SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Respostas – Capítulo 23: Medindo Renda Nacional
Questões para revisão
1) Explique por que a renda de uma economia deve ser igual a suas des-
pesas.
Esta identidade é verdadeira porque cada transação econômica envolve um
“comprador” e um “vendedor” em sentido amplo. Assim todo bem ou serviço
produzido na economia é consumido por pessoas, empresas ou governo na-
cionais ou estrangeiros, seja para uso próprio (bem de consumo) ou produção
de outros bens (bem de investimento).
Obs.: Mesmo a manutenção de um bem em estoque é considerado um inves-
timento em estoque.
2) O que mais contribui para o PIB – a produção de uma carro popular ou
a produção de um carro de luxo? Por quê?
A produção de um carro de luxo contribui mais para o produto interno bruto do
que a produção do carro popular, observando-se que se espera que um carro
de luxo tenha um valor de mercado (preço de mercado) maior do que o do car-
ro popular.
Isso ocorre porque o PIB é a soma de todos os bens e serviços finais à valores
de mercado produzidos em um país em um dado período de tempo. Ou seja, a
contribuição de cada bem produzido é igual ao seu valor de mercado, e como o
valor de mercado do carro de luxo é maior do que o valor de mercado do carro
popular, também é maior sua contribuição para o PIB.
3) Um agricultor vende trigo a um padeiro por R$ 2. O padeiro usa o trigo
para fazer pão, que é vendido a R$ 3. Qual a contribuição total destas
transações para o PIB?
A contribuição total destas transações para o PIB é de R$ 3,00.
Isso ocorre por que o PIB é a contabilização de todos os bens e serviços finais
à valores de mercado, produzidos em um país em um determinado período de
tempo. Com isso, só devemos considerar os valores dos produtos finais de
uma cadeia de produção e não devemos considerar o valor de produtos inter-
mediários, pois estes já estarão incorporados nos produtos finais.
4) Há muitos anos, Peggy pagou R$ 500 para montar uma coleção de
CD’s. Hoje ela vendeu seus CD’s por R$ 100. Como esta venda afeta o PIB
corrente?
A venda de um produto usado não afeta ou influência o PIB corrente dado que
o PIB é a contabilização apenas de produtos finais produzidos aos seus valores
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
de mercado. Com isso, o valor de mercado deste produto final só é contabiliza-
do e contribui para o PIB em seu ano de produção.
No caso dos CD’s de Peggy, o valor de mercado dos CD’s já foi contabilizado
quando eles foram produzidos e comprados por ela para calcular o PIB do ano
de sua produção, assim não devem ser considerados em cálculo futuro do PIB
de outros anos.
5) Liste quatro componentes do PIB. Dê um exemplo de cada.
Consumo: Compra de um carro por uma pessoa física.
Investimento: Compra de uma máquina de costura por uma empresa.
Gastos do Governo: Contratação de um serviço de construção civil.
Exportações: Venda de uma roupa produzida no Brasil para um residente de
um país estrangeiro.
Importações: Compra de um computador produzido em um país estrangeiro por
um residente brasileiro.
6) Por que os economistas usam o PIB real, e não o nominal, para medir o
bem-estar econômico?
Isso ocorre porque no cálculo do PIB nominal utilizamos os valores correntes
de mercado do bem fazendo com que esta medida de bem-estar econômico e
renda nacional seja influenciada tanto pela variação do nível de produção como
pela variação do nível de preços.
Dado que o bem-estar econômico depende do nível de produção e não é influ-
enciado diretamente pela variação do nível de preços, uma medida como o PIB
real, que considera preços constantes (não considera ou exclui a variação do
nível de preços) e a variação do nível de produto, é mais apropriada como me-
dida de bem-estar econômico.
7) Em 2010, a economia produz cem pães que são vendidos por R$ 2 ca-
da. Em 2011, a economia produz 200 pães que são vendidos a R$ 3 cada.
Calcule o PIB nominal, o PIB real e o deflator do PIB para cada ano (use
2010 como ano-base). Qual será o aumento percentual de cada uma des-
tas estatísticas de um ano para o outro?
Ano Quant. Preço PIB Nominal PIB Real
(Base 2010)
Deflator do PIB
(Base 2010)
2010 100 R$ 2,00 100x2=R$ 200 100x2=R$ 200 (R$200/R$200)x100=100
2011 200 R$ 3,00 200x3=R$ 600 200x2=R$ 400 (R$600/R$400)x100=150
Para o cálculo do PIB nominal de cada ano basta utilizar as quantidades e pre-
ços de cada ano.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Para o cálculo do PIB real de cada ano primeiro devemos definir um ano como
ano-base (no caso optamos o ano de 2010). Em seguida, basta utilizar a quan-
tidade produzida de cada ano e o preço do ano-base.
Para o cálculo do deflator do PIB devemos dividir o valor do PIB nominal pelo
valor do PIB real de cada ano e multiplicar por 100.
8) Por que é desejável para um país ter um PIB elevado? Dê um exemplo
de algo que poderia aumentar o PIB, mas que seria indesejável.
Considerando que o PIB é uma medida relevante de bem-estar econômico de
um país e que quanto maior for esta medida maior será o bem-estar passível
de ser “distribuído” entre os individuos deste país, temos que a priori é desejá-
vel que o PIB seja o maior possível.
Entretanto, no caso do PIB nominal, que considera tanto as variações de pro-
dução quanto do nível de preços, temos que uma elevação no nível de preços
geraria um aumento do PIB nominal, mas não geraria um aumento do bem-
estar econômico. Assim, embora o nível de preços possa elevar o PIB nominal
esta mudança é indesejável no sentido prático dado que com maiores preços
teremos que ter um maior volume de moeda para viabilizar as transações eco-
nômicas correntes.
Problemas e Aplicações
1) Qual dos componentes do PIB (caso haja) seria afetado por cada uma
das transações a seguir? Explique.
a. Uma família compra uma geladeira nova.
Consumo
b. A tia Jane compra uma casa nova.
Consumo
