SlideShare uma empresa Scribd logo

LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx

O
OsnilReis1

Apresentação Variações Linguísticas.

1 de 40
Baixar para ler offline
LINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM - é todo sistema de sinais convencionais que nos permite
realizar atos de comunicação. Pode ser verbal e não verbal.
COLOQUIAL
OU CULTA
EXEMPLOS DE LINGUAGEM VERBAL,
NÃO VERBAL E MISTA
VERBAL- aquela cujos sinais são as palavras.
LINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
NÃO VERBAL - É aquela que utiliza outros sinais que não as palavras: conjunto dos
sinais de trânsito, mímica etc. constituem esse tipos de linguagem.
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
Discurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livreDiscurso direto, indireto e indireto livre
Discurso direto, indireto e indireto livre
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 
Ambiguidade e polissemia
Ambiguidade e polissemiaAmbiguidade e polissemia
Ambiguidade e polissemia
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Predicados e predicativos
Predicados e predicativosPredicados e predicativos
Predicados e predicativos
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Língua gestual portuguesa
Língua gestual portuguesaLíngua gestual portuguesa
Língua gestual portuguesa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Colocacao pronominal
Colocacao pronominalColocacao pronominal
Colocacao pronominal
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Adjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominalAdjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominal
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Exercícios sobre tipos textuais
Exercícios sobre tipos textuaisExercícios sobre tipos textuais
Exercícios sobre tipos textuais
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
Linguagem Humana E Linguagem Animal
Linguagem Humana E Linguagem AnimalLinguagem Humana E Linguagem Animal
Linguagem Humana E Linguagem Animal
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 

Semelhante a LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx

Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Adriano Barros
 
Variação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoVariação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoSadrak Silva
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptlucasicm
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptEdilmaBrando1
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptEdilmaBrando1
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoblogdoalunocefa
 
Linguagem, língua e variabilidade versão resumida
Linguagem, língua e variabilidade versão resumidaLinguagem, língua e variabilidade versão resumida
Linguagem, língua e variabilidade versão resumidaRaquel Souza
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Bia Crispim
 
Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason
Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason
Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason JasonPaulino2
 
Tipos de variação linguística
Tipos de variação linguísticaTipos de variação linguística
Tipos de variação linguísticaNivea Neves
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Orniane Pinheiro
 
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptxaula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptxRosenildaAparecidaLa
 

Semelhante a LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx (20)

Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.Variação lingüística e preconceito lingüístico.
Variação lingüística e preconceito lingüístico.
 
Variação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguísticoVariação e preconceituos linguístico
Variação e preconceituos linguístico
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
 
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..pptVariação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
Variação lingüística e preconceito lingüístico..ppt
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Aula 01 - LINGUAGEM.pptx
Aula 01 - LINGUAGEM.pptxAula 01 - LINGUAGEM.pptx
Aula 01 - LINGUAGEM.pptx
 
Linguagem, língua e variabilidade versão resumida
Linguagem, língua e variabilidade versão resumidaLinguagem, língua e variabilidade versão resumida
Linguagem, língua e variabilidade versão resumida
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
 
Variacao
VariacaoVariacao
Variacao
 
Variedades dialetais bagno_2011 (2)
Variedades dialetais bagno_2011 (2)Variedades dialetais bagno_2011 (2)
Variedades dialetais bagno_2011 (2)
 
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIALLINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
LINGUAGEM CULTA X COLOQUIAL
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
norma_e_variacao_1.pdf
norma_e_variacao_1.pdfnorma_e_variacao_1.pdf
norma_e_variacao_1.pdf
 
Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason
Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason
Aula 2 - Variações Linguísticas. Prof. Jason
 
Tipos de variação linguística
Tipos de variação linguísticaTipos de variação linguística
Tipos de variação linguística
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3
 
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptxaula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
aula de itinerario 1º ano variedade linguistica.pptx
 

