SlideShare uma empresa Scribd logo

Sintese frei luis_de_sousa

Ficha Informativa

1 de 7
Baixar para ler offline
CAMINHOS DO ROMANTISMO Almeida Garrett | Frei Luís de Sousa
SÍNTESE DOS CONTEÚDOS
Contextualização histórico-literária
Primeira metade do século XIX
✓Invasões francesas, de 1807 a 1810.
✓Fuga do Rei e da Corte para o Brasil (1807).
✓Crise de sucessão, após a morte do rei D. João VI.
✓Mal-estar social, que impulsiona a Revolução Liberal de 1820.
✓Instabilidade política ditada pelas lutas entre fações liberais e as absolutistas,
lideradas, respetivamente, por D. Pedro IV e D. Miguel.
✓Guerra civil, que só termina com a assinatura da Convenção de Évora-Monte, em
1834.
✓Reações políticas: revoltas, massacres e o golpe de estado desencadeado por
Costa Cabral, que conduziu à instauração de uma ditadura (1840).
✓Fim do cabralismo, representado pelos barões enriquecidos.
✓A estabilidade política só regressará ao país em 1847, com a Regeneração.
Dimensão patriótica e a sua expressão simbólica
É possível estabelecer um paralelismo entre o período histórico retratado em Frei Luís
de Sousa e o tempo da escrita da obra (década de 1840). A situação de crise e de
desencanto provocada pelo desaparecimento de D. Sebastião e a consequente perda
da independência é comparável aos tempos do regime ditatorial de Costa Cabral, que
renegou os ideais do liberalismo doutrinal.
A ação de Frei Luís de Sousa decorre numa conturbada época da História de Portugal: o
domínio filipino. Manuel de Sousa Coutinho representa a defesa e afirmação da
liberdade, o desejo de contribuir para a construção da identidade de um país que vive
oprimido, marcado indelevelmente pelo sebastianismo, um país que, tal como o
Romeiro, é “ninguém”.
A família de Manuel de Sousa Coutinho é obrigada a abandonar a sua residência e a
mudar-se para a casa que fora de D. João de Portugal, o que, simbolicamente, pode ser
visto como um regresso ao passado, a um Portugal velho, impeditivo da construção de
um Portugal novo.
Em Frei Luís de Sousa percebe-se, portanto, uma crítica ao cabralismo, ainda que
latente e simbólica. Aliás, o regime reagiu à publicação e representação da obra,
considerando que esta poderia avivar nos portugueses valores e sentimentos
patrióticos que podiam pôr em causa a política despótica de Costa Cabral.
Dimensão atemporal da obra
✓A defesa dos ideais de liberdade (e do liberalismo).
✓A denúncia da arbitrariedade e da prepotência.
✓O conflito entre o “eu” e a sociedade.
O Sebastianismo: história e ficção
História
D. Sebastião, O Desejado, após duas regências, subiu ao trono aos catorze anos.
Movido por um grande fervor religioso e militar, e entusiasmado pela nobreza a
reviver as glórias passadas da Reconquista, decidiu submeter o reino a um grande
esforço financeiro e militar, planeando uma expedição militar em Marrocos também
como forma de resposta ao apelo de Mulei Mohammed, que solicitou a sua ajuda para
recuperar o trono. A derrota portuguesa na batalha de Alcácer-Quibir em 1578
provocou o desaparecimento de D. Sebastião (e da “nata” da nobreza), facto este que
originou uma crise de sucessão e deixou o país financeiramente exaurido. A crise de
sucessão que se seguiu (1580) conduziu à perda da independência, dando origem à
dinastia filipina e ao nascimento do mito sebástico.
Ficção
Fundada em superstições, a crença popular profetizava o regresso do Rei numa manhã
de nevoeiro para libertar o país do domínio filipino e instaurar a glória passada.
O mito sebastianista tornou-se um traço da personalidade nacional que se caracteriza
por viver as glórias do passado e acreditar que os problemas serão resolvidos com a
chegada de um redentor, de um Messias.
Sebastianismo em Frei Luís de Sousa
✓Crença nacional que surgiu após o desaparecimento do rei D. Sebastião na batalha
de Alcácer Quibir.
✓Convicção no regresso de D. Sebastião para devolver a independência e a liberdade
perdidas a Portugal.
✓Convicção que D. Sebastião era uma espécie de Messias e que devolveria a honra e
a glória a Portugal que, assim, recuperaria a glória do passado.
Recorte das personagens principais
D. Madalena de Vilhena
Origem social: nobreza, da família dos Vilhenas.
Retrato psicológico: moralmente íntegra; torturada pelo passado e avassalada por
pressentimentos angustiantes indiciadores da tragédia; vulnerável, sobressaltada e
incapaz de ser feliz; apaixonada e ligada às desventuras amorosas de Inês de Castro.
Modelo representado: a mulher romântica, dominada por sentimentos exacerbados
(amor-paixão).
D. Manuel de Sousa Coutinho
Origem social: nobreza, cavaleiro da Ordem de Malta.
Retrato psicológico: desprendido dos bens materiais, forte consciência cívica – a honra
e o dever; patriota e corajoso (incendeia o seu próprio palácio); bom marido e pai
