Texto ética e moral - leitura básica

10.497 visualizações

Publicada em

Ética e moral - conceitos básicos importantes para distiguir as diferenças

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto ética e moral - leitura básica

  1. 1. A DIFERENÇA ENTRE MORAL E ÉTICASegundo o Dicionário Aurélio Buarque de Holanda, ÉTICA é "o estudo dos juízos de apreciação quese referem à conduta humana susceptível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, sejarelativamente à determinada sociedade, seja de modo absoluto”. "Ethos - ética, em grego - designa a moradahumana. A ética, como morada humana, não é algo pronto e construído de uma só vez. O ser humano estásempre tornando habitável a casa que construiu para si. Ético significa, portanto, tudo aquilo que ajuda atornar melhor o ambiente para que seja uma moradia saudável: materialmente sustentável, psicologicamenteintegrada e espiritualmente fecunda."Podemos diferenciar ética e moral de várias maneiras:1. Ética é princípio, moral são aspectos de condutas específicas;2. Ética é permanente, moral é temporal;3. Ética é universal, moral é cultural;4. Ética é regra, moral é conduta da regra;5. Ética é teoria, moral é prática.Etimologicamente falando, ética vem do grego "ethos", e tem seu correlato no latim "morale", com omesmo significado: Conduta, ou relativo aos costumes. Podemos concluir que etimologicamente ética e moralsão palavras sinônimas. Vários pensadores em diferentes épocas abordaram especificamente assuntos sobrea ÉTICA: Os pré-socráticos, Aristóteles, os Estóicos, os pensadores Cristãos (Patrísticos, escolásticos enominalistas), Kant, Espinoza, Nietzsche, Paul Tillich etc.A ética não se confunde com a moral. A moral é a regulação dos valores e comportamentosconsiderados legítimos por uma determinada sociedade, um povo, uma religião, uma certa tradição culturaletc. Há morais específicas, também, em grupos sociais mais restritos: uma instituição, um partido político...Há, portanto, muitas e diversas morais. Isto significa dizer que uma moral é um fenômeno social particular,que não tem compromisso com a universalidade, isto é, com o que é válido e de direito para todos oshomens. Exceto quando atacada: justifica-se dizendo-se universal, supostamente válida para todos. Mas,então, todas e quaisquer normas morais são legítimas? Não deveria existir alguma forma de julgamento davalidade das morais? Existe, e essa forma é o que chamamos de ética. A ética é uma reflexão crítica sobre amoralidade. Mas ela não é puramente teoria.A ética é um conjunto de princípios e disposições voltados para a ação, historicamente produzidos,cujo objetivo é balizar as ações humanas. A ética existe como uma referência para os seres humanos emsociedade, de modo tal que a sociedade possa se tornar cada vez mais humana. A ética pode e deve serincorporada pelos indivíduos, sob a forma de uma atitude diante da vida cotidiana, capaz de julgarcriticamente os apelos acríticos da moral vigente. Mas a ética, tanto quanto a moral, não é um conjunto deverdades fixas, imutáveis. A ética se move, historicamente, se amplia e se adensa. Para entendermos comoisso acontece na história da humanidade, basta lembrarmos que, um dia, a escravidão foi considerada"natural". Entre a moral e a ética há uma tensão permanente: a ação moral busca uma compreensão e umajustificação crítica universal, e a ética, por sua vez, exerce uma permanente vigilância crítica sobre a moral,para reforçá-la ou transformá-la.Moral é o conjunto das regras ou normas de conduta admitidas por uma sociedade ou por um grupo dehomens em determinada época. Assim, o homem moral é aquele que age bem ou mal na medida em queacata ou transgride as regras do grupo. A Moral, ao mesmo tempo que é o conjunto de regras que determinacomo deve ser o comportamento dos indivíduos do grupo, é também a livre e consciente aceitação dasnormas.Isso significa que o ato só é propriamente moral se passar pelo crivo da aceitação pessoal da norma.A exterioridade da moral contrapõe-se à necessidade da interioridade, da adesão mais íntima. Portanto, ohomem, ao mesmo tempo que é herdeiro, é criador de cultura, e só terá vida autenticamente moral se, dianteda moral constituída, for capaz de propor a moral constituinte; aquela que é feita dolorosamente por meio dasexperiências vividas. Mesmo quando queremos manter as antigas normas, há situações críticas enfrentadasdevido à especificidade de cada acontecimento. Por isso a cisão também pode ocorrer a partir do enredo decada drama pessoal: a singularidade do ato moral nos coloca em situações originais em que só o indivíduolivre e responsável é capaz de decidir.
