SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DA
        TINTURA-MÃE

CONFORME
   Farmacopeia Homeopática
      Brasileira, 3ª edição


Prof. Dr. Rinaldo Ferreira
MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DA
TINTURA-MÃE

Abreviatura: Tint. mãe

Símbolos: TM, 

Droga: vegetal ou animal
PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE DE ORIGEM
                      VEGETAL
Droga: vegetal fresco ou dessecado.

Parte empregada: vegetal inteiro, parte ou
secreção.

Líquido extrator: etanol em diferentes graduações
segundo monografia da droga. Caso não haja especificação
em monografias, o teor alcoólico no início da extração
deverá ser de 60% (v/v) e ao final da extração deverá ser de
55% (v/v) a 65% (v/v).

Método de extração: maceração ou percolação.
PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE A PARTIR DE PLANTAS
                      SECAS



Podem ser preparadas por maceração ou percolação.
PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS
                          POR MACERAÇÃO
PROCEDIMENTO
Consiste em deixar o vegetal       dessecado, devidamente dividido, por pelo
menos 15 dias, em contato com o volume total do líquido extrator
apropriado descrito na respectiva monografia, em ambiente protegido da
ação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. A seguir, filtrar e
guardar o filtrado.
Prensar o resíduo, filtrar e juntar o líquido resultante dessa operação
àquele anteriormente filtrado. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar
e armazenar adequadamente. Para tinturas-mãe cujas monografias determinem o
teor de marcador especificado, um ajuste de concentração desse
marcador pode ser realizado por adição de etanol de mesmo teor que aquele
utilizado para a preparação da tintura-mãe.
EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO
Recipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor e da luz direta.
PRAZO DE VALIDADE
A ser determinado pelo fabricante, segundo a legislação em vigor.
PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS POR
PERCOLAÇÃO
PROCEDIMENTO
Consiste em colocar a droga vegetal dessecada, finamente dividida e tamisada
(tamis 40 ou 60- Anexo A), em recipiente adequado. Adicionar o líquido
extrator em quantidade suficiente para umedecer o pó e deixar em
contato por
4 horas. Transferir cuidadosamente para percolador de capacidade ideal,
de forma a se evitar a formação de canais preferenciais para o escoamento do
solvente. Colocar volume suficiente de líquido extrator para cobrir toda a
droga e para a obtenção da quantidade almejada de tintura-mãe. Deixar em
contato por
24 horas. Percolar à velocidade de oito gotas por minuto para
cada 100 g da droga, repondo o solvente de forma a manter a droga imersa,
até se obter o volume previsto de tintura-mãe. Deixar em repouso por 48
horas, filtrar e armazenar adequadamente.
EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO
PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS FRESCAS
As tinturas-mãe obtidas a partir de plantas frescas são preparadas
exclusivamente por maceração. Para a preparação da tintura-mãe, é
necessária a determinação do resíduo sólido do vegetal fresco,
conforme descrito abaixo ou de acordo com a respectiva monografia. Com
esse valor, pode-se calcular o volume total da tintura-mãe a ser obtido,
assim como o volume e o teor de etanol a ser adicionado. Em seguida, pode-se
iniciar o processo extrativo.
DETERMINAÇÃO DO RESÍDUO             SÓLIDO DE VEGETAL FRESCO
Tomar uma amostra de peso definido de vegetal fresco, fracioná-la em
fragmentos suficientemente reduzidos, deixando-a em estufa à
temperatura entre 100 °C e 105 °C, até peso constante, salvo quando houver outra
especificação na monografia. Calcular a porcentagem do resíduo
sólido na amostra. Calcular o peso total do resíduo sólido contido no vegetal
fresco.
Para se calcular o volume final de tintura-mãe a ser obtido,
multiplicar o valor do resíduo sólido contido no vegetal fresco
por dez (10). O volume do líquido extrator a ser adicionado será
equivalente ao volume final de tintura-mãe a ser obtido subtraído
do volume de água contido no vegetal fresco.
A graduação alcoólica final do líquido extrator deve ser a especificada na
monografia e resultante da mistura alcoólica acrescida do teor de água contido na
planta.
Caso não haja especificação em monografias, o teor alcoólico no início da extração
deverá ser de 60% (v/v) e ao final da extração deverá ser de 55% (v/v) a 65%
(v/v), obedecendo a seguinte orientação:

