SlideShare uma empresa Scribd logo

Síndrome do esmagamento

Carly Glaser
Carly Glaser
Carly Glaser-- em IAMSPE - Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual

Síndrome compartimental, apresentação de TCC

Síndrome do esmagamento

1 de 23
Baixar para ler offline
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE
ENFERMAGEM AO PORTADOR
SÍNDROME DO ESMAGAMENTO
CARLY MARTINS GLASER
INTRODUÇÃO
 Síndrome do esmagamento é causada por um trauma
vascular com esmagamento de algum membro.
 A musculatura dos membros inferiores e superiores são
envoltos por uma membrana chamada aponeurose que é
deformável e inelástica que através de uma forte compressão
causa o aumento da pressão intracompartimental.
 A pressão acima de 20mmHg, supera a pressão intravascular
e interrompendo o fluxo sanguíneo.
 Levando á isquemia, acidose metabólica, hipercalemia,
insuficiência renal aguda, rabdomiólise traumática e por fim
o choque e caso não identificada e tratada com antecedência
leva a morte (Knobele, 2006).
INTRODUÇÃO
 Os sinais e sintomas podem apresentar de 4 á 6 horas e
também de forma tardia entre 48 á 96 horas após o trauma.
 O enfermeiro por estar ao lado do paciente, acompanhando
o seu quadro de evolução pode identificar precocemente os
sinais e sintomas que apresenta.
 Caso evolua para a síndrome do esmagamento, o enfermeiro
atua aferindo a pressão intracompartimental da musculatura,
avaliando os sinais e sintomas.
 Prevenindo as complicações como a insuficiência renal
aguda, a rabdomiólise e a necrose muscular.
OBJETIVO
GERAL
 Identificar a atuação do enfermeiro ao paciente portador da
Síndrome do Esmagamento
ESPECÍFICOS
 Descrever a fisiopatologia da síndrome do esmagamento;
 Relatar os sinais e sintomas;
 Mostrar o diagnóstico e o tratamento da síndrome do
esmagamento;
 Demonstrar o papel do enfermeiro frente ao paciente com
síndrome do esmagamento.
METODOLOGIA
 Trata-se de uma pesquisa bibliográfica de natureza
descritiva, onde foi feito um estudo retrospectivo,
exploratório por meio de busca por artigos científicos nas
bases de dados: LILACS, Scielo, Medline, hospedados no site
da Bireme e pelo site ACM (Associação Catarinense de
Medicina). Consultando também o acervo bibliográfico da
universidade Uniban/Anhanguera de São Paulo.
 Foram utilizadas literaturas abrangendo período entre 2002 á
2012, sendo as anteriores a este período utilizado por serem
relevantes a este trabalho.
 Palavras chaves: Síndrome do Esmagamento e síndrome
compartimental.
DEFINIÇÃO
 Esta síndrome é definida como uma grave manifestação
sistêmica de trauma e isquemia nos tecidos moles,
principalmente o músculo esquelético.
 Descrita pela primeira vez em 1872 por Richard Von
Volkmann, que descreveu contraturas dos músculos do
antebraço em reduções fechadas de fraturas de cotovelos,
resultante de necrose e isquemia muscular.
 Reconhecida em 1909 após o terremoto de Messina e durante
a Primeira Guerra Mundial.
 Descrita em Inglês pela primeira vez em 1941.
Anúncio

Recomendados

Trauma músculo esquelético
Trauma  músculo esqueléticoTrauma  músculo esquelético
Trauma músculo esqueléticoCamila Faustino
 
25ª aula trauma abdominal Silvio
25ª aula   trauma abdominal Silvio25ª aula   trauma abdominal Silvio
25ª aula trauma abdominal SilvioProf Silvio Rosa
 
Síndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalSíndrome Compartimental
Síndrome CompartimentalMarcus Murata
 
Choque
ChoqueChoque
Choquedapab
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptxSocorro Carneiro
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFJanaína Lassala
 
Atendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAtendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAndré Cipriano
 
