SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
1
Aleitamento Materno
A primeira experiência alimentar
Silvia Marina Anaruma – Profa da UNESP –
Câmpus de Rio Claro – SP (aposentada)
silviarcsp@gmail.com
Novembro de 2020
Introdução
A primeira experiência alimentar se dá
com o aleitamento materno. Isto porque o leite
materno é o alimento mais completo para o bebê
até os dois anos ou mais. O leite materno é
completo, natural, sustentável, pois não polui o
ambiente. Está na temperatura certa, na
quantidade certa, é limpo, quanto mais se mama,
mais se produz e não tem custo. Seus benefícios
podem ser percebidos a curto, médio e longo
prazo.
Em curto prazo a amamentação ajuda no
desenvolvimento dos músculos da face, da
respiração, atua no desenvolvimento da fala e da
arcada dentária. Em longo prazo o leite materno
aumenta a inteligência na infância e previne a
obesidade (em todas as fases) e o diabetes tipo 2.
Crianças que não amamentam tem 2 vezes mais
chance de se tornarem obesas na vida adulta. Do
ponto de vista psicológico o bebê vai estar na
fase oral de desenvolvimento em que tem o
prazer localizado na boca.
O aleitamento materno não só trás
benefícios para o bebê, como para a mãe: previne
o câncer de ovário, de útero e de mama; previne
a osteoporose e as doenças cardiovasculares;
evita a hemorragia pós-parto por causa da
liberação da ocitocina, o hormônio do amor,
(responsável pela ejeção do leite) que também
ajuda na contração do útero e expulsão da
placenta. A liberação de outro hormônio, a
prolactina, responsável pela produção do leite,
também via relaxar a mãe. A amamentação
fortalece o vínculo entre mãe e bebê.
Mesmo durante a Pandemia do COVID-19
não se encontrou evidências de que há
transmissão vertical do vírus da mãe para o bebê,
ou seja, não foi encontrado o vírus no leite
materno. Sendo assim, mesmo que a mãe esteja
infectada ela pode continuar amamentando com
todos os cuidados necessários. Mas a
possibilidade de contaminação horizontal existe,
o que nos chama a atenção para a necessidade de
se adotar todos os cuidados preconizados pela
OMS: a higiene das mãos , evitar aglomeração e
uso de máscara, dentre outros.
Por tudo isso, a amamentação é
considerada o padrão ouro em alimentação, daí a
Campanha do Laço dourado que acontece em
agosto no nosso país. Ela previne infecções e
alergias, reduz a mortalidade infantil. O leite
materno tem mais de 250 componentes
benéficos para a saúde.
Como é a Realidade Brasileira em termos
de prevalência da amamentação?
Na última pesquisa publicada em 2020
correspondente ao ENANI (Estudo Nacional sobre
Alimentação e Nutrição Infantil) vimos que 60%
dos bebês foram amamentados até os 4 meses,
45,7 % até os 6 meses de forma exclusiva, 53,1%
até 1 ano e 60% até os 2 anos. O ideal seria que
todos os bebês amamentassem no tempo
necessário, mas não é a nossa realidade, embora
os índices tenham melhorado muito se olharmos
para trás. A pesquisa aponta que com 4 meses, 4
em cada 10 bebês já começam o processo de
desmame precoce - exatamente na fase mais
importante da amamentação exclusiva - e os
índices continuam diminuindo até os dois anos.
Muitas são as causas do desmame, mas
podemos citar as mais comuns: a introdução de
bicos e mamadeiras, que leva a confusão de bicos
e a introdução do leite artificial já precocemente.
Elas são decorrentes da dificuldade da mãe em
continuar amamentando porque tem que voltar a
trabalhar; da situação econômica, da falta de
apoio, da falta de informação, por experiência
anterior negativa, por causa dos mitos e
crendices ( o leite é fraco).
Como se dá a primeira experiência
alimentar e o que aprendemos
A primeira experiência alimentar deve
começar logo após o nascimento quando o bebê
sai da barriga da mãe e é colocado para
2
amamentar. Este é um comportamento próprio
dos mamíferos. Se constatou que este
procedimento é uma forma de favorecer a
amamentação e manter o bebê aquecido. Será
neste momento também que o bebê terá seu
primeiro contato com a mãe. Este contato pele a
pele é de suma importância para o bebê se sentir
acolhida e protegida.
Mas será que o bebê sabe amamentar? O
bebê tem seu aparato biológico que lhe permite
amamentar, o reflexo de sucção. Mas este reflexo
não é suficiente para que ele amamente, ele
precisa também aprender a amamentar. Para
isso, ele deve estar bem posicionado, ter uma
boa pega, estar confortavelmente vestido e estar
sem sono. Este aprendizado será feito com a
ajuda da mãe, por isso, é um processo recíproco.
Nos primeiros dias, o bebê vai receber o
colostro que é como uma vacina natural, por
conter grande quantidade de anticorpos e
glóbulos brancos; ele é nutritivo e possui gordura
para engordar o bebê. Entre 5 e 15 dias mais ou
menos, começa a ser produzido o leite de
transição e com 1 mês o leite maduro. A
composição do leite é tão perfeita que em cada
fase do bebê ela muda, para se adequar as suas
condições de crescimento.
A partir daí, o bebê deve receber o leite
materno durante 6 meses, de forma exclusiva, ou
seja, sem nenhum outro alimento sólido ou
líquido. Isto porque o leite materno protege as
mucosas do seu trato digestivo como uma
película contra qualquer elemento estranho ao
seu organismo. Outros líquidos podem remover
esta proteção, trazendo infecções. Neste período,
