SlideShare uma empresa Scribd logo

[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística

[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística

1 de 1
Baixar para ler offline
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles
proveniente dos sentidos
mento inteligível
cência platônica, ou a
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
identifica na "teoria das ideias" de Platã
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
própria al
to do homem para se chegar a verdade imutável.
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
objetos sens
veniente de Deus.
gando o caráter f
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
mediador desse processo.
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
puro.

por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo

salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
do Agostinho, sem a graç
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
à salvação foi, posteriormente, adotada por alg
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
individual.

A pessoa peca porque usa de seu livre
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.

humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc

e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
cação religiosa.

mutáveis, flutuantes e transitórios.

autoconhecimento, o caminho da interioridade,
sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria.
Filosofia Cristã
No período medieval não era muito comum aos
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
proveniente dos sentidos
mento inteligível
É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da
cência platônica, ou a
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
identifica na "teoria das ideias" de Platã
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
própria alma, mas que está de modo infuso. Pode
to do homem para se chegar a verdade imutável.
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
objetos sensíveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
veniente de Deus.
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
gando o caráter f
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
mediador desse processo.
Embora essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
puro.
Superioridade da alma:
por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo
Boas obras ou graça divina?
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
do Agostinho, sem a graç
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
à salvação foi, posteriormente, adotada por alg
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
individual.
Liberdade e pecado:
A pessoa peca porque usa de seu livre
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.
Precedência da fé:
humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc
Do maniqueísmo:
e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
cação religiosa.
Ceticismo: desconfiava dos dados dos sentidos, do c
mutáveis, flutuantes e transitórios.
Platonismo:
autoconhecimento, o caminho da interioridade,
sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria.
Filosofia Cristã – Santo Agostinho e a Patrística
No período medieval não era muito comum aos
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
proveniente dos sentidos – que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
mento inteligível – aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da
cência platônica, ou a anamné
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
identifica na "teoria das ideias" de Platã
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
ma, mas que está de modo infuso. Pode
to do homem para se chegar a verdade imutável.
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
veniente de Deus.
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
gando o caráter filosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
mediador desse processo.
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
Outros elementos de refle
Superioridade da alma: para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo
Boas obras ou graça divina?
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
do Agostinho, sem a graça divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
à salvação foi, posteriormente, adotada por alg
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
Liberdade e pecado: para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão,
A pessoa peca porque usa de seu livre
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.
Precedência da fé: a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc
Do maniqueísmo: herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
desconfiava dos dados dos sentidos, do c
mutáveis, flutuantes e transitórios.
Platonismo: assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
autoconhecimento, o caminho da interioridade,
sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria.
Santo Agostinho e a Patrística
No período medieval não era muito comum aos
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da
anamnésis é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
identifica na "teoria das ideias" de Platão o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
ma, mas que está de modo infuso. Pode
to do homem para se chegar a verdade imutável.
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
Outros elementos de refle
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo
Boas obras ou graça divina? O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
à salvação foi, posteriormente, adotada por alg
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão,
A pessoa peca porque usa de seu livre-arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc
Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
desconfiava dos dados dos sentidos, do c
mutáveis, flutuantes e transitórios.
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
autoconhecimento, o caminho da interioridade,
sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria.
Santo Agostinho e a Patrística
No período medieval não era muito comum aos
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
ma, mas que está de modo infuso. Pode-se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele
to do homem para se chegar a verdade imutável.
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
Outros elementos de reflexão da filosofia cristã de Santo Agostinho
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo-o para a prática do bem.
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
à salvação foi, posteriormente, adotada por alguns ramos da teologia protestante.
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão,
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc
Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
desconfiava dos dados dos sentidos, do c
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
autoconhecimento, o caminho da interioridade, como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece
sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria.
Santo Agostinho e a Patrística - A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina.
No período medieval não era muito comum aos estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles - do cristianism
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
xão da filosofia cristã de Santo Agostinho
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
o para a prática do bem.
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
uns ramos da teologia protestante.
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão,
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esclarecer aquilo que a fé antecipou.
Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
desconfiava dos dados dos sentidos, do conhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece
sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria.
A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina.
estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica
do cristianismo vigente, forte na época da Patrística.
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da teoria platônica da reminiscência
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas.
Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua teoria da Iluminação
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
xão da filosofia cristã de Santo Agostinho
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
o para a prática do bem.
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
uns ramos da teologia protestante.
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão,
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
larecer aquilo que a fé antecipou.
Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece
Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo
A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina.
estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e
tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica - tão largamente expressa no pensamento
o vigente, forte na época da Patrística.
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
teoria platônica da reminiscência
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
teoria da Iluminação
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
xão da filosofia cristã de Santo Agostinho
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
uns ramos da teologia protestante.
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão,
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
larecer aquilo que a fé antecipou.
Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece
Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo
A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina.
estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e
tão largamente expressa no pensamento
o vigente, forte na época da Patrística.
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
teoria platônica da reminiscência
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
teoria da Iluminação. Essa doutri
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
xão da filosofia cristã de Santo Agostinho
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da graça divina
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, daí a origem do pecado.
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
larecer aquilo que a fé antecipou.
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece
Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo
A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina.
estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e
tão largamente expressa no pensamento
o vigente, forte na época da Patrística.
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo –, e o conhec
aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão.
teoria platônica da reminiscência. A remini
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
. Essa doutrina da ilum
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele
Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior, ente
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
graça divina. Segu
a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos predestinados
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
daí a origem do pecado.
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed
onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece
Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo
estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No en-
tão largamente expressa no pensamento
Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento
e o conheci-
. A reminis-
é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana
e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho
o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus
na da ilumi-
nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as
verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da
se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intelec-
, enten-
dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plato-
nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos
íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pro-
Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não ne-
ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Atin-
gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o
a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça di-
vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento
para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada
O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da
. Segun-
predestinados à
salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação
A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação
daí a origem do pecado.
arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecami-
nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a querer o
a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser
herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz
que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o
pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa edu-
onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres
assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do
como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma neces-
Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo
Anúncio

