SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Digital Works 1
DIGITAL WORKS
Arquitetura e Organização de
Computadores
Digital Works 2
Digital Works - Introdução
• O Digital Works é uma ferramenta gráfica de
simulação que permite construir e analisar o
comportamento de circuitos digitais.
• Os circuitos a simular podem ser compostos por
portas lógicas, flip-flops, unidades de memória,
etc.
• Uma das suas capacidades mais importantes é a
criação de macros, através das quais é possível
construir um novo componente a partir de um
circuito desenhado pelo utilizador.
• Esse novo componente pode ser guardado para
ser usado mais tarde na construção de outros
circuitos mais complexos.
• Deste modo é possível ir acrescentando novos
componentes à lista de componentes do
programa.
Digital Works 3
Digital Works - Componentes
Digital Works 4
Digital Works - Componentes
• Área de trabalho – espaço aonde são
colocados os componentes do circuito a
simular.
• Mensagens – mensagens de ações que
devem ser executadas, avisos de erros,
etc.
• Menus – menus de abrir/salvar arquivos,
configuração, ferramentas, etc.
• Componentes digitais –componentes a
ser utilizados na construção dos circuitos.
• Seletor de componentes – permite
selecionar os componentes a colocar na
área de trabalho.
Digital Works 5
Digital Works - Componentes
• Interação com os componentes – em modo
de simulação, permite interagir com os
componentes alterando o seu estado de
funcionamento.
• Anotações – permite introduzir textos, como
títulos ou notas
• Fios – desenha os fios de ligação entre os vários
componentes; o programa impede ligações
impossíveis como, por exemplo, entre duas
saídas. Vão sendo mostradas mensagens que
indicam em cada momento o que pode ou deve
ser feito.
• Simulação – controla a simulação; em modo
simulação pode interagir-se com os componentes
do circuito, atuando sobre as suas entradas e
observando o efeito sobre as saídas.
Digital Works 6
Digital Works - Exemplo
• Como exemplo de utilização do
simulador, vai usar-se um circuito de
controle do motor do limpador de
pára-brisas (LPB).
– A equação do circuito é:
LPB = I . (C + R)
LPB = motor do limpador
I = chave de ignição
C= comando manual do limpador
R = detector de chuva
Digital Works 7
Digital Works - Exemplo
• A tabela verdade :
• O circuito equivalente.
Digital Works 8
Digital Works - Implementação
Digital Works 9
Digital Works - Notas
1. Quando um componente se encontra no
nível lógico “0” aparece representado em
branco, quando no nível “1” aparece a
vermelho (padrão).
2. Pressionando em F1 quando um
componente está seleccionado na área
de trabalho, é mostrada a ajuda sobre
esse componente.
3. Clicando com o botão direito do mouse
sobre um componente, aparece a lista de
opções (cores, textos, nº de entradas
das portas, parâmetros, etc).
Digital Works 10
Digital Works - Notas
4. Se for necessário testar o estado de
pontos do circuito, podem
acrescentar-se LEDs adicionais que
servem como pontos de teste:
Digital Works 11
Digital Works - Notas
5. Um componente selecionado na
área de trabalho tem junto um sinal
(+) a partir do qual é possível rodá-
lo com o mouse:
Digital Works 12
Digital Works - Notas
6. O modo organizado de dispor os
componentes é um aspecto muito
importante para manter a legibilidade
dos circuitos, principalmente quando
estes comportam muitos componentes. A
figura seguinte ilustra um caso de má
colocação dos componentes:
Digital Works 13
Digital Works - Notas
7. O posicionamento dos componentes na
área de trabalho é feito de acordo com o
grid que estiver presente no tela.
A alteração das características do grid
pode ser feita através do menu “View”
ou clicando com o botão direito do
mouse sobre um local livre da área de
trabalho.
As figuras seguintes ilustram esta
alteração.
Digital Works 14
Digital Works - GRID
Digital Works 15
Digital Works - GRID
Espaçamento entre os pontos visíveis
da grelha. Um menor valor aproxima os
pontos permitindo maior precisão no
posicionamento dos componentes.
Ângulo de rotação dos componentes
Unidade de movimento dos
componentes. Controla a amplitude do
“salto” relativo ao posicionamento dos
componentes. Um menor valor
aproxima os pontos permitindo maior
precisão no posicionamento dos
componentes.
Digital Works 16
Digital Works - GRID
Os componentes movem-se por “saltos”
Os componentes movem-se livremente
Mostra o grid
Oculta o grid
Digital Works 17
Digital Works - Execução da Simulação
• Para verificar se o circuito funciona
corretamente deve executar-se a
simulação.
• Os botões abaixo são utilizados para a
controlar:
Digital Works 18
Digital Works - Execução da Simulação
• Após iniciar a simulação pode-se
usar o botão de interação com os
componentes para alterar o estado
das entradas.
Digital Works 19
Digital Works - Execução da Simulação
• As figuras a seguir mostram
exemplos:
Digital Works 20
Digital Works - Execução da Simulação
Digital Works 21
Colaborações?
Críticas??
Dúvidas???
Sugestões????
Xingamentos?????

