SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
João Miguel Pereira – Psicologia Pastoral, Seminário Conciliar de Braga, 2020
Síntese sobre a relação de ajuda, segundo Carkhuff
Ajudar é, para Carkhuff, “o acto de promover numa pessoa uma mudança construtiva no
comportamento, de modo a aumentar a dimensão afetiva da vida individual e a tornar possível um
maior grau de controlo pessoal nas atividades que a pessoa deverá desenvolver”. Visa ajudar a pessoa
a crescer em todas as próprias capacidades e potencialidades tornando-se cada vez mais ela mesma.
Para isto, é necessário que a pessoa tome progressiva consciência quer das suas capacidades, quer das
suas carências. Ao mesmo tempo, em linha com a corrente da psicologia humanística, deve haver uma
valorização dos valores intrínsecos que a pessoa é chamada a fazer emergir desde dentro de si mesma
e a progressivamente desenvolver na sua vida. Contemporaneamente deve existir o desenvolvimento
das várias funções psíquicas: intelectual, afetiva, social e moral.
Ajudar é facilitar o processo de aprendizagem, isto é, de mudança, no qual o individuo é o
protagonista capaz de promover em si um processo de transformação e de melhoramento cujo fruto
será a aquisição de novas habilidades ou conhecimentos. As instituições e as estruturas têm, por isso,
uma função secundária. Neste processo de aprendizagem, o indivíduo vai buscar elementos ao próprio
quadro de referência, não a modelos externos ou a disposições que venham de fora, sem serem
assumidos como próprios. A aprendizagem afeta a pessoa por inteiro, todos os seus setores.
A pessoa é apoiada no processo gradual, cada vez mais profundo, de exploração e
conhecimento de si mesma e de um compromisso concreto cada vez mais alargado. Aqui, o
acompanhante é um animador que estimula essa exploração e que conduz à tomada de decisões
operativas. Ele acolhe cada elemento que emerge durante o colóquio e transforma-o em motivo de
reflexão que é proposta ao indivíduo e aprofundada com sucessivas intervenções. O indivíduo deve
ficar aberto e recetivo ao raciocínio cada vez mais aprofundado, bem como aos frutos que daí vão
brotando, e também aos diversos feed-back que podem chegar seja do ambiente, seja do próprio mundo
interior, durante e depois do colóquio.
Neste colóquio, o animador deve começar por manifestar interesse, abertura e acolhimento pelo
indivíduo e por aquilo que ele possa ter a dizer1
. Trata-se de um envolvimento construtivo. Esta
resposta primordial do acompanhante à presença do indivíduo (acompanhado) vai estimular neste um
processo de autoexploração (para chegar a esclarecer em que ponto ele se encontra em relação a si
mesmo, ao próprio mundo, às pessoas para ele significativas, às situações por resolver). O animador
1
Prestar atenção fisicamente: É oportuno que seja mantida uma frequente comunicação com o olhar, embora evitando fixar
continuamente a pessoa para a não colocar em embaraço. Observação e empatia: perceber os comportamentos não-verbais para
compreender cada vez mais a fundo o estado de ânimo da pessoa. Isto serve para o animador formar uma primeira impressão da mesma
sem constituir, ao início, uma base atendível para formular avaliações e juízos sobre a pessoa, pois deverá ser verificada em base a outros
dados. Escutar com autenticidade: a pessoa, acolhida com bondade e escutada com atenção e interesse sincero, experimenta
concretamente o benefício de sentir-se digna de consideração, sente-se cada vez mais interessada em continuar o colóquio e estimulada
em empenhar-se para superar as dificuldades, dispondo-se finalmente a escutar o animador com igual atenção.
vai depois “personalizar”, isto é, vai dirigindo o diálogo na direção do que lhe parece ser o cerne da
questão. Ele faz isso devolvendo ao indivíduo o que lhe parece ter compreendido da mensagem2
, seja
verbal ou não verbal (sentimentos e estado de espírito3