carinhoso; aparentemente racional (insensível aos pressentimentos de D. Madalena e
da própria Maria) e determinado; dominado pelo desespero perante a situação de
ilegitimidade de Maria.
Modelo representado: o escritor romântico (a ida para o convento proporciona-lhe a
solidão propícia à escrita).
D. Maria de Noronha
Origem social: nobreza.
Retrato psicológico: adolescente desejosa de aventura; entusiasta e sonhadora;
idealista (tem vontade de transformar o mundo); sebastianista; culta, perspicaz e
intuitiva, compreende o mundo e as coisas fora do comum, o que lhe permite o acesso
aos mistérios da vida.
Modelo representado: a mulher-anjo, ser puro e frágil.
Telmo Pais
Origem social: escudeiro leal da família, velho aio.
Retrato psicológico: fiel a seu amo, D. João de Portugal, movido pela honra e pelo
dever; dedicado a Maria e seu protetor; sebastianista (o seu discurso é marcado pelos
agouros que indiciam um desfecho trágico); atormentado por um conflito interior (a
consciência de que o amor que nutre por Maria é mais forte do que aquele que
dedicava a D. João, seu antigo amo); dividido entre o passado e o presente.
Modelo representado: semelhante ao do coro das tragédias clássicas.
D. João de Portugal
Origem social: nobreza.
Retrato psicológico: patriota; apaixonado; severo e inflexível (conforme revela no
diálogo que trava com
D. Madalena e Frei Jorge na cena XIV do Ato Segundo); arrependido (cena IV do Ato
Terceiro); infeliz, solitário.
Modelo representado: o Portugal de outrora.
Frei Jorge Coutinho
Origem social: clérigo, frade da Ordem dos Dominicanos.
Retrato psicológico: equilibrado, sereno e prudente; crente na vontade de Deus;
confidente tanto de D. Madalena como de seu irmão, D. Manuel de Sousa Coutinho.
Modelo representado: semelhante ao do coro das tragédias clássicas.
A dimensão trágica
Características da tragédia clássica
✓Lei das três unidades: ação (a intriga deve ser simples e sem ações secundárias),
tempo (a ação não deve exceder as 24 horas) e espaço (ação decorre no mesmo
espaço).
✓A ação da peça desenvolve-se a partir do conflito entre o ser humano e o destino,
entre o indivíduo e o coletivo ou o transcendente.
✓O conflito surge associado a um mistério na origem das personagens.
✓O castigo das forças superiores devido ao “desafio” (hybris) cometido pelas
personagens conduz à catástrofe.
✓A presença de indícios que apontam para um desfecho trágico.
✓A presença de um coro que surge nos momentos de grande intensidade
dramática, comentando as situações ou as personagens.
✓O sofrimento das personagens (pathos).
✓O conflito que se encaminha progressivamente para um clímax (ponto culminante
da ação trágica).
✓O desvendamento do mistério com o reconhecimento (anagnórisis).
✓As personagens são nobres e em número reduzido.
✓O desenlace/catástrofe: morte das personagens (física, social ou afetiva).
✓Os efeitos sobre o público: inspirar sentimentos de terror e de piedade.
Aspetos trágicos em Frei Luís de Sousa
✓A ação tripartida.
✓A simplicidade da intriga.
✓O desafio (hybris): as personagens desafiam a ordem estabelecida. D. Madalena
desafia o destino, apaixonando-se por Manuel de Sousa quando ainda estava casada
com D. João de Portugal. Manuel de Sousa desafia politicamente o poder instituído,
incendiando o seu palácio.
✓O sofrimento (pathos): as personagens são torturadas pelos conflitos de
consciência vivenciados.
✓A peripécia: mudança de rumo da situação – o incêndio e o aparecimento de D.
João, que anula a legitimidade do casamento, colocando Maria na situação de filha
ilegítima.
✓O reconhecimento (anagnórisis): a revelação da identidade do Romeiro.
✓O clímax: o auge emocional acontece no momento em que D. Madalena descobre
que D. João está vivo.
✓A catástrofe: a morte para o mundo de D. Madalena e de Manuel de Sousa
Coutinho e a morte física de Maria.
✓O coro: representado, sobretudo, por Telmo e Frei Jorge.
✓A catarse/purificação (cathársis): a reflexão purificadora do espectador/leitor, a
irreversibilidade dos acontecimentos e a vulnerabilidade das personagens provocam
piedade e comoção.
Estrutura da obra
Drama romântico: características
Drama romântico
O drama é um género teatral que procura diferenciar-se da distinção clássica entre a
tragédia e a comédia.
O drama romântico é uma modalidade de drama.
Garrett constrói um drama romântico definido pelos princípios de estética romântica:
✓o uso da prosa;
✓o assunto nacional;
✓a valorização dos sentimentos humanos das personagens;
✓o ser humano como vítima das suas próprias atitudes/paixões, deixando de ser um
joguete do destino;
✓o pendor social (espelha a verdade social e a realidade dos acontecimentos
quotidianos);
✓a linguagem fluente e coloquial, próxima da realidade vivida pelas personagens.
Características românticas em Frei Luís de Sousa