c. A Ford vende um Mustang de seus estoques.
Investimento
d. Você compra uma pizza.
Consumo
e. A Califórnia repavimenta a autoestrada 101.
Gasto do Governo
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
f. Seus pais compram uma garrafa de vinho francês.
Consumo
g. A Honda expande sua fábrica em Marysville, Ohio.
Investimento
2) O componente “compras do governo” do PIB não inclui as despesas
em pagamentos de transferências como Seguridade Social. Pensando
sobre a definição de PIB, explique por que os pagamentos de transferên-
cias são excluídos.
Isso ocorre porque o objetivo central do PIB é medir produção à valores corren-
tes, e assim como a venda de produtos usados, o montante de recursos identi-
ficados como transferências de recursos só identificam movimentação de di-
nheiro e não uma nova produção.
3) Como vimos neste capítulo, o PIB não inclui o valor de bens usados
que são revendidos. Por que a inclusão dessas transações faria do PIB
uma medida menos precisa do bem-estar econômico?
Isso ocorreria porque ao considerar o bem no momento em que ele é produzido
e vendido, e depois considerá-lo novamente quando ele for revendido seria
contabiliza-lo em duplicidade integral ou parcial fazendo com que o nível de
produto ou bem-estar econômico calculado seja maior do que o nível de produ-
to (quantidade de bens e bem-estar) disponível na realidade para ser dividido
entre os individuos.
4) Considere uma economia que produz apenas um bem. No ano 1, a
quantidade produzida é Q1, e o preço, P1. No ano 2, a quantidade produzi-
da é Q2, e o preço, P2. No ano 3, a quantidade produzida é Q3, e o preço,
P3. O ano 1 é o ano base. Responda às seguintes questões considerando
estas variáveis, e simplifique suas respostas, se possível.
a. Qual é o PIB nominal de cada ano.
PIB Nominal Ano 1 = Q1 x P1
PIB Nominal Ano 2 = Q2 x P2
PIB Nominal Ano 3 = Q3 x P3
b. Qual é o PIB real de cada ano.
PIB Real Ano 1 = Q1 x P1
PIB Real Ano 2 = Q2 x P1
PIB Real Ano 3 = Q3 x P1
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Obs.: Considerei o ano 1 como ano-base.
c. Qual é o deflator do PIB de cada ano.
Obs.: Considerei o ano 1 como ano-base.
d. Qual é a porcentagem da taxa de crescimento do PIB real do ano 2 para
o ano 3?
e. Qual é a taxa de inflação, como medida pelo deflator do PIB, do ano 2
para o ano 3?
5) A seguir são representados alguns dos dados sobre a terra do Leite e
do Mel.
Ano Preço Leite Quant. Leite Preço Mel Quant. Mel
2008 R$ 1 100 R$ 2 50
2009 R$ 1 200 R$ 2 100
2010 R$ 2 200 R$ 4 100
a. Calcule o PIB nominal, o PIB real e o deflator do PIB para cada ano, u-
sando 2008 como ano-base.
Cálculo do PIB Nominal:
Ano Cálculo PIB Nominal
2008 (1x100)+(2x50) R$ 200
2009 (1x200)+(2x100) R$ 400
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
2010 (2x200)+(4x100) R$ 800
Cálculo do PIB Real (Ano Base em 2008):
Ano Cálculo PIB Nominal
2008 (1x100)+(2x50) R$ 200
2009 (1x200)+(2x100) R$ 400
2010 (1x200)+(2x100) R$ 400
Cálculo do Deflator do PIB (Ano Base em 2008):
Ano Cálculo PIB Nominal
2008 (R$200/R$ 200)x100 100
2009 (R$400/R$400)x100 100
2010 (R$800/R$400)x100 200
b. Calcule a variação percentual do PIB nominal, do PIB real e do deflator
do PIB em 2009 e 2010 em relação ao ano anterior. Para cada ano, identi-
fique a variável que se mantém inalterada. Explique por que sua resposta
faz sentido.
Variação no PIB nominal entre 2008 e 2009 =
Variação no PIB nominal entre 2009 e 2010 =
Variação no PIB real entre 2008 e 2009 =
Variação no PIB real entre 2009 e 2010 =
Variação no Deflator do PIB entre 2008 e 2009 =
Variação no Deflator do PIB entre 2009 e 2010 =
As respostas fazem sentido porque apesar de se observar aumentos de 100%
no PIB nominal para cada ano, temos que entre 2008 e 2009 o aumento ocor-
reu somente por causa de ganhos em produção sendo que nãohouve variação
de preços. Já entre 2009 e 2010 o aumento ocorreu somente por causa do
aumento de preços e não houve alterações na produção.
c. O bem-estar econômico aumentou mais em 2009 ou em 2010? Explique.
Como o bem-estar econômico depende diretamente da produção e não do ní-
vel de preços podemos concluir que o bem-estar aumentou mais entre 2008 e
2009, dado que este período apresentou o maior crescimento da produção me-
dida por meio do PIB real.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
6) Considere os seguintes dados sobre o PIB dos Estados Unidos:
Ano PIB Nominal (R$ Bilhores) Deflator do PIB (Base 1996)
2000 9873 118
1999 9269 113
a. Qual foi a taxa de crescimento do PIB nominal entre 1999 e 2000?
b. Qual foi a taxa de crescimento do deflator do PIB entre 1999 e 2000?
c. Qual era o PIB real em 1999, medido em preços de 1996?
d. Qual era o PIB real em 2000, medido em preços de 1996?
e. Qual foi a taxa de crescimento do PIB real entre 1999 e 2000?
f. A taxa de crescimento do PIB nominal foi maior ou menor do que a taxa
de crescimento do PIB real? Explique.
A taxa de crescimento do PIB nominal (aumento de 6,52%) foi maior que a do
PIB real (aumento de 2%). Isso ocorreu porque apesar de termos obtido um
aumento de produção de 2% que aumenta tanto o PIB nominal quanto o PIB
real, houve também um aumento de 4,42% no nível geral de preços gerando
esta diferença entre o PIB nominal e PIB real.
7) O governo costuma divulgar estimativas revistas do PIB norte-
americano próximo ao fim de cada mês. Encontre um artigo de jornal que
fale da divulgação mais recente ou leia você mesmo o comunicado no
endereço do site do Bureau of Economic Analysis dos Estados Unidos.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Discuta as variações recentes no PIB real, no PIB nominal e nos compo-
nentes do PIB.
A avaliação dos relatórios sobre o PIB devem ser realizadas com base nos re-
latório disponibilizados pelo IBGE (WWW.ibge.com.br).
8) Um fazendeiro cultiva trigo, que vende ao moleiro por R$ 100. Este
transforma o trigo em farinha, que vende ao padeiro por R$ 150. O padeiro
