Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                    Igreja Evangélica Assembléia d...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                   Igreja Evangélica Assembléia de...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                   Igreja Evangélica Assembléia de...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                   Igreja Evangélica Assembléia de...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                  Igreja Evangélica Assembléia de ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                             Igreja Evangélica Assembléia de Deus
...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                             Igreja Evangélica Assembléia de Deus
...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                            Igreja Evangélica Assembléia de Deus
 ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                  Igreja Evangélica Assembléia de ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                    Igreja Evangélica Assembléia d...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                              Igreja Evangélica Assembléia de Deus...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                            Igreja Evangélica Assembléia de Deus
 ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                     Igreja Evangélica Assembléia ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                  Igreja Evangélica Assembléia de ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                  Igreja Evangélica Assembléia de ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                  Igreja Evangélica Assembléia de ...
Subsídios para Escola Bíblica Dominical
                                                  Igreja Evangélica Assembléia de ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

EBD 1º Tri 2010 Lição 07 - 14022010 - Subsídio

1.330 visualizações

Publicada em

Muitos líderes sofrem pela confusão que há entre os valores de liderança bíblica e a secular. O que a Bíblia valoriza na liderança? O melhor exemplo de boa liderança foi Jesus Cristo, com sua postura de servo.
Aqui neste subsídio o cooperador Leandro Avelar, comenta sobre a Lição 07 da EBD.
Com adendo e revisão teológica do Ev. Valter Borges.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EBD 1º Tri 2010 Lição 07 - 14022010 - Subsídio

  1. 1. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br Lição 07 – CPAD – Jovens e Adultos Tema: 2º Coríntios Comentarista: Pr. Elienai Cabral LIÇÃO 07 – PAULO, UM MODELO DE LÍDER SERVIDOR “E nós, cooperando também com ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão” (2 Co 6.1) Leitura Bíblica em Classe – 2 Coríntios 6.1-10 Objetivos: Conscientizar-se de que o líder-servidor não age egoisticamente, antes serve ao povo de Deus com espírito voluntário. Compreender que o líder na Igreja de Cristo precisa estar pronto para enfrentar as dificuldades inerentes ao ministério. Saber quais são as armas de ataque e defesa de um líder-servidor. Introdução Liderar, servir, parece palavras completamente opostas, visto que, o líder é uma “Pessoa que exerce influência sobre o comportamento, pensamento ou opinião dos outros”1,enquanto o servo é “aquele que não dispõe da sua pessoa, nem de bens”2. Já se foram os tempos onde a hierarquia entre as duas palavras criava uma barreira quase que intransponível, no entanto Cristo seguido pelo apóstolo Paulo inicia uma jornada de exemplos e lições de vida que mudaria completamente a visão até então existente dessas duas palavras. Para liderar bem primeiro é preciso servir bem, nesta lição vamos abordar o modelo de líder servidor que foi Paulo e o que devemos fazer para nos tornar um líder e servo melhor. O que é liderar? A liderança é algo perigoso. Quem está na liderança pode transformar homens, mulheres e montanhas de modo positivo; e, podemos, também, por outro lado, trazer nas mãos o poder de causar prejuízos irreparáveis aos nossos seguidores pelos erros que cometemos. Por que tantas organizações, igrejas e escolas estão procurando líderes para 1 Disponível em http://www.priberam.pt/DLPO/Default.aspx – acessado em 28-01-2010 às 8h18 2 Idem www.iead-msbc.com.br 1
  2. 2. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br preencher suas vagas? A resposta está em Ezequiel 22.30 “Busquei entre eles um homem que tapasse o muro e se colocasse na brecha perante mim, a favor desta terra, para que eu não a destruísse; mas a ninguém achei”.3 Os líderes tem o incrível poder de levar as pessoas ao sucesso ou ao fracasso. “Líderes relutantes” são aqueles lançados na liderança, não por vontade própria, mas por acaso, e diante dos problemas que surgem, não conseguem administrá-los e são levados ao fracasso, pois, uma vez na liderança, passam a manifestar sua habilidade natural, isto é, “improvisação”. Poucos se preparam para a liderança. Vejam nas inúmeras igrejas evangélicas. Milhares de pessoas alcançam posições de liderança em igrejas totalmente despreparadas ou com pouquíssimo conhecimento de liderança e de gerência.4 Hanz Finzel conclui que “O grande dilema é que a liderança requer coração e intelecto”. O que faz um grande líder? “Os grandes líderes influenciam-nos a ir a lugares a que nunca iríamos por conta própria e a fazermos coisas de que nunca tínhamos pensado que fôssemos capazes”. Mas, infelizmente, os