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...Artur Filipe dos Santos
 
Objetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de Arquitetura
Objetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de ArquiteturaObjetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de Arquitetura
Objetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de ArquiteturaFellipe Lucas
 
Igreja pirenopolis analise arq
Igreja pirenopolis analise arqIgreja pirenopolis analise arq
Igreja pirenopolis analise arqCaliandra Desenhos
 
Manual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docx
Manual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docxManual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docx
Manual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docxMartaOliveira959293
 
Vale do anhangabaú
Vale do anhangabaúVale do anhangabaú
Vale do anhangabaúARQ210AN
 
Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6
Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6
Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6Siniša Ćulafić
 
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALAna Helena Rodrigues Alves
 
Apresentação do projeto da Praça das Artes
Apresentação do projeto da Praça das ArtesApresentação do projeto da Praça das Artes
Apresentação do projeto da Praça das ArtesChico Macena
 
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Teresa Cristina Bock
 
Sustavno prikupljanje sadržaja s weba
Sustavno prikupljanje sadržaja s webaSustavno prikupljanje sadržaja s weba
Sustavno prikupljanje sadržaja s webaVesna Majdandžić
 

Mais procurados (14)

Turismo Urbano
Turismo UrbanoTurismo Urbano
Turismo Urbano
 
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
Património Mundial e Turismo Cultural -Património Mundial Português e espalha...
 
Apresentação LEED
Apresentação LEEDApresentação LEED
Apresentação LEED
 
Objetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de Arquitetura
Objetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de ArquiteturaObjetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de Arquitetura
Objetivos Gerais de cada uma das fases do Projeto de Arquitetura
 
Igreja pirenopolis analise arq
Igreja pirenopolis analise arqIgreja pirenopolis analise arq
Igreja pirenopolis analise arq
 
Privatnost i sigurnost na internetu
Privatnost i sigurnost na internetuPrivatnost i sigurnost na internetu
Privatnost i sigurnost na internetu
 
Manual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docx
Manual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docxManual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docx
Manual TRB ufcd 3353 - Serviço de pequenos almoços (1).docx
 
Muzeji
MuzejiMuzeji
Muzeji
 
Vale do anhangabaú
Vale do anhangabaúVale do anhangabaú
Vale do anhangabaú
 
Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6
Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6
Crtanje preseka u gradjevinarstvu 6
 
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
 
Apresentação do projeto da Praça das Artes
Apresentação do projeto da Praça das ArtesApresentação do projeto da Praça das Artes
Apresentação do projeto da Praça das Artes
 
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
 
Sustavno prikupljanje sadržaja s weba
Sustavno prikupljanje sadržaja s webaSustavno prikupljanje sadržaja s weba
Sustavno prikupljanje sadržaja s weba
 

Destaque (20)

Arquitetura 4 complemento de 2
Arquitetura 4   complemento de 2Arquitetura 4   complemento de 2
Arquitetura 4 complemento de 2
 
Aritmética Digital
Aritmética DigitalAritmética Digital
Aritmética Digital
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
 
Apostila 9 virtualização - nova
Apostila 9   virtualização - novaApostila 9   virtualização - nova
Apostila 9 virtualização - nova
 
Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2
 
Arquitetura 4
Arquitetura 4Arquitetura 4
Arquitetura 4
 
Arquitetura 8
Arquitetura 8Arquitetura 8
Arquitetura 8
 
Arquitetura 6 1
Arquitetura 6   1Arquitetura 6   1
Arquitetura 6 1
 
Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1
 
Arquitetura 8 3
Arquitetura 8 3Arquitetura 8 3
Arquitetura 8 3
 
Arquitetura 10
Arquitetura 10Arquitetura 10
Arquitetura 10
 
Arquitetura 8 1 - 2012.2
Arquitetura 8   1 - 2012.2Arquitetura 8   1 - 2012.2
Arquitetura 8 1 - 2012.2
 
Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1Arquitetura 8 1
Arquitetura 8 1
 
Arquitetura 7
Arquitetura 7Arquitetura 7
Arquitetura 7
 
Arquitetura 6 exercícios
Arquitetura 6   exercíciosArquitetura 6   exercícios
Arquitetura 6 exercícios
 
Arquitetura 3
Arquitetura 3Arquitetura 3
Arquitetura 3
 
Arquitetura 6
Arquitetura 6Arquitetura 6
Arquitetura 6
 
Arquitetura 5
Arquitetura 5Arquitetura 5
Arquitetura 5
 
Apostila 9 virtualização - nova
Apostila 9   virtualização - novaApostila 9   virtualização - nova
Apostila 9 virtualização - nova
 
Arquitetura 1
Arquitetura 1Arquitetura 1
Arquitetura 1
 

Semelhante a Digital Works simulador circuitos digitais

Tutorial circuit maker
Tutorial circuit makerTutorial circuit maker
Tutorial circuit makerIsvaldo Souza
 
Prática da disciplina de laboratório de conversão de energia
Prática da disciplina de laboratório de conversão de energiaPrática da disciplina de laboratório de conversão de energia
Prática da disciplina de laboratório de conversão de energiaHeitor Galvão
 
Introdução ao Matlab - simulink coder support package
Introdução ao Matlab - simulink coder support packageIntrodução ao Matlab - simulink coder support package
Introdução ao Matlab - simulink coder support packageEmbarcados
 
Curso microcontroladores pic no mp lab 8
Curso microcontroladores pic no mp lab 8Curso microcontroladores pic no mp lab 8
Curso microcontroladores pic no mp lab 8RogerMasters
 
Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)
Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)
Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)Intel Software Brasil
 
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM BrasilPLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM BrasilCADWARE-TECHNOLOGY
 
Estimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de funçãoEstimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de funçãoClaudio Martins
 
Manual proteus portugues
Manual proteus portuguesManual proteus portugues
Manual proteus portuguesaraujolincoln
 
Clp allen bralley aula 04
Clp allen bralley aula 04Clp allen bralley aula 04
Clp allen bralley aula 04MAKILL
 
Aula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptx
Aula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptxAula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptx
Aula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptxAntonioCarlos349007
 
ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I
ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES IORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I
ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES Ipaulocoob
 

Semelhante a Digital Works simulador circuitos digitais (20)

Tutorial circuit maker
Tutorial circuit makerTutorial circuit maker
Tutorial circuit maker
 
Prática da disciplina de laboratório de conversão de energia
Prática da disciplina de laboratório de conversão de energiaPrática da disciplina de laboratório de conversão de energia
Prática da disciplina de laboratório de conversão de energia
 
Introdução ao Matlab - simulink coder support package
Introdução ao Matlab - simulink coder support packageIntrodução ao Matlab - simulink coder support package
Introdução ao Matlab - simulink coder support package
 
Curso microcontroladores pic no mp lab 8
Curso microcontroladores pic no mp lab 8Curso microcontroladores pic no mp lab 8
Curso microcontroladores pic no mp lab 8
 
Apostila2 clp logo
Apostila2 clp logoApostila2 clp logo
Apostila2 clp logo
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Guia Matlab
Guia MatlabGuia Matlab
Guia Matlab
 
Rs logix 5000
Rs logix 5000Rs logix 5000
Rs logix 5000
 
Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)
Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)
Palestra: Computação Paralela na SECOMP 2013 (UNIFEI)
 
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM BrasilPLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 03/14 | Clayton Ferraz | GM Brasil
 
Estimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de funçãoEstimativa de software usando pontos de função
Estimativa de software usando pontos de função
 
Manual proteus portugues
Manual proteus portuguesManual proteus portugues
Manual proteus portugues
 
Aula04
Aula04Aula04
Aula04
 
Clp allen bralley aula 04
Clp allen bralley aula 04Clp allen bralley aula 04
Clp allen bralley aula 04
 
CLP-S7-1200 NÍVEL 1.pptx
CLP-S7-1200 NÍVEL 1.pptxCLP-S7-1200 NÍVEL 1.pptx
CLP-S7-1200 NÍVEL 1.pptx
 
Arquitetura 8 3
Arquitetura 8 3Arquitetura 8 3
Arquitetura 8 3
 
Aula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptx
Aula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptxAula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptx
Aula 2 - Introdução aos Miconcontroladores.pptx
 