Recomendados

Português - Felizmente ha luar
Português - Felizmente ha luarPortuguês - Felizmente ha luar
Português - Felizmente ha luarguestd8e2b4
 
Comentário felizmente há luar
Comentário felizmente há luarComentário felizmente há luar
Comentário felizmente há luarCatarina Barbosa
 
Apresentação Felizmente há Luar
Apresentação Felizmente há Luar Apresentação Felizmente há Luar
Apresentação Felizmente há Luar António Pires
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há LuarAna Tapadas
 
Felizmente há luar carolina morna
Felizmente há luar   carolina mornaFelizmente há luar   carolina morna
Felizmente há luar carolina mornaguest57586
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
(4)personagens documento quatro
(4)personagens documento quatro(4)personagens documento quatro
(4)personagens documento quatrobecresforte
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Felizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 FinalFelizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 Finalruycastroistec
 
As personagens de felizmente há luar caracterização
As personagens de felizmente há luar caracterizaçãoAs personagens de felizmente há luar caracterização
As personagens de felizmente há luar caracterizaçãoCatarina Barbosa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousaFilipe Leal
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há LuarAna Tapadas
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Rui Oliveira
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássicanelsonalves70
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power pointMargarida71
 
D. João de Portugal-Frei Luis de Sousa
D. João de Portugal-Frei Luis de SousaD. João de Portugal-Frei Luis de Sousa
D. João de Portugal-Frei Luis de Sousananasimao
 
Felizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- SínteseFelizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- Síntesenanasimao
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Raffaella Ergün
 
FREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSAFREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSATCHOKAN
 
O Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No Algarve
O  Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No  AlgarveO  Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No  Algarve
O Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No AlgarveJoão Marinho
 
Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaMargarida Valente
 
Voltando ao Maranhão de João Lisboa.
Voltando ao Maranhão de João Lisboa.Voltando ao Maranhão de João Lisboa.
Voltando ao Maranhão de João Lisboa.VELAZQUES
 

Mais procurados (19)

Felizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 FinalFelizmente Ha Luar 2003 Final
Felizmente Ha Luar 2003 Final
 
As personagens de felizmente há luar caracterização
As personagens de felizmente há luar caracterizaçãoAs personagens de felizmente há luar caracterização
As personagens de felizmente há luar caracterização
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
 
Feliz luar power point
Feliz luar power pointFeliz luar power point
Feliz luar power point
 
D. João de Portugal-Frei Luis de Sousa
D. João de Portugal-Frei Luis de SousaD. João de Portugal-Frei Luis de Sousa
D. João de Portugal-Frei Luis de Sousa
 
18 BRUMÁRIO - MARX
18 BRUMÁRIO - MARX18 BRUMÁRIO - MARX
18 BRUMÁRIO - MARX
 
Felizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- SínteseFelizmente Há Luar- Síntese
Felizmente Há Luar- Síntese
 
FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!FELIZMENTE HÁ LUAR!
FELIZMENTE HÁ LUAR!
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
FREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSAFREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSA
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
Felizmente há luar
Felizmente há luar Felizmente há luar
Felizmente há luar
 
O Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No Algarve
O  Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No  AlgarveO  Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No  Algarve
O Remexido E A Resist+¬ncia Miguelista No Algarve
 
Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousa
 
Voltando ao Maranhão de João Lisboa.
Voltando ao Maranhão de João Lisboa.Voltando ao Maranhão de João Lisboa.
Voltando ao Maranhão de João Lisboa.
 