Último

Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 

LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx

  • 2. LINGUAGEM - é todo sistema de sinais convencionais que nos permite realizar atos de comunicação. Pode ser verbal e não verbal. COLOQUIAL OU CULTA
  • 3. EXEMPLOS DE LINGUAGEM VERBAL, NÃO VERBAL E MISTA
  • 4. VERBAL- aquela cujos sinais são as palavras.
  • 6. NÃO VERBAL - É aquela que utiliza outros sinais que não as palavras: conjunto dos sinais de trânsito, mímica etc. constituem esse tipos de linguagem.
  • 8. MISTA - É aquela que utiliza tanto elementos não verbais quanto elementos verbais, ou seja, mistura palavras com gestos, imagens, cores, sons e todo tipo de elemento não verbal para comunicar.
  • 10. A interação verbal entre os sujeitos é possível por meio das palavras e pode ser realizada por meio da fala e/ou da escrita. Dependendo da situação comunicativa, os usuários das línguas podem eleger qualquer um dos diferentes níveis de linguagem para interagir verbalmente com os outros. Isso significa que existem linguagens diferentes para ocasiões distintas, ou seja, em toda situação comunicativa, os falantes elegem o nível de linguagem mais adequado para que tanto o emissor quanto o receptor das mensagens possam compreender e ser compreendidos. OS NÍVEIS DE LINGUAGEM
  • 11. → LINGUAGEM FORMAL/CULTA: Essa modalidade é responsável por representar as práticas linguísticas embasadas nos modelos de uso encontrados em textos formais. É o modelo que deve ser utilizado na escrita, sobretudo nos textos não literários, pois segue rigidamente as regras gramaticais. A norma culta conta com maior prestígio social e normalmente é associada ao nível cultural do falante: quanto maior a escolarização, maior a adequação com a língua padrão.
  • 12. • É o modelo culto utilizado na escrita, que segue rigidamente as regras gramaticais. • Essa linguagem é mais elaborada, tanto porque o falante tem mais tempo para se pronunciar de forma refletida como porque a escrita é supervalorizada na nossa cultura. • É a história do "vale o que está escrito". • Uma das funções da escola é, através do ensino de língua portuguesa, oferecer a você condições de dominar a norma padrão, a fim de que, nas circunstâncias sociais convenientes, seja falando, seja escrevendo, você possa utilizá-la adequadamente. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM FORMAL/CULTA
  • 13. → LINGUAGEM INFORMAL: é aquela utilizada em nosso cotidiano nas situações em que o nível de formalidade é menor, portanto, requer menor adequação às regras gramaticais. A linguagem coloquial, ou linguagem popular, é mais dinâmica, sendo marcada por grande fluidez verbal, já que não existe a preocupação excessiva com a norma-padrão da língua. Nela são permitidos recursos expressivos da linguagem, como gírias, e pode ser mais facilmente encontrada nos textos literários, nos quais se admitem licenças poéticas.
  • 14. • É a versão oral da língua culta e, por ser mais livre e espontânea, tem um pouco mais de liberdade e está menos presa à rigidez das regras gramaticais. • Entretanto, a margem de afastamento dessas regras é estreita e, embora exista, a permissividade com relação às "transgressões" é pequena. • É uma variante espontânea, utilizada, mas relações informais entre dois ou mais falantes. É a língua do cotidiano, sem muita preocupação com as normas. • O Falante, ao utilizá-la, comete deslizes gramaticais com frequência considerável. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM INFORMAL/COLOQUIAL
