Pdf

726 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
726
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pdf

  1. 1. 1 2011 SEMINÁRIO Curso de Educação Física CCHS/UFMS PRÁTICA DE ENSINO IV
  2. 2. 2 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Centro de Ciências Humanas e Sociais Curso de Educação Física A PRATICA DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA VI NO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UFMS – CAMINHOS PARA SUA SISTEMATIZAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO De acordo com a RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, de 18 de Fevereiro de 2002 que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura e de graduação plena, orienta que, a Prática inserida na matriz curricular deverá estar presente desde o início do curso da formação do professor e que todas as disciplinas, com caráter pedagógico ou não, terão sua dimensão prática a ser desenvolvida com ênfase nos procedimentos de observação e reflexão visando à atuação em situações diversas que permitam sua contextualização. . (Art. 12, § 2º e § 3º; Art. 13 § 1º) Assim, para o fortalecimento das incumbências docentes e conseqüente valorização de sua formação, constam presentes na matriz curricular do Projeto Político e Pedagógico do Curso de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul as disciplinas Pratica de Ensino em Educação Física que se constituem em importante veículo que possibilita estabelecer um forte vínculo entre os postulados teóricos sustentados pelas diversas disciplinas curriculares e o início da vivência profissional. As disciplinas em questão assumem papéis de destaques uma vez que os respectivos segmentos das mesmas intencionam estabelecer uma forte ligação entre as demais disciplinas oportunizando aos discentes sob orientação docente a oportunidade de discutir de modo crítico sobre os reais problemas do processo ensino-aprendizagem no ambiente escolar Tem como objetivo proporcionar oportunidades aos futuros professores de Educação Física de constatar a materialização teórico/prática dos conhecimentos e conteúdos das demais disciplinas do curso levando-se em consideração as competências necessárias à atuação profissional para que os mesmos possam elaborar possíveis estratégias intervencionistas. 1.1 - Caracterização Na matriz curricular do Projeto Político Pedagógico do curso de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, as disciplinas Práticas de Ensino integram o eixo Didática e Educação Física Escolar II da dimensão do conhecimento denominado “Dimensão Práticas” da formação acadêmica e apresenta a seguinte subdivisão com seus respectivos períodos de oferecimento e cargas horárias:
  3. 3. 3 - Prática de Ensino em Educação Física I, oferecida no 1º Semestre – carga horária de 68h; - Prática de Ensino em Educação Física II, oferecida no 2º Semestre – carga horária de 68h; - Prática de Ensino em Educação Física III, oferecida no 3º Semestre – carga horária de 51h; - Prática de Ensino em Educação Física VI, oferecida no 4º Semestre – carga horária de 51h; - Prática de Ensino em Educação Física V, oferecida no 5º Semestre – carga horária de 68h; - Prática de Ensino em Educação Física VI, oferecida 6º Semestre – carga horária de 85h; - Prática de Ensino em Educação Física VII, oferecida no 7º Semestre – carga horária de 51h; - Prática de Ensino em Educação Física VIII, oferecida no 8º Semestre – carga horária de 51h. Assim, o eixo Didática e Educação Física Escolar II conta com uma carga horária total de 493 horas.. 1.2 – Ementa da disciplina Prática de Ensino em Educação Física IV Para a disciplina PRÁTICA DE ENSINO EM EDUCAÇÃO FÍSICA IV assim como para as demais disciplinas do eixo Práticas do Projeto Pedagógico do Curso de Educação Física Licenciatura/CCHS consta descrito a ementa: - “O processo de ensino e suas relações didático-pedagógicas em diferentes campos de intervenção docente. Articulação teoria e prática dos conteúdos ministrados nas disciplinas oferecidas no quarto semestre em diferentes campos de intervenção docente. Visitas técnicas de observação em diferentes campos de intervenção educacional como escolas públicas e privadas, escolinhas esportivas, academias, projetos sociais, centros de treinamento esportivo, hospitais etc.” e indica a seguinte bibliografia: Bibliografia básica: FRIGOTTO, Gaudêncio. Escola Pública Brasileira na Atualidade. In LOMBARDI, J. C.; HÚNGARO, Edson Marcelo (Org.). Esporte, Educação, Corpo e Saúde. Santo André: Alpharrabio, 2008. MARINHO, Vitor. O Esporte Pode Tudo. São Paulo: Cortez, 2010. SAVIANI, D.; NASCIMENTO, M. I. M. (Orgs.) A Escola Pública no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2005. VASCONCELOS, Celso dos Santos. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político-pedagógico. São Paulo: Libertad, 2008.
  4. 4. 4 Bibliografia complementar: BRACHT, Valter. Educação Física e Aprendizagem Social. Porto Alegre: Magister, 1992. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992. KUNZ, Elenor; TREBELS, Andréas Heinrich. Educação Física Crítico-Emancipatória: com uma perspectiva da pedagogia alemã do esporte. Ijuí: Unijuí, 2006. MARINHO, Vitor. Educação Física Humanista. Rio de Janeiro: Shape, 2010. PADILHA, Valquiria (Org.). Dialética do Lazer. São Paulo: Cortez, 2005. 1.3 – Dimensão dos Conteúdos de conhecimentos contemplados no semestre da Prática de Ensino IV. As disciplinas da matriz curricular do Curso de Educação Física oferecidas no IV semestre constituem-se de disciplinas pertencentes aos conteúdos dos conhecimentos: 1.3.1 - Conteúdos de Formação Ampliada que abrange as Dimensões: Relação do Ser Humano e Sociedade, Dimensão Biológica do Corpo Humano, Dimensão do Conhecimento Científico e Tecnológico; 1.3.2 – Conteúdos de Formação Específica que abrange as Dimensões: Culturais do Movimento Humano, Técnico Instrumental; 1.3.3 - Conteúdos de Formação Pedagógica que abrange as Dimensões: Didático-Pedagógicas e Práticas. As disciplinas que se relacionam a estes conteúdos são as seguintes: - Aprendizagem Motora; - Ciência e Educação Física III; - Currículo e Didática em Educação Física I; - Fisiologia do Exercício; - História da Educação Física; - Políticas Públicas e Educação Física e Esporte e Lazer; - Prática de Ensino em Educação Física IV.
  5. 5. 5 1.4 – Problematização Sob a nossa ótica, a Prática de Ensino como um componente dos eixos de conhecimento na matriz curricular traz uma importante contribuição na formação do futuro professor uma vez que sua intenção centra-se nas discussões dos aspectos das ações de intervenção pedagógica. As grandes dificuldades que poderão ser traduzidas em obstáculos para que este processo não atinja os objetivos desejados, ao que nos parece, incidem na dinâmica organizacional das ações didáticas e pedagógicas empregadas seqüencialmente nas disciplinas Pratica de Ensino em Educação Física sem a observância e análise dos conteúdos das disciplinas oferecidas no mesmo semestre em que esta acontece. Outro particular que poderemos traduzir como sendo também um obstáculo é a inobservância do § 3º da referida Resolução que traz a orientação de que em todas as áreas e/ou disciplinas que figuram como componentes curriculares de formação, e não somente as disciplinas pedagógicas, todas terão sua dimensão prática. Neste sentido, para que a disciplina atinja seus objetivos, todas as disciplinas oferecidas no semestre juntamente com as disciplinas Práticas de Ensino em Educação Física, deverão prestar informações aos acadêmicos sobre a materialização de seus postulados teóricos e práticos no ambiente escolar para que as Práticas de Ensino numa perspectiva interdisciplinar elabore procedimentos didáticos (observação e flexão) que comprove as diferentes situações e que possam estas ser contextualizadas através registros das prováveis soluções de intervenção. O pouco que temos observado das ações desenvolvidas pelos professores responsáveis em conduzir as disciplinas Pratica de Ensino da Educação Física, é comum a duplicação de ações entre as práticas e em algumas situações dá-se a impressão que a disciplina Prática de Ensino tem como elementos os mesmos constantes na disciplina Estágio Supervisionado. Com isto, quando do contato com os acadêmicos matriculados na disciplina Prática de Ensino IV, eles também observam tais coincidências de ações e se mostram desmotivados não vislumbrando nenhum significado ou sentido tais ações nas seqüência das Práticas de Ensino oferecidas na formação acadêmica chegando alguns a considerar a disciplina em questão como sendo de pouca expressão como componente da matriz curricular. Na tentativa de melhor sistematizar as ações didático-pedagógicas na disciplina Prática de Ensino IV e melhor alcançar a articulação entre a teoria e prática dos conteúdos das disciplinas oferecidas no quarto semestre, optamos por adotar o seminário como ferramenta de ensino.
  6. 6. 6 1.5 – Objetivo Para que possamos melhor oportunizar experiências nos diferentes argumentos sustentados pelas disciplinas oferecidas no IV semestre a disciplina Pratica de Ensino em Educação Física IV (docente e discentes) e colaborar com a formação de professores de Educação Física do Curso de Educação Física do Centro de Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Mato Grosso do sul, estabelece como objetivo adotar procedimentos didáticos com o propósito de assegurar a aquisição de competências e/ou habilidades que permitam ao futuro professor entender o processo do ensino-aprendizagem através da reflexão sobre a ação pedagógica escolar como meio de contribuição com o seu pleno desenvolvimento profissional. Além destes aspectos, sugerir melhor sistematização de uma seqüência lógica na apresentação conteúdos a serem oferecidos pelas Praticas de Ensino em Educação Física no Curso de Educação Física do CCHS/UFMS. 2 – Metodologia e Estrutura do Seminário A escolha do seminário como método de ensino incide na razão de ser este um procedimento didático que consiste em levar o educando a pesquisar a respeito de um tema analisando-o de maneira sistemática, com a finalidade de aprensentá-lo e discuti-lo cientificamente de modo claro e documentado. (Nérice, 1981). Segundo Nérice, um seminário tem os seguintes propósitos: ensinar pesquisando; revelar tendências e aptidões para pesquisa; levar a dominar a metodologia científica de uma disciplina; conferir o espírito científico; estimular o trabalho em grupo e desenvolver o sentimento de comunidade intelectual entre os educandos e professores; ensinar a sistematizar fatos observados e refletir sobre eles; levar a assumir atitude de honestidade e exatidão nos trabalhos efetuados. 2.1 – Estrutura e Funcionamento Um Seminário dependendo de sua estrutura pode funcionar com grupos divididos em subgrupos dedicando-se cada um deles ao estudo de aspectos particulares de um mesmo tema ou temas diferentes de uma mesma disciplina ou somente com um grupo. Seu funcionamento também está na dependência da composição dos elementos participantes para sua realização. Para este seminário os acadêmicos foram divididos por grupos com a responsabilidade de observar aspectos particulares de cada disciplina oferecida no IV semestre consultando os professores responsáveis por ministrá-las observando-se os encaminhamentos: 2.1.1 – Localizar em que eixo de conhecimento esta integrada a disciplina na matriz .......................curricular;
  7. 7. 7 2.1.2 – Objetivo do eixo e/ou dimensão de conhecimento em que a disciplina está ........................integrada; 2.1.3 – Carga horária total do referido eixo e/ou dimensão; 2.1.4 – Ementa da disciplina; 2.1.5 – Carga Horária da disciplina; 2.1.6 – Programa da disciplina; 2.1.7 – Bibliografia recomendada para a disciplina; 2.1.8 – Verificar e documentar e apresentar em forma de relato de como o(s) .........................conteúdo(s) da disciplina se materializa(m) no ambiente da escola. 2.2 – Composição e respectivas funções no Seminário O Seminário contará com 3 componentes a saber: um diretor, um relator ou expositor, um comentarista e os demais componentes. O Diretor geralmente é o professor ou um especialista. Tem a função de preparar um grupo de educandos para realização do seminário. Seu papel é estabelecer os temas a serem estudados por sua sugestão ou em conjuntos com os educandos, orienta sua sistematização e preside as sessões do seminário, apreciando, no final, os resultados dos trabalhos. O Relator ou Expositor, expõe aos demais, os estudos efetuados sobre o(s) tema(s) do programa de trabalho do seminário. O trabalho a ser apresentado e discutido pode ser responsabilidade de um educando ou do grupo que preparou o trabalho no nosso caso, foi designado um relator para cada disciplina. O(s) comentarista(s) pode(m) ser outro(s) acadêmicos(s) designado(s) antecipadamente pelo diretor do seminário. Durante a exposição do(s) relator(es) estes devem estar atentos, realizar anotações para eventuais críticas ou comentários pertinentes, antes de ser discutido pelos demais componentes. Para este Seminário, assim como para os relatores também fora designado um comentarista para cada disciplina. Os demais componentes são, na verdade, todos os educandos que participam do seminário, uma vez que eles revezam-se nas funções de relatores e comentaristas. Os demais componentes, após o relato e as preleções do(s) comentarista(s), passam a inquirir o(s) relator(es) solicitando esclarecimentos e/ou reforçando argumentos etc.
