O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

A minha participação na conferência myMPeL’2013

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A minha participação na conferência myMPeL’2013

  1. 1. Relatório Modelos de Educação a Distância Docente: Lina Morgado [MPeL’7] Mestrado em Pedagogia do E-learning 1º semestre | Ano letivo 2012-2013 Universidade Aberta A minha participação na conferência myMPeL’2013 João Paulo Pinto | Número: 1000961 02 de dezembro de 2013
  2. 2. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 2 de 9 Introdução A myMPeL é uma conferência do curso de Mestrado em Pedagogia do E-learning , da Uni- versidade Aberta(UaB), realizada pelos alunos das edições anteriores em parceria com a coordenação do curso. É um projeto totalmente voluntário, tanto na organização como na participação dos convidados, que pode ser seguido tanto presencialmente como online. É uma forma de reunir a comunidade que trabalha, investiga e tem interesse na área da educação a distância e do e-learning. Para além de celebrar as atividades dos alunos do curso anterior, 6º edição, também tem como objetivo dar as boas vindas aos alunos da 7ª edição do curso. O evento realizou-se este ano pela 4ª vez e decorreu no dia 30 de novembro no Palácio de Ceia, sede da Universidade, entre as 9h e as 20h. O presente relatório descreve a minha participação nesta conferência de forma presencial- mente. Trabalhos e intervenções Abertura A conferência foi iniciada com pequenas intervenções do pró-reitoir (Drº Vitor Rocio), da Administradora (Drª Olga Silveira) e da Diretora do FEED (Drª Darlinda Moreira), que deram as boas vindas a todos os participantes e sublinharam a importância do papel Universidade Aber- ta, como instituição inovadora e de referência internacional na EaD, nomeadamente na área do e-learning. O Drº Vitor Rocio destacou ainda a importância da comemoração dos 25 anos da UaB que se estão a celebrar atualmente. Deste painel retiro a ideia que estávamos perante a materialização dos “avatar’s”, que está- vamos habituados a contactar na plataforma como “perfis”, em pessoas de carne e osso. Painel da coordenação do MPeL  “Breve abordagem ao MPeL” (Prof. Lina Morgado - Coordenadora do MPeL) Esta intervenção centrou-se na apresentação do curso referindo que, desde a 1ª edição, assistiu-se a uma evolução da sua conceção incorporando as sinergias e experiências obtidas por toda a equipa e com o feedback dos estudantes e restante comunidade. A prova deste trabalho é a crescente internacionalização do curso
  3. 3. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 3 de 9 que, além dos prémios obtidos, tem despertado a atenção de diversas instituições e inves- tigadores de e-learning. Referiu que é intenção do curso, começar por “desconstruir determinadas ideias pedagógi- cas à volta do e-learning” para que se possa voltar a construir conceitos e metodologias mais apropriadas às necessidades pedagógicas da sociedade atual. Finalmente, sublinhou a existência de uma preocupação que o processo de aprendizagem seja de “abertura e transparência”, sendo prova disso a publicação pública de todos os tra- balhos curriculares utilizando o poder de partilha da web 2.0. Para terminar, deixou uma possível fórmula: “MPeL7 – LMS + WEB 2.0”, como caminho de incentivar que as aprendizagens extravasem as “fronteiras” das plataformas LMS e se expandam para os novos ambientes virtuais que caracterizam a web 2.0.  “Radiografia do curso MPeL” (Drª Rosalina Nunes - mestranda MPeL) Nesta intervenção a mestranda apresentou um pouco do estudo sobre as atividades do curso, fruto da investigação que realizou para a sua dissertação. Deste estudo retive, com alguma surpresa, as quase 40 atividades propostas pelos professores do mestrado, que se estendem por quase 959 dias de trabalho, utilizando 92 ferramentas, 126 recursos e permitido realizar 73 produtos finais por parte de cada aluno. Ficou a curiosidade em saber qual a qualidade com que estas atividades foram implemen- tadas e executas. Um desafio para os atuais mestrandos! Painel de convidados do mestrado MPeL  “Elearning - Research directions and advanced practices” ( Prof. Ana Paula Correia) É professora assistente do Centro de Tecnologia em Ensino e Aprendizagem da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade de Lowa (EUA). Desta intervenção destaco as seguintes ideias:  Ensino colaborativo suportado pelo computador;  O poder está no trabalho em rede;