). Isso poderá fazer-se questionando: “o que me
quer dizer é que…?”; “se bem compreendi, você disse-me…?”. Estimula, assim, o indivíduo a refletir
sobre si mesmo (auto-compreensão), de modo que ele compreenderá cada vez mais claramente em que
ponto ele se encontra naquele momento. A pessoa é ajudada a tomar consciência do problema que a
perturba, das suas potencialidades e do tipo de empenho que pode e entende assumir em relação à meta
que ela mesma se propõe. Verbalizando os seus pensamentos e sentimentos, o individuo vai
progressivamente conquistando uma visão mais clara sobre os mesmos, descobrindo cada vez mais
profundamente o que o habita interiormente4
. As pausas densas de reflexão são positivas no colóquio:
ajudam a pessoa a ir mais profundo em si mesma e no caso do acompanhante, estes silêncios são por
ela percebidos como máxima atenção e interesse por ela mesma. Finalmente, o animador estimula
diretamente a pessoa à ação, para iniciar o processo de recuperação, que deverá levar a mesma pessoa
da situação em que se encontra no presente até às metas que os dois vão gradualmente esclarecendo e
amadurecendo com unidade de intenções. É importante que a sessão termine com essa definição de
uma meta e do caminho para alcança-la: “Você quer… (meta) e isso traduz-se em… (passos)”. Claro
que a meta não há de ser demasiado abstrata ou idealista; tem de ser ambiciosa mas também realista
(tendo em conta o ponto em que a pessoa se encontra). Ao mesmo tempo, o incentivo do animador é
relevante para que a pessoa não desista antes, sequer, de tentar. Para isso, o animador pode realçar as
capacidades e qualidades que o indivíduo manifestou ter durante o diálogo, apontando-as como fortes
recursos para o sucesso do alcance da meta desejada. O animador não deve salientar excessivamente
as carências da pessoa, contudo sem deixar de centrar nela a razão dos seus sucessos ou fracassos5
(pois há uma forte tendência para culpar os outros). Agora, o encontro pode considerar-se concluído6
.
No tempo que vai até ao colóquio seguinte, a pessoa deverá empenhar-se no propósito estabelecido,
ficando aberta ao feed-back que lhe chega a partir das próprias reações interiores (feed-back subjetivo)
e do ambiente (feed-back objetivo), na sequência da mudança introduzida no próprio comportamento.
Essas reações serão retomadas no encontro seguinte e avaliadas seguindo o mesmo processo.
2
Não se trata de um reproduzir o que se ouviu “tipo gravador”, mas sim de um modo de participação que por um lado certifica a pessoa
da atenção e interesse efetivo do animador no seu problema, fazendo uma espécie de ressonância, e por outro lado oferece ao animador
a possibilidade de verificar até que ponto percebeu o mundo interior do indivíduo. O animador abster-se-á de responder com elementos
de interpretação, avaliação, preconceito, comentários ou adivinhar aquilo que não consegue reformular.
3
Pode acontecer que o animador não consiga individuar o sentimento de que a pessoa é animada. Nesse caso, pode questionar a pessoa
sobre como se sente. É oportuno que a questão seja precedida de uma breve reformulação do conteúdo que está na base desse sentimento:
“Você disse-me que … . Como é que isto o faz sentir-se?”.
4
O animador ajuda a pessoa a tomar consciência dos motivos que estão na base do seu estado de espírito. Isto confere um significado
racional aos sentimentos, a pessoa consegue compreender com clareza as próprias reações, enfrentá-las, dissipar a ansiedade, fazer uma
exploração ainda mais profunda empenhando-se em superar as dificuldades.
5
O animador deve poupar-se a salientar as carências ou os erros cometidos pelo sujeito no campo operativo (comportamentos, ações,
intervenções, omissões, etc.), evitando colocar sob acusação as intensões ou as motivações. Ele deve estimular o indivíduo a procurar,
ele mesmo, o grau de responsabilidade pessoal.
