TM conforme fhb 3ed

4.886 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.886
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TM conforme fhb 3ed

  1. 1. MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DA TINTURA-MÃECONFORME Farmacopeia Homeopática Brasileira, 3ª ediçãoProf. Dr. Rinaldo Ferreira
  2. 2. MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DATINTURA-MÃEAbreviatura: Tint. mãeSímbolos: TM, Droga: vegetal ou animal
  3. 3. PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE DE ORIGEM VEGETALDroga: vegetal fresco ou dessecado.Parte empregada: vegetal inteiro, parte ousecreção.Líquido extrator: etanol em diferentes graduaçõessegundo monografia da droga. Caso não haja especificaçãoem monografias, o teor alcoólico no início da extraçãodeverá ser de 60% (v/v) e ao final da extração deverá ser de55% (v/v) a 65% (v/v).Método de extração: maceração ou percolação.
  4. 4. PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECASPodem ser preparadas por maceração ou percolação.
  5. 5. PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS POR MACERAÇÃOPROCEDIMENTOConsiste em deixar o vegetal dessecado, devidamente dividido, por pelomenos 15 dias, em contato com o volume total do líquido extratorapropriado descrito na respectiva monografia, em ambiente protegido daação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. A seguir, filtrar eguardar o filtrado.Prensar o resíduo, filtrar e juntar o líquido resultante dessa operaçãoàquele anteriormente filtrado. Deixar em repouso por 48 horas, filtrare armazenar adequadamente. Para tinturas-mãe cujas monografias determinem oteor de marcador especificado, um ajuste de concentração dessemarcador pode ser realizado por adição de etanol de mesmo teor que aqueleutilizado para a preparação da tintura-mãe.EMBALAGEM E ARMAZENAMENTORecipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor e da luz direta.PRAZO DE VALIDADEA ser determinado pelo fabricante, segundo a legislação em vigor.
  6. 6. PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS PORPERCOLAÇÃOPROCEDIMENTOConsiste em colocar a droga vegetal dessecada, finamente dividida e tamisada(tamis 40 ou 60- Anexo A), em recipiente adequado. Adicionar o líquidoextrator em quantidade suficiente para umedecer o pó e deixar emcontato por4 horas. Transferir cuidadosamente para percolador de capacidade ideal,de forma a se evitar a formação de canais preferenciais para o escoamento dosolvente. Colocar volume suficiente de líquido extrator para cobrir toda adroga e para a obtenção da quantidade almejada de tintura-mãe. Deixar emcontato por24 horas. Percolar à velocidade de oito gotas por minuto paracada 100 g da droga, repondo o solvente de forma a manter a droga imersa,até se obter o volume previsto de tintura-mãe. Deixar em repouso por 48horas, filtrar e armazenar adequadamente.EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO
  7. 7. PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS FRESCASAs tinturas-mãe obtidas a partir de plantas frescas são preparadasexclusivamente por maceração. Para a preparação da tintura-mãe, énecessária a determinação do resíduo sólido do vegetal fresco,conforme descrito abaixo ou de acordo com a respectiva monografia. Comesse valor, pode-se calcular o volume total da tintura-mãe a ser obtido,assim como o volume e o teor de etanol a ser adicionado. Em seguida, pode-seiniciar o processo extrativo.
