SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
HIDROSTÁTICA
O Mar Morto, localizado no Oriente
Médio, é um lago enorme formado pela
água com maior teor de sal do planeta.
No mar morto a densidade da água
salgada é muito grande e a pessoa
flutua sem nenhum esforço físico.
www.fisicaatual.com.br
DENSIDADE
A massa específica é uma grandeza característica da substância. Por definição, a
massa específica (ρ) é a relação entre a massa da substância e o seu volume:
SubstânciaV
m
Unidade do Sistema Internacional: kg/m3
Unidade usual: g/cm3
www.fisicaatual.com.br
Um objeto oco pode ter densidade muito diferente da massa específica do
material que o compõe, como, por exemplo, um navio. Embora a massa específica
do aço seja maior do que a massa específica da água, a densidade de um navio é
certamente menor do que a da água.
A densidade é uma grandeza característica do corpo. Por definição, a densidade
(d) é a relação entre a massa do corpo e o seu volume:
CorpoV
m
d
www.fisicaatual.com.br
A densidade do água é maior que a
densidade da isopor. Isto significa que as
partículas que constituem o isopor são mais
afastadas entre si que as partículas que
constituem a água. O isopor ocupa mais
volume para uma mesma quantidade de
matéria.
PRESSÃO
A pressão é uma grandeza física que representa a distribuição de uma força
sendo aplicada em uma determinada superfície:
área
superfícieàlarperpendicuforçadacomponente
pressão
A
F
p
F
FT
A pressão é uma grandeza escalar que no SI é dada em newton/m2 = pascal (Pa)
Só a componente da força exercida perpendicularmente sobre uma
superfície contribui para a pressão.
www.fisicaatual.com.br
A
B
Se os dois blocos são idênticos,
eles apresentam a mesma massa
e exercem uma mesma força
perpendicular à superfície (força
peso) . Mas, o bloco A exerce uma
pressão maior, pois a força atua
numa área menor.
PA
PB
Quanto menor for a superfície em que
um corpo se apóia, maior é a pressão
exercida. Ou seja, subir em um prego
provavelmente furaria a pele do faquir.
Com muitos pregos, o peso é
distribuído e a pressão em cada prego
se torna pequena
www.fisicaatual.com.br
A mulher exerce no chão uma pressão
maior que a exercida pelo homem.
O dedo polegar sofre uma pressão maior
que o dedo indicador.
www.fisicaatual.com.br
A ponta do prego exerce uma grande
pressão sobre a superfície.
 1 atmosfera é a pressão correspondente a 0,760 m (760 mm) de Hg.
 Bária é a unidade de pressão no sistema CGS e vale uma dyn/cm².
 Bar é um múltiplo da Bária: 1 bar = 106 bárias.
 PSI (pound per square inch), libra por polegada quadrada, é a unidade de
pressão no sistema inglês/americano: 1 psi = 0,07 bar ;1 bar = 14,5 psi.
Unidades
1 atm = 1.01 x 105 N/m2
1 atm = 0,9869 Bar
1 atm = 0,06805 PSI
A atmosfera da Terra exerce pressão na
superfície do planeta. A massa de uma coluna
de atmosfera com exatamente 1m2 de seção
transversal e estendendo-se até o topo da
atmosfera exerce força de 1,01 x 105 N.
www.fisicaatual.com.br
PRESSÃO EXERCIDA POR LÍQUIDOS
TEOREMA DE STEVIN
Um líquido, devido à movimentação
das suas moléculas, exerce
pressão em todos os pontos da
superfície do corpo colocado em
seu interior.
A força, devida a pressão, é
perpendicular à superfície do
corpo em cada ponto.
www.fisicaatual.com.br
Porção de líquido
Determinação da pressão em um ponto qualquer no interior do fluido.
1p
2p
h m
ApApF 1111
ApApF 2222
Peso da porção de fluido:
dAhgP
Massa da porção de fluido:
d.A.h.Vdm
www.fisicaatual.com.br
1F
2F
P
2F
1F P
amF

