O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Liderança

2.126 visualizações

Publicada em

Estudo sobre liderança dado pelo Pr. Eduardo Bortolossi da Igreja Batista Independente de Sorocaba.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

Liderança

  1. 1. 1)  Ninguém  lidera  empresas,  órgãos,  países,  família   ou  qualquer  outro  :po  de  ins:tuição.  Pessoas   lideram  pessoas.   CONCEITOS  GERAIS  DA  LIDERANÇA   2)  É  a  mudança  de  visão  do  “líder  do  que”  para  o   “líder  de  quem”.  Não  existem  fórmulas.  Nem   mágicas  e  nem  santas.  
  2. 2. 3)  Jesus  liderou  12  pessoas,  que  depois   lideraram  outras,  que  lideraram  outras  e  que   trouxeram  a  mensagem  de  mais  de  2.000  anos   atrás  para  nós,  hoje.   Definição  de  Líder:   “O  que  ocupa  posição  proeminente  numa   sociedade;  chefe,  guia,  condutor”.  
  3. 3. Definição  de  Liderança:   “É  a  habilidade  de  influenciar  pessoas  para   trabalharem  entusias:camente  visando  a:ngir   aos  obje:vos  iden:ficados  como  sendo  para  o   bem  comum”  (James  Hunter  –  O  monge  e  o   execu:vo).    
  4. 4. Definição  de  Poder:   “É  a  faculdade  de  forçar  ou  coagir  alguém  a   fazer  sua  vontade,  por  causa  de  sua  posição     ou  força,  mesmo  que  a  pessoa  preferisse  não   fazer”.   Definição  de  Autoridade:   “A  habilidade  de  levar  as  pessoas  a  fazerem  de   boa  vontade  o  que  você  quer  por  causa  de  sua   influência  pessoal”.    
  5. 5. Um  líder  nasce  líder.  Um  líder  deve  falar   muito.  E  deve  ser  ouvido  por  todos.   ESTEREÓTIPOS  DA  LIDERANÇA   Um  líder  deve  ser  muito  sério.  Dar  risada   gera  desconfiança  nos  liderados.  
  6. 6. Todo  líder  tem  sempre  uma  boa  causa.   Pessoas  que  não  tem  dinheiro  não   podem  ser  líderes.  
  7. 7. Para  mudar  uma  situação  o  líder  deve  ser   autoritário.   O  Líder  deve  sempre  se  importar  com  o   que  os  outros  acham  ou  pensam  dele.  
  8. 8. O  Líder  deve  ser  racional,  sempre  com   os  pés  no  chão.   O  Líder  manda  e  os  liderados   obedecem.  
  9. 9. A  CONSCIÊNCIA  DO  LÍDER   O  EXEMPLO  DE  JESUS:   a)  Jesus  sabia  quem  ele  era,  para  onde  iria  e     qual  era  o  seu  propósito.   b)  Jesus  conhecia  suas  habilidades,  seus     poderes  e  os  obstáculos  que  enfrentaria.    
  10. 10. c)  Jesus  :nha  um  plano.  Claro,  inegociável     e  realizável.   d)  Jesus  montou  uma  equipe  para  realizar   seu  plano.     e)  E  a  história  se  dividiu  em  Antes  e  Depois   de  Cristo.  
  11. 11. A  CRISE  DE  LIDERANÇA   Segundo  recente  pesquisa,  as  3  classes  de   líderes  mais  desacreditadas  são:   1)  POLÍTICOS   2)  POLICIAIS   3)  PASTORES  
  12. 12. Alguns  estudiosos  tem  apontado  uma  séria   crise  na  liderança  cristã,  que  eles  tem   chamado  de  “Crise  de  Integridade”.   1)  PASTORES  NÃO  CONVERTIDOS   São  pessoas  que  estão  exercendo  funções   de  liderança  dentro  das  Igrejas,  mas  não   tem  uma  real  experiência  de  conversão  e   transformação.  
  13. 13. 2)  PASTORES  NÃO  VOCACIONADOS   Em  sua  maioria  são  pessoas  que  seriam  até   bons  líderes,  mas  foram  “colocados”  como   pastores  sem  ter  um  chamado  Divino  .   “Chamado  é  quando  todas  as  portas  estão   abertas  e  Deus  nos  chama  para  a  Sua  obra”.  
  14. 14. 3)  PASTORES  CONFUSOS  TEOLOGICA       E  DOUTRINARIAMENTE.   São  caracterizados  pela  falta  de  preparo.   Simplesmente  são  colocados  à  frente  de   uma  obra  e  não  :veram  o  mínimo  preparo   para  interpretar  as  Escrituras  e  liderar  um   povo.  
  15. 15. 4)  PASTORES  EMOCIONALMENTE   INSTÁVEIS.   São  pessoas  desequilibradas  em  suas   emoções  que  não  conseguem  suportar  a   pressão  da  liderança.   No  ano  de  2013,  em  30  dias,  três  pastores   famosos  se  suicidaram  nos  Estados     Unidos.  
  16. 16. O  primeiro  deles  foi  Teddy  Parker  Jr.,  de  42  anos,   pastor  da  Igreja  Ba:sta  Bibb  Mount  Zion,  na   Geórgia,  que  se  matou  com  um  :ro  na  cabeça,   após  ter  ministrado  no  culto  ma:nal  de  sua   igreja.   O  pastor  Ed  Montgomery,  líder  da  Assembleia   Internacional  do  Evangelho  Pleno,  em  Illinois,   ainda  em  luto  pela  morte  da  esposa,  a:rou  em  si   mesmo  na  frente  de  sua  mãe  e  filho.    
  17. 17. No  dia  10  de  dezembro,  foi  a  vez  do  Pr.  Isaac   Hunter,  fundador  da  mega  igreja  Summit  em   Orlando,  Flórida.  Este  caso  em  par:cular  chamou   a  atenção  da  mídia  secular,  pois  o  pai  de  Isaac,  o   também  pastor  Joel  Hunter,  é  conselheiro   espiritual  de  Barack  Obama.    Joel  é  líder  da   Northland,  uma  das  igrejas  que  mais  crescem  nos   EUA,  e  tem  sofrido  severas  crí:cas  por  parte  de   líderes  mais  conservadores  devido  à  sua   aproximação  do  presidente.  
  18. 18. Mas,  provavelmente,  o  caso  mais  célebre   foi  o  do  filho  caçula  de  Rick  Warren,   considerado  o  pastor  mais  influente  deste   início  de  século  nos  EUA.  MaVhew  Warren   :nha  apenas  27  anos,  e,  segundo  seus  pais,   lutou  a  vida  inteira  contra  a  depressão.  Em   abril  deste  ano,  Makew  resolveu  por  um   fim  em  sua  luta,  suicidando-­‐se  com  um  :ro   após  uma  reunião  familiar.    
  19. 19. PESQUISA  DO  INSTITUTO  SCHAEFFER:   -­‐  70%  dos  pastores  lutam  constantemente   com  a  depressão.   -­‐  71%  se  dizem  esgotados.   -­‐  80%  acredita  que  o  ministério  pastoral   afeta  nega:vamente  as  suas  famílias.  
  20. 20. -­‐  70%  dizem  não  ter  um  “amigo  próximo”.    
  21. 21. 5)  PASTORES  GANANCIOSOS.   Estão  fazendo  do  Evangelho  um  negócio.   Usando  da  obra  de  Deus  para  enriquecer.   “Não  use  pessoas  para  construir  seu     ministério;  use  seu  ministério  para     construir  pessoas”  (Silmar  Coelho).  
  22. 22. “Os  pastores  se  transformaram  em  um  grupo  de  gerentes  de  lojas,   sendo  que  os  estabelecimentos  comerciais  que  dirigem  são  as  igrejas.   As  preocupações  são  as  mesmas  dos  gerentes:  como  manter  os  clientes   felizes,  como  atraí-­‐los  para  que  não  vão  às  lojas  concorrentes  que  ficam   na  mesma  rua,  como  embalar  os  produtos  de  forma  que  os   consumidores  gastem  mais  dinheiro  com  eles.  Alguns  pastores  são   ó:mos  gerentes,  atraindo  muitos  consumidores,  levantando  grandes   somas  em  dinheiro  e  desenvolvendo  uma  excelente  reputação.  Ainda   assim  o  que  fazem  é  gerenciar  uma  loja.  Religiosa,  mas,  de  toda  forma,   uma  loja.  Esses  empreendedores  têm  sua  mente  ocupada  por   estratégias  semelhantes  às  de  franquias  de  fast-­‐food  e,  quando   dormem,  sonham  com  o  sucesso  que  atrai  a  atenção  da  mídia.”     (PETERSON,  Eugene  –  Um  pastor  segundo  o  coração  de  Deus)  
  23. 23. 6)  PASTORES  FERIDOS.   São  pessoas  que  foram  feridas  por  uma   liderança  opressora,  mas  não  foram   tratadas  e  curadas.  Simplesmente  “saíram”   e  abriram  “suas”  Igrejas,  mas  con:nuam   sendo  pessoas  feridas.  
  24. 24. 7)  PASTORES  PREGUIÇOSOS.   Acham  que  o  ministério  é  um  lugar  de   repouso.  Consideram  o  ministério  uma  obra   “espiritual”  de  modo  que  acham  que  não   precisam  fazer  nenhum  esforço.     "Esperar  que  Deus  faça  tudo,enquanto     não  fazemos  nada,  não  é  fé,  isto  é   supersjção"  (Marjn  Luther  King).  
  25. 25. 8)  PASTORES  EM  PECADO.   Como  os  filhos  de  Eli,  são  pessoas  que  se   acostumaram  com  o  sagrado.     ”O  maior  problema  da  obra  são  os   obreiros"  (D.  L.  Moody).  
  26. 26. PROPOSTAS  DE  PAULO  PARA     A  INTEGRIDADE  NA  LIDERANÇA   Atos  20:   17  De  Mileto,  Paulo  mandou  chamar  os  presbíteros  da  igreja  de  Éfeso.  18   Quando  chegaram,  ele  lhes  disse:  Vocês  sabem  como  vivi  todo  o  tempo  em   que  es:ve  com  vocês,  desde  o  primeiro  dia  em  que  cheguei  à  província  da   Ásia.  19  Servi  ao  Senhor  com  toda  a  humildade  e  com  lágrimas,  sendo   severamente  provado  pelas  conspirações  dos  judeus.  20  Vocês  sabem  que   não  deixei  de  pregar-­‐lhes  nada  que  fosse  proveitoso,  mas  ensinei-­‐lhes  tudo   publicamente  e  de  casa  em  casa.  21  Tes:fiquei,  tanto  a  judeus  como  a   gregos,  que  eles  precisam  converter-­‐se  a  Deus  com  arrependimento  e  fé   em  nosso  Senhor  Jesus.  22  Agora,  compelido  pelo  Espírito,  estou  indo  para   Jerusalém,  sem  saber  o  que  me  acontecerá  ali.  