  • 15. • Outra característica da língua coloquial é o uso de constantes de expressões populares, frases feitas, gírias etc. •Fazendo uma comparação entre a língua culta e a língua coloquial, é possível constatar que, em certos aspectos, as diferenças entre as duas são bastante evidentes, mas, em outros, os limites não são tão claros, ficando difícil, nesses casos, definir uma “fronteira” entre o que é culto e oi que é coloquial. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM COLOQUIAL / INFORMAL
  • 20. VARIAÇÕES SITUACIONAIS São as variações que se dão em função do contexto comunicativo, isto é, a ocasião determina o modo como falaremos com o nosso interlocutor, podendo ser formal ou informal. A variação situacional, diferente das demais, parte de uma escolha que é feita a partir do contexto. O emissor adéqua sua fala ou escrita ao contexto, levando em conta o eu receptor.
  • 21. VARIAÇÕES REGIONAIS Representam as variações que ocorrem pelas diferenças regionais. As variações regionais, denominados dialetos, são as variações referentes a diferentes regiões geográficas, de acordo com a cultura local. Um exemplo deste tipo de variação é a palavra “mandioca” que, em certos lugares, recebe outras denominações, como “macaxeira” e “aipim”. Nesta modalidade também estão os sotaques, ligados às marcas orais da linguagem.
  • 24. VARIAÇÕES SOCIAIS São as variações ocorridas em razão da convivência entre os grupos sociais. As gírias, os jargões e o linguajar caipira são exemplos desta modalidade de variação linguística. É uma variação social e pertence a um grupo específico de pessoas. As gírias pertencem ao vocabulário específico de certos grupos, como os policiais, cantores de rap, surfistas, estudantes, jornalistas, entre outros. Já os jargões estão relacionados com as áreas profissionais, caracterizando um linguajar técnico. Como exemplo, podemos citar os profissionais da Medicina, os advogados, os profissionais da Informática, dentre outros.
  • 26. VARIAÇÕES HISTÓRICAS Como já foi dito, a língua é dinâmica e sofre transformações ao longo do tempo. Um exemplo de variação histórica é a questão da ortografia: a palavra “farmácia” já foi escrita com “ph” (pharmácia). A palavra “você”, que tem origem etimológica na expressão de tratamento de deferência “vossa mercê” e que se transformou sucessivamente em “vossemecê”, “vosmecê”, “vancê”, até chegar na que utilizamos hoje que é, muitas vezes (principalmente na Internet), abreviado para “vc”.
  • 30. Bafafá É o mesmo que confusão ou bagunça. - Que bafafá é esse? Barbeiro É um motorista ruim, que não sabe dirigir direito. - Ô barbeiro, sai da frente! Chá de cadeira Tomar um chá de cadeira é o mesmo que ter que ficar esperando por muito tempo. - Minha namorada me deu um chá de cadeira hoje. De lascar o cano É o mesmo que dizer que algo é muito ruim. - Essa minha situação está de lascar o cano. Marcar touca Significa perder uma oportunidade, dar bobeira. - Claro que você não ia conseguir aquele emprego, fica aí marcando touca. Na boca de espera É quando você está prestes a conseguir alguma coisa. - Estou na boca da espera pra ganhar aquele aumento.
  • 32. Boa pinta É o mesmo que dizer que a pessoa é bonita, de boa aparência. - Aquele aluno novo é boa pinta. Borogodó Significa charme, sensualidade. - Ele pode não ser tão bonito, mas tem borogodó. Broto É o mesmo que garota bonita. - Aquela menina é um brotinho. Bulhufas Significa o mesmo que nada, coisa nenhuma. - Não entendi bulhufas do que você disse. Cafona Uma coisa cafona é algo fora de moda, brega. - Não acredito que você comprou essa blusa cafona. Dar tábua Significa se recusar a dançar. - Já sabia que o João ia dar tábua. Duvi-de-o-dó É o mesmo que duvidar veemente de algo. - Até parece que você vai se casar. Duvi-de-o-dó. Fogo na roupa É o mesmo que uma situação ou pessoa complicada. - Essa menina é fogo na roupa. Lelé da cuca Uma pessoa lelé da cuca é alguém doido, maluco.
