Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes

3.172 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.172
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.678
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes

  1. 1. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       Convite  à  Ação:  Investigando  o  papel  da  gestão  por   processos  nos  Sistemas  de  Informação  (SI)  Verdes   Autores:     Stefan  Seidel  -­‐  University  of  Liechtenstein,  Liechtenstein   Jan  vom  Brocke  -­‐  University  of  Liechtenstein,  Liechtenstein   Jan  Recker  -­‐  Queensland  University  of  Technology,  Australia   Resumo   Práticas   sustentáveis   são,   mais   do   que   nunca,   o   centro   das   atenções   nas   organizações.  Isso  devido  a  uma  crescente  demanda  da  sociedade  por  abordagens   e  práticas  consideradas  “sustentáveis”  ou  “verdes”.  Nossa  intenção  neste  convite  à   ação   é   desvendar   o   papel   que   os   processos   de   negócio,   mais   especificamente,   a   contribuição   que   a   gestão   destes   processos   pode   ter   em   alavancar   o   poder   de   transformação   dos   sistemas   de   informação   (SI)   a   fim   de   criar   organizações   ambientalmente  sustentáveis.     Nossa  premissa  fundamental  é  que  os  gerentes  de  negócio  e  TI  precisam  se  engajar   em  uma  discussão  com  foco  em  processos  para  permitir  um  entendimento  comum   e  compreensível  do  tema  (processos)  e  das  oportunidades  baseadas  em  processos   para   transformar,   primeiro,   esses   processos   e,   em   seguida,   a   organização   como   uma  entidade  ‘verde’  orientada  a  processos.  Baseado  em  um  modelo  de  ciclo  de   vida   de   processos   de   negócios,   propomos   possíveis   caminhos   para   futuras   pesquisas.   Palavras-­‐chave:  SI  verde,  TI  verde,  Business  Process  Management,  Gestão  por   processos.   URL  Permanente:  http://sprouts.aisnet.org/11-­‐4   Direitos  autorais:  Creative  Commons  Attribution-­‐Noncommercial-­‐No  Derivative   Works  License   Referências:  Seidel,  S.,  vom  Brocke,  J.,  Recker,  J.  (2011).  "Call  for  Action:   Investigating  the  Role  of  Business  Process  Management  in  Green  IS,"  Proceedings  >   Proceedings  of  SIGGreenWorkshop  .  Sprouts:  Working  Papers  on  Information   Systems,  11(4).http://sprouts.aisnet.org/11-­‐4  
  2. 2. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       Introdução   O   aumento   da   população   mundial,   a   busca   por   melhor   qualidade   de   vida   e   a   exploração   contínua   dos   recursos   naturais   têm   aumentado   a   consciência   da   necessidade   de   se   viver,   organizar,   executar   e   gerenciar   o   trabalho   de   forma   sustentável.  Práticas  sustentáveis  são,  mais  do  que  nunca,  o  centro  das  atenções   nas   organizações.   Isso   devido   a   uma   crescente   demanda   da   sociedade   por   abordagens  e  práticas  consideradas  “sustentáveis”  ou  “verdes”.  Em  consequência,   as   organizações   estão   cada   vez   mais   motivadas   a   implementar   práticas   sustentáveis,   sem   abrir   mão   de   elementos   clássicos   da   gestão   corporativa,   como   receitas  e  despesas.    Em  seu  artigo  publicado  na  edição  de  Março  de  2010  da  MIS  Quarterly,  Watson  (e   outros)   chamaram   pesquisadores   de   Sistemas   de   Informação   (SI)   para   investigar   como  o  "poder  de  transformação  dos  SI  pode  alavancar  a  criação  de  uma  sociedade   ecologicamente  sustentável"  (p.  23).  Neste  contexto,  a  noção  de  ‘SI  verde’  surgiu   como  "a  concepção  e  implementação  de  sistemas  de  informação  que  contribuem   para   processos   de   negócios   sustentáveis"   (Boudreau   et   al.   De   2007,   p.   2).   "TI   verde",  em  contraste,  "está  voltada  principalmente  para  a  eficiência  energética  e  a   utilização  de  equipamentos"  (Boudreau  et  al.  2007,  p.  2).     De   fato,   enquanto   o   SI   verde   é   certamente   um   tema   em   voga,   comprovado   por   várias   publicações   atuais   (Hasan   et   al.   2009)   e   futuras   (eg,   MIS   Quarterly)   em   edições   especiais   de   revistas   e   jornais   especializados,   e   pelo   desenvolvimento   de   tópicos   dedicados   ao   assunto   em   algumas   de   nossas   conferências   (por   exemplo,   AMCIS,   ACIS),   até   agora,   com   exceção   de   algumas   opiniões   e   pesquisas   sobre   o   tema,  existem  poucos  exemplos  de  trabalho  empírico  ou  teórico  sobre  o  SI  verde   (Watson   et   al   2010).   Consequentemente,   nosso   objetivo   é   ajudar   a   preparar   o   terreno   para   pesquisas   deste   importante   tema   (SI),   destacando   e   discutindo   um   conjunto  de  questões  e  abordagens  que  os  pesquisadores  em  SI  podem  trazer  para   os  desafios  da  sustentabilidade  ambiental.  