grandes líderes se esquecem do que é ser liderado, e passam a dominar a vida dos outros. Afinal, o que é liderar? É influenciar. “Qualquer um que influencia alguém a fazer algo consegue liderar essa pessoa”.5 Mas o que fazem os fracassos na liderança atual. Muitos líderes sofrem pela confusão que há entre os valores de liderança bíblica e a secular. O que a Bíblia valoriza na liderança? O melhor exemplo de boa liderança foi Jesus Cristo, com sua postura de servo. Qual o tipo de liderança que o pastor, professor, maestro, diácono, líderes de departamentos devem ter? É o que trataremos a seguir. Liderança que agrada a Deus Primeiramente, vamos definir quais são os tipos mais comuns de liderança. “Tipos de liderança: Autocrata:- lidera em função do cargo que ocupa, embora muitas vezes não possua as qualidades necessárias a um líder. Carismático:- é uma conseqüência de fatores emocionais. O líder é idolatrado de forma doentia. Liderança contra a ética: lidera grupos que têm por meta fatores que ferem a ética (líder criminoso). Situacional: lida com cada elemento da equipe de acordo com a sua maturidade. Para ele cada pessoa é única. Democrático: tem comportamento firme; é imparcial;procura 3 FINZEL, Hans. Dez erros que um líder não pode cometer. Tradução Aparecida Araújo dos Santos. São Paulo. Editora VIDA NOVA, 1997. 12 pag. 4 Idem. 13 pag. 5 Ibidem. 15 pag. www.iead-msbc.com.br 2
  3. 3. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br enaltecer o desempenho dos seus subordinados. Estabelece objetivos e metas claros e cobra resultado na hora certa. Liberal: é do tipo laissez- faire: deixa as coisas irem acontecendo. Não assume responsabilidades”. (Disponível em http://www.webartigos.com/articles/17318/1/Ti pos-de- Lideranca/pagina1.html, acessado 11/02/2010, às 19h43) A postura mais problemática na igreja é quando seu líder utiliza a atitude líder- liderado. E isso contagia toda esfera ao alcance de sua liderança, como uma praga que se alastra. Segundo Finzel, o pecado nº 1 em liderança é a arrogância autocrática [autoritária] do tipo líder-liderado6. “A abordagem líder-liderado na liderança está baseada no modelo militar de se gritar as ordens aos fracos subalternos. Acontece mais ou menos assim: ‘Eu sou o responsável aqui; quanto mais rápido você entender isso, melhor’!Uma prática irritante e alardeadora de alguns líderes que exercem o estilo líder-liderado é o uso do conhecimento – ou falta dele – para manter as pessoas na linha. Conhecimento em uma organização é poder. O líder pode usar esse poder para dominar os subordinados, fazendo-os tatearem na escuridão. Os ditadores já perceberam, há muito tempo, que o conhecimento é seu maior inimigo... Se as pessoas forem mantidas na escuridão da ignorância, com menor probabilidade se rebelarão contra um líder cruel. Por essa razão, durante anos, os guardas da fronteira comunista recebiam ordens de confiscar de turistas ocidentais jornais e revistas da época. Nos anos em que viajava pela Europa Oriental, os guardas da fronteira sempre perguntavam se tínhamos três categorias de ‘contrabando’: armas, livros e revistas, e Bíblias. Eles sabiam que, se a verdade chegasse às mãos do povo, a tarefa de manter a tirania ficaria mais difícil”.7 A liderança líder-liderado pode tornar-se uma reação em cadeia. O pastor grita ordens para seus subordinados. O subordinado vai para casa e grita ordens para a esposa, a esposa grita ordens para as crianças. As crianças chutam o cachorro, e o cachorro persegue os gatos da vizinhança! Ser autocrático parece ser totalmente natural para muitos de nós, 6 FINZEL, Hans. Dez erros que um líder não pode cometer. Tradução Aparecida Araújo dos Santos. São Paulo. Editora VIDA NOVA, 1997. 22 pag. 7 Idem. 23, 24 e 25 pag. www.iead-msbc.com.br 3
  4. 4. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br mas também vem a ser um grande erro.8 Tudo isso é o que não podemos fazer na liderança eclesiástica. A liderança de servo, que passaremos a tratar, está baseada no modelo de liderança apresentado por Cristo, na qual o apóstolo Paulo aplicou em sua liderança no contexto do mundo mediterrâneo, e quem tem sua aplicação na igreja da atualidade. Em primeiro lugar, o líder-servo deve estar disposto a “descer e se sujar”, ou seja não ficar sentado esperando seus subordinados, mas ir com eles, ao encontro deles, e somar com eles. O líder-servo passa a maior parte do tempo ajudando os outros a desenvolverem suas tarefas. “A liderança de servo exige que venhamos a sentar e chorar com os que choram dentro de nossas organizações [igrejas]. Requer que nos rebaixemos e nos sujemos quando há necessidade de pegar no pesado”.9 O lava-pés O maior exemplo da liderança de servo é o Senhor Jesus. Na noite em que foi traído, Jesus mostrou aos seus seguidores exatamente quanto os amava. Jesus “sabendo... que havia chegado o tempo em que deixaria este mundo e iria para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13.1). Naquele momento Jesus começou a dar a última e maior demonstração de liderança de servo: Ele lava os pés dos discípulos! Quando imagino aquela cena, eu me emociono! Vejo Aquele na qual Paulo exorta a termos o mesmo sentimento dEle, dizendo que “... se há alguma exortação, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há qualquer sentimento profundo ou compaixão, completai a minha alegria, para que tenhais o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, o mesmo ânimo, pensando a mesma