  • 34. Arquibaldos São os torcedores que assistem os jogos das arquibancadas. - Os arquibaldos estavam agitados hoje. Barra pesada É o mesmo que uma pessoa ou situação difícil de lidar, ou mesmo perigosa. - Aquela situação com seus pais está barra pesada. Bicho-grilo É usado para definir pessoas que gostam de ficar na natureza, ou hippies - Ele não vem pra cidade, é um bicho-grilo. Bidu É o mesmo que uma pessoa esperta, adivinhona. - Acertou tudo ein? Bidu! Careta Significa uma pessoa conservadora. - Lá vem aquela sua tia careta. Chacrinha É o mesmo que conversa fiada, sem objetivo. - Chega de chacrinha por hoje. Chato de galocha Significa uma pessoa muito chata, insuportável. -Você é um chato de galocha. -Chuchu beleza É o mesmo que dizer que está tudo certo. - E aí Paula, chuchu beleza? Entrar pelo cano Significa se dar mal. - O Marcos entrou pelo cano dessa vez. Grilado É o mesmo que estar desconfiado de alguma coisa. - Aquela situação me deixou grilado. Patota Uma patota é uma turma de amigos. - Vou sair com a patota hoje. Tutu É uma gíria para dinheiro
  • 36. Ficar de bode É o mesmo que estar de mau humor. - Nem vem que estou de bode hoje. Numa nice Significa ficar de boas, relaxado. - Está tudo numa nice hoje. Viajar na maionese É o mesmo que ficar imaginando coisas absurdas. -Nossa, você viajou na maionese agora. -Pentelho Significa o mesmo que pessoa muito chata, irritante. - Aquele seu sobrinho é muito pentelho. Rachar o bico É o mesmo que rir muito. -Rachei o bico com aquele filme.
  • 38. Antenado Uma pessoa antenada é alguém que está por dentro das coisas, que entende. - Minha mãe está antenada nas tecnologias. Arco da velha Significa algo muito antigo. - Essa novela aí é do arco da velha. Azarar É o mesmo que flertar. - Vou sair essa noite só pra azaração. Baranga Significa "mulher feia". - Credo, nessa festa só tem baranga. Bolado É o mesmo que estar chateado ou bravo. - Poxa, fiquei bolado com minha namorada hoje. Chavecar É o mesmo que paquerar. - O Mario ficou me chavecando a festa toda. De lei Dizer que algo é de lei é o mesmo que falar que acontece sempre do mesmo modo. - Aquela cervejinha na sexta-feira é de lei. Descolar É o mesmo que arranjar alguma coisa. - Tem como você descolar aquele dinheiro pra mim? Mauricinho É como acham um rapaz que está sempre bem arrumado, que é todo certinho. - Ele não faz meu tipo, é muito mauricinho. Patricinha É a versão feminina para mauricinho, usada para meninas ricas e mimadas. - Aquela sua amiga é muito patricinha. Pagar mico É o mesmo que passar vergonha. -Olha lá a Mariana pagando mico. -Pindaíba Estar na pindaíba é o mesmo que estar sem dinheiro, quebrado. - Esse mês eu estou na pindaíba. Queimar o filme Significa estragar a imagem, passar por algo vergonhoso. - A Maria queimou o filme comigo. Xilindró É uma gíria para prisão, cadeia. - Melhor ficar quietinho ou você vai parar no xilindró. Zoar É o mesmo que brincar ou debochar da cara de alguém, fazer bagunça. - Ta zoando da minha cara, é?
  • 40. Abalar Significa arrasar, causar boa impressão. - Essa nova música vai abalar no verão. Beca É o mesmo que roupa bonita, arrumada. -Ta arrasando com essa beca, ein. -Bombado É um lugar com muita gente, animado. - Pode vir que a festa ta bombada demais. Busão Uma gíria para ônibus. - Corre senão a gente vai perder esse busão. Caôzeiro É como é chamada uma pessoa mentirosa. - Ih, aquele seu amigo lá é mó caôzeiro. Passar o rodo É o mesmo que ficar com muita gente. - João passou o rodo na balada ontem. Tá dominado Significa o mesmo que dizer que está tudo sob controle. - Fica tranquila com o trabalho, já tá dominado. Tá ligado? É o mesmo que "entendeu?". - Eu não vou mais ficar te esperando não, tá ligado? X9 É o mesmo que dedo duro ou informante. - Não dá pra confiar no Lucas, ele é mó X9.