Recomendados

A filosofia cristã de agostinho
A filosofia cristã de agostinhoA filosofia cristã de agostinho
A filosofia cristã de agostinhoJorge Miklos
 
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoIntrodução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e Empirismo
Introdução à Filosofia - Patrística e Escolástica, Eacionalismo e EmpirismoDiego Sampaio
 
Santo Agostinho e a Folosofia
Santo Agostinho e a FolosofiaSanto Agostinho e a Folosofia
Santo Agostinho e a FolosofiaAndré Barrozo
 
Agostinho de hipona
Agostinho de hiponaAgostinho de hipona
Agostinho de hiponaflaviaborba6
 
Filosofia - Trabalho Santo Tomás de Aquino.
Filosofia - Trabalho Santo Tomás de Aquino. Filosofia - Trabalho Santo Tomás de Aquino.
Filosofia - Trabalho Santo Tomás de Aquino. Yasmin-95
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaLeandro Nazareth Souto
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia MedievalAlison Nunes
 
A filosofia medieval
A filosofia medievalA filosofia medieval
A filosofia medievalAlison Nunes
 
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05   filosofia início da era cristã e patrísticaAula 05   filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrísticaElizeu Nascimento Silva
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolasticaOver Lane
 
Seminario filosofia medieval
Seminario filosofia medievalSeminario filosofia medieval
Seminario filosofia medievalHannah Dantas
 
A filosofia cristã de tomás de aquino
A filosofia cristã de tomás de aquinoA filosofia cristã de tomás de aquino
A filosofia cristã de tomás de aquinoJorge Miklos
 
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7   Entre a Patrística e a EscolásticaCap 7   Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7 Entre a Patrística e a EscolásticaJosé Ferreira Júnior
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medievalJanimara
 
4 bimestre filosofia medieval
4 bimestre   filosofia medieval4 bimestre   filosofia medieval
4 bimestre filosofia medievalPéricles Penuel
 
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade MédiaJá Entendi
 

Mais procurados (20)

Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de HiponaAula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
Aula de filosofia antiga, tema: Santo Agostinho de Hipona
 
Camila 21mp filosofia medieval
Camila 21mp filosofia medievalCamila 21mp filosofia medieval
Camila 21mp filosofia medieval
 
Aquino e Agostinho
Aquino e Agostinho Aquino e Agostinho
Aquino e Agostinho
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Santo agostinho
Santo agostinhoSanto agostinho
Santo agostinho
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
A filosofia medieval
A filosofia medievalA filosofia medieval
A filosofia medieval
 