coisa. Nada façais por rivalidade ou por orgulho, mas com humildade, e que assim cada um considere os outro superiores a si mesmo” (Fp. 2.1-3 – Tradução Almeida Século 21). Todos os líderes- servos devem ter o “... mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, existindo em forma de Deus, não considerou o fato de ser igual a Deus algo que se devia prender, mas, pelo contrário, esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo e fazendo- se semelhante aos homens. Assim, na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até a morte, e morte de cruz.” (Fp. 2.5-8 – Tradução Almeida Século 21). Jesus o líder-servo, doou-se a si mesmo em nosso favor, mas antes disso ensinou a lavar os pés um dos outros. Jesus usou toda sua autoridade, não convencionalmente como o mundo faz, mas sua autoridade de líder-servo. “O fundamento de sua servidão foi a verdadeira realização de seu poder, posição e prestígio. Aliás, Ele é o único homem que andou na face da terra com 8 FINZEL, Hans. Dez erros que um líder não pode cometer. Tradução Aparecida Araújo dos Santos. São Paulo. Editora VIDA NOVA, 1997. 25 pag. 9 Idem.. 29 pag. www.iead-msbc.com.br 4
  5. 5. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br direito de ser um autocrata absoluto. Tendo isso como fundamento, Jesus demonstrou a liderança de servo, ao tirar a túnica, pegar uma toalha e lavar os pés dos discípulos. Não foi à toa que Pedro ficou encabulado, envergonhado e humilhado, e reagiu estranhamente, pois a situação foi embaraçosa. Jesus demonstrou que Ele, podendo ser o maior entre os seus discípulos, foi servo de todos.”10 Finalmente Jesus disse: “Eu lhes dei exemplo, para que vocês façam como lhes fiz. Digo-lhes verdadeiramente que nenhum escravo é maior do que o seu senhor, como também nenhum mensageiro é maior do que aquele que o enviou. Agora que vocês sabem estas coisas, serão bem-aventurados se as praticarem” (Jo. 13.15- 17). Finzel nos dá alternativas para o problema da postura líder-liderado, transformando sua liderança para o líder-servo. Veja: “Gerência participativa: dê ao seu grupo de membros o privilégio de se manifestarem antes que você tome uma atitude. Isso é mais complicado e requer mais tempo, porém motiva e influencia as pessoas. Estilo Facilitador: encare seu papel como o de um facilitador, que faz o possível para que seus membros sejam bem- sucedidos. Liderança democrática: forme um grupo de liderança com um processo democrático que possibilite ao grupo exercer um papel vital na natureza e na direção dos trabalhos. Características organizacionais planas: veja-se como um parceiro ou condutor dos encargos, mas não como quem está no topo de uma pirâmide gigantesca... Liderança de servo: se Aquele que é Senhor dos senhores e Rei dos reis foi servo de todos, como posso eu, em sã consciência, pensar que deveria ser servido por aqueles a quem lidero?”.11 Como líderes e pastores de pessoas não se pode usar de autoridade abusiva, mas ser servo de todos (Jo 13); não fazer delegações deploráveis, mas dando espaço e liberdade para as pessoas serem elas mesmas; não deixando de ouvir, mas centralizando-se nas necessidades de outros (Fp. 2); não fazendo uso da ditadura, mas tendo companheiros ao longo do caminho; não prendendo, mas soltando com afirmação; não sendo egocêntrico, mas delegando autoridade. “‘Cristo Jesus [...] anulou-se completamente. Anulou-se, esvaziou-se – a grande kenosis. Abriu mão de toda reputação, de toda imagem’. Posso lembrar meu pai meneando a cabeça e repetindo 10 Idem. 31 pag. 11 FINZEL, Hans. Dez erros que um líder não pode cometer. Tradução Aparecida Araújo dos Santos. São Paulo. Editora VIDA NOVA, 1997. 32 pag. www.iead-msbc.com.br 5
  6. 6. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br constantemente consigo mesmo: ‘Ah! Se eu pelo menos soubesse o que significa isso. Há alguma coisa poderosa aqui. Se eu pelo menos entendesse’. Talvez seja por isso que esse versículo tenha-se fixado em minha mente e do mesmo modo me perturba. A reputação é tão importante para mim. Quero ser visto com as pessoas certas, ser lembrado na luz certa, ser anunciado com meu nome escrito de forma correta, viver na vizinhança certa, dirigir o tipo de carro, vestir o ripo certo de roupa. Mas Jesus abriu mão de toda reputação!” (Gayle D. Erwin. The Jesus style, 1988).12 O desprendimento do apóstolo Paulo Paulo não se cansa de dizer que, assim como todos nós ele é apenas um servo de Deus e como servos devemos nos colocar na posição de um serviçal para realizar sua obra, sabendo que, “nem o que planta é alguma coisa, nem o rega, mas Deus que dá o crescimento”, (1 Co 3.5-8). Paulo tinha a incumbência de levar a mensagem de Cristo tanto a Gregos quanto a Gentios (Rm1.5; 11.23) isto, indiferente a aceitação ou não, ele era responsável e deveria algum dia prestar contas a Deus. Assim como a difusão desta mensagem gerou alguns inimigos (2 Co 11.24-25), da mesma forma, gerou também grandes admiradores e seguidores, mas de uma coisa Paulo estava certo, que acima de qualquer situação ou bem- estar que a “fama” lhe pudesse trazer, não devia se esquecer que todos aqueles sofrimentos e alegrias eram proporcionados pelo amor e graça de Deus. Em paralelo a esse serviço evangélico, Paulo se vê na responsabilidade de aliviar as necessidades dos fiéis pobres de Jerusalém, ele passa a dedicar grande parte de suas energias e tempo a organizar a coleta de contribuições de “suas igrejas” gentias para enviar