Instituto Superior da Maia  Análise Curricular e Metodologia                   em Educação FísicaAnálise dos Programas de ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                     2012Instituto Superior da Maia  Análise Curricular ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física              2012Rafael José Silva                                     ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física              2012                                        ÍNDICE1. INTRO...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física              20121. INTRODUÇÃO       O presente trabalho enquadra-se no...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física              20122. CONSIDERAÇÕES GERAIS2.1 A Disciplina de Educação Fí...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                2012com (Bento, 1987), uma formação abrangente, a adquir...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                      2012de acidentes na prática desportiva; primeiros ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                    2012indispensáveis a qualquer aprendizagem, facilita...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                        2012um desenvolvimento saudável durante o resto ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                     20123. O PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                            2012                        ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                             2012realizar(-se). Neste en...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                           2012- Receber a bola com as d...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                           2012- Deslocar-se em toda a á...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                          2012        * Deslocamentos em...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                        2012                            ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                              2012                      ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                             2012- Nadar um percurso de ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                          2012· Patinar com equilíbrio e...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                           2012                         ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                           2012Em equilíbrio elevado, na...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                               2012- Coopera com os comp...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física               2012letivos, de 90 minutos cada, sendo a carga horária di...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                             2012em consideração na elab...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física               20123.2 Programas de Educação Física do Ensino Primário -...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física               2012       Esta área, que tem no corpo e movimento humano...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                          2012educação em saúde e educaç...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                            2012positiva, faz assim, se ...
Análise Curricular e Metodologia – Educação Física                                 2012Higiene básica, desportivo cuidado ...
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Rafael  nº4110-turma e (1)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rafael nº4110-turma e (1)

1.560 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Rafael nº4110-turma e (1)

  1. 1. Instituto Superior da Maia Análise Curricular e Metodologia em Educação FísicaAnálise dos Programas de Educação Física de Portugal e Espanha Rafael José Silva Nº 4110 – Turma Eª Castêlo da Maia, Outubro de 2012[Escrever texto]
  2. 2. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012Instituto Superior da Maia Análise Curricular e Metodologia em Educação FísicaAnálise dos Programas de Educação Física de Portugal e Espanha Trabalho do Curso de Mestrado em Ciências da Educação Física e desporto – Especialização em Ensino da Educação Física nos Ensino Básico e Secundário, sob a orientação do Prof. Doutor Alberto Albuquerque. Castêlo da Maia, Outubro de 2012Rafael José Silva Página 2
  3. 3. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012Rafael José Silva Página 3
  4. 4. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 ÍNDICE1. INTRODUÇÃO2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 62.1 A Disciplina de Educação Física 62.2 Importância da Educação Física nos Anos Inicias 83. O PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 103.1 Programas de Educação Física do 1º e 2º ciclo – Portugal 113.2 Programas de Educação Física do Ensino Primário – Espanha 254. COMPARAÇÃO DOS PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃOFÍSICA ENTRE PORTUGAL E ESPANHA 455. CONCLUSÃO 486. BIBLIOGRAFIA 49Rafael José Silva Página 4
  5. 5. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 20121. INTRODUÇÃO O presente trabalho enquadra-se no âmbito do Trabalho do Curso deMestrado em Ciências da Educação Física e desporto – Especialização emEnsino da Educação Física nos Ensino Básico e Secundário, base dar respostaa um desafio proposto pelo professor da cadeira de Análise Curricular e vai nosentido de realizar uma análise dos programas de Educação Física Portuguêse de outro país da Europa dos vários níveis de ensino ou de um determinadociclo de ensino. Os programas selecionados, são os de Portugal e de Espanha ao níveldo 1º e 2º Ciclo Ensino Básico Português e do Ensino Primário Espanhol.Podendo-se constatar o que ocorre em cada país, apontando similaridades ediferenças, exigindo assim um exercício crítico que permita recolherinformações das peculiaridades dos processos de ensino aprendizagem nosdois países. Perante esta condição, procuro ao longo desta análise, adotar umaatitude crítica, mas construtiva, no sentido do enriquecimento enquantopedagogo e contribuir deste modo para uma nova metodologia, que sepretende facilitadora e enriquecedora das aprendizagens. É minha intenção apresentar uma grelha e descrição/interpretação decada um dos programas e posteriormente uma comparação/ justaposição dosprogramas, que corrobore o que atrás foi dito. De forma, a que seja ao mesmotempo seja um instrumento de consulta permanente para o que nóspreconizamos enquanto professores de Educação Física nas escolasportuguesas. Considerando, pois, de extrema importância o conhecimento de outrasrealidades, com a perspetiva de alargarmos os nossos conhecimentos econseguirmos algum fio condutor.Rafael José Silva Página 5
