SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à
Engenharia de Requisitos e
Rational Unified Process (RUP)

Prof. Vagner Figueredo de Santana
Visão geral do conteúdo
• Engenharia de Requisitos
 Requisitos
 Estrutura

• Rational Unified Process (RUP)
 Objetivos
 Estrutura
 Artefatos
2
Engenharia de Requisitos
• Processo usado para
 Descobrir requisitos
 Analisar requisitos
 Validar requisitos

• Estabelece
 O que o cliente quer
 Restrições sob as quais o sistema opera
3
Engenharia de Requisitos
• Requisitos
 Descrições de funcionalidades
 Restrições obtidas durante o processo

• Requisitos podem ser
 Funcionais
 Não funcionais
 De domínio
4
Engenharia de Requisitos
• Estrutura do processo
1.
2.
3.
4.

5

Estudo de viabilidade
Levantamento e análise de requisitos
Validação de requisitos
Gerenciamento de requisitos
Engenharia de Requisitos

Fonte: Sommerville (2004)
6
Engenharia de Requisitos
1. Estudo de viabilidade


Decide se o sistema proposto
•
•
•
•
•

7

É viável
Contribui para os objetivos da organização
Pode ser construído usando tecnologias atuais
Está dentro do orçamento previsto
Pode ser integrado com outros sistemas
Engenharia de Requisitos
2. Levantamento e análise de requisitos


Envolve stakeholders nas tarefas
•
•
•

8

Entender o domínio da aplicação
Entender os serviços do sistema
Entender as restrições operacionais do sistema
Engenharia de Requisitos
• Dificuldades?
 Stakeholders
• Podem não saber o que realmente desejam
• Expressam requisitos de maneiras diferentes
• Requisitos podem ser conflitantes

 Requisitos mudam ao longo do tempo

9
Engenharia de Requisitos

10

Fonte: Sommerville (2004)
Engenharia de Requisitos
3. Validação de requisitos
• Demonstrar se os requisitos são o que o
cliente realmente quer
• Corrigir requisitos com erros
• Técnicas
•
•
•

11

Revisão de requisitos
Prototipação
Análise de consistência automática
Engenharia de Requisitos
4. Gerenciamento de requisitos
• Gerenciar mudanças de requisitos

Fonte: Sommerville (2004)

12
Rational Unified Process (RUP)
• Processo iterativo
 Compreensão crescente do problema
 Flexibilidade para acomodação de novos
requisitos

• Processo configurável
• Conta com
 Ciclos
 Fases
 Iterações
13
RUP
• Atividades têm foco em
 Modelos em vez de documentos
• Minimiza a sobrecarga

• Atividades são orientadas por
 Casos de uso
• Compreensão completa
• Alinhar o fluxo do processo a partir de requisitos
obtidos em testes/análises
14
RUP
• Encoraja
 Controle de qualidade
 Gerenciamento de riscos

• Desenvolvimento centrado na arquitetura
 Facilita o desenvolvimento em paralelo
 Minimiza retrabalho
 Aumenta o reúso
15
RUP

Ciclo de desenvolvimento

Tempo

16
RUP
Divisão em 4 fases

Concepção

Elaboração

Construção

Transição

Tempo

17
RUP
• Fase 1: Concepção
 Delimita o escopo do projeto
 Estabelece o caso de negócio
•
•
•
•

18

Critérios de sucesso
Avaliação de riscos
Estimativa de recursos
Determinação de marcos de progresso
(milestones)
RUP

Foto: Pete Reed
www.flickr.com/photos/petereed/
4735819706/
19
RUP
• Fase 2: Elaboração





20

Análise do domínio do problema
Estabelecimento de uma arquitetura sólida
Desenvolvimento do plano do projeto
Eliminação de elementos de alto risco do
projeto
RUP
• Fase 3: Construção
 Desenvolvimento iterativo e incremental
 Requer descrição
• Requisitos restantes
• Critérios de aceitação