  4. 4. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 4 de 9  Necessidade de melhorar a interação num ambiente online mediante a orientação do professor;  É vital que haja a transformação do professor (do ensino presencial para o online) dado que a postura não é diretamente transponível para o outro;  Implementação de estratégias para trazer a presença social humana para os cursos online. Atualmente, na minha opinião, são pontos fundamentais para o sucesso de qualquer modelo pedagógico em e-learning. A concluir, a professora ainda considerou que deve existir uma necessidade social à volta da educação como valor acessível para todos. Por isso temos que repensar as necessida- des do EaD, o que implica repensar as estratégias de aplicação do e-learning.  “Fundamentos da interatividade na sala de aula presencial e online” (Prof. Marco Silva) É sociólogo, doutor em Educação e o professor da Universidade Estadual do Rio de Janei- ro (Brasil). Os pontos de partida para a sua intervenção foram:  Como formar: o professor necessita de saber como transmitir o saber quem tem.  Mediar a formação: O professor também necessita de desenvolver métodos de comunicação, interativos, quer presencial como online. O desafio é utilizar as potencialidades que a Web 2.0 nos trás para implementar ambientes de aprendizagem, colaboração e interatividade. Mas, o que é a interatividade? Questionou o sociólogo lançando 3 fundamentos a ter em conta:  Participação / Intervenção  Bidirecionalidade / Hibridação  Permutabilidade - Potencialidade Sistematizando, um professor (quer presencial como online) deve:  Promover a co-autoria interativa;  Privilegiar múltiplas experimentações;  Disponibilizar uma estrutura de ligações em rede;  Formular um problema;  Arquitetar percursos de aprendizagem;  “ A cibercultura na era da mobilidade ubíqua” (Prof. Edméa Santos) Pedagoga e professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Atualmente, está a realizar investigação para o doutoramento e também colabora como professora com a UaB. Começou a sua intervenção por desconstruir o conceito de cibercultura. Considerou que a cibercultura é a cultura contemporânea porque a nossa sociedade, atualmente, vive em rede e baseia-se nas interações/partilhas mediadas pela tecnologia.
  5. 5. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 5 de 9 Para ilustrar esta ideia visualizou um slide, na foto em baixo à esquerda, em que comparou a portabilidade de uma velha Ardósia com um Tablet. Aproveitei esta ideia para fazer uma síntese na seguinte tabela da direita. Portabilidade Ardósia Tablet Conectividade Não Sim Ubiquidade Não Sim Plasticidade Não Sim Memória Não Sim Redes dentro/fora da escola nas cidades e no ciberespaço Não Sim Verificamos que o tablet reúne potencialidades que o tornou mais do que uma ferramenta. A professora não concorda com o termo “ferramenta” porque considera redutor dado que lhe é associado apenas a utilização física e “automatizante de processo, como extensão do músculo”. Mas o tablet é mais do que isso, é o exemplo de algo que permite a intervenção cultural da aprendizagem com conectividade, participação e interatividade. Tal como o computador, é o interface com a rede… “a máquina semântica”. Como conclusão, destaco um conselho que lançou no final: “A educação online não é a evolução da EaD, é um fenómeno da sociedade digital”. Na minha opinião esta visão é algo que devemos ter em conta na reconstrução do conceito de e-learning. Micro-Workshop  “Powerpoint versos Prezi” (Drº Nuno Ricardo Oliveira - UaB) Como conheço profundamente o PowerPoint, o qual costumo utilizar profissionalmente, nomeadamente, na produção de conteúdos para e-learning estava curioso em assistir ao seu “combate” como uma ferramenta que tenho utilizado pouco - o Prezi. O workshop começou com uma abordagem ao conceito de produzir uma apresentação nas duas ferramentas e depois avançou-se para a demons- tração da utilização do Prezi. Evidenciou-se a vantagem da grande facilidade de trabalhar no Prezi em oposição às inúmeras “opções ocultas” do PowerPoint, e por ser gratuito, em contraponto com o elevado custo do software da Microsoft. No entanto, a conta gratuita não permite o trabalho Offline o que obriga a ficarmos dependentes da existência de um bom acesso à internet. O Workshop dedicou-se, fundamentalmente, à demonstração das vantagens do Prezi por o oposição ao PowerPoint evidenciando alguns pontos fortes como as características que permite o trabalho colaborativo e facilidade em realizar animações. Na fase de debate, tive a oportunidade de perguntar ao drº Nuno se as últimas atualiza- ções do Prezi já permitem realizar apresentações interativas.