012 PFF
PFF 12
dAhgApAp 12
dhgpp 12
www.fisicaatual.com.br
h
P
ap P : pressão em um ponto qualquer no interior
do fluido, a uma profundidade h.
Pa = pressão na superfície do líquido ( P atm )
dhgpp 12
dhgpp a
Qualquer ponto no interior de um fluido, a uma
mesma profundidade, possui a mesma pressão.
www.fisicaatual.com.br
No orifício superior a água jorra com menos velocidade do
que no orifício inferior. Pode-se verificar que quanto maior
a profundidade ou altura de líquido, o filete de água atinge
uma maior distância. Diz-se que a pressão é maior e
depende da profundidade do orifício considerado. A
pressão exercida é perpendicular (possui um ângulo de 90 )
com a superfície da garrafa.
Como a pressão exercida por um líquido aumenta com a
profundidade, os aros metálicos do depósito de água têm
que ser mais próximos na parte de baixo do depósito.
Quando as barragens são construídas
para armazenar água, torna-se necessário
fazer a base da barragem mais larga que o
topo. A base tem que suportar uma
pressão maior da coluna de água.
www.fisicaatual.com.br
aatmosféric0FA Pppp
11011AC ghdpghdpp
22022FD ghdpghdpp
1
2
2
1
d
d
h
h
Num sistema de vasos comunicantes, líquidos imiscívies atingem
alturas inversamente proporcionais às suas densidades.
Vasos comunicantes
Patm
www.fisicaatual.com.br
de)profundidamesmanae
líquidomesmonopontos(doispp DC
2211
220110DC
hdhd
ghdpghdppp
Se num sistema de vasos comunicantes for colocado um único líquido (d1 = d2 ) :
1
d
d
h
h
1
2
2
1
h1 = h2
h1 h2
Como a superfície de líquido nos dois vasos está sujeita a mesma pressão, a
coluna de líquidos nos dois vasos é a mesma. Não importa a forma que os
vasos tenham, a pressão só depende da profundidade:
Patm Patm
www.fisicaatual.com.br
O tubo externo da máquina de café marca o nível de
café dentro da máquina. Como o café está em
equilíbrio e sujeito apenas à pressão atmosférica, a
altura nos dois vasos tem que ser a mesma.
Os pedreiros usam uma mangueira transparente
com água para nivelar azulejos, pois a água nos
dois vasos, estando sujeita a mesma pressão,
atinge a mesma altura.
Não importa quanta água é despejada dentro do
vaso, o nível de água no vaso nunca sobe! Você
pode ver na figura por que isso acontece.
Quando você despeja o copo d'água, o nível de
água no vaso sobe, mas a água adicional
imediatamente escorre pelo sifão e vai para o
cano de esgoto.
www.fisicaatual.com.br
dghpp AB
Vamos imaginar que os pontos A e B estejam mergulhados na água:
h10 m
atm1m/N10x110.10.10x1dghp 253
Logo, uma coluna de 10 m de água exerce uma
pressão de 1 atmosfera.
Profundidade
(metros)
Pressão
(atm)
Pressão
(psi)
0 1,0 14,7
10 2,0 29,4
20 3,0 44,1
30 4,0 58,8
40 5,0 73,5
Com o aumento de profundidade, a
pressão sobre um mergulhador
aumenta. Para cada aumento de 10 m
na profundidade, teremos um aumento
de 1 atm na pressão sobre o
mergulhador:
www.fisicaatual.com.br
PRESSÃO ARTERIAL
O coração é uma bomba muscular manométrica máxima de 120 mmHg durante a
contração (sístole), e de cerca de 80 mmHg durante a relaxação (diástole). Como a
densidade do sangue é quase igual à da água, a diferença de pressão hidrostática
entre a cabeça e os pés de uma pessoa de 1,80 m de altura é de 132 mmHg.
(mmHg)
100
59
144
187
Densidade do sangue (d = 1,04 g/cm3);
Densidade da água ( d = 1,00 g/cm3)
www.fisicaatual.com.br
59 mmHg
187 mmHg
100 mmHg
Esfigmomanómetro
Valor de referência
Ouve-se um barulho ritmado
O barulho para
Uma pessoa deitada possui pressão hidrostática praticamente constante em
todos os pontos e igual à do coração.
www.fisicaatual.com.br
PRESSÃO ATMOSFÉRICA
A experiência dos Hemisférios de Magdeburgo foi realizada em 1654, em
Magdeburgo, cidade da atual Alemanha, pelo prefeito da cidade Otto Von
Guericke (1602-1686). Ela era constituída de duas semi-esferas ocas de cobre de
3,66 m de diâmetro, que se ajustavam perfeitamente. Otto inventou uma bomba de
sucção que foi utilizada para tirar a maior parte do ar de dentro da esfera, criando
vácuo dentro dela. Após retirar o ar só foi possível separar as semi-esferas com a
utilização de 16 cavalos robustos, 8 de cada lado. O que impedia a separação era
a pressão exercida pelo ar sobre a superfície externa dos hemisférios. Guericke
associou tal experiência com a existência da pressão atmosférica, comprovada
com os estudos de Torricelli.
www.fisicaatual.com.br
A atmosfera terrestre é composta por vários gases, que exercem uma pressão
sobre a superfície da Terra. Essa pressão, denominada pressão atmosférica,
depende da altitude do local, pois à medida que nos afastamos da superfície do
planeta, o ar se torna cada vez mais rarefeito, e, portanto, exercendo uma pressão
cada vez menor. O físico italiano Evangelista Torricelli (1608-1647) foi o primeiro a
perceber que a pressão do ar pode ser medido pela altura das colunas de líquido
que a pressão pode equilibrar e sustentar.
Ele usou um tubo de aproximadamente 1,0 m de comprimento, cheio de mercúrio
(Hg) e com a extremidade tampada (a). Depois, colocou o tubo , em pé e com a
boca tampada para baixo, dentro de um recipiente que também continha mercúrio
(b). Torricelli observou que, após destampar o tubo, o nível do mercúrio desceu e
estabilizou-se na posição correspondente a 76 cm, restando o vácuo na parte
vazia do tubo (c).
www.fisicaatual.com.br
A B
PA = Patm PB = d . g . h Patm = d. g .h
 Se a experiência de Torricelli for repetida em diferentes altitudes,
altera-se a altura da coluna h de mercúrio, que equilibra a pressão
atmosférica.
1 atm = 76 cm Hg = 760 mm Hg
1 atm ≈ 1,01 . 105 N/m2
 Igualando-se as pressões em A e B e
aplicando o Teorema de Stevin para a pressão
hidrostática do mercúrio, cuja densidade é d,
temos:
Patm = 13,6 x 103. 9,8. 0,76 = 1,01 x 105 N/m2
www.fisicaatual.com.br
Como a densidade da água é 13,6 vezes menor que a
do mercúrio, seria necessária uma coluna de água de
altura 13,6 vezes maior que uma coluna de mercúrio
para equilibrar a pressão atmosférica:
13,6 x 0,76 m = 10,34 m
Barômetros são usados ​​para medir a pressão
atmosférica. Em vez de água (1,0 g/cm3) , é usado
mercúrio como um líquido preferido. Como a
densidade do Hg é de 13,6 g/cm3, a altura da coluna de
líquido necessária para equilibrar a pressão
atmosférica diminui consideravelmente
www.fisicaatual.com.br
O ar dentro da lata é expulso parcialmente no aquecimento. A pressão do ar no
interior é menor que a pressão do ar fora da lata. A pressão externa esmaga a
lata. A área da superfície da lata é reduzida, até ao momento em que a pressão
interna torna-se igual à pressão externa.
A lata é amassada devido
à pressão atmosférica.
O ar é expulso da lata
por aquecimento.
www.fisicaatual.com.br
O copo foi cheio de água até a borda. Nenhum espaço de ar permaneceu entre o
nível da água e a borda do copo. Ele foi apoiado num pedaço de papelão e
Invertido rapidamente. O papelão e água são mantidos no lugar. Isto implica que
uma força está agindo sobre o papelão de baixo para cima, sendo capaz de
sustentar o peso da água sobre ele. A força é exercida pela pressão atmosférica
atuando no sentido ascendente.
pressão
atmosférica
A pressão
atmosférica
equilibra o peso
da água que atua
no cartão,
mantendo-o em
equilíbrio
www.fisicaatual.com.br
Agindo em A, retiramos ar de dentro do tubo.
A superfície do líquido (S) fica sob ação da
pressão atmosférica que força a água a subir
no cano. Quando a água atinge, dentro do
cano, uma altura de 10 m, ela exerce uma
pressão interna de 1 atm que equilibra a
pressão externa. A água para de subir. Por
isso, o limite de altura numa bomba de
sucção é de 10 m.
www.fisicaatual.com.br
Bomba de Sucção
O manômetro é um instrumento utilizado para medir a pressão de fluidos.
Existem dois tipos: os de líquidos e os de gases.
Hg
AB
h
h
h.g.dPP
h.g.dPP
PP
HgAtmGás
HgGásAtm
BA
AB
.g.hdPP
PP
HgAtmGás
AB
www.fisicaatual.com.br
O gráfico abaixo dá o valor (médio) da pressão em várias altitudes. No Rio de
Janeiro, ao nível do mar, a pressão é 1 atmosfera, isto é, 1 kgf/cm2 ou 760 mmHg.
Em São Paulo, a 820 metros de altitude, ela cai um pouco. Em La Paz, capital da
Bolívia, a 3600 metros de altitude, ela já cai para 2/3 de uma atmosfera. Aí o ar fica
rarefeito, a quantidade de oxigênio é menor que a nível do mar.
www.fisicaatual.com.br
Pressão (P1) dentro da mangueira ponto ao nível da água do recipiente sobre a
mesa:
P1 = Patm – dgh, em que: Patm = pressão atmosférica, d = densidade da água,
g = aceleração da gravidade e h = altura da coluna de água acima do nível do
recipiente.
Pressão (P2) dentro da mangueira ao nível da água (recipiente no piso):
P2 = Patm – dgH (H = altura da coluna de água dentro da mangueira em relação a o
recipiente no piso).
Conclui-se que: P1 – P2 = dg(H-h) , a diferença de pressão entre os pontos
considerados na mangueira é igual ao produto da densidade da água, da
aceleração da gravidade e do desnível das superfícies da água nos dois
recipientes. Essa diferença de pressão é responsável pelo escoamento da água
de um recipiente para outro. Se a diferença de altura entre os recipientes for
alterada, a diferença de pressão também altera e o tempo de escoamento também
vai alterar, sendo mais rápido para maiores desníveis.
SIFÃO www.fisicaatual.com.br
PRINCÍPIO DE PASCAL
Qualquer variação de pressão provocada num ponto de um fluido em equilíbrio
transmite-se a todos os pontos do fluido e às paredes que o contêm.
www.fisicaatual.com.br
A prensa hidráulica consta de dois recipientes cilíndricos, que se
intercomunicam, providos de êmbolos cujas secções tem áreas S1 e S2 diferentes.
Ao aplicarmos no êmbolo menor uma
força F1 a variação de pressão é:
1
1
1
S
F
P
Essa variação de pressão é transmitida
para o êmbolo maior:
2
2
2
S
F
P
como: 21 PP
2
2
1
1
S
F
S
F
Na prensa hidráulica as forças atuantes nos êmbolos têm intensidades
diretamente proporcionais às áreas dos êmbolos. Ela é um multiplicador de
força, ou seja, aumenta a intensidade da força na mesma proporção que a área
do segundo êmbolo é maior que a do primeiro.
www.fisicaatual.com.br
É costume dizer-se que, na prensa hidráulica, o que se ganha na intensidade da
força, perde-se em deslocamento. Realmente no exemplo abaixo nota-se que o
volume líquido deslocado do primeiro recipiente, após o movimento dos êmbolos,
passa a ocupar o recipiente maior.
www.fisicaatual.com.br
A prensa hidráulica é utilizada em situações em que há necessidade de, com a
aplicação de uma força de pequena intensidade, obterem–se forças de grande
intensidade, como nos elevadores hidráulicos de garagem e postos.
Se o carro tiver uma massa de 1 000 kg (peso de 10 000 N), a área do êmbolo
maior for de 2 000 cm2 e a área do êmbolo menor for de 25 cm2 , então a força que
o ar comprimido deve aplicar para equilibrar o carro é:
0002
00010
25
F1
2
2
1
1
S
F
S
F N125F1
( é como se o carro tivesse
uma massa de 12,5 kg).
www.fisicaatual.com.br
O sistema de freios hidráulicos dos automóveis também utiliza o princípio de
Pascal: a força aplicada no pedal é aumentada várias vezes, sendo utilizada
para comprimir as lonas de freio contra o tambor, nas rodas traseiras:
www.fisicaatual.com.br
lonas
de freio tambor
êmbolo menor
êmbolos
maiores
PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES
Quando imerso na água o corpo parece pesar
menos, pois a balança desequilibra para o
lado esquerdo. O líquido exerce no corpo uma
força vertical para cima.
O peso do corpo é igual a tração no fio
aplicada no prato da balança à direita.
Todo corpo imerso, total ou parcialmente, num fluido em equilíbrio, fica sob a
ação de uma força vertical, com sentido ascendente, aplicada pelo fluido; esta
força é denominada empuxo.
www.fisicaatual.com.br
A pressão é maior na parte inferior do objeto
porque a profundidade é maior. A resultante das
forças de pressão aponta para cima. O resultado
de todas as forças de pressão que o fluido exerce
no corpo é o empuxo: F2 - F1 = E
O empuxo é o resultado da diferença de pressão entre
a parte de baixo e a parte de cima do objeto.
A diferença de pressão não depende da profundidade
logo, o empuxo também não depende da
profundidade. Isso é mostrado na figura ao lado.
Profundidadeaumenta.
Nível do líquido www.fisicaatual.com.br
Todo corpo imerso, total ou parcialmente, num fluido em equilíbrio fica sob a
ação de uma força vertical, com sentido ascendente, aplicada pelo fluido; esta
força é denominada empuxo, cuja intensidade é igual à do peso do fluido
deslocado pelo corpo.
3
N
7 N
4 N
peso de água
deslocada pelo
corpo = 3 N
E
www.fisicaatual.com.br
Ao mergulharmos um corpo num recipiente contendo um líquido de densidade
“d”, se o recipiente estiver completamente cheio, um pouco de líquido
transborda. O volume de liquido que transborda é o volume de líquido deslocado
pelo corpo e o peso desse volume deslocado é igual ao empuxo:
Volume de liquido
deslocado
(1)g.mPE deslocadofluidodeslocadofluido
(2)d.Vm
V
m
d
Substituindo (2) em (1)
g.V.dE deslocadofluidofluido
)(m/sg
)(mV
)(kg/md
onde
2
3
3
www.fisicaatual.com.br
Apenas uma pequena parte de um iceberg está acima
da água. A densidade do gelo é 917 kg/m3 e a da água
do mar é 1025 kg/m3. Se o iceberg está em equilíbrio:
g.V.dg.V.dPE totalgeloimersoágua