  6. 6. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 20122. CONSIDERAÇÕES GERAIS2.1 A Disciplina de Educação Física Existe professores e investigadores, com um entendimento alargado sobrea disciplina de Educação Física. De acordo com este entendimento, aEducação Física:-É uma disciplina escolar que se desenvolve num espaço e num tempopróprios a escola. E porque é uma disciplina escolar, é inclusiva, é para todosos alunos. Por isso, nenhum aluno deve ser excluído da sua prática.-É uma disciplina centrada no domínio das atividades desportivas socialmentesignificativas. Domínio assume, aqui, dois significados:-Significa o conjunto das atividades desportivas diferenciadas segundo as suascaracterísticas (jogos desportivos, ginástica, atletismo, desportos de raquetas,patinagem, atividades expressivas/dança, jogos tradicionais, atividades deexploração da natureza, etc.);-Significa a apropriação pelos alunos quer das atividades desportivas, querdas capacidades físicas e psicológicas, das competências, dos conhecimentose dos valores solicitados e desenvolvidos pela participação naquelas mesmasatividades (Bento, 1989). Nesta perspetiva e ainda segundo o mesmo autor, as atividades desportivasdevem ser sempre e simultaneamente consideradas num duplo sentido: comofim, porque cada uma constitui uma matéria de ensino que deve ser aprendidana sua especificidade; e como meio porque cada uma oferece tambémpossibilidades do aluno adquirir, desenvolver e/ou aperfeiçoar capacidades,competências, conhecimentos, valores, atitudes, interesses e motivações. Na disciplina de Educação Física não se trata apenas de exercitar asfunções biológicas do corpo à margem das formas reais das práticasdesportivas. Mas acima de tudo, de formar os alunos no desporto (no futebol,na natação, no atletismo, etc.) para os dotar de competência e de capacidadede ação num conjunto tão alargado quanto possível de práticas/modalidadesdesportivas (Bento, 1989).- É uma disciplina que tem como função principal a formação desportiva de“base geral”. Por formação desportiva de “base geral” entende-se, de acordoRafael José Silva Página 6
  7. 7. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012com (Bento, 1987), uma formação abrangente, a adquirir por todos os alunos,que constitua as bases para uma ulterior formação desportiva especializada.- É uma disciplina que tem como objetivo geral o desenvolvimento progressivoda competência desportiva dos alunos, entendida como um sistema que integratrês grandes grupos de elementos. O primeiro grupo, designado por domínio motor, é constituído por doisconjuntos de elementos: o conjunto das habilidades motoras, subdividido emhabilidades motoras fundamentais (andar correr, saltar, lançar, agarrar, etc.) esuas múltiplas combinações, (correr/saltar, correr/lançar, correr/driblar, etc.) eem técnicas desportivas (técnicas das diferentes modalidades desportivas). Ashabilidades motoras fundamentais devem constituir objeto de ensino dominanteno 1º Ciclo do Ensino Básico e as técnicas desportivas no 2º e 3º ciclo; e oconjunto das capacidades físicas que integra as capacidades coordenativas(orientação, diferenciação, reação, equilíbrio e ritmo), a desenvolver de formadominante nos primeiros seis anos de escolaridade e as capacidadescondicionais (força, resistência, velocidade e flexibilidade), a trabalhar de formasistemática a partir do 5º ano de escolaridade. O segundo grupo, designado por domínio cognitivo, diz respeito àaquisição de conhecimentos associados direta ou indiretamente às atividadesdesportivas. Com este grupo de objetivos visa-se a formação de competênciasinerentes à organização, à condução e à avaliação da prática desportiva.Segundo (Bento, 1989), o momento, devem corresponder à especificidade demotivos e interesses próprios de cada ciclo de ensino. Ainda de acordo comaquele autor, nos anos iniciais e intermédios, devem ser transmitidosconhecimentos referentes à manutenção da saúde (importância da exercitação,relação entre desporto e saúde, importância do contacto com a natureza,regras de higiene a respeitar na prática desportiva). Paralelamente àtransmissão destes conhecimentos, são também necessárias informaçõesrespeitantes aos comportamentos táticos, às habilidades técnicas, às regras enormas de competição nas diferentes modalidades desportivas programáticas(sempre a par da sua abordagem prática). Nos anos terminais (10º, 11º e 12ºanos), a transmissão de conhecimentos deve reforçar a capacitação dos alunospara a prática desportiva autónoma, privilegiando-se os seguintes aspetos:valor e lugar do desporto na sociedade; métodos e meios de treino; prevençãoRafael José Silva Página 7
  8. 8. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012de acidentes na prática desportiva; primeiros socorros na atividade desportiva;organização e animação desportivas. O terceiro grupo, denominado domínio sócio-afetivo, diz respeito àformação de regras, valores, atitudes, comportamentos, interesses enecessidades, tais como pontualidade, assiduidade, interesse, empenhamento,cooperação, integração no grupo, respeito pelas regras, professor,companheiros e materiais, etc. – imprescindíveis à formação moral e social. O desenvolvimento sistemático de todo o referido conjunto dehabilidades e capacidades motoras, de conhecimentos, de atitudes, de valorese de motivos, indispensável quer à apropriação das atividades desportivas,quer à participação ao longo de toda a escolaridade e de toda a vida nessasmesmas atividades surge, pois, como o objetivo fundamental da disciplina deEducação Física. Logo, a Educação Física é uma disciplina escolar centrada no domíniodas atividades desportivas, mas não se esgota na atividade desportiva.Também persegue objetivos e tem influências noutras áreas, nomeadamentena área da formação moral e social e na área da saúde. Enquanto disciplinaescolar que é, deve proporcionar a todos os alunos oportunidades deaprendizagem e desenvolvimento no quadro da prática das atividadesdesportivas e, simultaneamente, no quadro da aquisição de conhecimentos, dequalidades de carácter, de valores e de motivações para a prática desportivaautónoma.2.2 Importância da Educação Física nos Anos Inicias Os primeiros anos de ensino, corresponde a uma fase decisiva doprocesso de desenvolvimento das crianças. Trata-se de um momento favorávelà viabilização das aprendizagens características dessas idades, tãoimportantes pelo seu valor em si, como também, pelo suporte a aprendizagensfuturas. As aprendizagens motoras objetivadas nos programas do 1º cicloPortuguês e Ensino Primário Espanhol, possibilitam um bom desenvolvimentoe controlo psicomotor e um bom equilíbrio emocional e são basesRafael José Silva Página 8
  9. 9. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012indispensáveis a qualquer aprendizagem, facilitando a progressão ematividades que exijam maior capacidade de concentração. A qualidade dos benefícios que os jovens retiram da Educação Física(EF) escolar nas fases posteriores, é condicionada pela qualidade darealização da EF nos anos iniciais. Ao longo de todos estes anos, a Educação Física desempenhou umpapel importante no sistema educativo, sofreu inúmeras mudanças positivas aonível de mentalidades; estrutura, organização; material… mas a sociedademudou os hábitos desportivos dos Portugueses também. No entanto, em plenoséculo XXI ainda existem escolas com falta de material e infra-estruturasadequadas. Adorada por muitos, a disciplina continua a ser renegada e menosvalorizada comparativamente com todas as outras (Sofia, 2010). Segundo (Ramírez, 2000), além de investigações teóricas,conhecimentos gerais, básicos no campo do ensino, é uma parte muitoimportante da construção de conhecimento na Educação Física atual é o dodesenvolvimento da praticar dos próprios professores, através da inovação A educação física, é componente curricular obrigatório, estandolegalmente reconhecida e faz parte do desenvolvimento global do individuo. Aescola é a instituição, que oferece condições para que ocorra asaprendizagens. Sendo que, estas condições, não corresponde as reaisnecessidades da mesma, visto que a escola ainda continua com um sistema deensino em que as crianças permanecem sentadas recebendo informações, aopasso que elas necessitam de atividades estimulantes, em que, existammovimentos, explorações, experiências, descobertas, pois só assim irãoaprender dentro dos seus interesses. Cabe a educação física, como parteintegrante do sistema, proporcionar situações de vivência corporal para que acriança adquira experiências de vivência corporal. A Educação Física nos AnosIniciais do Ensino constitui numa prática de grande importância para odesenvolvimento da criança e a escola, enquanto meio educacional deveoferecer a oportunidade de uma ótima prática motora, pois ela é essencial edeterminante no processo de desenvolvimento geral da criança. Segundo(Gallahue & Ozmun, 2001), a escola, muitas vezes, é o espaço onde, pelaprimeira vez, as crianças vivem situações de grupo e não são mais o centrodas atenções, sendo que as experiências vividas nesta fase darão base paraRafael José Silva Página 9