- Utilizar etanol a 90% (V/V) para resíduo sólido até 29% (plantas com alto
teor de água). Se o resíduo sólido for inferior a 20% deve-se considerá-lo igual a
20%.
- Utilizar etanol a 80% (V/V) para resíduo sólido de 30%      a 39% (plantas
com médio teor de água).
-Utilizar etanol a 70% (V/V) para resíduo sólido igual ou acima de 40%
(plantas com baixo teor de água).
Exemplo 1.
Vegetal fresco = 1000   g.
Resíduo sólido = 20%.
Resíduo sólido total do vegetal = 200   g.
Quantidade de água contida no vegetal = 800       mL.
Teor alcoólico do líquido extrator a ser utilizado = 90% (v/v).
Volume de tintura-mãe a ser obtida = 2000 mL (10 vezes o resíduo sólido total).
Volume de álcool 90% (v/v) a ser adicionado: 2000 mL – 800 mL = 1200 mL.
Relação resíduo sólido/volume final da TM 1:10 (p/v) (10%).

Exemplo 2.
Vegetal fresco = 1000 g.
Resíduo sólido = 32%.
Resíduo sólido total do vegetal = 320 g.
Quantidade de água contida no vegetal = 680 mL.
Teor alcoólico do líquido extrator a ser utilizado = 80% (v/v).
Volume de tintura-mãe a ser obtida = 3200 mL (10 vezes o resíduo sólido total).
Volume de etanol 80% a ser adicionado: 3200 mL – 680 mL = 2520 mL.
Relação resíduo sólido/volume final da TM 1:10 (p/v) (10%).
PROCESSO DE MACERAÇÃO
Consiste em deixar o vegetal fresco, devidamente dividido, por pelo menos
15 dias, em contato com o volume total do líquido extrator
apropriado descrito na respectiva monografia, em ambiente protegido da
ação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. A seguir,
filtrar e guardar o filtrado. Prensar o resíduo, filtrar e juntar o
líquido resultante dessa operação àquele anteriormente filtrado. Deixar em
repouso por 48 horas, filtrar e armazenar adequadamente. Para
tinturas-mãe cujas monografias determinem o teor de marcador especificado, um
ajuste de concentração deste marcador pode ser realizado por adição de
etanol de mesmo teor que aquele utilizado para a preparação da tintura-mãe.
PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE DE ORIGEM ANIMAL

Droga: animal vivo, recém sacrificado ou dessecado.

Parte empregada: animal      inteiro, parte ou secreção.

Líquido extrator: etanol (65% a 70% (v/v)),
mistura de etanol,    água e glicerina (1:1:1),
mistura de água e glicerina (1:1),
mistura de etanol e glicerina (1:1)
ou outro qualquer especificado na respectiva monografia.

Relação droga/líquido extrator: 1:20 (p/v) (5%).
Deixar a droga animal convenientemente fragmentada ou não, de acordo com a
respectiva monografia, em contato com volume do líquido extrator
equivalente ao volume final da tintura-mãe, em ambiente protegido da
ação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. Deixar em
contato por pelo menos 15 dias quando o líquido extrator for alcoólico
e por pelo menos
20 dias quando o líquido extrator for glicerinado. Filtrar sem
promover a expressão. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar e
armazenar adequadamente.

EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO
Recipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor e da luz direta.

PRAZO DE VALIDADE
A ser determinado pelo fabricante, segundo a legislação em vigor
TM conforme fhb 3ed

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Vanessa Rodrigues
 
Farmacologia Homeopática
Farmacologia HomeopáticaFarmacologia Homeopática
Farmacologia Homeopática
Safia Naser
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
Farmacêutico Digital
 
Métodos+de+doseamento
Métodos+de+doseamentoMétodos+de+doseamento
Métodos+de+doseamento
Arianne Lopes
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
kaiorochars
 

Mais procurados (20)

Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
 
Apostila teorica de_farmacotecnica_i
Apostila teorica de_farmacotecnica_iApostila teorica de_farmacotecnica_i
Apostila teorica de_farmacotecnica_i
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Grupos farmacológicos.pptx
Grupos farmacológicos.pptxGrupos farmacológicos.pptx
Grupos farmacológicos.pptx
 
Dossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopáticaDossie farmacotécnica homeopática
Dossie farmacotécnica homeopática
 
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E OtologicasFARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
 