  8. 8. 8 2.3 – Divisão dos grupos por disciplina A divisão dos grupos com suas respectivas funções no seminário está assim constituída: Grupo 1 Disciplina : “Aprendizagem Motora” Componentes : Renata Dalpogetto Pessoa Medina, Ellen Fernandes Duarte, Gicele da Silva Maeoca. Relator : Comentarista : Thaís Velloso Cristaldo. Grupo 2 Disciplina : “Ciência e Educação Física III” Componentes : Thaís Velloso Cristaldo, Matheus Rodrigues Baroni, Leila.Lima de Souza Santana, Jéssica Arevalo Lopes. Relator : Comentarista : Karolyne Padilha Coqueiro. Grupo 3 Disciplina : “Currículo e Didática da Educação Física III” Componentes : Karolyne Padilha Coqueiro, Felipe Francisco Insfran, ...................................... Katheleen Henriques Pereira. Relator : Comentarista : Priscilla Góes Basílio. Grupo 4 Disciplina : “Fisiologia Humana e do Exercício II” Componentes : Priscilla Góes Basílio, William de Brito dos Reis. Relator : Comentarista : William Eiji Miyagi.
  9. 9. 9 Grupo 5 Disciplina : “História da Educação Física ” Componentes : William Eiji Miyagi, Wesley Pereira Rodrigues e Paula ....................................... .Emboava Ortiz. Relator : Comentarista : Eduardo Reis Pieretti. Grupo 6 Disciplina : “Políticas Públicas e Educação Física, Esporte e Lazer” Componentes : Eduardo Reis Pieretti Relator : Eduardo Reis Pieretti Comentarista : Elvis de Souza Malta Grupo 7 Disciplina : “Prática de Ensino IV” Componentes : Elvis de Souza Malta, Sônia Alícia Colman Benites e José Ferreira da Silva. Relator : Comentarista : Cleiton Tenório de Lima da Silva Grupo 8 Disciplina : “Políticas Educacionais e Organização da Educação Física” Componentes : Dreyzzy Floriza Souza dos Santos, Nayanna da Silva Ximenes e Rayane Cristina Felix Tavares. Relator : Comentarista : Ellen Fernandes Duarte. Grupo 9 Disciplina : “Lutas e Cultura Corporal do Movimento” Componentes : Gabriel Elias Otta, Ceiton Tenório de Lima da Silva e Gabriel .Augusto Fonseca Camargo. Relator : Comentarista : Dreyzzy Floriza Souza dos Santos
  10. 10. 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL 2011 Aprendizagem Motora Por Ellen Fernandes Duarte Gicele da Silva Maeoca Renata Dalpogetto Pessoa Medina
  11. 11. 11 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV Grupo 1 Componentes : Renata Dalpogetto Pessoa Medina, Ellen Fernandes Duarte e Gicele ........................... da Silva Maeoca. Disciplina : “Aprendizagem Motora” Relator : Comentarista : Thaís Velloso Cristaldo. CAMPO GRANDE Outubro – 2011
  12. 12. 12 Aprendizagem Motora 1 – CARACTERIZAÇÃO DA DISCIPLINA: Neste presente trabalho consta às informações tiradas de um plano de ensino, da disciplina "Aprendizagem Motora", no Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS) no bloco oito, onde se encontra o curso de Educação Física. A duração da disciplina é semestral, com 3 (três) horas/aulas, carga horária de 51 horas no ano letivo de 2011, ministrada pelo professor Tamir Freitas Fagundes. Esta disciplina faz parte do eixo curricular "Trabalho, Cultura e Lazer" com carga horária total de 323 horas. 1.1 – EMENTA DA DISCIPLINA: Apresentação da Ementa desta disciplina, "Estudo da aprendizagem motora aplicada a Educação Física escolar. A aprendizagem motora: Conceitos básicos. A relação estímulo-resposta e o processamento de informação. Estágios de aprendizagem motora. O ambiente de aprendizagem". 1.2 – OBJETIVOS DA DISCIPLINA: Os objetivos são estudar os processos de mudanças e estabilizações que determinam as habilidades e as capacidades de um indivíduo ao produzir uma atividade motora; Identificar a aprendizagem e controle motor como uma área de estudo e aplicação da Educação Física; Reconhecer à importância da disciplina para a formação profissional. 1.3 – PROGRAMAÇÃO DA DISCIPLINA: PROGRAMA (Unidades e Subunidades) Data Conteúdo 06/08 A natureza da Aprendizagem Motora 13/08 Conceitos Básicos de A Motora e Controle Motor 20/08 Uma introdução a Aprendizagem e a Performance Motora 27/08 Modelos de Aprendizagem Motora 03/09 Diferenças Individuais 10/09 Processo de Informação e Tomada de Decisão 17/09 Contribuições Sensoriais para a Performance Motora
  13. 13. 13 24/09 Teorias do processamento feedback 01/10 AVALIAÇÃO P1 08/10 Transferência de Aprendizagem 15/10 Sistema de Memória 22/10 Variabilidade de Experiências Motoras 29/10 Estruturando a Experiência da Aprendizagem 05/11 Avaliações de Aprendizagem 12/11 Teoria do Programa Motor 19/11 Contribuições Sensórias para a Performance 26/11 AVALIAÇÃO P2 02/12 RESERVA TÉCNICA Fonte: Tamir Freitas Fagundes. 1.4 – PROCEDIMENTOS DE ENSINO E AVALIAÇÃO: Os procedimentos de ensino que serão utilizados pelo professor são: aulas expositivo-dialogada, estudo de textos e aulas práticas, quando se tornar necessária. Os recursos necessários para serem ministradas as aulas, data show, retro-projetor, artigos científicos, laboratório (quando for possível), e avaliação será a partir da prova 1 mais a prova 2 somadas e dividas por 2 (P1+P2)/2. 1.5 – BIBLIOGRAFIA DA DISCIPLINA: As bibliografias básicas sobre a disciplina constam na biblioteca da universidade: GALLAHUE, David L. e OZMUN, John C. Desenvolvimento Motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo. Phorte Editora. 2001. *MAGILL, R. A. Aprendizagem Motora: conceitos e aplicações. São Paulo: Edgard Blücher, 1984. *SCHMIDT, R. A. Aprendizagem Motora e Performance motora: dos princípios a prática. São Paulo: Movimento, 2001. * 2 – OBJETIVO DE ESTUDO: O presente trabalho objetiva trazer, breves, definições e informações sobre a disciplina aprendizagem motora, presente no currículo do curso de Educação Física da UFMS, como também no currículo de outros cursos de EF do país. Explicitado isto,
  14. 14. 14 vamos às definições. Segundo Schimidt( 2001) aprendizagem motora são mudanças em processos internos que determinam a capacidade de um individuo para produzir uma tarefa motora. Entende-se por tarefa motora atividades tais quais: andar, correr, pular, pegar talheres, desenhar etc. Sendo assim podemos entender que aprendizagem motora é o ato do sujeito aprender um movimento novo, seja ele esportivo ou não. A disciplina anteriormente citada esta presente no currículo da EF UFMS de forma aplicada a área escolar, destacando seus conceitos, ambiente de aprendizagem, relação estímulo-resposta, e outros. Objetivando assim, desenvolver nos acadêmicos a consciência da importância da disciplina na área da EF, uma vez que esta é campo de pesquisas, estudos, área especifica de trabalho em casos como esporte de alto rendimento, além de que a mesma esta presente do cotidiano das aulas de EF escolar. Uma vez que o acadêmico perceba a presença da mesma no cotidiano das aulas de EF, o mesmo perceberá também a importância da mesma em sua formação profissional. Para que tais conhecimentos sejam transmitidos e os objetivos alcançados a instituição de ensino disponibiliza uma carga horária de 51h no semestre. 3 – METODOLOGIA: As visitas nas duas escolas foram feitas apenas por observação das aulas. Em uma das escolas foi questionado á professora quais eram os conteúdos que ela mais dava prioridade nas aulas de educação física. 4 – RESULTADOS: Iremos relatar algumas visitas feitas em duas escolas de Campo Grande – MS, para averiguar a materialização da disciplina aprendizagem motora na educação básica. Na tarde do dia 27 de setembro de 2011 visitamos a escola Estadual Dollor Ferreira de Andrade. Escola esta que se encontra na capital, Campo Grande, e no bairro Maria Aparecida Pedrossian. A instituição atende cerca de 1410 (mil quatrocentos e dez) alunos de baixa renda, tendo alguns usuários de drogas dois deficientes físicos e um mental. Os mesmo residem em bairros, da região, como: Maria Aparecida Pedrossian, Panorama, Noroeste, Samambaia, Oiti, Arnaldo Estevão de Figueiredo e Tiradentes. Esta instituição fornece aos alunos o ensino básico regular e o conhecido EJA, sendo este ultimo apenas no período noturno enquanto o ensino básico regular completo é oferecido nos períodos matutino e vespertino. No período noturno, além é claro do EJA, também é oferecido o ensino médio. Para atender tamanha demanda de alunos o colégio conta com 80 (oitenta) professores — sendo seis de educação física — e uma boa infraestrutura.