Semelhante a Sintese frei luis_de_sousa

Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
frei luis de sousa.pdf
frei luis de sousa.pdffrei luis de sousa.pdf
frei luis de sousa.pdfMarisa19583
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfLibnioCarvalhais1
 
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfenc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfFranciscoBatalha1
 
frei luis_sousa_sintese_unidade
 frei luis_sousa_sintese_unidade frei luis_sousa_sintese_unidade
frei luis_sousa_sintese_unidadeRita Carvalho
 
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeEnc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeFernanda Pereira
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAFranciscoBatalha1
 
04 moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...
04   moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...04   moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...
04 moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...0009222
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextocnlx
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2rogerio
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraMaria Batista
 
apontamentos memorial.docx
apontamentos memorial.docxapontamentos memorial.docx
apontamentos memorial.docxMartaDenis2
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaAntónio Fernandes
 
11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)Ana Ramos
 

Semelhante a Sintese frei luis_de_sousa (20)

Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
frei luis de sousa.pdf
frei luis de sousa.pdffrei luis de sousa.pdf
frei luis de sousa.pdf
 
Memória ao Conservatório Real
Memória ao Conservatório RealMemória ao Conservatório Real
Memória ao Conservatório Real
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
 
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdfenc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
enc11_frei_luis_sousa_sintese_unidade.pptx.pdf
 
frei luis_sousa_sintese_unidade
 frei luis_sousa_sintese_unidade frei luis_sousa_sintese_unidade
frei luis_sousa_sintese_unidade
 
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeEnc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
 
04 moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...
04   moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...04   moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...
04 moderninso - romance d-30 - érico verissimo, guimarães rosa, clarisse li...
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
Estudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contextoEstudo accao personagens_contexto
Estudo accao personagens_contexto
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
 
Felizmente há luar
Felizmente há luarFelizmente há luar
Felizmente há luar
 
apontamentos memorial.docx
apontamentos memorial.docxapontamentos memorial.docx
apontamentos memorial.docx
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
 
Analise almeidagarret
Analise almeidagarretAnalise almeidagarret
Analise almeidagarret
 
11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)
 

Último

c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 

Último (20)