Pratica de Prim. Socorros
Pratica de Prim. SocorrosPratica de Prim. Socorros
Pratica de Prim. SocorrosCursosEADFox
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoBrenda Lahlou
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesLucas Fontes
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Shirley Rodrigues
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgicaresenfe2013
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularÁgatha Mayara
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - CompletaSMS - Petrópolis
 
Instrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficialInstrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficialEliete Santos
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacasdapab
 
24ª aula trauma de tórax Silvio
24ª aula   trauma de tórax Silvio24ª aula   trauma de tórax Silvio
24ª aula trauma de tórax SilvioProf Silvio Rosa
 

Mais procurados (20)

Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
 
Atendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAtendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizado
 
Pratica de Prim. Socorros
Pratica de Prim. SocorrosPratica de Prim. Socorros
Pratica de Prim. Socorros
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Aneurisma Cerebral
Aneurisma CerebralAneurisma Cerebral
Aneurisma Cerebral
 
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
Estratégia Multimodal da OMS para Higienização das mãos e Degermação cirúrgica
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Instrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficialInstrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficial
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
 
Protocolo feridas rs
Protocolo feridas rsProtocolo feridas rs
Protocolo feridas rs
 
24ª aula trauma de tórax Silvio
24ª aula   trauma de tórax Silvio24ª aula   trauma de tórax Silvio
24ª aula trauma de tórax Silvio
 

Destaque (17)

Sindrome compartimental
Sindrome compartimentalSindrome compartimental
Sindrome compartimental
 
Sindrome compartimental
Sindrome compartimentalSindrome compartimental
Sindrome compartimental
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 
Sindrome compartimental
Sindrome compartimentalSindrome compartimental
Sindrome compartimental
 
Sindrome Compartimental
Sindrome CompartimentalSindrome Compartimental
Sindrome Compartimental
 
Rabdomiolise hcm 2015
Rabdomiolise hcm 2015Rabdomiolise hcm 2015
Rabdomiolise hcm 2015
 
Palestra oficial traumas
Palestra oficial  traumasPalestra oficial  traumas
Palestra oficial traumas
 
Sindrome Compartimental Abdominal
Sindrome Compartimental AbdominalSindrome Compartimental Abdominal
Sindrome Compartimental Abdominal
 
trauma de extremidades
trauma de extremidadestrauma de extremidades
trauma de extremidades
 
Sindrome compartimental
Sindrome compartimentalSindrome compartimental
Sindrome compartimental
 
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RSProtocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
Protocolo Acolhimento HNSC Tapes/RS
 
cinematica do truma
cinematica do trumacinematica do truma
cinematica do truma
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Trauma de extremidades
Trauma de extremidadesTrauma de extremidades
Trauma de extremidades
 
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Trauma musculoesquelético
Trauma musculoesqueléticoTrauma musculoesquelético
Trauma musculoesquelético
 

Semelhante a Síndrome do esmagamento

TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESdouglas870578
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01adrianomedico
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombarEstenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombaradrianomedico
 
Diagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartritesDiagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartritespauloalambert
 
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologiaAbordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologiaSimone Regina Grando
 
Artigos mais saude capsulite adesiva
Artigos mais saude   capsulite adesivaArtigos mais saude   capsulite adesiva
Artigos mais saude capsulite adesivagvirtual
 
Ulcera Venosa e IPTB
Ulcera Venosa e IPTBUlcera Venosa e IPTB
Ulcera Venosa e IPTBUnivas
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosRocha Neto
 
Cuidado com aneurisma
Cuidado com aneurismaCuidado com aneurisma
Cuidado com aneurismaenfmarcelo
 
Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786
Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786
Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786Carine Marinho
 
Insuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do AdultoInsuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do AdultoEnfº Ícaro Araújo
 
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaSee assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaWesley Rogerio
 

Semelhante a Síndrome do esmagamento (20)

Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
Estenose do canal vertebral cervical e lombar 01
 
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombarEstenose do canal vertebral cervical e lombar
Estenose do canal vertebral cervical e lombar
 
Diagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartritesDiagnóstico diferencial das poliartrites
Diagnóstico diferencial das poliartrites
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 
Lombalgia aguda
Lombalgia agudaLombalgia aguda
Lombalgia aguda
 
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologiaAbordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
Abordagem de pacientes com úlcera da perna de etiologia
 
Artigos mais saude capsulite adesiva
Artigos mais saude   capsulite adesivaArtigos mais saude   capsulite adesiva
Artigos mais saude capsulite adesiva
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Ulcera Venosa e IPTB
Ulcera Venosa e IPTBUlcera Venosa e IPTB
Ulcera Venosa e IPTB
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Cuidado com aneurisma
Cuidado com aneurismaCuidado com aneurisma
Cuidado com aneurisma
 
Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786
Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786
Www.scielo.br pdf ramb_v50n2_20786
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 
Insuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do AdultoInsuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do Adulto
 
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensivaSee assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
See assistencia enfermagem_em_pacientes_perioperatorio_terapia_intensiva
 
Mão Reumatóide
Mão Reumatóide Mão Reumatóide
Mão Reumatóide
 
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
 

Último

amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdfBrunnaHolanda
 
ciências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicociências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicopamelacastro71
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!lojadropch
 
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalComo diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalsauljunior
 
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOCOMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOMr. Johnny Bispo
 

Último (7)

amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf
 
ciências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicociências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologico
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
 
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalComo diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
 
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOCOMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
 

