Alfabetização ou letramento

528 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
528
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
95
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alfabetização ou letramento

  1. 1. Como você foi alfabetizado?
  2. 2. O neuropediatra Harry Chugani, professorda Universidade de Wayne nos EUA, revela “as primeiras experiências da vida são tão importantes que podem mudarpor completo a maneira como as pessoas se desenvolvem”.
  3. 3. Ao falarmos de alfabetização, muitas reflexões são necessárias. A forma como pensamos na leitura e escrita fará muita diferença no desenvolvimento da criança.
  4. 4. Segundo Magda Soares, para que a criança assuma uma postura de leitor- escritor é necessário saber codificar e decodificar o sistema alfabético de uma língua, bem como reconhecê-lo, interpretá-lo e aplicá-lo nos mais variados contextos e práticas sociais.
  5. 5. Portanto, letramento e alfabetização são processos concomitantes e necessários a todos quantos estiverem em processo de desenvolvimento da leitura e escrita.
  6. 6. EDUCAÇÃO INTEGRAL
  7. 7. Alfabetização no contexto integral
  8. 8. A criança já começa a ser alfabetizada no lar, ao ter contato com livros, histórias, etc. Assim, ela passa a perceber a linguagem escrita.
  9. 9. CONVIDO VOCÊ A ENTRAR NO MUNDO DA CRIANÇA...
  10. 10. 青蛙不洗他的腳, 不是因為它不會洗。 他住在那池塘。 不要洗洗腳,因為他們不想要的。 但是,臭腳!
  11. 11. The frog does not wash his foot, Not because it will not wash. He lives there in the pond. Do not wash your feet because they do not want. But that stinky feet!
  12. 12. A criança passa por um processo semelhante ao que você sentiu agora. Veja a tradução:
  13. 13. O sapo não lava o pé, Não lava porque não quer. Ele mora lá na lagoa. Não lava o pé porque não quer. Mas, que chulé!
  14. 14. MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO.
  15. 15. Existem vários métodos, porém duas correntes principais : aquela que trabalha a escrita de forma global, proporcionando o trabalho a partir da relação imagem gráfica – imagem fônica e sentidos. Por exemplo: o trabalho com o texto da música que acabamos de apresentar.
  16. 16. E por outro lado, o método mais tradicional, o sintético, que consiste em sintetizar sequências a partir do conhecimento das letras e sílabas (ba,be,bi,bo,bu)
  17. 17. As cartilhas trabalham com uma concepção de língua escrita como transcrição da fala: elas supõem a escrita como espelho da língua que se fala. Seus “textos” são construídos com a função de tornar clara (segundo elas) essa relação de transcrição.
  18. 18. Texto extraído da cartilha coração infantil: cartilha de alfabetização rápida O boi bebe. O boi baba. O boi bebe e baba O boi bebeu e babou
  19. 19. DINÂMICA: MONTANDO UM QUEBRA-CABEÇA
  20. 20. Não se chega a compor um todo, a menos que se tenha o conjunto. Embora se possa dizer que é um pouco mais difícil e demorado montar o quebra-cabeça inteiro do que parte dele, é mais significativo montá-lo todo, e é possível que isso aconteça, principalmente quando uns podem contar com a ajuda dos outros.
  21. 21. O EDUCADOR DEVE INICIAR O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO AS FASES PELAS QUAIS A CRIANÇA PASSA AO ELABORAR AS PRÓPRIAS HIPÓTESES SOBRE A ESCRITA.
  22. 22. DURANTE TODA A VIDA PASSAMOS POR VÁRIAS ETAPAS...
  23. 23. HIPÓTESES DE ESCRITA, CONFORME EMILIA FERREIRO
  24. 24. PRÉ-SILÁBICO
  25. 25. De início, a criança não faz uma diferenciação clara entre o sistema de representação do desenho (pictográfico) e o da escrita (alfabético)
  26. 26. Relaciona o tamanho da palavra com o tamanho do objeto: BOI FORMIGA
  27. 27. •Sabe que a escrita é uma forma de representação. •Não compreende que a escrita é a representação da fala •Organiza as letras em quantidade (mínimo e máximo de letras para ler)