é comum a família pensar que o bebê está com
sede e precisa de água, mas isto não ocorre, pois
o leite materno tem 88,2 % de água na sua
composição.
Nestes primeiros contatos o bebê vai
experimentar a deglutição junto com a
respiração, a sucção, a salivação e todas as
funções digestivas. O bebê tem que aprender a
segurar o bico do peito, ao mesmo tempo em que
respira e engole. Também vai aprender a
distinguir os sabores, pois o leite materno
modifica seu sabor de acordo com a alimentação
da mãe e esta experiência é que vai ajudar na
aceitação dos outros alimentos posteriormente.
Ele também vai aprender a
autorregulação, ou seja, através da livre demanda
o bebê vai distinguir as sensações de fome e de
saciedade. Esta capacidade é fundamental para
aprendermos a comer quando estamos com fome
e não com apetite.
É importante também destacar que
quando o bebê está amamentando, ele está
exercitando os 5 sentidos: o tato, porque ele toca
a mãe; o olfato porque ele sente o cheiro da mãe
e do leite; a visão porque ele está olhando a mãe
e este olhar é que estimula a descida do leite e o
desenvolvimento da acuidade visual; a audição,
porque ele ouve sua mãe conversar e todos os
sons da amamentação e, finalmente, o paladar.
Desta forma, a interação com a mãe na hora da
mamada é fundamental.
O bebê não mama só para se alimentar.
Ele também mama para se sentir protegido, para
sentir o calor do corpo da mãe, para desenvolver
o afeto. Daí porque este é um contato
extremamente intenso. É também sua primeira
experiência de amor. Nós iremos repetir esta
sensação ao longo da vida, quando comemos a
comida da mãe ou de outra pessoa querida.
Sendo assim, é neste momento que aprendemos
a associar comida e afeto. Quando bebês,
chorarmos e a mãe nos dá o peito e nós
aprendemos que a alimentação tem o poder de
diminuir a tristeza, a ansiedade ou a depressão,
mas também recorremos à comida quando
estamos alegres.
A amamentação, além de funcionar como
uma vacina funciona também como remédio.
Quando o bebê não está muito bem, oferecemos
o peito e isto acalma o bebê, além dele usufruir
de suas propriedades benéficas para a saúde.
Alimentação complementar dos 6 meses
aos 2 anos
Depois dos 6 meses, ocorre a introdução
gradual de outros alimentos e, como o próprio
nome já diz, é uma alimentação que não substitui
o leite materno, mas complementa, pois seus
fatores de proteção ainda são necessários. E é
3
neste momento que se dá o início do desmame
natural.
Aqui é a hora de o bebê experimentar
outros alimentos, sólidos e líquidos e a melhor
fase para se instalar os hábitos alimentares.
Devem ser oferecidos os principais alimentos:
carnes, grãos, verduras, legumes, ovos, leite e
frutas, respeitando a regionalidade.
As nutricionistas recomendam que, em
média o bebê faça 3 refeições diárias
intercalando com o leite materno ou 5 refeições
sem o leite materno. Nas refeições, é bom
lembrar que não se deve punir e nem premiar a
criança por não comer, mas incentivar. Um prato
colorido, além de ser saudável, também estimula
a criança a comer, por isso que ouvimos
popularmente que nós comemos primeiros com
os olhos – a aparência da alimentação faz toda
diferença. Alimentos frescos, maduros, em bom
estado de conservação e higiene são
fundamentais. Nunca esquecer que as refeições
devem ser momentos de calma e tranquilidade.
Recomenda-se que seja usado o sal com
moderação e não oferecer para o bebê: açúcar,
café, iogurte industrializado, nada com
conservante ou aditivo, como “miojo”, sorvete,
biscoito recheado, enlatado, refrigerante,
queijinho processado.
De preferência deve-se usar um copinho
para oferecer água e outros líquidos, ao invés de
mamadeira, para que não haja a confusão de
bicos.
Há uma recomendação da OMS de que a
amamentação deve continuar até os dois anos ou
mais, pois as propriedades do leite materno não
cessam. Na verdade, não há um limite preciso. A
ruptura da amamentação deve ocorrer em
comum acordo entre mãe e bebê e deve ser
gradual.
Considerações Finais
O bebê deve ser amamentado porque é
seu direito, só que ele não tem opção de
escolher, quem tem esta opção é a mãe e ela
estará fazendo a escolha certa se amamentar. A
sociedade deve apoiar o aleitamento materno,
pela sua importância e por ser o melhor alimento
para a criança até os dois anos ou mais.
É neste momento do desenvolvimento
que se inicia a alfabetização alimentar. Os hábitos
alimentares são instalados neste período e
dificilmente serão mudados depois. Então,
comece ensinando os hábitos saudáveis. Além
disso, quanto mais a criança cresce, mais vai
ficando seletiva. Se o início foi correto, a
tendência de sucesso na alimentação no futuro é
maior. A alimentação neste período da criança é
a base para seu desenvolvimento físico e
cognitivo. Portanto, atenção redobrada nesta
fase e exemplo.
Parece uma contradição viver em um
mundo em que falta alimentação para todos e se
desperdiça um alimento tão natural, sem custo e
tão nutritivo. Por isso, sejam promotores da
amamentação, apoiando e incentivando o
aleitamento materno.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementarNutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementarErly Batista Neto
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarErly Batista Neto
 