%5,89895,0
1025
917
d
d
V
V
água
gelo
total
imerso
E
P
89,5% do volume do iceberg fica imerso na água.
www.fisicaatual.com.br
O peixe que consegue manter-se parado
dentro d’água, modificando sua densidade,
utiliza a bexiga natatória para variar o volume
de gás dentro da mesma. Quando a bexiga é
inflada, o volume de água deslocada aumenta e
o empuxo aumenta. Quando a bexiga é
contraída, o volume de água deslocada diminui
e o empuxo também diminui.
www.fisicaatual.com.br
Como o navio é oco, sua densidade média (considerando a parte de aço e a parte
cheia de ar) é menor que a densidade da água. (d navio < d água). Ele encontra-se em
equilíbrio, parcialmente imerso e sujeito a ação de duas forças de mesmo módulo
e contrárias: o peso P e o empuxo E, exercido pela água.
Bola: desloca um peso de água menor que seu peso.
Casco: desloca um peso de água igual ao peso do navio.
www.fisicaatual.com.br
A estabilidade do navio depende também do ponto de aplicação dessas forças. A
força peso é aplicada no centro de gravidade (CG), que é fixo e o empuxo é
aplicado no centro de empuxo (CE), que é variável. O centro de gravidade do
corpo localiza-se no centro de aplicação do seu peso. Já o centro de empuxo CE
está localizado no centro de gravidade do líquido deslocado pelo corpo. A
posição do centro de gravidade CG, então não se altera em relação ao corpo. Já o
centro de empuxo do navio CE muda de acordo com a forma do volume do
líquido deslocado, já que está localizado no centro de gravidade do líquido
deslocado. O navio é projetado para em caso de oscilações laterais, retornar a
posição inicial. Para isso, seu centro de gravidade CG fica abaixo do centro de
empuxo CE, de modo que temos uma situação de equilíbrio estável. O momento
das forças e é que faz com que o navio volte à posição inicial. O CG no caso de
uma embarcação, não pode coincidir com o CE, pois quando o CG coincide com
o CE, o corpo imerso fica em equilíbrio indiferente, ou seja, se qualquer
perturbação fizer o corpo se mover lateralmente, ele não retorna a posição de
equilíbrio. Para obter-se maior estabilidade possível, a distribuição de cargas no
interior do navio é feita de tal modo que o centro de gravidade se situa o mais
próximo possível do fundo do navio.
www.fisicaatual.com.br
Ficando mais densos, por
adição de água em seus
tanques, eles descem.
SUBMARINOS
Ficando menos densos,
por retirada de água em
seus tanques, eles
sobem.
www.fisicaatual.com.br
Os gases também são fluidos. Eles diferem dos líquidos por possuírem uma
densidade menor do que estes. A Terra é envolta por uma mistura de gases (a
atmosfera terrestre). A Terra está, portanto, envolta por uma camada de fluido.
Objetos cuja densidade seja menor do que a densidade da atmosfera tendem a
flutuar (dizemos que esses objetos são mais leves do que o ar). Novamente aqui
isso pode ser explicado pelo princípio de Arquimedes. Você já deve ter visto os
dirigíveis ou balões, que são grandes objetos (relativamente leves) contendo no
seu interior gases mais leves do que o ar (especialmente hidrogênio). A ascensão
de um dirigível é facilitada ao inflarmos o mesmo (E > P). Esvaziá-lo facilita a sua
descida (E < P).
www.fisicaatual.com.br
P
P
E
Como a densidade do ar é muito pequena, o
empuxo exercido pelo ar é desprezível em
relação ao peso do corpo. Com o corpo no ar, as
força que atuam são a tensão e o peso. Como o
corpo está em equilíbrio: T = P. O dinamômetro
registra uma força T igual ao peso. (Fig. 1)
T
T
T’
T’ Como a água é bem mais densa que o ar, o
empuxo exercido pela água é considerável. Com
o corpo na água, as forças que atuam no corpo
são a tensão, o peso e o empuxo. Como o corpo
está em equilíbrio: T’ = P – E. O dinamômetro
registra uma força T’ menor que o peso. (Fig.2)
Fig.1 Fig.2
Todo corpo mergulhado num líquido
aparenta ser mais leve que no ar, devido ao
empuxo.
www.fisicaatual.com.br
E-PPAparente
O rei Hieron entregou, certo peso de ouro a um ourives para que esse
confeccionasse uma coroa. Quando o ourives entregou a encomenda,
com o peso igual ao do ouro que Hieron havia fornecido, foi levantada
a acusação de que ele teria substituído certa porção de ouro por prata.
Arquimedes foi encarregado, pelo rei, de investigar se essa acusação
era, de fato verdadeira. Conta-se que, ao tomar banho (em um
banheiro público) observando a elevação da água à medida que
mergulhava seu corpo, percebeu que poderia resolver o problema.
Arquimedes conseguiu resolver o problema da seguinte maneira:
1° - Mergulhou em um recipiente completamente cheio de água uma
massa de ouro puro, igual a massa da coroa, e recolheu a água que
transbordou. (fig. a)
2° - Retornando o recipiente cheio de água mergulhou nele a massa de
prata pura, também igual à massa da coroa que transbordou. Como a
densidade da prata é menor do que a do ouro, é fácil perceber que o
volume de água recolhido, nesta 2ª operação, era maior do que a 1ª
(fig. B).
3° - Finalmente, mergulhando no recipiente cheio de água a coroa em
questão, constatou que o volume de água recolhido tinha um valor
intermediário entre aqueles recolhidos na 1ª e na 2ª operações (fig.c).
Ficou, assim, evidenciado que a coroa não era realmente de ouro puro.
Comparando os três volumes de água recolhidos, Arquimedes
conseguiu até mesmo, calcular a quantidade de ouro que o ourives
substituiu por prata.
www.fisicaatual.com.br
Estudos recentes em história da ciência mostram que, apesar de bastante
divulgado, o método utilizado por Arquimedes não teria sido exatamente esse.
Galileu teria notado que o método da medida de volume não seria o mais
eficiente, tendo em vista diversas dificuldades operacionais, como por exemplo,
as dimensões da coroa e a tensão superficial da água. Ele sugeriu que
Arquimedes teria medido pesos e não volume.
Uma conseqüência do empuxo é a diferença de peso que um objeto tem quando
medido no ar e quando medido dentro da água.
www.fisicaatual.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

fisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedesfisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedesKmilly Campos
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicasjfnet
 
Resumão transformações gasosas
Resumão transformações gasosasResumão transformações gasosas
Resumão transformações gasosasDaniela F Almenara
 
Hidrostática ppt
Hidrostática pptHidrostática ppt
Hidrostática ppttiowans
 
Hidrostática - Física
Hidrostática - FísicaHidrostática - Física
Hidrostática - FísicaSlides de Tudo
 
Aula hidrostatica
Aula hidrostaticaAula hidrostatica
Aula hidrostaticaguest90f440
 
Hidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICA
Hidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICAHidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICA
Hidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICAdanf97
 
Energia Mecanica
Energia MecanicaEnergia Mecanica
Energia Mecanicaandrezaocom
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slidesMicaela Neiva
 
Relatorio principio de arquimedes
Relatorio principio de arquimedesRelatorio principio de arquimedes
Relatorio principio de arquimedesTuane Paixão
 
Slide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidadeSlide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidadeDibiela
 
Aula 1- Mecânica dos Fluidos
Aula 1- Mecânica dos Fluidos Aula 1- Mecânica dos Fluidos
Aula 1- Mecânica dos Fluidos Charles Guidotti
 

Mais procurados (20)

Dilatação térmica aula
Dilatação térmica   aulaDilatação térmica   aula
Dilatação térmica aula
 
fisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedesfisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedes
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmica
 
Resumão transformações gasosas
Resumão transformações gasosasResumão transformações gasosas
Resumão transformações gasosas
 
Hidrostática ppt
Hidrostática pptHidrostática ppt
Hidrostática ppt
 
Hidrostática - Física
Hidrostática - FísicaHidrostática - Física
Hidrostática - Física
 
Aula hidrostatica
Aula hidrostaticaAula hidrostatica
Aula hidrostatica
 
Hidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICA
Hidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICAHidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICA
Hidrostática e Hidrodinâmica - FÍSICA
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
Energia Mecanica
Energia MecanicaEnergia Mecanica
Energia Mecanica
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 
Relatorio principio de arquimedes
Relatorio principio de arquimedesRelatorio principio de arquimedes
Relatorio principio de arquimedes
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Gases
GasesGases
Gases
 
Slide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidadeSlide - Aula teórica densidade
Slide - Aula teórica densidade
 
Lei de arquimedes
Lei de arquimedesLei de arquimedes
Lei de arquimedes
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Aula 1- Mecânica dos Fluidos
Aula 1- Mecânica dos Fluidos Aula 1- Mecânica dos Fluidos
Aula 1- Mecânica dos Fluidos
 

Destaque

Massa especifica mat pulv
Massa especifica  mat pulvMassa especifica  mat pulv
Massa especifica mat pulvPublicaTUDO
 
Linígrafo
LinígrafoLinígrafo
Linígrafothiagono
 
Condutividadde elétrica
Condutividadde elétricaCondutividadde elétrica
Condutividadde elétricaNayara Silva
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeAnderson Carvalho
 
Cap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaCap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaGrazi Ruas
 
Problemas resolvidos e propostos
Problemas resolvidos e propostosProblemas resolvidos e propostos
Problemas resolvidos e propostosFranck Lima
 
Mecânica dos fluidos
Mecânica dos fluidosMecânica dos fluidos
Mecânica dos fluidosGeneildo
 
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]
Resolução do capítulo 1   brunetti[1]Resolução do capítulo 1   brunetti[1]
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]Ídilla Kaenna
 
Experiencia de Torricelli
Experiencia de TorricelliExperiencia de Torricelli
Experiencia de TorricelliJuan Sanmartin
 
Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos franco brunetti capitulo4
Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos   franco brunetti capitulo4Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos   franco brunetti capitulo4
Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos franco brunetti capitulo4Cristiano Fonseca Do Nascimento
 
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunettiResolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunettiArgélio Paniago
 
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicosFundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicosRobson Josué Molgaro
 

Destaque (20)

Massa especifica mat pulv
Massa especifica  mat pulvMassa especifica  mat pulv
Massa especifica mat pulv
 
Hidrostática reforço
Hidrostática   reforçoHidrostática   reforço
Hidrostática reforço
 
Ensaio de granulometria
Ensaio de granulometriaEnsaio de granulometria
Ensaio de granulometria
 