  27. 27. 23  Só  sei  que,  em  todas  as  cidades,  o  Espírito  Santo  me  avisa  que  prisões  e   sofrimentos  me  esperam.  24  Todavia,  não  me  importo,  nem  considero  a   minha  vida  de  valor  algum  para  mim  mesmo,  se  tão-­‐somente  puder   terminar  a  corrida  e  completar  o  ministério  que  o  Senhor  Jesus  me  confiou,   de  testemunhar  do  evangelho  da  graça  de  Deus.  25  Agora  sei  que  nenhum   de  vocês,  entre  os  quais  passei  pregando  o  Reino,  verá  novamente  a  minha   face.  26  Portanto,  eu  lhes  declaro  hoje  que  estou  inocente  do  sangue  de   todos.  27  Pois  não  deixei  de  proclamar-­‐lhes  toda  a  vontade  de  Deus.  28   Cuidem  de  vocês  mesmos  e  de  todo  o  rebanho  sobre  o  qual  o  Espírito   Santo  os  colocou  como  bispos,  para  pastorearem  a  igreja  de  Deus,  que  ele   comprou  com  o  seu  próprio  sangue.  29  Sei  que,  depois  da  minha  par:da,   lobos  ferozes  penetrarão  no  meio  de  vocês  e  não  pouparão  o  rebanho.  30   E  dentre  vocês  mesmos  se  levantarão  homens  que  torcerão  a  verdade,  a   fim  de  atrair  os  discípulos.  
  28. 28. 31  Por  isso,  vigiem!  Lembrem-­‐se  de  que  durante  três  anos  jamais  cessei   de  adver:r  cada  um  de  vocês  disso,  noite  e  dia,  com  lágrimas.  32  Agora,   eu  os  entrego  a  Deus  e  à  palavra  da  sua  graça,  que  pode  edificá-­‐los  e   dar-­‐lhes  herança  entre  todos  os  que  são  san:ficados.  33  Não  cobicei  a   prata  nem  o  ouro  nem  as  roupas  de  ninguém.  34  Vocês  mesmos  sabem   que  estas  minhas  mãos  supriram  minhas  necessidades  e  as  de  meus   companheiros.35  Em  tudo  o  que  fiz,  mostrei-­‐lhes  que  mediante   trabalho  árduo  devemos  ajudar  os  fracos,  lembrando  as  palavras  do   próprio  Senhor  Jesus,  que  disse:  “Há  maior  felicidade  em  dar  do  que  em   receber”.  36  Tendo  dito  isso,  ajoelhou-­‐se  com  todos  eles  e  orou.  37   Todos  choraram  muito  e,  abraçando-­‐o,  o  beijavam.  38  O  que  mais  os   entristeceu  foi  a  declaração  de  que  nunca  mais  veriam  a  sua  face.  Então   o  acompanharam  até  o  navio.  
  29. 29. 1)  COMPROMISSO  COM  DEUS.   Vers.  19:  “Servi  ao  Senhor  com  toda     a  humildade  e  com  lágrimas,     sendo  severamente  provado     pelas  conspirações  dos  judeus”.    
  30. 30. 2)  COMPROMISSO  CONSIGO  MESMO.   Vers.  18:  “Quando  chegaram,  ele  lhes  disse:   Vocês  sabem  como  vivi  todo  o  tempo  em   que  es:ve  com  vocês,  desde  o  primeiro  dia   em  que  cheguei  à  província  da  Ásia”.       Vers.  28:  “Cuidem  de  vocês  mesmos...”    
  31. 31. 3)  COMPROMISSO  COM  A  PALAVRA.   Vers.  20:  “Vocês  sabem  que  não  deixei  de   pregar-­‐lhes  nada  que  fosse  proveitoso,  mas   ensinei-­‐lhes  tudo  publicamente  e  de  casa   em  casa”.       Vers.  27:  “Pois  não  deixei  de  proclamar-­‐lhes   toda  a  vontade  de  Deus”.    
  32. 32. 4)  COMPROMISSO  COM  O  MINISTÉRIO.   Vers.  24:  “Todavia,  não  me  importo,  nem   considero  a  minha  vida  de  valor  algum  para  mim   mesmo,  se  tão-­‐somente  puder  terminar  a  corrida   e  completar  o  ministério  que  o  Senhor  Jesus  me   confiou,  de  testemunhar  do  evangelho  da  graça   de  Deus”.     4.1  -­‐  Vocação   4.2  -­‐  Abnegação   4.3  -­‐  Paixão  
  33. 33. 5)  COMPROMISSO  COM  A  IGREJA.   Vers.  28:  “Cuidem  de  vocês  mesmos  e  de  todo  o  rebanho   sobre  o  qual  o  Espírito  Santo  os  colocou  como  bispos,  para   pastorearem  a  igreja  de  Deus,  que  ele  comprou  com  o  seu   próprio  sangue”.       Vers.  29:  “Sei  que,  depois  da  minha  par:da,  lobos  ferozes   penetrarão  no  meio  de  vocês  e  não  pouparão  o  rebanho”.       Vers.  30:  “E  dentre  vocês  mesmos  se  levantarão  homens  que   torcerão  a  verdade,  a  fim  de  atrair  os  discípulos”.  
  34. 34. O  compromisso  com  a  Igreja  envolve:   1)  Pastorear  as  ovelhas.   2)  Proteger  as  ovelhas  dos  de  fora.   3)  Proteger  as  ovelhas  dos  de  dentro.  
  35. 35. 6)  COMPROMISSO  COM  O  DINHEIRO.   Vers.  34:  “Vocês  mesmos  sabem  que  estas  minhas   mãos  supriram  minhas  necessidades  e  as  de  meus   companheiros”.     Vers.  35:  “Em  tudo  o  que  fiz,  mostrei-­‐lhes  que   mediante  trabalho  árduo  devemos  ajudar  os   fracos,  lembrando  as  palavras  do  próprio  Senhor   Jesus,  que  disse:  Há  maior  felicidade  em  dar  do   que  em  receber”.  
  36. 36. Os  extremos  na  relação  Igreja  X  Obreiro   X  Dinheiro:   1)  O  extremo  da  mo:vação  do  ministério  apenas   pelo  dinheiro.   2)  O  extremo  da  Igreja  que  não  cuida  dos  obreiros   e  os  deixa  passar  necessidade.  
  37. 37. 7)  COMPROMISSO  COM  A  AFETIVIDADE.   Vers.  37:  “Todos  choraram  muito  e,   abraçando-­‐o,  o  beijavam”.    
  38. 38. A  EXCELÊNCIA  DA   LIDERANÇA  DE  JESUS  
  39. 39. O  MÉTODO  DE  DISCIPULADO   QUE  JESUS  USAVA   (GRÁFICO  DE  TOMPSON)   MÉTODO   GREGO   Baseado     na  Escola   MÉTODO   HEBREU   Baseado     na  Família  
  40. 40. Método  Grego   LIDERANÇA   Líderes  escolhidos   por  sua  capacidade   de  administrar;  de   pregar  e  de  ensinar.   Método  Hebreu   LIDERANÇA   Líderes  escolhidos   por  sua  capacidade   de  habilitar  a  igreja   no  cumprimento     de  sua  missão.  
  41. 41. Método  Grego   ORGANIZAÇÃO   O  pastor  e  os  diáconos   estabelecem  os   programas  da  igreja.   Deseja-­‐se  grande   par:cipação  de  todos   os  membros;  estes  são   treinados  a  assis:r  aos   programas  e  mantê-­‐ los.   Método  Hebreu   ORGANIZAÇÃO   A  programação  da   igreja  é  marcada   pela  flexibilidade,   mudando  de  acordo   com  as  necessidades   da  congregação.  
  42. 42. Método  Grego   EDUCAÇÃO   CRISTÃ   Ênfase  na  educação   da  criança,   estruturada  em   classes,  em  Escola   Dominical.   Método  Hebreu   EDUCAÇÃO   CRISTÃ   Ênfase  no   crescimento  de  cada   pessoa(discipulado)   até  que  ela  a:nja   todo  seu  potencial  e   descubra  seus  dons.  
  43. 43. Método  Grego   IGREJA   O  lugar  onde  certas   a:vidades   acontecem  a  cada   semana.     Método  Hebreu   IGREJA   A  comunidade  dos   crentes  que  estão   crescendo  juntos,   devido  o  seu   compromisso  com   Cristo  e  de  um  com     o  outro.    
  44. 44. Método  Grego   CULTO   Tranqüilo,  bem   estruturado,   ordeiro,  com  boa   música  e  pregação   dinâmica.   Método  Hebreu   CULTO   Experiência  viva   do  povo   celebrando  Deus  
  45. 45. Método  Grego   EVANGELIZAÇÃO   Uma  técnica  a         ser  aprendida  e   programada   dentro  da   estrutura                           da  igreja.   Método  Hebreu   EVANGELIZAÇÃO   Convidar  pessoas   a  entrarem  num   relacionamento   com  Cristo  e  num   compromisso  com   Sua  igreja.  
  46. 46. “E  disse-­‐lhes:  Vinde  após     mim,  e  eu  vos  farei     pescadores  de  homens.     Então,  eles,  deixando     as  redes,  seguiram-­‐no”.     (Mt  4.19  -­‐20)  
  47. 47. “E  disse  Jesus:  “Sigam-­‐me,  e  eu  os  farei   pescadores  de  homens”.  No  mesmo  instante   eles  deixaram  as  suas  redes  e  o  seguiram”  (Mt   4.19-­‐20).   1)  O  LÍDER  INSPIRA  CONFIANÇA.   “A  confiança  é  a  cola  que  gruda  os   relacionamentos”  (James  Hunter).  
  48. 48. “Disse  Jesus:  A  minha  comida  é  fazer  a   vontade  daquele  que  me  enviou  e  concluir   a  sua  obra”  (Jo  4.34).`   2)  O  LÍDER  É  COMPROMETIDO  COM   O  QUE  FAZ.   “Amar  vinte  homens  durante  um  ano  é  fácil   se  comparado  a  amar  um  homem  durante   vinte  anos!”  (Zsa-­‐Zsa  Gabor).  
  49. 49. “Jesus  disse-­‐lhes:  Porque  me  procuráveis?   Não  sabeis  que  me  convém  tratar  dos   negócios  do  meu  Pai”    (Lc.  2:49)   3)  O  LÍDER  TEM  CLAREZA  DE   OBJETIVOS.  
  50. 50. “Levantai  os  vossos  olhos  e  vede,  os            campos  brancos  para  a  ceifa.”  (Jo.  4:35)   4)  O  LÍDER  SABE  COMPARTILHAR  A   VISÃO.  
  51. 51. Mensurável  –  Quan:fique  sua  meta.  M   E   Específica  –  Descreva  em  detalhes.   T   Temporal  –  Quanto  tempo  você  precisa?.   A  Alcansável  –  Dentro  da  sua  realidade.   S   Significa:va  –  Algo  que  move  o  coração.  