c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 

Sintese frei luis_de_sousa

  • 1. CAMINHOS DO ROMANTISMO Almeida Garrett | Frei Luís de Sousa SÍNTESE DOS CONTEÚDOS Contextualização histórico-literária Primeira metade do século XIX ✓Invasões francesas, de 1807 a 1810. ✓Fuga do Rei e da Corte para o Brasil (1807). ✓Crise de sucessão, após a morte do rei D. João VI. ✓Mal-estar social, que impulsiona a Revolução Liberal de 1820. ✓Instabilidade política ditada pelas lutas entre fações liberais e as absolutistas, lideradas, respetivamente, por D. Pedro IV e D. Miguel. ✓Guerra civil, que só termina com a assinatura da Convenção de Évora-Monte, em 1834. ✓Reações políticas: revoltas, massacres e o golpe de estado desencadeado por Costa Cabral, que conduziu à instauração de uma ditadura (1840). ✓Fim do cabralismo, representado pelos barões enriquecidos. ✓A estabilidade política só regressará ao país em 1847, com a Regeneração. Dimensão patriótica e a sua expressão simbólica É possível estabelecer um paralelismo entre o período histórico retratado em Frei Luís de Sousa e o tempo da escrita da obra (década de 1840). A situação de crise e de desencanto provocada pelo desaparecimento de D. Sebastião e a consequente perda da independência é comparável aos tempos do regime ditatorial de Costa Cabral, que renegou os ideais do liberalismo doutrinal. A ação de Frei Luís de Sousa decorre numa conturbada época da História de Portugal: o domínio filipino. Manuel de Sousa Coutinho representa a defesa e afirmação da liberdade, o desejo de contribuir para a construção da identidade de um país que vive oprimido, marcado indelevelmente pelo sebastianismo, um país que, tal como o Romeiro, é “ninguém”. A família de Manuel de Sousa Coutinho é obrigada a abandonar a sua residência e a mudar-se para a casa que fora de D. João de Portugal, o que, simbolicamente, pode ser
  • 2. visto como um regresso ao passado, a um Portugal velho, impeditivo da construção de um Portugal novo. Em Frei Luís de Sousa percebe-se, portanto, uma crítica ao cabralismo, ainda que latente e simbólica. Aliás, o regime reagiu à publicação e representação da obra, considerando que esta poderia avivar nos portugueses valores e sentimentos patrióticos que podiam pôr em causa a política despótica de Costa Cabral. Dimensão atemporal da obra ✓A defesa dos ideais de liberdade (e do liberalismo). ✓A denúncia da arbitrariedade e da prepotência. ✓O conflito entre o “eu” e a sociedade. O Sebastianismo: história e ficção História D. Sebastião, O Desejado, após duas regências, subiu ao trono aos catorze anos. Movido por um grande fervor religioso e militar, e entusiasmado pela nobreza a reviver as glórias passadas da Reconquista, decidiu submeter o reino a um grande esforço financeiro e militar, planeando uma expedição militar em Marrocos também como forma de resposta ao apelo de Mulei Mohammed, que solicitou a sua ajuda para recuperar o trono. A derrota portuguesa na batalha de Alcácer-Quibir em 1578 provocou o desaparecimento de D. Sebastião (e da “nata” da nobreza), facto este que originou uma crise de sucessão e deixou o país financeiramente exaurido. A crise de sucessão que se seguiu (1580) conduziu à perda da independência, dando origem à dinastia filipina e ao nascimento do mito sebástico. Ficção Fundada em superstições, a crença popular profetizava o regresso do Rei numa manhã de nevoeiro para libertar o país do domínio filipino e instaurar a glória passada. O mito sebastianista tornou-se um traço da personalidade nacional que se caracteriza por viver as glórias do passado e acreditar que os problemas serão resolvidos com a chegada de um redentor, de um Messias.
  • 3. Sebastianismo em Frei Luís de Sousa ✓Crença nacional que surgiu após o desaparecimento do rei D. Sebastião na batalha de Alcácer Quibir. ✓Convicção no regresso de D. Sebastião para devolver a independência e a liberdade perdidas a Portugal. ✓Convicção que D. Sebastião era uma espécie de Messias e que devolveria a honra e a glória a Portugal que, assim, recuperaria a glória do passado. Recorte das personagens principais D. Madalena de Vilhena Origem social: nobreza, da família dos Vilhenas. Retrato psicológico: moralmente íntegra; torturada pelo passado e avassalada por pressentimentos angustiantes indiciadores da tragédia; vulnerável, sobressaltada e incapaz de ser feliz; apaixonada e ligada às desventuras amorosas de Inês de Castro. Modelo representado: a mulher romântica, dominada por sentimentos exacerbados (amor-paixão). D. Manuel de Sousa Coutinho Origem social: nobreza, cavaleiro da Ordem de Malta. Retrato psicológico: desprendido dos bens materiais, forte consciência cívica – a honra e o dever; patriota e corajoso (incendeia o seu próprio palácio); bom marido e pai carinhoso; aparentemente racional (insensível aos pressentimentos de D. Madalena e da própria Maria) e determinado; dominado pelo desespero perante a situação de ilegitimidade de Maria. Modelo representado: o escritor romântico (a ida para o convento proporciona-lhe a solidão propícia à escrita). D. Maria de Noronha Origem social: nobreza. Retrato psicológico: adolescente desejosa de aventura; entusiasta e sonhadora; idealista (tem vontade de transformar o mundo); sebastianista; culta, perspicaz e intuitiva, compreende o mundo e as coisas fora do comum, o que lhe permite o acesso aos mistérios da vida.