  10. 10. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012um desenvolvimento saudável durante o resto de sua vida. O conhecimentodas habilidades motoras básicas, possibilitam aos profissionais de EducaçãoFísica ou áreas afins relacionadas ao movimento humano, sejam mais efetivosno diagnóstico de todas as incapacidades desenvolvimentistas e naprogramação de experiências motoras significativas (Rodrigues, 2005). Odomínio das habilidades motoras fundamentais é básico para odesenvolvimento motor das crianças. Certos movimentos locomotores como:correr, pular, girar ou manipulativos como: arremessar, apanhar, chutar,impedir são exemplos de habilidades motoras fundamentais dominadas pelacriança, de início. Estes movimentos, adquiridos gradualmente, combinam-se eaperfeiçoam-se, por meio de uma série de aprendizagens, tornando-se numasequência de habilidades desportivas As habilidades motoras precisam serdesenvolvidas, mas devem estar claras quais as consequências cognitivas,sociais e afetivas. Sem se tornar uma disciplina auxiliar de outras, a EducaçãoFísica precisa garantir que as ações físicas e as noções lógico-matemáticasque a criança usará nas atividades escolares e fora da escola possam seestruturar adequadamente (Freire & Scaglia, 2007). A Educação Física é umcomponente curricular imprescindível na contribuição do fortalecimento doorganismo, melhorando o estado da saúde, propiciando o desenvolvimento dehabilidades úteis à vida, criando hábitos culturais de higiene.Rafael José Silva Página 10
  11. 11. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 20123. O PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA O programa é um documento fundamental de desenvolvimento daEducação Física. Constitui a referência geral que procura assegurar acoerência da atividade dos professores e dos alunos entre os diferentes anosde escolaridade, entre turmas e entre escolas. Por isso é um documento queos professores devem conhecer muito bem, nomeadamente a sua filosofia, asua estrutura e as suas principais características. O programa da disciplina de Educação Física consta, basicamente, deuma listagem de objetivos, competências, critérios de avaliação. Quebasicamente se definem: - Objetivos gerais e Objetivos específicos. Os objetivos gerais dizem respeito às capacidades, conhecimentos,atitudes e valores a desenvolver em cada ciclo de escolaridade. Estes sãoobjetivos transversais que cruzam todos os blocos programáticos e que sãoalcançáveis apenas a médio ou longo prazo. Os objetivos específicos traduzem, em termos concretos, ascompetências a desenvolver pelos alunos em cada ano e em cada área oubloco programático. São objetivos alcançáveis a curto ou médio prazo.3.1 Programas de Educação Física do 1º e 2º ciclo – PortugalRafael José Silva Página 11
  12. 12. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 EXPRESSÃO FÍSICO MOTORA – EDUCAÇÃO FÍSICA – 1º CICLO PRINCÍPIOS ORIENTADORES1. Como se sabe, os períodos críticos das qualidades físicas e das aprendizagens psicomotoras fundamentais situam-se até ao final do 1.o Ciclo. A falta de atividade apropriada traduz-se em carências frequentemente irremediáveis. Poroutro lado, o desenvolvimento físico da criança atinge estádios qualitativos que precedem o desenvolvimento cognitivoe social. Assim, a atividade física educativa oferece aos alunos experiências concretas, necessárias às abstrações eoperações cognitivas inscritas nos Programas doutras Áreas, preparando os alunos para a sua abordagem ouaplicação. Estas evidências justificam a importância crucial desta Área, no 1.o Ciclo, como componente inalienável daEducação. O conteúdo deste Programa assegura, também, condições favoráveis ao desenvolvimento social dacriança, principalmente pelas situações de interação com os companheiros, inerentes às atividades (matérias) própriasda E. F. e aos respetivos processos de aprendizagem. Além disso, a realização deste programa proporciona umcontraste com a sala de aula que pode favorecer a adaptação da criança ao contexto escolar. Nesse contraste,restabelece-se o equilíbrio das experiências escolares, aproximando-as do ritmo e estilo da atividade própria dainfância, tornando a escola e o ensino mais apetecíveis.2. Importa salientar a relação que deverá existir entre o programa e a prática pedagógica:— Estes programas nãoforam concebidos como a única fonte de inspiração dos professores, mas como a referência geral que permite garantira coordenação e coerência da atividade dos alunos em anos seguintes e entre turmas e escolas diferentes. —Enquanto referência, são suficientemente «abertos» para admitir outras possibilidades e alternativas, «por dentro epara além» das orientações que estabelecem.Do ponto de vista das necessidades de desenvolvimento multilateral das crianças, a principal exigência que o currículoreal dos alunos deve satisfazer é a continuidade e a regularidade de atividade física adequada, pedagogicamenteorientada pelo seu professor.O Programa desenha um «continuum» de desenvolvimento pessoal, através das experiências (atividade do aluno) queestão indicadas pelos seus efeitos desejáveis (objetivos).Estes efeitos ou benefícios desta Área estão explicitados sinteticamente em capacidades gerais, visadas no conjuntodos quatro anos (objetivos gerais da E. E. F. M.), coerentes com as finalidades da E. F. de todo o ensino básico. Essascapacidades encontram-se especificadas a seguir, em objetivos mais concretos, «situados» num (ou vários) anos decurso, expressando, em termos de habilidades, as competências das crianças (nas matérias selecionadas),características daquelas capacidades. Assim, os professores encontram neste Programa as principais competênciaspsicomotoras, nas matérias de cada uma das sete áreas da E.E. F. M., numa progressão harmoniosa e flexível, do 1.oao 4.o ano. Estas competências são acessíveis a todas as crianças e admitem diferentes modos (ou qualidades) deexecução e aperfeiçoamento. Ao selecionar e organizar as atividades da turma para promover esses efeitos (ocurrículo real), o Professor deverá considerar as aptidões dos alunos, os seus interesses e as características dadinâmica social da turma, de acordo, evidentemente, com os objetivos e também com os recursos atribuídos a cadaescola para viabilizar esses objetivos.3. Algumas áreas específicas da E. E. F. M. surgem com características que convém esclarecer. Em Deslocamentos eEquilíbrios e Perícias e Manipulações (1.o e 2.o anos) encontram-se competências representativas das açõesmotoras fundamentais, cujo domínio permite à criança desta idade estruturar a sua disponibilidade de adaptação aosprincipais tipos de atividade física. Esta melhoria das qualidades percetivo motoras não só culmina uma etapa dodesenvolvimento da criança, como constitui a base necessária, no momento oportuno, para aprendizagens maiscomplexas, indicadas pelos objetivos dos anos seguintes.Certas áreas são especificadas com maior abertura do que outras, quando os professores podem optar por umavariedade de alternativas para obter efeitos idênticos (o caso da área de Jogos, particularmente nos 1.o e 2.o anos) ouquando fatores subjetivos, como a expressividade, são essenciais (é o caso das Atividades Rítmicas Expressivas). ANatação é, toda ela, apresentada em alternativa, pois não nos pareceu exequível, a médio prazo, a garantia dos meiosnecessários na maioria das escolas. Nas situações (turmas ou escolas) em que essa atividade for possível,recomendamos que seja considerada prioritária. Importa ainda esclarecer que a inclusão de uma área designada porJogos não significa que nela se pretende reduzir todas as situações de carácter ou «tonalidade» lúdica (prova,exploração, experiência de superação). Pelo contrário, o conjunto das experiências da criança na E. E. F. M. deve terum carácter lúdico, numa atitude e ambiente pedagógico de exploração e descoberta de novas possibilidades de ser eRafael José Silva Página 12