3 o mundo medieval
3   o mundo medieval3   o mundo medieval
3 o mundo medieval
 
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05   filosofia início da era cristã e patrísticaAula 05   filosofia início da era cristã e patrística
Aula 05 filosofia início da era cristã e patrística
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Seminario filosofia medieval
Seminario filosofia medievalSeminario filosofia medieval
Seminario filosofia medieval
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
A filosofia cristã de tomás de aquino
A filosofia cristã de tomás de aquinoA filosofia cristã de tomás de aquino
A filosofia cristã de tomás de aquino
 
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7   Entre a Patrística e a EscolásticaCap 7   Entre a Patrística e a Escolástica
Cap 7 Entre a Patrística e a Escolástica
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Pensamentos filosóficos medieval
Pensamentos filosóficos  medieval Pensamentos filosóficos  medieval
Pensamentos filosóficos medieval
 
4 bimestre filosofia medieval
4 bimestre   filosofia medieval4 bimestre   filosofia medieval
4 bimestre filosofia medieval
 
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
[Resumex Já Entendi] Filosofia Idade Média
 

Destaque

Atividade de filosofia santo agostinho (1)
Atividade de filosofia   santo agostinho (1)Atividade de filosofia   santo agostinho (1)
Atividade de filosofia santo agostinho (1)masalas
 
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmSanto agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmAlexandre Misturini
 
Filosofia apostila segundo ano
Filosofia apostila segundo anoFilosofia apostila segundo ano
Filosofia apostila segundo anoFabio Santos
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaLuci Bonini
 
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAvaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAdriana Ruas Lacerda
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano Mary Alvarenga
 
1º Ano - Surgimento da sociologia
1º Ano - Surgimento da sociologia1º Ano - Surgimento da sociologia
1º Ano - Surgimento da sociologiaLuis Felipe Carvalho
 
Avaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bAvaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bMarcia Oliveira
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Rafael Oliveira
 
Filosofia II bimestre -1º ano
Filosofia II  bimestre -1º anoFilosofia II  bimestre -1º ano
Filosofia II bimestre -1º anoMary Alvarenga
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
MulticulturalismoJoão Couto
 

Destaque (20)

Atividade de filosofia santo agostinho (1)
Atividade de filosofia   santo agostinho (1)Atividade de filosofia   santo agostinho (1)
Atividade de filosofia santo agostinho (1)
 
Existencialismo de Sartre - 3º ano
Existencialismo de Sartre - 3º anoExistencialismo de Sartre - 3º ano
Existencialismo de Sartre - 3º ano
 
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmSanto agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
 
Parmênides e Heráclito - 1º ano
Parmênides e Heráclito - 1º anoParmênides e Heráclito - 1º ano
Parmênides e Heráclito - 1º ano
 
Aula 2a parte patristica
Aula  2a parte patristicaAula  2a parte patristica
Aula 2a parte patristica
 
Filosofia apostila segundo ano
Filosofia apostila segundo anoFilosofia apostila segundo ano
Filosofia apostila segundo ano
 
1 aula de_filosofia_template_1_-_ifal_campus_marechal_deodoro_acaf_parte_1
1 aula de_filosofia_template_1_-_ifal_campus_marechal_deodoro_acaf_parte_11 aula de_filosofia_template_1_-_ifal_campus_marechal_deodoro_acaf_parte_1
1 aula de_filosofia_template_1_-_ifal_campus_marechal_deodoro_acaf_parte_1
 
Resumão de Sociologia
Resumão de SociologiaResumão de Sociologia
Resumão de Sociologia
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
 
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médioAvaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
Avaliação de filosofia do 3º ano do ensino médio
 
Escolástica
EscolásticaEscolástica
Escolástica
 
Aula 06 filosofia escolástica
Aula 06   filosofia escolásticaAula 06   filosofia escolástica
Aula 06 filosofia escolástica
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
 
1º Ano - Surgimento da sociologia
1º Ano - Surgimento da sociologia1º Ano - Surgimento da sociologia
1º Ano - Surgimento da sociologia
 
Avaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 bAvaliação de filosofia 2 b
Avaliação de filosofia 2 b
 
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
Avaliação filosofia 1o_bimestre_1oano_2012
 