  8. 8. DETERMINAÇÃO DO RESÍDUO SÓLIDO DE VEGETAL FRESCOTomar uma amostra de peso definido de vegetal fresco, fracioná-la emfragmentos suficientemente reduzidos, deixando-a em estufa àtemperatura entre 100 °C e 105 °C, até peso constante, salvo quando houver outraespecificação na monografia. Calcular a porcentagem do resíduosólido na amostra. Calcular o peso total do resíduo sólido contido no vegetalfresco.Para se calcular o volume final de tintura-mãe a ser obtido,multiplicar o valor do resíduo sólido contido no vegetal frescopor dez (10). O volume do líquido extrator a ser adicionado seráequivalente ao volume final de tintura-mãe a ser obtido subtraídodo volume de água contido no vegetal fresco.A graduação alcoólica final do líquido extrator deve ser a especificada namonografia e resultante da mistura alcoólica acrescida do teor de água contido naplanta.
  9. 9. Caso não haja especificação em monografias, o teor alcoólico no início da extraçãodeverá ser de 60% (v/v) e ao final da extração deverá ser de 55% (v/v) a 65%(v/v), obedecendo a seguinte orientação:- Utilizar etanol a 90% (V/V) para resíduo sólido até 29% (plantas com altoteor de água). Se o resíduo sólido for inferior a 20% deve-se considerá-lo igual a20%.- Utilizar etanol a 80% (V/V) para resíduo sólido de 30% a 39% (plantascom médio teor de água).-Utilizar etanol a 70% (V/V) para resíduo sólido igual ou acima de 40%(plantas com baixo teor de água).
  10. 10. Exemplo 1.Vegetal fresco = 1000 g.Resíduo sólido = 20%.Resíduo sólido total do vegetal = 200 g.Quantidade de água contida no vegetal = 800 mL.Teor alcoólico do líquido extrator a ser utilizado = 90% (v/v).Volume de tintura-mãe a ser obtida = 2000 mL (10 vezes o resíduo sólido total).Volume de álcool 90% (v/v) a ser adicionado: 2000 mL – 800 mL = 1200 mL.Relação resíduo sólido/volume final da TM 1:10 (p/v) (10%).Exemplo 2.Vegetal fresco = 1000 g.Resíduo sólido = 32%.Resíduo sólido total do vegetal = 320 g.Quantidade de água contida no vegetal = 680 mL.Teor alcoólico do líquido extrator a ser utilizado = 80% (v/v).Volume de tintura-mãe a ser obtida = 3200 mL (10 vezes o resíduo sólido total).Volume de etanol 80% a ser adicionado: 3200 mL – 680 mL = 2520 mL.Relação resíduo sólido/volume final da TM 1:10 (p/v) (10%).
  11. 11. PROCESSO DE MACERAÇÃOConsiste em deixar o vegetal fresco, devidamente dividido, por pelo menos15 dias, em contato com o volume total do líquido extratorapropriado descrito na respectiva monografia, em ambiente protegido daação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. A seguir,filtrar e guardar o filtrado. Prensar o resíduo, filtrar e juntar olíquido resultante dessa operação àquele anteriormente filtrado. Deixar emrepouso por 48 horas, filtrar e armazenar adequadamente. Paratinturas-mãe cujas monografias determinem o teor de marcador especificado, umajuste de concentração deste marcador pode ser realizado por adição deetanol de mesmo teor que aquele utilizado para a preparação da tintura-mãe.
  12. 12. PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE DE ORIGEM ANIMALDroga: animal vivo, recém sacrificado ou dessecado.Parte empregada: animal inteiro, parte ou secreção.Líquido extrator: etanol (65% a 70% (v/v)),mistura de etanol, água e glicerina (1:1:1),mistura de água e glicerina (1:1),mistura de etanol e glicerina (1:1)ou outro qualquer especificado na respectiva monografia.Relação droga/líquido extrator: 1:20 (p/v) (5%).
  13. 13. Deixar a droga animal convenientemente fragmentada ou não, de acordo com arespectiva monografia, em contato com volume do líquido extratorequivalente ao volume final da tintura-mãe, em ambiente protegido daação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. Deixar emcontato por pelo menos 15 dias quando o líquido extrator for alcoólicoe por pelo menos20 dias quando o líquido extrator for glicerinado. Filtrar sempromover a expressão. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar earmazenar adequadamente.EMBALAGEM E ARMAZENAMENTORecipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor e da luz direta.PRAZO DE VALIDADEA ser determinado pelo fabricante, segundo a legislação em vigor

×