  52. 52. “Portanto  ide,  fazei  discípulos  de  todas  as   nações,  ba:zando-­‐os  em    nome  do  Pai,  e  do   Filho,  e  do  Espírito  Santo,  ensinando-­‐os  a   guardar  todas  as  coisas  que  eu  vos  tenho   mandado...”  (Mt.  28.19-­‐20).   5)  O  LÍDER  SABE  ENVOLVER  OUTRAS   PESSOAS.  
  53. 53. “E  eu  lhes  dei  a  glória  que  a  mim  me  deste,   para  que  sejam  um,  como  nós  somos   um.”    (Jo  17.22).   6)  O  LÍDER  TRANSFERE  HONRAS.  
  54. 54. “Portanto,  tudo  o  que  quereis  que  os   homens  vos  façam,  fazei  vós  também”  (Mt   7:12).   7)  O  LÍDER  REFLETE  INTEGRIDADE.   “Estar  no  poder  é  como  ser  uma  dama.  Se   :ver  que  lembrar  às  pessoas  que  você  é,   você  não  é”  (Margaret  Thatcher).  
  55. 55. “Eu  te  glorifiquei  na  terra,  tendo   consumado  a  obra  que  me  deste  a     fazer”  (Jo  17.4)   8)  O  LÍDER  PRESTA  CONTAS  DO  QUE   FAZ.   “Quem  confessa  tentação,  não  vai  precisar   confessar  pecado”  (Anônimo).  
  56. 56. “Mas,  buscai  primeiro  o  reino  de  Deus,  e        a  sua  jus:ça,  e  todas  estas  coisas  vos        serão  acrescentadas”(Mt  6.33).   9)  O  LÍDER  DEFINE  VALORES  E  NÃO   SÓ  TAREFAS.  
  57. 57. “Pai,  se  queres,  passa  de  mim  este  cálice;   todavia  não  se  faça  a  minha  vontade,  mas  a   tua”  (Lc.  22.42).   10)  O  LÍDER  TEM  ESTABILIDADE   EMOCIONAL.  
  58. 58. “Bem,  o  Filho  do  homem  não  veio  para  ser     servido,  mas  para  servir,  e  para  dar  a  sua     vida  em  resgate  de  muitos”  (Mt  20.28).   11)  O  LÍDER  É  UM  SERVO.  
  59. 59. “Digo-­‐lhes  a  verdade:  Aquele  que  crê  em   mim  fará  também  as  obras  que  tenho   realizado.  Fará  coisas  ainda  maiores  do  que   estas,  porque  eu  estou  indo  para  o  Pai”  (Jo   14.12).   12)  O  LÍDER  DESEJA  QUE  O   DISCÍPULO  CRESÇA  MAIS  DO  QUE   ELE.  
  60. 60. “Vendo  as  mul:dões,  Jesus  subiu  ao  monte  e  se   assentou.  Seus  discípulos  aproximaram-­‐se  dele,  e   ele  começou  a  ensiná-­‐los,  dizendo...”  (Mt  5.1-­‐2).   13)  O  LÍDER  ENSINA,  ENSINA  E   ENSINA.   “Ensinamos  um  pouco  pelo  que  falamos,  mais   pelo  que  fazemos  e  muito  mais  pelo  que  somos”   (Cris  Poli  –  Super  Nanny).  
  61. 61. “Chegando  a  Jerusalém,  Jesus  entrou  no  templo  e  ali   começou  a  expulsar  os  que  estavam  comprando  e   vendendo.  Derrubou  as  mesas  dos  cambistas  e  as  cadeiras   dos  que  vendiam  pombas  e  não  permi:a  que  ninguém   carregasse  mercadorias  pelo  templo.  E  os  ensinava,  dizendo:   “Não  está  escrito:  “  “A  minha  casa  será  chamada  casa  de   oração  para  todos  os  povos”?  Mas  vocês  fizeram  dela  um   “covil  de  ladrões”  (Mc  11.15-­‐17).     14)  O  LÍDER  ENFRENTA  A   CORRUPÇÃO  IMEDIATAMENTE.  
  62. 62. Jesus  manteve  contato  com  pessoas  de   todos  os  níveis  sociais,  mas  sempre  teve  os   mais  próximos  com  que  dividia  momentos   especiais  (Exemplo  de  Pedro,  Tiago  e  João   no  monte  da  transfiguração).   15)  O  LÍDER  NUNCA  SE  ISOLA.  
  63. 63. “Ninguém  jamais  falou  da  maneira  como   esse  homem  fala,  declararam  os   guardas”  (Jo  7.46).   16)  O  LÍDER  SABE  FALAR  EM   PÚBLICO.  
  64. 64. “Depois  que  todos  receberam  o  suficiente   para  comer,  disse  aos  seus  discípulos:   Ajuntem  os  pedaços  que  sobraram.  Que   nada  seja  desperdiçado”  (Jo  6.12).   17)  O  LÍDER  NÃO  DESPERDIÇA   NADA.  
  65. 65. “Havia  muita  gente  indo  e  vindo,  ao  ponto   de  eles  não  terem  tempo  para  comer.  Jesus   lhes  disse:  Venham  comigo  para  um  lugar   deserto  e  descansem  um  pouco”  (Mc  6.31).   18)  O  LÍDER  TAMBÉM  DESCANSA.  
  66. 66. “Surgiu  também  uma  discussão  entre  eles,   acerca  de  qual  deles  era  considerado  o   maior”  (Lc  22.24).   19)  O  LÍDER  DESENCORAJA  A   DISPUTA  POR  POSIÇÕES.   “Não  será  assim  entre  vocês.  Ao  contrário,  quem   quiser  tornar-­‐se  importante  entre  vocês  deverá  ser   servo,e  quem  quiser  ser  o  primeiro  deverá  ser   escravo”  (Mt  20.26-­‐27).  
  67. 67. “Então  Jesus  foi  com  seus  discípulos  para  um  lugar   chamado  Getsêmani  e  lhes  disse:  Sentem-­‐se  aqui   enquanto  vou  ali  orar”  (Mt  26.36).   20)  O  LÍDER  SE  PREPARA  PARA  OS   DIAS  DIFÍCEIS.   “Eu  lhes  disse  essas  coisas  para  que  em  mim  vocês   tenham  paz.  Neste  mundo  vocês  terão  aflições;   contudo,  tenham  ânimo!  Eu  venci  o  mundo”  (Jo   16.33).  
  68. 68. “Quando  Jesus  viu  isso,  ficou  indignado  e  lhes  disse:   Deixem  vir  a  mim  as  crianças,  não  as  impeçam;  pois   o  Reino  de  Deus  pertence  aos  que  são  semelhantes   a  elas.  Digo-­‐lhes  a  verdade:  Quem  não  receber  o   Reino  de  Deus  como  uma  criança,  nunca  entrará   nele.  Em  seguida,  tomou  as  crianças  nos  braços,   impôs-­‐lhes  as  mãos  e  as  abençoou”  (Mc  10.14-­‐16).   21)  O  LÍDER  CUIDA  DAS  CRIANÇAS.  
  69. 69. 1)  Crianças  são  indicadores  da  presença  de  orgulho.   Quando  o  assunto  é  criança,  Jesus  ensina  que:   2)  A  maneira  como  lidamos  com  as  crianças  é  um   sinal  da  nossa  comunhão  com  Deus  (Mc  9.34-­‐37).   3)  As  crianças  precisam  de  tempo.   4)  As  crianças  precisam  de  um  tratamento   personalizado.  
  70. 70. “Depois  de  comerem,  Jesus  perguntou  a   Simão  Pedro:  “Simão,  filho  de  João,  você   me  ama  mais  do  que  estes?...”  (Jo  21.15).   22)  O  LÍDER  SEMPRE  CONCEDE  UMA   SEGUNDA  CHANCE.  
  71. 71. “Depois  de  comerem,  Jesus  perguntou  a   Simão  Pedro:  “Simão,  filho  de  João,  você   me  ama  mais  do  que  estes?...”  (Jo  21.15).   23)  O  LÍDER  TRATA  CADA  PESSOA   INDIVIDUALMENTE.  
  72. 72. 24)  O  LÍDER  PROVA  O  SEU  PESSOAL.   “Os  setenta  e  dois  voltaram  alegres  e   disseram:  “Senhor,  até  os  demônios  se   submetem  a  nós,  em  teu  nome”...  Contudo,   alegrem-­‐se,  não  porque  os  espíritos  se   submetem  a  vocês,  mas  porque  seus  nomes   estão  escritos  nos  céus”  (Lc  10.17  e  20).  
  73. 73. 25)  O  LÍDER  CUIDA  E  VALORIZA  A   SUA  FAMÍLIA.   “Quando  Jesus  viu  sua  mãe  ali,  e,  perto  dela,  o   discípulo  a  quem  ele  amava,  disse  à  sua  mãe:  “Aí   está  o  seu  filho”,  e  ao  discípulo:  “Aí  está  a  sua   mãe”.  Daquela  hora  em  diante,  o  discípulo  a   recebeu  em  sua  família”  (Jo  19.26-­‐27).   “A  família  é  a  credencial  do  líder”  (Pr.  Estevam   Fernandes).  
  74. 74. 26)  O  LÍDER  TEM  UM  ESPÍRITO   PERSEVERANTE.   “Devido  ao  aumento  da  maldade,  o  amor  de   muitos  esfriará,  mas  aquele  que  perseverar  até  o   fim  será  salvo”  (Mt  24.12-­‐13).   "Estou  disposto  a  ir  para  qualquer  lugar,  desde   que  seja  para  frente"  (David  Livingstone).  
  75. 75. 27)  O  LÍDER  ESTÁ  EM  VIGILÂNCIA   CONSTANTE.   “Vigiem  e  orem  para  que  não  caiam  em   tentação.  O  espírito  está  pronto,  mas  a  carne  é   fraca”  (Mt  26.41).   O  Líder  precisa  enfrentar  as  fraquezas  do  seu   caráter  (Exemplo  de  Sansão).  
  76. 76. 28)  O  LÍDER  SABE  SE  RELACIONAR   COM  OUTROS  LÍDERES.   “É  necessário  que  ele  cresça  e  que  eu   diminua”  (Jo  3.30).   “Digo-­‐lhes  a  verdade:  Entre  os  nascidos  de   mulher  não  surgiu  ninguém  maior  do  que  João   Ba:sta;  todavia,  o  menor  no  Reino  dos  céus  é   maior  do  que  ele”  (Mt  11.11).  
  77. 77. 29)  O  LÍDER  É  JUSTO  E  GENEROSO   QUANDO  APROPRIADO.   “Mas  ele  respondeu  a  um  deles:  “Amigo,  não  estou   sendo  injusto  com  você.  Você  não  concordou  em   trabalhar  por  um  denário?  Receba  o  que  é  seu  e  vá.   Eu  quero  dar  ao  que  foi  contratado  por  úl:mo  o   mesmo  que  lhe  dei.  Não  tenho  o  direito  de  fazer  o   que  quero  com  o  meu  dinheiro?  Ou  você  está  com   inveja  porque  sou  generoso?”  (Mt  20.13-­‐15).  