  2. 2. Ética ou filosofia moral, é a disciplina filosófica que se ocupa com a reflexão a respeito das noções eprincípios que fundamentam a vida moral. Essa reflexão pode seguir as mais diversas direções, dependendoda concepção de homem que se toma como ponto de partida.Assim, à pergunta “o que é o bem e o mal”, respondemos diferentemente, caso o fundamento da moral estejana ordem cósmica, na vontade de Deus ou em nenhuma ordem exterior à própria consciência humana.A moral tem um carácter prático imediato, visto que faz parte integrante da vida cotidiana dassociedades e dos indivíduos, não só por ser um conjunto de regras e normas que regem a nossa existência,dizendo-nos o que devemos ou não fazer, mas também porque está presente no nosso discurso e influenciaos nossos juízos e opiniões. A noção do imediato vem do facto de a usarmos continuamente. A ética, pelocontrário, é uma reflexão filosófica, logo puramente racional, sobre a moral. Assim, procura justificá-la efundamentá-la, encontrando as regras que, efetivamente, são importantes e podem ser entendidas como umaboa conduta a nível mundial e aplicável a todos os sujeitos, o que faz com que a ética seja de carácteruniversalista, por oposto ao carácter restrito da moral, visto que esta pertence a indivíduos, comunidades e/ousociedades, variando de pessoa para pessoa, de comunidade para comunidade, de sociedade parasociedade.O objeto de estudo da ética é, portanto, o que guia a ação: os motivos, as causas, os princípios, asmáximas, as circunstâncias; mas também analisa as consequências dessas ações. A moral também seapresenta como histórica, porque evolui ao longo do tempo e difere no espaço, assim como as própriassociedades e os costumes. No entanto, uma norma moral não pode ser considerada uma lei, apesar dasemelhança, porque não está escrita, mas sim como base das leis, pois a grande maioria das leis é feitatendo em conta normas morais. Outra importante característica da moral (e esta sim a difere da lei) é o factodesta ser relativa, porque algo só é considerado moral ou imoral segundo um determinado código moral,sendo este diferente de indivíduo para indivíduo. Finalmente, a ética tem como objetivo fundamental levar amodificações na moral, com aplicação universal, guiando, orientando, racionalmente e do melhor modo a vidahumana.Cada vez é mais necessária uma ética aplicada, uma ética que coexista com o cotidiano daspessoas. Esta ética deve ser específica, dividida em ramos, para melhorar analisar cada situação, sendo umbom exemplo disso os códigos éticos para as diferentes profissões. Isto acontece porque as pessoas têm queentender que as suas ações têm consequências não só para si, mas também para os outros, e que estas nãopodem ser encaradas só de um ponto de vista. (dar um exemplo: clonagem, personalismo, bioética, ética dainformação, ética do jornalismo, etc.).Por outro lado, é possível questionar: Os valores são essências? Têm conteúdo determinado,universal, válido em todos os tempos e lugares? Ou, ao contrário, são relativos?Ou, ainda, haveria possibilidade de superação das duas posições contraditórias do universalismo edo relativismo? As respostas a essas e outras questões nos darão as diversas concepções de vidamoral elaboradas pelos filósofos através dos tempos.Para entender melhorMORAL: conjunto dos costumes e juízos morais de um indivíduo ou de uma sociedade que possui caráternormativo (regras do comportamento das pessoas no grupo). Conjunto de regras que visa orientar a açãohumana, submetendo-a ao dever, tendo em vista o bem e o mal. Conjunto de normas livre e conscientementeaceitas que visam organizar as relações dos indivíduos na sociedade.