transforma a farinha em pão, que vende aos consumidores por R$ 180. Os
consumidores consomem o pão.
a. Qual é o PIB dessa economia? Explique.
Como o PIB é a soma de todos os produtos finais produzido em uma economia
a valores de mercado, podemos chegar a conclusão de que o PIB é R$ 180,00
que se refere ao único bem final produzido nesta economia.
A produção de trigo e farinha foram produções de bens intermediários, pois
estes foram utilizados na produção de outro bem.
b. O valor agregado é definido como o valor de um produto menos o valor
dos bens intermediários que o produtor compra para produzir um bem.
Supondo que não haja bens intermediários, além dos descritos anterior-
mente, calcule valor agregado de cada um dos três produtores.
Valor agregado do Fazendeiro(VAF)= R$ 100,00
Valor agregado do Moleiro (VAM) = R$ 150,00 – R$ 100,00 = R$ 50,00
Valor agregado do Padeiro (VAP)= R$ 180,00 – R$ 150,00 = R$ 30,00
c. Qual é o valor agregado total dos três produtores desta economia? De
que forma pode ser comparado com o PIB? Esse exemplo sugere outra
forma de calcular o PIB?
O valor agregado total gerado pelos três produtores juntos é de R$ 180,00 que
é igual ao PIB.
Assim podemos chegar a conclusão de que podemos calcular o PIB somando
o valor de mercado de cada um dos bens finais produzidos em uma economia
para um dado período de tempo, ou podemos somar o valor agregado gerado
por todos os produtores desta economia em um dado período de tempo.
9) Os bens e serviços que não são vendidos nos mercados, como alimen-
tos produzidos e consumidos em casa, não costumam ser incluídos no
PIB. Você pode imaginar por que isso poderia fazer com que os números
da segunda coluna da tabela 3 fossem enganosos em uma comparação
do bem-estar econômico nos Estados Unidos e na Índia? Explique.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
Isso ocorreria fazendo com que uma parte da produção doméstica ou informal
não fosse contabilizada resultando em um PIB calculado menor do que o real
tanto para os Estados Unidos quanto para a Índia.
Entretanto em países com a estrutura econômica e produtiva menos desenvol-
vida e com uma maior participação da produção informal é de se esperar uma
diferença maior entre o PIB verdadeiro e o calculado.
Assim, podemos esperar que a índia, com um nível maior de produção domés-
tica e informal teria seu calculo do PIB mais viesado do que o dos Estados Uni-
dos.
10) A participação das mulheres na força de trabalho americana aumen-
tou drasticamente desde 1970.
a. Na sua opinião, como esse aumento afetou o PIB?
Este aumento da participação da mulher no mercado de trabalho afeta o PIB
positivamente, pois representa o aumento da força de trabalho formal do país.
Isso ocorre, pois embora muitas vezes ativas estas mulheres antes realizavam
atividade domésticas e não formais, não sendo contabilizadas no PIB. Com a
mudança a atividade delas agora passa contar para o aumento do PIB.
b. Agora, imagine uma medida de bem-estar econômico que inclua o tem-
po gasto com trabalhos domésticos e com lazer. Como a mudança dessa
medida de bem-estar se compararia com a mudança no PIB?
Essa nova medida contabilizaria toda a produção formal e mais as atividades
que o PIB não contabiliza, sendo sempre maior que o PIB.
Assim, enquanto o aumento da participação das mulheres no mercado de tra-
balho geraria um aumento do PIB, este evento não alteraria significativamente
esta nova medida de bem-estar.
c. Você consegue pensar em outros aspectos do bem-estar que estejam
associados ao aumento da participação feminina na força de trabalho?
Seria prático construir uma medida de bem-estar que incluísse esses as-
pectos?
Além da possibilidade de contabilização da produção delas no PIB, sua entrada
no mercado de trabalho representa o aumento de disponibilidade de profissio-
nais e possivelmente um aumento de produtividade referente às possibilidade
de trabalho no mercado formal, além de outros benefícios de se estar dentro do
mercado formal de trabalho.
Embora seja interessante tentar obter ou contabilizar todas as “produção de
bem-estar” (produção de bens e serviços), nem sempre isso pode ser realizado
de forma prática devido aos custos proibitivos e inviabilidades físicas da execu-
ção deste processo.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
Campus Ribeirão das Neves
Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina de Introdução à Economia
11) Barry, o barbeiro ganha R$ 400 por dia com cortes de cabelo. Durante
esse período, o equipamento deprecia em R$ 50. Dos R$ 350 restantes,
Barry paga R$ 30 em impostos de vendas ao governo. Ele leva para casa
R$ 320 em salário e retém R$ 100 para adquirir novos equipamentos no
futuro. Dos R$ 220 que leva consigo, ele paga R$ 70 em imposto de renda.
Com base nessa informação, calcule a contribuição de Barry para as se-
guintes medidas de renda.
a. Produto interno bruto.
Contribuição para o PIB foi de R$ 400 (lembrar que o PIB=Renda Total ou gas-
to total).
b. Produto nacional líquido.
Contribuição para o PNL foi de R$ 350 (lembrar que o PNL= renda dos residen-
tes menos depreciação, ou seja, 400–50=350).
c. Renda nacional.
Contribuição para a Renda Nacional foi de R$ 320 (lembrar que a Renda Na-
cional = PNL –Impostos Indiretos).
d. Renda pessoal.
Contribuição para a Renda Pessoal foi de R$ 220.
e. Renda pessoal disponível.
Contribuição para a Renda Pessoal Disponível foi de R$ 150 (lembrar que é
igual à Renda Pessoal menos impostos diretos ou pessoais).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)Luciano Pires
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Thaís Ferreira
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoFelipe Leo
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesianaFelipe Leo
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de ProduçãoLuciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)Luciano Pires
 
