SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
DISCIPLINA: NEUROCARDIO
PROFESSORA: LAYSLA GABRIELLE
ACADÊMICA:KATHERINE RODRIGUES DO AMARAL
TRABALHO: TRATAMENTO FISIOTERAPEUTICO DE AVE
O acidente vascular encefálico acontece quando há uma disfunção
neurológica de origem vascular. caracteriza-se pela obstrução e rompimento de
sangue no encéfalo. sendo assim, pode ser categorizado em isquêmico ou
hemorrágico
O AVE isquêmico ocorre com mais frequência, fisiologicamente é quando há
uma obstrução de um vaso sanguíneo e dessa forma, o fluxo para as células
cerebrais é bloqueado, impedindo que os nutrientes e oxigênio cheguem à
determinada área do encéfalo
Já no ave hemorrágico é quando há ruptura de um vaso sanguíneo, com
consequente sangramento na área da ruptura, ocorrendo hemorragia em algum
determinado ponto do tecido cerebral
 A hemiparesia é uma das principais sequelas causadas pelo ave, acometida
por uma paralisia motora parcial, isso ocorre em razão da lesão do neurônio
motor superior. esse distúrbio pode causar redução de estabilidade, disfunção
sensorial, afasia ou a disartria, a visão, o comprometimento metal e intelectual
e na maioria dos casos a perda no equilíbrio
 A reabilitação é baseada em inúmeras abordagens fisioterápicas que
abrangem a avaliação, cognição, motora, prescrição e confecção de órtese,
com o intuito de oferecer qualidade de vida para o paciente.
 Na reabilitação na fisioterapia de pacientes pós ave, analisando métodos e
condutas, utilizados na restauração do equilíbrio na marcha, bem estar físico,
funcional e social dos pacientes e dessa forma melhorar a qualidade de vida
dos pacientes
 Para ganhar amplitude de movimento, alongamentos em todos os planos de
movimento devem ser realizados, sempre respeitando a dor e o limite de cada
paciente.
 Caso o paciente apresente a subluxação, exercícios de fortalecimento de
músculos do manguito rotador e ombro no geral devem ser realizados.
mobilizações passivas, facilitação neuromuscular proprioceptiva (fnp),
estimulação elétrica neurofuncional (fes), bobath e hidroterapia são excelentes
recursos. as órteses e as bandagens elásticas podem ser utilizadas para
auxiliar o correto posicionamento do ombro.
 Para treinar a marcha são indicados exercícios nas barras paralelas, subidas e
descidas de rampas e degraus.
 Para treino de memória cinestésica, exercícios sincronizados para membros
superiores, exercícios ativos ou ativos-assistidos com bastão, bola e na
roldana.
 E para estimular o reaprendizado motor, deve-se solicitar ao paciente que
realize os exercícios mentalizando o movimento.
Exercícios fundamentais no tratamento fisioterapêutico
 Alongamentos
 Fortalecimento muscular: recursos como fes e a corrente russa também
podem ser utilizados no processo de fortalecimento muscular.
 Treino de sensibilidade e propriocepção
 Realizar tapping de deslizamento com calor e frio, escovação e realizar
exercícios táteis com diferentes texturas auxiliam no retorno da sensibilidade
 Treino de marcha o treino de marcha deve ser começado logo quando o
paciente sair da fase aguda (flacidez), começando inicialmente apenas com
ortostatismo, para estimular a descarga de peso do lado acometido.
 Com a evolução, o treino de marcha deve-se começar inicialmente nas barras
paralelas e ir evoluindo para andador e muleta, caso o paciente apresente
prognóstico de marcha.
Bibliografia
 SCHENKMAN, M ET AL. NEUROCIÊNCIA CLÍNICA E REABILITAÇÃO.
1ªED. SÃO PAULO: MANOLE, 2016. 731P.
 BERTOLUCCI, P.H.F ET AL. NEUROLOGIA: DIAGNÓSTICO E
TRATAMENTO. 2ªED. SÃO PAULO: MANOLE, 2016. 1301P.
 PIASSAROLI, C. A. P ET AL. MODELOS DE REABILITAÇÃO
FISIOTERÁPICA EM PACIENTES ADULTOS COM SEQUELAS DE AVC
ISQUÊMICO. REVISTA NEUROCIÊNCIAS, SÃO PAULO, 20, N. 1, P. 128-
137, 2012.
 CAMPION, M.R. HIDROTERAPIA: PRINCÍPIOS E PRÁTICA. 1ªED. SÃO
PAULO: MANOLE, 2000. 325P.
 JUNIOR, A.S.L; LIMA, A.M; SILVA, T.G. ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS
FISIOTERAPEUTAS NA REABILITAÇÃO DO PACIENTE VÍTIMA DE
ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. REVISTA INTERDISCIPLINAR,
PIAUÍ, 9, N. 1, P. 179-184, 2016.
 BEZERRA, M.V.A ET AL. BENEFÍCIOS DA HIDROTERAPIA NOS
PACIENTES PORTADORES DE SEQUELA DE ACIDENTE VASCULAR
CEREBRAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA. SAÚDE (SANTA MARIA), P.
7-14, 2016.
 SILVA, A.L.S; MOREIRA, J.S. VERTIGEM: A ABORDAGEM DA
FISIOTERAPIA. REVISTA FISIOTERAPIA BRASIL, PIAUÍ, 1, N. 2, P. 91-97,
2000.
 ROGATTO, A.R.D ET AL. PROPOSTA DE UM PROTOCOLO PARA
REABILITAÇÃO VESTIBULAR EM VESTIBULOPATIAS PERIFÉRICAS.
REVISTA FISIOTERAPIA EM MOVIMENTO, CURITIBA, 23, N. 1, P. 83-91,
2000.
 NORVING, B; KISSELA, B. O FARDO GLOBAL DO AVC E A
NECESSIDADE DE CUIDADOS
CONTÍNUOS. DIRETRIZES DE ATENÇÃO A REABILITAÇÃO DA PESSOA
COM AVE. 2013.
Fisioterapia pós-AVE: métodos e exercícios