  3. 3. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       Nosso  objetivo  central  neste  convite  à  ação  é  desvendar  a  fundo  o  papel  que  os   processos  de  negócio  e,  mais  especificamente,  a  contribuição  que  a  gestão  destes   processos   pode   ter   em   alavancar   o   poder   de   transformação   dos   sistemas   de   informação  (SI)  a  fim  de  criar  uma  sociedade  ambientalmente  sustentável.  Gestão   por  Processos  (BPM)  tem  surgido  como  um  importante  subdomínio  da  área  de  SI   (Sidorova  et  al.  2008)  que  é  caracterizada  por  sua  relevância  prática  (Gartner  Group   2010).     Figura  1  -­‐  O  "quadrilátero  do  diabo"  expandido  (extensão  da  proposição  de  Reijers  e  Mansar,  2005)   A  Australian  Community  of  Practice  (2004)  define  Gestão  por  Processos  como  "uma   forma   estruturada,   coerente   e   consistente   de   entendimento,   documentação,   modelagem,  análise,  simulação,  execução  e  mudança  contínua  de  processos  ponta-­‐ ponta  e  de  todos  os  recursos  envolvidos  no  sucesso  do  negócio".  Esta  abordagem   de  sucesso  de  negócio  tem  sido  tipicamente  pensada  em  termos  de  melhorias  em   fatores  como  tempo,  custo,  qualidade  ou  flexibilidade  –  o  chamado  “quadrilátero   do   diabo”   (Reijers   e   Mansar   2005).   Organizações   contemporâneas,   entretanto,   estão  cada  vez  mais  conscientes  da  necessidade  de  se  criar  processos  de  negócio,   possibilitados  por  tecnologias  da  informação  (TI),  mais  sustentáveis,  que  são  bem   sucedidos   em   temos   de   seu   impacto   econômico,   ecológico   e   social   (Figura   1).   Exemplos   de   indicadores   chave   de   performance   ecológica   que   cada   vez   mais   se   tonam  relevantes  para  gestores  são:  emissões  de  carbono,  energia  de  data  center,   ou  consumo  de  energia  renovável  (SAP  2010).    