a esses fiéis (Rm 15.25-32; 1 Co 16.1-4; 2 Co 8-9; Gl 2.10). Essas contribuições serviram também para provar a sinceridade da fé dos gentios, e resultou em inúmeras ações de graça a Deus (2 Co 9.13-14). Paulo teve como mentor o maior líder administrador e servo que o mundo já viu, Jesus Cristo (Mt 20.26-28), baseado em seus ensinamentos se tornou um líder e servo modelo, procurando imitar o mestre em tudo, servindo apenas aos interesses da igreja de Cristo (2 Co12.15; Fp 2.17; Tt 1.1). Paulo pede para que os coríntios fossem imitadores dele assim como ele é de Cristo. Ele afirma que não pertence a si mesmo, e que foi comprado um por bom preço (1 Co 6.20), que seu corpo é morada do Espírito Santo e sua vida existe apenas para glorificar Deus. Ao dizer "sede meus imitadores...", Paulo não está pretendendo ser melhor, mais santo, mais puro, mais correto que os outros. Não se coloca 12 Idem 32 pag. www.iead-msbc.com.br 6
  7. 7. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br numa posição de destaque com a arrogância comum dos líderes narcisistas. Ele apenas reconhece quem adora e diante de quem sua vida é vivida. Como mencionado na introdução, o líder é uma pessoa que exerce grande influência na vida de outrem, mas muitos confundem influenciar com o impor, hoje muitos que pensam serem líderes em vez de influenciar ditam e impõem situações a seus liderados, causando dissensão e grande insatisfação desta nata. Paulo se torna um modelo de líder por ser um seguidor nato de Jesus, sabendo falar o necessário quando necessário, nas horas certas e com pessoas certas, tratava com zelo e amor aqueles que com muita disposição ganhou para Cristo (2 Co 2.14, 15), ele reconhecia o preço alto que Jesus pagou por cada vida. Cristo quando lava os pés de seus discípulos mostra que, antes de liderar é possível conquistar e somente se conquista servindo, mostra também que por maior e mais importante que Ele fosse, veio primeiramente para servir (Mt.20.28) Por este e por outros motivos Paulo vê em Cristo a fonte de inspiração para o ministério sadio. Paulo alerta aos irmãos coríntios de que não se deve esperar o que já está acontecendo, muitos ficam despercebidos esperando o momento certo para tomar uma atitude cristã, mas Paulo enfatiza que o tempo aceitável do Senhor é já (2 Co 6.2), ou seja, para que esperar pelo que está diante de nós? O dia da salvação é agora, devemos ter a consciência de Cristo e nos despertar para uma tão grande salvação. Enquanto alguns estavam questionando a autenticidade do apostolado de Paulo, muitos perdiam sua vida sem conhecer o evangelho genuíno de Deus e isto o preocupava muito, é esta preocupação que devemos ter nos dias de hoje, pessoas que buscam status por intermédio da palavra, usufruindo da autoridade imposta para se destacar e adquirir status ou até mesmo levantando questões infundadas para tentar tirar do poder aqueles que Deus colocou, enquanto que a pregação da salvação por intermédio de Cristo ficou para segundo plano. A abnegação de um líder servidor (6.3-10) Os cuidados de um líder servidor “Mau testemunho” são duas palavras que muito abalam o cristão-servo, ouvimos muitas frases como: “para ser crente como aquele ou aquele, eu prefiro ficar como estou”, é triste ouvir essas palavras, prova que esta pessoa nunca poderia dizer o que dissera Paulo: “sede pois meus imitadores, assim como eu sou de Cristo”. Uma vida concêntrica e de bom testemunho diante de Deus, muitas vezes fala mais que muitas palavras, quando esta atitude parte de um líder é ainda maior o impacto na sociedade em que vive (2 Reis 4.9), por este motivo Paulo menciona “não dando nos escândalo em coisa alguma, para que nosso ministério não seja censurado” (2 Co 6.3). Paulo tinha uma convicção extraordinária de sua qualidade de líder e de servo, o fato de pedir para todos o seguir é o agente www.iead-msbc.com.br 7
  8. 8. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br comprovador desta convicção, em outras palavras, ele dizia: “sejam como sou, pois sendo como eu, serás um exemplo de cristão fiel e servo de Deus.” Poderia um líder apresentar o caminho da salvação estando ou vivendo uma vida em contradição ao evangelho de Cristo? Posso afirmar com toda certeza que sim, infelizmente há muitos casos em nossos dias, pessoas que pregam um evangelho autêntico levando vidas ao encontro verdadeiro com Deus enquanto ele vive uma vida mascarada, “do que adianta o homem ganha o mundo inteiro mas perde a sua alma” (Mc 8.36). A veracidade de um apóstolo está no seu empenho total pela obra de Deus. Aquilo que o distingue é o contraste entre as riquezas de sua alma envolvida e os modestos recursos humanos de que dispõe. Os versos 6.3-10 numa tradução Quando falamos em Paulo, nos vem à mente um homem vistoso, de porte refinado e aparência de um soldado em pleno auge de seu preparo físico, mas quando paramos para estudá-lo, vemos as marcas de sofrimento causado pelo amor ao evangelho. Em sua carta em Coríntios (2 Co 10.10) ele é descrito como uma pessoa de estrutura corpórea fraca. No dicionário bíblico universal descreve na sua página número 338 como: “homem de pequena estatura, calvo, tendo as pernas tortas, forte, de sobrancelhas serradas, com nariz ligeiramente pronunciado e cheio de encanto” Em 2 Coríntios 11.24-27 Paulo descreve uma série de atribulações e aflições sofrida por ele, mas em cada dificuldade enfrentada, extraía grandes aprendizados e conquistas, Charles Ferguson