  13. 13. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012realizar(-se). Neste entendimento, reconhecem-se na atividade lúdica das crianças determinadas formas típicas dainfância (ou introduzidas pelo professor, preparatórias das etapas seguintes de desenvolvimento). Foram estas«formas» que considerámos na área de Jogos.4. Interessava traçar um plano de «perspetiva» do desenvolvimento das crianças, e foi isso que tentámos fazer numduplo sentido: — Perspetiva de realização das potencialidades de adaptação oferecidas pela infância. Assim,procurámos explicitar os modos de atuação correspondentes às prioridades gerais de desenvolvimento multilateral e deestruturação do comportamento motor. — Perspetiva de valorização pedagógica da expectativa das crianças de serem«já» capazes de tarefas mais ousadas e aliciantes, próximas dos feitos que os mais velhos exibem, brincando edescobrindo, nessas brincadeiras, novas capacidades e dificuldades a vencer. OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS COMUNS A TODOS OS BLOCOS1. Elevar o nível funcional das capacidades condicionais e coordenativas:Resistência Geral; Velocidade de Reação simples e complexa de Execução de ações motoras básicas, e de Deslocamento; Flexibilidade; Controlo de postura; Equilíbrio dinâmico em situações de «voo», de aceleração e de apoio instável e/ou limitado; Controlo da orientação espacial; Ritmo; Agilidade. 2. Cooperar com os companheiros nos jogos e exercícios, compreendendo e aplicando as regras combinadas na turma, bem como os princípios de cordialidade e respeito na relação com os colegas e o professor. 3. Participar, com empenho, no aperfeiçoamento da sua habilidade nos diferentes tipos de atividades, procurando realizar as ações adequadas com correção e oportunidade. OBJECTIVOS POR BLOCO4. Realizar ações motoras básicas com aparelhos portáteis, segundo uma estrutura rítmica, encadeamento oucombinação de movimentos, conjugando as qualidades da ação própria ao efeito pretendido de movimentação doaparelho.5. Realizar ações motoras básicas de deslocamento, no solo e em aparelhos, segundo uma estrutura rítmica,encadeamento, ou combinação de movimentos, coordenando a sua ação para aproveitar as qualidades motoraspossibilitadas pela situação.6. Realizar habilidades gímnicas básicas em esquemas ou sequências no solo e em aparelhos, encadeando e oucombinando as ações com fluidez e harmonia de movimentos.7. Participar em jogos ajustando a iniciativa própria e as qualidades motoras na prestação às possibilidades oferecidaspela situação de jogo e ao seu objetivo, realizando habilidades básicas e ações ténico-táticas fundamentais, comoportunidade e correção de movimentos.8. Patinar com equilíbrio e segurança, ajustando as suas ações para orientar o seu deslocamento com intencionalidadee oportunidade na realização de percursos variados.9. Combinar deslocamentos, movimentos não locomotores e equilíbrios adequados à expressão de motivos ou temascombinados com os colegas e professor, de acordo com a estrutura rítmica e melodia de composições musicais.10. Escolher e realizar habilidades apropriadas em percursos na natureza, de acordo com as características do terrenoe os sinais de orientação, colaborando com os colegas e respeitando as regras de segurança e preservação doambiente. PERÍCIA E MANIPULAÇÃO - 1º ANO Concurso Individual Concurso a Pares- Rolar a bola, nos membros superiores e nos membrosinferiores (deitado) unidos e em extensão, controlando oseu movimento pelo ajustamento dos segmentoscorporais; - Cabecear um “balão” lançado por companheiro,- Lançar a bola em precisão a um alvo, por baixo e por posicionando-se num ponto de queda da bola, para cima, com uma e ambas as mãos; agarrar a seguir com o mínimo de deslocamento;Rafael José Silva Página 13
  14. 14. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012- Receber a bola com as duas mãos, após lançamento à parede, evitando que caia ou toque outra parte do corpo;- Rolar o arco no solo, segundo o eixo vertical, saltando - Passar a bola a um companheiro, com as duas mãos para dentro dele antes que finalize a sua rotação; (passe de peito e/ou picado consoante a posição e/ou- Driblar com cada uma das mãos, em deslocamento, deslocamento. Receber a bola com as duas mãos parado controlando a bola para manter a direcção desejada. e em deslocamento.- Pontapear a bola em precisão a um alvo, com um e outro pé;- Pontapear a bola em distância, para além de uma zona ou marca, com um e outro pé;- Realizar toques de sustentação de um “balão” com os membros superiores e a cabeça, posicionando-se no ponto de queda da bola. ACTIVIDADES DE DESLOCAMENTOS E EQUILÍBRIOS – 1ºano Percurso (Várias Habilidades)- Utilizar o próprio corpo em habilidades gerais e variadas de deslocamento com equilíbrio;- Rastejar deitado dorsal e ventral em todas as direções movimentando-se com o apoio das mãos e ou dos pés;- Rolar sobre si próprio em posições diferentes, direções e dois sentidos;- Saltar sobre obstáculos de alturas e comprimentos variados, com chamada a um pé , com receção equilibrada nosolo;- Saltar para um plano superior, após chamada a pés juntos, apoiando as mãos para se sentar, ou apoiar os pés ou osjoelhos;- Cair voluntariamente no colchão e no solo, partindo de diferentes posições, rolando para amortecer a queda;- Saltar de um plano superior com receção equilibrada no colchão;- Subir para um plano superior, apoiando-se as mãos e elevando a bacia para apoiar um dos joelhos, mantendo osbraços em extensão;- Deslocar-se para a frente, para os lados e para trás sobre superfícies reduzidas e elevadas, mantendo o equilíbrio; JOGOS – 1º ano- Praticar jogos infantis, cumprindo as suas regras, selecionando e realizando com intencionalidade e oportunidade asações características desses jogos designadamente: * Posições de equilíbrio; * Deslocamentos em corrida com “finta” e “mudanças de direção” e de velocidade; * Combinações de apoios variados associados com corrida, marcha e voltas; * Lançamento de precisão e à distância; * Pontapés de precisão e à distância. PERCURSOS NA NATUREZA– 1º ano - Realizar percursos na natureza, etc..., com o acompanhamento do professor, em corrida e em marcha, combinando as seguintes habilidades: correr, marcha em espaço limitado, transpor obstáculos, trepar, etc..., mantendo a perceção da direção do ponto de partida e indicando-a quando solicitado. ACTIVIDADES RITMICAS E EXPRESSIVAS - 2º ANO Exploração Individual Exploração em Pares- Realizar movimentos não locomotores e locomotores, dissociando a ação das diversas partes do corpo, - Em situação de exploração do movimento a pares:- Combinar habilidades motoras nas diferentes formas de locomoção, com sentido de orientação espacial; * Utilizar movimentos locomotores e não locomotores , equilíbrios, também o contacto com- Acentuar determinado estímulo com movimentos o parceiro, “conduzindo” a sua ação, “facilitando” locomotores e não locomotores dissociando os e “esperando” por ele se necessário; diversos níveis;Rafael José Silva Página 14