Formas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptxFormas Farmacêuticas.pptx
Formas Farmacêuticas.pptx
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Farmacologia Homeopática
Farmacologia HomeopáticaFarmacologia Homeopática
Farmacologia Homeopática
 
Aulas práticas de tecnologia farmacêutica
Aulas práticas de tecnologia farmacêuticaAulas práticas de tecnologia farmacêutica
Aulas práticas de tecnologia farmacêutica
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
Métodos+de+doseamento
Métodos+de+doseamentoMétodos+de+doseamento
Métodos+de+doseamento
 
Controle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em CosmeticosControle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em Cosmeticos
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
 
Alcaloides
AlcaloidesAlcaloides
Alcaloides
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Ucdb 20 ago b
Ucdb 20 ago bUcdb 20 ago b
Ucdb 20 ago b
 

Semelhante a TM conforme fhb 3ed

formas_farmaceuticas
formas_farmaceuticasformas_farmaceuticas
formas_farmaceuticas
Camila Muniz
 
Apresentaçã seminário
Apresentaçã seminárioApresentaçã seminário
Apresentaçã seminário
Eduarda Doneda
 

Semelhante a TM conforme fhb 3ed (15)

Forma Farmacêutica Básica explicação.ppt
Forma Farmacêutica Básica explicação.pptForma Farmacêutica Básica explicação.ppt
Forma Farmacêutica Básica explicação.ppt
 
Extracto glicólico
Extracto glicólicoExtracto glicólico
Extracto glicólico
 
Farmacotécnica do Xarope Fitoterápico à base de açúcar mascavo
Farmacotécnica do Xarope Fitoterápico à base de açúcar mascavoFarmacotécnica do Xarope Fitoterápico à base de açúcar mascavo
Farmacotécnica do Xarope Fitoterápico à base de açúcar mascavo
 
formas_farmaceuticas
formas_farmaceuticasformas_farmaceuticas
formas_farmaceuticas
 
272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia272681180 cartillha-agroecologia
272681180 cartillha-agroecologia
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Ce cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicaoCe cartilha agroecologia_3edicao
Ce cartilha agroecologia_3edicao
 
Apresentaçã seminário
Apresentaçã seminárioApresentaçã seminário
Apresentaçã seminário
 
Cap19
Cap19Cap19
Cap19
 
Cap26
Cap26Cap26
Cap26
 
Apostila Ital
Apostila ItalApostila Ital
Apostila Ital
 
Cap16
Cap16Cap16
Cap16
 
Soluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosmética
Soluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosméticaSoluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosmética
Soluções Extrativas: princípios ativos derivados. Aplicação em fitocosmética
 
Cap18
Cap18Cap18
Cap18
 
Bula do Prostatal
Bula do ProstatalBula do Prostatal
Bula do Prostatal
 

Mais de Rinaldo Ferreira

4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
Rinaldo Ferreira
 
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços FarmacêuticosJoão Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
Rinaldo Ferreira
 
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em AracajuServiços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Rinaldo Ferreira
 
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidosAnabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
Rinaldo Ferreira
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
Rinaldo Ferreira
 
Prescrição Farmacêutica
Prescrição FarmacêuticaPrescrição Farmacêutica
Prescrição Farmacêutica
Rinaldo Ferreira
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
Rinaldo Ferreira
 
Falando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farmaFalando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farma
Rinaldo Ferreira
 

Mais de Rinaldo Ferreira (20)

Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatiaServiço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
Serviço clínico farmacêutico aplicado à homeopatia
 
Semiologia rio aluno pdf
Semiologia rio aluno pdfSemiologia rio aluno pdf
Semiologia rio aluno pdf
 
Climatização e Saúde
Climatização e SaúdeClimatização e Saúde
Climatização e Saúde
 
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
4o Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Arnaldo Zubiolli - MIPs que Deveria...
 
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços FarmacêuticosJoão Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
João Pessoa - Excelência Farmacêutica - Serviços Farmacêuticos
 
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em AracajuServiços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
Serviços Farmacêuticos - Excelência Farmacêutica em Aracaju
 
Catabolismo de lipídios
Catabolismo de lipídiosCatabolismo de lipídios
Catabolismo de lipídios
 
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidosAnabolismo e catabolismo de aminoácidos
Anabolismo e catabolismo de aminoácidos
 
Anabolismo de lipídios
Anabolismo de lipídiosAnabolismo de lipídios
Anabolismo de lipídios
 
Inove 2012 novembro
Inove 2012 novembroInove 2012 novembro
Inove 2012 novembro
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
 
