Frase, Oração e Período

2.117 visualizações

Publicada em

Frase, Oração e Período

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.117
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
128
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Frase, Oração e Período

  1. 1. LÍNGUA PORTUGUESA III FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
  2. 2. FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO  FRASE: É toda palavra ou conjunto de palavras que constitui um enunciado de sentido completo.  ORAÇÃO: É a frase constituída com um verbo ou uma locução verbal. Ex: Mal posso esperar! Os candidatos apresentam-se, hoje, na televisão.  PERÍODO: É a frase formada por uma ou mais orações. O período formado por uma única oração é chamado Período Simples Ex: O avião sobrevoou a pista O período formado por mais de uma oração é chamado Período Composto Ex: Parece / que a colheita vai ser boa este ano!
  3. 3. ATENÇÃO! Nem toda oração é uma frase. A oração precisa ter um verbo ou uma locução verbal, mas nem sempre tem sentido completo; já a frase precisa ter sentido completo. Ex: O juiz decidiu que... (oração) Quanta contradição em sua fala! (frase)
  4. 4. TERMOS DA ORAÇÃO  SUJEITO: É o termo da oração do qual se declara alguma coisa, por meio da ação verbal, e com o qual o verbo concorda. Ex: Clara passeava no jardim com as crianças. Neste caso, passeava é a ação verbal e “Clara” é o sujeito porque é ela o ser de quem se declara alguma coisa. CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO: Sujeito simples: é quando na frase existe uma ação sendo praticada por um núcleo no singular ou plural. Ex: O aluno desrespeitou o professor diante da turma. Sujeito composto: Quando o sujeito tem mais de um núcleo. Ex: “Melancolias, mercadorias espreitaram-me.” (Carlos Drummond de Andrade)
  5. 5. Sujeito indeterminado: O agente da ação verbal não está identificado, podendo ser qualquer um. Ex: Olhavam em silêncio o lento e triste cortejo. Neste caso, o verbo está na 3ª pessoa do plural. ATENÇÃO! O sujeito indeterminado pode também ocorrer com os verbos transitivos indiretos, intransitivos ou de ligação, na 3ª pessoa do singular acompanhados da palavra se (índice de determinação do sujeito) Ex: Brinca-se no carnaval de rua. Brinca – verbo intransitivo Se – índice de indeterminação do sujeito Nem sempre se é justo nessa profissão. Se – índice de indeterminação do sujeito É – verbo de ligação
  6. 6. Se o verbo for transitivo direto, a palavra se funciona como pronome apassivador e, nesse caso, o sujeito é determinado. Ex: Vê-se a vibração da plateia. Se – pronome apassivador Vê – verbo transitivo direto Vibração da plateia – sujeito simples A vibração da plateia é vista, portanto, voz passiva. (Voz passiva é quando o sujeito sofre a ação praticada por outro agente)  PREDICADO: É o termo da oração que expressa algo sobre o sujeito. Ex: “O sorriso jovial te enfeita os lábios.”
  7. 7. TERMOS DA ORAÇÃO RELACIONADOS AO VERBO E AO NOME  OBJETO DIRETO: É o termo da oração que completa o sentido de um verbo que não pede preposição, um verbo transitivo direto. Ex: “As casas espiam os homens.” O termo os homens é um objeto direto, porque completa a ação do verbo espiar, um verbo transitivo direto, que não pede preposição. O objeto direto pode vir com uma preposição, nem sempre exigida pelo verbo. Chama-se então objeto direto preposicionado. Veja os casos obrigatórios do uso da preposição: - Com pronome oblíquo tônico: Ex: Ofendem a ti, sem razão. (Com pronome oblíquo tônico, neste caso, ti) Ofendem – verbo transitivo direto A ti – obejeto direto preposicionado
  8. 8. - Com pronome quem Ex: O tenista a quem aprecias venceu o campeonato. A quem – objeto direto preposicionado Aprecias – verbo transitivo direto O objeto direto pode vir repetido numa oração por um pronome pessoal átono, para realçar a ideia já expressa, recebendo o nome de objeto direto pleonástico. Ex: A vitória, conquistei-a após anos de luta. A vitória – objeto direto A – objeto direto pleonástico Os pronomes pessoais oblíquos o, a, os e as funcionam sempre como objeto direto. Ex: O vento esperto da manhã refrescou-as. Refrescou – verbo transitivo direto As – objeto direto
  9. 9. O objeto direto representado por um substantivo, que pertence à mesma família do verbo, recebe o nome de objeto direto interno. Ex: A araponga gritou um grito longo e cortante. Um grito – Objeto direto interno  OBJETO INDIRETO: É o termo da oração que complementa o sentido de um verbo que pede preposição, um verbo transitivo indireto. Ex: Os partidos de oposição não confiavam em seu governo. O objeto indireto pode ser repetido numa oração por um pronome oblíquo átono, para realçar uma ideia anteriormente expressa. Chama-se objeto indireto pleonástico. Ex: Aos avarentos, não lhes devo nenhuma gratidão.
  10. 10.  ADJUNTO ADVERBIAL: Modifica o sentido dos verbos. CLASSIFICAÇÃO DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS (OS MAIS IMPORTANTES) DE TEMPO (Quando?): “Os tiros da madrugada liquidaram meu leiteiro” (Drummond) DE LUGAR (Onde?): “Há pouco leite no país” (Drummond) DE MODO (Como?): “que ladrão se mata com tiro” (Drummond) DE NEGAÇÃO: “não tem tempo de dizer” (Drummond) DE AFIRMAÇÃO: “Até quando, sim, até quando te provarei...” (Drummond) DE INTENSIDADE: “Chega mais perto e contempla as palavras” (Drummond) DE DÚVIDA: “Talvez recuperem o seu passaporte.” DE CAUSA (Por quê?): “Com a greve, ficamos sem transporte” DE FINALIDADE (Para quê?): “Fiz a entrevista para o emprego.” DE COMPANHIA (Com quem?): “Vem comigo, vai ser divertido!” DE INSTRUMENTO (Com quê): “O rapaz feriu-se com a lâmina.” DE ASSUNTO: “Gregório de Matos escreveu poemas sobre a Bahia.”
  11. 11. PRÓXIMO TEMA: APOSTO E VOCATIVO

×