Filosofia II bimestre -1º ano
Filosofia II  bimestre -1º anoFilosofia II  bimestre -1º ano
Filosofia II bimestre -1º ano
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 

Semelhante a [2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística

A descoberta do mundo das idéias em platão
A descoberta do mundo das idéias em platãoA descoberta do mundo das idéias em platão
A descoberta do mundo das idéias em platãoosmaralmeida
 
Tcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
Tcc que fala sobre a alma em Santo AgostinhoTcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
Tcc que fala sobre a alma em Santo Agostinhoadelvaniasouza souza
 
SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx
 SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx
SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptxWagner Stefani
 
Agostinho vida e obras
Agostinho   vida e obrasAgostinho   vida e obras
Agostinho vida e obrassuanicarvalho
 
Huberto rohden a grande libertação
Huberto rohden   a grande libertaçãoHuberto rohden   a grande libertação
Huberto rohden a grande libertaçãoUniversalismo Cultura
 
Filosofia e teologia como expresses propriamente humanas
Filosofia e teologia como expresses propriamente humanasFilosofia e teologia como expresses propriamente humanas
Filosofia e teologia como expresses propriamente humanasSusana Barbosa
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Idade Média e a Filosofia Cristã.pptx
Idade Média e a Filosofia Cristã.pptxIdade Média e a Filosofia Cristã.pptx
Idade Média e a Filosofia Cristã.pptxDANIELRIBEIROPRVE
 
Huberto rohden a grande libertação
Huberto rohden   a grande libertaçãoHuberto rohden   a grande libertação
Huberto rohden a grande libertaçãoCris Nunes
 
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawinPsicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawinMarcos Silvabh
 
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawinPsicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawinMarcos Silvabh
 
Filosofia de Santo Agostinho
Filosofia de Santo AgostinhoFilosofia de Santo Agostinho
Filosofia de Santo AgostinhoMarcos Mamute
 
Cristo 2
Cristo 2Cristo 2
Cristo 2celjm
 
O conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquino
O conhecimento de Deus segundo Tomás de AquinoO conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquino
O conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquinoumvelhodaesquina
 

Semelhante a [2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística (20)

A descoberta do mundo das idéias em platão
A descoberta do mundo das idéias em platãoA descoberta do mundo das idéias em platão
A descoberta do mundo das idéias em platão
 
Tcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
Tcc que fala sobre a alma em Santo AgostinhoTcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
Tcc que fala sobre a alma em Santo Agostinho
 
SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx
 SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx
SANTO AGOSTINHO_ Wagner.pptx
 
Agostinho vida e obras
Agostinho   vida e obrasAgostinho   vida e obras
Agostinho vida e obras
 
Huberto rohden a grande libertação
Huberto rohden   a grande libertaçãoHuberto rohden   a grande libertação
Huberto rohden a grande libertação
 
Filosofia e teologia como expresses propriamente humanas
Filosofia e teologia como expresses propriamente humanasFilosofia e teologia como expresses propriamente humanas
Filosofia e teologia como expresses propriamente humanas
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # santo agostinho
( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # santo agostinho( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # santo agostinho
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # santo agostinho
 
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # santo agostinho
( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # santo agostinho( Espiritismo)   # - amag ramgis - biografia # santo agostinho
( Espiritismo) # - amag ramgis - biografia # santo agostinho
 
Idade Média e a Filosofia Cristã.pptx
Idade Média e a Filosofia Cristã.pptxIdade Média e a Filosofia Cristã.pptx
Idade Média e a Filosofia Cristã.pptx
 
AGOSTINHO O FILÓSOFO.pdf
AGOSTINHO O FILÓSOFO.pdfAGOSTINHO O FILÓSOFO.pdf
AGOSTINHO O FILÓSOFO.pdf
 
Huberto rohden a grande libertação
Huberto rohden   a grande libertaçãoHuberto rohden   a grande libertação
Huberto rohden a grande libertação
 
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawinPsicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawin
 
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawinPsicoterapias elementos para uma reflexão filosofica    carlos  drawin
Psicoterapias elementos para uma reflexão filosofica carlos drawin
 
Filosofia de Santo Agostinho
Filosofia de Santo AgostinhoFilosofia de Santo Agostinho
Filosofia de Santo Agostinho
 