  28. 28. SILÁBICO
  29. 29. O que caracteriza a hipótese silábica é a crença de que cada letra representa uma sílaba – a menor unidade de emissão sonora. Veja, a seguir, amostras de escrita silábica.
  30. 30. SEM VALOR SONORO
  31. 31. COM VALOR SONORO FORMIGA - OIA FORMIGA - FMG FORMIGA - OMA
  32. 32. SILÁBICA - ALFABÉTICA
  33. 33. •Apresenta a escrita algumas vezes com sílabas completas e outras incompletas •Alterna escrita silábica com alfabética.
  34. 34. ALFABÉTICA
  35. 35. •Faz a correspondência entre fonemas (som) e grafemas (letras) •Escreve como fala.
  36. 36. Na verdade, só se pode considerar realmente que uma criança lê quando existe a compreensão. Quando a criança decodifica e não compreende, não se pode afirmar que ela esteja lendo.
  37. 37. Áreas cerebrais e maturação na aprendizagem
  38. 38. Segundo Romanelli (2003), a noção de maturação nervosa é uma das mais fundamentais para se explicar o processo de aprendizagem. Os psicólogos acreditam que os comportamentos não podem ser externados até que seu mecanismo neural tenha se desenvolvido.
  39. 39. Quando o corpo celular envia uma mensagem, cabe ao axônio conduzi-la até o dendrito do próximo neurônio para fazer a sinapse. Para que o axônio consiga transmitir a mensagem ele precisa estar maduro. Torna-se maduro quando é envolvida por uma camada de gordura e proteína denominada mielina.
  40. 40. O processo de mielinização acontece no tempo, de modo que diferentes neurônios se mielinizam em épocas distintas do desenvolvimento do organismo. Esse fato fornece embasamento para a compreensão das teorias que descrevem as fases evolutivas da criança, como os estágios de Jean Piaget – apresentados anteriormente.
  41. 41. A Neurofisiologia afirma que o desenvolvimento e a evolução das funções específicas (linguagem oral, percepção auditiva e visual, esquema corporal, orientação espacial e temporal, lateralidade, análise-síntese, coordenação motora e a memória sinestésica )...
  42. 42. ...são extremamente necessárias à preparação para a alfabetização, por serem elas as menos conhecidas e as quais mais frequentemente se relacionam posteriormente com sérios problemas, como dislexia, disgrafias e disortografias.
  43. 43. Para iniciar a aprendizagem da leitura e da escrita, a criança precisa ter alcançado um certo nível de desenvolvimento global, ou seja, físico, intelectual, afetivo, social e das funções específicas.
  44. 44. “Ensinar crianças com menos de 5 anos a ler e escrever, sem que elas manifestem algum interesse particular pelas letras, pode até atrapalhar, pois os circuitos que regem a percepção de lateralidade e direcionalidade ainda não estão prontos”. Arquivo - Revista Veja - 1996
  45. 45. “Mais tarde, a criança pode sofrer do distúrbio da escrita”, afirma o psiquiatra Francisco Assumpção Júnior, do Hospital das Clínicas de São Paulo.
  46. 46. UM POUQUINHO DE LEI...
  47. 47. LDB 9394/96 A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade.
  48. 48. Art. 30. A educação infantil será oferecida em: I - creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até três anos de idade; II - pré-escolas, para as crianças de quatro a seis anos de idade.
  49. 49. Art. 31. Na educação infantil a avaliação far-se-á mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental.
  50. 50. 1º ano Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão, mediante:
  51. 51. I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II, III, IV...
  52. 52. POR FIM... QUANDO ESTIMULAMOS A CRIANÇA, MAS RESPEITAMOS SUAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO, TEREMOS UMA CRIANÇA MAIS FELIZ , COM VONTADE DE APRENDER E LETRADA.

×