  6. 6. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 6 de 9 A resposta foi negativa e desanimadora. Não é possível fazer botões, por exemplo, definir ações para objectos e links para outros locais da apresentação. Logo, não posso fazer animações interativas e dinâmicas, que tanto gosto de fazer, e que fazem todo o sentido atualmente, dado o foco que está a ser feito na importância da intera- tividade para aprendizagem, nomeadamente na produção de recursos. Pecha-Kucha: Dinamizado pelos estudantes MPeL6 (2012/2014)  “Ambientes virtuais de aprendizagem“ (Drº Alberto Cardoso)  “Autenticidade e transparência (um saber ser e estar na rede)“ (Drª Natália Ferret)  “My PLE – Em constante construção” (Drª Inês Araújo)  “MOOC – um desafio da Educação Aberta no século XXI“ (Drª Cristina Neto)  “Os superficiais – o que a internet está a fazer aos nossos cérebros“ (Drª Rute Antunes)  “Qualidade em e-learning como garante da credibilidade da formação a distancia online“ (Drº Carlos Raposo)  “Webrádio – desenvolvimento de uma comunidade de aprendizagem baseada na rádio via Web“ (Drº Ricardo Carvalho) Esta atividade realizada ao estilo Pecha-Kucha foi um momento muito dinâmico e, simultaneamente, de grande aprendizagem. De forma rápida e ritmada foram apresentados diversos temas que nos ajudaram a conhecer melhor o curso, novas ferramentas, outras temáticas, atividades, etc. No final fomos presenteados com o hino do MPeL escrito, cantado, instrumentalizado e produzido pelo mestrando MPeL’6 Ricardo Carvalho. Keynote: Tony Bates encontra a comunidade MPeL É doutorado em Administração Educacional pela University of London e Doutorado Honoris Causa pela UaB. Tem um vasto trabalho de investigação realizado no domínio da Educação a Distância. É presidente da Tony Bates Associates Ltd, uma empresa privada que se dedi- ca à consultoria e formação para a gestão de projetos de e-learning e Educação a Distância. O Professor António Teixeira começou por apresentar o convidado especial desta edição do myMPeL destacando a importância que a con- tribuição para o curso do trabalho de vários investigadores como o “Tony”. Destacou que o seu trabalho é uma inspiração para todos os que estão neste curso. Salientou, também a sua contribuição para o reconhecimento internacional, a qualidade e inovação do curso de mestrado a nível internacional. Seguidamente, Tony Bates ficou disponível para responder a algumas perguntas que os grupos no MPeL’7 tinham preparado. Fê-lo defendendo os mesmos argumentos presentes
  7. 7. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 7 de 9 na documentação que tive oportunidade de pesquisar/analisar durante a atividade de prepa- ração do Guião de Questões. O grupo D, no qual me insiro, fez a seguinte pergunta: “Tony, na sua nota biográfica refere que gosta de pilotar pequenos aviões. Aprendeu presenci- almente ou à distância? Neste sentido, o e-learning / EaD podem ser aplicados nas mais diver- sas áreas, mesmo as de caráter mais complexo e prático?” Tony, riu-se com a “provocação implícita, considerou-a uma boa pergunta. Começou por partilhar com a assistência que antes de pilotar um avião utilizou simuladores de voo, os quais podemos considerar na área de e-learning. Mais adiante confessou que é muito difícil de aplicar a EaD às áreas da engenheira, por exemplo. O ideal é tentar combinar as metodologias de EaD com as presenciais, completou! Conclui-o dizendo que existem certas tarefas que não podem ser ensinadas online, mas sim “face to face”… isto é presencialmente. A propósito de outras questões, defendeu que o papel do professor mudou drasticamente e já não é o único detentor do conhecimento mas um ajudante do desenvolvimento do aluno. Este novo papel é completamente diferente requer uma atitude diferente. Já na conclusão da sua intervenção, Tony Bates, referiu uma ideia que defende em várias publicações, “Não importa se a tecnologia é boa ou não mas como vai ser aplicada”. O importante não é a tecnologia mas os cenários pedagógicos. Retive ainda duas ideias da sua intervenção: 1) A educação não tem distância; 2) É necessário educar para a cidadania digital. Para despedida, e em nota de rodapé, dirigiu-se à assistência e confidenciou que ele próprio acaba por preferir o “face-to-face”. Encerramento A conferência foi encerrada pelo professor Paulo Dias, reitor da UaB, que enalteceu todo o interessa dos participantes na discussão à volta do e-learning. Finalizando os trabalhos da conferência, agradeceu a presença especial de Tony Bates e à organização da myMPeL. Socialização e interação A socialização entre a comunidade MPeL foi um dos aspetos importantes nos objetivos da conferência. Os intervalos foram momentos muito ricos e úteis para todos os participantes se conheceram melhor, agora “face a face”, e trocarem impressões.