  15. 15. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012- Deslocar-se em toda a área nas diferentes formas de * Seguir a movimentação do companheiro, locomoção: realizando as mesmas ações com as mesmas qualidades de movimento *Combinar o andar, saltitar, saltar, cair, rodopiar, etc, em todas as direções e sentidos definidos pela orientação corporal; *Realizar saltos de pequena amplitude, no lugar, a andar e a correrem diferentes direções, trajetórias e sentidos definidos pela orientação corporal, variando apoios; *Utilizar combinações pessoais de movimentos locomotores e não locomotores para expressar a sua sensibilidade e temas sugeridos pelo professor, que inspirem diferentes modos e qualidades de movimento PERÍCIA E MANIPULAÇÃO - 2º ANO Concurso Individual Concurso Individual ou Estafeta- Rolar a bola, nos membros superiores e nos membros inferiores (deitado) unidos e em extensão, controlando - Driblar alto e baixo, com a mão esquerda e direita, em o seu movimento pelo ajustamento dos segmentos deslocamento, sem perder o controlo da bola; corporais;- Lançar a bola em precisão a um alvo móvel, por baixo e por cima, com cada uma e ambas as mãos; - Conduzir a bola dentro dos limites duma zona definida,- Impulsionar uma bola de espuma para a frente e para mantendo-a próxima dos pés. cima, posicionando-a para a “Bater” com a outra mãos acima do plano da cabeça, numa direção determinada;- Pontapear a bola em distância, para além de uma zona/marca, com um e outro pé, dando continuidade ao Concurso a Pares movimento da perna e mantendo o equilíbrio;- Realizar toques de sustentação de uma bola de espuma com uma e outra das faces de uma raquete, a alturas - Receber a bola, controlando-a com o pé direito ou variadas, com e sem ressalto da bola no chão, parado esquerdo, e passá-la colocando-a ao alcance do e em deslocamento; companheiro;- Saltar à corda no lugar e em progressão, com coordenação global e fluidez de movimentos;- Lançar o arco na vertical e recebê-lo, com as duas - Fazer toques de sustentação para o companheiro, coma mãos; as mãos, antebraço e ou cabeça, posicionando-se no- Passar a bola por dentro de um arco e rolar no chão, ponto de queda da bola, para a devolver. sem o derrubar;- Cabecear a bola (lançada por um companheiro), posicionando-se num ponto de queda da bola, para agarrar a seguir com o mínimo de deslocamento. ACTIVIDADES DE DESLOCAMENTOS E EQUILÍBRIOS – 2ºano Percurso (Várias Habilidades)- Utilizar o próprio corpo em habilidades gerais e variadas de deslocamento com equilíbrio;- Rastejar deitado dorsal e ventral em todas as direções movimentando-se com o apoio das mãos e ou dos pés;- Rolar sobre si próprio em posições diferentes, direções e dois sentidos;- Saltar sobre obstáculos de alturas e comprimentos variados, com chamada a um pé , com receção equilibrada nosolo;- Saltar para um plano superior, após chamada a pés juntos, apoiando as mãos para se sentar, ou apoiar os pés ou osjoelhos;- Cair voluntariamente no colchão e no solo, partindo de diferentes posições, rolando para amortecer a queda;- Saltar de um plano superior com recepção equilibrada no colchão;- Subir para um plano superior, apoiando-se as mãos e elevando a bacia para apoiar um dos joelhos, mantendo osbraços em extensão;- Deslocar-se para a frente, para os lados e para trás sobre superfícies reduzidas e elevadas, mantendo o equilíbrio; JOGOS – 2º ANO- Praticar jogos infantis, cumprindo as suas regras, selecionando e realizando com intencionalidade e oportunidade asações características desses jogos designadamente: *Posições de equilíbrio;Rafael José Silva Página 15
  16. 16. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 * Deslocamentos em corrida com “finta” e “mudanças de direção” e de velocidade; * Combinações de apoios variados associados com corrida, marcha e voltas; * Lançamento de precisão e à distância; * Pontapés de precisão e à distância. ACTIVIDADES RITMICAS E EXPRESSIVAS - 3º ANO Exploração Individual Exploração em Pares- Realizar movimentos não locomotores e locomotores, dissociando a ação das diversas partes do corpo,- Combinar habilidades motoras nas diferentes formas de - Em situação de exploração do movimento a pares: locomoção, com sentido de orientação espacial;- Acentuar determinado estímulo com movimentos locomotores e não locomotores dissociando os diversos níveis;- Deslocar-se em toda a área nas diferentes formas de * Utilizar movimentos locomotores e não locomoção: locomotores , equilíbrios, também o contacto com *Combinar o andar, saltitar, saltar, cair, o parceiro, “conduzindo” a sua ação, “facilitando” rodopiar, etc, em todas as direções e sentidos e “esperando” por ele se necessário; definidos pela orientação corporal; *Realizar saltos de pequena amplitude, no lugar, a andar e a correrem diferentes direções, * Seguir a movimentação do companheiro, trajetórias e sentidos definidos pela orientação realizando as mesmas ações com as mesmas corporal, variando apoios; qualidades de movimento. *Utilizar combinações pessoais de movimentos locomotores e não locomotores para expressar a sua sensibilidade e temas sugeridos pelo professor, que inspirem diferentes modos e qualidades de movimento JOGOS - 3º ANO- Cooperar com os companheiros procurando realizar as ações favoráveis ao cumprimento das regras e do objetivo do jogo. Tratar os colegas de equipa e os adversários com igual cordialidade e respeito, evitando ações que ponham em risco a sua integridade física;- Se tem a bola, passar a um companheiro que esteja liberto, respeitando o limite dos apoios estabelecidos;- Receber ativamente a bola com as duas mãos, quando esta lhe é dirigida ou quando a intercetar;- Receber a bola com as duas mãos, enquadrando-se ofensivamente e passar a um companheiro desmarcado;- Em posse de bola, passar a um companheiro ou rematar, de acordo com as posições dos jogadores. Criar condições favoráveis a estas ações, utilizando fintas de passe ou de remate;- Criar linhas de passe para receber a bola deslocando-se e utilizando fintas, se necessário;- Cabecear a bola (coma testa), em posição frontal à baliza após passe com as mãos de um companheiro, acertando na baliza;- Marcar o adversário escolhido quando a sua equipa perde a bola;- Desmarcar-se após passe e para se libertar do defensor, criando linhas de passe, ofensivas de apoio procurando o espaço livre. Aclarar o espaço de penetração do jogador com a bola;- Como Guarda-Redes, enquadrar-se com a bola para impedir “golo/ponto”. Ao recuperar a bola, passar a um jogador desmarcado. GINÁSTICA - 3º ANO- Realizar a cambalhota à frente e à retaguarda;- Executar combinações e posições de equilíbrio estático;- Efetuar salto ao eixo e salto coelho;- Manipular o arco, corda e a bola;- Realizar o rolamento, lançamento do arco, lançamento da corda e o lançamento da bola;- Efetuar o salto à corda no lugar e em deslocamento;- Efetuar a roda;- Executar posições de flexibilidade;- Realizar o apoio facial invertido - pino de cabeça.Rafael José Silva Página 16