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Fisioterapia pós-AVE: métodos e exercícios

See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaSee assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaWesley Rogerio
 
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebralA musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebralMichelle de Melo Ferreira
 
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebralTreinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebralJoannaRita
 
Consenso nacional-de-ressucitacao
Consenso nacional-de-ressucitacaoConsenso nacional-de-ressucitacao
Consenso nacional-de-ressucitacaoTiziane Rogerio
 
Aplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat EspondilieteAplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat EspondilieteAcquanews
 
Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia
Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia
Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia Elisangela Helena Felizardo
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoCarly Glaser
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoLarissa20088
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxiaFisioterapeuta
 
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...Fisioterapeuta
 
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitosEbook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitosMaster - Science Lab
 
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2005 Revista Neurociencias 28 07 05 Pag 4 E 38
2005   Revista Neurociencias 28 07 05  Pag  4 E 382005   Revista Neurociencias 28 07 05  Pag  4 E 38
2005 Revista Neurociencias 28 07 05 Pag 4 E 38Acquanews
 
Hidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebralHidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebralValmir Lira
 

Semelhante a Fisioterapia pós-AVE: métodos e exercícios (20)

Artigo bioterra v16_n2_07
Artigo bioterra v16_n2_07Artigo bioterra v16_n2_07
Artigo bioterra v16_n2_07
 
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaSee assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
 
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebralA musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
 
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebralTreinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
 
Consenso nacional-de-ressucitacao
Consenso nacional-de-ressucitacaoConsenso nacional-de-ressucitacao
Consenso nacional-de-ressucitacao
 
Palestra SVV Cref
Palestra SVV CrefPalestra SVV Cref
Palestra SVV Cref
 
Aplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat EspondilieteAplic Water Pilat Espondiliete
Aplic Water Pilat Espondiliete
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia
Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia
Síndrome de Legg Calve Perther Trabalho de ortopedia
 
Síndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamentoSíndrome do esmagamento
Síndrome do esmagamento
 
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro CirúrgicoManual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
Manual de Condutas do Pronto Socorro Cirúrgico
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
 
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
 
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitosEbook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
 
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
 
2005 Revista Neurociencias 28 07 05 Pag 4 E 38
2005   Revista Neurociencias 28 07 05  Pag  4 E 382005   Revista Neurociencias 28 07 05  Pag  4 E 38
2005 Revista Neurociencias 28 07 05 Pag 4 E 38
 
Hidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebralHidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebral
 
Quiropraxia básica
Quiropraxia básicaQuiropraxia básica
Quiropraxia básica
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Cartilha Acidente Vascular Cerebral
Cartilha Acidente Vascular CerebralCartilha Acidente Vascular Cerebral
Cartilha Acidente Vascular Cerebral
 

Último

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Fisioterapia pós-AVE: métodos e exercícios