  8. 8. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 8 de 9 O almoço, prologando de propósito, serviu para aprofundar a troca de opiniões sobre os temas da conferência e concertar estratégias para os trabalhos online serem mais produtivos. De realçar que muitos colegas aproveitaram para esclarecer alguns aspe- tos da interatividade online e colocaram algumas dúvidas sobre as próxi- mos atividades curriculares. Existir uma salutar partilha de problemas, soluções, aspirações e desabafos que nos irá faci- litar a participação online e tornará mais qualitativa. Conclusão Tive a oportunidade de assistir à conferência presencial. Provavelmente, este foi um dos momentos altos do curso. Considerando que o curso é totalmente online este momento pre- sencial assumiu uma importância fundamental para potencializar as motivações e os laços entre todos os participantes da comunidade MPeL. Como a professora Lina Morgado referiu na sua intervenção a conferência “é um momento de celebração”. Todos temos algo a celebrar, uns porque estão a chegar ao curso, outros que estão no meio de aprendizagem e outros que estão a terminar ou já terminaram. Esta- mos a celebrar o nosso esforço e o nosso trabalho em torno de um tema que nos une, nos diz algo de especial e nos move para o futuro. O foco que a organização dá à socialização e integração dos participantes è extremamente importante para a motivação dos alunos e permite a troca direta de experiências e estratégi- as de trabalho. Dado que a conferência decorre na fase inicial do curso é também uma importante dinâmica de “quebra-gelos” entre alunos e professores. Permite-nos limar algumas arestas que a participação online ainda não resolveu, dado que a maior parte de nós não tem experiência em participar em ações e-learning com este ritmo. Possibilita ainda a criação de laços mais afetivos, que ainda não tinha sido possível de esta- belecer online, e que irão se expandir e fortalecer na plataforma e noutras comunidades através das quais já nos começamos a relacionar, como o Facebook e o Google +. Paralelamente a esta componente social, que considero fundamental, tive a oportunidade de estar frente a frente com personalidades, de qualidade pedagógica e científica, determinan- tes para a compreensão do e-learning e que me inspiram para continuar a investir nesta área. A minha participação nesta conferência permitiu-me desconstruir determinados conceitos sobre o e-learning e voltá-los a reconstruir de forma mais sustentada.
  9. 9. Nome completo: João Paulo Pinto | Número: 1000961 | Atividade 1 MPEL’7| UC 12092 - Modelos de Educação a Distância | Universidade Aberta Página 9 de 9 Finalmente, num mundo de aprendizagem virtual centrado na plataforma Moodle, é privilégio estar no espaço físico da UaB e ser recebido de forma tão simpática e afável pelos “ava- tar’s”/”Perfis” com que me habituei a conviver diariamente. Fontes Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1422728871278052/?fref=ts Programa da conferência: https://app.box.com/s/m7u75c42w4r73q0inllx Transmissão online da conferência: www.conferize.com/conferences/mympel2013 Rede social myMPeL’3: www.mympel2013.crowdvine.com

×