  15. 15. 15 Primeiramente gostaríamos de esclarecer que ainda que a escola possua seis professores de educação física, as informações aqui citadas foram obtidas especificamente com duas professoras: I1, formada pela FIFASUL (Faculdades Integradas de Fátima do Sul) e pela I2, formada pela IESF (Instituto de Ensino Superior da Funlec) no ano de 2007. No Dollor Ferreira de Andrade são trabalhados os esportes de futsal, voleibol, handebol e basquetebol em todos os anos do ensino básico regular, e as aulas são distribuídas, segundo a professora, em quarenta horas aulas, dessas trinta e seis são aulas e quatro são planejamentos. Quanto a períodos de aula semanal é dividido do seguinte modo: De primeiro a quinto ano três aulas semanais. De sexto a nono ano duas aulas semanais. No ensino médio apenas uma aula semanal. Esses quatro esportes são ministrados pelas professoras, cada uma com suas respectivas turmas, não bimestralmente, mas, tri semanalmente. O método tri semanal, isto é, aplicar um mesmo esporte durante três semanas e não durante um bimestre todo como é comum, foi adotado pela I1, pois segundo ela desse modo os alunos mantêm os quatro esportes sempre “frescos na cabeça” de modo que há assim um melhor resultado. Uma vez apresentada à instituição e um pouco das aulas de Educação Física, vamos ao tema central deste trabalho que se trata de averiguar a materialização da disciplina aprendizagem motora nas aulas de Educação Física Escolar. Ao conversar com as professoras ambas manifestaram a opinião de que esteja o professor consciente disto ou não, em todas as aulas práticas de Educação Física a aprendizagem motora está presente. Isto porque a educação física é essencialmente o movimento humano, isto é, trata-se do correr, do pular, do sentar, andar, chutar uma bola, segurar esta bola, arremessar um objeto, desviar-se dele etc. Sendo a educação física essencialmente os movimentos humanos é impossível a aprendizagem motora não estar presente nas aulas, isto porque esta aprendizagem nada mais é do que a aprendizagem dos movimentos humanos. Há o entendimento também de que existem duas fases bem definidas da aprendizagem motora nas aulas. Uma é o momento em que o aluno esta experimentando um movimento novo, e por isso complexo a ele, neste estágio o aluno não tem uma memória motora do movimento correto, portanto há um nível alto de dificuldade. Entretanto com a repetição, com a insistência do aluno em aprender o movimento, aos poucos este movimento vai sendo aprendido e por isso aprimorado por este aluno. Deste modo chega-se a segunda fase bem definida nas aulas, que é quando o aluno aprende o movimento, e este movimento torna-se tão habitual que o aluno nem mais se percebe fazendo o movimento. Um exemplo disto foi citado pela I1; ela explicou que treina uma equipe de futsal na escola e no inicio as crianças não conseguem ver o jogo, pois só conseguem
  16. 16. 16 fixar os olhos na bola (primeira fase da aprendizagem motora), entretanto chega um momento em que eles dominam o movimento de conduzir a bola com os pés e se tornam capazes de erguer a cabeça, ver o jogo, perceber se há espaço para chutar a gol ou não, fazer a leitura do posicionamento do zagueiro ou do goleiro e assim tomar a decisão de passar a bola, chutar a gol, ou parar de correr e segurar a bola. E o mais importante: as crianças fazem tudo isto sem perder o domínio da bola e o fazem em poucos segundos (segunda fase da aprendizagem motora). Por fim cabe esclarecer também que no entendimento das professoras a aprendizagem motora esta presente de maneira mais predominante nas series iniciais, como o ensino infantil e as primeiras séries do ensino fundamental, pois à medida que estas crianças vão crescendo elas vão armazenando uma serie de memórias motoras, e deste modo não há muita aprendizagem motora na series maiores, antes há sim uma transferência de conhecimento, uma adaptação. As professoras comentaram, exemplificando, que no inicio ensina-se as crianças a jogarem queimada, e quando elas crescem, rapidamente aprendem a arremessar uma bola de handebol, e isto se deve a memória motora que elas já possuem, elas percebem que os movimentos são similares e por isso aprendem mais rapidamente o arremesso do handebol. Quando o aluno esta no ensino médio este já conhece os movimentos, aos menos os básicos, de um jogo de handebol, não havendo mais a aprendizagem motora, não predominantemente pelo menos. A escola visitada é a Carrossel Educamp como assim foi registrada recentemente, é de ensino particular e atende alunos do berçário ate o nono ano do ensino fundamental. Ela é conveniada com o sistema positivo de ensino e atende atualmente 197 alunos, sendo que dois possuem deficiência mental. Perguntando para a professora recém-formada em Educação Física quais eram os principais eixos que ela abordava em sua aula, ela respondeu que um deles era o aperfeiçoamento das habilidades motoras básicas. E observando suas aulas, podemos ver que ela realmente trabalha bastante isso com as crianças. Na primeira aula ela passava rolamentos, pequena cambalhotas tudo ligado à ginástica. Para outra sala ela já usava a habilidade de saltar e saltitar, brincando com as crianças de pular corda e também pequenas corridas. A professora relata que no começo do ano os alunos não sabiam pular corda e que a sala teve um grande avanço quanto a isso, ou seja, a aprendizagem motora está totalmente presente nas aulas ministradas por essa professora. 5 - REFERÊNCIA: COEG. Conselho de Ensino de Graduação. Projeto Pedagógico do curso de Educação Física – Licenciatura/Graduação Plena – CCHS/UFMS.
  17. 17. 17 SCHMIDT, R. A. Aprendizagem Motora e Performance motora: dos princípios a prática. São Paulo: Movimento, 2001.
  18. 18. 18 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL 2011 CIÊNCIA EM EDUCAÇÃO FÍSICA III Por Leila Lima de Souza Santana Jéssica Arévalo Lopes Thaís Veloso Cristaldo Matheus Rdrigues Baroni
  19. 19. 19 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV Grupo 2 Disciplina : “Ciência e Educação Física III” Componentes : Jéssica Arevalo Lopes, Leila Lima de Souza Santana, Matheus Rodrigues Baroni, Thaís Velloso Cristaldo. Relator : Comentarista : Karolyne Padilha Coqueiro. CAMPO GRANDE Outubro – 2011
  20. 20. 20 CIÊNCIA E EDUCAÇÃO FÍSICA III 1 – Introdução O ensaio de pesquisa é fruto de uma proposta de trabalho da disciplina de Prática IV ministrada pelo professor Gilberto Ribeiro de Araújo Filho, do curso de Educação Física, no segundo semestre do ano letivo de 2011, com o intuito de se fazer conhecer as disciplinas contempladas no 4° semestre e suas aplicabilidades durante e após o curso. A turma de acadêmicos foi organizada em grupos e cada um ficou com a responsabilidade de desenvolver a pesquisa em uma das disciplinas pertencente ao 4° semestre. Para melhor situar o trabalho descreve-se então como se esta condita este segmento da pesquisa. 2- Caracterização da Disciplina O Curso de Licenciatura em Educação Física pertencente ao Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), possui um Projeto Político Pedagógico (PPP), que contempla o eixo curricular Produção do Conhecimento Científico e Tecnológico, com a carga horária de: 306h/aula; As disciplinas que compõe este eixo são: Língua Portuguesa e Produção Textual; Ciência e Educação Física I; Ciência e Educação Física II; Ciência e Educação Física III; Seminário de Monografia I; Seminário de Monografia II; Trabalho de Conclusão de Curso I (TCC I); Trabalho de Conclusão de Curso II (TCC II). A disciplina de Ciência e Educação Física III é regida por uma carga horária de trinta e quatro (34) hora/aulas, identificada como matricula obrigatória no 4° semestre, e atualmente é ministrada pelo Professor Doutor André Malina. E tem como ementa: “Proporcionar subsídios para análise, interpretação e elaboração de um projeto de pesquisa. Elaboração de projetos de pesquisa em educação física nas diferentes modalidades, níveis de ensino e área de atuação. Elaboração de um projeto de pesquisa com breve revisão de literatura sobre tema/assunto a ser pesquisado no TCC. Aplicação da metodologia científica, capacitando o acadêmico para o desenvolvimento da sua pesquisa seguindo os preceitos metodológicos mais adequados e de acordo com o objeto de pesquisa.” Para tal, segue-se uma bibliografia básica composta por: CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
  21. 21. 21 THOMAS, J. & NELSON, J. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2002. Todos os dois livros da referencia bibliográfica se encontram disponíveis na Biblioteca da UFMS Campo Grande, com mais de três unidades dos exemplares. E oferece uma bibliografia complementar descrita a baixo: ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Citações: NBR 10520. São Paulo, 2002. ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Referências bibliográficas: NBR 6023. São Paulo, 2002. MARCONI, M. A. & LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1996. Somente foram encontrados exemplares disponíveis na biblioteca da UFMS Campo Grande, referente ao ultimo item mencionado. 3- Justificativa Teórica Deste modo vários estudos estão sendo produzidos para análise da produção cientifica no âmbito da educação física, desde os anos de 1980. Com este propósito o presente trabalho tem por objetivo traçar um perfil para a disciplina Ciência e Educação Física III, se ela traz algum beneficio para a formação acadêmica, no que se refere à aplicabilidade do conhecimento produzido para a educação física. Dessa forma vale salientar que o objetivo maior da Ciência e Educação Física é fazer com que exercite-se a capacidade de pensamento e discernimento, voltados para análises de ambientes, dados, situações diversas, que no primeiro momento é imediatista, casual e quase que espontâneo e em um segundo momento, torna-se mais reflexivo, analista e metódico. Segundo Oliveira (1999), a Ciência num determinado período da história acabou sendo mitificada, principalmente a partir do séc. XVIII, e hoje ela é entendida como sendo qualquer assunto que possa ser estudado pelo homem, pela utilização do Método Científico e de outras regras especiais de pensamento. Contudo para haja um bom processo para atingir tal objetivo, se faz necessário que o pesquisador exercite o hábito da leitura e da interpretação de textos e dados, o que nos mostra a outra grande atividade até mesmo qualidade, desta disciplina que é a de fazer com que o investigador consiga em um determinado momento uma conotação crítica daquilo que está sendo pesquisado e o coloque em condições de ser estudado de forma correta ao longo da história. Mas isso só é possível se o trabalho de pesquisa for bem orientado, ditado dentro de regras claras de condicionamento e assim a Ciência e Educação Física assume um importante papel que nos dá os métodos adequados para que se consiga atingir esse objetivo, dependente de "um conjunto de procedimentos intelectuais e técnicos" (GIL, 1999).
  22. 22. 22 Sobre isso Balbachevsky (1999) diz que: [...] ainda que viável, a formação oferecida por estabelecimentos especializados no ensino, mesmo quando bem sucedida, vem sendo submetida à criticas importantes nos anos recentes. Boa parte dessas críticas centra-se no fato de que o ensino, dissociado da atividade de pesquisa, deixa uma lacuna na formação do aluno numa das dimensões mais fundamentais para o seu sucesso futuro: qual seja, a sua preparação para solucionar criativamente problemas, isto é, sua capacidade de reunir, selecionar e analisar dados relevantes para a solução de uma situação não usual.[...] Assim sendo, as muitas literaturas existentes sobre o assunto nos colocam os mais diversos conceitos quando tratamos de pesquisas científicas a ponto de classificá- las de acordo com as mais diversas formas. Aqui, tentaremos sintetizar, à luz de alguns autores reconhecidos, os principais tipos de pesquisa, quando se pretende definir qual a melhor metodologia a ser usada em trabalhos científicos. De acordo com Vergara (2007), os tipos de pesquisa podem ser definidos por dois critérios básicos: quanto aos fins e quanto aos meios. Quanto aos fins, uma pesquisa pode ser: a) Exploratória: Que é realizada em áreas de pouco conhecimento sistematizado, assim sendo não comporta hipóteses na sua fase inicial, porém no decorrer da pesquisa estas poderão surgir naturalmente. b) Descritiva: É aquela que expõe características claras e bem delineadas de determinada população ou fenômeno, para isso envolve técnicas padronizadas e bem estruturadas de coletas de seus dados. c) Explicativa: Tem como principal objetivo tornar as ações estudadas em dados de fácil compreensão, justificando e explicando os seus principais motivos e o "porquê" das coisas. d) Metodológica: Está associada aos caminhos, formas, maneiras e procedimentos utilizados para atingir determinado fim. e) Aplicada: Tem necessidade de resolver problemas que já existem na prática. De forma imediata ou não. f) Intervencionista: Não se satisfaz apenas na explicação do que se está sendo estudado, mas pretende interferir de alguma forma na realidade, no dia-a-dia do seu objeto de pesquisa. Quanto aos meios de investigação, uma pesquisa pode ser: a) De campo: Baseia-se pela experiência que se está sendo aplicada na investigação e é realizada exatamente no local onde são observados os fenômenos estudados. b) De laboratório: É realizada em local determinado e limitado. c) Documental: Através de análises em documentos encontrados em órgãos públicos ou privados, ou com pessoas que detenham a guarda destes documentos.
