conduzem as decisões de arquitetura e planejamento. Criar planos de iteração detalhados de baselines para a fase de construção. Refinar o processo de desenvolvimento e posicionar o ambiente de desenvolvimento Refinar a arquitetura e selecionar componentes. Os componentes potenciais são avaliados e as decisões de fazer/comprar/reutilizar são bem compreendidas para determinar o custo da fase de construção e programar com confiança.
  • 26. Fases do RUP Fase de Construção Gerenciamento de recursos, otimização de controle e processo Desenvolvimento completo do componente e teste dos critérios de avaliação definidos Avaliação dos releases do produto de acordo com os critérios de aceitação para a visão
  • 27. Fases do RUP Fase de Transição Executar planos de implementação Finalizar o material de suporte para o usuário final Testar o produto liberado no local do desenvolvimento Criar um release do produto Obter feedback do usuário Ajustar o produto com base em feedback Tornar o produto disponível aos usuários
  • 28. Disciplinas do RUP • Modelagem de Negócios • Requisitos • Análise e Design • Implementação • Teste • Implantação • Gerenciamento de Configuração e Mudança • Gerenciamento de Projetos • Ambiente
  • 29. Disciplinas do RUP Modelagem de Negócios • Entender os problemas da organização identificando as possíveis melhorias • Avaliar o impacto de mudanças na organização; • Assegurar que os clientes, usuários, desenvolvedores e outros parceiros tenham uma compreensão comum da organização; • Gerar conteúdo para a fase de requisitos do sistema que suportará a organização e seus processos; •Entender como o software se ajustará à organização.
  • 30. Disciplinas do RUP Requisitos • Estabelecer e manter concordância com os clientes e outros investidores sobre o que o sistema deve fazer. • Oferecer aos desenvolvedores do sistema uma compreensão melhor dos requisitos do sistema. • Definir os limites do sistema (ou delimitar o sistema). • Fornecer uma base para planejar o conteúdo técnico das iterações. • Fornecer uma base para estimar o custo e o tempo de desenvolvimento do sistema. • Definir uma interface de usuário para o sistema, focando nas necessidades e metas dos usuários
  • 31. Disciplinas do RUP Análise e Design • Transformar os requisitos em um design do sistema a ser criado. • Desenvolver uma arquitetura sofisticada para o sistema. • Adaptar o design para que corresponda ao ambiente de implementação, projetando-o para fins de desempenho.
  • 32. Disciplinas do RUP Implementação • Definir a organização do código em termos de subsistemas de implementação organizados em camadas • Implementar os elementos de design em termos de elementos de implementação (arquivos de origem, executáveis e outros) • Testar os componentes desenvolvidos como unidades • Integrar os resultados produzidos por implementadores individuais (ou equipes) ao sistema executável
  • 33. Disciplinas do RUP Teste • Localizar e documentar defeitos na qualidade do software. • Sugestões sobre a qualidade do software. • Validar e provar as suposições feitas nas especificações de projeto e requisitos através de demonstração concreta. • Validar se o software funciona conforme o projeto. • Validar se os requisitos são implementados adequadamente.
  • 34. Disciplinas do RUP Implantação • Produzir com sucesso lançamentos de produtos e entregar o software para seus usuários finais. • Produção de releases externos do software, a embalagem do software e aplicativos de negócios, distribuição do software, instalação do software e prestação de ajuda e assistência aos usuários.
  • 35. Disciplinas do RUP Gerenciamento de Configuração e Mudanças • Controlar os vários produtos do trabalho • Gerenciar diversas variantes de sistemas de software em desenvolvimento • Controlar as versões que são utilizadas em determinados builds do software • Permitir atualização simultâneas
  • 36. Disciplinas do RUP Gerenciamento de Projetos • Fornecer uma estrutura para gerenciar projetos software intensivo. • Fornecer orientação prática para planejar, formar a equipe, executar e monitorar projetos • Fornecer uma estrutura para gerenciar riscos • Gerenciamento de pessoas: contratar, treinar, instruir • Gerenciamento de orçamento: definir, alocar e assim por diante • Gerenciamento de contratos, com fornecedores e clientes • Planejamento de um projeto repetitivo, através do ciclo de vida e por uma iteração específica • Monitoramento do progresso de um projeto repetitivo
  • 37. Disciplinas do RUP Ambiente • Fornecer a organização de desenvolvimento de software com o ambiente de desenvolvimento de software -- para processos e ferramentas -- que oferecerão suporte à equipe de desenvolvimento.