Linígrafo
LinígrafoLinígrafo
Linígrafo
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Condutividadde elétrica
Condutividadde elétricaCondutividadde elétrica
Condutividadde elétrica
 
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidadeEnsaios granulometria, inchamento, densidade
Ensaios granulometria, inchamento, densidade
 
Cap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaCap13 Hidrometria
Cap13 Hidrometria
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Problemas resolvidos e propostos
Problemas resolvidos e propostosProblemas resolvidos e propostos
Problemas resolvidos e propostos
 
Fluidos
FluidosFluidos
Fluidos
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Ensaio de compactação
Ensaio de compactaçãoEnsaio de compactação
Ensaio de compactação
 
Mecânica dos fluidos
Mecânica dos fluidosMecânica dos fluidos
Mecânica dos fluidos
 
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]
Resolução do capítulo 1   brunetti[1]Resolução do capítulo 1   brunetti[1]
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]
 
Eletricidade basica
Eletricidade basicaEletricidade basica
Eletricidade basica
 
Experiencia de Torricelli
Experiencia de TorricelliExperiencia de Torricelli
Experiencia de Torricelli
 
Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos franco brunetti capitulo4
Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos   franco brunetti capitulo4Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos   franco brunetti capitulo4
Solução dos exercícios de mecânica dos fluidos franco brunetti capitulo4
 
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunettiResolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
 
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicosFundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
Fundamentos da eletricidade - Conceitos básicos
 

Semelhante a Hidrostática (20)

Hidrostática marcelo alano
Hidrostática   marcelo alanoHidrostática   marcelo alano
Hidrostática marcelo alano
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Noções básicas de hidrostática
Noções básicas de hidrostáticaNoções básicas de hidrostática
Noções básicas de hidrostática
 
Exercícios do capítulo 2
Exercícios do capítulo 2Exercícios do capítulo 2
Exercícios do capítulo 2
 
OPF HIDROSTÁTICA.pptx
OPF HIDROSTÁTICA.pptxOPF HIDROSTÁTICA.pptx
OPF HIDROSTÁTICA.pptx
 
Apostila bomas
Apostila bomasApostila bomas
Apostila bomas
 
Apostila curso de_bombas
Apostila  curso de_bombasApostila  curso de_bombas
Apostila curso de_bombas
 
apostila - hidrostatica1.pdf
apostila - hidrostatica1.pdfapostila - hidrostatica1.pdf
apostila - hidrostatica1.pdf
 
Apostila hidrostatica1
Apostila   hidrostatica1Apostila   hidrostatica1
Apostila hidrostatica1
 
Hidraulica
HidraulicaHidraulica
Hidraulica
 
Hidraulica
HidraulicaHidraulica
Hidraulica
 
Fisica 02 - Fluidos
Fisica 02 - FluidosFisica 02 - Fluidos
Fisica 02 - Fluidos
 
Reshidrostatica
ReshidrostaticaReshidrostatica
Reshidrostatica
 
Lista 1 fluidos
Lista 1 fluidosLista 1 fluidos
Lista 1 fluidos
 
Hidráulica apostila 1
Hidráulica   apostila 1Hidráulica   apostila 1
Hidráulica apostila 1
 
Física hidro basica
Física  hidro basicaFísica  hidro basica
Física hidro basica
 
APOSTILA - UNIDADE DE MEDIDAS
APOSTILA - UNIDADE DE MEDIDASAPOSTILA - UNIDADE DE MEDIDAS
APOSTILA - UNIDADE DE MEDIDAS
 
Hidrostática hidrodinâmica
Hidrostática hidrodinâmicaHidrostática hidrodinâmica
Hidrostática hidrodinâmica
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Conceitos basicos de hidrostática
Conceitos basicos de hidrostáticaConceitos basicos de hidrostática
Conceitos basicos de hidrostática
 

Mais de Thais Benicio

Diabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacionalDiabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacionalThais Benicio
 
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...Thais Benicio
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da águaThais Benicio
 
Neuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoNeuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoThais Benicio
 
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...Thais Benicio
 
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteSinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteThais Benicio
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoThais Benicio
 
Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose  Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose Thais Benicio
 
Introdução á genética
Introdução á genéticaIntrodução á genética
Introdução á genéticaThais Benicio
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia Thais Benicio
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoThais Benicio
 

Mais de Thais Benicio (19)

Diabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacionalDiabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacional
 
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
 
Neuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoNeuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do Trigêmeo
 
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
 
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteSinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetite
 
Febre reumática
Febre reumáticaFebre reumática
Febre reumática
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose  Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose
 
Introdução á genética
Introdução á genéticaIntrodução á genética
Introdução á genética
 
Cinética
CinéticaCinética
Cinética
 
Ciclos da marcha
Ciclos da marchaCiclos da marcha
Ciclos da marcha
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
Anos escolares
Anos escolaresAnos escolares
Anos escolares
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Hidrostática