  78. 78. 30)  O  LÍDER  MANTÉM  A   INTIMIDADE  COM  DEUS.   “Mas  Jesus  re:rava-­‐se  para  lugares   solitários,  e  orava”  (Lc  5.16).   “A  in:midade  do  SENHOR  é  para  os  que  o   temem,  aos  quais  Ele  dará  a  conhecer     a  sua  aliança”  (Sl  25.14).  
  79. 79. AS  QUALIDADES  DE   UM  LÍDER  APROVADO   Base:  2Reis  4.8-­‐17  
  80. 80. “Nós  estamos  procurando  melhores  métodos.   Deus  está  procurando  melhores  homens.  Deus   não  unge  métodos,  Deus  unge  homens.  Os   homens  são  o  método  de  Deus.  A  Igreja   procura  métodos  mais  aperfeiçoados;  Deus   procura  homens  mais  aperfeiçoados”.   (E.  M.  Bounds  –  1835  –  1913)  
  81. 81. 1)  PERCEPÇÃO  ESPIRITUAL.   -­‐  A  mulher  conseguiu  ver  o  caráter,  a   reputação  e  a  in:midade  com  Deus  do   profeta.   -­‐  Num  tempo  de  muitos  falsos  profetas,  ela   dis:nguiu  o  falso  do  verdadeiro  (Ez  22.26).  
  82. 82. -­‐  Paulo  fala  da  necessidade  do  dom  de   discernimento:  “Tratando-­‐se  de  profetas,   falem  dois  ou  três,  e  os  outros  julguem   cuidadosamente  o  que  foi  dito”  (1Co   14.29).   -­‐  Davi  não  teve  percepção  espiritual  e  caiu   em  adultério.  
  83. 83. -­‐  Pedro  não  teve  discernimento  e  negou   Jesus  três  vezes.   -­‐  Je€é  não  teve  percepção  espiritual  e     matou  a  própria  filha.   -­‐  Sansão  não  teve  discernimento  para  fazer   suas  alianças  e  terminou  envergonhado.  
  84. 84. -­‐  Samuel  buscou  o  discernimento  e  ungiu   corretamente  o  rei  de  Israel.   -­‐  Neemias  teve  a  devida  percepção  e   iden:ficou  o  “espírito”  que  estava  por  trás   das  pessoas  que  estavam  com  ele.   -­‐  Josué  e  Calebe  :veram  discernimento  e   alcançaram  a  promessa  de  Deus.  
  85. 85. “Depois  do  espírito  de   discernimento,  o  que  há  de   mais  raro  no  mundo  são  os   diamantes  e  as  pérolas”.   (Jean  de  la  Bruyere)  
  86. 86. -­‐  A  mulher  teve  um  discernimento  incrível   para  não  contar  ao  marido  e  Geazi  sobre  a   morte  do  menino.   -­‐  Sua  resposta  para  todos  é:  SHALOM!  
  87. 87. 2)  SUBMISSÃO  AO  PRINCÍPIO  DE   AUTORIDADE.   -­‐  Há  dois  princípios  que  regem  o  universo:  A   autoridade  de  Deus  e  a  rebeldia  de  Lúcifer.   -­‐  A  mulher  se  submete  ao  marido,  mesmo   que  Deus  :vesse  plantado  o  projeto  em  seu   coração  (Vers.  10).  
  88. 88. -­‐  Decadência,  falência,  vergonha,  desprezo,   morte,  perdição  são  resultados  da   insubmissão.   -­‐  Dag  Heward  Mills,  em  seu  livro  “Lealdade   e  Deslealdade”  fala  que  existem  8  estágios   que  uma  pessoa  atravessa  para  se  tornar   insubmissa  ou  desleal.  
  89. 89. 1º  Estágio:  ESPÍRITO  INDEPENDENTE.   -­‐  É  um  estágio  su:l  que  a  maioria  das   pessoas  não  o  reconhece.   -­‐  Na  liderança  de  Davi,  um  braço  direito  do   chamado  Joabe  manifestou  este  espírito   independente  que  vamos  analisar  agora.  
  90. 90. I)  Não  respeita  as  decisões  do  líder.   “E  veio  Abner  a  Davi,  a  Hebrom,  e  vinte  homens  com   ele;  e  Davi  fez  um  banquete  a  Abner  e  aos  homens  que   com  ele  vinham  [...]  e  foi-­‐se  ele  em  paz”  (2Sm  3.20-­‐21).   “E  Joabe  [...]  enviou  mensageiros  atrás  de  Abner,  e  o   fizeram  voltar  [...]  Joabe  o  tomou  à  parte  [...]  e  feriu-­‐o   ali”  (2Sm  3.26-­‐37).   -­‐  Davi  quer  promover  paz  e  Joabe  mata  Abner.  
  91. 91. II)  Faz  apenas  o  que  quer  fazer.   “E  o  rei  deu  ordem  a  Joabe  [...]  dizendo:  brandamente   tratai  por  amor  de  mim  ao  jovem,  a  Absalão”  (2Sm   18.5).   “E  tomou  [Joabe]  três  dardos  e  traspassou  com  eles  o   coração  de  Absalão”  (2Sm  18.14).   -­‐  Pessoas  independentes  fazem  o  que  querem  fazer,  a   despeito  das  instruções  da  Liderança.  
  92. 92. III)  Demora  ou  nunca  vai  embora.   -­‐  Joabe  nunca  deixou  o  acampamento  de  Davi.  Essas   pessoas  não  decidem  sair.  Elas  ficam  nas  imediações,   fazem  o  que  querem,  influenciadas  por  um  espírito  de   deslealdade.   IV)  É  espiritual,  mas  independente.   -­‐  Joabe  era  um  dos  líderes  mais  espirituais  de  Davi.   Mesmo  assim  era  independente  em  todos  as  suas   a:tudes.  Espiritual,  mas  independente.  
  93. 93. V)  Ameaça  assumir  o  controle.   -­‐  Joabe  lutou  contra  a  cidade  real  de  Rabá  em  nome  do   Rei  Davi.  Quando  a  vitória  estava  quase  ganha  ele   manda  recado  a  Davi:  “Vem  logo  ou  eu  vou  receber   todo  o  crédito”  (2Sm  12).   VI)  Quer  colocar  o  seu  nome  (idenjdade).   -­‐  Joabe  con:nua  ameaçando  Davi  dizendo  que  mudaria   o  nome  da  cidade:  “Para  que,  tomando  eu  a  cidade,  não   se  aclame  sobre  ela  o  meu  nome”  (2Sm  12.28).  
  94. 94. VII)  Ajuda  a  fazer  oposição.   -­‐  Davi  :nha  um  outro  filho  que  também  :nha  um   espírito  independente  e  queria  tomar  o  lugar  de   Salomão.  Joabe  se  une  a  ele  para  fazer  oposição  a  Davi.   “Então  Adonias,  filho  de  Hagite,  se  levantou,  dizendo:  Eu   reinarei  [...]  e  Adonias  :nha  inteligência  com  Joabe,  filho   de  Zeruia,  e  com  Abiatar,  o  sacerdote,  os  quais  o   ajudavam,  seguindo  a  Adonias”  (1Rs  1.5-­‐7).  
  95. 95. 2º  Estágio:  OFENSA.   “Naquele  tempo  muitos  ficarão   escandalizados,  trairão  e  odiarão  uns  aos   outros...”  (Mt  24.10).   -­‐  Pessoas  que  não  foram  curadas  e   superaram  suas  feridas  por  qualquer   acontecimento,  são  levadas  ao  caminho  da   insubmissão  e  ofensa  (Ex:  Absalão).  
  96. 96. 3º  Estágio:  PASSIVIDADE.   -­‐  Uma  pessoa  passiva  é  aquela  que  não  se   envolve  em  nada.  Um  “não  envolvido”  fica   de  fora  apenas  observando  as  falhas  ao   redor.   “Porém  Absalão  não  falou  com  Amnom,   nem  mal  nem  bem”  (2Sm  13.22).  
  97. 97. 4º  Estágio:  O  ESTÁGIO  CRÍTICO.   -­‐  Uma  pessoa  insubmissa  não  fica  passiva   para  sempre.  Ela  avança  para  o  estágio  de   tornar-­‐se  crí:ca.  É  o  estágio  de  observar  e   ampliar  apenas  as  falhas.   “E  falaram  Miriã  e  Arão  contra  Moisés”  (Nm   12.1).  
  98. 98. 5º  Estágio:  O  ESTÁGIO  POLÍTICO.   -­‐  É  uma  pessoa  tenta  envolver  outras  em   suas  ideias  e  filosofias.  Polí:cos  operam  a   par:r  do  poder  da  opinião  das  pessoas.   -­‐  “e  Absalão  dizia:  A  sua  causa  é  válida  e   legí:ma,  mas  não  há  nenhum  representante   do  rei  para  ouvi-­‐lo”  (2Sm  15.3).  
  99. 99. -­‐  Acompanhe  o  estágio  de  Absalão:   1)  Foi  ferido  (estágio  da  ofensa).   2)  Não  falou  nada  por  dois  anos  (estágio  da   passividade).   3)  Se  tornou  indevidamente  um  análi:co  das   polí:cas  de  Davi  (estágio  cri:co).  
  100. 100. 4)  Começou  envolver  outras  pessoas  em  seus   pensamentos  desleais  (estágio  polí:co).   -­‐  “e  Absalão  dizia:  A  sua  causa  é  válida  e   legíjma,  mas  não  há  nenhum  representante   do  rei  para  ouvi-­‐lo[...]  Assim,  furtava   Absalão  o  coração  dos  homens  de   Israel”  (2Sm  15.3,  6).  
  101. 101. 6º  Estágio:  ENGANO.   -­‐  As  pessoas  neste  estágio  não  conseguem   reconhecer,  mas  estão  grosseiramente   enganadas.   -­‐  1º  Engano:  Sou  maior  que  este  meu  líder.   -­‐  2º  Engano:  Esquece  do  seu  professor.   “Tu  eras  querubim  ungido  [...],  e  te   estabeleci”  (Ez  28.14).  
  102. 102. -­‐  3º  Engano:  O  talento  e  a  unção.   -­‐  4º  Engano:  Tentar  ser  igual  os  seus  líderes   em  todos  os  aspectos.   “E  entrou  Absalão  às  concubinas  de  seu  pai   perante  os  olhos  de  todo  Israel”  (2Sm   16.22).     -­‐  5º  Engano:  Tenta:va  de  prejudicar  os  seus   líderes.  
  103. 103. 7º  Estágio:  REBELDIA  ESCANCARADA.   -­‐  É  quando  a  pessoa  luta  abertamente   contra  a  autoridade.     -­‐  Lúcifer  fez  isso:  “E  houve  batalha  no  céu   [...]  e  batalhavam  o  dragão  e  os  seus   anjos”  (Ap  12.7).  
  104. 104. -­‐  Absalão  fez  isso:  “Disse  mais  Davi  [...]:  Eis   que  meu  filho,  que  descendeu  de  mim,   procura  a  minha  morte”  (2Sm  16.11).   -­‐  Judas  fez  isso:  “Chegou  Judas,  um  dos   doze,  e  com  ele,  grande  muljdão  com   espadas  [...]  E  o  traidor  jnha  lhes  dado  um   sinal,  dizendo:  O  que  eu  beijar  é  esse;   prendei-­‐o”  (Mt  26.47-­‐48).  
