SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Modelos e Práticas Catequéticas – João Miguel Pereira, joaofreigil@hotmail.com
O processo de fé a partir da taxonomia de Bloom e do Ritual de Iniciação Cristã de Adultos
Nível Cognitivo Afetivo Volitivo Ações da Igreja RICA
1
Lembrar
O indivíduo é capaz
de debitar alguns
conceitos básicos
da fé cristã que
memorizou, mesmo
sem ainda os
entender.
Receber
O indivíduo
predispõem-se
livremente a ouvir e
a experimentar o
que outro lhe
mostra e diz sobre a
fé cristã.
Confiar
O indivíduo confia
em outro (garante)
que o introduz num
conjunto de
práticas e
conhecimentos.
Deseja imitá-lo.
Testemunho e
Kerigma
A Igreja testemunha a fé
com alegria e é
acolhedora.
Primeira exposição do
Evangelho.
O indivíduo toma um primeiro
contacto com a fé a partir da
vivência de outros (p/ex. a figura
do padrinho). Memoriza alguns
conceitos e práticas mesmo sem
ainda os entender. Predispõe-se e
deseja conhecer mais e imitar o
que vê os outros fazerem. Pode
começar a manifestar uma
incipiente prática de oração.
Pré-catecumenado
2
Entender
O indivíduo começa
a criar algumas
ligações entre os
conceitos
adquiridos que é
capaz de reproduzir
valendo-se de nova
linguagem.
Responder
O indivíduo oferece
resposta aos
estímulos
exteriores: levanta
questões, imita o
que outros fazem…
Absorver
O indivíduo
memoriza a forma
de atuar do outro e
começa a tentar
reproduzi-la.
Integração num
grupo
A Igreja aproveita as
aptidões inatas e
desejos do sujeito para o
integrar. Convite a
participar em
catequeses ao estilo da
celebração da Palavra.
O indivíduo começa a procurar
entender os conteúdos e as
práticas que presenciou,
começando também ele a praticá-
las. Manifesta vontade.
Ele começa a estabelecer ligação
entre a fé e a sua vida, aquela
começa a fazer sentido a esta:
interroga-se sobre a presença de
Deus na sua vida.
Catecumenado
3
Aplicar
O indivíduo procura
pôr em prática, na
sua vida, os
conceitos que
adquiriu e
interligou.
Valorizar
O indivíduo cria
uma pirâmide de
valores ordenando
as competências
adquiridas
conforme as suas
próprias
preferências.
Significar
O indivíduo é capaz
de optar e de
conferir sentido
próprio àquilo que
faz.
Compromisso com
a comunidade
num ministério
específico (p/ex. canto;
caridade).
Confronto da vida com
a Palavra: celebrações
penitenciais (com
confissão para os
batizados).
O indivíduo percebe que a fé tem
implicações na sua vida. Ele
começa a procurar viver e crescer
na fé e para isso insere-se no
ambiente de fé de uma
comunidade e é assíduo à oração
pessoal (relação com Deus). Ele
procura aprofundar a fé e tirar
consequências práticas para a sua
vida: confronta a vida à luz da fé.
4
Analisar
O indivíduo é capaz
de aprofundar o
conhecimento
sobre os conteúdos
que adquiriu e já
pratica a partir da
sua divisão e
compreensão das
partes.
Organizar
O individuo é capaz
de selecionar aquilo
que lhe interessa e
lhe é útil do que lhe
é menos necessário
ou supérfluo,
descartando-o.
Experienciar
O indivíduo é capaz
de pôr em prática,
por iniciativa
própria e
conscientemente,
aquilo que
apreendeu.
Compromisso
semanal
em que o indivíduo põe
em prática a Palavra de
Deus.
Participação
semanal na
Eucaristia
para escutar a Palavra
de Deus (não comunga).
Compromisso de
apostolado.
O indivíduo procura fecundar a
sua vida com a fé e testemunhar
aquilo (Aquele) em que acredita.
Desejando testemunhar a sua fé,
ele procura cooperar com a
missão evangelizadora.
Participa na liturgia onde recebe
o alimento da Palavra de Deus,
recebe as bênçãos e os
sacramentais.
5
Avaliar
O indivíduo toma
posição diante dos
conceitos
apreendidos e
compreendidos.
Caracterizar
Diante das
situações concretas
da vida, o indivíduo
é capaz de recorrer-
-se do que
aprendeu,
identificar soluções
e optar pela que lhe
parece mais
adequada.
Decidir
O sujeito é capaz de
discernir se as suas
ações estão em
consonância com os
seus valores e
princípios.
A comunidade realiza os
escrutínios.
O sujeito realiza
oração contínua
onde avalia a mudança
da sua vida e a sua
relação com Deus
(exercícios espirituais;
exame de consciência;
obras de penitência,
etc.)
Agora já não é apenas o sujeito
que diz que acredita, é também a
sua forma de viver e pensar que o
comprovam (mudança de
costumes, conhecimento
suficiente da doutrina cristã e
sentido da fé e da caridade) e a
comunidade que o ratifica
(eleição para receber os
sacramentos de iniciação).
O individuo decide fazer uma
sincera adesão à fé.
ConversãoeIluminação
6
Criar
O sujeito é capaz
de, partindo do
que aprendeu,
criar novos
conceitos e novas
formas de ação.
Abandonar-se
O sujeito já tem um
conjunto de
valores, que
considera sólido, no
qual confia
completamente e a
partir dele orienta
toda a sua vida.
Amar
O sujeito confia
totalmente naquilo
que escolheu como
sendo o melhor e a
partir disso orienta
toda a vida.
Assiduidade:
Oração
(lectio divina;
participação plena nos
sacramentos; etc)
Compromisso com
a comunidade
(caridade e
evangelização)
O individuo concretiza toda a sua
vida numa relação próxima e de
amor com Deus. Essa relação
continua a ser alimentada e
aprofundada, fecundando toda a
existência do sujeito. Diante de
novos desafios ele é capaz de criar
novas respostas permanecendo
fiel à adesão a Deus. Há uma fé
amadurecida.
Mistagogia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga FestivalSeitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga FestivalLaura Sanches
 
