SlideShare uma empresa Scribd logo

Apresentação micróbios

N
nratao

Apresentação micróbios

1 de 20
Baixar para ler offline
Tipos de micróbios
Vírus
Protozoários
Bactérias
Fungos
microscópios
Vírus
1. Descoberta: Em 1965, por Baruch Blumber,
no sangue de aborígenes australianos .
2. Doença que provoca e principais sintomas:
doença infecciosa inflamatória do fígado
(hepatite), com alguns dos seguintes sintomas
Icterícia (pele e conjuntiva dos olhos amarelas) /
Febre / Fadiga / Dores no abdômen / Anorexia /
Colúria (Urina escura) / Fezes claras /
Náuseas com ou sem vômito / Urticária.
3. Transmissão: através de exposição a sangue
ou fluidos corporais (sémen, secreções
vaginais, …) e infeção perinatal (durante o
parto).
4. Prevenção: vacina; uso de preservativo; não
partilhar objetos perfurantes ou cortantes; fazer
exames pré-natais.
5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hepatite_B
hepadnavírus
1. Descoberta: entre 1987 e 1989, por Alter e
Houghton .
2. Doença que provoca e principais sintomas:
Doença infecciosa do fígado, muitas vezes sem
sintomas.
3. Transmissão: através de exposição a sangue
ou fluidos corporais (sémen, secreções
vaginais, …)
4. Prevenção: sem vacina; uso de preservativo;
não partilhar objetos perfurantes ou cortantes.
5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hepatite_C
Vírus ARN
1. Descoberta: o vírus humano foi isolado em
1933 por um grupo liderado por Patrik
Laidlaw no Reino Unido.
2. Doença que provoca e principais
sintomas:
Gripe; sintomas: calafrios, febre, rinorreia,
dores de garganta, dores musculares, dores de
cabeça, tosse, fadiga e sensação geral de
desconforto (em crianças: ainda diarreia e
dores abdominais).
3. Transmissão: por via aérea através de
tosse ou de espirros; por contacto direto com
excrementos ou secreções nasais de aves
infetadas ou com superfícies contaminadas.
4. Prevenção: vacina; boas práticas de
higiene; evitar contacto com pessoas
contaminadas; alimentação saudável; usar
vestuário adequado ao clima.
5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gripe
VÍRUS DA GRIPE
(Influenza A, B e C)
Vírus ARN
VÍRUS ÉBOLA
1. Descoberta: isolado pela primeira vez em 1976,
durante o primeiro surto registado, na República
Democrática do Congo, nas margens do rio Ebola.
2. Doença que provoca e principais sintomas:
2 a 3 semanas após contrair o vírus – febre,
garganta inflamada, dores musculares e dores de
cabeça, seguidos de vómitos, diarreia e exantema
(erupção cutânea) e insuficiência renal e hepática –
nesta fase podem começar hemarrogias, internas e
externas (morte: pode ocorrer 6 a 16 dias após o
início dos sintomas, por diminuição da pressão
arterial resultante da perda de sangue).
3. Transmissão: contacto com sangue ou outros
fluidos orgânicos de um ser humano ou animal
infetado (reservatório natural do vírus: morcego-da-
fruta).
4. Prevenção: sem vacina; evitar contacto com
sangue ou secreções corporais infetadas, incluindo
as dos mortos, usando equipamento de proteção
individual e fazendo desinfeção.
5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada:
Filovírus RNA

Recomendados

Vírus
VírusVírus
Vírus2bupvv
 
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e VermesDoenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e VermesCarlos Priante
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigornogueira
 
Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaNatália Maciel
 
Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!Apresentação de biologia!
Apresentação de biologia!2° Ta - cotuca
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicasfloripa-lucas
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusRafael Serafim
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...juninhowwave
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasCharles Carvalho
 
Trabalho de Doenças
Trabalho de DoençasTrabalho de Doenças
Trabalho de Doenças2° MEC
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseFêe Oliveira
 
Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.juninhowwave
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia   Trabalho de biologia
Trabalho de biologia eld09
 
Febre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - EpidemiologiaFebre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - EpidemiologiaDanilo Alves
 
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasDoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasCIVEC
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Clebson Reinaldo
 

Mais procurados (20)

Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika13 aulamedicinadenguechikzika
13 aulamedicinadenguechikzika
 
Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Varola2
Varola2Varola2
Varola2
 
Varíola
VaríolaVaríola
Varíola
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
 
Trabalho de Doenças
Trabalho de DoençasTrabalho de Doenças
Trabalho de Doenças
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e TuberculoseDoenças: Toxoplasmose e Tuberculose
Doenças: Toxoplasmose e Tuberculose
 
Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.Doença causada por vírus e bactérias.
Doença causada por vírus e bactérias.
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologia   Trabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Febre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - EpidemiologiaFebre amarela e hanseníase - Epidemiologia
Febre amarela e hanseníase - Epidemiologia
 
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasDoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
 

Destaque

Apresentacao Projecto GO!2.0
Apresentacao Projecto GO!2.0Apresentacao Projecto GO!2.0
Apresentacao Projecto GO!2.0nratao
 
Seres vivos microscópicos
Seres vivos microscópicosSeres vivos microscópicos
Seres vivos microscópicosquimica2007
 
UFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais Vulneráveis
UFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais VulneráveisUFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais Vulneráveis
UFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais VulneráveisManualis
 
Fungos , bactérias e vírus2
Fungos , bactérias e vírus2Fungos , bactérias e vírus2
Fungos , bactérias e vírus2Clairsontag
 
Ficha trabalho vida quotidiana - higiene
Ficha trabalho vida quotidiana - higieneFicha trabalho vida quotidiana - higiene
Ficha trabalho vida quotidiana - higieneLurdes Augusto
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidadeferaps
 
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagemUnichristus Centro Universitário
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho   Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho Catarina Calçada
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccihLarissa Paulo
 
Noções de higiene, saúde e segurança no trabalho
Noções de higiene, saúde e segurança no trabalhoNoções de higiene, saúde e segurança no trabalho
Noções de higiene, saúde e segurança no trabalhoCatir
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoMiguelCarapinha94
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoCamila Falcão
 

Destaque (20)

Apresentacao Projecto GO!2.0
Apresentacao Projecto GO!2.0Apresentacao Projecto GO!2.0
Apresentacao Projecto GO!2.0
 
Seres vivos microscópicos
Seres vivos microscópicosSeres vivos microscópicos
Seres vivos microscópicos
 
Condições Favoráveis ao Desenvolvimento dos Micróbios
Condições Favoráveis ao Desenvolvimento dos MicróbiosCondições Favoráveis ao Desenvolvimento dos Micróbios
Condições Favoráveis ao Desenvolvimento dos Micróbios
 
UFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais Vulneráveis
UFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais VulneráveisUFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais Vulneráveis
UFCD - 6580 - Cuidados na Saúde a Populações mais Vulneráveis
 
Controle de infecção
Controle de infecçãoControle de infecção
Controle de infecção
 
Fungos , bactérias e vírus2
Fungos , bactérias e vírus2Fungos , bactérias e vírus2
Fungos , bactérias e vírus2
 
Ficha trabalho vida quotidiana - higiene
Ficha trabalho vida quotidiana - higieneFicha trabalho vida quotidiana - higiene
Ficha trabalho vida quotidiana - higiene
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Risco e Vulnerabilidade
Risco e VulnerabilidadeRisco e Vulnerabilidade
Risco e Vulnerabilidade
 
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
 
Virus e bactérias aula 2
Virus e bactérias aula 2Virus e bactérias aula 2
Virus e bactérias aula 2
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho   Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Noções de higiene, saúde e segurança no trabalho
Noções de higiene, saúde e segurança no trabalhoNoções de higiene, saúde e segurança no trabalho
Noções de higiene, saúde e segurança no trabalho
 
Higiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalhoHigiene e segurança no trabalho
Higiene e segurança no trabalho
 
Higiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no TrabalhoHigiene e Segurança no Trabalho
Higiene e Segurança no Trabalho
 

Semelhante a Apresentação micróbios

Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geralescola
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia2° PD
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia2° PD
 
Aula recuperação biologia 2º ano
Aula recuperação biologia 2º anoAula recuperação biologia 2º ano
Aula recuperação biologia 2º anoProf.PS CEET
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerIvanise Meyer
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaMaria Tereza Neves
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialguestfced19
 
As principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanasAs principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanasLetícia Oliveira
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosasunesp
 
Aula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasAula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasbiologiajr
 
V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]guest8fc71c
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptxRodrigo Corte Real
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novobhbiohorrores
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doençaspdprevencao
 

Semelhante a Apresentação micróbios (20)

Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Aula recuperação biologia 2º ano
Aula recuperação biologia 2º anoAula recuperação biologia 2º ano
Aula recuperação biologia 2º ano
 
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise MeyerReino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
Reino monera bactérias patogênicas prof Ivanise Meyer
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
 
ISTS
ISTSISTS
ISTS
 
As principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanasAs principais parasitoses humanas
As principais parasitoses humanas
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosas
 
Aula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticasAula virus e doenças viróticas
Aula virus e doenças viróticas
 
V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]V Rus 09 11 2009]
V Rus 09 11 2009]
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
 
Ebola
EbolaEbola
Ebola
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Prevencao de doenças
Prevencao de doençasPrevencao de doenças
Prevencao de doenças
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Vruseviroses 2010-100221102456-phpapp01
Vruseviroses 2010-100221102456-phpapp01Vruseviroses 2010-100221102456-phpapp01
Vruseviroses 2010-100221102456-phpapp01
 

Mais de nratao

Moinho de maré da mourisca
Moinho de maré da mouriscaMoinho de maré da mourisca
Moinho de maré da mouriscanratao
 
Energias não renováveis
Energias não renováveisEnergias não renováveis
Energias não renováveisnratao
 
Seguranca na Internet
Seguranca na InternetSeguranca na Internet
Seguranca na Internetnratao
 
Competancias Tic
Competancias TicCompetancias Tic
Competancias Ticnratao
 
Planeamento Percursos
Planeamento PercursosPlaneamento Percursos
Planeamento Percursosnratao
 
Apresentacao Go
Apresentacao GoApresentacao Go
Apresentacao Gonratao
 
Escola 2.0
Escola 2.0Escola 2.0
Escola 2.0nratao
 
As Tecnologias no ensino
As Tecnologias no ensinoAs Tecnologias no ensino
As Tecnologias no ensinonratao
 
Escola 2.0
Escola 2.0Escola 2.0
Escola 2.0nratao
 
Utilização das TIC nos Processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos Processos de Ensino-AprendizagemUtilização das TIC nos Processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos Processos de Ensino-Aprendizagemnratao
 
Utilização das TIC nos processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos processos de Ensino-AprendizagemUtilização das TIC nos processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos processos de Ensino-Aprendizagemnratao
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliaçãonratao
 
Software livre na educação
Software livre na educaçãoSoftware livre na educação
Software livre na educaçãonratao
 

Mais de nratao (13)

Moinho de maré da mourisca
Moinho de maré da mouriscaMoinho de maré da mourisca
Moinho de maré da mourisca
 
Energias não renováveis
Energias não renováveisEnergias não renováveis
Energias não renováveis
 
Seguranca na Internet
Seguranca na InternetSeguranca na Internet
Seguranca na Internet
 
Competancias Tic
Competancias TicCompetancias Tic
Competancias Tic
 
Planeamento Percursos
Planeamento PercursosPlaneamento Percursos
Planeamento Percursos
 
Apresentacao Go
Apresentacao GoApresentacao Go
Apresentacao Go
 
Escola 2.0
Escola 2.0Escola 2.0
Escola 2.0
 
As Tecnologias no ensino
As Tecnologias no ensinoAs Tecnologias no ensino
As Tecnologias no ensino
 
Escola 2.0
Escola 2.0Escola 2.0
Escola 2.0
 
Utilização das TIC nos Processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos Processos de Ensino-AprendizagemUtilização das TIC nos Processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos Processos de Ensino-Aprendizagem
 
Utilização das TIC nos processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos processos de Ensino-AprendizagemUtilização das TIC nos processos de Ensino-Aprendizagem
Utilização das TIC nos processos de Ensino-Aprendizagem
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Software livre na educação
Software livre na educaçãoSoftware livre na educação
Software livre na educação
 