Cristo 2
Cristo 2Cristo 2
Cristo 2
 
O conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquino
O conhecimento de Deus segundo Tomás de AquinoO conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquino
O conhecimento de Deus segundo Tomás de Aquino
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Justiça da Reencarnação
Justiça da ReencarnaçãoJustiça da Reencarnação
Justiça da Reencarnação
 

Mais de Karoline Rodrigues de Melo

[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"Karoline Rodrigues de Melo
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do ConhecimentoKaroline Rodrigues de Melo
 
Profª karoline quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º ano
Profª karoline   quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º anoProfª karoline   quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º ano
Profª karoline quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º anoKaroline Rodrigues de Melo
 
Aristóteles - Profª Karoline Rodrigues de Melo
Aristóteles - Profª Karoline Rodrigues de MeloAristóteles - Profª Karoline Rodrigues de Melo
Aristóteles - Profª Karoline Rodrigues de MeloKaroline Rodrigues de Melo
 

Mais de Karoline Rodrigues de Melo (20)

Existenc
ExistencExistenc
Existenc
 
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
[1º ano] Sociologia: Texto "O Estudo da Sociologia"
 
[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo
[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo
[3º ano/3º EJA] Sociologia: Etnocentrismo
 
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
3º Ano E.M e 3º EJA E.M - Filosofia
 
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
1º ano- Filosofia - Distorções do Conhecimento
 
Pensamento Sociológico de Weber
Pensamento Sociológico de WeberPensamento Sociológico de Weber
Pensamento Sociológico de Weber
 
Profª karoline quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º ano
Profª karoline   quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º anoProfª karoline   quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º ano
Profª karoline quinzena 07 - 14.04 a 25.04 - filosofia - 1º ano
 
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
2º Ano - Sociologia: Movimentos Sociais
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Aristóteles - Profª Karoline Rodrigues de Melo
Aristóteles - Profª Karoline Rodrigues de MeloAristóteles - Profª Karoline Rodrigues de Melo
Aristóteles - Profª Karoline Rodrigues de Melo
 
Mitologia grega hesíodo e homero
Mitologia grega   hesíodo e homeroMitologia grega   hesíodo e homero
Mitologia grega hesíodo e homero
 
Filosofia 3ª série - felicidade
Filosofia   3ª série - felicidadeFilosofia   3ª série - felicidade
Filosofia 3ª série - felicidade
 
Karoline rodrigues ativ_4
Karoline rodrigues ativ_4Karoline rodrigues ativ_4
Karoline rodrigues ativ_4
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Diversidade
DiversidadeDiversidade
Diversidade
 
Mundo da criança
Mundo da criançaMundo da criança
Mundo da criança
 
Ativ3 8 grupo_dom_bosco
Ativ3 8 grupo_dom_boscoAtiv3 8 grupo_dom_bosco
Ativ3 8 grupo_dom_bosco
 
Ativ 3 5_gracilene
Ativ 3 5_gracileneAtiv 3 5_gracilene
Ativ 3 5_gracilene
 
Ativ 3 5_rosemeire_borges
Ativ 3 5_rosemeire_borgesAtiv 3 5_rosemeire_borges
Ativ 3 5_rosemeire_borges
 
Atividade 3.5
Atividade 3.5Atividade 3.5
Atividade 3.5
 

Último

2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 

Último (20)