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.Fábio Munhoz
 
A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoJeanne Araujo
 
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aEscola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aRoseli Lemes
 
TCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da ConceiçãoTCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da ConceiçãoFábio Munhoz
 
Minuto de aliança
Minuto de aliançaMinuto de aliança
Minuto de aliançaVivianleite
 
Tcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaTcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaFábio Munhoz
 
O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?ARILMA TAVARES
 
Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...
Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...
Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...liliancostadias
 
1 pensar, sentir e agir fund i
1 pensar, sentir e agir fund i1 pensar, sentir e agir fund i
1 pensar, sentir e agir fund iLuzDoSaber1
 
Origem da escola aprendizes do evangelho
Origem da escola aprendizes do evangelhoOrigem da escola aprendizes do evangelho
Origem da escola aprendizes do evangelhoDarlene Cesar
 
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do EvangelhoO que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do EvangelhoE.A.E
 
Conhecendo o-espiritismo
Conhecendo o-espiritismoConhecendo o-espiritismo
Conhecendo o-espiritismoFlavio Oliveira
 
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...Mauricio Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga FestivalSeitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
Seitas no mundo do yoga -palestra dada no Lisbon Yoga Festival
 
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
Tcc de Denise Monteiro - Psicologia Positiva e Coaching.
 
Treinamento facilitadores
Treinamento facilitadores Treinamento facilitadores
Treinamento facilitadores
 
A arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológicoA arte do aconselhamento psicológico
A arte do aconselhamento psicológico
 
Desenvolvimento da fé
Desenvolvimento da féDesenvolvimento da fé
Desenvolvimento da fé
 
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aEscola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
 
TCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da ConceiçãoTCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
TCC. Maria do Carmo Cruz da Conceição
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Minuto de aliança
Minuto de aliançaMinuto de aliança
Minuto de aliança
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
 
( Espiritismo) # - adesio a machado - ser, crer e crescer
( Espiritismo)   # - adesio a machado - ser, crer e crescer( Espiritismo)   # - adesio a machado - ser, crer e crescer
( Espiritismo) # - adesio a machado - ser, crer e crescer
 
Tcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaTcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia Positiva
 
O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?O que sentimos sobre nos?
O que sentimos sobre nos?
 
Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...
Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...
Aula 104_Regras para a Educação, Conduta e Aperfeiçoamento dos Seres_Escola d...
 
1 pensar, sentir e agir fund i
1 pensar, sentir e agir fund i1 pensar, sentir e agir fund i
1 pensar, sentir e agir fund i
 
Origem da escola aprendizes do evangelho
Origem da escola aprendizes do evangelhoOrigem da escola aprendizes do evangelho
Origem da escola aprendizes do evangelho
 
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do EvangelhoO que é escola de Aprendizes do Evangelho
O que é escola de Aprendizes do Evangelho
 
Conhecendo o-espiritismo
Conhecendo o-espiritismoConhecendo o-espiritismo
Conhecendo o-espiritismo
 
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
Programa baha'i de vivência integral livro ii a prática da meditação no cresc...
 
Mereça ser feliz!
Mereça ser feliz!Mereça ser feliz!
Mereça ser feliz!
 