Os 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaOs 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaAlexandre Cunha Gomes
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesLuciano Pires
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaFelipe Leo
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia Na Silva
 
Slides cap. 29 sistema monetário
Slides cap. 29   sistema monetárioSlides cap. 29   sistema monetário
Slides cap. 29 sistema monetárioCrislainny Barbosa
 
Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Aline Schons
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesFelipe Leo
 
Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)
Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)
Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)Egas Armando
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosLuciano Pires
 
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercadoSidinei Da Silva Vidal
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiwLídia Aguiar
 
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadasEconomia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadasFelipe Leo
 

Mais procurados (20)

Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14Exercícios mankiw cap_13_e_14
Exercícios mankiw cap_13_e_14
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Os 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economiaOs 10 princípios básicos da economia
Os 10 princípios básicos da economia
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregadaEconomia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
Economia em exercícios – o modelo de oferta agregada e demanda agregada
 
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia Produção e custos -   Macroeconomia e Microeconomia
Produção e custos - Macroeconomia e Microeconomia
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
Slides cap. 29 sistema monetário
Slides cap. 29   sistema monetárioSlides cap. 29   sistema monetário
Slides cap. 29 sistema monetário
 
Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23Resumo capítulo 23
Resumo capítulo 23
 
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicaçõesEconomia   aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
Economia aula 3 – a elasticidade e suas aplicações
 
Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)
Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)
Excedente de consumidor e produtor ( dicas de economia)
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
36153033 aula-demanda-oferta-e-equilibrio-de-mercado
 
Material de apoio gregory mankiw
Material de apoio   gregory mankiwMaterial de apoio   gregory mankiw
Material de apoio gregory mankiw
 
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadasEconomia   aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
Economia aula 10 - o modelo de oferta e demanda agregadas
 

Destaque

Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoLuciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoLuciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como CiênciaLuciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsLuciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoLuciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economiaLuciano Pires
 

Destaque (7)

Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 

Semelhante a Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)

Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Vanessa Alves
 
Aula 12 quantificando a renda nacional
Aula 12   quantificando a renda nacionalAula 12   quantificando a renda nacional
Aula 12 quantificando a renda nacionalpetecoslides
 
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdfAula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf25spwpksgw
 
Ficha de exercicios
Ficha de exerciciosFicha de exercicios
Ficha de exerciciosEmília Reiz
 
Lista de exercicios de Macroeconomia
Lista de exercicios de MacroeconomiaLista de exercicios de Macroeconomia
Lista de exercicios de MacroeconomiaDionisio Ussaca
 