Operdor de corte a laser
Operdor de corte a laser Operdor de corte a laser
Operdor de corte a laser
 
ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I
ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES IORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I
ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I
 

Mais de Paulo Fonseca

Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivosPaulo Fonseca
 
Arquitetura 6 exercícios
Arquitetura 6   exercíciosArquitetura 6   exercícios
Arquitetura 6 exercíciosPaulo Fonseca
 
Apostila 6 gerência de memória
Apostila 6   gerência de memóriaApostila 6   gerência de memória
Apostila 6 gerência de memóriaPaulo Fonseca
 
Apostila 5 processos e threads
Apostila 5   processos e threadsApostila 5   processos e threads
Apostila 5 processos e threadsPaulo Fonseca
 
Apostila 3 concorrência
Apostila 3   concorrênciaApostila 3   concorrência
Apostila 3 concorrênciaPaulo Fonseca
 
Apostila 2 conceitos de hardware e software
Apostila 2   conceitos de hardware e softwareApostila 2   conceitos de hardware e software
Apostila 2 conceitos de hardware e softwarePaulo Fonseca
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturadoPaulo Fonseca
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissãoPaulo Fonseca
 
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturadoCabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturadoPaulo Fonseca
 
Cabeamento 1 introdução - normas - categorias
Cabeamento 1   introdução - normas - categoriasCabeamento 1   introdução - normas - categorias
Cabeamento 1 introdução - normas - categoriasPaulo Fonseca
 
Cabeamento 4 meios de transmissão
Cabeamento 4   meios de transmissãoCabeamento 4   meios de transmissão
Cabeamento 4 meios de transmissãoPaulo Fonseca
 

Mais de Paulo Fonseca (18)

Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
 
Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2Arquitetura 8 2
Arquitetura 8 2
 
Arquitetura 6 1
Arquitetura 6 1Arquitetura 6 1
Arquitetura 6 1
 
Arquitetura 6
Arquitetura 6Arquitetura 6
Arquitetura 6
 
Arquitetura 6 exercícios
Arquitetura 6   exercíciosArquitetura 6   exercícios
Arquitetura 6 exercícios
 
Arquitetura 5
Arquitetura 5Arquitetura 5
Arquitetura 5
 
Arquitetura 2
Arquitetura 2Arquitetura 2
Arquitetura 2
 
Arquitetura 9
Arquitetura 9Arquitetura 9
Arquitetura 9
 
Apostila 6 gerência de memória
Apostila 6   gerência de memóriaApostila 6   gerência de memória
Apostila 6 gerência de memória
 
Apostila 5 processos e threads
Apostila 5   processos e threadsApostila 5   processos e threads
Apostila 5 processos e threads
 
Apostila 3 concorrência
Apostila 3   concorrênciaApostila 3   concorrência
Apostila 3 concorrência
 
Apostila 2 conceitos de hardware e software
Apostila 2   conceitos de hardware e softwareApostila 2   conceitos de hardware e software
Apostila 2 conceitos de hardware e software
 
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5   componentes do cabeamento estruturadoCabeamento 5   componentes do cabeamento estruturado
Cabeamento 5 componentes do cabeamento estruturado
 
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissãoCabeamento 3   limitação de sinais nos meios de transmissão
Cabeamento 3 limitação de sinais nos meios de transmissão
 
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturadoCabeamento 2   visão geral do cabeamento estuturado
Cabeamento 2 visão geral do cabeamento estuturado
 
Cabeamento 1 introdução - normas - categorias
Cabeamento 1   introdução - normas - categoriasCabeamento 1   introdução - normas - categorias
Cabeamento 1 introdução - normas - categorias
 
Cabeamento 4 meios de transmissão
Cabeamento 4   meios de transmissãoCabeamento 4   meios de transmissão
Cabeamento 4 meios de transmissão
 