6
O ideal é o colóquio não se alongar mais que 45/50 minutos.
Resposta do teste, Questão 3
Ao nível biológico, a sexualidade não é algo exclusivo da espécie humana. Sendo que é sobre
a dimensão biológica que assenta todo o edifício da sexualidade humana, é um erro considera-la apenas
do ponto de vista biológico. No que a esta dimensão se refere, a sexualidade tem duas missões: a
procriativa e a do prazer.
Mas a sexualidade humana está também marcada pela dimensão psicológica. Ela não é mera
pulsão (instinto), em busca de prazer e de procriação (como acontece nos entes infra-humanos), mas é
uma realidade dinâmica que abrange todas as dimensões da pessoa e está marcada pelo desejo de
estabelecer relação entre pessoas.
Nessa abertura para a relação com o outro está a grande diferença da sexualidade humana. Ela
não é apenas instintiva. Por isso, ela possui uma dimensão dialógica de abertura à alteridade e todas as
relações interpessoais são marcadas pela sexualidade dos humanos.
Na realidade, a pessoa é um ser sexuado. Toda a sua existência está marada pela sua
sexualidade, tal como as suas relações com os outros. Não há nada na personalidade de um indivíduo
que não seja trespassado pela sua dimensão sexual e pela forma saudável ou enferma como a
sexualidade está nele desenvolvida.
Na sociedade atual verifica-se uma liberalização sexual. Todos os tabus foram desfeitos, nunca
antes, como hoje, falar da sexualidade foi tão banal. O apelo à dimensão sexual do homem foi adotado
como recuso útil aos média e à publicidade. Todavia, o que a sexualidade ganhou em extensão, perdeu
em qualidade. A conjugação harmoniosa de sexo, eros e ágape foi reduzida apenas a um deles: ao sexo.
Podemos dizer que houve uma “hipergenitalização” da sexualidade, o que faz com que a mentalidade
corrente, mesmo entre os adultos, seja a de uma sexualidade infantil ou pré-adolescente. A sexualidade
genitalizada (reduzida ao prazer sexual, ao impulso sexual) é utilizada como impulsionador do
consumo (as campanhas de publicidade cada vez se servem mais de mecanismos de apelo à dimensão
sexual: p/ex. com corpos esbeltos e cada vez mais despidos) e de alienação (utilizando o isco do sexo,
o homem é pescado esquecendo-se do resto do mundo que o rodeia).
É por isso necessária uma educação sexual que alargue o horizonte do homem contemporâneo
de uma sexualidade genital (infantil) para uma sexualidade integral (madura). Desde logo, que
consciencialize que a sexualidade humana só o é verdadeiramente humana quando aberta à dimensão
meta-sexual do amor (V. Frankl). Uma sexualidade que seja reduzida à dimensão do prazer acaba por
caminhar para uma frustração sexual e existencial que resulta no auto-falimento e na infelicidade. Esta
educação deve nascer logo com a relação entre mãe e filho. Na primeira infância aprendem-se
comportamentos que não se podem aprender mais tarde. Depois, também a relação entre os pais não
pode ser escondida aos filhos: as palavras cordiais, os gestos afetuosos, a tolerância e a compreensão
recíproca, a troca de um beijo ou um carinho, são fatores importantíssimos na pedagogia sexual. Daqui
nasce a compreensão da sexualidade que não reduz o partner a mero “objeto sexual” para obtenção
egoística de prazer. A sexualidade vivida de modo egoísta, como procura de prazer e não como
expressão de amor origina filhos indesejados, casamentos apressados, abortos, conflitos e divórcios. É
por isso urgente formar a capacidade de amar. Afinal, numa onda de inflação do sexo, da sexualidade
livre, desinibida e indiscriminada, o futuro ato sexual assumirá sempre mais o valor de um aperto de
mão que se dá facilmente, tantas vezes indiferenciado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos 6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga FestivalSeitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga FestivalLaura Sanches
 