  • 1. DISCIPLINA: NEUROCARDIO PROFESSORA: LAYSLA GABRIELLE ACADÊMICA:KATHERINE RODRIGUES DO AMARAL TRABALHO: TRATAMENTO FISIOTERAPEUTICO DE AVE O acidente vascular encefálico acontece quando há uma disfunção neurológica de origem vascular. caracteriza-se pela obstrução e rompimento de sangue no encéfalo. sendo assim, pode ser categorizado em isquêmico ou hemorrágico O AVE isquêmico ocorre com mais frequência, fisiologicamente é quando há uma obstrução de um vaso sanguíneo e dessa forma, o fluxo para as células cerebrais é bloqueado, impedindo que os nutrientes e oxigênio cheguem à determinada área do encéfalo Já no ave hemorrágico é quando há ruptura de um vaso sanguíneo, com consequente sangramento na área da ruptura, ocorrendo hemorragia em algum determinado ponto do tecido cerebral  A hemiparesia é uma das principais sequelas causadas pelo ave, acometida por uma paralisia motora parcial, isso ocorre em razão da lesão do neurônio motor superior. esse distúrbio pode causar redução de estabilidade, disfunção sensorial, afasia ou a disartria, a visão, o comprometimento metal e intelectual e na maioria dos casos a perda no equilíbrio  A reabilitação é baseada em inúmeras abordagens fisioterápicas que abrangem a avaliação, cognição, motora, prescrição e confecção de órtese, com o intuito de oferecer qualidade de vida para o paciente.  Na reabilitação na fisioterapia de pacientes pós ave, analisando métodos e condutas, utilizados na restauração do equilíbrio na marcha, bem estar físico, funcional e social dos pacientes e dessa forma melhorar a qualidade de vida dos pacientes
  • 2.  Para ganhar amplitude de movimento, alongamentos em todos os planos de movimento devem ser realizados, sempre respeitando a dor e o limite de cada paciente.  Caso o paciente apresente a subluxação, exercícios de fortalecimento de músculos do manguito rotador e ombro no geral devem ser realizados. mobilizações passivas, facilitação neuromuscular proprioceptiva (fnp), estimulação elétrica neurofuncional (fes), bobath e hidroterapia são excelentes recursos. as órteses e as bandagens elásticas podem ser utilizadas para auxiliar o correto posicionamento do ombro.  Para treinar a marcha são indicados exercícios nas barras paralelas, subidas e descidas de rampas e degraus.  Para treino de memória cinestésica, exercícios sincronizados para membros superiores, exercícios ativos ou ativos-assistidos com bastão, bola e na roldana.  E para estimular o reaprendizado motor, deve-se solicitar ao paciente que realize os exercícios mentalizando o movimento. Exercícios fundamentais no tratamento fisioterapêutico  Alongamentos  Fortalecimento muscular: recursos como fes e a corrente russa também podem ser utilizados no processo de fortalecimento muscular.  Treino de sensibilidade e propriocepção  Realizar tapping de deslizamento com calor e frio, escovação e realizar exercícios táteis com diferentes texturas auxiliam no retorno da sensibilidade  Treino de marcha o treino de marcha deve ser começado logo quando o paciente sair da fase aguda (flacidez), começando inicialmente apenas com ortostatismo, para estimular a descarga de peso do lado acometido.  Com a evolução, o treino de marcha deve-se começar inicialmente nas barras paralelas e ir evoluindo para andador e muleta, caso o paciente apresente prognóstico de marcha.
  • 3. Bibliografia  SCHENKMAN, M ET AL. NEUROCIÊNCIA CLÍNICA E REABILITAÇÃO. 1ªED. SÃO PAULO: MANOLE, 2016. 731P.  BERTOLUCCI, P.H.F ET AL. NEUROLOGIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. 2ªED. SÃO PAULO: MANOLE, 2016. 1301P.  PIASSAROLI, C. A. P ET AL. MODELOS DE REABILITAÇÃO FISIOTERÁPICA EM PACIENTES ADULTOS COM SEQUELAS DE AVC ISQUÊMICO. REVISTA NEUROCIÊNCIAS, SÃO PAULO, 20, N. 1, P. 128- 137, 2012.  CAMPION, M.R. HIDROTERAPIA: PRINCÍPIOS E PRÁTICA. 1ªED. SÃO PAULO: MANOLE, 2000. 325P.  JUNIOR, A.S.L; LIMA, A.M; SILVA, T.G. ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS FISIOTERAPEUTAS NA REABILITAÇÃO DO PACIENTE VÍTIMA DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. REVISTA INTERDISCIPLINAR, PIAUÍ, 9, N. 1, P. 179-184, 2016.  BEZERRA, M.V.A ET AL. BENEFÍCIOS DA HIDROTERAPIA NOS PACIENTES PORTADORES DE SEQUELA DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA. SAÚDE (SANTA MARIA), P. 7-14, 2016.  SILVA, A.L.S; MOREIRA, J.S. VERTIGEM: A ABORDAGEM DA FISIOTERAPIA. REVISTA FISIOTERAPIA BRASIL, PIAUÍ, 1, N. 2, P. 91-97, 2000.  ROGATTO, A.R.D ET AL. PROPOSTA DE UM PROTOCOLO PARA REABILITAÇÃO VESTIBULAR EM VESTIBULOPATIAS PERIFÉRICAS. REVISTA FISIOTERAPIA EM MOVIMENTO, CURITIBA, 23, N. 1, P. 83-91, 2000.  NORVING, B; KISSELA, B. O FARDO GLOBAL DO AVC E A NECESSIDADE DE CUIDADOS CONTÍNUOS. DIRETRIZES DE ATENÇÃO A REABILITAÇÃO DA PESSOA COM AVE. 2013.