Síndrome do esmagamento

  • 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PORTADOR SÍNDROME DO ESMAGAMENTO CARLY MARTINS GLASER
  • 2. INTRODUÇÃO  Síndrome do esmagamento é causada por um trauma vascular com esmagamento de algum membro.  A musculatura dos membros inferiores e superiores são envoltos por uma membrana chamada aponeurose que é deformável e inelástica que através de uma forte compressão causa o aumento da pressão intracompartimental.  A pressão acima de 20mmHg, supera a pressão intravascular e interrompendo o fluxo sanguíneo.  Levando á isquemia, acidose metabólica, hipercalemia, insuficiência renal aguda, rabdomiólise traumática e por fim o choque e caso não identificada e tratada com antecedência leva a morte (Knobele, 2006).
  • 3. INTRODUÇÃO  Os sinais e sintomas podem apresentar de 4 á 6 horas e também de forma tardia entre 48 á 96 horas após o trauma.  O enfermeiro por estar ao lado do paciente, acompanhando o seu quadro de evolução pode identificar precocemente os sinais e sintomas que apresenta.  Caso evolua para a síndrome do esmagamento, o enfermeiro atua aferindo a pressão intracompartimental da musculatura, avaliando os sinais e sintomas.  Prevenindo as complicações como a insuficiência renal aguda, a rabdomiólise e a necrose muscular.
  • 4. OBJETIVO GERAL  Identificar a atuação do enfermeiro ao paciente portador da Síndrome do Esmagamento ESPECÍFICOS  Descrever a fisiopatologia da síndrome do esmagamento;  Relatar os sinais e sintomas;  Mostrar o diagnóstico e o tratamento da síndrome do esmagamento;  Demonstrar o papel do enfermeiro frente ao paciente com síndrome do esmagamento.
  • 5. METODOLOGIA  Trata-se de uma pesquisa bibliográfica de natureza descritiva, onde foi feito um estudo retrospectivo, exploratório por meio de busca por artigos científicos nas bases de dados: LILACS, Scielo, Medline, hospedados no site da Bireme e pelo site ACM (Associação Catarinense de Medicina). Consultando também o acervo bibliográfico da universidade Uniban/Anhanguera de São Paulo.  Foram utilizadas literaturas abrangendo período entre 2002 á 2012, sendo as anteriores a este período utilizado por serem relevantes a este trabalho.  Palavras chaves: Síndrome do Esmagamento e síndrome compartimental.
  • 6. DEFINIÇÃO  Esta síndrome é definida como uma grave manifestação sistêmica de trauma e isquemia nos tecidos moles, principalmente o músculo esquelético.  Descrita pela primeira vez em 1872 por Richard Von Volkmann, que descreveu contraturas dos músculos do antebraço em reduções fechadas de fraturas de cotovelos, resultante de necrose e isquemia muscular.  Reconhecida em 1909 após o terremoto de Messina e durante a Primeira Guerra Mundial.  Descrita em Inglês pela primeira vez em 1941.
  • 7. ETIOLOGIA  O mais comum é ocorrer em membros inferiores do que nos superiores ou em outra parte do corpo.  As causas mais comuns são:  Trauma vascular com esmagamento do membro;  obstrução arterial aguda de membros;  obstrução de reconstrução arterial prévia;  pinçamento com oclusão temporária em reconstrução vascular;  canulação arterial durante bypass cardiopulmonar;  extensos traumatismos musculares  extensas fraturas ortopédicas.
  • 8. ETIOLOGIA  E mais raramente esta síndrome pode ocorrer;  Após esforço intenso em pacientes diabéticos;  Operações ortopédicas, urológicas e ginecológicas;  Uso de determinadas medicações;  Picadas de animais peçonhentos.  Estas situações tem em comum a ocorrência de esquemia muscular sendo reversível ou não, podendo ocorrer á necrose muscular em que a essência da fisiopatologia reside nas alterações da permeabilidade da membrana muscular e da presença de conteúdo intracelular na corrente sanguínea (Knobele 2006).
  • 9. FISIOPATOLOGIA  A perna e o braço como um todo são compartimentos musculares envoltos por aponeurose, que é deformável, porém inelástica.  Qualquer aumento de pressão desses compartimentos leva ao comprometimento do retorno venoso, seguido ao comprometimento do fluxo arterial.  Há agressão inicial provoca o dano celular e aumenta a permeabilidade capilar.  Acentuando edema na região acometida acarretando sofrimento circulatório, instabilidade hemodinâmica e choque, (Azevedo, 2007).
  • 10. Dano celular Permeabilidade capilar Edema Da pressão intracompartimental Perfusão capilar interrompida Distribuição de O2 Instabilidade Hemodinâmica Isquemia; Acidose Metabólica; IRA; Hipercalemia; Choque
  • 11. SINAIS E SINTOMAS  As manifestações clínicas podem apresentar-se de quatro a seis horas após uma lesão inicial ou em uma forma mais tardia 48-96 horas e os sinais e sintomas são:  Pain;  Pressão;  Parestesia;  Paralisia;  Pulso arterial ausente;  Palidez.