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.Fábio Munhoz
 
1ª Oficina dos sentimentos
1ª  Oficina dos sentimentos 1ª  Oficina dos sentimentos
1ª Oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aEscola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aRoseli Lemes
 
A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoJeanne Araujo
 
5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos 5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
4ª Oficina dos sentimentos
4ª  Oficina dos sentimentos 4ª  Oficina dos sentimentos
4ª Oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
Minuto de aliança
Minuto de aliançaMinuto de aliança
Minuto de aliançaVivianleite
 
TCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da ConceiçãoTCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da ConceiçãoFábio Munhoz
 
Aulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do Evangelho
Aulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do EvangelhoAulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do Evangelho
Aulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do Evangelholiliancostadias
 
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...Mauricio Gonçalves
 
8ª Oficinas dos sentimentos
8ª Oficinas dos sentimentos 8ª Oficinas dos sentimentos
8ª Oficinas dos sentimentos Leonardo Pereira
 
O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?ARILMA TAVARES
 

Mais procurados (20)

6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos 6 ª Oficina dos sentimentos
6 ª Oficina dos sentimentos
 
Treinamento facilitadores
Treinamento facilitadores Treinamento facilitadores
Treinamento facilitadores
 
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga FestivalSeitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
 
Desenvolvimento da fé
Desenvolvimento da féDesenvolvimento da fé
Desenvolvimento da fé
 
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
1ª Oficina dos sentimentos
1ª  Oficina dos sentimentos 1ª  Oficina dos sentimentos
1ª Oficina dos sentimentos
 
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aEscola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
 
A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológico
 
5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos 5ª oficina dos sentimentos
5ª oficina dos sentimentos
 
4ª Oficina dos sentimentos
4ª  Oficina dos sentimentos 4ª  Oficina dos sentimentos
4ª Oficina dos sentimentos
 
( Espiritismo) # - adesio a machado - ser, crer e crescer
( Espiritismo)   # - adesio a machado - ser, crer e crescer( Espiritismo)   # - adesio a machado - ser, crer e crescer
( Espiritismo) # - adesio a machado - ser, crer e crescer
 
Minuto de aliança
Minuto de aliançaMinuto de aliança
Minuto de aliança
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
 
TCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da ConceiçãoTCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
 
Aulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do Evangelho
Aulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do EvangelhoAulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do Evangelho
Aulas 108 e 109 Escola de Aprendizes do Evangelho
 
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
 
8ª Oficinas dos sentimentos
8ª Oficinas dos sentimentos 8ª Oficinas dos sentimentos
8ª Oficinas dos sentimentos
 
O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?
 

Semelhante a Relação de ajuda segundo Carkhuff

Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdfMaterial complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdfmayaramariane0694
 
Tcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaTcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaFábio Munhoz
 
Os 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do AutoconhecimentoOs 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do AutoconhecimentoDaniel Santos
 
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdfJiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdfHubertoRohden2
 
Lideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alemLideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alemconage2013
 
Fundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapas
Fundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapasFundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapas
Fundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapasItalo Silva
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Juliana Baino
 
Teoria das Múltiplas Inteligências
Teoria das Múltiplas InteligênciasTeoria das Múltiplas Inteligências
Teoria das Múltiplas InteligênciasKátia Rumbelsperger
 
KRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdf
KRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdfKRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdf
KRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdfGlaucianeLourenoFrei
 
Almanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdf
Almanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdfAlmanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdf
Almanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdfEdvaldo Magalhães Magalhães
 
Conflitos psicológicos
Conflitos psicológicosConflitos psicológicos
Conflitos psicológicosHelio Cruz
 
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxMatildePaulo1
 
PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...
PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...
PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...ROURESANTOSRIBEIRO
 
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdfEBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdfSusana Monteiro
 

Semelhante a Relação de ajuda segundo Carkhuff (20)

Tcc04deagosto2011
Tcc04deagosto2011Tcc04deagosto2011
Tcc04deagosto2011
 
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdfMaterial complementar aconselhamento cristão 3.pdf
Material complementar aconselhamento cristão 3.pdf
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
Tcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaTcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia Positiva
 
Os 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do AutoconhecimentoOs 7 passos do Autoconhecimento
Os 7 passos do Autoconhecimento
 
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdfJiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
Jiddu Krishnamurti - O Novo Ente Humano.pdf
 
Lideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alemLideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alem
 
A eficácia da comunicação
A eficácia da comunicaçãoA eficácia da comunicação
A eficácia da comunicação
 
Fundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapas
Fundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapasFundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapas
Fundamentos Teologicos O crescimento pessoal autonomia e etapas
 
Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
 
Oficinas em dinamica_de_grupo
Oficinas em dinamica_de_grupoOficinas em dinamica_de_grupo
Oficinas em dinamica_de_grupo
 
Folder taoi 2013
Folder taoi 2013Folder taoi 2013
Folder taoi 2013
 
Coaching Ontológico
Coaching OntológicoCoaching Ontológico
Coaching Ontológico
 
Teoria das Múltiplas Inteligências
Teoria das Múltiplas InteligênciasTeoria das Múltiplas Inteligências
Teoria das Múltiplas Inteligências
 
KRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdf
KRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdfKRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdf
KRISHNAMURTI-Como-Somos-As-One-Is-V2.pdf
 
Almanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdf
Almanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdfAlmanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdf
Almanaque de Dinâmicas - Versão Revista e Corrigida.pdf
 
Conflitos psicológicos
Conflitos psicológicosConflitos psicológicos
Conflitos psicológicos
 
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptxPPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
PPT - 200822MULHER AGUIA2.0.pptx
 
PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...
PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...
PSICOLOGIA ESCOLAR : abrindo espaço para fala, a esculta e o desenvolvimento ...
 
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdfEBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
EBOOK GRATUITO - 5 competências es Essenciais do Mindfulness na Educação .pdf
 

Mais de João Pereira

Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorJoão Pereira
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalJoão Pereira
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorJoão Pereira
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaJoão Pereira
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma AJoão Pereira
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasJoão Pereira
 

Mais de João Pereira (20)

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
 

Último

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Relação de ajuda segundo Carkhuff

  • 1. João Miguel Pereira – Psicologia Pastoral, Seminário Conciliar de Braga, 2020 Síntese sobre a relação de ajuda, segundo Carkhuff Ajudar é, para Carkhuff, “o acto de promover numa pessoa uma mudança construtiva no comportamento, de modo a aumentar a dimensão afetiva da vida individual e a tornar possível um maior grau de controlo pessoal nas atividades que a pessoa deverá desenvolver”. Visa ajudar a pessoa a crescer em todas as próprias capacidades e potencialidades tornando-se cada vez mais ela mesma. Para isto, é necessário que a pessoa tome progressiva consciência quer das suas capacidades, quer das suas carências. Ao mesmo tempo, em linha com a corrente da psicologia humanística, deve haver uma valorização dos valores intrínsecos que a pessoa é chamada a fazer emergir desde dentro de si mesma e a progressivamente desenvolver na sua vida. Contemporaneamente deve existir o desenvolvimento das várias funções psíquicas: intelectual, afetiva, social e moral. Ajudar é facilitar o processo de aprendizagem, isto é, de mudança, no qual o individuo é o protagonista capaz de promover em si um processo de transformação e de melhoramento cujo fruto será a aquisição de novas habilidades ou conhecimentos. As instituições e as estruturas têm, por isso, uma função secundária. Neste processo de aprendizagem, o indivíduo vai buscar elementos ao próprio quadro de referência, não a modelos externos ou a disposições que venham de fora, sem serem assumidos como próprios. A aprendizagem afeta a pessoa por inteiro, todos os seus setores. A pessoa é apoiada no processo gradual, cada vez mais profundo, de exploração e conhecimento de si mesma e de um compromisso concreto cada vez mais alargado. Aqui, o acompanhante é um animador que estimula essa exploração e que conduz à tomada de decisões operativas. Ele acolhe cada elemento que emerge durante o colóquio e transforma-o em motivo de reflexão que é proposta ao indivíduo e aprofundada com sucessivas intervenções. O indivíduo deve ficar aberto e recetivo ao raciocínio cada vez mais aprofundado, bem como aos frutos que daí vão brotando, e também aos diversos feed-back que podem chegar seja do ambiente, seja do próprio mundo interior, durante e depois do colóquio. Neste colóquio, o animador deve começar por manifestar interesse, abertura e acolhimento pelo indivíduo e por aquilo que ele possa ter a dizer1 . Trata-se de um envolvimento construtivo. Esta resposta primordial do acompanhante à presença do indivíduo (acompanhado) vai estimular neste um processo de autoexploração (para chegar a esclarecer em que ponto ele se encontra em relação a si mesmo, ao próprio mundo, às pessoas para ele significativas, às