UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS
ANÁLISE DE ALIMENTOS
RELA...
ALUNOS:
IZA MORAES MOURA
KEVYN MELO LOTAS
THAISE ELLEN SANTOS DOS ANJOS
RENATA SILVA
PROFESSORA:
Drª. MARISTELA MARTINS
DE...
RESUMO
Foram pesados dois cadinhos de porcelana vazios e, em cada um, 5g de
amostra (farinha de trigo comercial). A prátic...
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO
Foram determinadas as seguintes massas de amostra seca:
4,4972g para a amostra 1
4,4703g para a ...
farinha de trigo analisada obteve um resultado considerável dentro dos
parâmetros permitidos pela legislação em vigor.
5. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Umidade em alimentos

604 visualizações

Publicada em

Relatorio de Bromatologia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Umidade em alimentos

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS ANÁLISE DE ALIMENTOS RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA MANAUS 2014
  2. 2. ALUNOS: IZA MORAES MOURA KEVYN MELO LOTAS THAISE ELLEN SANTOS DOS ANJOS RENATA SILVA PROFESSORA: Drª. MARISTELA MARTINS DETERMINAÇÃO DOS TEORES DE SÓLIDOS TOTAIS E UMIDADE EM ALIMENTOS MANAUS 2014
  3. 3. RESUMO Foram pesados dois cadinhos de porcelana vazios e, em cada um, 5g de amostra (farinha de trigo comercial). A prática foi realizada em duplicata e a massa das amostras foram anotadas, levadas à uma estufa a 105ºC onde permaneceram até adquirirem peso constante. 1. INTRODUÇÃO A umidade, ou teor de água, de um alimento é um fator de grande importância econômica por refletir no teor de sólidos de um produto e sua perecibilidade. Umidade fora das recomendações técnicas resulta em grandes perdas na estabilidade química, na deterioração microbiológica, nas alterações fisiológicas e na qualidade geral dos alimentos¹. Sua determinação é uma das medidas mais importantes e utilizadas na análise de alimentos. O objetivo desta prática foi determinar os teores de sólidos totais e umidade de amostras de farinha de trigo comercial. 2. MATERIAIS E MÉTODOS 2.1. Materiais Foram utilizados uma estufa, balança, cadinhos de porcelana, colheres e outros utensílios para o manuseio da farinha de trigo. 2.2. Métodos Foram pesados dois cadinhos de porcelana vazios e anotadas as massas, sendo 22,7650g para o cadinho 01 e 22,2207g para o cadinho 02. Em seguida pesou-se aproximadamente 5g de farinha de trigo, sendo 5,1006g para a amostra 1 e 5,0702g para a amostra 2. As amostras foram transferidas para uma estufa a 105ºC, onde foram dessecadas por aproximadamente 24h, quando a massa já permanecia constante.
  4. 4. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram determinadas as seguintes massas de amostra seca: 4,4972g para a amostra 1 4,4703g para a amostra 2  Massa de amostra seca ou sólidos totais: Amostra 01: 26,0650 − 22,2678 = 4,4972𝑔 Amostra 02: 22,6910 − 22,2207 = 4,4703𝑔  Porcentagem de sólidos totais na amostra integral Amostra 01: 4,4972 - 5g X - 100g X = 89,944% Amostra 02: 4,4703 - 5g X - 100g X = 89,406%  Porcentagem de umidade na amostra integral Amostra 01: 100 – 89,944 = 10,056% Amostra 02: 100 – 89,406 = 10,594% 4. CONCLUSÃO Conclui-se que para a determinação da umidade de teores em sólidos totais e umidade de amostras de farinha de trigo comercial da massa de amostra seca foi em média 4,4837g. A porcentagem de sólidos totais foi de 89,675% e a porcentagem de umidade foi de 10,3%. A legislação atual delimita uma umidade máxima de 15% para todos os tipos de farinha de trigo². Considerando os resultados obtidos observou-se que a
  5. 5. farinha de trigo analisada obteve um resultado considerável dentro dos parâmetros permitidos pela legislação em vigor. 5. REFERÊNCIAS 1. VICENZI, Raul. Introdução a Análise de Alimentos. Rio Grande do Sul. (apostila). 2. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/66369200474574e78325d73fbc4c673 5/PORTARIA_354_1996.pdf?MOD=AJPERES> Acesso em 24 de junho de 2014.

×