  4. 4. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       O  Papel  da  Gestão  por  Processos  em  Iniciativas  Verdes     Gestão  por  Processos  é  uma  prática  holística  de  gestão  para  gerir  e  transformar  as   operações   organizacionais   (Hammer   2010).   No   esforço   para   gerir   e   melhorar   os   processos   a   fim   de   proporcionar   benefício   para   o   negócio   em   termos   de   custo,   redução  de  tempo,  flexibilidade,  qualidade  ou  até  práticas  sustentáveis,  a  Gestão   por  Processos  também  engloba  a  utilização  de  TI  e  sistemas  baseados  em  TI.  Nos   últimos  anos  temos  visto  o  surgimento  de  sistemas  holísticos  de  planejamento  de   recursos   empresariais   (Davenport   2000),   sistemas   automatizados   de   fluxo   de   trabalho  (van  der  Aalst  e  Hofstede  ter  2005),  CASE  e  outros  sistemas  de  design  de   processos   (Orlikowski,   1993),   sistemas   especializados   (Markus   et   al.   2002),   e   sistemas  de  regras  de  negócios  (von  Halle  2001)  como  sistemas  possibilitados  pela   TI   que   proporcionam   mudança   e   gerenciamento   de   processos   e,   por   isso,   contribuem  para  a  geração  de  valor  ao  negócio.     É  nesta  interseção  entre  a  habilitação  de  sistemas  de  TI  e  a  mudança  de  processos   que   acreditamos   estar   o   potencial   para   iniciativas   sustentáveis   (Figura   2).   Nossa   premissa  fundamental  é  que  os  gerentes  de  negócio  e  TI  precisam  se  engajar  em   uma  discussão  com  foco  em  processos  para  permitir  um  entendimento  comum  e   compreensível   do   tema   (processos)   e   das   oportunidades   baseadas   em   processos   para   transformar,   primeiro,   esses   processos   e,   em   seguida,   a   organização   como   uma   entidade   ‘verde’   orientada   a   processos.   Nosso   raciocínio   é   o   seguinte:   Uma   discussão   unicamente   dos   potenciais   que   surgem   dos   chamados   sistemas   de   TI   verde  é  muito  limitada  para  facilitar  as  discussões  que  podem  ajudar  os  executivos   de   negócios   a   implementar   essas   soluções   de   TI   verde   ao   trabalho.   Ao   mesmo   tempo,  atualmente  é  impossível  pensar  em  empreender  uma  iniciativa  expressiva   de   mudança   sustentável   (envolvendo   o   re-­‐design   dos   principais   processos   de   negócios)   sem   considerar   o   que   a   TI   pode   fazer   para   este   impacto.   Da   mesma   forma,  é  igualmente  impossível  pensar  em  uma  grande  reformulação  que  não  exija   grandes  mudanças  na  forma  como  os  funcionários  executam  o  seu  trabalho  (Kotter,   1996).  Colaboradores  e  a  gestão  dos  colaboradores  são  tão  importantes  quanto  a  TI   na  transformação  para  práticas  e  soluções  sustentáveis,  e  a  Gestão  por  Processo  
  5. 5. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       fornece  justamente  a  perspectiva  que  permite  uma  abordagem  integrada  e  holística   para  a  gestão  da  mudança  sustentável.                  Figura  2  -­‐  Iniciativas  Sustentáveis:  interseção  entre  Sistemas  de  TI  e  Mudanças  de  processo   A  proposição  que  apresentamos  no  presente  convite  à  ação  é  que  somente  através   de   mudança   de   processos,   e   da   aplicação   de   técnicas   orientadas   para   processos,   como  análise  de  processos,  medição  da  performance  do  processo,  e  melhoria  de   processos,  o  poder  de  transformação  de  SI  pode  ser  totalmente  aproveitado  para   criar   organizações   ambientalmente   sustentáveis   e,   por   sua   vez,   uma   sociedade   ambientalmente   sustentável.   Para   investigar   essa   questão,   acreditamos   que   os   pesquisadores  de  SI  devem  considerar  conceitos  relacionados  a  processos  quando   criarem   teorias   sobre   o   papel   da   TI   na   transformação   rumo   a   organizações   sustentáveis.   Isto   não   somente   irá   nos   permitir   compreender   melhor   o   poder   de   transformação  dos  SI  no  contexto  de  desenvolvimento  sustentável,  como  também   permitirá  prosseguir  para  pesquisas  mais  normativas  e  prescritivas  que  impactem   diretamente   na   implementação   de   processos   de   negócio   sustentáveis,   possibilitados  pela  TI.  A  figura  3  resume  esse  convite  para  ação.   Iniciativas  Sustentáveis Sistemas  de   TI Mudança  de   Processos
  6. 6. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br         Figura  3  -­‐  O  papel  do  BPM  em  iniciativas  sustentáveis  possibilitadas  por  TI   A  Agenda  de  Trabalho  para  Sistemas  de  Informação  Verdes   Seguindo  essa  linha  de  pensamento,  nós  identificamos  o  seguinte  exemplo  de  áreas   de  trabalho  para  pesquisas  de  SI  ao  longo  de  um  ciclo  de  vida  clássico  de  gestão  de   processos  (Figura  4).  Atenção,  perceba  que  nós  não  afirmamos  que  essas  questões   são  exaustivas.  Isso  é  apenas  uma  forma  de  conceituar  áreas  relevantes  da  Gestão   por  Processo  que  podem  ser  consideradas  na  investigação  do  papel  dos  processos  e   da   gestão   por   processos   no   contexto   de   sustentabilidade   ambiental   das   organizações.  