Último

2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 

Apresentação micróbios

  • 3. 1. Descoberta: Em 1965, por Baruch Blumber, no sangue de aborígenes australianos . 2. Doença que provoca e principais sintomas: doença infecciosa inflamatória do fígado (hepatite), com alguns dos seguintes sintomas Icterícia (pele e conjuntiva dos olhos amarelas) / Febre / Fadiga / Dores no abdômen / Anorexia / Colúria (Urina escura) / Fezes claras / Náuseas com ou sem vômito / Urticária. 3. Transmissão: através de exposição a sangue ou fluidos corporais (sémen, secreções vaginais, …) e infeção perinatal (durante o parto). 4. Prevenção: vacina; uso de preservativo; não partilhar objetos perfurantes ou cortantes; fazer exames pré-natais. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hepatite_B hepadnavírus
  • 4. 1. Descoberta: entre 1987 e 1989, por Alter e Houghton . 2. Doença que provoca e principais sintomas: Doença infecciosa do fígado, muitas vezes sem sintomas. 3. Transmissão: através de exposição a sangue ou fluidos corporais (sémen, secreções vaginais, …) 4. Prevenção: sem vacina; uso de preservativo; não partilhar objetos perfurantes ou cortantes. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hepatite_C Vírus ARN
  • 5. 1. Descoberta: o vírus humano foi isolado em 1933 por um grupo liderado por Patrik Laidlaw no Reino Unido. 2. Doença que provoca e principais sintomas: Gripe; sintomas: calafrios, febre, rinorreia, dores de garganta, dores musculares, dores de cabeça, tosse, fadiga e sensação geral de desconforto (em crianças: ainda diarreia e dores abdominais). 3. Transmissão: por via aérea através de tosse ou de espirros; por contacto direto com excrementos ou secreções nasais de aves infetadas ou com superfícies contaminadas. 4. Prevenção: vacina; boas práticas de higiene; evitar contacto com pessoas contaminadas; alimentação saudável; usar vestuário adequado ao clima. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Gripe VÍRUS DA GRIPE (Influenza A, B e C) Vírus ARN
  • 6. VÍRUS ÉBOLA 1. Descoberta: isolado pela primeira vez em 1976, durante o primeiro surto registado, na República Democrática do Congo, nas margens do rio Ebola. 2. Doença que provoca e principais sintomas: 2 a 3 semanas após contrair o vírus – febre, garganta inflamada, dores musculares e dores de cabeça, seguidos de vómitos, diarreia e exantema (erupção cutânea) e insuficiência renal e hepática – nesta fase podem começar hemarrogias, internas e externas (morte: pode ocorrer 6 a 16 dias após o início dos sintomas, por diminuição da pressão arterial resultante da perda de sangue). 3. Transmissão: contacto com sangue ou outros fluidos orgânicos de um ser humano ou animal infetado (reservatório natural do vírus: morcego-da- fruta). 4. Prevenção: sem vacina; evitar contacto com sangue ou secreções corporais infetadas, incluindo as dos mortos, usando equipamento de proteção individual e fazendo desinfeção. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: Filovírus RNA
  • 7. 1. Descoberta: A primeira descrição reconhecível do sarampo é atribuída ao médico árabe Ibn Razi (860-932) O vírus foi isolado apenas em1954. 2. Doença que provoca e principais sintomas: 8-12 dias após a infeção: febre alta, coriza, olhos vermelhos, e pequenas manchas brancas na parte interna da boca. Vários dias depois, desenvolve-se uma erupção, geralmente começando no pescoço e na face que gradualmente se espalha pelo corpo. (Pode apresentar diversas complicações bacterianas, além dos riscos de uma mãe passar para o filho durante a gestação, fazendo assim que o feto se desenvolva já com problemas no crescimento e ainda depois no nascimento). 3. Transmissão: através de gotículas expelidas pelo nariz, boca ou garganta de pessoas infetadas. É altamente contagiosa e afeta principalmente crianças. 4. Prevenção: vacinação. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sarampo VÍRUS DO SARAMPO (Morbillivirus sp.) paramixovírus ARN