2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 

[2º ano] Filosofia: Filosofia de Santo Agostinho - Patrística

  • 1. tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles proveniente dos sentidos mento inteligível cência platônica, ou a e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho identifica na "teoria das ideias" de Platã através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da própria al to do homem para se chegar a verdade imutável. dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos objetos sens veniente de Deus. gando o caráter f gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o mediador desse processo. vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento puro.  por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo  salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da do Agostinho, sem a graç salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação à salvação foi, posteriormente, adotada por alg A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação individual.  A pessoa peca porque usa de seu livre nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar.  humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc  e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed cação religiosa.  mutáveis, flutuantes e transitórios.  autoconhecimento, o caminho da interioridade, sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria. Filosofia Cristã No período medieval não era muito comum aos tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento proveniente dos sentidos mento inteligível É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da cência platônica, ou a e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho identifica na "teoria das ideias" de Platã através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da própria alma, mas que está de modo infuso. Pode to do homem para se chegar a verdade imutável. Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos objetos sensíveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr veniente de Deus. Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n gando o caráter f gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o mediador desse processo. Embora essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento puro. Superioridade da alma: por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo Boas obras ou graça divina? salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da do Agostinho, sem a graç salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação à salvação foi, posteriormente, adotada por alg A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação individual. Liberdade e pecado: A pessoa peca porque usa de seu livre nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar. Precedência da fé: humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc Do maniqueísmo: e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed cação religiosa. Ceticismo: desconfiava dos dados dos sentidos, do c mutáveis, flutuantes e transitórios. Platonismo: autoconhecimento, o caminho da interioridade, sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria. Filosofia Cristã – Santo Agostinho e a Patrística No período medieval não era muito comum aos tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento proveniente dos sentidos – que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo mento inteligível – aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da cência platônica, ou a anamné e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho identifica na "teoria das ideias" de Platã através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da ma, mas que está de modo infuso. Pode to do homem para se chegar a verdade imutável. Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr veniente de Deus. Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n gando o caráter filosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o mediador desse processo. a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento Outros elementos de refle Superioridade da alma: para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo Boas obras ou graça divina? salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da do Agostinho, sem a graça divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação à salvação foi, posteriormente, adotada por alg A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação Liberdade e pecado: para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, A pessoa peca porque usa de seu livre nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar. Precedência da fé: a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc Do maniqueísmo: herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed desconfiava dos dados dos sentidos, do c mutáveis, flutuantes e transitórios. Platonismo: assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do autoconhecimento, o caminho da interioridade, sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria. Santo Agostinho e a Patrística No período medieval não era muito comum aos tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da anamnésis é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho identifica na "teoria das ideias" de Platão o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da ma, mas que está de modo infuso. Pode to do homem para se chegar a verdade imutável. Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento Outros elementos de refle para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo Boas obras ou graça divina? O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação à salvação foi, posteriormente, adotada por alg A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, A pessoa peca porque usa de seu livre-arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar. a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed desconfiava dos dados dos sentidos, do c mutáveis, flutuantes e transitórios. assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do autoconhecimento, o caminho da interioridade, sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria. Santo Agostinho e a Patrística No período medieval não era muito comum aos tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da ma, mas que está de modo infuso. Pode-se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele to do homem para se chegar a verdade imutável. Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento Outros elementos de reflexão da filosofia cristã de Santo Agostinho para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada por Deus para reinar sobre o corpo, dirigindo-o para a prática do bem. O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação à salvação foi, posteriormente, adotada por alguns ramos da teologia protestante. A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar. a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esc Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz e as trevas, a alma e o corpo. Nesse sentido diz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed desconfiava dos dados dos sentidos, do c assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do autoconhecimento, o caminho da interioridade, como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria. Santo Agostinho e a Patrística - A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina. No período medieval não era muito comum aos estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica dos gregos, principalmente Sócrates, Platão e Aristóteles - do cristianism Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento xão da filosofia cristã de Santo Agostinho para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada o para a prática do bem. O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação uns ramos da teologia protestante. A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar. a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser humano de forma direta e intuitiva. Vem depois a razão, esclarecer aquilo que a fé antecipou. Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed desconfiava dos dados dos sentidos, do conhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece sita da luz divina para visualizar as verdades eternas da sabedoria. A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina. estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica do cristianismo vigente, forte na época da Patrística. Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. É no âmbito da reflexão sobre o conhecimento que ele se aproxima da teoria platônica da reminiscência é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus através da iluminação, e, com isso o conhecimento das verdades eternas. Agostinho reinterpreta a teoria da Reminiscência fazendo nascer sua teoria da Iluminação nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento xão da filosofia cristã de Santo Agostinho para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada o para a prática do bem. O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação uns ramos da teologia protestante. A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer mal e praticar o pecado. Neste caso necessita da graça de vida para se salvar. a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser larecer aquilo que a fé antecipou. Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina. estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e tanto, Santo Agostinho o fez. O filósofo cristão aproximou a cultura clássica - tão largamente expressa no pensamento o vigente, forte na época da Patrística. Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. teoria platônica da reminiscência é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus teoria da Iluminação nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento xão da filosofia cristã de Santo Agostinho para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação uns ramos da teologia protestante. A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser larecer aquilo que a fé antecipou. Influências helenísticas sobre o pensamento de Agostinho herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina. estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e tão largamente expressa no pensamento o vigente, forte na época da Patrística. Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. teoria platônica da reminiscência é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus teoria da Iluminação. Essa doutri nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento xão da filosofia cristã de Santo Agostinho para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da salvação mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível da graça divina a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação para o filósofo, a liberdade humana é própria da vontade e não da razão, daí a origem do pecado. arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser larecer aquilo que a fé antecipou. herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo A teoria da reminiscência e a teoria da iluminação divina. estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No e tão largamente expressa no pensamento o vigente, forte na época da Patrística. Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento que fornece elementos que são levados à memória e organizado pelo indivíduo –, e o conhec aquele que só pode ser percebido pela mente humana e somente por meio da reflexão. teoria platônica da reminiscência. A remini é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus . Essa doutrina da ilum nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intele Agostinho não rejeita o conhecimento proveniente das sensações, mas o coloca em um patamar inferior, ente dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plat nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pr Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não n ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Ati gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça d vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da graça divina. Segu a divina o ser humano nada consegue. Essa graça seria concedida apenas aos predestinados salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação daí a origem do pecado. arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecam nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a quer a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa ed onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma nece Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo estudiosos debruçar os seus estudos sobre o conhecimento. No en- tão largamente expressa no pensamento Ele apresenta "teoria do conhecimento" (aos moldes platônicos) com uma cisão (divergência) entre conhecimento e o conheci- . A reminis- é a ação de recordar, ou trazer à mente o conhecimento que é inerente à psique humana e que precisa ser lembrada pela reflexão filosófica. É o recordar os entes inteligíveis que já existem na psique. Agostinho o o universo das "ideias divinas". As ideias divinas, os homens as recebem de Deus na da ilumi- nação divina responde como o homem recebe de Deus o conhecimento das verdades eternas, ou como diria Platão, as verdades inteligíveis. Dessa forma, o verdadeiro é o que é previamente iluminado pela luz divina, e que é algo extraído da se afirmar, no entanto, que a iluminação é a potência que age no intelec- , enten- dendo o intelecto como superior, mas sendo ambos fonte de conhecimento. É na realidade uma reinterpretação do plato- nismo. Para ele, assim como para a visão a luz (física) exerce papel fundamental, sem a qual não haveria conhecimento dos íveis, do mesmo modo para o conhecimento intelectual é necessário uma luz espiritual, esta, no entanto, pro- Se para Platão o conhecimento é o resultado de uma reflexão dialética, para Agostinho é pura graça divina, não ne- ilosófico que é a reflexão. Esta por sua vez, é alcançada por uma vida de piedade e de temor a Deus. Atin- gir essa iluminação não é tarefa para todos os homens, mas sim para aqueles que se voltam a Deus e recebe Cristo como o a essa mediação tenha sido afetada pelo pecado original, ela não foi de completamente anulada, é a graça di- vina que auxilia o homem em sua ascensão ao mundo espiritual, onde ele pode ter contato com os entes do conhecimento para o filósofo, há a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada O ser humano que trilha a vida do pecado só consegue retornar aos caminhos de Deus e da . Segun- predestinados à salvação. A questão da graça divina marcou profundamente o pensamento medieval cristão. E a doutrina da predestinação A Igreja Cristã Medieval pregava que, apenas boa vontade e boas obras humanas não eram suficientes para a salvação daí a origem do pecado. arbítrio para satisfazer uma vontade má, mesmo sabendo que tal atitude é pecami- nosa. Desta forma, o ser humano não pode ser autônomo na sua vida moral, pois se for, a vontade o conduzirá a querer o a fé nos faz crer em coisas que nem sempre entendemos pela razão. A fé revela verdades ao ser herdou uma concepção dualista no âmbito da moral, simbolizada pela luta entre o bem e o mal, a luz que o homem tem uma inclinação natural para o mal, para os vícios, para o pecado (já nascemos pecadores). O mal é o afastamento de Deus, necessitando assim o ser humano de uma intensa edu- onhecimento sensorial, que nos apresenta uma multidão de seres assimilou que a verdade deve ser buscada intelectualmente no “mundo das ideias”. Defendeu a via do como instrumento legítimo para a busca da verdade. A nossa alma neces- Prof.ª Karoline Rodrigues de Melo