Ball diz em seu livro A vida e os tempos do apostolo Paulo; “Açoitaram-no diante da porta da sinagoga com 39 chibatadas. Enquanto o chicote rasgava-lhe as costas, Saulo experimentava uma estranha sensação de alegria por ser considerado digno de sofrer pela causa de cristo. Não fora exatamente isso o que ele havia feito com os que seguiam a esse mesmo Jesus? O corpo de Saulo fica marcado para sempre; como orgulho exibia essas marcas por haverem-no introduzido numa comunhão mais profundo com o Cristo e com os que foram chamados a sofrer pela fé”. Este trecho do livro confirma a Escritura que diz: “Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus” (Gl.6.17). Esse evangelho que hoje é pregado, em que o cristão não pode sofrer nenhum tipo de prova, está em completo desacordo com o evangelho anunciado pelo apóstolo. Quem nunca passou por grandes provações, injúrias, calúnias etc., e no final percebeu o quanto todo aquele processo o fez crescer, o fato de sermos perseguidos é um bom sinal, pois indica que estamos incomodando o inimigo de nossas almas, e como forma de tentar nos fazer desistir deste caminho colocam dificuldades e barreiras, mas aquele que está firmado em Cristo não desiste e ainda se usufrui da prova para tirar aprendizados e experiências para sua vida. (Jó 42.1-6) www.iead-msbc.com.br 8
  9. 9. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br Os elementos da graça que o sustentam nestas experiências (Veja adendo) Deus, quando permite que o homem seja provado, pela sua graça nos fornece ou deixa ao nosso alcance, elementos para usarmos e assim termos forças para suportar essas provações, elementos esses que dão força, vigor, sabedoria, e que o apóstolo soube muito bem administrar, são eles: Pureza – Ciência – Longanimidade – Benignidade - Amor não fingido - Espírito Santo Pureza: Qualidade do que é puro. Transparência; limpeza; nitidez; diafaneidade.13 Paulo quando teve seu primeiro encontro com Deus, foi completamente liberto, limpo de todas impurezas que cercavam a sua vida, sua mente que estava cauterizada e pré- programada para executar a maldade e perseguir o povo de Deus, agora se vê como a mente de Cristo "Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Más nós temos a mente de Cristo” (1 Co.2.16). Ciência: Conjunto de conhecimentos fundados sobre princípios certos. Fig. Saber, instrução, conhecimentos vastos.14Ao estudar aos pés de Gamaliel (At 22.3), um dos maiores mestres, Paulo pensava ser uma pessoa cheia de autoridade e conhecimento, mas ao chegar em (At 22.6) ele tem um encontro com aquele que mudaria toda estrutura de sua vida, mostrando que o conhecimento verdadeiro não vem de homens mas apenas Deus pode fornecer. Longanimidade: Caráter da pessoa que suporta as adversidades e que prossegue no seu empenho, apesar dos obstáculos. Bondade que faz desprezar as ofensas.15Apesar de todos os confrontos que enfrentava Paulo nunca desistia, pois era movido por um compromisso maior, o de levar a palavra da verdade (...) Benignidade: Afável, Favorável, Suave e bom, Med. Que não apresenta caráter grave.16 Amor não fingido:“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor 13 Disponível em http://www.priberam.pt/DLPO/Default.aspx – acessado em 28-01-2010 às 8h18 14 Idem 15 Ibidem 16 Ibidem www.iead-msbc.com.br 9
  10. 10. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br nunca falha; mas, havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá”; (1 Co 13.1). Vitor Hugo Mafra17 diz: “Paulo destaca o amor como o maior fruto, o maior dom e o maior elemento da Tríade Paulina, ao lado da esperança e da fé (1 Co 13.13). Pois fé, esperança e amor são dons a serem exercitados, veiculado pela expectativa da comunhão em Cristo pelo Espírito. Sendo assim, essa construção do amor entre fé e esperança ajuda a concepção paulina para estabelecer conceitos, diretrizes e medidas pastorais a favor das comunidades primitivas”. Jesus nos ensinou o verdadeiro significado de amor não fingido,um amor que em palavras não se pode descrever, porque a grandeza desse Amor não pode ser definida nem comparada. Deus é Amor e se estamos seguindo Jesus, recebemos Dele esse dom, que é distribuído para todos aqueles que são guiados pelo Espírito de Deus. Amar é servir. Quem ama tem como prioridade o outro. Deseja o bem e a felicidade daquele a quem ama.“Nisto todos conhecerão que sois Meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”; (Jo13:35). Quem ama não finge. Espírito santo “é o termo usado para traduzir o termo hebraico Ruach HaKodesh, utilizado na Bíblia hebraica (Velho Testamento) para se referir à presença de Deus na forma experimentada por um ser humano” 18. Os cinco elementos citados acima nada seriam sem o sexto. O Espírito Santo é o agente movedor que faz com que os usemos com prudência, produzindo um amor não fingido, pureza de coração, longanimidade, benignidade e o conhecimento maior de Deus. Paulo era um homem tomado pelo espírito de Santo, usava com sabedoria os elementos que Deus lhe concedeu assim como para todos nós. Esta sabedoria foi o elemento precursor de uma liderança sadia, pois está baseado nos exemplos deixados por Cristo, quando como homem, habitou entre os homens. Todas as provações que o apóstolo passou foram superadas sempre, porque vivia uma vida de compromisso contínuo com Deus. As armas de ataque e defesa de um líder servidor As armas de justiça numa guerra espiritual Paulo sabe que a luta que o cristão é chamado a travar, como ele mesmo experimentou “...eu sou carnal, vendido ao pecado. Não entendo o que realizo, pois não 17 Disponível em http://vitormafra.blogspot.com/2009/04/assunto-amor-texto-base-1-corintios-13.html - acessado em 01-02-2010 às 7h53 18 Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Esp%C3%ADrito_Santo - acessado em 01-02-2010 às 8h06 www.iead-msbc.com.br 10