  • 4. Modelo representado: a mulher-anjo, ser puro e frágil. Telmo Pais Origem social: escudeiro leal da família, velho aio. Retrato psicológico: fiel a seu amo, D. João de Portugal, movido pela honra e pelo dever; dedicado a Maria e seu protetor; sebastianista (o seu discurso é marcado pelos agouros que indiciam um desfecho trágico); atormentado por um conflito interior (a consciência de que o amor que nutre por Maria é mais forte do que aquele que dedicava a D. João, seu antigo amo); dividido entre o passado e o presente. Modelo representado: semelhante ao do coro das tragédias clássicas. D. João de Portugal Origem social: nobreza. Retrato psicológico: patriota; apaixonado; severo e inflexível (conforme revela no diálogo que trava com D. Madalena e Frei Jorge na cena XIV do Ato Segundo); arrependido (cena IV do Ato Terceiro); infeliz, solitário. Modelo representado: o Portugal de outrora. Frei Jorge Coutinho Origem social: clérigo, frade da Ordem dos Dominicanos. Retrato psicológico: equilibrado, sereno e prudente; crente na vontade de Deus; confidente tanto de D. Madalena como de seu irmão, D. Manuel de Sousa Coutinho. Modelo representado: semelhante ao do coro das tragédias clássicas. A dimensão trágica Características da tragédia clássica ✓Lei das três unidades: ação (a intriga deve ser simples e sem ações secundárias), tempo (a ação não deve exceder as 24 horas) e espaço (ação decorre no mesmo espaço). ✓A ação da peça desenvolve-se a partir do conflito entre o ser humano e o destino, entre o indivíduo e o coletivo ou o transcendente. ✓O conflito surge associado a um mistério na origem das personagens.
  • 5. ✓O castigo das forças superiores devido ao “desafio” (hybris) cometido pelas personagens conduz à catástrofe. ✓A presença de indícios que apontam para um desfecho trágico. ✓A presença de um coro que surge nos momentos de grande intensidade dramática, comentando as situações ou as personagens. ✓O sofrimento das personagens (pathos). ✓O conflito que se encaminha progressivamente para um clímax (ponto culminante da ação trágica). ✓O desvendamento do mistério com o reconhecimento (anagnórisis). ✓As personagens são nobres e em número reduzido. ✓O desenlace/catástrofe: morte das personagens (física, social ou afetiva). ✓Os efeitos sobre o público: inspirar sentimentos de terror e de piedade. Aspetos trágicos em Frei Luís de Sousa ✓A ação tripartida. ✓A simplicidade da intriga. ✓O desafio (hybris): as personagens desafiam a ordem estabelecida. D. Madalena desafia o destino, apaixonando-se por Manuel de Sousa quando ainda estava casada com D. João de Portugal. Manuel de Sousa desafia politicamente o poder instituído, incendiando o seu palácio. ✓O sofrimento (pathos): as personagens são torturadas pelos conflitos de consciência vivenciados. ✓A peripécia: mudança de rumo da situação – o incêndio e o aparecimento de D. João, que anula a legitimidade do casamento, colocando Maria na situação de filha ilegítima. ✓O reconhecimento (anagnórisis): a revelação da identidade do Romeiro. ✓O clímax: o auge emocional acontece no momento em que D. Madalena descobre que D. João está vivo. ✓A catástrofe: a morte para o mundo de D. Madalena e de Manuel de Sousa Coutinho e a morte física de Maria. ✓O coro: representado, sobretudo, por Telmo e Frei Jorge.
  • 6. ✓A catarse/purificação (cathársis): a reflexão purificadora do espectador/leitor, a irreversibilidade dos acontecimentos e a vulnerabilidade das personagens provocam piedade e comoção. Estrutura da obra Drama romântico: características Drama romântico O drama é um género teatral que procura diferenciar-se da distinção clássica entre a tragédia e a comédia. O drama romântico é uma modalidade de drama. Garrett constrói um drama romântico definido pelos princípios de estética romântica: ✓o uso da prosa; ✓o assunto nacional; ✓a valorização dos sentimentos humanos das personagens; ✓o ser humano como vítima das suas próprias atitudes/paixões, deixando de ser um joguete do destino; ✓o pendor social (espelha a verdade social e a realidade dos acontecimentos quotidianos); ✓a linguagem fluente e coloquial, próxima da realidade vivida pelas personagens. Características românticas em Frei Luís de Sousa
  • 7. ✓Crença no sebastianismo. ✓Amor à pátria: patriotismo e o nacionalismo. ✓Crenças em agouros, superstições e visões. ✓Fatalismo (as personagens tentam negar racionalmente o destino, mas não o conseguem). ✓Religiosidade (sobretudo a presença do ideário cristão). ✓Apologia do individualismo (o confronto entre o indivíduo e a sociedade; a felicidade individual é contrariada pelas normas sociais). ✓Aspiração à liberdade. ✓Exacerbação dos sentimentos. ✓Noite como tempo em que se desenrola a ação (fim da tarde, noite e madrugada). ✓Tema da morte: a morte como solução para os problemas. ✓Intenção pedagógica: a problemática dos filhos ilegítimos e a denúncia da falta de patriotismo.