  23. 23. 23 d) Bibliográfica: É aquele realizado com base em material publicado em livros, jornais, revistas, sites na internet, e que sejam disponibilizados ao público em geral. e) Experimental: Investigação empírica na qual o pesquisador manipula e controla variáveis independentes e observa os resultados destas manipulações. A presença de tantas regras, detalhes, indicações rígidas para digitação e formatação do texto, que parecem cercear a liberdade do aluno em pensar e escrever sem nenhuma exigência metodológica faz com que o estudo de Metodologia Científica nas universidades raramente seja bem aceito pelos alunos. 4- Metodologia Para o ensaio da pesquisa foi utilizada uma metodologia de pesquisa de caráter qualitativo descritivo com auxilio de uma entrevista com um roteiro semi-estruturado, aplicados a professores de Educação Física, já formados e atuantes nas escolas públicas. Além de buscar informações sobre a disciplina como: objetivo, programa, forma de avaliação, cronograma, etc., com o atual professor ministrante. Gil (2007) define pesquisa como “[...] o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo de proporcionar respostas aos problemas que são propostos”. Segundo Bogdan e Biklen (1982) apud (LÜDKE, 2005) a pesquisa qualitativa envolve a obtenção de dados descritivos, obtidos no contato direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza mais o processo do que o produto e se preocupa em retratar a perspectiva dos participantes. De acordo com a tipologia de Gil (1991) e Vergara (2007) esta pesquisa pode ser classificada da seguinte forma: a) Quanto aos fins: A pesquisa é exploratória, uma vez que há pouco conhecimento acumulado e sistematizado sobre o assunto, mas também pode ser considerada descritiva, pois expõe características de uma determinada população. b) Quanto aos meios: De campo: Baseia-se pela experiência que se está sendo aplicada na investigação e é realizada exatamente no local onde são observados os fenômenos estudados. Conforme Lüdke (2005) as entrevistas semi-estruturadas ou não totalmente estruturadas, combinam perguntas abertas e fechadas, onde o informante tem a possibilidade de discorrer sobre o tema proposto. O pesquisador deve seguir um conjunto de questões previamente definidas, mas ele o faz em um contexto muito semelhante ao de uma conversa informal. A preparação da entrevista é uma das etapas mais importantes da pesquisa que requer tempo e exige alguns cuidados, entre eles destacam-se: o planejamento da entrevista, que deve ter em vista o objetivo a ser alcançado; a escolha do entrevistado, que deve ser alguém que tenha familiaridade com o tema pesquisado; a oportunidade da entrevista, ou seja, a disponibilidade do entrevistado em fornecer a entrevista que
  24. 24. 24 deverá ser de preferencia marcada com antecedência para que o pesquisador se assegure de que será recebido; as condições favoráveis que possam garantir ao entrevistado o segredo de suas confidências e de sua identidade e, por fim, a preparação específica que consiste em organizar o roteiro ou formulário com as questões importantes (LAKATOS, 1996). Roteiro semi-estruturado da entrevista: Identificação Sexo: ____________________ Idade:_____________ Tempo de formação:_____________________ Faculdade:_______________________________________ 1 - Você teve em sua matriz de curso de graduação alguma disciplina que contemplasse a metodologia cientifica? 2 - Como era chamada esta disciplina? 3 – Você utilizou o aprendizado desta disciplina para algo no seu curso? Em que? 4- Utilizou para algo mais depois de formado? Como por exemplo, na área de pesquisa depois de formado? 5- Coleta de Dados Cada integrante do grupo de pesquisa ficou responsável por encontrar sujeitos para participarem das entrevistas. Os sujeitos da pesquisa são aqueles que fornecem os dados necessários para a realização do estudo. Devido ao foco da investigação optou-se pela realização de uma pequena amostra de sujeitos. Vale salientar que as identidades dos entrevistados não serão aqui mencionadas e será identificado por siglas a exemplo: Professor = P1. O instrumento principal deste levantamento de dados foi um questionário semi-estruturado que serviu de roteiro para a entrevista destinada aos professores de educação física das duas (2) escolas públicas da cidade de Campo Grande - MS. Ao total foram entrevistados três (3) professores. O questionário era composto por questões abertas e fechadas. 6- Análise Assim, aplicou-se um questionário semi-estruturado com três professores, o P1 professor de uma escola estadual – Adventor Divino de Almeida, localizada na Av. Júlio de Castilho na Vila Alba. Ele tem 33 anos de idade e é formado na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) no ano de 2002. Possui pós-graduação. Durante a conversa, ele nos disse que não teve uma disciplina com esse nome (Ciência e Educação Física) na graduação, porém, teve uma parecida, sendo que, mesmo
  25. 25. 25 parecida, ela não fornecia os itens de grande importância para a elaboração de qualquer trabalho acadêmico. O próprio professor é que buscou as informações básicas e essenciais para elaborar um artigo, o qual foi publicado juntamente com um professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul sobre Cirurgia Bariátrica. O professor P2, da Escola Estadual Dona Consuelo Müller, localizada na rua: Equador, n° 70, no bairro Jardim Jacy. Ele tem 30 anos, do sexo masculino, formado a 7 anos pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), teve em sua matriz de curso de graduação uma disciplina que contemplasse a metodologia científica, e nos informou que a disciplina possibilitou um aprendizado para a produção de sua monografia, mas que após sua formação essa disciplina não se materializou, pois não a utilizou em nem um outro aspecto. O professor P3, também da Escola Estadual Dona Consuelo Müller, tem 27 anos, é do sexo feminino, formado a 4 anos pela faculdade UNIDERP, teve também em sua matriz curricular uma disciplina que caracterizasse a metodologia científica, mas a coloca que em sua graduação não foi bem ministrada. Já em relação ao uso dessa disciplina em seu curso, o indivíduo P3 relata: “há claro, para eu me formar a gente precisa realizar um projeto e apresentar, então temos que aprender como fazer e vamos a campo para buscar dados. Aí apresentamos para uma banca se for bom estamos aprovados.” Mas quando foi questionado sobre a materialização dessa disciplina após sua formação diz que: “Eu até pensei uma vez quando ainda estudava, mas depois de fazer minha monografia, eu desisti, dá muito trabalho e precisa de tempo”. Assim sendo, podemos verificar a importância da Ciência e Educação Física, nos seus mais variados meios e formas de utilização, para através de exames técnicos, científicos, analíticos e sintéticos nos servir de instrumento de aquisição e construção de conhecimentos e saberes, formando pensadores que chegam à natureza de determinado problema ou fenômeno com melhores condições de estudá-lo, explicando-o quando solicitado e modificando-o quando necessário. Mas percebe-se que os profissionais, após a conclusão de seu curso, não praticam mais este tipo de atividade, e que muitas vezes este nunca teve um contato tão aprofundado com tal contexto, considerando quão relevante é para uma formação acadêmica completa, e que dentre os que estão envolvidos, a variação dos contextos apresentados é considerável, portanto em se tratando de Educação Física, não possui um meio relativamente definido de produção acadêmica, deslocando-se entre os diversos campos de produção cientifica, podendo-se considerar isso de conotação privilegiosa ou como uma forma de não identidade curricular, caminhando os diversos estudos por variadas áreas do conhecimento.
  26. 26. 26 7- Considerações Finais Pode-se com este exercício de pesquisa por em prática nosso aprendizado referente a própria disciplina de Ciência e Educação Física III, com os subsídios também empregados pela assessoria do professor Gilberto R. de A. Filho da disciplina de prática IV. Foi relevante o estudo no sentido de mostrar a aplicabilidade da disciplina alvo no contexto dentro do curso de graduação e após o curso. A realidade do trabalho do professor de educação física, que não emprega o conteúdo aprendido na metodologia científica. Além deste dado apresentado nas entrevistas, buscamos outro sujeito, o professor atual que ministra a disciplina de Ciência e Educação Física III, que foi solicitado voluntariamente a contribuir para este estudo, mas pouco se conseguiu extrair, devido alguns intemperes, deixando assim algumas lacunas em aberto como, os objetivos da disciplina, a programação, cronograma, dentre outras que poderiam somar com nossa coleta de dados e análise. Esses dados (ementa, objetivos, referencial bibliográfico, programa da disciplina, etc.) tem um espaço reservado a eles em nosso Sistema Acadêmico, link: http://www.siscad.ufms.br/, onde constam nossas matrículas e todo o histórico Escolar do período de graduação, não sendo único local de acesso a estes dados pelo acadêmico, outro local de disponibilidade é o site do Curso de Educação Física da UFMS, segue o link: http://www.def.ufms.br/, onde deveriam constar todos os dados referentes às disciplinas e o Projeto Político Pedagógico do Curso (PPP), mas pouco destes podemos acessar nestes bancos de dados. Alguns raros professores deixam disponíveis parte destes acessórios referente as disciplinas para os alunos. Possa-se dizer que a proposta de investigar o conhecimento a respeito das disciplinas contempladas no 4° semestre e suas aplicabilidades durante e após o curso, foi alcançado de forma satisfatória para o grupo. 8- Referencias BALBACHEVSKY, E. A profissão acadêmica no Brasil: as múltiplas facetas de nosso sistema de ensino superior. S. Paulo: Editora Funadesp, 1999. COEG. Conselho de Ensino de Graduação. Projeto Pedagógico do curso de Educação Física – Licenciatura/Graduação Plena – CCHS/UFMS. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991. ________________. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999. ________________. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ªed. São Paulo: Atlas, 2007.
  27. 27. 27 LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa. 3ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 1996. LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza D.A. de. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. SP. Editora Pedagógica Universitária Ltda., 9° reimpressão, 2005. (Coleção Temas Básicos de Educação e Ensino). OLIVEIRA, Silvio Luiz. Tratado de metodologia científica. São Paulo: Pioneira, 1999. VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.