21
RUP
• Fase 4: Transição
 Disponibilizar sistema aos usuários
 Levantamento de lições aprendidas
 Analisar se os objetivos foram alcançados e
se outro ciclo de desenvolvimento deverá
ser iniciado

22
RUP
• Iteração





Marca avanços de cada fase
Concepção: Levantamento de requisitos
Elaboração: Análise e projeto
Construção e transição: Implementação
• Versão executável / nova funcionalidade

23
RUP
Divisão em 4 fases
Concepção

Elaboração

Construção

Transição

Tempo
Iterações
preliminares

24

Iter. #1 .. #2

Iter. #n .. #m

Iter. #m+1 .. #m+2
RUP
• Ciclo é composto por nove fluxos paralelos

25

1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.

Modelagem de negócio
Requisitos
Análise de projeto
Implementação
Teste
Entrega
Gerenciamento de configuração
Gerenciamento de projeto
Ambiente
RUP
Divisão em 4 fases
Concepção

Elaboração

Construção

Iter. #1 .. #2

Iter. #n .. #m

Transição

Fluxos

26

Iterações
preliminares

Iter. #m+1 .. #m+2
RUP

27

Fonte: Rational (2001)
RUP
• Cada fluxo conta com diversas atividades
• Cada atividade possui
 Tarefas
 Artefatos

• Artefato pode ser




28

Documento
Relatório
Executável
Modelo
Referências
• Booch et al. (2000) UML: Guia do Usuário
• IBM (2008) IBM Rational Unified Process
 ftp://public.dhe.ibm.com//software/pdf/br/RUP_DS.pdf

• Rational (2001) Rational Unified Process:
Best Practices for Software Development
Teams
 http://www.ibm.com/developerworks/rational/library/content/03Ju
ly/1000/1251/1251_bestpractices_TP026B.pdf

• Sommerville (2004) Software Engineering
29

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Padrões de Projeto
Introdução a Padrões de ProjetoIntrodução a Padrões de Projeto
Introdução a Padrões de Projeto
Eduardo Mendes
 
SOA - Arquitetura Orientada a Serviços
SOA - Arquitetura Orientada a ServiçosSOA - Arquitetura Orientada a Serviços
SOA - Arquitetura Orientada a Serviços
alinebicudo
 

Mais procurados (20)

Especificação de Requisitos de Software
Especificação de Requisitos de SoftwareEspecificação de Requisitos de Software
Especificação de Requisitos de Software
 
Aula04 Sistemas Distribuídos - Processos
Aula04 Sistemas Distribuídos - ProcessosAula04 Sistemas Distribuídos - Processos
Aula04 Sistemas Distribuídos - Processos
 
Diagrama de Casos de Uso
Diagrama de Casos de UsoDiagrama de Casos de Uso
Diagrama de Casos de Uso
 
Padrões de Projeto: Adapter
Padrões de Projeto: AdapterPadrões de Projeto: Adapter
Padrões de Projeto: Adapter
 
Aula 06 - Diagrama de classes
Aula 06 - Diagrama de classesAula 06 - Diagrama de classes
Aula 06 - Diagrama de classes
 
Análise e Modelagem de Software
Análise e Modelagem de SoftwareAnálise e Modelagem de Software
Análise e Modelagem de Software
 
Aula 7 diagramas_classes2
Aula 7 diagramas_classes2Aula 7 diagramas_classes2
Aula 7 diagramas_classes2
 
UML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas EficientesUML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas Eficientes
 
Introdução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídosIntrodução à sistemas distribuídos
Introdução à sistemas distribuídos
 
Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor - Estrutura de sistemas cliente ...
Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor - Estrutura de sistemas cliente ...Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor - Estrutura de sistemas cliente ...
Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor - Estrutura de sistemas cliente ...
 