  • 8. VÍRUS DO HERPES: HSV (Herpes simplex) 1 e 2 1. Descoberta: …aquando de estudos sobre células infetadas de ratos. 2. Doença que provoca e principais sintomas: exantemas (manchas vermelhas inflamatórias) e vesículas (bolhas) dolorosas, que desaparecem e reaparecem sem deixar quaisquer marcas ou cicatrizes. 3. Transmissão: O herpes oral, particularmente se causado por HSV1, é uma doença primariamente da infância, transmitida pelo contato direto e pela saliva. O herpes oral (HSV1) pode ser transmitido para a parte genital (HSV2) tanto pela saliva como pelo sexo oral. 4. Prevenção: É difícil de prevenir a infecção da herpes simples, pois o vírus pode ser espalhado mesmo por pessoas que não apresentam sintomas de um surto ativo. Evitar contato direto com uma lesão aberta reduz o risco de infeção. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://www.minhavida.com.br/saude/temas/herpes- simples Vírus ADN
  • 9. 1. Descoberta: Em 1906, a transmissão por mosquitos do gênero Aedes foi confirmada. No ano seguinte, em 1907, foi demonstrado que a dengue é causada por um vírus. 2. Doença que provoca e principais sintomas: febre, dor de cabeça, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica que é semelhante à causada pelo sarampo. Em poucos casos, a doença pode evoluir para a dengue hemorrágica com risco de vida, resultando em sangramento, baixos níveis de plaquetas sanguíneas, extravasamento de plasma no sangue ou até diminuição da pressão arterial a níveis perigosamente baixos. 3. Transmissão: por picada da fêmea contaminada do mosquito Aedes aegypti/Aedes albopictus (o macho alimenta- se apenas de seiva de plantas); um único mosquito pode contaminar até 300 pessoas durante a sua vida (45 dias em média). Não há transmissão por contacto direto com um doente ou suas secreções, nem de fontes de água ou alimentos. 4. Prevenção: sem vacina; redução ou destruição do habitat e da população de mosquitos transmissores e da limitação da exposição a picadas. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Virus_da_dengue VIRUS DA DENGUE (DEN-1, 2, 3 e 4) arbovírus
  • 10. 1. Descoberta: final dos anos 70 do século XX, a partir de inúmeras pesquisas, sobretudo as realizadas por Harald zur Hausen (prémio Nobel da Medicina em 2009) 2. Doença que provoca e principais sintomas: O vírus infeta a pele ou mucosas; muitas vezes a infeção é assintomática, mas também pode provocar: formação de verrugas (lesões benignas): papilomas, nas mãos, pés e face, ou condilomas (verrugas ano-genitais), Cancro do colo do útero 3. Transmissão: A principal forma de se adquirir o HPV é através do ato sexual, chegando a ser até a IST mais comum, e afeta tanto homens quanto mulheres. Entretanto, a possibilidade de contaminação através de objetos como toalhas, roupas íntimas, vasos sanitários ou banheiras não pode ser descartada. Estima-se que mais da metade das pessoas que tem ou já tiveram relação sexual já entraram em contato com o vírus em algum momento da sua vida. 4. Prevenção: vacinação (raparigas de 12-13 anos); prática de sexo seguro (uso de preservativo e redução do número de parceiros sexuais); fazer exame de rastreio regularmente (citologia cervical/Papanicolau) 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/1B5ADE04-CF26-4046-84EF- B0363BDC453A/0/papilomavirushumano.pdf HPV/ VÍRUS DO PAPILOMA HUMANO caudovírus
  • 12. 1. Descoberta: em 1884, por Carle e Rattone. 2. Doença que provoca e principais sintomas: Tétano (doença infecciosa, não contagiosa, com elevada letalidade para jovens e idosos) - espasmos dolorosos, rigidez dos músculos e distúrbios neurológicos. 3. Transmissão: Ferimentos com objetos contaminados . 4. Prevenção: vacinação; higiene; desinfeção de feridas. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tétano http://www.bio.fiocruz.br/index.php/tetano- sintomas-transmissao-e-prevencao Clostridium tetani Bactéria bacilo Gram-positivo
