SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
AULA 12: VÍRUS EBOLA
CENTEC- Instituto Paulo Freire
Curso técnico em enfermagem
Profª Mestranda Camila Amato Montalbano
Programa de Pós- graduação Stricto sensu em Doenças
Infecciosas e parasitárias- UFMS
VÍRUS EBOLA
 Vírus de RNA
 Atinge seres humanos e outros mamíferos
 Presente nas regiões mais pobre da África: República Centro- Africana
 Cinco espécies de vírus dos género Ebolavirus, família Filoviridae.
 Quatro espécies são patológicas o ébola-Zaire, ébola-Sudão, ébola-
Bundibugyo e o ébola-Costa do Marfim.
 O quinto vírus, a espécie Reston, não provoca a doença em seres humanos.
 ébola–Zaire (EBO–Z), ébola–Sudão (EBO–S) com mortalidades
de 83% e 54% respectivamente
 Durante um surto, as pessoas em maior risco são os profissionais
de saúde e aqueles em contato com os infetados
RESERVATÓRIOS
 Morcegos que comem fruta
 Humanos
 Morcegos não se afetam, só propagam a doença
 Outros mamíferos se contaminam pelo morcego
TRANSMISSÃO
 Contato com sangue ou outros fluidos biológicos de um ser humano ou animal
infetado
 A transmissão por via aérea ainda não foi documentada em ambiente natural
 Após infeção humana, a doença dissemina- se pela população
 Os sobreviventes do sexo masculino continuam a ser capazes de transmitir a
doença através do sémen durante cerca de dois meses
RISCOS DE TRANSMISSÃO
 Risco elevado de Transmissão no continente africano:
 Rituais com pessoas falecidas e animais envolvendo sangue
 Situação Sanitária e Social difícil
 Condições de atendimento aos doentes precárias
FISIOPATOLOGIA
 Os principais alvos da infeção são as células endoteliais, os fagócitos
mononucleares e os hepatócitos
 O vírus viaja através dos fagócitos para chegar ao sangue. Deste modo se liga
às células endoteliais e as destroem muito rapidamente, numa velocidade
maior que a do sistema imune para combatê- lo.
F
I
S
I
O
P
A
T
O
L
O
G
I
A
SINAIS E SINTOMAS
 Os sintomas têm início duas a três semanas após contrair o vírus
 Início:
• Febre
• Garganta inflamada
• Dores musculares
• Dores de cabeça.
SINAIS E SINTOMAS
 2ª fase (8º a 10º dia):
• vómitos
• Diarreia
• Exantema
• Insuficiência hepática
• Insuficiência renal
• Hemorragias, tanto internas como externas
 Morte: ocorre em cerca 50% dos casos, entre 6 a 16 dias após o início dos sintomas e na
maior parte dos casos deve-se à diminuição da pressão arterial resultante da perda de sangue.
DIAGNÓSTICO
 Primeiro exclui-se doenças com sintomas semelhantes, como a
malária, cólera ou outras febres hemorrágicas virais.
 Investiga- se o histórico de viagens e contato com pessoas
possivelmente infectadas
 Detecção de anticorpos virais (imunocromatografia)
DIAGNÓSTICO
 Detecção de RNA viral por RT- PCR
 Detecção do próprio vírus ( cultura celular-
filoviriões)
 Detecção de proteínas do vírus por ELISA
VACINA
 Não está atualmente disponível
 Vacinas derivadas de adenovírus da estomatite vesicular (VSIV)
vem sendo testadas e passaram à fase de ensaio clínico
 As vacinas têm-se mostrado eficazes na proteção de primatas não
humanos.
 A imunização demora seis meses, o que não permite que as vacinas
sejam usadas como medida de controlo de epidemias
PREVENÇÃO
 vírus ébola altamente contagioso
 precauções comportamentais, equipamento de proteção individual e desinfeção.
 Evitar contato com sangue ou secreções corporais infetadas, incluindo as dos
mortos
 Detectar e diagnosticar a doença durante a fase inicial
 Máscaras, luvas, batas, óculos, esterilização e isolamento do equipamento.
 Lavagem das mãos é igualmente importante, mas pode ser difícil em regiões
onde a disponibilidade de água é escassa.
PREVENÇÃO
 Devido à inexistência de equipamento adequado e práticas de higiene, as epidemias em larga
escala têm ocorrido principalmente em regiões isoladas e pobres, sem hospitais modernos ou
equipas médicas com formação adequada. As autoridades têm também desencorajado alguns rituais
fúnebres tradicionais, em particular os que envolvem o embalsamamento do corpo.
 As tripulações de companhias aéreas que voam para estas regiões são geralmente treinadas para
identificar o ébola e isolar pessoas que apresentem os sintomas da doença
 A quarentena: eficaz na diminuição da velocidade de propagação.
 As autoridades geralmente colocam de quarentena as áreas onde a doença ocorre ou as pessoas
que possam estar infetadas.
 Durante o surto de 2014, a Líbia fechou todas as escolas
TRATAMENTO
 Gestão da dor e medicamentos para o enjoo, febre e ansiedade, assim como a
administração de líquidos por via oral ou intravenosa.
 Podem também ser administrados derivados do sangue, como hemácias, plaquetas
ou plasma.
 Reguladores da coagulação, como a heparina, para de impedir a coagulação
intravascular disseminada e fatores de coagulação, de modo a diminuir a
hemorragia.
 Medicamentos para a malária e infeções bacterianas, uma vez que na fase inicial o
diagnóstico geralmente não é conclusivo.
TRATAMENTO
 O tratamento durante a fase inicial da doença pode aumentar as hipóteses de
sobrevivência.
 Estão atualmente a ser estudados diversos tratamentos experimentais.
 Nos Estados Unidos e durante o surto de 2014, a Food and Drug
Administration permitiu que dois fármacos, o ZMapp e um RNA interferente
denominado TKM-Ebola, fossem usados em pessoas infetadas com o ébola
 Estão também a ser realizados testes com animais com um fármaco
experimental denominado BCX4430
Vírus Ebola: Transmissão, Sintomas e Tratamento em