  11. 11. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br executo o que quero, mas faço o que detesto” (Rm 7.14-15), é uma luta interior e definida pelo apóstolo como a luta entre os desejos da carne e os desejos do Espírito que são contrários entre si, levando a pessoa a não fazer o que gostaria (Cf. Gl 5.17). Embora Paulo saiba e reconheça a dureza dessa luta interior ele afirma com toda convicção que “os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências” (Gl 5.24). Esta luta não é outra coisa que a luta por libertar-se da maneira antiga de viver e assim revestir-se de Cristo. Na epístola em que Paulo escreve aos Efésios, no cap. 6 e v. 13-18 ele descreve as armas disponíveis para que o cristão possa vencer estas batalhas, ele diz: "Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre, o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Ef.6:13-18). Os contrastes da vida cristã na experiência de um líder servidor (6:8-9) Para ser um líder servo de qualidade é preciso saber passar pelos altos e baixos da vida, ter a convicção que hoje podemos ser caluniados mas amanhã aplaudidos, hoje esbofeteados, amanhã acolhidos e amados. A maturidade espiritual começa quando passamos a entender que da mesma forma que Cristo padeceu sofrimento, também granjeou alegrias e em ambas não se deixou ser abalado, pelo contrário mostrou ter equilíbrio, tomando suas decisões com sabedoria. Muitos líderes não conseguem tomar decisões nas horas de pressão, fincando muitas fezes apavorados com esse fato, quando no louvor do reconhecimento de seu trabalho, outros não se contentam e deixam se levar pelas ondas do egocentrismo. Mas Paulo em todas estas coisas, foi mais do que vencedor, pois nessas situações usufruiu da possibilidade de crescer e se tornar mais experiente, experiências essas que o ajudaram a superar e transpor barreiras sem perder o foco de sua incumbência. Paulo responde aos adeptos da teologia da prosperidade (6:10) “Como pobre, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo e possuindo tudo”. Em outras palavras Paulo estava dizendo: não tenho dinheiro, sou construtor de tendas por ofício, (At. 18:3) não tenho bens materiais, riqueza terrena, mas possuo o maior bem que o ser humano pode possuir; o conhecimento, a graça e a unção de Cristo, e “isso não vem de mim é dom de Deus”, essa é para Paulo sua maior riqueza e é essa riqueza que ele transmite aos povos, riqueza esta que alimenta a alma e o espírito. www.iead-msbc.com.br 11
  12. 12. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br Hoje se prega muito sobre um falso evangelho, em que os servos de Deus não podem passar por dificuldades, e se estiver passando é porque está em pecado ou algo do gênero. O apóstolo refuta isso na parte “b” do versículo citado acima, “como nada tendo e possuindo tudo”. Já recebemos a maior riqueza quando Jesus Cristo entregou a sua vida em uma cruz, para que hoje, quando aceitá-lo em minha vida posso ser revestido de seu poder de seu amor e da sua unção. Muitos estão com seus pensamentos focados no dinheiro e têm se esquecido de que a maior riqueza não é a terrena, pois tudo o que é terreno passa, mas o que é celestial permanece para sempre. Conclusão Podemos perceber após essa lição que ser líder servidor não é nada fácil, pelo contrário, é muito difícil, mas como tudo que vem fácil perdemos fácil, cabe a nós buscarmos o que é difícil, mas onde buscar e em quem se espalhar? Após essa lição creio que todos já sabem a resposta, Cristo deve ser para nós o que foi para o apóstolo Paulo: o único modelo de líder servidor; pois mesmo sendo o maior líder que o mundo já viu, se esvaziou de si mesmo e tornou-se servo. (Mt 13:13-16). Bibliografia BUCKLAND. Rev. A.R, M.A. Dicionário bíblico universal, 6ª Edição, Miami, traduzido por Editora Vida – 1981. Bíblia de Referência Thompson, Ed. Vida Bíblia de Estudo Plenitude, Sociedade Bíblica do Brasil. Leandro de Avelar Cooperador AD Thelma Revisão Teológica Ev Valter Borges Pastor AD Thelma www.iead-msbc.com.br 12
  13. 13. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br ADENDO 1 – Especificações nos versos 6.3-10 Ministério não censurado Parece-me importante abordar esse assunto, principalmente, por perceber uma idéia diferente daquela contida no comentário Lições Bíblicas da CPAD, quando nessa lição (07), o pastor Elienai Cabral discorre no tópico da II – A abnegação de um líder-servidor, no item 3. Os elementos da graça que o sustentaram nestas experiências. Ressalto que esse adendo tem o único objetivo de esclarecer, fornecendo apenas mais uma opção para a interpretação dessa passagem. Vejamos: Paulo primeiramente defende que seu ministério não é dado a “...nenhum tipo de escândalo...”, onde sempre se mostrara cuidadoso para apresentar razões justas para todos, dentro ou fora da igreja cristã. Seu objetivo era para que “...o ministério não seja censurado...”, pois um passo em falso dele poderia produzir resultados desastrosos para a sua mensagem, e seu Senhor poderia vir a ser aprovado ou reprovado, segundo a conduta de Paulo como embaixador