  7. 7. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br         Figura  4  -­‐  O  ciclo  "verde"  de  gestão  de  processos  (Baseado  em  Hammer,  2010)     1) O   desenho   de   processo:   Na   modelagem   de   processos,   por   exemplo,   será   necessário   incluir   conceitos   relacionados   à   sustentabilidade,   tais   como   as   emissões  de  carbono  ou  o  consumo  de  energia  das  atividades  de  negócios.   Isto,   por   sua   vez,   irá   permitir   a   análise   e   melhoria   que   não   consideram   somente   objetivos   econômicos,   mas   também   objetivos   ecológicos.   Nessa   linha   de   pensamento,   Watson   e   outros   (2010)   mencionam   o   exemplo   de   diagramas   de   processos   de   negócio   que   poderiam   ser   utilizados   para   documentar  e  analisar  dados  sobre  o  desperdício  associado  a  cada  um  dos   processos.   2) Mensuração   dos   processos:   Nossas   pesquisas   indicaram   que,   para   se   tornarem   verdes,   as   organizações   precisam   incorporar   objetivos   relacionados  à  sustentabilidade  em  todos  os  níveis  de  negócio,  a  começar   pelo  nível  estratégico  (Seidel  et  al.  2010).  Consequentemente,  a  mensuração   dos  processos  precisa  englobar  fatores  relacionados  à  sustentabilidade,  tais   como   emissão   de   carbono,   consumo   de   energia   e   consumo   de   papel.   A   mensuração  desses  fatores  permite  não  somente  controlar  o  cumprimento   das   metas   relacionadas   à   sustentabilidade,   como   também   cria   a  
  8. 8. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       transparência   e   consciência   necessárias   para   atingir   os   colaboradores   ao   longo  da  organização.  Consequentemente,  será  necessário  desenvolver  uma   compreensão  completa  dos  sistemas  de  medição  necessários  como  também   o   desenvolvimento   de   sistemas   de   TI   que   coletam   esses   dados   e   proporcionam  um  monitoramento  detalhado  das  mensurações  relacionadas   à  sustentabilidade.   3) Melhoria  de  processos  e  mudança  de  processos:  O  que  propomos  é  que  a   melhoria   e   o   redesenho   de   processos   possivelmente   contribuem   para   alcançar   os   objetivos   sustentáveis.   Enquanto   alguns   processos   podem   se   tornar  mais  sustentáveis  através  de  melhorias  simples,  outros  requerem  um   redesenho   significativo.   Isso,   por   sua   vez,   irá   ajudar   a   organização   a   alavancar  o  poder  de  transformação  do  SI  verde.  Pesquisadores  de  SI  devem,   portanto,   continuar   a   investigar   o   papel   da   mudança   de   processos   no   contexto  da  transformação  rumo  à  sustentabilidade  da  empresa.   4) Implementação   de   processo:   Finalmente,   processos   sustentáveis   precisam   ser  implementados.  Para  fazer  com  que  isso  aconteça,  organizações  devem   alocar  recursos  suficientes,  fornecer  treinamentos  aos  colaboradores  e  botar   em   prática   as   medidas   que   foram   definidas.   Além   disso,   sistemas   de   TI   devem   coletar   dados,   monitorar,   e   criar   a   transparência   necessária   para   envolver   as   pessoas   em   toda   a   organização.   Consequentemente,   profissionais   de   SI   devem   pesquisar   os   fatores   e   dinâmicas   que   são   relevantes  no  contexto  de  implementação  de  processos  sustentáveis.   O  Caminho  a  seguir   Dado   o   contexto   acima,   propomos   dois   caminhos   para   futuras   pesquisas.   Primeiramente,   sugerimos   aos   pesquisadores   de   SI   que   investiguem   o   papel   da   mudança   de   processos   no   processo   de   transformação   rumo   à   sustentabilidade   organizacional.  Tal  pesquisa  pode  utilizar  métodos  qualitativos  para  gerar  uma  nova   teoria  que  explique  a  transformação  de  processos  subjacentes,  e  quantitativos,  que   visam   testar   a   nova   teoria.   Por   fim,   baseado   nessas   teorias   da   mudança,   e   utilizando-­‐se   de   conceitos   relacionados   a   processos   tais   como   mudança   de  