  28. 28. 28 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL 2011 Currículo e Didática da Educação Física Por Felipe Francisco Insfran Karollynne deSouza Boazal Katheleen Henriques Pereira
  29. 29. 29 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV Grupo 3 Disciplina : “Currículo e Didática da Educação Física” Componentes : Karollynne deSouza Boazal, Felipe Francisco Insfran, .......................................Katheleen Henriques Pereira. Relator : Katheleen Henriques Pereira Comentarista : Priscilla Góes Basílio. CAMPO GRANDE Outubro – 2011
  30. 30. 30 CURRÍCULO E DIDÁTICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1 - CARACTERIZAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina de Currículo e Didática em Educação Física tem a carga horária de 34h/aula, e está localizada no eixo curricular: dimensão didático-pedagógico – didática e educação física escolar, que tem ao todo a carga horária de 340 horas, juntamente com as disciplinas: Fundamentos da Didática; Educação Especial; Políticas Educacionais e Organização da Educação Básica; Políticas Públicas e Educação Física, Esporte e Lazer; Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem. Tem por objetivo fazer com que os acadêmicos sejam capazes de distinguir abordagens críticas e não-críticas, tendo como base a história da educação física brasileira, o estudo das metodologias diversas existentes, entre outros. Aborda os diferentes tipos de ensino existentes e seus diferentes níveis, fazendo com que os discentes tomem consciência de que seus alunos obtêm um aprendizado também fora da escola, e que este não se caracterizará como ensino formal. Procura mostrar também como a educação física é amparada por lei, quais são os deveres profissionais de cada professor, tais como participar da construção do projeto político pedagógico escolar, fazer planejamentos, entre outros. Além disso, orienta aos acadêmicos de como fazê-los e mostra a importância de tais em sua prática pedagógica. 1.1 - EMENTA Esta disciplina tem a seguinte ementa como norteadora: Teoria curricular críticas e não-críticas. Histórico curricular da formação em Educação Física no Brasil. A questão da didática. Ensino Formal e Não Formal. Tipos e níveis de Ensino. Elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento. Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não-críticas, recursos didáticos etc. 1.2 – OBJETIVO Contribuir para um fazer pedagógico mais político e um fazer político mais pedagógico na prática docente.
  31. 31. 31 1.3 - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I – Teoria curricular críticas e não-críticas. Histórico curricular da formação em Educação Física no Brasil. A questão da didática. Ensino Formal e Não Formal, Tipos e Níveis de Ensino. Unidade II – Elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento Unidade III – Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não- críticas, recursos didáticos etc. 1.4 – CRONOGRAMA 04/08- Apresentação conteúdo, diagnose do conhecimento acumulado. A questão da didática. Ensino Formal e Não Formal, Tipos e Níveis de Ensino. Introdução sobre os elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento. 11- Participação da prof. Reunião ENADE - Brasilia 18- Semana da Educação Física 25- Teoria curricular críticas e não-críticas e a relação dos elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento. Histórico curricular da formação em Educação Física no Brasil e na UFMS. 01/09- Histórico curricular da formação em Educação Física no Brasil e na UFMS. Elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento. Abordagens pedagógicas em Educação. 08- Reunião ENADE – Brasília 15- CONBRACE 22- Abordagens Pedagógicas em Educação e em Educação Física (Monografia Anderson) e a relação com os elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento. 29- Abordagens Pedagógicas em Educação Física e a relação com os elementos do currículo da Educação Básica: Legislação e Diretrizes Curriculares, Projeto Pedagógico e Planejamento. Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não-críticas, recursos didáticos etc. 06/10- AVALIAÇÃO ESCRITA 13/10- A questão da didática. Ensino Formal e Não Formal, Tipos e Níveis de Ensino. Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não-críticas, recursos didáticos etc.
  32. 32. 32 20- Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não-críticas, recursos didáticos etc. 27- Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não-críticas, recursos didáticos etc. Atividades Práticas 03/11- Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não- críticas, recursos didáticos etc. Atividades práticas 10- Elementos didático-pedagógicos para o ensino da educação física/esporte: tendências, abordagens e/ou propostas metodológicas críticas e não-críticas, recursos didáticos etc. Atividades práticas 17- AVALIAÇÃO ESCRITA 24- Reavaliação e Prova Optativa 01/12- Entrega de notas finais 1.5 – PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS - Aulas expositivas dialogadas com caráter teórico-prático; leituras individuais e/ou pequenos grupos, trabalho individual e/ou pequenos grupos; - Leitura de livros e textos, debates e exposição oral, além e trabalhos de pesquisa e produção de textos de opinião. - Serão realizadas avaliações permanentes durante todo o semestre letivo para observância e revisão do processo ensino aprendizagem pelo acadêmico e pelo professor. Uma delas será na forma de trabalho escrito e duas outras na forma de prova escrita, pelo menos. -Palestras sobre temas de relevância para uma compreensão crítica do campo de atuação profissional com produção escrita individual. 1.6 - AVALIAÇÃO A4: Aulas: frequência e participação (0 a 4 pontos), atividades diversas (0 a 6 pontos) A3: Trabalho: Resenha Crítica a partir da leitura de dois livros A2 e A1: Provas escritas: duas avaliações (0 a 5 pontos cada uma e peso 2) Prova Optativa (PO): será ministrada uma prova para quem optar por realizar ao final do curso, a qual substituirá a menor nota das avaliações realizadas no decorrer do semestre.
  33. 33. 33 1.7 - RECURSOS Papel para prova e fotocópias do material do professor; bibliografia básica e complementar; Datashow etc. 1.8 - BIBLIOGRAFIA Para transmitir tais conhecimentos, o professor responsável pela disciplina usa como base teórica onze livros, tendo como bibliografia básica os seguintes exemplares: FREITAS, Luis Carlos de. Crítica a Organização do Trabalho e da Didática. São Paulo: Papirus, 2000. KUNZ, Elenor (Org.). Didática da Educação Física. Ijuí: Unijuí, 2009. LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994. SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino da educação física. São Paulo. Cortez. 1993. E como bibliografia complementar: DAOLIO, J. Da cultura do corpo. Campinas: Papirus, 1995. FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro. 3. ed. São Paulo. Scipione. 1992. KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí. UNIJUÍ. 1994. MARINHO, V. de O. Educação Física Humanista. Rio de Janeiro: Shape, 2010. TANI, Go, et al. Educação física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo. E. P. U. 1988. VEIGA, Ilma Passos A. (org.). Repensando a Didática. Campinas SP:Papirus, 2004. É importante ressaltar que dentre esses exemplares bibliográficos, apenas 8 (oito) estão disponíveis na biblioteca da universidade.
  34. 34. 34 2. REFERENCIAIS TEÓRICOS PARA A DISCIPLINA A teoria inicial de currículo afirmava que o mesmo deveria ser neutro, ou seja, dissociado de qualquer ideia politizada. Porém, nos dias atuais, o currículo não tem mais critério universal e também não é fechado em uma única prescritividade, ele deve acompanhar os assuntos contemporâneos que envolvem questões de gênero, sexuais, políticas e culturais. (COSTA, 2003). Com base nisso, é que existem diferentes perspectivas curriculares; umas baseadas na teoria de neutralidade do currículo, que são as teorias curriculares tradicionais e outras ideias compatíveis com COSTA, 2003, como por exemplo, as teorias curriculares críticas e pós-críticas (SILVA, 2004). Destaca-se então não somente a importância do estudo do currículo escolar, mas também de um estudo sobre a didática, que se dará a partir da ideologia curricular existente de cada educador e também de cada escola. Segundo Libâneo (1994, p. 16), a didática é uma disciplina que se fundamenta na Pedagogia e estuda os objetivos, os conteúdos, os meios e as condições do processo de ensino tendo em vista finalidades educacionais. Para este autor, esta disciplina é principal ramo de estudo da pedagogia. Ela investiga os fundamentos, condições e modos de realização da instrução de ensino. Cabendo a ela converter objetivos sócio-políticos e pedagógicos em objetivos de ensino, selecionar conteúdos e métodos em função desses objetivos, estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem, tendo em vista o desenvolvimento das capacidades mentais dos alunos. O processo didático efetiva a mediação escolar de objetivos, conteúdos e métodos das matérias de ensino. Em função disso, a didática descreve e explica os nexos, relações e ligações entre o ensino e aprendizagem; investiga os fatores co-determinantes desses processos; indica princípios; condições e meios de direção do ensino, tendo em vista a aprendizagem, que são comuns ao ensino de diferentes disciplinas de conteúdos específicos. Para isso, recorre às contribuições das ciências auxiliares da Educação e das próprias metodologias específicas. É, pois, uma matéria de estudo que integra e articula conhecimentos teóricos e práticos obtidos nas disciplinas de formação acadêmica, formação pedagógica e formação técnico- prática, provendo o que é comum, básico e indispensável para o ensino de todas as demais disciplinas de conteúdo. (LIBÂNEO, 1994, p. 28) Portanto, a Didática caracteriza-se como a mediação entre as bases teóricas da educação escolar e a prática docente. Ainda segundo Libâneo (1994, p. 74), a didática oferece uma contribuição muito importante à formação dos professores, pois ela sintetiza em seu conteúdo a contribuição do conhecimento de outras disciplinas que deixam claro os fatores
  35. 35. 35 condicionantes do processo de ensino, vinculado com a educação e, ao mesmo tempo, promove conhecimentos específicos necessários para o exercício docente. 3. OBJETIVO DE ESTUDO Este estudo tem como objetivo verificar a materialização desta disciplina fora da universidade. Verificar se os professores tiveram essa disciplina em sua grade curricular de formação, se eles a aplicam na escola, qual a importância da mesma para eles, para seus alunos e para o ambiente escolar entre outras questões. 4. METODOLOGIA Para a presente pesquisa, foi utilizada uma metodologia de caráter qualitativo descritivo com o auxílio de uma entrevista com roteiro semiestruturado aplicados a professores de Educação Física pertencentes às redes municipal, estadual e particular de ensino do município de Campo Grande – MS. Gil (2007) define pesquisa como “o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo de proporcionar respostas aos problemas que são propostos”. Segundo Bogdan e Biklen (1982) apud (LÜDKE, 2005) a pesquisa qualitativa envolve a obtenção de dados descritivos, obtidos no contato direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza mais o processo do que o produto e se preocupa em retratar a perspectiva dos participantes. Conforme Lüdke (2005) as entrevistas semi-estruturadas ou não totalmente estruturadas, combinam perguntas abertas e fechadas, onde o informante tem a possibilidade de discorrer sobre o tema proposto. O pesquisador deve seguir um conjunto de questões previamente definidas, mas ele o faz em um contexto muito semelhante ao de uma conversa informal. 4.1 – QUESTIONÁRIO O questionário aplicado compreende as seguintes questões: - O que se entende por didática? Essa disciplina constava em sua grade curricular? - Como consegue aplicar o que aprendeu nessa disciplina em sua prática pedagógica? - O que entende por teorias curriculares de educação? - Quais teorias você conhece e em qual baseia sua aula? - Conhece o PPP da escola? Participou da sua construção? - Conhece as abordagens metodológicas da educação física? Em qual baseia sua aula?