  • 1. HIDROSTÁTICA O Mar Morto, localizado no Oriente Médio, é um lago enorme formado pela água com maior teor de sal do planeta. No mar morto a densidade da água salgada é muito grande e a pessoa flutua sem nenhum esforço físico. www.fisicaatual.com.br
  • 2. DENSIDADE A massa específica é uma grandeza característica da substância. Por definição, a massa específica (ρ) é a relação entre a massa da substância e o seu volume: SubstânciaV m Unidade do Sistema Internacional: kg/m3 Unidade usual: g/cm3 www.fisicaatual.com.br
  • 3. Um objeto oco pode ter densidade muito diferente da massa específica do material que o compõe, como, por exemplo, um navio. Embora a massa específica do aço seja maior do que a massa específica da água, a densidade de um navio é certamente menor do que a da água. A densidade é uma grandeza característica do corpo. Por definição, a densidade (d) é a relação entre a massa do corpo e o seu volume: CorpoV m d www.fisicaatual.com.br A densidade do água é maior que a densidade da isopor. Isto significa que as partículas que constituem o isopor são mais afastadas entre si que as partículas que constituem a água. O isopor ocupa mais volume para uma mesma quantidade de matéria.
  • 4. PRESSÃO A pressão é uma grandeza física que representa a distribuição de uma força sendo aplicada em uma determinada superfície: área superfícieàlarperpendicuforçadacomponente pressão A F p F FT A pressão é uma grandeza escalar que no SI é dada em newton/m2 = pascal (Pa) Só a componente da força exercida perpendicularmente sobre uma superfície contribui para a pressão. www.fisicaatual.com.br
  • 5. A B Se os dois blocos são idênticos, eles apresentam a mesma massa e exercem uma mesma força perpendicular à superfície (força peso) . Mas, o bloco A exerce uma pressão maior, pois a força atua numa área menor. PA PB Quanto menor for a superfície em que um corpo se apóia, maior é a pressão exercida. Ou seja, subir em um prego provavelmente furaria a pele do faquir. Com muitos pregos, o peso é distribuído e a pressão em cada prego se torna pequena www.fisicaatual.com.br
  • 6. A mulher exerce no chão uma pressão maior que a exercida pelo homem. O dedo polegar sofre uma pressão maior que o dedo indicador. www.fisicaatual.com.br A ponta do prego exerce uma grande pressão sobre a superfície.
  • 7.  1 atmosfera é a pressão correspondente a 0,760 m (760 mm) de Hg.  Bária é a unidade de pressão no sistema CGS e vale uma dyn/cm².  Bar é um múltiplo da Bária: 1 bar = 106 bárias.  PSI (pound per square inch), libra por polegada quadrada, é a unidade de pressão no sistema inglês/americano: 1 psi = 0,07 bar ;1 bar = 14,5 psi. Unidades 1 atm = 1.01 x 105 N/m2 1 atm = 0,9869 Bar 1 atm = 0,06805 PSI A atmosfera da Terra exerce pressão na superfície do planeta. A massa de uma coluna de atmosfera com exatamente 1m2 de seção transversal e estendendo-se até o topo da atmosfera exerce força de 1,01 x 105 N. www.fisicaatual.com.br
  • 8. PRESSÃO EXERCIDA POR LÍQUIDOS TEOREMA DE STEVIN Um líquido, devido à movimentação das suas moléculas, exerce pressão em todos os pontos da superfície do corpo colocado em seu interior. A força, devida a pressão, é perpendicular à superfície do corpo em cada ponto. www.fisicaatual.com.br
  • 9. Porção de líquido Determinação da pressão em um ponto qualquer no interior do fluido. 1p 2p h m ApApF 1111 ApApF 2222 Peso da porção de fluido: dAhgP Massa da porção de fluido: d.A.h.Vdm www.fisicaatual.com.br
  • 10. 1F 2F P 2F 1F P amF  012 PFF PFF 12 dAhgApAp 12 dhgpp 12 www.fisicaatual.com.br
  • 11. h P ap P : pressão em um ponto qualquer no interior do fluido, a uma profundidade h. Pa = pressão na superfície do líquido ( P atm ) dhgpp 12 dhgpp a Qualquer ponto no interior de um fluido, a uma mesma profundidade, possui a mesma pressão. www.fisicaatual.com.br
  • 12. No orifício superior a água jorra com menos velocidade do que no orifício inferior. Pode-se verificar que quanto maior a profundidade ou altura de líquido, o filete de água atinge uma maior distância. Diz-se que a pressão é maior e depende da profundidade do orifício considerado. A pressão exercida é perpendicular (possui um ângulo de 90 ) com a superfície da garrafa. Como a pressão exercida por um líquido aumenta com a profundidade, os aros metálicos do depósito de água têm que ser mais próximos na parte de baixo do depósito. Quando as barragens são construídas para armazenar água, torna-se necessário fazer a base da barragem mais larga que o topo. A base tem que suportar uma pressão maior da coluna de água. www.fisicaatual.com.br
  • 13. aatmosféric0FA Pppp 11011AC ghdpghdpp 22022FD ghdpghdpp 1 2 2 1 d d h h Num sistema de vasos comunicantes, líquidos imiscívies atingem alturas inversamente proporcionais às suas densidades. Vasos comunicantes Patm www.fisicaatual.com.br de)profundidamesmanae líquidomesmonopontos(doispp DC 2211 220110DC hdhd ghdpghdppp
  • 14. Se num sistema de vasos comunicantes for colocado um único líquido (d1 = d2 ) : 1 d d h h 1 2 2 1 h1 = h2 h1 h2 Como a superfície de líquido nos dois vasos está sujeita a mesma pressão, a coluna de líquidos nos dois vasos é a mesma. Não importa a forma que os vasos tenham, a pressão só depende da profundidade: Patm Patm www.fisicaatual.com.br
  • 15. O tubo externo da máquina de café marca o nível de café dentro da máquina. Como o café está em equilíbrio e sujeito apenas à pressão atmosférica, a altura nos dois vasos tem que ser a mesma. Os pedreiros usam uma mangueira transparente com água para nivelar azulejos, pois a água nos dois vasos, estando sujeita a mesma pressão, atinge a mesma altura. Não importa quanta água é despejada dentro do vaso, o nível de água no vaso nunca sobe! Você pode ver na figura por que isso acontece. Quando você despeja o copo d'água, o nível de água no vaso sobe, mas a água adicional imediatamente escorre pelo sifão e vai para o cano de esgoto. www.fisicaatual.com.br
  • 16. dghpp AB Vamos imaginar que os pontos A e B estejam mergulhados na água: h10 m atm1m/N10x110.10.10x1dghp 253 Logo, uma coluna de 10 m de água exerce uma pressão de 1 atmosfera. Profundidade (metros) Pressão (atm) Pressão (psi) 0 1,0 14,7 10 2,0 29,4 20 3,0 44,1 30 4,0 58,8 40 5,0 73,5 Com o aumento de profundidade, a pressão sobre um mergulhador aumenta. Para cada aumento de 10 m na profundidade, teremos um aumento de 1 atm na pressão sobre o mergulhador: www.fisicaatual.com.br
  • 17. PRESSÃO ARTERIAL O coração é uma bomba muscular manométrica máxima de 120 mmHg durante a contração (sístole), e de cerca de 80 mmHg durante a relaxação (diástole). Como a densidade do sangue é quase igual à da água, a diferença de pressão hidrostática entre a cabeça e os pés de uma pessoa de 1,80 m de altura é de 132 mmHg. (mmHg) 100 59 144 187 Densidade do sangue (d = 1,04 g/cm3); Densidade da água ( d = 1,00 g/cm3) www.fisicaatual.com.br
  • 18. 59 mmHg 187 mmHg 100 mmHg Esfigmomanómetro Valor de referência Ouve-se um barulho ritmado O barulho para Uma pessoa deitada possui pressão hidrostática praticamente constante em todos os pontos e igual à do coração. www.fisicaatual.com.br
  • 19. PRESSÃO ATMOSFÉRICA A experiência dos Hemisférios de Magdeburgo foi realizada em 1654, em Magdeburgo, cidade da atual Alemanha, pelo prefeito da cidade Otto Von Guericke (1602-1686). Ela era constituída de duas semi-esferas ocas de cobre de 3,66 m de diâmetro, que se ajustavam perfeitamente. Otto inventou uma bomba de sucção que foi utilizada para tirar a maior parte do ar de dentro da esfera, criando vácuo dentro dela. Após retirar o ar só foi possível separar as semi-esferas com a utilização de 16 cavalos robustos, 8 de cada lado. O que impedia a separação era a pressão exercida pelo ar sobre a superfície externa dos hemisférios. Guericke associou tal experiência com a existência da pressão atmosférica, comprovada com os estudos de Torricelli. www.fisicaatual.com.br