Aula4 levantamento requisitos
Aula4 levantamento requisitosAula4 levantamento requisitos
Aula4 levantamento requisitos
 
Arquitetura orientada a serviços (SOA)
Arquitetura orientada a serviços (SOA)Arquitetura orientada a serviços (SOA)
Arquitetura orientada a serviços (SOA)
 
Aula 7 - Modelagem de Software
Aula 7 - Modelagem de SoftwareAula 7 - Modelagem de Software
Aula 7 - Modelagem de Software
 
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosConceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
 
Introdução à linguagem UML
Introdução à linguagem UMLIntrodução à linguagem UML
Introdução à linguagem UML
 
Aula de Sistemas Distribuídos - Tolerância a Falhas
Aula de Sistemas Distribuídos - Tolerância a FalhasAula de Sistemas Distribuídos - Tolerância a Falhas
Aula de Sistemas Distribuídos - Tolerância a Falhas
 
Introdução a Padrões de Projeto
Introdução a Padrões de ProjetoIntrodução a Padrões de Projeto
Introdução a Padrões de Projeto
 
Es capítulo 5 - modelagem de sistemas
Es   capítulo 5  - modelagem de sistemasEs   capítulo 5  - modelagem de sistemas
Es capítulo 5 - modelagem de sistemas
 
Aps lista de exercícios
Aps lista de exercíciosAps lista de exercícios
Aps lista de exercícios
 
SOA - Arquitetura Orientada a Serviços
SOA - Arquitetura Orientada a ServiçosSOA - Arquitetura Orientada a Serviços
SOA - Arquitetura Orientada a Serviços
 

Destaque (6)

Engenharia de requisitos (26 horas)
Engenharia de requisitos (26 horas)Engenharia de requisitos (26 horas)
Engenharia de requisitos (26 horas)
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de RequisitosFundamentos de Engenharia de Requisitos
Fundamentos de Engenharia de Requisitos
 
Memorex
MemorexMemorex
Memorex
 
CADERNO DO PROFESSOR DE MATEMATICA PAIC+ VOL II 3º e 4º BIMESTRE
CADERNO DO PROFESSOR DE MATEMATICA PAIC+ VOL II 3º e 4º BIMESTRECADERNO DO PROFESSOR DE MATEMATICA PAIC+ VOL II 3º e 4º BIMESTRE
CADERNO DO PROFESSOR DE MATEMATICA PAIC+ VOL II 3º e 4º BIMESTRE
 
Apostila matemática em pdf
Apostila  matemática em pdfApostila  matemática em pdf
Apostila matemática em pdf
 

Semelhante a Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP

Apresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIM
Apresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIMApresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIM
Apresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIM
Ricardo Moço
 
Visao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slidesVisao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slides
horaciosila
 

Semelhante a Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP (20)

Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Aula 6 - Gerenciamento de Escopo
Aula 6 - Gerenciamento de EscopoAula 6 - Gerenciamento de Escopo
Aula 6 - Gerenciamento de Escopo
 
Aula 24.2 spice-iso15504 v02
Aula 24.2  spice-iso15504 v02Aula 24.2  spice-iso15504 v02
Aula 24.2 spice-iso15504 v02
 
Gestao de escopo_v4.1
Gestao de escopo_v4.1Gestao de escopo_v4.1
Gestao de escopo_v4.1
 
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdfAula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
 
Aula 2 - Modelos de processos
Aula 2 -  Modelos de processosAula 2 -  Modelos de processos
Aula 2 - Modelos de processos
 
347842.ppt
347842.ppt347842.ppt
347842.ppt
 
Ciclo de Vida
Ciclo de VidaCiclo de Vida
Ciclo de Vida
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
 
Modelos de Processo de Software Parte 5
Modelos de Processo de Software Parte 5Modelos de Processo de Software Parte 5
Modelos de Processo de Software Parte 5
 
Apqp
ApqpApqp
Apqp
 
Apqp
ApqpApqp
Apqp
 
Apresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIM
Apresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIMApresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIM
Apresentação dissertação mestrado - Verificação automática de Modelo BIM
 