  105. 105. 8º  Estágio:  PENA  DE  MORTE.   -­‐  O  fim  de  todos  que  se  rebelam  contra   autoridade  é  o  mesmo:  pena  de  morte.   -­‐  A  Bíblia  ensina  que  rebelião  é  como   bruxaria:  “Porque  a  rebelião  é  como  o   pecado  de  feijçaria”  (1Sm  15.23).  
  106. 106. -­‐  O  preço  da  rebeldia  contra  a  autoridade  é   a  morte:  “A  feijceira  não  deixarás   viver”  (Ex  22.18).   -­‐  Lúcifer:  “O  grande  dragão  foi  lançado   fora.  Ele  é  a  anjga  serpente  chamada   Diabo  ou  Satanás,  que  engana  o  mundo   todo.  Ele  e  os  seus  anjos  foram  lançados  à   terra”  (Ap  12.9).  
  107. 107. -­‐  Absalão:  “E  dez  dos  escudeiros  de  Joabe   cercaram  Absalão  e  acabaram  de  matá-­‐ lo”  (2Sm  18.15).   -­‐  Aitofel:  “Vendo  Aitofel  que  o  seu  conselho   não  havia  sido  aceito,  selou  seu  jumento  e   foi  para  casa,  para  a  sua  cidade  natal;  pôs   seus  negócios  em  ordem  e  depois  se   enforcou.  Ele  foi  sepultado  no  túmulo  de   seu  pai”  (2Sm  17.23).  
  108. 108. -­‐  Simei:  “Então  o  rei  deu  ordem  a  Benaia,   filho  de  Joiada,  e  este  atacou  Simei  e  o   matou.  Assim  o  reino  ficou  bem   estabelecido  nas  mãos  de  Salomão.”  (1Rs   17.23).   -­‐  Judas:  “Então  Judas  jogou  o  dinheiro   dentro  do  templo  e,  saindo,  foi  e  enforcou-­‐ se.”  (Mt  27.5).  
  109. 109. 3)  LIBERALIDADE.   -­‐  A  mulher  decide  inves:r  no  profeta   porque  acredita  que  a:tudes  são  aceitas   por  Deus  como  forma  de  comprovação  de   palavras.   -­‐  Deus  enriquece  quem  já  é  rico  em  sua   forma  de  pensar.  O  dinheiro  revela  que         nós  somos.  
  110. 110. -­‐  “Há  quem  dê  generosamente,  e  vê   aumentar  suas  riquezas;  outros  retêm  o   que  deveriam  dar,  e  caem  na  pobreza.  O   generoso  prosperará;  quem  dá  alívio  aos   outros,  alívio  receberá”  (Pv  11.24-­‐25).   -­‐  “Deus  muljplica  somente  aquilo  que   dividimos”  (Ariovaldo  Ramos).  
  111. 111. -­‐  A  liberalidade  é  um  emprés:mo  a  Deus:   “Quem  trata  bem  os  pobres  empresta  ao   Senhor,  e  ele  o  recompensará.”  (Pv  19.17).  
  112. 112. AS  QUALIDADES  DE   UM  LÍDER  APROVADO   Base:  João  4.4-­‐27  
  113. 113. 1)  PROFUNDIDADE.   “Disse  a  mulher:  O  senhor  não  tem  com  que   5rar  água,  e  o  poço  é  fundo”  (João  4.11  –  NVI).   -­‐  Hoje  em  dia,  as  pessoas  vão  a  Igreja,  ouvem  a   Palavra  de  Deus,  mas  não  querem  mudanças.  Nada   de  transformação  radical.  Há  um  cris:anismo   superficial  onde  todos  querem  as  bênçãos  de  Deus,   mas  nada  de  compromisso.  Gostam  da  programação   do  domingo,  mas  não  se  envolvem  por  completo         na  obra.  
  114. 114. -­‐  A  mulher  samaritana  queria  ficar  conversando   com  Jesus  a  respeito  de  religião:  o  monte  que   devemos  adorar,  isso,  aquilo,  etc.  Jesus,   entretanto,  a  chama  a  um  momento  de   profundidade,  perguntando-­‐lhe  “onde  está  o  seu   marido?”.   -­‐  É  o  relacionamento  superficial  que  faz  as   pessoas  desejarem  que  Deus  mude  a   circunstância  delas,  desde  que  não  as  mude.  A   superficialidade  nos  faz  resistentes  a  mudanças.  
  115. 115. -­‐  RENDIÇÃO.  Profundidade  de  vida  com  Deus  não   acontece  sem  entrega  total.  No  original,  a   própria  raiz  do  verbo  “adorem”  usado  por  Jesus   indica  “render-­‐se”,  “prostrar-­‐se”.  Ninguém  pode   se  render  a  Deus  a  menos  que  confie  nele.     -­‐  Quanto  mais  nos  damos  conta  do  quanto  Deus   nos  ama,  mais  fácil  se  torna  a  rendição.  Quando   nos  rendemos  completamente  a  Jesus,   descobrimos  que  ele  não  é  um  :rano,  mas  um   Salvador;  não  um  patrão,  mas  um  irmão;  não       um  ditador,  mas  um  amigo.    
  116. 116. "A  maior  grandeza  do  poder  do   homem  é  medida  pela  sua  entrega"     (William  Booth,  fundador  do  Exército   da  Salvação).  
  117. 117. -­‐  VIDA  DIÁRIA.  Nunca  permitam  que  o  culto  se  torne   algo  comum  e  afastado  da  vida  diária  com  Deus.   Culto  sem  conexão  com  a  vida  diária  é   entretenimento  espiritual.  O  apóstolo  Paulo  diz  que   o  culto  racional  não  é  apenas  um  tempo  de  louvor  e   de  ministração  que  temos  na  igreja,  mas  a  oferta  do   nosso  corpo  a  Deus  na  dinâmica  da  vida  (Rm  12:1).   O  profeta  Jeremias  denunciou  o  perigo  de  uma   reforma  externa  sem  uma  transformação  interna  e  a   falsa  confiança  no  templo,  no  culto,  na  liturgia   (Jeremias  7:1-­‐15).  
  118. 118. -­‐  O  que  o  líder  faz  no  culto  não  pode  ser   divorciado  da  sua  vida  diária.  Por  exemplo:  Caim   –  Deus  rejeitou  a  vida  de  Caim  antes  de  rejeitar  a   oferta  e  o  culto  da  Caim.     -­‐  Profundidade  de  vida  não  é  uma  questão  de   performance  diante  dos  homens,  mas  de   sinceridade  diante  de  Deus.  Muitos  pastores  têm   fome  de  livro  como  muitos  músicos  têm  fome  de   par:tura  musical,  mas  não  têm  fome  de  Deus.    
  119. 119. “Uma  porcentagem  assustadoramente  alta  de   pastores  colabora  com  o  inimigo,  um  mundo   que  quer  uma  religião  que  seja  mais  do  que   tudo,  mero  entretenimento  com  algumas   pausas  para  comerciais  morais”       (PETERSON,  Eugene  –  A  vocação  espiritual  do   pastor.  1ª.  Edição,  São  Paulo:  Mundo  Cristão,   2006.  pág.  44).    
  120. 120. 2)  DURABILIDADE.   “Acaso  o  senhor  é  maior  do  que  o  nosso  pai  Jacó,   que  nos  deu  o  poço,  do  qual  ele  mesmo  bebeu,  bem   como  seus  filhos  e  seu  gado?”  (João  4.12  –  NVI).   -­‐  A  segunda  caracterís:ca  do  poço  de  Jacó  é  a  sua   durabilidade.  Jacó  viveu  mais  de  mil  anos  antes  de   Jesus,  entretanto  o  poço  durou  até  os  dias  do   Salvador  e,  na  verdade,  quem  vai  a  Israel  ainda   consegue  visitar  este  poço.  
  121. 121. “A  nossa  espiritualidade  precisa  ser  marcada   pela  graça,  pela  fé  e  pela  resistência”  (Ed  René   Kivitz,  “Outra  Espiritualidade”,  Editora  Vida).   -­‐  O  líder  precisa  ter  durabilidade  de  vida  com   Deus.  Precisa  resis:r  à  síndrome  su:l  e   paralisante  que  é  a  falta  de  perseverança.  De   gente  que  começa  e  nunca  termina  as  coisas.   Gente  inconstante  e  instável.  Não  podemos  ser   daqueles  que  desistem  cedo  demais.    
  122. 122. A  Bíblia  e  a  história  nos  apresentam  líderes   duráveis,  constantes  e  perseverantes:   -­‐  O  filho  pródigo  recebeu  perdão,  porque  o  pai   decidiu  não  hesitar  em  seu  amor.   -­‐  Esta  Igreja  está  aqui,  porque  a  missão  sueca   não  desis:u  de  enviar  outro  missionário,  depois   do  primeiro  ter  morrido,  no  Rio  de  Janeiro,  com   febre  amarela.  
  123. 123. -­‐  Pedro  renasceu  para  um  futuro  sem  culpa,   porque  Jesus  Cristo  não  abandonou  o  projeto  de   torná-­‐lo  um  pastor  de  almas.   -­‐  Abraham  Lincoln  foi  para  a  guerra  como   capitão  e  retornou  soldado.  Fracassou  como   homem  de  negócios  e  advogado,  perdeu  seis   eleições,  de  prefeito  a  vice-­‐presidente,  até  ser   eleito.    
  124. 124. -­‐  O  mundo  gen:o  recebeu  o  evangelho,  porque   Paulo  não  deu  as  costas  a  sua  missão,  quando  o   abandonaram  apedrejado  numa  calçada.   -­‐  Albert  Einstein  foi  descrito  por  um  de  seus   professores  como  mentalmente  lento,  insociável,  e   totalmente  perdido  em  sonhos  enlouquecidos.   Repe:u  a  sexta  série  e  sua  mãe  foi  chamada  pelo   diretor  da  escola  que  lhe  disse  que  seu  filho,   provavelmente,  não  daria  em  nada.  Se  ela  desis:sse,   seu  filho  não  seria  um  dos  homens  mais  brilhantes   que  o  planeta  recebeu.  
  125. 125. -­‐  José  viveu  a  restauração  completa  de  Deus   porque  não  desis:u  de  sonhar  mesmo  com  13   anos  de  angús:a  no  Egito.   -­‐  Michael  Jordan  foi  barrado  do  :me  de   basquete,  no  colegial.  Walt  Disney  foi  ignorado   por  um  editor  de  jornal,  por  "não  ter  imaginação   e  nem  boas  idéias".    
  126. 126. -­‐  Disse  Jesus:  “Eu  glorifiquei-­‐te  na  terra,   tendo  consumado    a  obra  que  me  deste  a   fazer”  (Jo  17:4).     -­‐  Paulo  disse:  “Assim,  rei  Agripa,  não  fui   desobediente  à  visão  celesjal”  (At  26.19).    