  • 20. A atmosfera terrestre é composta por vários gases, que exercem uma pressão sobre a superfície da Terra. Essa pressão, denominada pressão atmosférica, depende da altitude do local, pois à medida que nos afastamos da superfície do planeta, o ar se torna cada vez mais rarefeito, e, portanto, exercendo uma pressão cada vez menor. O físico italiano Evangelista Torricelli (1608-1647) foi o primeiro a perceber que a pressão do ar pode ser medido pela altura das colunas de líquido que a pressão pode equilibrar e sustentar. Ele usou um tubo de aproximadamente 1,0 m de comprimento, cheio de mercúrio (Hg) e com a extremidade tampada (a). Depois, colocou o tubo , em pé e com a boca tampada para baixo, dentro de um recipiente que também continha mercúrio (b). Torricelli observou que, após destampar o tubo, o nível do mercúrio desceu e estabilizou-se na posição correspondente a 76 cm, restando o vácuo na parte vazia do tubo (c). www.fisicaatual.com.br
  • 21. A B PA = Patm PB = d . g . h Patm = d. g .h  Se a experiência de Torricelli for repetida em diferentes altitudes, altera-se a altura da coluna h de mercúrio, que equilibra a pressão atmosférica. 1 atm = 76 cm Hg = 760 mm Hg 1 atm ≈ 1,01 . 105 N/m2  Igualando-se as pressões em A e B e aplicando o Teorema de Stevin para a pressão hidrostática do mercúrio, cuja densidade é d, temos: Patm = 13,6 x 103. 9,8. 0,76 = 1,01 x 105 N/m2 www.fisicaatual.com.br
  • 22. Como a densidade da água é 13,6 vezes menor que a do mercúrio, seria necessária uma coluna de água de altura 13,6 vezes maior que uma coluna de mercúrio para equilibrar a pressão atmosférica: 13,6 x 0,76 m = 10,34 m Barômetros são usados ​​para medir a pressão atmosférica. Em vez de água (1,0 g/cm3) , é usado mercúrio como um líquido preferido. Como a densidade do Hg é de 13,6 g/cm3, a altura da coluna de líquido necessária para equilibrar a pressão atmosférica diminui consideravelmente www.fisicaatual.com.br
  • 23. O ar dentro da lata é expulso parcialmente no aquecimento. A pressão do ar no interior é menor que a pressão do ar fora da lata. A pressão externa esmaga a lata. A área da superfície da lata é reduzida, até ao momento em que a pressão interna torna-se igual à pressão externa. A lata é amassada devido à pressão atmosférica. O ar é expulso da lata por aquecimento. www.fisicaatual.com.br
  • 24. O copo foi cheio de água até a borda. Nenhum espaço de ar permaneceu entre o nível da água e a borda do copo. Ele foi apoiado num pedaço de papelão e Invertido rapidamente. O papelão e água são mantidos no lugar. Isto implica que uma força está agindo sobre o papelão de baixo para cima, sendo capaz de sustentar o peso da água sobre ele. A força é exercida pela pressão atmosférica atuando no sentido ascendente. pressão atmosférica A pressão atmosférica equilibra o peso da água que atua no cartão, mantendo-o em equilíbrio www.fisicaatual.com.br
  • 25. Agindo em A, retiramos ar de dentro do tubo. A superfície do líquido (S) fica sob ação da pressão atmosférica que força a água a subir no cano. Quando a água atinge, dentro do cano, uma altura de 10 m, ela exerce uma pressão interna de 1 atm que equilibra a pressão externa. A água para de subir. Por isso, o limite de altura numa bomba de sucção é de 10 m. www.fisicaatual.com.br Bomba de Sucção
  • 26. O manômetro é um instrumento utilizado para medir a pressão de fluidos. Existem dois tipos: os de líquidos e os de gases. Hg AB h h h.g.dPP h.g.dPP PP HgAtmGás HgGásAtm BA AB .g.hdPP PP HgAtmGás AB www.fisicaatual.com.br
  • 27. O gráfico abaixo dá o valor (médio) da pressão em várias altitudes. No Rio de Janeiro, ao nível do mar, a pressão é 1 atmosfera, isto é, 1 kgf/cm2 ou 760 mmHg. Em São Paulo, a 820 metros de altitude, ela cai um pouco. Em La Paz, capital da Bolívia, a 3600 metros de altitude, ela já cai para 2/3 de uma atmosfera. Aí o ar fica rarefeito, a quantidade de oxigênio é menor que a nível do mar. www.fisicaatual.com.br
  • 28. Pressão (P1) dentro da mangueira ponto ao nível da água do recipiente sobre a mesa: P1 = Patm – dgh, em que: Patm = pressão atmosférica, d = densidade da água, g = aceleração da gravidade e h = altura da coluna de água acima do nível do recipiente. Pressão (P2) dentro da mangueira ao nível da água (recipiente no piso): P2 = Patm – dgH (H = altura da coluna de água dentro da mangueira em relação a o recipiente no piso). Conclui-se que: P1 – P2 = dg(H-h) , a diferença de pressão entre os pontos considerados na mangueira é igual ao produto da densidade da água, da aceleração da gravidade e do desnível das superfícies da água nos dois recipientes. Essa diferença de pressão é responsável pelo escoamento da água de um recipiente para outro. Se a diferença de altura entre os recipientes for alterada, a diferença de pressão também altera e o tempo de escoamento também vai alterar, sendo mais rápido para maiores desníveis. SIFÃO www.fisicaatual.com.br
  • 29. PRINCÍPIO DE PASCAL Qualquer variação de pressão provocada num ponto de um fluido em equilíbrio transmite-se a todos os pontos do fluido e às paredes que o contêm. www.fisicaatual.com.br
  • 30. A prensa hidráulica consta de dois recipientes cilíndricos, que se intercomunicam, providos de êmbolos cujas secções tem áreas S1 e S2 diferentes. Ao aplicarmos no êmbolo menor uma força F1 a variação de pressão é: 1 1 1 S F P Essa variação de pressão é transmitida para o êmbolo maior: 2 2 2 S F P como: 21 PP 2 2 1 1 S F S F Na prensa hidráulica as forças atuantes nos êmbolos têm intensidades diretamente proporcionais às áreas dos êmbolos. Ela é um multiplicador de força, ou seja, aumenta a intensidade da força na mesma proporção que a área do segundo êmbolo é maior que a do primeiro. www.fisicaatual.com.br
  • 31. É costume dizer-se que, na prensa hidráulica, o que se ganha na intensidade da força, perde-se em deslocamento. Realmente no exemplo abaixo nota-se que o volume líquido deslocado do primeiro recipiente, após o movimento dos êmbolos, passa a ocupar o recipiente maior. www.fisicaatual.com.br
  • 32. A prensa hidráulica é utilizada em situações em que há necessidade de, com a aplicação de uma força de pequena intensidade, obterem–se forças de grande intensidade, como nos elevadores hidráulicos de garagem e postos. Se o carro tiver uma massa de 1 000 kg (peso de 10 000 N), a área do êmbolo maior for de 2 000 cm2 e a área do êmbolo menor for de 25 cm2 , então a força que o ar comprimido deve aplicar para equilibrar o carro é: 0002 00010 25 F1 2 2 1 1 S F S F N125F1 ( é como se o carro tivesse uma massa de 12,5 kg). www.fisicaatual.com.br
  • 33. O sistema de freios hidráulicos dos automóveis também utiliza o princípio de Pascal: a força aplicada no pedal é aumentada várias vezes, sendo utilizada para comprimir as lonas de freio contra o tambor, nas rodas traseiras: www.fisicaatual.com.br lonas de freio tambor êmbolo menor êmbolos maiores
  • 34. PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES Quando imerso na água o corpo parece pesar menos, pois a balança desequilibra para o lado esquerdo. O líquido exerce no corpo uma força vertical para cima. O peso do corpo é igual a tração no fio aplicada no prato da balança à direita. Todo corpo imerso, total ou parcialmente, num fluido em equilíbrio, fica sob a ação de uma força vertical, com sentido ascendente, aplicada pelo fluido; esta força é denominada empuxo. www.fisicaatual.com.br