DSDM
DSDMDSDM
DSDM
 
Aula 3 - Processos de Software.pdf
Aula 3 - Processos de Software.pdfAula 3 - Processos de Software.pdf
Aula 3 - Processos de Software.pdf
 
ISO/IEC 15504
ISO/IEC 15504 ISO/IEC 15504
ISO/IEC 15504
 
Rational Unfied Process
Rational Unfied ProcessRational Unfied Process
Rational Unfied Process
 
Outras Metodologias Ágeis Parte 2
Outras Metodologias Ágeis Parte 2Outras Metodologias Ágeis Parte 2
Outras Metodologias Ágeis Parte 2
 
Visao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slidesVisao geraldorup 20slides
Visao geraldorup 20slides
 

Mais de Vagner Santana

MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
Vagner Santana
 

Mais de Vagner Santana (13)

MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
MCPL2013 - Social network analyses in organizations: challenges and approache...
 
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
W4A2013 - Firefixia: An Accessibility Web Browser Customization Toolbar for P...
 
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
W4A2013 - Web Accessibility Snapshot: An Effort to Reveal Coding Guidelines C...
 
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure WidgetsWWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
WWW/Internet 2011 - A Framework for Web 2.0 Secure Widgets
 
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
IHC 2010 - Bringing Users of a Digital Divide Context to Website Evaluation U...
 
IHC 2010 - Competição de avaliação
IHC 2010 - Competição de avaliaçãoIHC 2010 - Competição de avaliação
IHC 2010 - Competição de avaliação
 
Acessibilidade web
Acessibilidade webAcessibilidade web
Acessibilidade web
 
SEMISH 2009 - Redes Sociais Online
SEMISH 2009 - Redes Sociais OnlineSEMISH 2009 - Redes Sociais Online
SEMISH 2009 - Redes Sociais Online
 
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
ICEIS 2012 - VISUALIZING USER INTERFACE EVENTS: Event Stream Summarization th...
 
Padrões de Projeto
Padrões de ProjetoPadrões de Projeto
Padrões de Projeto
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de Sistemas
 
Desenvolvimento de Software
Desenvolvimento de SoftwareDesenvolvimento de Software
Desenvolvimento de Software
 
W4A 2012 - Vagner Santana
W4A 2012 - Vagner SantanaW4A 2012 - Vagner Santana
W4A 2012 - Vagner Santana
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Introdução à Engenharia de Requisitos e RUP