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Resumo Malária
Resumo MaláriaResumo Malária
Resumo Malária
 
Slideshare dst's
Slideshare dst'sSlideshare dst's
Slideshare dst's
 
Febre amarela (1)
Febre amarela (1)Febre amarela (1)
Febre amarela (1)
 
Cartilha dengue
Cartilha dengueCartilha dengue
Cartilha dengue
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Abcde diagnostico hepatites_virais
Abcde diagnostico hepatites_viraisAbcde diagnostico hepatites_virais
Abcde diagnostico hepatites_virais
 
Malária 3 c -
Malária  3 c -Malária  3 c -
Malária 3 c -
 
Afecções hepáticas
Afecções hepáticasAfecções hepáticas
Afecções hepáticas
 
Hepatites Virais
Hepatites ViraisHepatites Virais
Hepatites Virais
 
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
 
Resumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDSResumo tudo sobre AIDS
Resumo tudo sobre AIDS
 
Hepatite C
Hepatite CHepatite C
Hepatite C
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
 
Hepatites
HepatitesHepatites
Hepatites
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Infectologia: Como Motivar o Aluno de Graduação?
Infectologia: Como Motivar o Aluno de Graduação?Infectologia: Como Motivar o Aluno de Graduação?
Infectologia: Como Motivar o Aluno de Graduação?
 
Síndrome, Febre, Icterícia e Hemorragia
Síndrome, Febre, Icterícia e HemorragiaSíndrome, Febre, Icterícia e Hemorragia
Síndrome, Febre, Icterícia e Hemorragia
 
Malária apresentação
Malária apresentaçãoMalária apresentação
Malária apresentação
 
Calazar
CalazarCalazar
Calazar
 

Semelhante a Vírus Ebola: Transmissão, Sintomas e Tratamento em

Semelhante a Vírus Ebola: Transmissão, Sintomas e Tratamento em (20)

Ebola novembro- 2014
Ebola   novembro- 2014Ebola   novembro- 2014
Ebola novembro- 2014
 
Ebola - EBV - novembro- 2014
Ebola - EBV - novembro- 2014Ebola - EBV - novembro- 2014
Ebola - EBV - novembro- 2014
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Ebola – Perguntas e Respostas
Ebola – Perguntas e RespostasEbola – Perguntas e Respostas
Ebola – Perguntas e Respostas
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Vírusebola
VírusebolaVírusebola
Vírusebola
 
ebolavírus
ebolavírusebolavírus
ebolavírus
 
ebola
ebolaebola
ebola
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
AIDS PANDEMIA
AIDS PANDEMIA AIDS PANDEMIA
AIDS PANDEMIA
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
 
Apresentação micróbios
Apresentação micróbiosApresentação micróbios
Apresentação micróbios
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 