  • 13. 1. Descoberta: descrita pela primeira vez por Anton Vaykselbaum, austríaco, em 1887. 2. Doença que provoca e principais sintomas: Meningite - febre, cansaço, dor de cabeça, torcicolo e coma 3. Transmissão: de uma pessoa para outra, por meio de gotículas provenientes das vias respiratórias 4. Prevenção: vacinação 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Neisseria_menin gitidis Neisseria meningitidis ou Meningococo Bactéria coccus Gram-negativa
  • 14. 1. Descoberta: foi isolado simultanea mas independentemente por George Sternberg (médico do exército dos EUA) e Louis Pasteur (químico francês). 2. Doença que provoca e principais sintomas: Pneumonia – febres altas, com tosse e expetoração amarela purulenta; ocorre frequentemente após gripe. Meningite (sobretudo em adultos) – dores de cabeça, vómitos, sensibilidade à luz. 3. Transmissão: através de gotículas de saliva ou muco como, por exemplo, quando as pessoas infetadas tossem ou espirram. Os portadores mais frequentes são as crianças pequenas. 4. Prevenção: vacinação. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://www.bio.fiocruz.br/index.php/doenca- Streptococcus pneumoniae Bactéria coccus Gram-positiva
  • 15. 1. Descoberta: 1882, Robert Koch (prémio Nobel da Medicina em 1905). 2. Doença que provoca e principais sintomas: Tuberculose – tosse com secreção, febre (geralmente ao entardecer), suores noturnos, falta de apetite, emagrecimento, cansaço fácil e dores musculares. 3. Transmissão: através da tosse, espirro ou expetoração de pessoas infetadas; por disseminação de gotículas de saliva através do ar (as bactérias permanecem em suspensão no ar durante algumas horas). 4. Prevenção: vacinação. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mycobacterium_tuberculo sis http://pt.wikipedia.org/wiki/Tuberculose Bacilo de Koch / Mycobacterium tuberculosis Bactéria bacilo Gram-negativa
  • 16. 1. Descoberta: Em 1885, por Daniel Elmer Salmon (patologista veterinário americano). 2. Doença que provoca e principais sintomas: Gastroenterite – 6 a 48 h após infeção: diarreia não sanguinolenta, náuseas, dores abdominais tipo cólica e cefaleias. 3. Transmissão: ingestão de alimentos contaminados ou de água contaminada; disseminação fecal-oral; contacto com pessoas doentes ou portadores assintomáticos. 4. Prevenção: lavar frequentemente as mãos; evitar alimentos crus ou mal cozidos; controlo de pragas urbanas (ratos, baratas, formigas, ...). 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Salmonella http://www.news-medical.net/health/Salmonella- History-%28Portuguese%29.aspx Salmonella sp. Bactéria bacilo Gram-negativa
  • 18. 1. Descoberta: entre 1895/1896, por David Bruce. 2. Doença que provoca e principais sintomas: Doença do sono – 1º estágio: dores de cabeça e nas articulações, crises de febre e comichão; 2º estágio – mudanças de humor, confusão mental, descoordenação, febre, fraqueza, convulsões, sonolência e apatia progredindo para o coma. 3. Transmissão: Os transmissores são as moscas tsé-tsé (Glossina palpalis), que se concentram junto aos rios, lagos e poços. A doença atinge áreas rurais de 36 países da África Subsaariana. 4. Prevenção: sem vacina; usar roupas espessas que cobrem a maioria da pele e repelentes de insetos. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://pt.wikipedia.org/wiki/Trypanosoma_brucei http://pt.wikipedia.org/wiki/Doença_do_sono Trypanosoma brucei Protista/Protozoário
  • 20. 1. Descoberta: 2. Doença que provoca e principais sintomas: Pé-de-atleta (tinea pedis) - pele com fissuras e descamação entre os dedos ou na parte lateral do pé, pele vermelha e com comichão, sensação de queimadura ou dor, surgimento de bolhas. 3. Transmissão: por contacto com uma pessoa infetada ou com superfícies contaminadas, como toalhas, calçado, pisos. 4. Prevenção: secar os pés completamente após tomar banho ou nadar; usar chinelos em chuveiros ou piscinas públicas; trocar de meias com frequência; usar calçado bem ventilado; evitar calçado de plástico. 5. Bibliografia e/ou Webgrafia consultada: http://www.minhavida.com.br/saude/temas/pe-de- atleta Trichophyton rubrum Fungo