  17. 17. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 ACTIVIDADES RITMICAS E EXPRESSIVAS - 4º ANO Exploração Individual Exploração em Pares- Realizar movimentos não locomotores e locomotores, dissociando a ação das diversas partes do corpo,- Combinar habilidades motoras nas diferentes formas de - Em situação de exploração do movimento a pares: locomoção, com sentido de orientação espacial;- Acentuar determinado estímulo com movimentos locomotores e não locomotores dissociando os * Utilizar movimentos locomotores e não diversos níveis; locomotores , equilíbrios, também o contacto com- Deslocar-se em toda a área nas diferentes formas de o parceiro, “conduzindo” a sua acção, “facilitando” locomoção: e “esperando” por ele se necessário; *Combinar o andar, saltitar, saltar, cair, rodopiar, etc, em todas as direções e sentidos definidos pela orientação corporal; * Seguir a movimentação do companheiro, *Realizar saltos de pequena amplitude, no realizando as mesmas ações com as mesmas lugar, a andar e a correrem diferentes direções, qualidades de movimento. trajetórias e sentidos definidos pela orientação corporal, variando apoios; *Utilizar combinações pessoais de movimentos locomotores e não locomotores para expressar a sua sensibilidade e temas sugeridos pelo professor, que inspirem diferentes modos e qualidades de movimento GINÁSTICA - 4º ANO- Realizar a cambalhota à frente e à retaguarda;- Executar combinações e posições de equilíbrio estático;- Efetuar salto ao eixo e salto coelho;- Manipular o arco, corda e a bola;- Realizar o rolamento, lançamento do arco, lançamento da corda e o lançamento da bola;- Efetuar o salto à corda no lugar e em deslocamento;- Efetuar a roda;- Executar posições de flexibilidade;- Realizar o apoio facial invertido - pino de cabeça. JOGOS - 4º ANO- Cooperar com os companheiros procurando realizar as ações favoráveis ao cumprimento das regras e do objetivo do jogo. Tratar os colegas de equipa e os adversários com igual cordialidade e respeito, evitando ações que ponham em risco a sua integridade física;- Se tem a bola, passar a um companheiro que esteja liberto, respeitando o limite dos apoios estabelecidos;- Receber ativamente a bola com as duas mãos, quando esta lhe é dirigida ou quando a intercetar;- Receber a bola com as duas mãos, enquadrando-se ofensivamente e passar a um companheiro desmarcado;- Em posse de bola, passar a um companheiro ou rematar, de acordo com as posições dos jogadores. Criar condições favoráveis a estas ações, utilizando fintas de passe ou de remate;- Criar linhas de passe para receber a bola deslocando-se e utilizando fintas, se necessário;- Cabecear a bola (coma testa), em posição frontal à baliza após passe com as mãos de um companheiro, acertando na baliza;- Marcar o adversário escolhido quando a sua equipa perde a bola;- Desmarcar-se após passe e para se libertar do defensor, criando linhas de passe, ofensivas de apoio procurando o espaço livre. Aclarar o espaço de penetração do jogador com a bola;- Como Guarda-Redes, enquadrar-se com a bola para impedir “golo/ponto”. Ao recuperar a bola, passar a um jogador desmarcado.Rafael José Silva Página 17
  18. 18. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 PATINAGEM – 3º E 4º ANO- Patinar com equilíbrio e segurança, ajustando as suas ações para orientar o seu deslocamento com intencionalidadee oportunidade na realização de percursos variados.- Em patins, cumprindo as regras de segurança própria e dos companheiros, realizar com coordenação global e fluidezde movimentos, percursos, jogos de perseguição ou estafetas em que se combinem as habilidades aprendidasanteriormente e as seguintes:- ARRANCAR para a frente, para a esquerda e para a direita, apoiando o patim na direção desejada e impulsionando-se pela colocação do peso do corpo sobre esse apoio, coordenando a acção dos membros inferiores com a inclinaçãodo tronco. - DESLIZAR para a frente sobre um apoio, fletindo a perna livre (com o patim à altura do joelho da outra perna)mantendo a figura e o controlo do deslocamento em equilíbrio («Quatro»).- DESLIZAR para trás com os patins paralelos, após impulso inicial de um colega ou na parede.- DESLIZAR para a frente e também para trás, afastando e juntando respetivamente as pontas dos pés e oscalcanhares (desenhando um encadeamento de círculos).- CURVAR com «CRUZAMENTO DE PERNAS», cruzando a perna do lado de fora da curva e realizando esse apoio àfrente e «por dentro» do apoio anterior.- TRAVAR em (ou após passar a) DESLIZE PARA TRÁS apoiando o travão no solo e ficando em condições de iniciarnovo deslize.- TRAVAR DE LADO, com os patins paralelos e afastados, levando o patim de «fora» a descrever uma curva maisampla, colocando o peso do corpo no patim de dentro e pressionando o patim de «fora» contra o solo, até àimobilização total.- . «MEIA-VOLTA», em deslocamento para a frente ou para trás, invertendo a orientação corporal e continuando odeslize no mesmo sentido.- Em concurso ou exercício individual, DESLIZAR com os dois pés sobre o «skate» após impulso de um ou outro pé,realizando um trajeto com mudanças de direção e curvas, mantendo o equilíbrio. NATAÇÃO - OPCIONALNÍVEL INTRODUTÓRIO1. Em piscina com pé, em situação de exercício ou de jogo, utilizando objetos variados flutuantes e submersos:1.1. Coordenar a inspiração e a expiração em diversas situações simples com e sem apoios, fazendo a inspiração curtae a expiração completa ctiva e prolongada só pela boca, só pelo nariz e, simultaneamente pelas duas vias.1.2. Flutuar em equilíbrio, em diferentes posições partindo de apoio de pés e mãos para a flutuação vertical e horizontal(facial e dorsal). Combinar as posições de flutuação em sequências (coordenando essas mudanças com osmovimentos da cabeça e respiração): vertical-horizontal, horizontal facial-dorsal.1.3. Associar o mergulho às diferentes posições de flutuação abrindo os olhos durante a imersão para se deslocar comintencionalidade em tarefas simples (apanhar objetos, seguir colegas, etc.), a vários níveis de profundidade.1.4. Deslocar-se em flutuação, coordenando as acções propulsivas das pernas e braços com a respiração emdiferentes planos de água e eixos corporais, explorando a resistência da água e orientando-se com intencionalidadepara transportar, receber e passar objectos, seguircolegas, etc.1.5. Saltar para a piscina, partindo de posições e apoios variados (pés, pés e mãos, joelhos, frontal e lateral),mergulhando para apanhar um objecto no fundo e voltar para uma posição de flutuação.NÍVEL ELEMENTAR- Em piscina com pé, em situação de exercício ou de jogo:- Coordenar e combinar a inspiração e a expiração em diversas situações propulsivas complexas de pernas e debraços (percursos aquáticos, situações de equilíbrio com mudanças de direção e posição e outras situações inabituais).- Realizar os modos de respiração dos estilos «crol» e «costas», associado aos movimentos propulsivos.- Coordenar a expiração com a imersão, em exercícios de orientação, equilíbrio, propulsão, respiração e saltorealizados nos planos de água superficial, médio e profundo.- Deslocar-se em posição dorsal e ventral, diferenciando as fases de entrada das mãos, trajeto propulsivo erecuperação de acordo com os estilos de «costas» e «crol», com ritmo e velocidade adequados aos movimentospropulsivos de braços e pernas e posição da cabeça, coordenadas com a respiração nos respetivos estilos.- Saltar de cabeça a partir da posição de pé (com e sem ajuda) fazendo o impulso com extensão do corpo e entrandona água em trajetória oblíqua.- Saltar a partir de pé (para zona baixa e profunda), entrando na água o mais longe possível, executando diferentesrotações em trajetória aérea, sobre os eixos longitudinal e transversal.NÍVEL AVANÇADO- Nadar um percurso de 50 metros no estilo «crol», com amplitude de movimentos e continuidade das ações motoras,cumprindo as seguintes exigências técnicas:- manter a elevação do cotovelo até à entrada da mão na água no prolongamento do ombro e o mais longe possível,iniciando de imediato o trajeto propulsivo, com saída da mão ao nível da coxa,- realizar os batimentos de pernas sem quebra de ritmo no momento da inspiração;- efetuar a respiração com rotação da cabeça (sem elevação exagerada),inspiração no final da puxada e expiração completa durante a imersão da cabeça.Rafael José Silva Página 18