situações por resolver). O animador 1 Prestar atenção fisicamente: É oportuno que seja mantida uma frequente comunicação com o olhar, embora evitando fixar continuamente a pessoa para a não colocar em embaraço. Observação e empatia: perceber os comportamentos não-verbais para compreender cada vez mais a fundo o estado de ânimo da pessoa. Isto serve para o animador formar uma primeira impressão da mesma sem constituir, ao início, uma base atendível para formular avaliações e juízos sobre a pessoa, pois deverá ser verificada em base a outros dados. Escutar com autenticidade: a pessoa, acolhida com bondade e escutada com atenção e interesse sincero, experimenta concretamente o benefício de sentir-se digna de consideração, sente-se cada vez mais interessada em continuar o colóquio e estimulada em empenhar-se para superar as dificuldades, dispondo-se finalmente a escutar o animador com igual atenção.
  • 2. vai depois “personalizar”, isto é, vai dirigindo o diálogo na direção do que lhe parece ser o cerne da questão. Ele faz isso devolvendo ao indivíduo o que lhe parece ter compreendido da mensagem2 , seja verbal ou não verbal (sentimentos e estado de espírito3 ). Isso poderá fazer-se questionando: “o que me quer dizer é que…?”; “se bem compreendi, você disse-me…?”. Estimula, assim, o indivíduo a refletir sobre si mesmo (auto-compreensão), de modo que ele compreenderá cada vez mais claramente em que ponto ele se encontra naquele momento. A pessoa é ajudada a tomar consciência do problema que a perturba, das suas potencialidades e do tipo de empenho que pode e entende assumir em relação à meta que ela mesma se propõe. Verbalizando os seus pensamentos e sentimentos, o individuo vai progressivamente conquistando uma visão mais clara sobre os mesmos, descobrindo cada vez mais profundamente o que o habita interiormente4 . As pausas densas de reflexão são positivas no colóquio: ajudam a pessoa a ir mais profundo em si mesma e no caso do acompanhante, estes silêncios são por ela percebidos como máxima atenção e interesse por ela mesma. Finalmente, o animador estimula diretamente a pessoa à ação, para iniciar o processo de recuperação, que deverá levar a mesma pessoa da situação em que se encontra no presente até às metas que os dois vão gradualmente esclarecendo e amadurecendo com unidade de intenções. É importante que a sessão termine com essa definição de uma meta e do caminho para alcança-la: “Você quer… (meta) e isso traduz-se em… (passos)”. Claro que a meta não há de ser demasiado abstrata ou idealista; tem de ser ambiciosa mas também realista (tendo em conta o ponto em que a pessoa se encontra). Ao mesmo tempo, o incentivo do animador é relevante para que a pessoa não desista antes, sequer, de tentar. Para isso, o animador pode realçar as capacidades e qualidades que o indivíduo manifestou ter durante o diálogo, apontando-as como fortes recursos para o sucesso do alcance da meta desejada. O animador não deve salientar excessivamente as carências da pessoa, contudo sem deixar de centrar nela a razão dos seus sucessos ou fracassos5 (pois há uma forte tendência para culpar os outros). Agora, o encontro pode considerar-se concluído6 . No tempo que vai até ao colóquio seguinte, a pessoa deverá empenhar-se no propósito estabelecido, ficando aberta ao feed-back que lhe chega a partir das próprias reações interiores (feed-back subjetivo) e do ambiente (feed-back objetivo), na sequência da mudança introduzida no próprio comportamento. Essas reações serão retomadas no encontro seguinte e avaliadas seguindo o mesmo processo. 2 Não se trata de um reproduzir o que se ouviu “tipo gravador”, mas sim de um modo de participação que por um lado certifica a pessoa da atenção e interesse efetivo do animador no seu problema, fazendo uma espécie de ressonância, e por outro lado oferece ao animador a possibilidade de verificar até que ponto percebeu o mundo interior do indivíduo. O animador abster-se-á de responder com elementos de interpretação, avaliação, preconceito, comentários ou adivinhar aquilo que não consegue reformular. 3 Pode acontecer que o animador não consiga individuar o sentimento de que a pessoa é animada. Nesse caso, pode questionar a pessoa sobre como se sente. É oportuno que a questão seja precedida de uma breve reformulação do conteúdo que está na base desse sentimento: “Você disse-me que … . Como é que isto o faz sentir-se?”