  127. 127. 3)  ACESSIBILIDADE.   “...o  nosso  pai  Jacó,  que  nos  deu  o  poço,  do  qual   ele  mesmo  bebeu,  bem  como  seus  filhos  e  seu   gado?”  (João  4.12  –  NVI).   -­‐  A  úl:ma  caracterís:ca  do  poço  de  Jacó  que  é  a   sua  acessibilidade.  Jacó  bebeu  água  deste  poço,   seus  filhos,  seus  animais  e  todas  as  pessoas  das   gerações  seguintes  :nham  livre  acesso  ao   famoso  poço  de  Jacó.    
  128. 128. -­‐  Mesmo  com  seu  ministério  breve  e  urgente,   Jesus  valorizou  a  relação  pastor/ovelha,   dedicando  tempo  à  visitação  de  lares  e  não  se   furtou  ao  tratamento  personalizado.   -­‐  Apesar  da  grande  ênfase  no  ministério  da   pregação,  considera-­‐se  que  apenas  25%  da  ação   pastoral  é  realizada  do  púlpito.    
  129. 129. “Há  pregadores  demais  e  pastores  de   menos...”  (Pedro  Mendes,  “Ser  Pastor”,  pág.   96,  Editora  Ba:sta  Independente).   -­‐  Antes  de  ressuscitar  Lázaro,  Jesus  ouviu  Marta,   depois  ouviu  Maria  e,  depois,  depois  chorou.  Ele   poderia  ter  ressuscitado  Lázaro  sem  ter  feito   nada  disso.  
  130. 130. PERDAS  IRREPARÁVEIS   NA  VIDA  DO  LÍDER  
  131. 131. 1)  NUNCA  PERCA  O  NORTE  DA  VIDA.   “Eu  glorifiquei-­‐te  na  terra,  tendo   consumado    a  obra  que  me  deste  a   fazer”  (Jo  17:4).     “Assim,  rei  Agripa,  não  fui  desobediente     à  visão  celes:al”  (At  26.19).    
  132. 132. 2)  NUNCA  PERCA  A  CONSCIÊNCIA  DA   SUA  FINITUDE.   “Todos  os  nossos  dias  se  passam  na     tua  ira;  e  acabam  os  nossos  anos     como  um  breve  pensamento”  (Sl  90.9).     Esta  perda  leva  o  líder  à  perigosa  síndrome   a  onipotência.  
  133. 133. 3)  NUNCA  PERCA  O  CORAÇÃO   QUEBRANTADO.   Essa  é  a  condição  de  você  permanecer     perto  do  coração  de  Deus.   “Perto  está  o  Senhor  dos  que  têm  um   coração  quebrantado,  e  salva  os  contritos   espírito”  (Sl  34.18).  
  134. 134. 4)  NUNCA  PERCA  A  PAIXÃO  PELAS   PESSOAS.   Elas  são  a  matéria  prima  do  seu  ministério.   “Vinde  a  mim  os  que  estão  cansados     e  sobrecarregados  e  Eu  vos  aliviarei”.     (Mt  11.28)  
  135. 135. 5)  NUNCA  PERCA  A  SUA  FAMÍLIA.   Ela  é  a  credencial  do  seu  ministério.   “Ele  deve  governar  bem  sua  própria  família,   tendo  os  filhos  sujeitos  a  ele,  com  toda  a   dignidade.  Pois,  se  alguém  não  sabe   governar  sua  própria  família,  como  poderá   cuidar  da  igreja  de  Deus?”  (1Tm  3.4-­‐5).  
  136. 136. 6)  NÃO  PERCA  A  INTIMIDADE  COM   DEUS.   Ela  é  a  fonte  e  a  força  da  nossa  inspiração.   “A  in:midade  do  SENHOR  é  para  os  que  o   temem,  aos  quais  Ele  dará  a  conhecer  a  sua   aliança”  (Sl  25.14).    
  137. 137. 7)  NUNCA  PERCA  JESUS  DE  VISTA.   Ele  deve  ser  o  único  foco  do  nosso  olhar.   “Olhando  para  ELE,  autor  e  consumador  da   nossa  fé”  (Hb  12.2).  
  138. 138. AS  QUALIDADES  DE   UM  LÍDER  APROVADO   Base:  Salmo  15.1-­‐5  
  139. 139. John  Maxwell  alista  7  jpos  de  líder   dentro  das  Igrejas  e  organizações.   1)  Tanque  de  guerra  –  Passa  por  cima  de   todo  mundo;   2)  Astronauta  –  Vive  em  outro  mundo;   3)  Vulcão  –  Explosivo  e  imprevisível;  
  140. 140. 4)  Chupa-­‐dedo  –  autocomiseração,   emburrado;   5)  Desmancha-­‐prazer  –  Sempre  pra  baixo;   6)  Lixeiro  –  Só  atrai  o  pior;   7)  Usuário  –  exige  muito  tempo  e  energia.    
  141. 141. Na  di„cil  tarefa  de  escolher  líderes,   o  Rei  Davi  alistou  no  Salmo  15  cinco   qualidades  de  um  líder.   1)  TEM  QUE  SER  ÍNTEGRO  (V.  2).   “O  amor  e  a  verdade  formam  um  bom  líder;   a  liderança  sadia  firma-­‐se  na  integridade  do   amor”  (Pv  20.28  –  A  Mensagem).  
  142. 142. “Um  bom  líder  detesta  todo  :po  de   injus:ça;  pois  é  na  jus:ça  que  a  liderança     se  fundamenta”  (Pv  16.12  –  A  Mensagem).   Ser  integro  é  ser  inteiro.  O  mesmo  por   dentro  e  por  fora.  Não  é  uma  fraude,  nem   tampouco  um  fingimento.    
  143. 143. 2)  NÃO  PARTICIPA  DE  FOFOCA  (V.  3).   “As  pessoas  inteligentes  sabem  como   segurar  a  língua;  sua  grandeza  é  perdoar           e  esquecer”  (Pv  19.11  –  A  Mensagem).   “Quando  o  líder  dá  ouvidos  a  fofocas   maliciosas,  todos  os  trabalhadores  são   contagiados  pelo  mal”  (Pv  29.12  –  A   Mensagem).  
  144. 144. 3)  NÃO  PREJUDICA  O  PRÓXIMO  (V.  3).   “Quem  abençoa  os  outros  é  muito   abençoado;  quem  ajuda  os  outros  também   recebe  ajuda”  (Pv  11.25  –  A  Mensagem).   “Deus  odeia  a  trapaça  no  mundo  dos   negócios;  ele  ama  quando  o  negócio  é   honesto”  (Pv  11.1  –  The  Message,  Tradução   livre).  
  145. 145. 4)  PRATICA  O  PRINCÍPIO  DA  HONRA  (V.  4).   “Dediquem-­‐se  uns  aos  outros  com  amor   fraternal.  Prefiram  dar  honra  aos  outros   mais  do  que  a  si  próprios”  (Rm  12.10  –   NVI).  
  146. 146. 5)  É  FORTE  E  ESTÁVEL  (V.  5).   “Quem  desiste  num  momento  de  crise  é   porque  realmente  é  um  fraco!”  (Pv  24.10  –   A  Mensagem).  
  147. 147. SINAIS  DE  ALERTA     DE  UM  LÍDER   DESCONTROLADO  
  148. 148. Ester  5:     11  Hamã  vangloriou-­‐se  de  sua  grande  riqueza,  de   seus  muitos  filhos  e  de  como  o  rei  o  havia   honrado  e  promovido  acima  de  todos  os  outros   nobres  e  oficiais.       12  E  acrescentou  Hamã:  Além  disso,  sou  o  único   que  a  rainha  Ester  convidou  para  acompanhar  o   rei  ao  banquete  que  ela  lhe  ofereceu.  Ela  me   convidou  para  comparecer  amanhã,  com  o  rei.    
  149. 149. 13  Mas  tudo  isso  não  me  dará  sa:sfação,   enquanto  eu  vir  aquele  judeu  Mardoqueu   sentado  junto  à  porta  do  palácio  real.       14  Então  Zeres,  sua  mulher,  e  todos  os  seus   amigos  lhe  sugeriram:  “Mande  fazer  uma  forca,   de  mais  de  vinte  metros  de  altura,  e  logo  pela   manhã  peça  ao  rei  que  Mardoqueu  seja   enforcado  nela.  Assim  você  poderá  acompanhar   o  rei  ao  jantar  e  alegrar-­‐se”.  A  sugestão  agradou   Hamã,  e  ele  mandou  fazer  a  forca.      
  150. 150. Ester  7:     6  Respondeu  Ester:  “O  adversário  e  inimigo   é  Hamã,  esse  perverso”.  Diante  disso,  Hamã   ficou  apavorado  na  presença  do  rei  e  da   rainha.     10  Assim  Hamã  morreu  na  forca  que  :nha   preparado  para  Mardoqueu;  e  a  ira  do  rei   se  acalmou.  
  151. 151. Hamã  nos  dá  um  retrato  claro  de  um  líder   descontrolado:   1)  Pequenos  problemas  roubaram-­‐lhe  a  paz.   2)  Ele  precisava  de  amigos  para  edificar  a   auto-­‐imagem.   3)  Sua  ganância  o  fez  infeliz.  
  152. 152. 4)  Deu  ouvidos  às  pessoas  erradas.   5)  Se  considerou  importante  demais.   6)  Armou  a  própria  queda.   7)  Colheu  o  que  plantou.  
  153. 153. TODO  LÍDER  PRECISA   ENFRENTAR  A  CRÍTICA  
  154. 154. Numa  Igreja  ou  Organização  sempre   encontramos  5  jpos  de  pessoas,   especialmente  quando  se  está  num   processo  de  mudanças.   1)  Inovadores  –  são  aqueles  que  dão  origem   às  novas  ideias.   2)  Usuários  iniciais  –  aqueles  que   reconhecem  uma  boa  ideia.  
  155. 155. 3)  Usuários  médios  –  a  maioria.  Reagem  de   acordo  com  a  opinião  dos  outros.   4)  Usuários  tardios  –  formam  o  úl:mo  grupo   a  endossar  uma  ideia.  Costumam  cri:car   mudanças  sem  jamais  experimentá-­‐las.   5)  Retardatários  –  estão  sempre  contra  a   mudança.  O  compromisso  deles  é  com  o   status  e  com  o  passado.  
  156. 156. “Miriã  e  Arão  começaram  a   crijcar  Moisés  porque  ele   havia  se  casado  com  uma   mulher  e…ope”.     (Números  12.1)  
  157. 157. Na  experiência  de  liderança   Moisés,  revela-­‐se  3  jpos  de   pessoas  que  todo  líder  vai   encontrar  em  sua  jornada.   Estas  pessoas  também  são   conhecidas  como  os  3  “C's”  
  158. 158. 1)  Confidente  –  estão  con:go  por  causa  de  você.   2)  Componente  –  está  con:go  por  causa  do  lugar   onde  você  está  indo,  estão  de  carona.  Se  achar  um   jeito  de  chegar  mais  rápido,  ele  te  deixa.  É  o   par:cipante  não  comprome:do.   3)  Camaradas  –  interesseiros.  Só  querem  usar   você  para  lutar  a  vida  deles.  