de Cristo. Paulo expressa um temor de que o ministério que lhe fora dado divinamente, fosse encontrado com máculas, o que levaria a sua mensagem e seu propósito serem rejeitados. Isso teria conseqüências muito mais sérias do que se ele, como indivíduo isolado, levasse a culpa. A experiência humana mostra-nos abundantemente que um ministro do evangelho, quando pecador, de fato injuria o nome do ministério em geral, e não meramente a sua própria reputação.19 Então Paulo luta para não escandalizar ninguém, antes, “nós nos recomendamos em tudo como ministros de Deus” (2 Co 6.4). Paulo nunca fizera coisa alguma negativa que pudesse levar o seu ministério apostólico a ser censurado. Ao contrário, Paulo sempre fizera coisas positivas, no sentido de um serviço cristão altamente consagrado, que recomendava a si mesmo e ao seu ministério perante os homens; e, ao assim agir, fazia que o Cristo que ele pregava, ser um poder real entre os seres humanos.20 A expressão “recomendando-nos” é um particípio que se combina com o vocábulo “cooperando”, que aparece no verso 1, mostra que Paulo aparece como quem trabalha junto a Deus Pai e seu Cristo. O vocábulo grego por detrás de “recomendando-nos” é “sunistemi”, que significa “apresentar”, “recomendar”, “louvar”, “demonstrar”, “mostrar”, “estabelecer”. Assim, pois, o ministério de Paulo “demonstrava” que ele era 19 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 353 pag. 20 Idem. 353 pag. www.iead-msbc.com.br 13
  14. 14. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br um ministro genuíno de Cristo, o que é um elevado alvo que todos os ministros do evangelho deveriam seguir.21 O ministério de Paulo era aprovado através de muitas coisas Aqui temos Paulo relatando no que seu ministério era aprovado, “... em tudo...”. Ele não dava motivo de escândalo em coisa alguma. Recomendava-se a si mesmo, tanto nos aspectos negativos, quanto positivos de seu ministério. A Tradução TEB, traz o texto assim: “Nós não queremos de modo algum escandalizar ninguém, para que o nosso ministério não mereça censura. Ao contrário, nós nos recomendamos em tudo como ministros de Deus. Por uma grande perseverança nas tribulações, nos constrangimentos, nas angústias, nos açoites, nas prisões, nos motins, nas fadigas, nas vigílias, nos jejuns, pela pureza, pelo conhecimento, pela paciência, pela bondade, pelo Espírito Santo, pelo amor sem fingimento, pela palavra da verdade, pelo poder de Deus, pelas armas ofensivas e defensivas da justiça, na glória e no desprezo, na má e na boa fama, tido como impostores, e no entanto verídicos; desconhecidos, e no entanto bem-conhecidos; moribundos, e no entanto vivemos; castigados, sem ser executados. Contristados, mas sempre alegres; pobres, e enriquecendo a muitos; não tendo nada, nós que no entanto possuímos tudo!” (2 Co 6.2-10 – Tradução TEB) O que temos, portanto, aqui? Temos a aprovação de Paulo em todas as situações, onde, embora sofrendo, permanece fiel e aprovado. Ele sofre perseguições, dificuldades enfrentadas no ministério, mesmo assim consegue permanecer firme em sua conduta e integridade moral e espiritual, mesmo em extremo stress, em guerras e infâmias, mas sem tirar os olhos do alvo, que é Cristo, o Senhor. Paulo afirma que sua própria conduta de mensageiro divino não constitui pedra de tropeço capaz de prejudicar a aceitação adequada da graça de Deus pelas pessoas.22 Não temos aqui auto-recomendação, mas a recomendação de um ministério. 21 O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo – volume 4. R. N. Champlin, Ph. D. 9ª Reimpressão – São Paulo: CANDEIA, 1995. 353 p. 22 KRUSE, Colin G. The Second Epistle of Paul to the Corinthians – An Introducion and Comentary. Tradução de Oswaldo Ramos. Revisão Liege Marucci, João Guimarães, Theófilo Vieira. Coordenação editorial e de produção: Vera Villar. SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, 1994. 140 p. (Série Cultura Bíblica). www.iead-msbc.com.br 14
  15. 15. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br “Na muita paciência”, parece que isto seria um título, onde despontam nove elementos que Paulo relaciona a fim de recomendar seu ministério. São nove fatores reunidos em três grupos de três: 1º Grupo: “aflições, privações, angustias”, expressos em termos genéricos; 2º Grupo: “açoites, prisões, tumultos”, expressões mais particulares; 3º Grupo: “trabalhos, vigílias, jejuns”, provações assumidas voluntariamente. “Tumultos”, Paulo tem em mente “desordens civis” ou “multidões em rebelião” (At. 13.50; 14.19); “vigílias” referem-se a sono perdido e noites sem dormir (2 Co 11.27), talvez por conta das pressões das viagens, do ministério e das preocupações com as igrejas.23 Prosseguindo, Paulo, agora, fala da sua integridade moral e das “armas” empregadas. E aqui abro um parênsetes para, de certa forma, oferecer uma interpretação mais coerente com o texto de 2 Co 6.3-10. Paulo não está procurando enfatizar que a “pureza, ciência, longanimidade, benignidade a presença do Espírito Santo e amor não fingido”, sejam elementos da graça que o sustentaram nestas experiências, como dizia o comentarista da EBD. O que Paulo enfatiza aqui é que seu ministério está abalizado nas faltas de condições, nas perseguições, nas dificuldades enfrentadas no ministério, mas também, na sua integridade. Ou seja, Paulo mantinha-se íntegro, embora as agruras da vida ministerial. Essa atitude de líder-servo o fez descer ao mais baixo degrau para “ganhar alguns”, sem contudo ser reprovado em sua atuação ministerial, no quesito de sua integridade moral. Assim, recomenda seu ministério: 1) Na “pureza” [ou “sinceridade”]; 2) No “saber”; 3) Na “longanimidade”; 4) Na “bondade”; 5) No “Espírito Santo” [o dinamismo do ministério de Paulo derivava do Espírito]; 6) No “amor não fingido” [verdadeiro]; 7) No “na palavra da verdade” [trad. Lit.; provavelmente “evangelho”]; 8) No “poder de Deus” [cf. 1 Co 2.5]; 9) Pelas “armas da justiça, quer ofensivas, quer defensivas”.24 23 KRUSE, Colin G. The Second Epistle of Paul to the Corinthians – An Introducion and Comentary. Tradução de Oswaldo Ramos. Revisão Liege Marucci, João Guimarães, Theófilo Vieira. Coordenação editorial e de produção: Vera Villar. SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, 1994. 