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundialAleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundialRebeca - Doula
 
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Receitas culinária infantil
Receitas culinária infantilReceitas culinária infantil
Receitas culinária infantilmucamaba
 
Alimentação complementar
Alimentação complementarAlimentação complementar
Alimentação complementarNara Lordello
 
Alimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciaAlimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciabecresforte
 
Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP
Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP
Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Livro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas SaudaveisLivro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas SaudaveisBombokado Kado
 
Livro De Receitas Vencendo A Desnutrição
Livro De  Receitas  Vencendo A  DesnutriçãoLivro De  Receitas  Vencendo A  Desnutrição
Livro De Receitas Vencendo A DesnutriçãoTomateVerdeFrito
 
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]Consolacao
 
Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...
Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...
Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (17)

Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
 
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
Alimento de Primeira - Capítulo do Caderno 17 - Primeira Infância
 
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementarNutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
 
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundialAleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
 
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
Vegetarianismo na infância e adolescência / Tema para a SMAM 2020
 
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
Guia de Alimentação para Lactentes Vegetarianos
 
Receitas culinária infantil
Receitas culinária infantilReceitas culinária infantil
Receitas culinária infantil
 
Alimentação complementar
Alimentação complementarAlimentação complementar
Alimentação complementar
 
Alimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciaAlimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infância
 
Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP
Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP
Alimentação complementar e BLW: documento científico da SBP
 
Calendário de ALEITAMENTO MATERNO 2016 OPAS/OMS
Calendário de ALEITAMENTO MATERNO 2016 OPAS/OMS Calendário de ALEITAMENTO MATERNO 2016 OPAS/OMS
Calendário de ALEITAMENTO MATERNO 2016 OPAS/OMS
 
Livro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas SaudaveisLivro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas Saudaveis
 
Livro De Receitas Vencendo A Desnutrição
Livro De  Receitas  Vencendo A  DesnutriçãoLivro De  Receitas  Vencendo A  Desnutrição
Livro De Receitas Vencendo A Desnutrição
 
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
Promoção, Proteção e Apoio a Amamentação: evidências científicas e experiênci...
 