  159. 159. No  capítulo  12  de  Números,  Deus  e  Moisés   ensinam  como  o  líder  deve  lidar  com  a   críjca:   1)  Mantenha  a  humildade  (v.  3).   2)  Enfrente  a  crí:ca  sem  rodeios  (v.  4).   3)  Seja  específico  acerca  da  questão  (v.  5-­‐8).  
  160. 160. 4)  Exponha  as  consequências  (v.  9-­‐10).   5)  Ore  por  quem  cri:ca  (v.  12-­‐13).   6)  Reintegre-­‐os  quando  apropriado  (v.  14).   John  Maxwell  também  fala  como  os   líderes  deveriam  enfrentar  a  críjca:  
  161. 161. 1)  Entenda  a  diferença  entre  crí:ca   constru:va  e  destru:va.   2)  Olhe  além  da  crí:ca  para  enxergar  o   crí:co.   3)  Vigie  sua  a:tude  em  relação  ao  crí:co.   4)  Matenha-­‐se  espiritualmente  em  forma.   Associe-­‐se  com  pessoas  de  fé.  
  162. 162. 5)  Espere  o  tempo  provar  que  o  crí:co   estava  errado.   6)  Concentre-­‐se  em  sua  missão.   7)  Corrija  seus  erros.   “Não  dê  a  um  crijco,  o  tempo  que  você   poderia  dar  a  um  amigo”  (J.  B.  Carvalho).  
  163. 163. Jó  e  José  nos  ensinam  como  tratar  as   críjcas  através  da  excelência:   IMPERFEIÇÃO   EXCELÊNCIA   1)  Vingança  e  retaliação     quando  ofendido.   1)  Amor  e  perdão   incondicionais.   2)  Joga-­‐se  o  mesmo  jogo   de  todo  mundo.   2)  Recusa  a  jogar;  vida   por  princípios.  
  164. 164. IMPERFEIÇÃO   EXCELÊNCIA   3)  Condução  por   emoções;  altos  e  baixos.   3)  Condução  por  caráter   e  valores.   4)  Rea:vidade:  não  se   vive  melhor  do  que   ninguém  mais.   4)  Próa:vidade:  vive-­‐se   acima  dos  padrões   meramente  humanos.  
  165. 165. O  DESGASTE  DA   LIDERANÇA   (Mt  17.14-­‐23)  
  166. 166. A  experiência  dos  discípulos  nos  mostra  que   uma  liderança  está  desgastada  quando:   1)  O  líder  tenta  esconder  os  fracassos.   -­‐  Os  discípulos  que  deveriam  ter  levado  o   problema  a  Jesus.   -­‐  O  líder  precisa  confessar  seus  deslizes  a   Deus,  pois  o  inimigo  sempre  quer  tornar   público  as  nossas  fraquezas.  
  167. 167. -­‐  O  primeiro  sinal  de  que  há  um  desgaste  é   quando  se  tenta  esconder  um  fracasso  na   obra  de  Deus.   -­‐  Os  líderes  não  podem  esconder  de  Cristo  as   suas  imperfeições.   “Quem  esconde  os  seus  pecados  não  prospera,   mas  quem  os  confessa  e  os  abandona  encontra   misericórdia”(Pv  28.13).  
  168. 168. 2)  O  líder  enfraquece  na  fé.   -­‐  Jesus  compara  a  fé  deles  a  um  grão  de   mostarda.  Eles  estavam  enfraquecendo  na  fé   e  não  perceberam.   -­‐  Infelizmente,  é  possível  fazer  a  obra  de   Deus  e  perder  a  fé.  
  169. 169. 3)  O  líder  jra  conclusões  pela  aparência.   -­‐  Os  discípulos  oravam  por  um  rapaz  que   acreditavam  estar  com  uma  doença  de   epilepsia,  mas  Jesus  orou  para  expulsar  um   demônio.   -­‐  Eles  acreditavam  que  era  uma   enfermidade.  
  170. 170. 4)  O  líder  se  concentra  apenas  no  método.   -­‐  Jesus  destacou  para  os  discípulos  que  há   demônios  que  só  saem  com  jejum  e  oração.   Com  isso,  tem  demônio  que  sai  sem  jejum  e   oração.   -­‐  Não  se  pode  ficar  do  mesmo  jeito.  É  preciso   mudar  a  estratégia,  sair  do  a:vismo,   consagrar  a  vida  para  poder  lidar  com         castas  diferentes.  
  171. 171. 5)  O  líder  se  abala  diante  do  contra-­‐tempo.   -­‐  Os  discípulos  ficaram  entristecidos  pelas   lutas.  Ficaram  abalados  com  a  possibilidade   de  passar  por  perdas.   -­‐  Deixaram  de  olhar  para  a  ressurreição  e   focaram  apenas  na  morte.  
  172. 172. 1)  Conceitos  gerais  da  liderança.   RECAPITULANDO...   2)  Esterió:pos  da  liderança.   3)  A  consciência  do  líder.   4)  A  crise  na  liderança.   5)  Propostas  de  Paulo  para  a  integridade  na   liderança.   6)  A  excelência  da  liderança  de  Jesus.            (30  caracterís:cas  de  Jesus  como  líder)  
  173. 173. 7)  Qualidades  do  líder  aprovado  (2Rs  4.8-­‐17).   8)  Qualidades  do  líder  aprovado  (Jo  4.4-­‐27).   9)  Perdas  irreparáveis  na  vida  do  líder.   10)  Qualidades  do  líder  aprovado  (Sl  15.1-­‐5).   11)  Sinais  de  alerta  de  um  líder  descontrolado.   12)  Todo  líder  precisa  enfrentar  a  crí:ca.   13)  O  desgaste  da  liderança.  
  174. 174. Qualidades  de  um   líder  aprovado   (Lições  da  liderança  de  Neemias)  
  175. 175. “O  muro  ficou  pronto  no     vigésimo  quinto  dia  de   elul,  em  cinquenta  e  dois   dias“ (Neemias  6.15)  
  176. 176. “Uma  Igreja  não  cresce   por  fora  enquanto  seus   líderes  não  crescerem   por  dentro”.  
  177. 177. 1)  SENTIR  COMPAIXÃO  PELAS  PESSOAS.   “Quando  ouvi  essas  coisas,  sentei-­‐me  e  chorei.   Passei  dias  lamentando-­‐me,  jejuando  e  orando  ao   Deus  dos  céus”  (Ne  1.4).   “Que  o  rei  viva  para  sempre!  Como  não  estaria   triste  o  meu  rosto,  se  a  cidade  em  que  estão   sepultados  os  meus  pais  está  em  ruínas,  e  as  suas   portas  foram  destruídas  pelo  fogo?”  (Ne  2.3).  
  178. 178. 1)  As  pessoas  precisam  da  PALAVRA  DE  CRISTO.   2)  As  pessoas  precisam  de  ORAÇÃO.   3)  As  pessoas  precisam  de  PESSOAS.   4)  As  pessoas  precisam  do  PODER  DE  DEUS.  
  179. 179. “O  pior  pecado  que  podemos   cometer  contra  outros  seres   humanos  não  é  odiá-­‐los,  mas  sim       ser  indiferentes  a  eles:  essa  é  a   essência  da  desumanidade”.     (George  Bernard  Shaw)  
  180. 180. 2)  SUPERAR  A  ACOMODAÇÃO.   “Senhor,  que  os  teus  ouvidos  estejam   atentos  à  oração  deste  teu  servo  e  à  oração   dos  teus  servos  que  têm  prazer  em  temer  o   teu  nome.  Faze  com  que  hoje  este  teu  servo   seja  bem-­‐sucedido,  concedendo-­‐lhe  a   benevolência  deste  ho-­‐mem.  Nessa  época,   eu  era  o  copeiro  do  rei”  (Ne  1.11).  
  181. 181. RELAXAMENTO  –  A  acomodação  gera  o   relaxamento  e  em  Jeremias  48.10  existe  um   lamento  do  Senhor,  uma  maldição.  De  maneira   muito  triste,  o  Senhor  diz  assim:  “Maldito  aquele   que  fizer  a  obra  do  senhor  relaxadamente.”   NEGLIGÊNCIA  –  Em  Neemias  13.11  está  escrito:   “...Por  que  essa  negligência  com  o  Templo  de   Deus?”.  As  pessoas  estavam  omissas  e  :nham   abandonados  os  seus  postos.  Os  cantores  não   cantavam  mais.    
  182. 182. 3)  MANTER  A  VIDA  DE  ORAÇÃO.   “Senhor,  que  os  teus  ouvidos  estejam   atentos  à  oração  deste  teu  servo  e  à  oração   dos  teus  servos  que  têm  prazer  em  temer  o   teu  nome.  Faze  com  que  hoje  este  teu  servo   seja  bem-­‐sucedido,  concedendo-­‐lhe  a   benevolência  deste  ho-­‐mem.  Nessa  época,   eu  era  o  copeiro  do  rei”  (Ne  1.11).  
  183. 183. “Palavras  de  Neemias,  filho  de  Hacalias:  No  mês  de  quisleu,  no   vigésimo  ano,  enquanto  eu  estava  na  cidade  de  Susã   […]Quando  ouvi  essas  coisas,  sentei-­‐me  e  chorei.  Passei  dias   lamentando-­‐me,  jejuando  e  orando  ao  Deus  dos  céus.  Então   eu  disse:  Senhor,  Deus  dos  céus,  Deus  grande  e  temível,  fiel  à   aliança  e  misericordioso  com  os  que  te  amam  e  obedecem  aos   teus  mandamentos,  que  os  teus  ouvidos  estejam  atentos  e  os   teus  olhos  estejam  abertos  para  a  oração  que  o  teu  servo  está   fazendo  diante  de  :,  dia  e  noite,  em  favor  de  teus  servos,  o   povo  de  Israel.  Confesso  os  pecados  que  nós,  os  israelitas,   temos  come:do  contra  :.  Sim,  eu  e  o  meu  povo  temos   pecado”  (Ne  1.1,  4-­‐6).    
  184. 184. “No  mês  de  nisã  do  vigésimo  ano  do  rei  Artaxerxes,  na   hora  de  servir-­‐lhe  o  vinho,  levei-­‐o  ao  rei.  Nunca  antes  eu   :nha  estado  triste  na  presença  dele”  (Ne  1.4-­‐6).     Neemias  orou  com  perseverança  durante  4  meses:   -­‐  Recebeu  a  no‡cia  no  mês  de  Quisleu   (Novembro/Dezembro).   -­‐  Falou  com  o  rei  no  mês  de  Nisã  (Março/Abril).  
  185. 185. “Então  Jesus  contou  aos  seus  discípulos  uma   parábola,  para  mostrar-­‐lhes  que  eles  deviam  orar   sempre    e  nunca  desanimar”  (Lc  18.1).   “A  oração  é  um  escudo  para  o  crente,  um   sacri„cio  para  Deus  e  um  casjgo  para  satanás”.   (John  Bunyan).   “Se  você  está  tão  ocupado  que  não  tem  tempo   para  orar,  então  você  está  mais  ocupado  do  que   Deus  esperava  que  esjvesse”  (D.  L.  Moody).  