  • 38. Iteração no RUP O que é uma Iteração? • Envolve as atividades de desenvolvimento que levam ao release • Uma passagem completa por pelo menos as disciplinas: • Requisitos • Análise e Design • Implementação • Teste • É como um pequeno projeto cascata
  • 39. Iteração no RUP Por que Iterar? • Projetos organizados para percorrer cada disciplina em sequencia, abordagem “cascata”
  • 40. Iteração no RUP Por que Iterar? • A iteração permite percorrer várias vezes as diversas disciplinas de desenvolvimento: • Melhor entendimento dos requisitos • Planejamento de uma arquitetura robusta • Organiza o desenvolvimento • Libera uma série de implementações que são gradualmente mais complexas
  • 41. RUP – Análise eixos Horizontal - Vertical
  • 42. Papéis do RUP •É uma definição abstrata para um conjunto de atividades realizadas e seus artefatos. •Um papel pode ser realizado por: – um pessoa ou – uma equipe •Um papel corresponde a: – Responsabilidades e – Comportamentos. Exemplos
  • 43. Papéis do RUP • Atribuições – Coleta de todos os conjuntos de funções publicados. Identificam os principais papéis e atividades de cada papél do time.
  • 44. Papéis do RUP • Analistas – Sistemas, Processos de negócios, Projeto de Negócios, Revisor do modelo de Negócios, Revisor de requisitos, Requisitos, Projetista de interface. • Desenvolvedores – Arquiteto, Designer, Database Designer, Programador, Integrador, Revisor da arquitetura, Revisor de código • Testadores – Testador – Projetista de testes • Gerentes – Projeto, Processo, Configuração, Mudanças, Revisão de projeto
  • 45. Papéis do RUP • Exemplo do Papél Analista de Sistemas
  • 46. Atividades do RUP •Atividade – Uma atividade é uma unidade de trabalho atribuída a um papel. – A atividade tem um propósito claro. • Criação e atualização de artefatos. – A atividade deve ser utilizada como elemento para planejamento e controle de progresso. •Exemplo de atividades: – Planejar uma iteração. • Papel: Gerente de Projeto. – Identificar atores e use cases. • Papel: Analista de Sistemas. – Revisar o design. • Papel: Revisor •Atividades e Artefatos: – As atividades estão estritamente ligadas a artefatos. – Os artefatos são as entradas ou saídas de uma atividade. – Os artefatos servem como mecanismo de comunicação entre as atividades.
  • 47. Artefatos do RUP •Artefato – Um artefato é um pedaço de informação que é produzido, modificado ou utilizado pelo processo. – Artefatos podem ser: • • • • • Modelos. Elementos de Modelo. Documentos. Código Fontes. Executáveis. •Artefatos podem ser expresso: – Visualmente. – Textualmente. : anActor anActor
  • 48. Documento Visão • Esta tarefa descreve como desenvolver a visão geral para o sistema, incluindo o problema a ser resolvido, os investidores chave, o escopo/limite do sistema, os recursos-chave do sistema e quaisquer restrições. A finalidade dessa tarefa é: • Estabelecer um acordo sobre quais problemas precisam ser resolvidos. • Identificar investidores do sistema. • Definir os limites do sistema. • Descrever os principais recursos do sistema.
  • 49. Certificação em RUP IBM Certified Solution Designer - IBM Rational Unified Process V7.0 http://www-03.ibm.com/certify/certs/38008003.shtml
  • 50. Atividade Prática • Dividir a sala em 4 grupos • Desenvolver o Documento Visão dos sistemas propostos: • Controle acadêmico de notas • Controle de recebimento de mensalidades • Controle de contas à pagar • Controle de empréstimos de livros de uma biblioteca • Cada grupo deverá apresentar o Documento Visão Construído Template Documento Visão