INVENTÁRIO POMS – PERFIL DE ESTADOS DE HUMOR
 É uma escala que identifica seis
estados afetivos ou de humor
 É um método, rápido e económico,
de identificação e valo...
 Este instrumento, na sua génese,
foi usado para avaliar as
variações dos estados de humor
e as respostas às variadas
ter...
 William Morgan, em 1975, estuda a sua aplicação
para avaliar as relações existentes entre o perfil do
estado de humor e ...
 6 subescalas:
 Tensão – Ansiedade (9 itens)
 Depressão – Rejeição (15 itens)
 Cólera – Hostilidade (12 itens)
 Vigor...
 Individualmente
 Grupos
Quer sejam pacientes
psiquiátricos, quer sejam
indivíduos normais
Praticamente autoaplicável pe...
 Original: 65 adjetivos
 Resposta em escala tipo Likert de 5 pontos:
○ 0 = de maneira nenhuma
○ 1 = um pouco
○ 2 = moder...
 Soma da cotação de cada adjetivo que
integra cada subescala
 Com exceção do item 22 – Descontraído e o
item 54 – Eficie...
 Sensibilidade
 Fidelidade
 Validade
 Normalização
 Azevedo, M.; Silva C. & Dias M. (1991). O “Perfil dos
Estados de Humor”: Adaptação à População
Portuguesa. Psiquiatria C...
Poms Profile Of Mood States
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Poms Profile Of Mood States

2.565 visualizações

Publicada em

POMS - Métodos Quantitativos

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poms Profile Of Mood States

  1. 1. INVENTÁRIO POMS – PERFIL DE ESTADOS DE HUMOR
  2. 2.  É uma escala que identifica seis estados afetivos ou de humor  É um método, rápido e económico, de identificação e valorização dos estados afetivos, transitórios e flutuantes  Avalia as variações emocionais associadas ao exercício físico e bem-estar psicológico, à imposição de programas de treino e aos momentos pré e pós competição
  3. 3.  Este instrumento, na sua génese, foi usado para avaliar as variações dos estados de humor e as respostas às variadas terapias, em populações psiquiátricas.  Provou ser uma medida sensível para os efeitos das várias experiências efectuadas em sujeitos normais e em populações não terapêuticas
  4. 4.  William Morgan, em 1975, estuda a sua aplicação para avaliar as relações existentes entre o perfil do estado de humor e o desempenho desportivo, permitindo o favorecimento do desempenho motor e a saúde mental de atletas e não atletas  Permite controlar os efeitos das psicoterapias, da medicação com substâncias psicotrópicas, da privação do sono, da estimulação emocional e avaliar os distúrbios de humor nos doentes oncológicos,  Permite aferir a utilidade das intervenções técnicas como grupos de suporte que parecem aliviar os efeitos negativos que lhe são inerentes
  5. 5.  6 subescalas:  Tensão – Ansiedade (9 itens)  Depressão – Rejeição (15 itens)  Cólera – Hostilidade (12 itens)  Vigor – Atividade (8 itens)  Fadiga – Inércia (7 itens)  Confusão – Desorientação (7 itens)  Escala total da Perturbação de Humor
  6. 6.  Individualmente  Grupos Quer sejam pacientes psiquiátricos, quer sejam indivíduos normais Praticamente autoaplicável pela maior parte de sujeitos Maiores de dezoito anos Com pelo menos o ensino preparatório completo,
  7. 7.  Original: 65 adjetivos  Resposta em escala tipo Likert de 5 pontos: ○ 0 = de maneira nenhuma ○ 1 = um pouco ○ 2 = moderadamente ○ 3 = muito ○ 4 = muitíssimo Foram selecionados os adjetivos mais facilmente compreendidos pelo indivíduo médio. Instruções: Como se tem sentido durante a ÚLTIMA SEMANA, INCLUINDO HOJE?
  8. 8.  Soma da cotação de cada adjetivo que integra cada subescala  Com exceção do item 22 – Descontraído e o item 54 – Eficiente, que recebem pontuação inversa  Soma de todas as subescalas onde a escala do vigor tem uma pontuação negativa
  9. 9.  Sensibilidade  Fidelidade  Validade  Normalização
  10. 10.  Azevedo, M.; Silva C. & Dias M. (1991). O “Perfil dos Estados de Humor”: Adaptação à População Portuguesa. Psiquiatria Clínica, 12, 187-193  Cruz, J. & Mota, M. (1997). Adaptação e características psicométricas do POMS – “Profile of Mood States e do STAI – State Anxiety Inventory”. In Gonçalves, M.; Ribeiro, I.; Araújo, S.; Machado, C.; Almeida, L. & Simões M. Avaliação psicológica: formas e contextos (vol. V, pp 539-545) Universidade do Minho  McNair, D.; Lorr, M. & Droppleman, L. Edits Manual for the Profile Moods States. Edits/Educational and Industrial Testing Service. San Diego California 92167, 1992.

×