  9. 9. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       processos,   investigadores   de   SI   devem   realizar   pesquisas   mais   prescritivas   e   normativas  que  impactem  diretamente  na  implementação  de  processos  de  negócio   possibilitados  pela  TI.  Os  resultados  dessas  pesquisas  podem,  por  exemplo,  tomar   forma  de  teorias  ou  diretrizes  para  o  reprojeto.     Referências     Australian  Community  of  Practice  (2004)  “BPM  Round  Table,”  QUT,   http://www.bpmroundtable.com  (current  September  4,  2006).   Davenport,  T.  H.  (2000)  Mission  Critical:  Realizing  the  Promise  of  Enterprise  Systems,   HarvardBusiness  School  Press,  Boston,  Massachusetts.   Boudreau,  M.-­‐C.  ,  A.  J.  Chen,  and  M.  Huber  (2007)  “Green  IS:  Building  Sustainable   BusinessPractices,”  in  Watson,  R.  T.  (eds.)  Information  Systems,  Global  Text  Project,   Athens,Georgia,  pp  1-­‐15.   Dedrick,  J.  (2010)  “Green  IS:  Concepts  and  Issues  for  Information  Systems  Research,”   Communicationsof  the  Association  for  Information  Systems  (27)11,  pp  173-­‐184.   Gartner  Group  (2010)  “Leading  in  Times  of  Transition:  The  2010  CIO  Agenda,”  EXP   PremierReport  January  2010,  Gartner,  Inc,  Stamford,  Connecticut.   Hammer,  M.  (2010)  “What  Is  Business  Process  Management?”  in  vom  Brocke,  J.  and   M.  Rosemann  (eds.)  Handbook  on  Business  Process  Management  1:  Introduction,   Methods  andInformation  Systems,  Springer,  Berlin,  Germany,  pp  3-­‐16.   Hasan,  H.,  A.  Ghose,  and  T.  Spedding  (2009)  “Editorial  for  the  Special  Issue  on  IT  and   Climate  Change,”  Australasian  Journal  of  Information  Systems  (16)2,  pp  19-­‐21.   Kotter,  J.  P.  (1996)  Leading  Change,  Harvard  Business  School  Press,  Boston,   Massachusetts.   Markus,  M.  L.,  A.  Majchrzak,  and  L.  Gasser  (2002)  “A  Design  Theory  for  Systems  that   Support  Emergent  Knowledge  Processes,”  MIS  Quarterly  (26)3,  pp  179-­‐212.   Melville,  N.  P.  (2010)  “Information  Systems  Innovation  for  Environmental   Sustainability,”  MIS  Quarterly  (34)1,  pp  1-­‐21.   Orlikowski,  W.  J.  (1993)  “CASE  Tools  as  Organizational  Change:  Investigating   Incremental  and  Radical  Changes  in  Systems  Development,”  MIS  Quarterly  (17)3,  pp   309-­‐340.   Reijers,  H.  A.  and  S.  L.  Mansar  (2005)  “Best  Practices  in  Business  Process  Redesign:  An   Overview  and  Qualitative  Evaluation  of  Successful  Redesign  Heuristics,”  Omega  (33)4,   pp   283-­‐306.   SAP  (2010)  SAP  Sustainability  Report,  SAP  AG,  http://www.sapsustainabilityreport.com   (current  October  6,  2010).   Seidel,  S.,  J.  Recker,  C.  Pimmer,  and  J.  vom  Brocke  (2010)  “Enablers  and  Barriers  to  the   Organizational  Adoption  of  Sustainable  Business  Practices,”  16th  Americas  Conference   on  Information  Systems,  Lima,  Peru.   Sidorova,  A.,  N.  Evangelopoulos,  J.  S.  Valacich,  and  T.  Ramakrishnan  (2008)   “Uncovering  the  Intellectual  Core  of  the  Information  Systems  Discipline,”  MIS   Quarterly  (32)3,  pp  467-­‐  