Prescrição Farmacêutica
Prescrição FarmacêuticaPrescrição Farmacêutica
Prescrição Farmacêutica
 
Serviço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêuticoServiço clínico farmacêutico
Serviço clínico farmacêutico
 
Enzimas 26 09 2012
Enzimas 26 09 2012Enzimas 26 09 2012
Enzimas 26 09 2012
 
Falando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farmaFalando do mercado e da farma e farma
Falando do mercado e da farma e farma
 
Inove 2012 setembro
Inove 2012 setembroInove 2012 setembro
Inove 2012 setembro
 
Mip
MipMip
Mip
 
Adocantes 12 04 09
Adocantes 12 04 09Adocantes 12 04 09
Adocantes 12 04 09
 
Proteínas 07 05 06
Proteínas 07 05 06Proteínas 07 05 06
Proteínas 07 05 06
 
Lipídios 12 11 06
Lipídios 12 11 06Lipídios 12 11 06
Lipídios 12 11 06
 

TM conforme fhb 3ed

  • 1. MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DA TINTURA-MÃE CONFORME Farmacopeia Homeopática Brasileira, 3ª edição Prof. Dr. Rinaldo Ferreira
  • 2. MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DA TINTURA-MÃE Abreviatura: Tint. mãe Símbolos: TM,  Droga: vegetal ou animal
  • 3. PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE DE ORIGEM VEGETAL Droga: vegetal fresco ou dessecado. Parte empregada: vegetal inteiro, parte ou secreção. Líquido extrator: etanol em diferentes graduações segundo monografia da droga. Caso não haja especificação em monografias, o teor alcoólico no início da extração deverá ser de 60% (v/v) e ao final da extração deverá ser de 55% (v/v) a 65% (v/v). Método de extração: maceração ou percolação.
  • 4. PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS Podem ser preparadas por maceração ou percolação.
  • 5. PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS POR MACERAÇÃO PROCEDIMENTO Consiste em deixar o vegetal dessecado, devidamente dividido, por pelo menos 15 dias, em contato com o volume total do líquido extrator apropriado descrito na respectiva monografia, em ambiente protegido da ação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. A seguir, filtrar e guardar o filtrado. Prensar o resíduo, filtrar e juntar o líquido resultante dessa operação àquele anteriormente filtrado. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar e armazenar adequadamente. Para tinturas-mãe cujas monografias determinem o teor de marcador especificado, um ajuste de concentração desse marcador pode ser realizado por adição de etanol de mesmo teor que aquele utilizado para a preparação da tintura-mãe. EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO Recipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor e da luz direta. PRAZO DE VALIDADE A ser determinado pelo fabricante, segundo a legislação em vigor.
  • 6. PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS SECAS POR PERCOLAÇÃO PROCEDIMENTO Consiste em colocar a droga vegetal dessecada, finamente dividida e tamisada (tamis 40 ou 60- Anexo A), em recipiente adequado. Adicionar o líquido extrator em quantidade suficiente para umedecer o pó e deixar em contato por 4 horas. Transferir cuidadosamente para percolador de capacidade ideal, de forma a se evitar a formação de canais preferenciais para o escoamento do solvente. Colocar volume suficiente de líquido extrator para cobrir toda a droga e para a obtenção da quantidade almejada de tintura-mãe. Deixar em contato por 24 horas. Percolar à velocidade de oito gotas por minuto para cada 100 g da droga, repondo o solvente de forma a manter a droga imersa, até se obter o volume previsto de tintura-mãe. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar e armazenar adequadamente. EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO
  • 7. PREPARAÇÃO DE TINTURAS-MÃE A PARTIR DE PLANTAS FRESCAS As tinturas-mãe obtidas a partir de plantas frescas são preparadas exclusivamente por maceração. Para a preparação da tintura-mãe, é necessária a determinação do resíduo sólido do vegetal fresco, conforme descrito abaixo ou de acordo com a respectiva monografia. Com esse valor, pode-se calcular o volume total da tintura-mãe a ser obtido, assim como o volume e o teor de etanol a ser adicionado. Em seguida, pode-se iniciar o processo extrativo.