Exame Economia A 2011
Exame Economia A 2011Exame Economia A 2011
Exame Economia A 2011David Azevedo
 
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptCapitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptMairaLuizaSpanholi
 
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisPib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisartelajeans
 
Contabilidade nacional 2011
Contabilidade nacional   2011Contabilidade nacional   2011
Contabilidade nacional 2011Ribeiro Miguel
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiabergerbird
 
Finanças Em Marketing Aula 07
Finanças Em Marketing   Aula 07Finanças Em Marketing   Aula 07
Finanças Em Marketing Aula 07Douglas Miquelof
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalRaffaella Ergün
 
Contabilidade missagia e velter
Contabilidade   missagia e velterContabilidade   missagia e velter
Contabilidade missagia e velterJ M
 

Semelhante a Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior) (20)

Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02Cap2macro 110223114603-phpapp02
Cap2macro 110223114603-phpapp02
 
Cap2 macro
Cap2 macroCap2 macro
Cap2 macro
 
Aula 12 quantificando a renda nacional
Aula 12   quantificando a renda nacionalAula 12   quantificando a renda nacional
Aula 12 quantificando a renda nacional
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
 
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdfAula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
Aula_6_-__Mercado_de_Bens_I_-_taxa_de_c_mbio 2.pdf
 
Ex econ a712-f1-2021-v1-net
Ex econ a712-f1-2021-v1-netEx econ a712-f1-2021-v1-net
Ex econ a712-f1-2021-v1-net
 
Lista Exercicios 1.docx
Lista Exercicios 1.docxLista Exercicios 1.docx
Lista Exercicios 1.docx
 
Ficha de exercicios
Ficha de exerciciosFicha de exercicios
Ficha de exercicios
 
Aula de Custos - Exame CFC 2018.2
Aula de Custos - Exame CFC 2018.2Aula de Custos - Exame CFC 2018.2
Aula de Custos - Exame CFC 2018.2
 
Lista de exercicios de Macroeconomia
Lista de exercicios de MacroeconomiaLista de exercicios de Macroeconomia
Lista de exercicios de Macroeconomia
 
Ap2
Ap2Ap2
Ap2
 
Macroeconomia
MacroeconomiaMacroeconomia
Macroeconomia
 
Exame Economia A 2011
Exame Economia A 2011Exame Economia A 2011
Exame Economia A 2011
 
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.pptCapitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
Capitulo 2 livro Blanchard - conceitos economicos.ppt
 
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominaisPib, Tributos e Salarios real e nominais
Pib, Tributos e Salarios real e nominais
 
Contabilidade nacional 2011
Contabilidade nacional   2011Contabilidade nacional   2011
Contabilidade nacional 2011
 
Resumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomiaResumo+de+macroeconomia
Resumo+de+macroeconomia
 
Finanças Em Marketing Aula 07
Finanças Em Marketing   Aula 07Finanças Em Marketing   Aula 07
Finanças Em Marketing Aula 07
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
Contabilidade missagia e velter
Contabilidade   missagia e velterContabilidade   missagia e velter
Contabilidade missagia e velter
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoLuciano Pires
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaLuciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasLuciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Luciano Pires
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosLuciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisLuciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasLuciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandLuciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (9)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)