  19. 19. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012- Nadar um percurso de 50 metros no estilo de «costas», com amplitude de movimentos e continuidade das açõesmotoras, mantendo a cabeça no prolongamento do corpo evitando a imersão exagerada da bacia, cumprindo asseguintes exigências:- realizar a entrada da mão na água, no prolongamento do ombro, pelo dedo mínimo e com o braço em extensãocompleta;- realizar o movimento de pernas a partir da coxa, com extensão ativa da perna e pé na fase ascendente;- realizar a inspiração no momento em que um dos braços inicia a fase aérea, prolongando a expiração até ao final dotrajeto propulsivo do membro superior, mantendo fixa a posição da cabeça.- Nadar um percurso de 50 metros no estilo de «bruços», mantendo a amplitude de movimentos e continuidade dasações motoras, cumprindo as seguintes exigências:- evitar a paragem do movimento entre a fase propulsiva (que se inicia com braços em extensão completa) e a fase derecuperação. Durante a fase de «tração» manter os braços fletidos, elevando os cotovelos, sem ultrapassar a linha dosombros;- manter os joelhos mais juntos que os calcanhares, evitando o seu afundamento. Extensão completa e ativa daspernas na fase propulsiva, fletindo os pés para oferecerem maior superfície ao «empurrar a água»;- inspirar no final da acção propulsiva dos braços, sem bloquear os movimentos das pernas e braços.- Nadar 25 metros no estilo «mariposa», mantendo a amplitude e continuidade das ações motoras, cumprindo asseguintes exigências:- entrada das mãos na água (à largura dos ombros e com elevação dos cotovelos) após imersão da cabeça. Posiçãodas mãos por forma a oferecer a maior superfície de contacto e saída ao nível das coxas. Aceleração progressiva domovimento dos braços até ao final do trajeto propulsivo;- movimento de pernas com início na bacia, com dois batimentos por cada ciclo de braços (forte na fase descendente efraco na fase ascendente);- inspiração à saída dos braços da água com elevação da cabeça à frente e expiração na primeira metade do trajetosubaquático dos braços.- Iniciar as provas ou percursos com partida em salto, cumprindo a trajetória aérea em «arco» e entrando na água porforma a deslizar o mais longe possível, de acordo com o estilo que vai nadar (deslize profundo em «bruços», superficiale intermédio em «mariposa», «crol» e «costas»).- Nos percursos ou situações de prova, utilizar as técnicas de viragem de acordo com a especificidade do estilo queestá a nadar, aproximando-se rapidamente da parede e fazendo a viragem por forma a orientar o seu corpocorretamente, permitindo o deslize adequado ao reinício do estilo.- Nadar um percurso de 4 25 estilos com partida do bloco e execução correcta das viragens, coordenando arespiração e apresentando uma posição hidrodinâmica definida, executando corretamente as ações propulsivasespecíficas dos estilos de «costas», «bruços», «mariposa» e «crol». PROGRAMA EDUCAÇÃO FÍSICA – 2º CICLO OBJECTIVOS GERAIS OBJECTIVOS COMUNS A TODAS AS ÁREAS· Participar ativamente em todas as situações e procurar o êxito pessoal e do grupo:o Relacionando-se com cordialidade e respeito pelos seus companheiros, quer no papel de parceiros quer no deadversários;o Aceitando o apoio dos companheiros nos esforços de aperfeiçoamento próprio, bem como as opções do(s) outro(s) eas dificuldades reveladas por eles;o Cooperando nas situações de aprendizagem e de organização, escolhendo as ações favoráveis ao êxito, segurançae bom ambiente relacional, na atividade da turma.· Analisar e interpretar a realização das atividades físicas selecionados, aplicando os conhecimentos sobre técnica,organização e participação, ética desportiva, etc.· Conhecer e aplicar cuidados higiénicos, bem como as regras de segurança pessoal e dos companheiros, e depreservação dos recursos materiais.· Elevar o nível funcional das capacidades condicionais e coordenativas gerais básicas, particularmente da ResistênciaGeral de Longa Duração; da Força Rápida; da Velocidade de Reação Simples e Complexa, de Execução, deFrequência de Movimentos e de Deslocamento; da Flexibilidade; da Força Resistente (esforços localizados) e dasDestrezas Geral e Direcionada.· Conhecer os processos fundamentais das adaptações morfológicas, funcionais e psicológicas, que lhe permitemcompreender os diversos fatores da Aptidão Física. OBJECTIVOS POR ÁREA· Cooperar com os companheiros para o alcance do objetivo dos Jogos Desportivos Coletivos, desempenhando comoportunidade e correção as ações solicitadas pelas situações de jogo, aplicando a ética do jogo e as suas regras.· Compor e realizar, da Ginástica, as destrezas elementares de solo, aparelhos e mini-trampolim, em esquemasindividuais e ou de grupo, aplicando os critérios de correção técnica e expressão, e apreciando os esquemas de acordocom esses critérios.· Realizar, do Atletismo, saltos, corridas e lançamentos, segundo padrões simplificados, e cumprindo corretamente asexigências elementares técnicas e regulamentares.· Realizar, da Luta, as ações de oposição direta solicitadas, utilizando as técnicas fundamentais de controlo edesequilíbrio, com segurança (própria e do opositor), aplicando as regras e os princípios éticos.Rafael José Silva Página 19
  20. 20. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012· Patinar com equilíbrio e segurança, ajustando as suas ações para orientar o seu deslocamento com intencionalidadee oportunidade na realização de sequências rítmicas, percursos ou jogos.· Interpretar sequências de habilidades específicas elementares da Dança, em coreografias individuais e ou em grupo,aplicando os critérios de expressividade considerados, de acordo com os motivos das composições.· Praticar atividades lúdicas tradicionais populares de acordo com os padrões culturais característicos da região ecooperar com os companheiros para o alcance do objetivo dos jogos elementares, utilizando com oportunidade asações ténico-táticas características.· Utilizar as habilidades apropriadas, em percursos de natureza, de acordo com as características do terreno eobstáculos, orientando-se pela interpretação dos sinais da carta e do percurso, apoiando os colegas e respeitando asregras, de segurança e de preservação da qualidade do ambiente. APTIDÃO FISICA OBJECTIVO GERAL- Elevar o nível funcional das capacidades físicas gerais básicas, articularmente da Resistência Geral de LongaDuração; da Força Rápida; da Velocidade de acção Simples e Complexa, de Execução, de Frequência deMovimentos e de Deslocamento; a Flexibilidade; da Força Resistente (esforços localizados) e das DestrezasGeral e Direcionada.- Conhecer os processos fundamentais das adaptações morfológicas, funcionais e psicológicas, que lhepermitem compreender os diversos fatores da Aptidão Física. APTIDÃO FISICAResistência:- Realizar ações motoras globais de longa duração (acima dos oito minutos com o máximo de intensidade naqueletempo, sem diminuição nítida de eficácia, resistindo à fadiga e recuperando com relativa rapidez após o esforço.Força:- Ações motoras, vencendo resistências de fracas a ligeiras, em máxima velocidade de contração muscular: Um saltohorizontal a pés juntos na máxima distância, partindo da posição de parado e com pés paralelos, atingindo ouultrapassando o nível de prestação definido. (SF – distância mínima de 1 metro; SM- distância mínima de 1,3 metros).- Ações motoras de contração muscular localizada, para vencer resistências, de carga fraca a ligeira, com grandevelocidade em cada acção, em esforços de duração relativamente prolongada, opondo-se à instalação da fadiga, semdiminuição nítida de eficácia: - Flexões de braços com apoio dos joelhos no solo, partindo da posição deitado facial no solo, atingindo ou ultrapassando o nível de prestação definido. (SF – mínimo de 10; SM – mínimo 18). - Flexões de tronco partindo da posição de deitado de dorsal, atingindo ou ultrapassando o nível de prestação definido. (SF – mínimo de 15; SM – mínimo de 18).Velocidade:- Reage, o mais rapidamente possível e com eficácia, a um sinal, iniciando ações motoras globais ou localizadas, emsituação de seleção, combinação ou correção de resposta.