  • 8. DETERMINAÇÃO DO RESÍDUO SÓLIDO DE VEGETAL FRESCO Tomar uma amostra de peso definido de vegetal fresco, fracioná-la em fragmentos suficientemente reduzidos, deixando-a em estufa à temperatura entre 100 °C e 105 °C, até peso constante, salvo quando houver outra especificação na monografia. Calcular a porcentagem do resíduo sólido na amostra. Calcular o peso total do resíduo sólido contido no vegetal fresco. Para se calcular o volume final de tintura-mãe a ser obtido, multiplicar o valor do resíduo sólido contido no vegetal fresco por dez (10). O volume do líquido extrator a ser adicionado será equivalente ao volume final de tintura-mãe a ser obtido subtraído do volume de água contido no vegetal fresco. A graduação alcoólica final do líquido extrator deve ser a especificada na monografia e resultante da mistura alcoólica acrescida do teor de água contido na planta.
  • 9. Caso não haja especificação em monografias, o teor alcoólico no início da extração deverá ser de 60% (v/v) e ao final da extração deverá ser de 55% (v/v) a 65% (v/v), obedecendo a seguinte orientação: - Utilizar etanol a 90% (V/V) para resíduo sólido até 29% (plantas com alto teor de água). Se o resíduo sólido for inferior a 20% deve-se considerá-lo igual a 20%. - Utilizar etanol a 80% (V/V) para resíduo sólido de 30% a 39% (plantas com médio teor de água). -Utilizar etanol a 70% (V/V) para resíduo sólido igual ou acima de 40% (plantas com baixo teor de água).
  • 10. Exemplo 1. Vegetal fresco = 1000 g. Resíduo sólido = 20%. Resíduo sólido total do vegetal = 200 g. Quantidade de água contida no vegetal = 800 mL. Teor alcoólico do líquido extrator a ser utilizado = 90% (v/v). Volume de tintura-mãe a ser obtida = 2000 mL (10 vezes o resíduo sólido total). Volume de álcool 90% (v/v) a ser adicionado: 2000 mL – 800 mL = 1200 mL. Relação resíduo sólido/volume final da TM 1:10 (p/v) (10%). Exemplo 2. Vegetal fresco = 1000 g. Resíduo sólido = 32%. Resíduo sólido total do vegetal = 320 g. Quantidade de água contida no vegetal = 680 mL. Teor alcoólico do líquido extrator a ser utilizado = 80% (v/v). Volume de tintura-mãe a ser obtida = 3200 mL (10 vezes o resíduo sólido total). Volume de etanol 80% a ser adicionado: 3200 mL – 680 mL = 2520 mL. Relação resíduo sólido/volume final da TM 1:10 (p/v) (10%).
  • 11. PROCESSO DE MACERAÇÃO Consiste em deixar o vegetal fresco, devidamente dividido, por pelo menos 15 dias, em contato com o volume total do líquido extrator apropriado descrito na respectiva monografia, em ambiente protegido da ação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. A seguir, filtrar e guardar o filtrado. Prensar o resíduo, filtrar e juntar o líquido resultante dessa operação àquele anteriormente filtrado. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar e armazenar adequadamente. Para tinturas-mãe cujas monografias determinem o teor de marcador especificado, um ajuste de concentração deste marcador pode ser realizado por adição de etanol de mesmo teor que aquele utilizado para a preparação da tintura-mãe.
  • 12. PREPARAÇÃO DE TINTURA-MÃE DE ORIGEM ANIMAL Droga: animal vivo, recém sacrificado ou dessecado. Parte empregada: animal inteiro, parte ou secreção. Líquido extrator: etanol (65% a 70% (v/v)), mistura de etanol, água e glicerina (1:1:1), mistura de água e glicerina (1:1), mistura de etanol e glicerina (1:1) ou outro qualquer especificado na respectiva monografia. Relação droga/líquido extrator: 1:20 (p/v) (5%).
  • 13. Deixar a droga animal convenientemente fragmentada ou não, de acordo com a respectiva monografia, em contato com volume do líquido extrator equivalente ao volume final da tintura-mãe, em ambiente protegido da ação direta de luz e calor, agitando o recipiente diariamente. Deixar em contato por pelo menos 15 dias quando o líquido extrator for alcoólico e por pelo menos 20 dias quando o líquido extrator for glicerinado. Filtrar sem promover a expressão. Deixar em repouso por 48 horas, filtrar e armazenar adequadamente. EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO Recipiente de vidro âmbar, bem fechado, protegido do calor e da luz direta. PRAZO DE VALIDADE A ser determinado pelo fabricante, segundo a legislação em vigor