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
 
Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...
Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...
Desenvolvimento da criança: os cuidados pela família e cuidadores. Cartilha d...
 

Semelhante a A 1a. experiencia alimentar

E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasEuSaúde
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresRebeca - Doula
 
A Importância do Aleitamento Materno e seus mitos
A  Importância do Aleitamento Materno e seus mitosA  Importância do Aleitamento Materno e seus mitos
A Importância do Aleitamento Materno e seus mitosJackson Damasceno
 
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ  Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxBrunoMMorales
 
Trabalho de nutriçao pronto
Trabalho de nutriçao prontoTrabalho de nutriçao pronto
Trabalho de nutriçao prontoEduardo Weverton
 
BabáS Promotoras Do Aleitamento Materno
BabáS Promotoras Do Aleitamento MaternoBabáS Promotoras Do Aleitamento Materno
BabáS Promotoras Do Aleitamento MaternoSilvia Marina Anaruma
 
Amamentar_Bonus.pdf
Amamentar_Bonus.pdfAmamentar_Bonus.pdf
Amamentar_Bonus.pdfSanlaCosta1
 
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdfguia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdfAndressaPisani
 
Alimentacao do bebe
Alimentacao do bebeAlimentacao do bebe
Alimentacao do bebePelo Siro
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulherDessa Reis
 
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe31202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe3Pelo Siro
 
Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder
Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder
Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder blogped1
 
Mini Banner - Aleitamento Materno
Mini Banner - Aleitamento MaternoMini Banner - Aleitamento Materno
Mini Banner - Aleitamento MaternoNeto Pontes
 
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósPatrícia Müller
 

Semelhante a A 1a. experiencia alimentar (20)

E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete Valadares
 
A Importância do Aleitamento Materno e seus mitos
A  Importância do Aleitamento Materno e seus mitosA  Importância do Aleitamento Materno e seus mitos
A Importância do Aleitamento Materno e seus mitos
 
Aleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdfAleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdf
 
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ  Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
 
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
 
Cartilhasmam
CartilhasmamCartilhasmam
Cartilhasmam
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
 
Trabalho de nutriçao pronto
Trabalho de nutriçao prontoTrabalho de nutriçao pronto
Trabalho de nutriçao pronto
 
BabáS Promotoras Do Aleitamento Materno
BabáS Promotoras Do Aleitamento MaternoBabáS Promotoras Do Aleitamento Materno
BabáS Promotoras Do Aleitamento Materno
 
Amamentar_Bonus.pdf
Amamentar_Bonus.pdfAmamentar_Bonus.pdf
Amamentar_Bonus.pdf
 
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdfguia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
 
Alimentacao do bebe
Alimentacao do bebeAlimentacao do bebe
Alimentacao do bebe
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe31202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
 
Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder
Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder
Semana Mundial do Aleitamento Materno- Folder
 
Mini Banner - Aleitamento Materno
Mini Banner - Aleitamento MaternoMini Banner - Aleitamento Materno
Mini Banner - Aleitamento Materno
 
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
Aleitamento Materno - um guia para toda a família ("e-book")
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
 

Mais de Silvia Marina Anaruma

Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemSilvia Marina Anaruma
 
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino Silvia Marina Anaruma
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemSilvia Marina Anaruma
 
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil Silvia Marina Anaruma
 
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na  fase pré natalO desenvolvimento auditivo na  fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na fase pré natalSilvia Marina Anaruma
 
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...Silvia Marina Anaruma
 
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - beePsico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - beeSilvia Marina Anaruma
 
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoProama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoSilvia Marina Anaruma
 
Apresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smam
Apresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smamApresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smam
Apresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smamSilvia Marina Anaruma
 

