Resenha2 Santaella

1.307 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.307
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha2 Santaella

  1. 1. PALIMPSESTO POÉTICO: Programa de Mestrado em Comunicação e Cultura - UNISO Percepção, mediação, forma Resenha 2 SANTAELLA, Lucia. 3ª aula: 01/set Corpo e comunicação: sintoma da cultura. São Paulo: Paulus, 2004. p. 123-131 Aluna: Daniele de Oliveira (ouvinte)
  2. 2. Tire o seu piercing do caminho que eu Figura 1: Subjetividade segundo Morin – Daniele Oli veira quero passar com a minha dor. Canta o compositor maranhense Zeca Baleiro. Escondida no seu canto está a angústia de quem quer passar mas não sabe quem é, a angústia de quem só tem a dor como indício da existência própria. Quer que saiam do caminho todos os “piercings” - enfeites - para que o corpo se mostre como ele de fato é. Santaella “canta” como Zeca Baleiro. Recorda a crise da idéia o eu no universo contemporâneo. Com eles fazem coro Morin, Michel Serres, Bakhtin e Peirce, Guattari, Deleuze. Estes, contribuindo com a proliferação de novas, e diversas, imagens de subjetividade delineiam um “sujeito múltiplo, estigmatizado pela falta, descentrado, uma verdadeira estrutura dissipativa em que ordem e desperdício se conjugam” (Villaça, apud Morin (1996), ao ressaltar que “a incerteza Santaella 2004, p.123). existencial é a marca do propriamente humano” (Santaella, 2004, p.123) traz à tona a necessidade de recriar um sujeito pela lógica do ser vivo, fundando o pensamento na ausência de fundamento.
  3. 3. Michel Serres, com suas reflexões, inspirou a teoria Ator-rede. Esta teoria Figura 2: Subjetividade segundo Bakthin e Peirce – Daniele Oli veira rompe com a relação dicotomica entre natureza e sociedade recuperando o papel dos objetos, do tecnológico, e entendendo a subjetividade como processo que não tem que ver, exclusivamente, que com humanos. Bakthin e Peirce, por sua vez, acentuam o caráter social da linguagem. Para eles, “o sujeito, mesmo na sua forma mais íntima, é um processo de semiose” (Colapietro, 1989, apud Santaella 2004). A definição de sujeito de Peirce comunga de valores descritos em sua definição de interpretante; conforme Santaella (2000, p. 63), “o signo não é um ente vazio e passivo, dependente de um ego individual, ao contrário, ele é capaz de determinar o interpretante porque dispõe do poder de gerá-lo. Interessante pensar nesta definição de subjetividade e na – assustadora e perversa conclusão a que ela induz: somos gerados pelos signos, dependentes proliferação deles em nós.
  4. 4. Guattari e Deleuze juntam-se ao coro dos Figura 3: Subjetividade segundo Deleuze– Daniele Oli veira que cantam a reflexão de uma idéia diferente do eu. O primeiro escreve sobre o eu “polifônico”, de componentes múltiplos e heterogêneos; enquanto que o segundo usa a metáfora do labirinto, das dobras que juntas estabelecem coisas diferentes. Muito embora sejam belas e profundas as reflexões da ciência sobre o “eu”, as mídias, colocando-se do outro lado do patamar das reflexões, povoam o imaginário popular com “miragens do ego” (Santaella, 2004, p. 125). O corpo que aparece é estigmatizado, carregado de “adornos”, difuso. Um corpo padronizado, ditado pelas instituições. Assim, prende-se o “ego” em imagens intangíveis de si mesmo. Imagens de um espelho distorcido e surreal; um espelho perverso, que assombra pela certeza de que nunca mostrará a imagem do que é de fato real. Tire o seu piercing do caminho, que seu brilho ofusca o que de fato pode ser ver do “eu”. Tire-o. Que a dor quer passar e existir.

×