Vírus Ebola: Transmissão, Sintomas e Tratamento em

  • 1. AULA 12: VÍRUS EBOLA CENTEC- Instituto Paulo Freire Curso técnico em enfermagem Profª Mestranda Camila Amato Montalbano Programa de Pós- graduação Stricto sensu em Doenças Infecciosas e parasitárias- UFMS
  • 2. VÍRUS EBOLA  Vírus de RNA  Atinge seres humanos e outros mamíferos  Presente nas regiões mais pobre da África: República Centro- Africana  Cinco espécies de vírus dos género Ebolavirus, família Filoviridae.  Quatro espécies são patológicas o ébola-Zaire, ébola-Sudão, ébola- Bundibugyo e o ébola-Costa do Marfim.  O quinto vírus, a espécie Reston, não provoca a doença em seres humanos.
  • 3.  ébola–Zaire (EBO–Z), ébola–Sudão (EBO–S) com mortalidades de 83% e 54% respectivamente  Durante um surto, as pessoas em maior risco são os profissionais de saúde e aqueles em contato com os infetados
  • 4. RESERVATÓRIOS  Morcegos que comem fruta  Humanos  Morcegos não se afetam, só propagam a doença  Outros mamíferos se contaminam pelo morcego
  • 5.
  • 6. TRANSMISSÃO  Contato com sangue ou outros fluidos biológicos de um ser humano ou animal infetado  A transmissão por via aérea ainda não foi documentada em ambiente natural  Após infeção humana, a doença dissemina- se pela população  Os sobreviventes do sexo masculino continuam a ser capazes de transmitir a doença através do sémen durante cerca de dois meses
  • 7. RISCOS DE TRANSMISSÃO  Risco elevado de Transmissão no continente africano:  Rituais com pessoas falecidas e animais envolvendo sangue  Situação Sanitária e Social difícil  Condições de atendimento aos doentes precárias
  • 8. FISIOPATOLOGIA  Os principais alvos da infeção são as células endoteliais, os fagócitos mononucleares e os hepatócitos  O vírus viaja através dos fagócitos para chegar ao sangue. Deste modo se liga às células endoteliais e as destroem muito rapidamente, numa velocidade maior que a do sistema imune para combatê- lo.
  • 10.
  • 11. SINAIS E SINTOMAS  Os sintomas têm início duas a três semanas após contrair o vírus  Início: • Febre • Garganta inflamada • Dores musculares • Dores de cabeça.
  • 12. SINAIS E SINTOMAS  2ª fase (8º a 10º dia): • vómitos • Diarreia • Exantema • Insuficiência hepática • Insuficiência renal • Hemorragias, tanto internas como externas  Morte: ocorre em cerca 50% dos casos, entre 6 a 16 dias após o início dos sintomas e na maior parte dos casos deve-se à diminuição da pressão arterial resultante da perda de sangue.
  • 13.
  • 14.
  • 15. DIAGNÓSTICO  Primeiro exclui-se doenças com sintomas semelhantes, como a malária, cólera ou outras febres hemorrágicas virais.  Investiga- se o histórico de viagens e contato com pessoas possivelmente infectadas  Detecção de anticorpos virais (imunocromatografia)
  • 16. DIAGNÓSTICO  Detecção de RNA viral por RT- PCR  Detecção do próprio vírus ( cultura celular- filoviriões)  Detecção de proteínas do vírus por ELISA
  • 17. VACINA  Não está atualmente disponível  Vacinas derivadas de adenovírus da estomatite vesicular (VSIV) vem sendo testadas e passaram à fase de ensaio clínico  As vacinas têm-se mostrado eficazes na proteção de primatas não humanos.  A imunização demora seis meses, o que não permite que as vacinas sejam usadas como medida de controlo de epidemias
  • 18. PREVENÇÃO  vírus ébola altamente contagioso  precauções comportamentais, equipamento de proteção individual e desinfeção.  Evitar contato com sangue ou secreções corporais infetadas, incluindo as dos mortos  Detectar e diagnosticar a doença durante a fase inicial  Máscaras, luvas, batas, óculos, esterilização e isolamento do equipamento.  Lavagem das mãos é igualmente importante, mas pode ser difícil em regiões onde a disponibilidade de água é escassa.
  • 19. PREVENÇÃO  Devido à inexistência de equipamento adequado e práticas de higiene, as epidemias em larga escala têm ocorrido principalmente em regiões isoladas e pobres, sem hospitais modernos ou equipas médicas com formação adequada. As autoridades têm também desencorajado alguns rituais fúnebres tradicionais, em particular os que envolvem o embalsamamento do corpo.  As tripulações de companhias aéreas que voam para estas regiões são geralmente treinadas para identificar o ébola e isolar pessoas que apresentem os sintomas da doença  A quarentena: eficaz na diminuição da velocidade de propagação.  As autoridades geralmente colocam de quarentena as áreas onde a doença ocorre ou as pessoas que possam estar infetadas.  Durante o surto de 2014, a Líbia fechou todas as escolas
  • 20. TRATAMENTO  Gestão da dor e medicamentos para o enjoo, febre e ansiedade, assim como a administração de líquidos por via oral ou intravenosa.  Podem também ser administrados derivados do sangue, como hemácias, plaquetas ou plasma.  Reguladores da coagulação, como a heparina, para de impedir a coagulação intravascular disseminada e fatores de coagulação, de modo a diminuir a hemorragia.  Medicamentos para a malária e infeções bacterianas, uma vez que na fase inicial o diagnóstico geralmente não é conclusivo.
  • 21. TRATAMENTO  O tratamento durante a fase inicial da doença pode aumentar as hipóteses de sobrevivência.  Estão atualmente a ser estudados diversos tratamentos experimentais.  Nos Estados Unidos e durante o surto de 2014, a Food and Drug Administration permitiu que dois fármacos, o ZMapp e um RNA interferente denominado TKM-Ebola, fossem usados em pessoas infetadas com o ébola  Estão também a ser realizados testes com animais com um fármaco experimental denominado BCX4430