  10. 10. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       482.   van  der  Aalst,  W.  M.  P.  and  A.  H.  M.  ter  Hofstede  (2005)  “YAWL:  Yet  Another  Workflow   Language”,  Information  Systems  (30)4,  pp  245-­‐275.   von  Halle,  B.  (2001)  Business  Rules  Applied:  Building  Better  Systems  Using  the  Business   Rules  Approach,  John  Wiley  &  Sons,  New  York,  New  York.   Watson,  R.  T.,  M.-­‐C.  Boudreau,  and  A.  J.  Chen  (2010)  “Information  Systems  and   Environmentally  Sustainable  Development:  Energy  Informatics  and  New  Directions  for   the  IS  Community,”  MIS  Quarterly  (34)1,  pp  23-­‐38.   Editores:   Michel  Avital,  University  of  Amsterdam   Kevin  Crowston,  Syracuse  University   Conselho  Consultivo:   Kalle  Lyytinen,  Case  Western  Reserve  University   Roger  Clarke,  Australian  National  University   Sue  Conger,  University  of  Dallas   Marco  De  Marco,  Universita’  Cattolica  di  Milano   Guy  Fitzgerald,  Brunel  University   Rudy  Hirschheim,  Louisiana  State  University   Blake  Ives,  University  of  Houston   Sirkka  Jarvenpaa,  University  of  Texas  at  Austin   John  King,  University  of  Michigan   Rik  Maes,  University  of  Amsterdam   Dan  Robey,  Georgia  State  University   Frantz  Rowe,  University  of  Nantes   Detmar  Straub,  Georgia  State  University   Richard  T.  Watson,  University  of  Georgia   Ron  Weber,  Monash  University   Kwok  Kee  Wei,  City  University  of  Hong  Kong     Patrocinadores:   Association  for  Information  Systems  (AIS)   AIM   itAIS   Addis  Ababa  University,  Ethiopia   American  University,  USA   Case  Western  Reserve  University,  USA   City  University  of  Hong  Kong,  China   Copenhagen  Business  School,  Denmark   Hanken  School  of  Economics,  Finland   Helsinki  School  of  Economics,  Finland   Indiana  University,  USA   Katholieke  Universiteit  Leuven,  Belgium   Lancaster  University,  UK   Leeds  Metropolitan  University,  UK   National  University  of  Ireland  Galway,  Ireland   New  York  University,  USA   Pennsylvania  State  University,  USA  
  11. 11. 4º    Seminário  Internacional  de  BPM     www.bpmglobaltrends.com.br       Pepperdine  University,  USA   Syracuse  University,  USA   University  of  Amsterdam,  Netherlands   University  of  Dallas,  USA   University  of  Georgia,  USA   University  of  Groningen,  Netherlands   University  of  Limerick,  Ireland   University  of  Oslo,  Norway   University  of  San  Francisco,  USA   University  of  Washington,  USA   Victoria  University  of  Wellington,  New  Zealand   Viktoria  Institute,  Sweden   Conselho  Editorial:     Margunn  Aanestad,  University  of  Oslo     Steven  Alter,  University  of  San  Francisco     Egon  Berghout,  University  of  Groningen     Bo-­‐Christer  Bjork,  Hanken  School  of  Economics    Tony  Bryant,  Leeds  Metropolitan  University    Erran  Carmel,  American  University    Kieran  Conboy,  National  U.  of  Ireland  Galway    Jan  Damsgaard,  Copenhagen  Business  School      Robert  Davison,  City  University  of  Hong  Kong    Guido  Dedene,  Katholieke  Universiteit  Leuven  Alan  Dennis,  Indiana  University        Brian  Fitzgerald,  University  of  Limerick     Ole  Hanseth,  University  of  Oslo     Ola  Henfridsson,  Viktoria  Institute     Sid  Huff,  Victoria  University  of  Wellington     Ard  Huizing,  University  of  Amsterdam     Lucas  Introna,  Lancaster  University     Panos  Ipeirotis,  New  York  University     Robert  Mason,  University  of  Washington     John  Mooney,  Pepperdine  University     Steve  Sawyer,  Pennsylvania  State  University     Virpi  Tuunainen,  Helsinki  School  of  Economics     Francesco  Virili,  Universita'  degli  Studi  di  Cassino     Gestor  da  edição:     Bas  Smit,  University  of  Amsterdam       Escritório:     Sprouts    University  of  Amsterdam      Roetersstraat  11,  Room  E  2.74    1018  WB  Amsterdam,  Netherlands      Email:  admin@sprouts.aisnet.org  

×