Mais de Silvia Marina Anaruma (20)

Sergipe com musica
Sergipe com musicaSergipe com musica
Sergipe com musica
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
 
Pesquisa nacional am 2008
Pesquisa nacional am 2008Pesquisa nacional am 2008
Pesquisa nacional am 2008
 
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
Concepções de desenvolvimento e modelos pedagógicos de ensino
 
Pensar a aprendizagem
Pensar a aprendizagemPensar a aprendizagem
Pensar a aprendizagem
 
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagemApontamentos sobre o conceito de aprendizagem
Apontamentos sobre o conceito de aprendizagem
 
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
Contribuição do aleitamento materno para a Educação Infantil
 
Adolescência no Brasil
Adolescência no Brasil Adolescência no Brasil
Adolescência no Brasil
 
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na  fase pré natalO desenvolvimento auditivo na  fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
 
Método canguru ou
Método canguru ouMétodo canguru ou
Método canguru ou
 
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
Inovações no ensino das Dimensões Psicossociais da Escola na formação de Peda...
 
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - beePsico. do desenvolvimento   introdução- ciclo vital - bee
Psico. do desenvolvimento introdução- ciclo vital - bee
 
Mulher Trabalhadora que amamenta
Mulher Trabalhadora que amamenta Mulher Trabalhadora que amamenta
Mulher Trabalhadora que amamenta
 
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoProama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
Livro completo. poesia
Livro completo. poesiaLivro completo. poesia
Livro completo. poesia
 
Folheto SMAM 2015
Folheto SMAM 2015Folheto SMAM 2015
Folheto SMAM 2015
 
Apresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smam
Apresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smamApresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smam
Apresentação feita-pela-dra-rosangela-gomes-no-seminário-preparatório-da-smam
 
Proama
ProamaProama
Proama
 
Congresso de extensão 2015 enviar
Congresso de extensão 2015 enviarCongresso de extensão 2015 enviar
Congresso de extensão 2015 enviar
 

Último

SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasIANAHAAS
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesIANAHAAS
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxjhordana1
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesVanessaXLncolis
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorIvaneSales
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaJoyceDamasio2
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosIANAHAAS
 

Último (9)

SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 

A 1a. experiencia alimentar

  • 1. 1 Aleitamento Materno A primeira experiência alimentar Silvia Marina Anaruma – Profa da UNESP – Câmpus de Rio Claro – SP (aposentada) silviarcsp@gmail.com Novembro de 2020 Introdução A primeira experiência alimentar se dá com o aleitamento materno. Isto porque o leite materno é o alimento mais completo para o bebê até os dois anos ou mais. O leite materno é completo, natural, sustentável, pois não polui o ambiente. Está na temperatura certa, na quantidade certa, é limpo, quanto mais se mama, mais se produz e não tem custo. Seus benefícios podem ser percebidos a curto, médio e longo prazo. Em curto prazo a amamentação ajuda no desenvolvimento dos músculos da face, da respiração, atua no desenvolvimento da fala e da arcada dentária. Em longo prazo o leite materno aumenta a inteligência na infância e previne a obesidade (em todas as fases) e o diabetes tipo 2. Crianças que não amamentam tem 2 vezes mais chance de se tornarem obesas na vida adulta. Do ponto de vista psicológico o bebê vai estar na fase oral de desenvolvimento em que tem o prazer localizado na boca. O aleitamento materno não só trás benefícios para o bebê, como para a mãe: previne o câncer de ovário, de útero e de mama; previne a osteoporose e as doenças cardiovasculares; evita a hemorragia pós-parto por causa da liberação da ocitocina, o hormônio do amor, (responsável pela ejeção do leite) que também ajuda na contração do útero e expulsão da placenta. A liberação de outro hormônio, a prolactina, responsável pela produção do leite, também via relaxar a mãe. A amamentação fortalece o vínculo entre mãe e bebê. Mesmo durante a Pandemia do COVID-19 não se encontrou evidências de que há transmissão vertical do vírus da mãe para o bebê, ou seja, não foi encontrado o vírus no leite materno. Sendo assim, mesmo que a mãe esteja infectada ela pode continuar amamentando com todos os cuidados necessários. Mas a possibilidade de contaminação horizontal existe, o que nos chama a atenção para a necessidade de se adotar todos os cuidados preconizados pela OMS: a higiene das mãos , evitar aglomeração e uso de máscara, dentre outros. Por tudo isso, a amamentação é considerada o padrão ouro em alimentação, daí a Campanha do Laço dourado que acontece em agosto no nosso país. Ela previne infecções e alergias, reduz a mortalidade infantil. O leite materno tem mais de 250 componentes benéficos para a saúde. Como é a Realidade Brasileira em termos de prevalência da amamentação? Na última pesquisa publicada em 2020 correspondente ao ENANI (Estudo Nacional sobre Alimentação e Nutrição Infantil) vimos que 60% dos bebês foram amamentados até os 4 meses, 45,7 % até os 6 meses de forma exclusiva, 53,1% até 1 ano e 60% até os 2 anos. O ideal seria que todos os bebês amamentassem no tempo necessário, mas não é a nossa realidade, embora os índices tenham melhorado muito se olharmos para trás. A pesquisa aponta que com 4 meses, 4 em cada 10 bebês já começam o processo de desmame precoce - exatamente na fase mais importante da amamentação exclusiva - e os índices continuam diminuindo até os dois anos. Muitas são as causas do desmame, mas podemos citar as mais comuns: a introdução de bicos e mamadeiras, que leva a confusão de bicos e a introdução do leite artificial já precocemente. Elas são decorrentes da dificuldade da mãe em continuar amamentando porque tem que voltar a trabalhar; da situação econômica, da falta de apoio, da falta de informação, por experiência anterior negativa, por causa dos mitos e crendices ( o leite é fraco). Como se dá a primeira experiência alimentar e o que aprendemos A primeira experiência alimentar deve começar logo após o nascimento quando o bebê sai da barriga da mãe e é colocado para
  • 2. 2 amamentar. Este é um comportamento próprio dos mamíferos. Se constatou que este procedimento é uma forma de favorecer a amamentação e manter o bebê aquecido. Será neste momento também que o bebê terá seu primeiro contato com a mãe. Este contato pele a pele é de suma importância para o bebê se sentir acolhida e protegida. Mas será que o bebê sabe amamentar? O bebê tem seu aparato biológico que lhe permite amamentar, o reflexo de sucção. Mas este reflexo não é suficiente para que ele amamente, ele precisa também aprender a amamentar. Para isso, ele deve estar bem posicionado, ter uma boa pega, estar confortavelmente vestido e estar sem sono. Este aprendizado será feito com a ajuda da mãe, por isso, é um processo recíproco. Nos primeiros dias, o bebê vai receber o colostro que é como uma vacina natural, por conter grande quantidade de anticorpos e glóbulos brancos; ele é nutritivo e possui gordura para engordar o bebê. Entre 5 e 15 dias mais ou menos, começa a ser produzido o leite de transição e com 1 mês o leite maduro. A composição do leite é tão perfeita que em cada fase do bebê ela muda, para se adequar as suas condições de crescimento. A partir daí, o bebê deve receber o leite materno durante 6 meses, de forma exclusiva, ou seja, sem nenhum outro alimento sólido ou líquido. Isto porque o leite materno protege as mucosas do seu trato digestivo como uma