  • 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Respostas – Capítulo 23: Medindo Renda Nacional Questões para revisão 1) Explique por que a renda de uma economia deve ser igual a suas des- pesas. Esta identidade é verdadeira porque cada transação econômica envolve um “comprador” e um “vendedor” em sentido amplo. Assim todo bem ou serviço produzido na economia é consumido por pessoas, empresas ou governo na- cionais ou estrangeiros, seja para uso próprio (bem de consumo) ou produção de outros bens (bem de investimento). Obs.: Mesmo a manutenção de um bem em estoque é considerado um inves- timento em estoque. 2) O que mais contribui para o PIB – a produção de uma carro popular ou a produção de um carro de luxo? Por quê? A produção de um carro de luxo contribui mais para o produto interno bruto do que a produção do carro popular, observando-se que se espera que um carro de luxo tenha um valor de mercado (preço de mercado) maior do que o do car- ro popular. Isso ocorre porque o PIB é a soma de todos os bens e serviços finais à valores de mercado produzidos em um país em um dado período de tempo. Ou seja, a contribuição de cada bem produzido é igual ao seu valor de mercado, e como o valor de mercado do carro de luxo é maior do que o valor de mercado do carro popular, também é maior sua contribuição para o PIB. 3) Um agricultor vende trigo a um padeiro por R$ 2. O padeiro usa o trigo para fazer pão, que é vendido a R$ 3. Qual a contribuição total destas transações para o PIB? A contribuição total destas transações para o PIB é de R$ 3,00. Isso ocorre por que o PIB é a contabilização de todos os bens e serviços finais à valores de mercado, produzidos em um país em um determinado período de tempo. Com isso, só devemos considerar os valores dos produtos finais de uma cadeia de produção e não devemos considerar o valor de produtos inter- mediários, pois estes já estarão incorporados nos produtos finais. 4) Há muitos anos, Peggy pagou R$ 500 para montar uma coleção de CD’s. Hoje ela vendeu seus CD’s por R$ 100. Como esta venda afeta o PIB corrente? A venda de um produto usado não afeta ou influência o PIB corrente dado que o PIB é a contabilização apenas de produtos finais produzidos aos seus valores
  • 2. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia de mercado. Com isso, o valor de mercado deste produto final só é contabiliza- do e contribui para o PIB em seu ano de produção. No caso dos CD’s de Peggy, o valor de mercado dos CD’s já foi contabilizado quando eles foram produzidos e comprados por ela para calcular o PIB do ano de sua produção, assim não devem ser considerados em cálculo futuro do PIB de outros anos. 5) Liste quatro componentes do PIB. Dê um exemplo de cada. Consumo: Compra de um carro por uma pessoa física. Investimento: Compra de uma máquina de costura por uma empresa. Gastos do Governo: Contratação de um serviço de construção civil. Exportações: Venda de uma roupa produzida no Brasil para um residente de um país estrangeiro. Importações: Compra de um computador produzido em um país estrangeiro por um residente brasileiro. 6) Por que os economistas usam o PIB real, e não o nominal, para medir o bem-estar econômico? Isso ocorre porque no cálculo do PIB nominal utilizamos os valores correntes de mercado do bem fazendo com que esta medida de bem-estar econômico e renda nacional seja influenciada tanto pela variação do nível de produção como pela variação do nível de preços. Dado que o bem-estar econômico depende do nível de produção e não é influ- enciado diretamente pela variação do nível de preços, uma medida como o PIB real, que considera preços constantes (não considera ou exclui a variação do nível de preços) e a variação do nível de produto, é mais apropriada como me- dida de bem-estar econômico. 7) Em 2010, a economia produz cem pães que são vendidos por R$ 2 ca- da. Em 2011, a economia produz 200 pães que são vendidos a R$ 3 cada. Calcule o PIB nominal, o PIB real e o deflator do PIB para cada ano (use 2010 como ano-base). Qual será o aumento percentual de cada uma des- tas estatísticas de um ano para o outro? Ano Quant. Preço PIB Nominal PIB Real (Base 2010) Deflator do PIB (Base 2010) 2010 100 R$ 2,00 100x2=R$ 200 100x2=R$ 200 (R$200/R$200)x100=100 2011 200 R$ 3,00 200x3=R$ 600 200x2=R$ 400 (R$600/R$400)x100=150 Para o cálculo do PIB nominal de cada ano basta utilizar as quantidades e pre- ços de cada ano.
  • 3. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Para o cálculo do PIB real de cada ano primeiro devemos definir um ano como ano-base (no caso optamos o ano de 2010). Em seguida, basta utilizar a quan- tidade produzida de cada ano e o preço do ano-base. Para o cálculo do deflator do PIB devemos dividir o valor do PIB nominal pelo valor do PIB real de cada ano e multiplicar por 100. 8) Por que é desejável para um país ter um PIB elevado? Dê um exemplo de algo que poderia aumentar o PIB, mas que seria indesejável. Considerando que o PIB é uma medida relevante de bem-estar econômico de um país e que quanto maior for esta medida maior será o bem-estar passível de ser “distribuído” entre os individuos deste país, temos que a priori é desejá- vel que o PIB seja o maior possível. Entretanto, no caso do PIB nominal, que considera tanto as variações de pro- dução quanto do nível de preços, temos que uma elevação no nível de preços geraria um aumento do PIB nominal, mas não geraria um aumento do bem- estar econômico. Assim, embora o nível de preços possa elevar o PIB nominal esta mudança é indesejável no sentido prático dado que com maiores preços teremos que ter um maior volume de moeda para viabilizar as transações eco- nômicas correntes. Problemas e Aplicações 1) Qual dos componentes do PIB (caso haja) seria afetado por cada uma das transações a seguir? Explique. a. Uma família compra uma geladeira nova. Consumo b. A tia Jane compra uma casa nova. Consumo c. A Ford vende um Mustang de seus estoques. Investimento d. Você compra uma pizza. Consumo e. A Califórnia repavimenta a autoestrada 101. Gasto do Governo