  186. 186. 4)  MANTER  A  CONTRIBUIÇÃO.   “Alguns  dos  chefes  das  famílias  contribuíram  para  o   trabalho.  O  governador  deu  à  tesouraria  oito   quilos  de  ouro,  50  bacias  e  530  vestes  para  os   sacerdotes.  Alguns  dos  chefes  das  famílias  deram  à   tesouraria  cento  e  sessenta  quilos  de  ouro  e  mil  e   trezentos  e  vinte  quilos  de  prata,  para  a  realização  do   trabalho.  O  total  dado  pelo  restante  do  povo  foi  de   cento  e  sessenta  quilos  de  ouro,  mil  e  duzentos  quilos   de  prata  e  67  vestes  para  os  sacerdotes”.     (Ne  7.70-­‐72)  
  187. 187. -­‐  Primeiro  contribuíram  os  LÍDERES.   -­‐  Segundo  contribuíram  os  CABEÇAS  DAS   FAMÍLIAS.   -­‐  Em  terceiro  lugar,  TODOS  OS  DEMAIS   contribuíram.  
  188. 188. Mar:nho  Lutero  disse  que  o  “úljmo  lugar   do  homem  a  se  render  diante  de  Deus  é  o   bolso”.   “Dar  quebra  maldições”  (Richard  Foster).   “O  simples  ato  de  dar  dinheiro,  ou  algum   outro  tesouro,  opera  algo  dentro  de  nós.   Destrói  o  demônio  ‘ganância’.”  (Richard   Foster).  
  189. 189. 5)  ENVOLVER  AS  PESSOAS.   “Depois  que  o  muro  foi  reconstruído   e  que  eu  coloquei  as  portas  no  lugar,   foram  nomeados  os  porteiros,  os   cantores  e  os  levitas” (Ne  7.1).  
  190. 190. “O  cristão  que  não  serve,  não  serve  e  é  uma   contradição”  (Rick  Warren).   Neemias  alistou  três  qualidades  que  o   levaram  a  escolher  as  pessoas  para  compor   sua  equipe  e  liderar  junto  dele.  
  191. 191. 1)  INTEGRIDADE.   “Para  governar  Jerusalém  encarreguei  o  meu   irmão  Hanani  e,  com  ele,  Hananias,   comandante  da  fortaleza,  pois  Hananias  era   íntegro  e  temia  a  Deus  mais  do  que  a   maioria  dos  homens”  (Neemias  7.2).  
  192. 192. O  denominador  comum  da  liderança  é  a   integridade.  Precisamos  de  pessoas  íntegras   ocupando  funções  na  Igreja.  Se  as  pessoas   não  podem  confiar  em  você,  quem  vai  segui-­‐ lo?  A  liderança  se  edifica  sobre  a  confiança.   John  Maxwell  disse:  “O  que  acredita  ser   líder,  mas  ninguém  o  segue,  está  só  se   distraindo”.  
  193. 193. 2)  PIEDADE.   “...era  íntegro  e  temia  a  Deus  mais  do  que  a   maioria  dos  homens”  (Neemias  7.2).   Neemias  buscou  pessoas  que  levassem  a   sério  sua  relação  com  Deus.  Quando  Deus   procura  líderes,  ele  quer  saber  que  :po  de   pessoas  eles  são.  A  piedade  é  uma  qualidade   chave  para  os  líderes  que  Deus  usa.    
  194. 194. 3)  FIDELIDADE.   Tanto  Hanani  como  Hananias  :nham  toda  uma  história   de  relação  com  Neemias.  Ele  os  conhecia  e  já  havia   trabalhado  com  eles.  A  fidelidade  destes  homens   demonstrava  que  eles  eram  dignos  de  confiança.   As  ascensões  têm  como  base  a  fidelidade.  Em  2Timóteo   2.2  Paulo  fala  ao  jovem  pastor  para  entregar  liderança  a   pessoas  fiéis.  Paulo  estava  dizendo  para  Timóteo  inves:r   em  pessoas  fiéis.  
  195. 195. Bill  Hybels  em  seu  livro  “Liderança  corajosa”   fala  dos  princípios  que  usa  para  envolver   pessoas  em  sua  equipe.  Ele  chama  este   processo  de  seleção  de  três  “C’s”.       1)  CARÁTER.   2)  COMPETÊNCIA.   3)  COMBINAÇÃO.  
  196. 196. 1)  CARÁTER.   -­‐  Como  é  sua  caminhada  com  Jesus  Cristo?   -­‐  É  comprome:da  com  as  questões  espirituais?   -­‐  Tem  evidências  de  hones:dade,  humildade  e   confiabilidade?   -­‐  É  fiel  às  doutrinas?  Como  é  a  família?   -­‐  Na  Igreja,  um  ocasional  lapso  de  competência   pode  ser  aceito.  Mas  um  lapso  de  caráter  causa   problemas  com  consequências  extensas.  
  197. 197. 2)  COMPETÊNCIA.   -­‐  É  preciso  procurar  pelo  mais  alto  nível  de   competência  que  puder  achar.  É  preciso  querer  o   melhor.   -­‐  É  fundamental  procurar  alguém  cujos  dons   espirituais  foram  desenvolvidos  e  refinados.   -­‐  Ressalta-­‐se  a  importância  de  que  esta  pessoa   seja  melhor  que  o  líder  em  alguma  área  que  existe   carência.  
  198. 198. 3)  COMBINAÇÃO.   -­‐  É  a  pessoa  que  tem  afinidade  e  desenvolve  um   relacionamento  apropriado  com  os  demais  líderes.   -­‐  Se  você  vai  conviver  com  uma  pessoa   diariamente,  precisa  ter  a  certeza  de  que  ela  não   trará  tumulto  ou  desconforto  no  ambiente.    “Reunir-­‐se  é  um  bom  começo,  manter-­‐se  juntos   é  progredir,  pensar  juntos  é  ter  unidade,  e   trabalhar  juntos  é  triunfar”  (Henry  Ford).  
  199. 199. 6)  ENFRENTAR  OPOSIÇÃO.   “Quando  Sambalate,  Tobias,  Gesém,  o  árabe,  e  o  restante  dos   nossos  inimigos  souberam  que  eu  havia  reconstruído  o  muro  e  que   não  havia  ficado  nenhuma  brecha,  embora  até  então  eu  ainda  não   :vesse  colocado  as  portas  nos  seus  lugares,  Sambalate  e  Gesém   mandaram-­‐me  a  seguinte  mensagem:  Venha,  vamos  nos  encontrar   num  dos  povoados  a  da  planície  de  Ono.  Eles,  contudo,  estavam   tramando  fazer-­‐me  mal;  por  isso  enviei-­‐lhes  mensageiros  com  esta   resposta:  Estou  executando  um  grande  projeto  e  não  posso  descer.   Por  que  parar  a  obra  para  ir  encontrar-­‐me  com  vocês”.  Eles  me   mandaram  quatro  vezes  a  mesma  mensagem,  e  todas  as  vezes       lhes  dei  a  mesma  resposta”  (Neemias  6.1-­‐4).  
  200. 200. 1)  Conjnuar  TRABALHANDO,  apesar  das   distrações  (6.1-­‐4).   -­‐  Aqueles  três  homens  estavam  tentando  desviar   Neemias.  Eles  queriam  distrair  Neemias  com  uma   discussão  sem  fundamento.  O  tempo  das   discussões  já  passou.  Agora  é  hora  de  trabalhar  e   reconstruir  para  Deus.  
  201. 201. 2)  Conjnuar  TRABALHANDO,  apesar  das   difamações  (6.5-­‐9).   -­‐  Como  aqueles  homens  não  conseguiram  distrair   Neemias,  eles  começaram  a  caluniá-­‐lo.  Eles   tentaram  desacreditá-­‐lo,  desafiaram  sua   mo:vação  e  queriam  prejudicar  sua  credibilidade   junto  ao  povo.  Se  você  tem  metas  grandes,  vão   cri:cá-­‐lo.  Os  fracassados  odeiam  o  sucesso.  Jesus   foi  o  homem  mais  falsamente  acusado  da  história.    
  202. 202. 3)  Conjnuar  TRABALHANDO,  apesar  do   perigo  (6.10-­‐14).   -­‐  Agora  os  inimigos  trataram  de  assustar  Neemias.   Queriam  que  ele  pensasse  que  sua  vida  estava  em   perigo.  Neemias  não  permi:u  que  o  medo  o   fizesse  quebrar  as  leis  de  Deus.  Neemias  ficou   firme  e  declarou  que  não  fugiria  nem  se   esconderia.  Ele  se  recusou  abandonar  tudo  e  a   obra  foi  concluída  num  tempo  assombroso.  
  203. 203. 7)  PLANEJAMENTO.   “O  rei  me  disse:  “O  que  você  gostaria  de  pedir?”  Então   orei  ao  Deus  dos  céus,  e  respondi  ao  rei:  Se  for  do  agrado   do  rei  e  se  o  seu  servo  puder  contar  com  a  sua   benevolência,  que  ele  me  deixe  ir  à  cidade  onde  meus   pais  estão  enterrados,  em  Judá,  para  que  eu  possa   reconstruí-­‐la.  Então  o  rei,  estando  presente  a  rainha,   sentada  ao  seu  lado,  perguntou-­‐me:  “Quanto  tempo   levará  a  viagem?  Quando  você  voltará?”  Marquei  um   prazo  com  o  rei,  e  ele  concordou  que  eu  fosse”.     (Ne  2.4-­‐6)    
  204. 204. “Os  planos  bem  elaborados  levam  à   fartura”  (Pv  21.5).   1)  MAIS  LONGE  DO  QUE  OS  OUTROS  –  Neemias   foi  capaz  de  iden:ficar  o  problema  e  imaginar  a   solução.   2)  MAIS  COISAS  DO  QUE  OS  OUTROS  –  Neemias   sabia  que  o  muro  podia  e  devia  ser  reconstruído,     e  o  quanto  custaria  para  isso.   O  Líder  precisa  enxergar...  
  205. 205. 3)  PRIMEIRO  DO  QUE  OS  OUTROS  –  Neemias   percebeu  a  conspiração  contra  o  seu  projeto  de   reconstrução  e  recusou-­‐se  a  ceder  aos   adversários.   -­‐  Jesus  também  ensinou  sobre  a  importância  do   planejamento  na  liderança  e  numa  obra  (Lucas   14.26-­‐32).    
  206. 206. Dizem  os  especialistas  que  existem  três  degraus   do  planejamento:   1)  Planejamento  geral  –  É  estratégico  e  de  longo   prazo.     2)  Planejamento  por  fases  menores  –  Quinquenal,   anual,  semestral,  trimestral  e  mensal.   3)  Planejamento  semanal  e  diário  –  Chamado   também  como  administração  do  tempo.  

×