  36. 36. 36 5. RESULTADOS Para tais constatações, fomos visitar algumas escolas das redes municipal, estadual e particular do município de Campo Grande – MS. - Municipal: Nesse tipo de instituição de ensino, conversamos com dois professores, sendo uma mulher e um homem. Ao conversarmos com uma professora, a mesma disse que teve a disciplina em sua grade curricular, que obteve um conhecimento a respeito das disciplinas, porém que apenas algumas delas se aplicaram na realidade da escola que ela ministra suas aulas. A professora relatou que conseguiu perceber a importância de se fazer um plano de aula e afirmou que não segue uma metodologia específica em suas aulas, porém, tenta captar os benefícios de cada uma delas para sua prática. Em outra escola municipal, o professor afirmou que em sua grade curricular teve apenas a disciplina de didática. Nos disse que não conhecia nenhuma teoria de educação. Foi perguntado a ele como este fazia o plano de aula e o plano de ensino, e este disse que o plano de ensino já vem pronto da REME (Rede Municipal de Ensino) e se o mesmo quiser alterar alguma coisa ele pode. Já com relação as abordagens metodológicas da educação física, ele nos afirmou que em seus planos de aula, faz uma mescla de três abordagens: crítico-emancipatória, crítico-superadora e também uma abordagem dita por ele como tradicional. - Estadual: Nesse tipo de estabelecimento de ensino, conversamos com dois professores. Um dos professores afirmou que teve a disciplina em seu currículo, porém, após sua formação ficou afastado do ambiente escolar e, trabalha hoje apenas com a área de treinamento. Além disso, o professor nos informou que a disciplina só foi importante para sua formação, pois o ensinou a fazer um plano de aula e relatório das mesmas. Ele relatou que se baseia na pedagogia tradicional, afinal sua função de treinador é “depositar” conhecimento em seus alunos. Ao entrevistar outro professor da rede estadual de ensino, em seu relato, ele também afirmou que teve a disciplina, e que a mesma o serviu apenas para ensinar como fazer planejamentos de aula e ainda, disse que isso foi o único conteúdo da mesma que se materializou fora da escola, aliás, não apenas dessa disciplina, das outras também ele afirmou que quase nada se deu no ambiente escolar.
  37. 37. 37 - Particular: Na escola particular, ao conversarmos com uma professora, ela afirmou que a disciplina foi de extrema importância para sua formação. Foi nela, que aprendeu muito do que se podia aplicar na escola, e relata que tem conseguido aplicar muito do que aprendeu, em sua prática pedagógica. A professora firmou que baseia suas aulas em Piaget e na metodologia crítico-superadora, e diz que foi com a ajuda do que aprendeu na universidade que tem conseguido ter uma prática considerada satisfatória dentro da escola. 6 – CONCLUSÃO A partir dos resultados do questionário, pudemos constatar que a disciplina Currículo e Didática em Educação Física na maioria das vezes se materializa fora da Universidade apenas em partes. Somente em um dos relatos, declarou-se que a mesma foi de extrema importância para a formação e atuação em área escolar. Nos outros depoimentos, os professores destacaram sua importância apenas na capacitação para a elaboração de um plano de aula. Acreditamos que é necessária uma maior atenção na elaboração da ementa curricular desta disciplina, pois a mesma ou está se reduzindo apenas ao ensino do plano de aula, ou ministra alguns conteúdos que talvez não sejam de extrema importância para a formação de professores, ou ainda, ela não vem sendo ministrada de maneira satisfatória para os acadêmicos. No entanto, nós como futuros educadores - futuros professores de educação física enfatizamos a importância que a disciplina Currículo e Didática em Educação Física tem para nossa formação, porém não excluímos a possibilidade de uma revisão na maneira como a mesma vem sendo ministrada na Universidade. Ou seja, será de suma importância que os conteúdos nela ministrados realmente se dêem na prática pedagógica, afinal, grande parte de seus conteúdos não tem uma verdadeira aplicabilidade dentro da escola. 7 – REFERÊNCIAS: COEG. Conselho de Ensino de Graduação. Projeto Pedagógico do curso de Educação Física – Licenciatura/Graduação Plena – CCHS/UFMS. COSTA, M. V. O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio De Janeiro: DP&A, 2003. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
  38. 38. 38 LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994. LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza D.A. de. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. SP. Editora Pedagógica Universitária Ltda., 9° reimpressão, 2005. (Coleção Temas Básicos de Educação e Ensino). SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
  39. 39. 39 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL 2011 Fisiologia Humana e do Exercício II Por Priscilla Góes Basílio William de Brito dos Reis
  40. 40. 40 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV Grupo 4 Disciplina : “Fisiologia Humana e do Exercício II” Componentes : Priscilla Góes Basílio, William de Brito dos Reis. Relator : Comentarista : William Eiji Miyagi. CAMPO GRANDE Outubro – 2011
  41. 41. 41 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV “Fisiologia do Exercício” Willian de Brito dos Reis Priscilla Gois Basilio CAMPO GRANDE Novembro – 2011
  42. 42. 42 INTRODUÇÃO Fisiologia do Exercício pode ser definida como a área do conhecimento científico que estuda como o organismo se adapta fisiologicamente ao estresse agudo do exercício, isto é, à atividade física e também ao estresse crônico do treinamento físico (WILMORE & COSTILL, 2001). Esta disciplina consta na matriz curricular do curso de Educação Física da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. De acordo com a estrutura do projeto político pedagógico do curso ela está localizada no eixo curricular com o nome: “Bases anátomo-fisiológicas e da saúde coletiva”. Neste eixo constam ainda as seguintes disciplinas: Anatomia Humana; Anatomia Humana aplicada à Educação Física/Esporte Anatomia Humana; Bases Biológicas para a atividade física; Crescimento e Desenvolvimento Humano; Educação Física, Promoção da Saúde e Saúde Coletiva; Fisiologia Humana; Possuem no total 340 horas e a disciplina Fisiologia do Exercício possui 51 horas. É ministrada pelo professor Dr. Alessandro Moura Zagatto todas as segundas- feiras no bloco VI, das 7:00 até 9:30 da manhã.
  43. 43. 43 EMENTA DA DISCIPLINA Esta disciplina consiste em estudar os comportamentos fisiológicos dos sistemas bioenergético, muscular, nervoso, endócrino, cardiovascular, cardiorrespiratório e termorregulador durante a atividade física. Seu objetivo principal é que por meio destes estudos citados, os graduandos consigam identificar as características fisiológicas das crianças e dos adolescentes, sabendo prescrever exercícios físicos adequados as características fisiológicas nas diferentes faixas etárias. Um aspecto importante da disciplina Fisiologia do Exercício é que para cursá-la você precisa ter feito e ter sido aprovado na disciplina Fisiologia Humana, pois é na Fisiologia Humana que você aprende sobre os sistemas muscular, nervoso, cardiovascular, cardiorrespiratório, renal e imunológico em repouso, ou seja a Fisiologia Humana é uma introdução a Fisiologia do Exercício. Quem se interessa por essa disciplina pode também aprofundar seus conhecimentos sobre a área no Laboratório de Pesquisa em Fisiologia do Exercício(LAPEFE), com a Coordenação do Professor Dr. Alessandro Moura Zagatto, tem por objetivo incentivar a pesquisa para o desenvolvimento de assuntos da área de desempenho e afins visando atingir os objetivos traçados nos diferentes projetos de pesquisa.
  44. 44. 44 FISIOLOGIA DO EXERCICIO E APLICAÇÃO ESCOLAR De acordo com a nossa leitura para a realização deste trabalho, identificando vários pontos que podem ser trabalhados pelo professor de educação física escolar utilizando a fisiologia do exercício, colocamos abaixo alguns deles: Gasto energético: o gasto de energia durante a prática das atividades e dos exercícios físicos. Podemos explicar a diferença dos gastos energéticos em exercícios de alta velocidade, que nesse caso o nosso organismo precisa gerar energia bem rápido para o aluno ter um bom desempenho na atividade e em exercícios aeróbicos de maior duração em que o gasto de energia é mais lento. Neste exemplo podemos também trabalhar com os alunos em forma de trabalhos em grupos e nas aulas teóricas a importância de uma boa alimentação, com nutrientes e vitaminas que irão permitir um bom funcionamento do organismo durante o exercício, seja ele leve, moderado ou pesado; Sistemas energéticos: Explicar quais são os sistemas energéticos e suas diferenças, realizar aulas práticas em que os alunos vivenciem os três sistemas energéticos (ATP CP, glicolítico anaeróbico e oxidativo). Pedir para que eles identifiquem nos exercícios qual sistema energético está predominando e delinear a contribuição de cada um deles para a intensidade e a duração do exercício. Mensuração da Força Muscular: o professor neste caso pode utilizar protocolos e métodos já validados ou tentar validar a padronização de um protocolo. Através da mensuração da força dos alunos, o professor pode ter
  45. 45. 45 valores individuais dos alunos, e trabalhar com todos desenvolvendo exercícios que fortaleçam os músculos, respeitando a individualidade de cada aluno; Fibras do Tipo I do tipo II: Explicar quais são as diferenças desses dois tipos de fibras musculares, como é a atuação delas no exercício. E mostrar exercícios que predominam a utilização das seguintes fibras musculares. Aferição da FC: Ensinar os alunos a aferir a freqüência cardíaca. Todos podem aferir antes do exercício, o professor ministra sua aula prática e após os exercícios, o professor solicita para todos aferirem sua freqüência novamente. No final ele pode citar ou explicar brevemente para os alunos as principais variações fisiológicas que ocorrem no organismo durante o exercício.
  46. 46. 46 VISITA A ESCOLA Visitamos a Escola Estadual Amando de Oliveira, onde realizamos um di[álogo com o professor XX de educação física, onde buscamos a resposta de duas questões essenciais relacionadas a Fisiologia do Exercício na pratica escolar ao Professor de Educação Física. Para isso observam,os uma de suas aula realizada com a turma do 6º ano do ensino fundamental. E após realizamos as seguintes perguntas : 1- Como professor de Educação Física, em que nível você considera importante que os professores da área tenham conhecimento sobre fisiologia do exercício? Porque essa Opinião? R: Muito Importante. O professor deve estar apto a ensinar os princípios básicos da fisiologia do exercício garantindo a pratica de atividades físicas pelo educando de maneira segura e consciente. Nas aulas práticas o conhecimento da fisiologia do exercício possibilita ao professor o monitoramento de possíveis excessos nas atividades propostas garantindo o bem estar e integridade do educando. 2 – Você utiliza os conhecimentos da fisiologia do exercício no planejamento das suas aulas? Se sim, de que forma utiliza esses conhecimentos? R: Sim. No planejamento das aulas teóricas.
  47. 47. 47 CONCLUSÃO De acordo com o exposto neste trabalho, fica claro que necessitamos inter- relacionar as disciplinas ministradas para os alunos em todos os níveis de ensino, para que eles ao saírem da escola possam interagir no mundo com uma compreensão mais critica das coisas. Isso é apenas um pequeno passo a ser dado para uma melhor reflexão sobre os métodos de ensino, onde buscamos que o aluno desenvolva um lado investigativo ao sair da escola. Observação da visita na Escola: Sem querer julgar o professor em questão, mas a resposta da questão 2, nos mostra uma falta de conhecimento em relação a disciplina Fisiologia do exercício, em que afeta infelizmente a maioria dos professores de Educação Física do Brasil. Nós acadêmicos, que seremos futuros professores, temos o dever de mudar essa realidade, aproveitando ao máximo o conhecimento de nossos professores buscando e absorvendo deles o máximo para nos tornarmos professores referência na área e que fazem a diferença no mercado de trabalho.