película contra qualquer elemento estranho ao seu organismo. Outros líquidos podem remover esta proteção, trazendo infecções. Neste período, é comum a família pensar que o bebê está com sede e precisa de água, mas isto não ocorre, pois o leite materno tem 88,2 % de água na sua composição. Nestes primeiros contatos o bebê vai experimentar a deglutição junto com a respiração, a sucção, a salivação e todas as funções digestivas. O bebê tem que aprender a segurar o bico do peito, ao mesmo tempo em que respira e engole. Também vai aprender a distinguir os sabores, pois o leite materno modifica seu sabor de acordo com a alimentação da mãe e esta experiência é que vai ajudar na aceitação dos outros alimentos posteriormente. Ele também vai aprender a autorregulação, ou seja, através da livre demanda o bebê vai distinguir as sensações de fome e de saciedade. Esta capacidade é fundamental para aprendermos a comer quando estamos com fome e não com apetite. É importante também destacar que quando o bebê está amamentando, ele está exercitando os 5 sentidos: o tato, porque ele toca a mãe; o olfato porque ele sente o cheiro da mãe e do leite; a visão porque ele está olhando a mãe e este olhar é que estimula a descida do leite e o desenvolvimento da acuidade visual; a audição, porque ele ouve sua mãe conversar e todos os sons da amamentação e, finalmente, o paladar. Desta forma, a interação com a mãe na hora da mamada é fundamental. O bebê não mama só para se alimentar. Ele também mama para se sentir protegido, para sentir o calor do corpo da mãe, para desenvolver o afeto. Daí porque este é um contato extremamente intenso. É também sua primeira experiência de amor. Nós iremos repetir esta sensação ao longo da vida, quando comemos a comida da mãe ou de outra pessoa querida. Sendo assim, é neste momento que aprendemos a associar comida e afeto. Quando bebês, chorarmos e a mãe nos dá o peito e nós aprendemos que a alimentação tem o poder de diminuir a tristeza, a ansiedade ou a depressão, mas também recorremos à comida quando estamos alegres. A amamentação, além de funcionar como uma vacina funciona também como remédio. Quando o bebê não está muito bem, oferecemos o peito e isto acalma o bebê, além dele usufruir de suas propriedades benéficas para a saúde. Alimentação complementar dos 6 meses aos 2 anos Depois dos 6 meses, ocorre a introdução gradual de outros alimentos e, como o próprio nome já diz, é uma alimentação que não substitui o leite materno, mas complementa, pois seus fatores de proteção ainda são necessários. E é
  • 3. 3 neste momento que se dá o início do desmame natural. Aqui é a hora de o bebê experimentar outros alimentos, sólidos e líquidos e a melhor fase para se instalar os hábitos alimentares. Devem ser oferecidos os principais alimentos: carnes, grãos, verduras, legumes, ovos, leite e frutas, respeitando a regionalidade. As nutricionistas recomendam que, em média o bebê faça 3 refeições diárias intercalando com o leite materno ou 5 refeições sem o leite materno. Nas refeições, é bom lembrar que não se deve punir e nem premiar a criança por não comer, mas incentivar. Um prato colorido, além de ser saudável, também estimula a criança a comer, por isso que ouvimos popularmente que nós comemos primeiros com os olhos – a aparência da alimentação faz toda diferença. Alimentos frescos, maduros, em bom estado de conservação e higiene são fundamentais. Nunca esquecer que as refeições devem ser momentos de calma e tranquilidade. Recomenda-se que seja usado o sal com moderação e não oferecer para o bebê: açúcar, café, iogurte industrializado, nada com conservante ou aditivo, como “miojo”, sorvete, biscoito recheado, enlatado, refrigerante, queijinho processado. De preferência deve-se usar um copinho para oferecer água e outros líquidos, ao invés de mamadeira, para que não haja a confusão de bicos. Há uma recomendação da OMS de que a amamentação deve continuar até os dois anos ou mais, pois as propriedades do leite materno não cessam. Na verdade, não há um limite preciso. A ruptura da amamentação deve ocorrer em comum acordo entre mãe e bebê e deve ser gradual. Considerações Finais O bebê deve ser amamentado porque é seu direito, só que ele não tem opção de escolher, quem tem esta opção é a mãe e ela estará fazendo a escolha certa se amamentar. A sociedade deve apoiar o aleitamento materno, pela sua importância e por ser o melhor alimento para a criança até os dois anos ou mais. É neste momento do desenvolvimento que se inicia a alfabetização alimentar. Os hábitos alimentares são instalados neste período e dificilmente serão mudados depois. Então, comece ensinando os hábitos saudáveis. Além disso, quanto mais a criança cresce, mais vai ficando seletiva. Se o início foi correto, a tendência de sucesso na alimentação no futuro é maior. A alimentação neste período da criança é a base para seu desenvolvimento físico e cognitivo. Portanto, atenção redobrada nesta fase e exemplo. Parece uma contradição viver em um mundo em que falta alimentação para todos e se desperdiça um alimento tão natural, sem custo e tão nutritivo. Por isso, sejam promotores da amamentação, apoiando e incentivando o aleitamento materno.