  • 12. DIAGNÓSTICO  Quando há suspeita da SE deve realizar:  Exame físico;  Realizar a medição da circunferência do membro;  Aferir a pressão intracompartimental de cada compartimento envolvido;
  • 14. DIAGNÓSTICO Pressões 0 á 15 mmHg Normal 20mmHg Avaliação dos sinais e sintomas 30mmHg Alteração 20 á 30mmHg Zona Cinzenta
  • 15. TRATAMENTO  É crítico que a SE em desenvolvimento seja reconhecida precocemente, pois a disfunção neuromuscular é reversível quando tratada prontamente.  A rápida intervenção no sentido de revascularizar a extremidade traumatizada é mandatória para a prevenção da necrose muscular.
  • 16. TRATAMENTO Soluções Alcalinas Hidratação Manitol Dialíticos  A administração deve ser iniciada assim que a SE seja reconhecida;  Deve continuar sendo administrada até quando o PH se normalizar.  Hiper-hidratação;  Garantir a diurese entre 0,5 a 1ml/Kg/hr.  De forma contínua;  Compensação eletrolítica;  Reduzindo o edema pós revascularização;  Efeito citoprotetor;  Evita a necrose tecidual.  Deve ser utilizado caso houver diagnóstico IRA.
  • 17. TRATAMENTO  FASCIOTOMIA  Avaliação  É causado um dano menor para evitar dano maior  Curativo  Conduta pós operatória
  • 18. PAPEL DO ENFERMEIRO  O enfermeiro por estar ao lado do paciente consegue verificar precocemente as alterações que o mesmo apresenta.  Atendendo-0 de forma única e com qualidade.  Realizando o levantamento de problemas, assim chegando ao um diagnóstico de enfermagem e com isso planejando e prescrevendo cuidados específicos para este paciente.  Tornando a assistência eficaz e prevenindo complicações.
  • 19. PAPEL DO ENFERMEIRO  O enfermeiro em toda as suas competências.  Consegue avaliar os sinais e sintomas que o paciente apresenta;  Medindo a circunferência do membro afetado;  Monitorando os sinais vitais;  Verificando a perfusão periférica;
  • 20. PAPEL DO ENFERMEIRO  Cuidando do pré, intra e pós operatório;  E após realizado a fasciotomia o enfermeiro tem por competência cuidar dos curativos, pois a ferida da fasciotomia tem a cicatrização por segunda intenção;  Manter o membro em posição neutra para a melhor cicatrização, pois nesta posição há uma melhor circulação;  E cuidar dos curativos para que não haja a necrose do membro para não ocorrer a amputação.
  • 21. CONCLUSÃO  A síndrome do esmagamento é uma emergência clínica grave, com alta taxa de mortalidade relacionada ao diagnóstico tardio e o manejo terapêutico inadequado.  Nesta contextualização, o enfermeiro se insere como um profissional essencial para a identificar os sinais e sintomas que possam sinalizar o aparecimento desta síndrome.  Entendemos, que a SAE, apoiada em terminologias padronizadas, pode dotar o enfermeiro de instrumentos eficazes para a identificação desta condição clínica, além de favorecer a universalização e padronização da linguagem utilizada na prática de enfermagem.
  • 22. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  ALVES, Thiago, et al. Síndrome Compartimental Aguda: Série de sete casos no Hospital Nossa Senhora da Conceição – Tubarão, Tubarão, v. 40, n. 2, 2011. Disponível em: <http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/864.pdf> Acesso em: 17 setembro 2012.  AZEVEDO, Rita, et al. Fator de inibição da migração de macrófagos e interleucina-6 na síndrome de esmagamento: analogia com gravidade? Relato de casos, São Paulo, v. 19, n. 4, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2007000400017> Acesso em: 18 setembro 2012  KNOBEL,E.; Condutas no Paciente Grave. 3. ed. vol.1. São Paulo: Atheneu, 2006. cap. 107, p. 1387-1392.  IRWIN,R.S, RIPPE,J.M.; Enfermagem no Paciente Crítico e Semi-Crítico. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007, p. 754-756.  HORTA,W.; Processo de Enfermagem1. ed. São Paulo: E.P.U, EDUSP, 1979  GARCEZ, R, et al.; NANDA Diagnóstico de Enfermagem da NANDA.3. ed.Porto Alegre: Artmed, 2010.  JOHNSON, M, et al.; NOC Classificação dos Resultados de Enfermagem2.ed.Porto Alegre: Artmed, 2004.  MCCLOSKEY, J, et al. NIC Classificação das Intervenções de Enfermagem3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.  CHAVES, L, et al, SAE Sistematização da Assistência de Enfermagem Considerações Teóricas e Aplicabilidade 1ed. São Paulo: Martinari, 2009.  Figura1- YOSHIDA, Winston, et al, Síndrome compartimental crônica de membros inferiores, Botucatu, v. 3, n. 2, 2004. Disponível em: <http://www.jvascbr.com.br/04-03-02/04-03-02-155/04-03-02- 155.pdf > Acesso em: 05 outubro 2012.
  • 23. A Enfermagem é uma arte; e para realizá-la como arte, requer uma devoção tão exclusiva, um preparo tão rigoroso, quanto a obra de qualquer pintor ou escultor; pois o que é tratar da tela morta ou do frio mármore comparado ao tratar do corpo vivo, o templo do espírito de Deus? É uma das artes; poder-se-ia dizer, a mais bela das artes! Florence Nightingal OBRIGADA