  • 4. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia f. Seus pais compram uma garrafa de vinho francês. Consumo g. A Honda expande sua fábrica em Marysville, Ohio. Investimento 2) O componente “compras do governo” do PIB não inclui as despesas em pagamentos de transferências como Seguridade Social. Pensando sobre a definição de PIB, explique por que os pagamentos de transferên- cias são excluídos. Isso ocorre porque o objetivo central do PIB é medir produção à valores corren- tes, e assim como a venda de produtos usados, o montante de recursos identi- ficados como transferências de recursos só identificam movimentação de di- nheiro e não uma nova produção. 3) Como vimos neste capítulo, o PIB não inclui o valor de bens usados que são revendidos. Por que a inclusão dessas transações faria do PIB uma medida menos precisa do bem-estar econômico? Isso ocorreria porque ao considerar o bem no momento em que ele é produzido e vendido, e depois considerá-lo novamente quando ele for revendido seria contabiliza-lo em duplicidade integral ou parcial fazendo com que o nível de produto ou bem-estar econômico calculado seja maior do que o nível de produ- to (quantidade de bens e bem-estar) disponível na realidade para ser dividido entre os individuos. 4) Considere uma economia que produz apenas um bem. No ano 1, a quantidade produzida é Q1, e o preço, P1. No ano 2, a quantidade produzi- da é Q2, e o preço, P2. No ano 3, a quantidade produzida é Q3, e o preço, P3. O ano 1 é o ano base. Responda às seguintes questões considerando estas variáveis, e simplifique suas respostas, se possível. a. Qual é o PIB nominal de cada ano. PIB Nominal Ano 1 = Q1 x P1 PIB Nominal Ano 2 = Q2 x P2 PIB Nominal Ano 3 = Q3 x P3 b. Qual é o PIB real de cada ano. PIB Real Ano 1 = Q1 x P1 PIB Real Ano 2 = Q2 x P1 PIB Real Ano 3 = Q3 x P1
  • 5. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Obs.: Considerei o ano 1 como ano-base. c. Qual é o deflator do PIB de cada ano. Obs.: Considerei o ano 1 como ano-base. d. Qual é a porcentagem da taxa de crescimento do PIB real do ano 2 para o ano 3? e. Qual é a taxa de inflação, como medida pelo deflator do PIB, do ano 2 para o ano 3? 5) A seguir são representados alguns dos dados sobre a terra do Leite e do Mel. Ano Preço Leite Quant. Leite Preço Mel Quant. Mel 2008 R$ 1 100 R$ 2 50 2009 R$ 1 200 R$ 2 100 2010 R$ 2 200 R$ 4 100 a. Calcule o PIB nominal, o PIB real e o deflator do PIB para cada ano, u- sando 2008 como ano-base. Cálculo do PIB Nominal: Ano Cálculo PIB Nominal 2008 (1x100)+(2x50) R$ 200 2009 (1x200)+(2x100) R$ 400
  • 6. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 2010 (2x200)+(4x100) R$ 800 Cálculo do PIB Real (Ano Base em 2008): Ano Cálculo PIB Nominal 2008 (1x100)+(2x50) R$ 200 2009 (1x200)+(2x100) R$ 400 2010 (1x200)+(2x100) R$ 400 Cálculo do Deflator do PIB (Ano Base em 2008): Ano Cálculo PIB Nominal 2008 (R$200/R$ 200)x100 100 2009 (R$400/R$400)x100 100 2010 (R$800/R$400)x100 200 b. Calcule a variação percentual do PIB nominal, do PIB real e do deflator do PIB em 2009 e 2010 em relação ao ano anterior. Para cada ano, identi- fique a variável que se mantém inalterada. Explique por que sua resposta faz sentido. Variação no PIB nominal entre 2008 e 2009 = Variação no PIB nominal entre 2009 e 2010 = Variação no PIB real entre 2008 e 2009 = Variação no PIB real entre 2009 e 2010 = Variação no Deflator do PIB entre 2008 e 2009 = Variação no Deflator do PIB entre 2009 e 2010 = As respostas fazem sentido porque apesar de se observar aumentos de 100% no PIB nominal para cada ano, temos que entre 2008 e 2009 o aumento ocor- reu somente por causa de ganhos em produção sendo que nãohouve variação de preços. Já entre 2009 e 2010 o aumento ocorreu somente por causa do aumento de preços e não houve alterações na produção. c. O bem-estar econômico aumentou mais em 2009 ou em 2010? Explique. Como o bem-estar econômico depende diretamente da produção e não do ní- vel de preços podemos concluir que o bem-estar aumentou mais entre 2008 e 2009, dado que este período apresentou o maior crescimento da produção me- dida por meio do PIB real.
  • 7. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 6) Considere os seguintes dados sobre o PIB dos Estados Unidos: Ano PIB Nominal (R$ Bilhores) Deflator do PIB (Base 1996) 2000 9873 118 1999 9269 113 a. Qual foi a taxa de crescimento do PIB nominal entre 1999 e 2000? b. Qual foi a taxa de crescimento do deflator do PIB entre 1999 e 2000? c. Qual era o PIB real em 1999, medido em preços de 1996? d. Qual era o PIB real em 2000, medido em preços de 1996? e. Qual foi a taxa de crescimento do PIB real entre 1999 e 2000? f. A taxa de crescimento do PIB nominal foi maior ou menor do que a taxa de crescimento do PIB real? Explique. A taxa de crescimento do PIB nominal (aumento de 6,52%) foi maior que a do PIB real (aumento de 2%). Isso ocorreu porque apesar de termos obtido um aumento de produção de 2% que aumenta tanto o PIB nominal quanto o PIB real, houve também um aumento de 4,42% no nível geral de preços gerando esta diferença entre o PIB nominal e PIB real. 7) O governo costuma divulgar estimativas revistas do PIB norte- americano próximo ao fim de cada mês. Encontre um artigo de jornal que fale da divulgação mais recente ou leia você mesmo o comunicado no endereço do site do Bureau of Economic Analysis dos Estados Unidos.