  • 35. A pressão é maior na parte inferior do objeto porque a profundidade é maior. A resultante das forças de pressão aponta para cima. O resultado de todas as forças de pressão que o fluido exerce no corpo é o empuxo: F2 - F1 = E O empuxo é o resultado da diferença de pressão entre a parte de baixo e a parte de cima do objeto. A diferença de pressão não depende da profundidade logo, o empuxo também não depende da profundidade. Isso é mostrado na figura ao lado. Profundidadeaumenta. Nível do líquido www.fisicaatual.com.br
  • 36. Todo corpo imerso, total ou parcialmente, num fluido em equilíbrio fica sob a ação de uma força vertical, com sentido ascendente, aplicada pelo fluido; esta força é denominada empuxo, cuja intensidade é igual à do peso do fluido deslocado pelo corpo. 3 N 7 N 4 N peso de água deslocada pelo corpo = 3 N E www.fisicaatual.com.br
  • 37. Ao mergulharmos um corpo num recipiente contendo um líquido de densidade “d”, se o recipiente estiver completamente cheio, um pouco de líquido transborda. O volume de liquido que transborda é o volume de líquido deslocado pelo corpo e o peso desse volume deslocado é igual ao empuxo: Volume de liquido deslocado (1)g.mPE deslocadofluidodeslocadofluido (2)d.Vm V m d Substituindo (2) em (1) g.V.dE deslocadofluidofluido )(m/sg )(mV )(kg/md onde 2 3 3 www.fisicaatual.com.br
  • 38. Apenas uma pequena parte de um iceberg está acima da água. A densidade do gelo é 917 kg/m3 e a da água do mar é 1025 kg/m3. Se o iceberg está em equilíbrio: g.V.dg.V.dPE totalgeloimersoágua  %5,89895,0 1025 917 d d V V água gelo total imerso E P 89,5% do volume do iceberg fica imerso na água. www.fisicaatual.com.br
  • 39. O peixe que consegue manter-se parado dentro d’água, modificando sua densidade, utiliza a bexiga natatória para variar o volume de gás dentro da mesma. Quando a bexiga é inflada, o volume de água deslocada aumenta e o empuxo aumenta. Quando a bexiga é contraída, o volume de água deslocada diminui e o empuxo também diminui. www.fisicaatual.com.br
  • 40. Como o navio é oco, sua densidade média (considerando a parte de aço e a parte cheia de ar) é menor que a densidade da água. (d navio < d água). Ele encontra-se em equilíbrio, parcialmente imerso e sujeito a ação de duas forças de mesmo módulo e contrárias: o peso P e o empuxo E, exercido pela água. Bola: desloca um peso de água menor que seu peso. Casco: desloca um peso de água igual ao peso do navio. www.fisicaatual.com.br
  • 41. A estabilidade do navio depende também do ponto de aplicação dessas forças. A força peso é aplicada no centro de gravidade (CG), que é fixo e o empuxo é aplicado no centro de empuxo (CE), que é variável. O centro de gravidade do corpo localiza-se no centro de aplicação do seu peso. Já o centro de empuxo CE está localizado no centro de gravidade do líquido deslocado pelo corpo. A posição do centro de gravidade CG, então não se altera em relação ao corpo. Já o centro de empuxo do navio CE muda de acordo com a forma do volume do líquido deslocado, já que está localizado no centro de gravidade do líquido deslocado. O navio é projetado para em caso de oscilações laterais, retornar a posição inicial. Para isso, seu centro de gravidade CG fica abaixo do centro de empuxo CE, de modo que temos uma situação de equilíbrio estável. O momento das forças e é que faz com que o navio volte à posição inicial. O CG no caso de uma embarcação, não pode coincidir com o CE, pois quando o CG coincide com o CE, o corpo imerso fica em equilíbrio indiferente, ou seja, se qualquer perturbação fizer o corpo se mover lateralmente, ele não retorna a posição de equilíbrio. Para obter-se maior estabilidade possível, a distribuição de cargas no interior do navio é feita de tal modo que o centro de gravidade se situa o mais próximo possível do fundo do navio. www.fisicaatual.com.br
  • 42. Ficando mais densos, por adição de água em seus tanques, eles descem. SUBMARINOS Ficando menos densos, por retirada de água em seus tanques, eles sobem. www.fisicaatual.com.br
  • 43. Os gases também são fluidos. Eles diferem dos líquidos por possuírem uma densidade menor do que estes. A Terra é envolta por uma mistura de gases (a atmosfera terrestre). A Terra está, portanto, envolta por uma camada de fluido. Objetos cuja densidade seja menor do que a densidade da atmosfera tendem a flutuar (dizemos que esses objetos são mais leves do que o ar). Novamente aqui isso pode ser explicado pelo princípio de Arquimedes. Você já deve ter visto os dirigíveis ou balões, que são grandes objetos (relativamente leves) contendo no seu interior gases mais leves do que o ar (especialmente hidrogênio). A ascensão de um dirigível é facilitada ao inflarmos o mesmo (E > P). Esvaziá-lo facilita a sua descida (E < P). www.fisicaatual.com.br
  • 44. P P E Como a densidade do ar é muito pequena, o empuxo exercido pelo ar é desprezível em relação ao peso do corpo. Com o corpo no ar, as força que atuam são a tensão e o peso. Como o corpo está em equilíbrio: T = P. O dinamômetro registra uma força T igual ao peso. (Fig. 1) T T T’ T’ Como a água é bem mais densa que o ar, o empuxo exercido pela água é considerável. Com o corpo na água, as forças que atuam no corpo são a tensão, o peso e o empuxo. Como o corpo está em equilíbrio: T’ = P – E. O dinamômetro registra uma força T’ menor que o peso. (Fig.2) Fig.1 Fig.2 Todo corpo mergulhado num líquido aparenta ser mais leve que no ar, devido ao empuxo. www.fisicaatual.com.br E-PPAparente
  • 45. O rei Hieron entregou, certo peso de ouro a um ourives para que esse confeccionasse uma coroa. Quando o ourives entregou a encomenda, com o peso igual ao do ouro que Hieron havia fornecido, foi levantada a acusação de que ele teria substituído certa porção de ouro por prata. Arquimedes foi encarregado, pelo rei, de investigar se essa acusação era, de fato verdadeira. Conta-se que, ao tomar banho (em um banheiro público) observando a elevação da água à medida que mergulhava seu corpo, percebeu que poderia resolver o problema. Arquimedes conseguiu resolver o problema da seguinte maneira: 1° - Mergulhou em um recipiente completamente cheio de água uma massa de ouro puro, igual a massa da coroa, e recolheu a água que transbordou. (fig. a) 2° - Retornando o recipiente cheio de água mergulhou nele a massa de prata pura, também igual à massa da coroa que transbordou. Como a densidade da prata é menor do que a do ouro, é fácil perceber que o volume de água recolhido, nesta 2ª operação, era maior do que a 1ª (fig. B). 3° - Finalmente, mergulhando no recipiente cheio de água a coroa em questão, constatou que o volume de água recolhido tinha um valor intermediário entre aqueles recolhidos na 1ª e na 2ª operações (fig.c). Ficou, assim, evidenciado que a coroa não era realmente de ouro puro. Comparando os três volumes de água recolhidos, Arquimedes conseguiu até mesmo, calcular a quantidade de ouro que o ourives substituiu por prata. www.fisicaatual.com.br
  • 46. Estudos recentes em história da ciência mostram que, apesar de bastante divulgado, o método utilizado por Arquimedes não teria sido exatamente esse. Galileu teria notado que o método da medida de volume não seria o mais eficiente, tendo em vista diversas dificuldades operacionais, como por exemplo, as dimensões da coroa e a tensão superficial da água. Ele sugeriu que Arquimedes teria medido pesos e não volume. Uma conseqüência do empuxo é a diferença de peso que um objeto tem quando medido no ar e quando medido dentro da água. www.fisicaatual.com.br