  48. 48. 48 BIBLIOGRAFIA WILMORE, J. H; COSTILL, D. L. – Fisiologia do esporte e do exercício – Manole, São Paulo, 2001. MCARDLE, WILLIAM D. KATCH, FRANK I. KATCH, VICTOR L. – Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano – Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2008. BIBLIOGRAFIA BASICA DISPONIVEL NA BIBLIOTECA GARRET JR., W. E. & KIRKENDALL, D. T. A ciência do exercício e dos esportes. Porto Alegre: Editora ArtMed, 2003. FOX, E; FOSS, M. L; KETEYIAN, S. J. Bases fisiológicas do exercício e do esporte. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. Este livro está disponível na biblioteca. McARDLE, W; KATCH, F. I; KATCH, V. L. Fisiologia do exercício. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. Todos os livros da bibliografia básica estão disponíveis na biblioteca da UFMS. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR POWERS, S. & HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação do condicionamento físico e do desempenho. 3. ed. São Paulo: Manole, 2001. WILMORE, J. H. & COSTILL, D. Fisiologia do esporte e do exercício. 2. ed. São Paulo: Manole, 2001. LAPIERRE, A. A educação psicomotora na escola. São Paulo: Manole, 1996. Dois dos três livros da bibliografia complementar estão disponíveis na biblioteca da UFMS, o livro A educação psicomotora na escola não está disponível.
  49. 49. 49 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL 2011 História da Educação Física Por Paula Emboava Ortiz Wesley Pereira Rodrigues William Eiji Miyagi
  50. 50. 50 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV Grupo 5 Disciplina : “História da Educação Física ” Componentes : William Eiji Miyagi, Wesley Pereira Rodrigues e Paula Emboava Ortiz. Relator : Comentarista : Eduardo Reis Pieretti. CAMPO GRANDE Outubro – 2011
  51. 51. 51 História da Educação Física 1. INTRODUÇÃO Os acadêmicos do quarto semestre do curso de educação física na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Paula Emboava Ortiz, Wesley Pereira Rodrigues e William Eiji Miyagi, escolheram a disciplina “História da EF brasileira” para desenvolver o trabalho solicitado pelo Professor Gilberto Ribeiro de Araujo Filho, na disciplina “Prática de Ensino IV”. A disciplina “História da EF brasileira” é ministrada pelo Professor José Luiz Finocchio todas as quartas-feiras, na unidade VI, no horário das 10 às 11h40, compreendendo a uma carga semestral de 34 horas. Através do ensino desta disciplina objetiva-se conhecer o processo histórico de constituição do campo acadêmico da educação física e das práticas a ela associadas. Refletir sobre as relações que a educação física estabeleceu com as dimensões sociais, políticas e econômicas brasileiras, ao longo de sua história. Conhecer as diferentes perspectivas identificadas no campo da pesquisa histórica em educação física. No projeto político pedagógico dos acadêmicos que adentraram o curso de educação física da UFMS no ano de 2010, está presente a ementa referente à disciplina supracitada: “Aspectos da historiografia da educação e da educação física nas dimensões sociocultural e econômica e os acontecimentos da história geral e do Brasil que influenciaram os novos paradigmas e tendências da Educação e da educação física”; e o eixo do qual a disciplina faz parte, que possui uma carga horária total de 255 horas, e que é formado pelas seguintes disciplinas: “Fundamentos Histórico/Filosóficos e educação física I”, “Fundamentos Histórico/Filosóficos e educação física II”, “Fundamentos sócio-antropológicos e educação física”, “Sociologia da educação física e do Esporte” e “Trabalho e educação física”. Através deste eixo, pretende-se estudar e conhecer a dimensão da relação entre o ser humano e sociedade – tendo como base os fundamentos da educação física, cultura geral e profissional. Para tanto, o professor José Luiz Finocchio, optou por seguir a seguinte metodologia para alcançar os objetivos traçados e fazer cumprir o eixo e a ementa traçados no projeto político pedagógico do curso: 1- Concepções de política. 2- Filosofias e o contexto educacional brasileiro. 3- Tendências pedagógicas na pratica escolar. 4- A ginástica no século XIX ou o nascimento da educação física. 5- Ginástica higiênica, educação atlética: médicos e militares na constituição da educação física moderna. 6- A constituição das teorias pedagógicas da educação física.
  52. 52. 52 Para fundamentar-se teoricamente, foram utilizados os referenciais abaixo citados: AMARILIO, F. N., Pesquisa Histórica na Educação Física Brasileira. Vitória, UFES, v.1 (5v.), 1996. ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Temas de Filosofia. São Paulo: Moderna, 2005. p. 299 a 314. AZEVEDO, A. C. B. de; MALINA, A. Memória do Currículo de Formação Profissional em Educação Física no Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 25, set. 2008. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/231/233. Acesso em: 01 Ago. 2011. BETTI, I. R.; MIZUKAMI, M. da G. N. História de vida: trajetória de uma professora de educação física. Motriz, Rio Claro, v. 3, n. 2, p. 108-115, dez. 1997.Disponível: http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/03n2/3n2_ART07.pdf. Acesso: 01 Ago. 2011. BLOCH, M. Apología para la Historia o el Ofício de Historiador. Mexico: Instituto Nacional de Antropologia e Historia, 1996. BRACHT, V. A constituição das teorias pedagógicas da Educação Física. In: Cadernos Cedes, ano XIX, nº 48, Agosto/99. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v19n48/v1948a05.pdf. Acesso em: 01 Ago. 2011. GOELLNER, S. O Método Francês e Militarização da Educação Física na Escola Brasileira. In: FERREIRA NETO, AMARILIO, Pesquisa Histórica na Educação Física Brasileira. Vitória, UFES, pp.123-143, 1996. HEROLD JUNIOR, C. A Educação Física Na História do pensamento educacional: apontamentos. Guarapuava – PR: Unicentro/ABEU, 2008. p.85 a 108. Disponível: http://www.fundacaoaraucaria.org.br/projetos/projetos07-2007/12405-Livro.pdf. Acesso: 01 Ago. 2011. LUCENA, R. F., O Esporte na Cidade. Campinas, Autores Associados, 2001 LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez: 1993. p. 53 a 75. MARINHO, I. P., História da Educação Física no Brasil. São Paulo, Companhia Brasil Editora, [s.d.]. _______________. Sistemas e Métodos de Educação Física. [s.l.], [s.d.]. MORENO, A. O Rio de Janeiro e o Corpo do Homem Fluminense: o não Lugar da Ginástica Sueca. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, v.25, n.1, set/2003, pp.55-68.
  53. 53. 53 NIELSEN NETO, H. Filosofia da Educação. São Paulo: Melhoramentos, 1988. p. 69 a 101. OLIVEIRA, M. T. de. Educação física escolar e ditadura militar no Brasil (1968-1984): Entre a adesão e a resistência. REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, América do Norte, 25, set. 2008. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/223/225. Acesso em: 01 Ago. 2011. SANTANA, D. B. Corpo e História in: Cadernos de Subjetividade. São Paulo, PUC-SP, 1993, v.1, n.1, pp.243-266. SCHNEIDER, O. FERREIRA NETO, A.. Intelectuais, Educação e Educação Física: um olhar historiográfico sobre saude e escolarização no Brasil. REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, América do Norte, 27, ago. 2008. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/75/81. Acesso em: 01 Ago. 2011. Algumas destas obras podem ser encontradas na biblioteca central da UFMS, no Campus de Campo Grande, outras podem ser acessadas pela internet, e outras não foram encontradas, abaixo exemplificadas na figura 1. Figura 1: Disponibilidade dos livros e artigos utilizados como referenciais: Disponív eis na biblioteca ARANHA, 2005; HEROLD JUNIOR, 2008; LUCKESI, 1993; SOARES, 2001; MARC BLOCH, 1996; Disponív eis on-line AZEVEDO, 2008; BRACTH, 2008; SCHNEIDER, 2008; TABORDA DE OLIVEIRA, 2011; A MODERNIDADE CHEGA A VAPOR (FILME); BETTI, 2011; LORENZ, 2009; MORENO, 2003; Não disponíveis NIELSEN NETO, 1988; FERREIRA NETO, 1996; LUCENA, 2001; GOELLNER, 1996; SANTANA, 1993. Fonte: Consulta realizada pelos autores do presente estudo – Campo Grande, 2011 O presente estudo é apenas uma parte do projeto da disciplina “Prática de Ensino IV”, que destaca a necessidade de embasamento teórico para a construção do projeto político pedagógico, com sua ementa e, também, para a construção teórico- metodológica da disciplina concomitantemente com seu plano de ensino, pois a grade
  54. 54. 54 curricular do curso de educação física da UFMS é composta por oito semestres enumerados do “I” ao “VIII”, que tem como objetivo principal realizar a materialização de todas as demais disciplinas do curso para posterior reflexão e prática no âmbito escolar. A reflexão sobre o que deve ser ministrado nestas disciplinas ainda é confuso devido ao fato de que não há um planejamento progressivo que vincule tais disciplinas. Isso pode acabar prejudicando a formação dos acadêmicos que acabam por vezes tendo conteúdos que não são vinculados com as prévias disciplinas de “Prática de Ensino”, nem com conteúdos aplicáveis na prática. Esta disciplina deveria ter como ponto de partida a atual situação em que os professores de educação física, já formados, se encontram, sendo que: Temos em mente um professor sufocado pelas limitações materiais da escola, pelos baixos salários, pela desvalorização de sua profissão e do seu trabalho, mas sempre esperançoso em transformar sua prática, sedento do saber, inquieto por conhecer e suprir o que não lhe foi propiciado no período de sua formação profissional (COLETIVO DE AUTORES, 1992, p. 17). Para que a sua graduação lhe possibilite tornar-se um professor melhor preparado e mais consciente dos problemas que encontrarão em sua prática nas escolas, além de se tornar consciente da importância da sua prática como professor formador de alunos conscientes de sua realidade, seus direitos e deveres como cidadão e ainda da sua importância na construção do projeto político pedagógico e sua participação dentro da escola valorizando-se como professor de educação física dentro da escola ou qual seja seu local de trabalho, as oito disciplinas de prática de ensino deveriam cumprir com seu objetivo principal de transdiciplinariedade durante todos os semestres da graduação em educação física, materializados na prática do aluno em seu estágio e posteriormente em suas aulas, quando formado. O presente estudo teve o objetivo de verificar a aplicação da disciplina “História e Educação Física Brasileira” nas aulas de educação física em algumas escolas municipais, estaduais e particulares do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Acreditamos que a disciplina descrita anteriormente tem, possivelmente, aplicabilidade mais próxima à prática do professor de educação física do que propriamente do aluno. Porém, a verificação através da aplicação de um questionário a alguns professores atuantes na educação básica pode contribuir com o entendimento e verificação da hipótese levantada acima, podendo também, contribuir com a observação dos parâmetros encontrados para um planejamento mais fidedigno às necessidades dos graduandos (futuros professores), além de fazer acontecer o objetivo proposto pelas disciplinas “Práticas de Ensino”.