. 4 O animador ajuda a pessoa a tomar consciência dos motivos que estão na base do seu estado de espírito. Isto confere um significado racional aos sentimentos, a pessoa consegue compreender com clareza as próprias reações, enfrentá-las, dissipar a ansiedade, fazer uma exploração ainda mais profunda empenhando-se em superar as dificuldades. 5 O animador deve poupar-se a salientar as carências ou os erros cometidos pelo sujeito no campo operativo (comportamentos, ações, intervenções, omissões, etc.), evitando colocar sob acusação as intensões ou as motivações. Ele deve estimular o indivíduo a procurar, ele mesmo, o grau de responsabilidade pessoal. 6 O ideal é o colóquio não se alongar mais que 45/50 minutos.
  • 3. Resposta do teste, Questão 3 Ao nível biológico, a sexualidade não é algo exclusivo da espécie humana. Sendo que é sobre a dimensão biológica que assenta todo o edifício da sexualidade humana, é um erro considera-la apenas do ponto de vista biológico. No que a esta dimensão se refere, a sexualidade tem duas missões: a procriativa e a do prazer. Mas a sexualidade humana está também marcada pela dimensão psicológica. Ela não é mera pulsão (instinto), em busca de prazer e de procriação (como acontece nos entes infra-humanos), mas é uma realidade dinâmica que abrange todas as dimensões da pessoa e está marcada pelo desejo de estabelecer relação entre pessoas. Nessa abertura para a relação com o outro está a grande diferença da sexualidade humana. Ela não é apenas instintiva. Por isso, ela possui uma dimensão dialógica de abertura à alteridade e todas as relações interpessoais são marcadas pela sexualidade dos humanos. Na realidade, a pessoa é um ser sexuado. Toda a sua existência está marada pela sua sexualidade, tal como as suas relações com os outros. Não há nada na personalidade de um indivíduo que não seja trespassado pela sua dimensão sexual e pela forma saudável ou enferma como a sexualidade está nele desenvolvida. Na sociedade atual verifica-se uma liberalização sexual. Todos os tabus foram desfeitos, nunca antes, como hoje, falar da sexualidade foi tão banal. O apelo à dimensão sexual do homem foi adotado como recuso útil aos média e à publicidade. Todavia, o que a sexualidade ganhou em extensão, perdeu em qualidade. A conjugação harmoniosa de sexo, eros e ágape foi reduzida apenas a um deles: ao sexo. Podemos dizer que houve uma “hipergenitalização” da sexualidade, o que faz com que a mentalidade corrente, mesmo entre os adultos, seja a de uma sexualidade infantil ou pré-adolescente. A sexualidade genitalizada (reduzida ao prazer sexual, ao impulso sexual) é utilizada como impulsionador do consumo (as campanhas de publicidade cada vez se servem mais de mecanismos de apelo à dimensão sexual: p/ex. com corpos esbeltos e cada vez mais despidos) e de alienação (utilizando o isco do sexo, o homem é pescado esquecendo-se do resto do mundo que o rodeia). É por isso necessária uma educação sexual que alargue o horizonte do homem contemporâneo de uma sexualidade genital (infantil) para uma sexualidade integral (madura). Desde logo, que consciencialize que a sexualidade humana só o é verdadeiramente humana quando aberta à dimensão meta-sexual do amor (V. Frankl). Uma sexualidade que seja reduzida à dimensão do prazer acaba por caminhar para uma frustração sexual e existencial que resulta no auto-falimento e na infelicidade. Esta educação deve nascer logo com a relação entre mãe e filho. Na primeira infância aprendem-se comportamentos que não se podem aprender mais tarde. Depois, também a relação entre os pais não pode ser escondida aos filhos: as palavras cordiais, os gestos afetuosos, a tolerância e a compreensão
  • 4. recíproca, a troca de um beijo ou um carinho, são fatores importantíssimos na pedagogia sexual. Daqui nasce a compreensão da sexualidade que não reduz o partner a mero “objeto sexual” para obtenção egoística de prazer. A sexualidade vivida de modo egoísta, como procura de prazer e não como expressão de amor origina filhos indesejados, casamentos apressados, abortos, conflitos e divórcios. É por isso urgente formar a capacidade de amar. Afinal, numa onda de inflação do sexo, da sexualidade livre, desinibida e indiscriminada, o futuro ato sexual assumirá sempre mais o valor de um aperto de mão que se dá facilmente, tantas vezes indiferenciado.