ÉTICA: parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e dos princípios quefundamentam a vida moral. A ética é uma disciplina teórica sobre a prática humana, que é o costume ou ocomportamento humano. No entanto, as reflexões éticas não se restringem apenas à busca de conhecimentoteórico sobre valores humanos, cuja origem e desenvolvimento levantam questões de caráter sociológico,antropológico, biológico, religioso etc. A ética é uma filosofia prática, ou seja, uma reflexão sobre a práxis(ação prática) em todos os setores da vida humana.VALOR: algo possui valor quando não permite que permaneçamos indiferentes (a não indiferença é aessência do valor). Frequentemente emitimos juízos de valor quando os fatos (juízos de fatos – a existência
  3. 3. efetiva – que dizem como são as coisas, como são e por que são) nos provoca um sentimento de atração oude repulsa (juízos de valor – avaliações sobre coisas, pessoas, situações que são proferidos na moral, nasartes, na política, na religião etc.). Juízos de valor avaliam coisas, pessoas, ações, experiências,acontecimentos, sentimentos, estados de espírito, intenções e decisões como bons ou maus, desejáveis ouindesejáveis. Os juízos éticos de valor são normativos, isto é, enunciam normas que determinam o dever serde nossos sentimentos, nossos atos, nossos comportamentos. São juízos que enunciam obrigações, dever, eavaliam intenções e ações segundo o critério do correto e do incorreto. Os juízos éticos de valor nos dizemo que são o bem, o mal, a felicidade. Os juízos éticos normativos nos dizem que sentimentos, intenções,atos e comportamentos devemos ter ou fazer para alcançarmos o bem e a felicidade. Enunciam também queatos, sentimentos, intenções e comportamentos são condenáveis ou incorretos do ponto de vista moral.SENSO OU CONSCIÊNCIA MORAL: referem-se a valores éticos (justiça, honradez, espírito de sacrifício,integridade, generosidade) as decisões que conduzem a ações com consequências para nós e para osoutros. Os sentimentos e as ações, nascidos de uma opção entre o bem e o mal se referem a algo maisprofundo e subentendido: nosso desejo de afastar a dor e o sofrimento e de alcançar a felicidade, seja porficarmos contentes conosco mesmo, seja para recebermos a aprovação dos outros.ATO MORAL E ATO IMORAL: o ato moral é constituído de dois aspectos: o normativo e o fatual. Onormativo são as normas ou regras de ação e os imperativos que enunciam o dever ser. O fatual são os atoshumanos enquanto se realizam efetivamente. Pertencem ao âmbito normativo regras como: “Cumpra a suaobrigação de estudar”; “Não minta”; “Não roube”; “Não mate”. O campo do fatual é a efetivação ou não danorma na experiência vivida. Os dois polos são distintos, mas inseparáveis. A norma só tem sentido seorientada para a prática, e o fatual só adquire contorno moral quando se refere à norma. O ato efetivo serámoral ou imoral, conforme esteja de acordo ou não com a norma estabelecida. Por exemplo, diante da norma“Não minta”, o ato de mentir será considerado imoral.O ato só pode ser moral ou imoral se o indivíduo introjetou a norma e a tornou sua, livre e conscientemente.ATO AMORAL: considera-se amoral o ato realizado à margem de qualquer consideração a respeito dasnormas. Trata-se da redução ao fatual, negando o normativo. O homem “sem princípios” quer pautar suaconduta a partir de situações do presente e ao sabor das decisões momentâneas, sem nenhuma referência avalores. É a negação da moral.Texto elaborado a partir de coletâneas de artigos e sites da internet e vídeos do youtubeREFERÊNCIAShttp://colegiocastanheira.com.br/portal/download/espaco-filosofico/filosofia-em-pronto.pdfhttp://babeto.blogs.unipar.br/files/2009/02/o-que-e-moral-e-o-que-e-etica.pdfhttp://www.slideshare.net/kjcarioca/diferena-entre-moral-e-ticahttp://www.youtube.com/watch?v=VdRd1t9E00w -http://www.youtube.com/watch?v=VdRd1t9E00whttp://www.youtube.com/watch?v=QgFI80a3-a4http://www.youtube.com/watch?v=Bb6LsUJTrC0http://www.youtube.com/watch?v=osh3v-P9pvQhttp://www.youtube.com/watch?v=T58YJ_9u6DI

×