141 p. (Série Cultura Bíblica). 24 Idem. 141 pag. www.iead-msbc.com.br 15
  16. 16. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br Ministério “pelas armas (hoplon) da justiça, quer ofensivas, quer defensivas” tem recebido diferentes interpretações: trata-se do ministério que (a) está sujeito a ataques vindo de qualquer lado; (b) guarnecido com armas ofensivas (espada para a mão direita) e defensivas (escudo para a esquerda); (c) que se desenvolve tanto na prosperidade (a mão direita) como na adversidade (a mão esquerda). O que temos aqui é a arma ofensiva da apresentação e argumentação do evangelho (At. 19.8-10), pela qual o poder de Deus é liberado a fim de produzir o fracasso dos falsos argumentos, e da loucura, trazendo as pessoas à obediência da fé.25 Avançando, Paulo prossegue na recomendação de seu ministério, apresentando nove antíteses. Em cada uma delas, uma parte da antítese representa uma avaliação de seu ministério “segundo a carne”, e uma outra parte, o verdadeiro ponto de vista de alguém que está “em Cristo”. Assim é que Paulo recomenda seu ministério: 1) “Por honra e por desonra, por infâmia e por boa fama”. Os que o julgavam “segundo a carne” (pessoas de fora, ou talvez os críticos de Corinto) atribuíram-lhe desonra e infâmia, mas os que havia abandonado o modo carnal (“segundo a carne”) de avaliar as coisas, atribuíram-lhe honra e fama. 2) “Como enganadores, e sendo verdadeiros”. Os que criticavam Paulo porque este não portava cartas de recomendação (2 Co 3.1-3) talvez o considerava um impostor. Mas os crentes dotados de discernimento piedoso saberiam reconhecer que Paulo era um verdadeiro apóstolo. 3) “Como desconhecidos e, entretanto, bem conhecidos”. Era um “João- Ninguém” para os críticos, reconhecido pelos crentes. 4) “Como se estivéssemos morrendo e, contudo, eis que vivemos”. Aos padrões mundanos a carreira de Paulo foi miserável, estava exposto aos perigos de morte, sempre perseguido, mas Deus o livrou vezes e vezes sem conta. Contra todas as expectativas, eis que ele vive, não foi assassinado. 5) “Entristecidos, mas sempre alegres”. Em meio à suas tribulações, Paulo representava um quadro triste perante quantos o contemplassem “segundo a carne”, a saber do ponto de visto humano, mas a verdade era 25 KRUSE, Colin G. The Second Epistle of Paul to the Corinthians – An Introducion and Comentary. Tradução de Oswaldo Ramos. Revisão Liege Marucci, João Guimarães, Theófilo Vieira. Coordenação editorial e de produção: Vera Villar. SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, 1994. 142 p. (Série Cultura Bíblica). www.iead-msbc.com.br 16
  17. 17. Subsídios para Escola Bíblica Dominical Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério de São Bernardo do Campo www.iead-msbc.com.br que ela graça de Deus o apóstolo estava sempre se regozijando (At, 16.19-26). 6) “Pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo”. Paulo afirma ser pobre e como nada tendo, talvez em parte por haver recusado o sustento financeiro dos coríntios (2 Co 11.7-9), ou porque ele se recusava a mercadejar “a palavra de Deus” em proveito próprio. No entanto, o apóstolo se considera rico, porque já estava experimentando bênçãos espirituais, à guisa de primícias da era vindoura. Paulo se alegrava pelo fato de, sendo materialmente pobre, poder enriquecer a tantas pessoas, ao capacitá-las a compartilhar as bênçãos espirituais em Cristo. O propósito da longa recomendação de Paulo é mostrar que não havia falhas em seu ministério; ele desejava, assim, preparar o caminho para um apelo aos coríntios para que se reconciliassem completamente com ele. Agora o apóstolo está pronto para iniciar seu apelo.26 Conclusão do ADENDO Como imaginamos nosso ministério? Como líder-liderado, ou como líder-servo? Que tipo de igreja pretende-se construir através de nossa liderança e influencia? Igreja meramente humana, ou espiritual? Como nosso ministério está sendo desenvolvido? Com escândalos ou com recomendações? A nossa aprovação e recomendação está no resultado da postura de líder-servo, que sofre perseguições, afrontas, necessidades, sem contudo perder a integridade, e, mesmo caluniado, mantendo firme a certeza de que o Senhor assiste e confirma nosso chamado, dando-nos conforto e segurança. Adendo por Ev Valter Borges Pastor AD Thelma 26 KRUSE, Colin G. The Second Epistle of Paul to the Corinthians – An Introducion and Comentary. Tradução de Oswaldo Ramos. Revisão Liege Marucci, João Guimarães, Theófilo Vieira. Coordenação editorial e de produção: Vera Villar. SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA, 1994. 144 p. (Série Cultura Bíblica). www.iead-msbc.com.br 17

×