  • 1. Introdução à Engenharia de Requisitos e Rational Unified Process (RUP) Prof. Vagner Figueredo de Santana
  • 2. Visão geral do conteúdo • Engenharia de Requisitos  Requisitos  Estrutura • Rational Unified Process (RUP)  Objetivos  Estrutura  Artefatos 2
  • 3. Engenharia de Requisitos • Processo usado para  Descobrir requisitos  Analisar requisitos  Validar requisitos • Estabelece  O que o cliente quer  Restrições sob as quais o sistema opera 3
  • 4. Engenharia de Requisitos • Requisitos  Descrições de funcionalidades  Restrições obtidas durante o processo • Requisitos podem ser  Funcionais  Não funcionais  De domínio 4
  • 5. Engenharia de Requisitos • Estrutura do processo 1. 2. 3. 4. 5 Estudo de viabilidade Levantamento e análise de requisitos Validação de requisitos Gerenciamento de requisitos
  • 6. Engenharia de Requisitos Fonte: Sommerville (2004) 6
  • 7. Engenharia de Requisitos 1. Estudo de viabilidade  Decide se o sistema proposto • • • • • 7 É viável Contribui para os objetivos da organização Pode ser construído usando tecnologias atuais Está dentro do orçamento previsto Pode ser integrado com outros sistemas
  • 8. Engenharia de Requisitos 2. Levantamento e análise de requisitos  Envolve stakeholders nas tarefas • • • 8 Entender o domínio da aplicação Entender os serviços do sistema Entender as restrições operacionais do sistema
  • 9. Engenharia de Requisitos • Dificuldades?  Stakeholders • Podem não saber o que realmente desejam • Expressam requisitos de maneiras diferentes • Requisitos podem ser conflitantes  Requisitos mudam ao longo do tempo 9
  • 11. Engenharia de Requisitos 3. Validação de requisitos • Demonstrar se os requisitos são o que o cliente realmente quer • Corrigir requisitos com erros • Técnicas • • • 11 Revisão de requisitos Prototipação Análise de consistência automática
  • 12. Engenharia de Requisitos 4. Gerenciamento de requisitos • Gerenciar mudanças de requisitos Fonte: Sommerville (2004) 12
  • 13. Rational Unified Process (RUP) • Processo iterativo  Compreensão crescente do problema  Flexibilidade para acomodação de novos requisitos • Processo configurável • Conta com  Ciclos  Fases  Iterações 13
  • 14. RUP • Atividades têm foco em  Modelos em vez de documentos • Minimiza a sobrecarga • Atividades são orientadas por  Casos de uso • Compreensão completa • Alinhar o fluxo do processo a partir de requisitos obtidos em testes/análises 14
  • 15. RUP • Encoraja  Controle de qualidade  Gerenciamento de riscos • Desenvolvimento centrado na arquitetura  Facilita o desenvolvimento em paralelo  Minimiza retrabalho  Aumenta o reúso 15
  • 17. RUP Divisão em 4 fases Concepção Elaboração Construção Transição Tempo 17
  • 18. RUP • Fase 1: Concepção  Delimita o escopo do projeto  Estabelece o caso de negócio • • • • 18 Critérios de sucesso Avaliação de riscos Estimativa de recursos Determinação de marcos de progresso (milestones)
  • 20. RUP • Fase 2: Elaboração     20 Análise do domínio do problema Estabelecimento de uma arquitetura sólida Desenvolvimento do plano do projeto Eliminação de elementos de alto risco do projeto
  • 21. RUP • Fase 3: Construção  Desenvolvimento iterativo e incremental  Requer descrição • Requisitos restantes • Critérios de aceitação 21
  • 22. RUP • Fase 4: Transição  Disponibilizar sistema aos usuários  Levantamento de lições aprendidas  Analisar se os objetivos foram alcançados e se outro ciclo de desenvolvimento deverá ser iniciado 22
  • 23. RUP • Iteração     Marca avanços de cada fase Concepção: Levantamento de requisitos Elaboração: Análise e projeto Construção e transição: Implementação • Versão executável / nova funcionalidade 23
  • 24. RUP Divisão em 4 fases Concepção Elaboração Construção Transição Tempo Iterações preliminares 24 Iter. #1 .. #2 Iter. #n .. #m Iter. #m+1 .. #m+2
  • 25. RUP • Ciclo é composto por nove fluxos paralelos 25 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Modelagem de negócio Requisitos Análise de projeto Implementação Teste Entrega Gerenciamento de configuração Gerenciamento de projeto Ambiente
  • 26. RUP Divisão em 4 fases Concepção Elaboração Construção Iter. #1 .. #2 Iter. #n .. #m Transição Fluxos 26 Iterações preliminares Iter. #m+1 .. #m+2
  • 28. RUP • Cada fluxo conta com diversas atividades • Cada atividade possui  Tarefas  Artefatos • Artefato pode ser     28 Documento Relatório Executável Modelo
  • 29. Referências • Booch et al. (2000) UML: Guia do Usuário • IBM (2008) IBM Rational Unified Process  ftp://public.dhe.ibm.com//software/pdf/br/RUP_DS.pdf • Rational (2001) Rational Unified Process: Best Practices for Software Development Teams  http://www.ibm.com/developerworks/rational/library/content/03Ju ly/1000/1251/1251_bestpractices_TP026B.pdf • Sommerville (2004) Software Engineering 29