Semelhante a O processo de fé

catalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdf
catalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdfcatalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdf
catalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdfDanielProfetaCantanh
 
Explorando o Poder da Fé na Vida Cotidiana
Explorando o Poder da Fé na Vida CotidianaExplorando o Poder da Fé na Vida Cotidiana
Explorando o Poder da Fé na Vida CotidianaHeverson Luiz
 
Sugestoes2 (2) (1)
Sugestoes2 (2) (1)Sugestoes2 (2) (1)
Sugestoes2 (2) (1)Alice Lirio
 
Resenha de estudos espiritas 11
Resenha de estudos espiritas 11Resenha de estudos espiritas 11
Resenha de estudos espiritas 11MRS
 
seminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.pptseminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.pptLuiz Gomes
 
13 espiritualidade na familia
13   espiritualidade na familia13   espiritualidade na familia
13 espiritualidade na familiaPIB Penha
 
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptxRaylemDeivemRFerreir
 
Ensino 6 grupo de perseverança
Ensino 6    grupo de perseverançaEnsino 6    grupo de perseverança
Ensino 6 grupo de perseverançaministerioformacao
 
Abrangencia geral - Perseverança RCC
Abrangencia geral - Perseverança RCCAbrangencia geral - Perseverança RCC
Abrangencia geral - Perseverança RCCIsaias Moreira
 
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptxRaylemDeivemRFerreir
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipuladoJessé Lopes
 
Disciplinas espirituais
Disciplinas espirituaisDisciplinas espirituais
Disciplinas espirituaisPriscila Puga
 

Semelhante a O processo de fé (20)

catalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdf
catalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdfcatalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdf
catalogo-de-recursos-de-discipulado-no-brasil.pdf
 
Explorando o Poder da Fé na Vida Cotidiana
Explorando o Poder da Fé na Vida CotidianaExplorando o Poder da Fé na Vida Cotidiana
Explorando o Poder da Fé na Vida Cotidiana
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
 
Formação para catequistas
Formação para catequistasFormação para catequistas
Formação para catequistas
 
Sugestoes2 (2) (1)
Sugestoes2 (2) (1)Sugestoes2 (2) (1)
Sugestoes2 (2) (1)
 
aconselhamento.ppt
aconselhamento.pptaconselhamento.ppt
aconselhamento.ppt
 
Resenha de estudos espiritas 11
Resenha de estudos espiritas 11Resenha de estudos espiritas 11
Resenha de estudos espiritas 11
 
Espiritualidade e mistagogia
Espiritualidade e mistagogiaEspiritualidade e mistagogia
Espiritualidade e mistagogia
 
seminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.pptseminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
 
13 espiritualidade na familia
13   espiritualidade na familia13   espiritualidade na familia
13 espiritualidade na familia
 
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
 
Ensino 6 grupo de perseverança
Ensino 6    grupo de perseverançaEnsino 6    grupo de perseverança
Ensino 6 grupo de perseverança
 
Abrangencia geral - Perseverança RCC
Abrangencia geral - Perseverança RCCAbrangencia geral - Perseverança RCC
Abrangencia geral - Perseverança RCC
 
Igreja saudavel
Igreja saudavelIgreja saudavel
Igreja saudavel
 
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
4aulaadministacaoeliderancacristacometica-180928210154.pptx
 
E-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdf
E-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdfE-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdf
E-BOOK ACONSELHAMENTO CRISTÃO.pdf
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
 
Disciplinas espirituais
Disciplinas espirituaisDisciplinas espirituais
Disciplinas espirituais
 
Tarefas atuais da teologia
Tarefas atuais da teologiaTarefas atuais da teologia
Tarefas atuais da teologia
 
Curso superior de teologia à distância 4
Curso superior de teologia à distância 4Curso superior de teologia à distância 4
Curso superior de teologia à distância 4
 

Mais de João Pereira

Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorJoão Pereira
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalJoão Pereira
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorJoão Pereira
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaJoão Pereira
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaJoão Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaJoão Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzJoão Pereira
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma AJoão Pereira
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano AJoão Pereira
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasJoão Pereira
 

Mais de João Pereira (20)

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
 

Último

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 

Último (20)

Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 

O processo de fé

  • 1. Modelos e Práticas Catequéticas – João Miguel Pereira, joaofreigil@hotmail.com O processo de fé a partir da taxonomia de Bloom e do Ritual de Iniciação Cristã de Adultos Nível Cognitivo Afetivo Volitivo Ações da Igreja RICA 1 Lembrar O indivíduo é capaz de debitar alguns conceitos básicos da fé cristã que memorizou, mesmo sem ainda os entender. Receber O indivíduo predispõem-se livremente a ouvir e a experimentar o que outro lhe mostra e diz sobre a fé cristã. Confiar O indivíduo confia em outro (garante) que o introduz num conjunto de práticas e conhecimentos. Deseja imitá-lo. Testemunho e Kerigma A Igreja testemunha a fé com alegria e é acolhedora. Primeira exposição do Evangelho. O indivíduo toma um primeiro contacto com a fé a partir da vivência de outros (p/ex. a figura do padrinho). Memoriza alguns conceitos e práticas mesmo sem ainda os entender. Predispõe-se e deseja conhecer mais e imitar o que vê os outros fazerem. Pode começar a manifestar uma incipiente prática de oração. Pré-catecumenado 2 Entender O indivíduo começa a criar algumas ligações entre os conceitos adquiridos que é capaz de reproduzir valendo-se de nova linguagem. Responder O indivíduo oferece resposta aos estímulos exteriores: levanta questões, imita o que outros fazem… Absorver O indivíduo memoriza a forma de atuar do outro e começa a tentar reproduzi-la. Integração num grupo A Igreja aproveita as aptidões inatas e desejos do sujeito para o integrar. Convite a participar em catequeses ao estilo da celebração da Palavra. O indivíduo começa a procurar entender os conteúdos e as práticas que presenciou, começando também ele a praticá- las. Manifesta vontade. Ele começa a estabelecer ligação entre a fé e a sua vida, aquela começa a fazer sentido a esta: interroga-se sobre a presença de Deus na sua vida. Catecumenado 3 Aplicar O indivíduo procura pôr em prática, na sua vida, os conceitos que adquiriu e interligou. Valorizar O indivíduo cria uma pirâmide de valores ordenando as competências adquiridas conforme as suas próprias preferências. Significar O indivíduo é capaz de optar e de conferir sentido próprio àquilo que faz. Compromisso com a comunidade num ministério específico (p/ex. canto; caridade). Confronto da vida com a Palavra: celebrações penitenciais (com confissão para os batizados). O indivíduo percebe que a fé tem implicações na sua vida. Ele começa a procurar viver e crescer na fé e para isso insere-se no ambiente de fé de uma comunidade e é assíduo à oração pessoal (relação com Deus). Ele procura aprofundar a fé e tirar consequências práticas para a sua vida: confronta a vida à luz da fé. 4 Analisar O indivíduo é capaz de aprofundar o conhecimento sobre os conteúdos que adquiriu e já pratica a partir da sua divisão e compreensão das partes. Organizar O individuo é capaz de selecionar aquilo que lhe interessa e lhe é útil do que lhe é menos necessário ou supérfluo, descartando-o. Experienciar O indivíduo é capaz de pôr em prática, por iniciativa própria e conscientemente, aquilo que apreendeu. Compromisso semanal em que o indivíduo põe em prática a Palavra de Deus. Participação semanal na Eucaristia para escutar a Palavra de Deus (não comunga). Compromisso de apostolado. O indivíduo procura fecundar a sua vida com a fé e testemunhar aquilo (Aquele) em que acredita. Desejando testemunhar a sua fé, ele procura cooperar com a missão evangelizadora. Participa na liturgia onde recebe o alimento da Palavra de Deus, recebe as bênçãos e os sacramentais. 5 Avaliar O indivíduo toma posição diante dos conceitos apreendidos e compreendidos. Caracterizar Diante das situações concretas da vida, o indivíduo é capaz de recorrer- -se do que aprendeu, identificar soluções e optar pela que lhe parece mais adequada. Decidir O sujeito é capaz de discernir se as suas ações estão em consonância com os seus valores e princípios. A comunidade realiza os escrutínios. O sujeito realiza oração contínua onde avalia a mudança da sua vida e a sua relação com Deus (exercícios espirituais; exame de consciência; obras de penitência, etc.) Agora já não é apenas o sujeito que diz que acredita, é também a sua forma de viver e pensar que o comprovam (mudança de costumes, conhecimento suficiente da doutrina cristã e sentido da fé e da caridade) e a comunidade que o ratifica (eleição para receber os sacramentos de iniciação). O individuo decide fazer uma sincera adesão à fé. ConversãoeIluminação 6 Criar O sujeito é capaz de, partindo do que aprendeu, criar novos conceitos e novas formas de ação. Abandonar-se O sujeito já tem um conjunto de valores, que considera sólido, no qual confia completamente e a partir dele orienta toda a sua vida. Amar O sujeito confia totalmente naquilo que escolheu como sendo o melhor e a partir disso orienta toda a vida. Assiduidade: Oração (lectio divina; participação plena nos sacramentos; etc) Compromisso com a comunidade (caridade e evangelização) O individuo concretiza toda a sua vida numa relação próxima e de amor com Deus. Essa relação continua a ser alimentada e aprofundada, fecundando toda a existência do sujeito. Diante de novos desafios ele é capaz de criar novas respostas permanecendo fiel à adesão a Deus. Há uma fé amadurecida. Mistagogia