Arquitetura 9
Arquitetura 9Arquitetura 9
Arquitetura 9
 

Digital Works simulador circuitos digitais

  • 1. Digital Works 1 DIGITAL WORKS Arquitetura e Organização de Computadores
  • 2. Digital Works 2 Digital Works - Introdução • O Digital Works é uma ferramenta gráfica de simulação que permite construir e analisar o comportamento de circuitos digitais. • Os circuitos a simular podem ser compostos por portas lógicas, flip-flops, unidades de memória, etc. • Uma das suas capacidades mais importantes é a criação de macros, através das quais é possível construir um novo componente a partir de um circuito desenhado pelo utilizador. • Esse novo componente pode ser guardado para ser usado mais tarde na construção de outros circuitos mais complexos. • Deste modo é possível ir acrescentando novos componentes à lista de componentes do programa.
  • 3. Digital Works 3 Digital Works - Componentes
  • 4. Digital Works 4 Digital Works - Componentes • Área de trabalho – espaço aonde são colocados os componentes do circuito a simular. • Mensagens – mensagens de ações que devem ser executadas, avisos de erros, etc. • Menus – menus de abrir/salvar arquivos, configuração, ferramentas, etc. • Componentes digitais –componentes a ser utilizados na construção dos circuitos. • Seletor de componentes – permite selecionar os componentes a colocar na área de trabalho.
  • 5. Digital Works 5 Digital Works - Componentes • Interação com os componentes – em modo de simulação, permite interagir com os componentes alterando o seu estado de funcionamento. • Anotações – permite introduzir textos, como títulos ou notas • Fios – desenha os fios de ligação entre os vários componentes; o programa impede ligações impossíveis como, por exemplo, entre duas saídas. Vão sendo mostradas mensagens que indicam em cada momento o que pode ou deve ser feito. • Simulação – controla a simulação; em modo simulação pode interagir-se com os componentes do circuito, atuando sobre as suas entradas e observando o efeito sobre as saídas.
  • 6. Digital Works 6 Digital Works - Exemplo • Como exemplo de utilização do simulador, vai usar-se um circuito de controle do motor do limpador de pára-brisas (LPB). – A equação do circuito é: LPB = I . (C + R) LPB = motor do limpador I = chave de ignição C= comando manual do limpador R = detector de chuva
  • 7. Digital Works 7 Digital Works - Exemplo • A tabela verdade : • O circuito equivalente.
  • 8. Digital Works 8 Digital Works - Implementação
  • 9. Digital Works 9 Digital Works - Notas 1. Quando um componente se encontra no nível lógico “0” aparece representado em branco, quando no nível “1” aparece a vermelho (padrão). 2. Pressionando em F1 quando um componente está seleccionado na área de trabalho, é mostrada a ajuda sobre esse componente. 3. Clicando com o botão direito do mouse sobre um componente, aparece a lista de opções (cores, textos, nº de entradas das portas, parâmetros, etc).
  • 10. Digital Works 10 Digital Works - Notas 4. Se for necessário testar o estado de pontos do circuito, podem acrescentar-se LEDs adicionais que servem como pontos de teste:
  • 11. Digital Works 11 Digital Works - Notas 5. Um componente selecionado na área de trabalho tem junto um sinal (+) a partir do qual é possível rodá- lo com o mouse:
  • 12. Digital Works 12 Digital Works - Notas 6. O modo organizado de dispor os componentes é um aspecto muito importante para manter a legibilidade dos circuitos, principalmente quando estes comportam muitos componentes. A figura seguinte ilustra um caso de má colocação dos componentes:
  • 13. Digital Works 13 Digital Works - Notas 7. O posicionamento dos componentes na área de trabalho é feito de acordo com o grid que estiver presente no tela. A alteração das características do grid pode ser feita através do menu “View” ou clicando com o botão direito do mouse sobre um local livre da área de trabalho. As figuras seguintes ilustram esta alteração.
  • 14. Digital Works 14 Digital Works - GRID
  • 15. Digital Works 15 Digital Works - GRID Espaçamento entre os pontos visíveis da grelha. Um menor valor aproxima os pontos permitindo maior precisão no posicionamento dos componentes. Ângulo de rotação dos componentes Unidade de movimento dos componentes. Controla a amplitude do “salto” relativo ao posicionamento dos componentes. Um menor valor aproxima os pontos permitindo maior precisão no posicionamento dos componentes.
  • 16. Digital Works 16 Digital Works - GRID Os componentes movem-se por “saltos” Os componentes movem-se livremente Mostra o grid Oculta o grid
  • 17. Digital Works 17 Digital Works - Execução da Simulação • Para verificar se o circuito funciona corretamente deve executar-se a simulação. • Os botões abaixo são utilizados para a controlar:
  • 18. Digital Works 18 Digital Works - Execução da Simulação • Após iniciar a simulação pode-se usar o botão de interação com os componentes para alterar o estado das entradas.
  • 19. Digital Works 19 Digital Works - Execução da Simulação • As figuras a seguir mostram exemplos:
  • 20. Digital Works 20 Digital Works - Execução da Simulação