  55. 55. 55 2. OBJETIVOS: 2.1) Geral: Verificar se, e como ocorre a materialização da disciplina “História da educação física brasileira” nas aulas de educação física do ensino básico em escolas do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. 2.2) Específico: Analisar a aplicabilidade da disciplina “História da educação física brasileira”, nas aulas de educação física do ensino básico, em escolas do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Analisar as respostas às entrevistas semiestruturadas e diálogos realizados com professores que participarem. 3. METODOLOGIA O trabalho foi desenvolvido através da aplicação de uma entrevista semi- estruturada feita com base em tópicos e questões pertinentes as necessidades do estudo (Tomar, 2007; Mattos, 2005). Foram aplicados os questionários a professores de educação física do ensino básico, atuantes em escolas públicas, de Campo Grande, Mato Grosso do sul, sendo que três professores responderam o questionário elaborado (anexos ao final do trabalho). Primeiramente, foi elaborado um roteiro com as principais questões sobre o assunto que serviu de base para o diálogo com os entrevistados. As entrevistas foram realizadas nas respectivas escolas, onde o professor atuante respondia as questões de forma que suas dúvidas sobre as mesmas eram esclarecidas imediatamente. Posteriormente, as entrevistas foram analisadas verificando-se a reprodutibilidade da disciplina na prática, a quem era relevante (professor ou aluno) no ponto de vista do professor e as principais necessidades a respeito da ementa da disciplina na formação de professores (graduação). As questões pré-definidas utilizadas no presente estudo podem ser observadas na figura 2.
  56. 56. 56 Figura 2: Assuntos contidos no Questionário 1, pré-definido para coleta de dados. 4. RESULTADOS E COMENTÁRIOS Escola 1 O devido questionário foi aplicado em uma escola estadual em um bairro periférico de Campo Grande. Conforme a professora, o Ensino fundamental – séries iniciais é o espaço correspondente ao nível de educação com o que trabalha. A professora considera importante para a formação do professor de Educação Física, que este conheça a historia da Educação Física brasileira, porém não sabe qual a importância da disciplina para a formação do professor de Educação Física por não ter tido essa disciplina em seu curso de graduação. Em relação à pergunta de considerar haver alguma importância de ter-se este conhecimento para realizar a sua pratica pedagógica, a professora não soube responder, por mais que tenha afirmado que sim. A professora ainda diz que não utiliza a história da educação física brasileira na sua prática docente nas escolas e que esse conteúdo ministrado na graduação não atende as necessidades práticas do professor de Educação Física. Agora nos perguntamos: Como ela poderia afirmar isso, já que não teve a disciplina em sua graduação? Quanto aos conteúdos, a professora considera fundamental para o seu pensar e sua prática pedagógica das aulas de Educação física o esporte, jogos, dança. Convém destacar que, segundo a professora, as aulas de Educação Física devem promover a conscientização da higienização dos alunos. Escola 2 A escola 2 é da rede estadual de ensino, localizada próxima a UFMS. A professora de Educação Física atuava no Ensino Fundamental, tanto nas séries iniciais quanto nas finais. Ela considerou que a disciplina é importante para a formação do professor de Educação Física e é necessária para que se tenha um conhecimento de como foi o processo histórico da mesma e seu desenvolvimento. Quanto à importância em relação à prática pedagógica, a professora respondeu: “Considero importante, pois a nossa prática é baseada no estudo, na nossa própria vivência como aluno e, em seguida, nossa prática como profissional.” Considerou que a prática pedagógica necessita de “estudo”, ou seja, embasamento teórico e conhecimento do processo histórico para atuação profissional. Assuntos Aplicação prática da disciplina A quem diz respeito Necessidades
  57. 57. 57 E ainda, parece destacar a importância da vivência durante a graduação para que se tenha melhor atuação profissional. Ela diz utilizar a disciplina na prática docente, pois “não tem como excluir porque faz parte até da nossa história como aluno, mas aminha prática docente acontece em várias linhas e abordagens, ora uma ora outra.”. Neste aspecto, devido ao fato de necessitar de métodos de ensino, a professora parece recorrer ao conhecimento da disciplina (História da Educação Física) para entender as abordagens e métodos que irá utilizar. Portanto, quanto à opinião sobre o que deveria ser ministrado nessa disciplina, a professora considerou que as abordagens críticas devem ser ministradas de forma a atender todos os conteúdos como “saúde, esporte, jogos, visão crítica dos esportes, atividades rítmicas, dança e outros...”. Escola 3 Na escola 3, a professora era substituta e dava aulas para o ensino fundamental – séries iniciais. É Localizada próxima a UFMS e pertence à rede Estadual de Ensino. A professora substituta era responsável pela parte de treinamento esportivo de um projeto da escola e disse não ter concluído a licenciatura ainda, mas no presente estudo consideramos seus dados importantes devido ao fato de que ela está sempre atuando na Educação Física escolar, seja no treinamento esportivo ou dando aulas de substituição. Mesmo ainda não tendo concluído a graduação em licenciatura, a professora disse considerar importante a disciplina História da Educação Física Brasileira: “Conhecer como a História da Educação Física se iniciou e sua evolução para que possamos desenvolver com mais eficácia nosso aprendizado enquanto acadêmicos.”. A professora parece querer dizer que para entendermos a Educação Física atualmente, devemos conhecer seu passado para que possamos atuar conscientes e desenvolvê-la. Foi o que pareceu também na resposta relacionada com a prática pedagógica (questão 5): “Com o conhecimento podemos desenvolver melhor uma aula e sempre estar evoluindo a prática da Educação Física.” Nas questões 6 e 8 a professora respondeu que não utiliza o conhecimento da disciplina em suas aulas e que não atende as necessidades do professor de Educação Física. Tendo por base que a professora não concluiu a graduação ainda e não cursou a disciplina, podemos talvez entender que a mesma não conhece os conteúdos da disciplina (História da Educação Física) e talvez não saiba onde poderia ser aplicado. Ou ainda, ela parece considerar importante devido a resposta da questão 9: “Acredito que todos conteúdos ministrados nas faculdades de Educação Física são de suma importância para uma melhor formação.”
  58. 58. 58 5. DISCUSSÃO Os resultados apresentados demonstram que a disciplina “História da Educação Física Brasileira” parece ser importante na prática pedagógica do professor de Educação Física. Apenas a escola visitada número dois tinha uma professora que parece ter cursado a disciplina durante a graduação e mostrou ter conhecimento de como os conteúdos da disciplina se materializam na prática pedagógica, citando a importância desses conhecimentos no momento de escolher e entender os métodos de ensino. Um dado interessante em nosso estudo foi que todas as professoras tinham consciência de que a disciplina era importante para a prática do ensino da Educação Física. Porém, duas delas não haviam cursado esta disciplina durante a graduação, mas pareciam saber a relevância dos conteúdos enquanto docentes. O que não conseguiram responder foi a questão de como os conteúdos da disciplina poderia atender as reais necessidades dos professores de Educação Física, talvez por entender a história apenas como fatos, e não associando com a realidade em que se encontra. De acordo com Pereira (2006): “Conhecendo a história é possível contextualizar uma determinada prática pedagógica e situa-la na linha evolucionária da disciplina. Isso não nos permitirá julgar se uma prática está certa ou errada, mas nos dará argumentos para afirmar se ela está desatualizada ou aplicada fora de contexto.” (Pereira, 2006; pág 9) Seguindo esta linha de pensamento podemos dizer que a história poderia nos ajudar a entender a atual situação da Educação Física Escolar e nos daria embasamento para entender novas propostas de Ensino, discuti-las e transformá-las. Além disso, poderia nos ajudar a ter uma proposta pedagógica “individual” que nos permitirá ter uma visão de mundo, de homem, de ser humano. “Todo educador deve ter definido o seu projeto político-pedagógico. Essa definição orienta a sua prática no nível de sala de aula: a relação que estabelece com seus alunos, o conteúdo que seleciona para ensinar e como o trata científica e metodologicamente, bem como os valores e a lógica que desenvolve nos alunos.” (Coletivo de Autores, 1992; pág 26). Em relação à materialização da disciplina, os dados coletados parecem indicar que os conteúdos da disciplina tem mais relevância para o professor. É claro que isso será consequentemente relevante ao aluno também, pois o professor terá um melhor embasamento teórico quanto à prática pedagógica, melhorando assim o processo de ensino-aprendizagem.
  59. 59. 59 6. CONCLUSÃO Podemos concluir que a disciplina “História da Educação Física Brasileira” tem grande importância na prática pedagógica do professor de Educação física. A materialização parece ocorrer em todo processo, desde o planejamento das aulas até a avaliação. Isso porque os dados coletados demonstram uma necessidade de o professor entender o atual processo histórico e desenvolver sua prática de acordo com aquilo que já foi produzido e tentar modificar, se necessário. Porém, estudos com mais professores e com mais escolas, incluindo escolas particulares, são necessários para um melhor esclarecimento da materialização da disciplina, assim como todas as outras, e investigar a atual situação da Educação Física Escolar para que o planejamento da Licenciatura em Educação Física da UFMS tenha melhor embasamento quanto às disciplinas “Prática de Ensino”. 7. REFERÊNCIAS COEG. Conselho de Ensino de Graduação. Projeto Pedagógico do curso de Educação Física – Licenciatura/Graduação Plena – CCHS/UFMS. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física –. São Paulo: Cortez, 1992. MATTOS, P; LINCOLN, C. L.: A entrevista não-estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise. Rev. Adm. Publica: 39(4):823-847, jul-ago. 2005. PEREIRA, MM; MOULIN, AFV. Educação Física para o Profissional Provisionado. Brasília: CREF7, 2006. p:4-241. TOMAR, M. S. A entrevista semi-estruturada. Mestrado em Supervisão pedagógica. (Edição 2007/2009) da Universidade Aberta. .
  60. 60. 60 ANEXO 1: QUESTIONÁRIO UTILIZADO NO PRESENTE ESTUDO Questionário 1, pré-definido para coleta de dados. QUESTIONÁRIO 1. Marque um X no espaço correspondente ao tipo de escola em que atua: ( ) Particular. ( ) Municipal ( ) Estadual 2. Marque um X no espaço correspondente ao nível de educação com o que trabalha: ( ) Educação infantil. ( ) Ensino fundamental – séries iniciais. ( ) Ensino fundamental – séries finais ( ) Ensino médio 3. Considera importante para a formação do professor de Educação Física (EF), que este conheça a história da EF brasileira? ( ) Sim ( ) Não 4. Se marcou sim na questão anterior, qual a importância da disciplina para a formação do professor de EF? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 5. Considera haver alguma importância de ter-se este conhecimento para realizar a sua prática pedagógica? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 6. Utiliza a história da EF brasileira na sua prática docente nas escolas? ( ) Sim ( ) Não 7. Se sim na pergunta 4, de que maneira ocorre? _______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________
  61. 61. 61 8. Na sua opinião,esse conteúdo ministrado na graduação atende as necessidades práticas do professor de EF? ( ) Sim ( ) Não 9. Quais conteúdos considera serem fundamentais para o seu pensar e prática pedagógica das aulas de EF? _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________
  62. 62. 62 Anexo 2: Questionário correspondente a escola 3.
  63. 63. 63 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL 2011 Políticas Educacionais e Organização da Educação Física Por Eduardo Reis Pieretti
  64. 64. 64 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Trabalho de Prática de Ensino IV Grupo 6 Disciplina : “POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA, ESPORTE E LAZER” Componentes : : Eduardo Reis Pieretti Relator : Eduardo Reis Pieretti Comentarista : Elvis de Souza Malta CAMPO GRANDE Outubro – 2011

×