  • 8. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Discuta as variações recentes no PIB real, no PIB nominal e nos compo- nentes do PIB. A avaliação dos relatórios sobre o PIB devem ser realizadas com base nos re- latório disponibilizados pelo IBGE (WWW.ibge.com.br). 8) Um fazendeiro cultiva trigo, que vende ao moleiro por R$ 100. Este transforma o trigo em farinha, que vende ao padeiro por R$ 150. O padeiro transforma a farinha em pão, que vende aos consumidores por R$ 180. Os consumidores consomem o pão. a. Qual é o PIB dessa economia? Explique. Como o PIB é a soma de todos os produtos finais produzido em uma economia a valores de mercado, podemos chegar a conclusão de que o PIB é R$ 180,00 que se refere ao único bem final produzido nesta economia. A produção de trigo e farinha foram produções de bens intermediários, pois estes foram utilizados na produção de outro bem. b. O valor agregado é definido como o valor de um produto menos o valor dos bens intermediários que o produtor compra para produzir um bem. Supondo que não haja bens intermediários, além dos descritos anterior- mente, calcule valor agregado de cada um dos três produtores. Valor agregado do Fazendeiro(VAF)= R$ 100,00 Valor agregado do Moleiro (VAM) = R$ 150,00 – R$ 100,00 = R$ 50,00 Valor agregado do Padeiro (VAP)= R$ 180,00 – R$ 150,00 = R$ 30,00 c. Qual é o valor agregado total dos três produtores desta economia? De que forma pode ser comparado com o PIB? Esse exemplo sugere outra forma de calcular o PIB? O valor agregado total gerado pelos três produtores juntos é de R$ 180,00 que é igual ao PIB. Assim podemos chegar a conclusão de que podemos calcular o PIB somando o valor de mercado de cada um dos bens finais produzidos em uma economia para um dado período de tempo, ou podemos somar o valor agregado gerado por todos os produtores desta economia em um dado período de tempo. 9) Os bens e serviços que não são vendidos nos mercados, como alimen- tos produzidos e consumidos em casa, não costumam ser incluídos no PIB. Você pode imaginar por que isso poderia fazer com que os números da segunda coluna da tabela 3 fossem enganosos em uma comparação do bem-estar econômico nos Estados Unidos e na Índia? Explique.
  • 9. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia Isso ocorreria fazendo com que uma parte da produção doméstica ou informal não fosse contabilizada resultando em um PIB calculado menor do que o real tanto para os Estados Unidos quanto para a Índia. Entretanto em países com a estrutura econômica e produtiva menos desenvol- vida e com uma maior participação da produção informal é de se esperar uma diferença maior entre o PIB verdadeiro e o calculado. Assim, podemos esperar que a índia, com um nível maior de produção domés- tica e informal teria seu calculo do PIB mais viesado do que o dos Estados Uni- dos. 10) A participação das mulheres na força de trabalho americana aumen- tou drasticamente desde 1970. a. Na sua opinião, como esse aumento afetou o PIB? Este aumento da participação da mulher no mercado de trabalho afeta o PIB positivamente, pois representa o aumento da força de trabalho formal do país. Isso ocorre, pois embora muitas vezes ativas estas mulheres antes realizavam atividade domésticas e não formais, não sendo contabilizadas no PIB. Com a mudança a atividade delas agora passa contar para o aumento do PIB. b. Agora, imagine uma medida de bem-estar econômico que inclua o tem- po gasto com trabalhos domésticos e com lazer. Como a mudança dessa medida de bem-estar se compararia com a mudança no PIB? Essa nova medida contabilizaria toda a produção formal e mais as atividades que o PIB não contabiliza, sendo sempre maior que o PIB. Assim, enquanto o aumento da participação das mulheres no mercado de tra- balho geraria um aumento do PIB, este evento não alteraria significativamente esta nova medida de bem-estar. c. Você consegue pensar em outros aspectos do bem-estar que estejam associados ao aumento da participação feminina na força de trabalho? Seria prático construir uma medida de bem-estar que incluísse esses as- pectos? Além da possibilidade de contabilização da produção delas no PIB, sua entrada no mercado de trabalho representa o aumento de disponibilidade de profissio- nais e possivelmente um aumento de produtividade referente às possibilidade de trabalho no mercado formal, além de outros benefícios de se estar dentro do mercado formal de trabalho. Embora seja interessante tentar obter ou contabilizar todas as “produção de bem-estar” (produção de bens e serviços), nem sempre isso pode ser realizado de forma prática devido aos custos proibitivos e inviabilidades físicas da execu- ção deste processo.
  • 10. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Ribeirão das Neves Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Disciplina de Introdução à Economia 11) Barry, o barbeiro ganha R$ 400 por dia com cortes de cabelo. Durante esse período, o equipamento deprecia em R$ 50. Dos R$ 350 restantes, Barry paga R$ 30 em impostos de vendas ao governo. Ele leva para casa R$ 320 em salário e retém R$ 100 para adquirir novos equipamentos no futuro. Dos R$ 220 que leva consigo, ele paga R$ 70 em imposto de renda. Com base nessa informação, calcule a contribuição de Barry para as se- guintes medidas de renda. a. Produto interno bruto. Contribuição para o PIB foi de R$ 400 (lembrar que o PIB=Renda Total ou gas- to total). b. Produto nacional líquido. Contribuição para o PNL foi de R$ 350 (lembrar que o PNL= renda dos residen- tes menos depreciação, ou seja, 400–50=350). c. Renda nacional. Contribuição para a Renda Nacional foi de R$ 320 (lembrar que a Renda Na- cional = PNL –Impostos Indiretos). d. Renda pessoal. Contribuição para a Renda Pessoal foi de R$ 220. e. Renda pessoal disponível. Contribuição para a Renda Pessoal Disponível foi de R$ 150 (lembrar que é igual à Renda Pessoal menos impostos diretos ou pessoais).