- Realiza ações motoras acíclicas, com a máxima velocidade, sem perda de eficácia dos movimentos.- Realiza ações motoras cíclicas, com a máxima velocidade em cada execução singular, sem perda de eficácia dosmovimentos.- Realiza ações motoras globais cíclicas, percorrendo curtas distâncias no menor tempo possível, sem perda deeficácia:- Realiza uma corrida de velocidade na distância de 40 m, no menor tempo possível, atingindo o nível de prestaçãodefinido (SF – 8,5 sg / SM – 7,5 sg)Flexibilidade:- Realiza ações motoras com grande amplitude, à custa de elevada mobilidade articular e elasticidade muscular,contribuindo para a qualidade de execução dessas ações: SF – Realizar flexão do tronco/frente, mantendo os MI estendidos e em extensão completa tocando com as mãos nas pontas dos pés. SM - Realizar flexão do tronco/frente, mantendo os MI estendidos e em extensão completa tocando com as na zona dos tornozelos.Destreza:- Realiza movimentos de deslocamento no espaço associados a movimentos segmentares, com ou sem deslocamentocom alternância de ritmos e velocidade, s em combinações complexas, globalmente bem coordenadas:- Realizar ações motoras acíclicas no teste adotado pelo Departamento, no menos tempo possível, atingindo o nível deprestação definido (SF – 12,5 sg; SM – 11,5 sg). ATLETISMORafael José Silva Página 20
  21. 21. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 OBJECTIVO GERALRealizar, do Atletismo, saltos, corridas e lançamentos, segundo padrões simplificados, e cumprindocorretamente as exigências elementares técnicas e regulamentares. ATLETISMO – NÍVEL INTRODUÇÃO- Coopera com os companheiros, admitindo as indicações que lhes dirigem e cumprindo as regras que garantam ascondições de segurança e a preparação, arruinarão e preservação do material.- Efectua uma corrida de velocidade (40 m), com partida de pé. Acelera até à velocidade máxima, mantendo umaelevada frequência de movimentos; realiza apoios ativos sobre a parte anterior do pé, com extensão da perna deimpulsão e termina sem desaceleração nítida.- Salta em comprimento com a técnica de voo na passada, com corrida de balanço (seis a dez passadas) e impulsãonuma zona de chamada (sem redução nítida de velocidade). Elevação enérgica da coxa da perna livre na impulsão,mantendo em elevação durante o voo e queda a pés juntos na caixa de saltos.- Salta em altura com técnica de tesoura, com quatro a seis passadas de balanço. Apoio ativo e extensão completa daperna de impulsão com elevação enérgica e simultânea dos braços e da perna de balanço; transposição da fasquiacom pernas em extensão e receção em equilíbrio no colchão de quedas ou caixa de saltos.- Lança a bola (tipo hóquei ou ténis) dando três passadas de balanço em aceleração progressiva, com o braço fletido eo cotovelo mais alto que o ombro (na direção do lançamento). FUTEBOL OBJECTIVO GERAL- Desenvolver e consolidar os elementos técnicos fundamentais da modalidade. Ensinar elementos tático- técnicos. Aplicar regras como jogador e como árbitro. Fomentar hábitos de entre ajuda e espírito de grupo. FUTEBOL – NÍVEL ELEMENTAR NÍVEL ELEMENTAR GINÁSTICA - SOLORealizar uma sequência de exercícios no solo (em colchões), que combine as seguintes destrezas:- Rolamento à frente, terminando na mesma direção do ponto de partida, em equilíbrio, com pernas unidas e fletidas;- Rolamento à retaguarda, com repulsão dos braços na fase final, terminando em equilíbrio, na direção do ponto departida, com as pernas unidas e fletidas- Apoio invertido de cabeça, com o alinhamento dos segmentos do corpo, mantendo o equilíbrio (podendo beneficiar deapoio de um companheiro);- Avião, com o tronco paralelo ao solo e os membros inferiores em extensão, mantendo o equilíbrio. GINÁSTICA - APARELHOSRealizar, após corrida de balanço e chamada a pés juntos no trampolim (reuther ou sueco) e chegando ao solo emcondições de equilíbrio para adotar a posição de sentido, o seguinte salto – salto de Eixo no Boque com os membrosinferiores estendidos (extensão dos joelhos). GINÁSTICA – MINI-TRAMPOLIMNo mini-trampolim, após corrida de balanço, chamada com elevação rápida dos braços e receção equilibrada nocolchão de queda, realiza os seguintes saltos:- Em extensão (vela), colocando a bacia em ligeira retroversão durante a fase aérea do salto;- Engrupado, com o fecho dos membros inferiores em relação ao tronco, na fase mais alta do voo, seguido de aberturarápida. GINÁSTICA – TRAVERafael José Silva Página 21
  22. 22. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012Em equilíbrio elevado, na trave baixa, realiza um encadeamento das seguintes habilidades, utilizando a posição dosbraços para ajudar a manter o equilíbrio:- Entrada a um pé com chamada a um pé;- Marcha à frente e atrás olhando em frente;- Marcha na ponta dos pés, atrás e à frente;- Meia volta, com balanço de uma perna;- Salto a pés juntos, com flexão de pernas durante o salto e receção equilibrada no aparelho;- Saída em extensão. GINÁSTICA – BARRA FIXANa barra fixa, realiza com segurança: Balanço atrás e à frente, realizando corretamente os movimentos de fecho eabertura, cambiada em suspensão à frente, balanços e saída equilibrada à retaguarda. GINÁSTICA RÍTMICA- Rolar a bola, nos membros superiores e nos membros inferiores (deitado) unidos e em extensão, controlando o seu movimento pelo ajustamento dos segmentos corporais;- Lançar a bola em precisão a um alvo móvel, por baixo e por cima, com cada uma e ambas as mãos;- Saltar à corda no lugar e em progressão, com coordenação global e fluidez de movimentos;- Lançar o arco na vertical e recebê-lo, com as duas mãos; JOGOS PRÉ-DESPORTIVOS OBJECTIVO GERAL- Participar em jogos ajustados a iniciativa própria e as qualidades motoras na prestação ás possibilidades oferecidas pela situação de jogo e ao seu objetivo, realizando habilidades básicas e ações técnico-táticas fundamentais, com oportunidade e correção de movimentos. Aceitar as decisões de arbitragem e tratar os colegas com respeito e cordialidade.- Receber a bola com as duas mãos, enquadra-se ofensivamente e passa a um companheiro desmarcado utilizando,se necessário, fintas de passe e rotações sobre um pé.- Desmarcar-se para receber a bola, criando linhas de passe ofensivas, fintando o seu adversário direto.- Driblar para ultrapassar um adversário direto ou para abrir «linha de passe», para rematar ou passar / lançar.- Marcar o adversário escolhido quando a sua equipa perde a bola, procurando dificultar a recepção, o passe, o dribleou a finalizarão, e tentando recuperar a posse da bola. JOGOS PRÉ-DESPORTIVOS - FUTEBOL HUMANO – NÍVEL AVANÇADOEm situação de atacante:- Posicionar-se de forma a contribuir para uma ocupação equilibrada do espaço da sua equipa;- Criar com oportunidade situações de vantagem numérica (2 x 1 ou 3 x2);- Aproveitar situações de vantagem numérica da equipa contrária ou de1 x 1 para finalizar, de imediato, ultrapassandoo seu adversário direto, utilizando, se necessário, fintas;- Procurar finalizar de surpresa, aproveitando o ataque da equipa adversária.Em situação de defesa:- Ocupar uma posição no campo que contribua para o equilíbrio defensivo da sua equipa, evitando criar ou ficar emsituações de desvantagem numérica;- Marca individualmente qualquer jogador que entre na sua zona demarcação, mantendo a visão da movimentaçãogeral. RAQUETAS (BADMINTON) OBJECTIVO GERAL- Realizar com oportunidade e correção as ações técnico-tácticas elementares dos jogos de raquetas,garantindo a iniciativa e ofensividade em participações «individuais» e «a pares», aplicando as regras, não sócomo jogador, mas também como árbitro. RAQUETAS (BADMINTON) – NÍVEL INTRODUÇÃORafael José Silva Página 22
  23. 23. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012- Coopera com os companheiros, nas diferentes situações, escolhendo as ações favoráveis ao êxito pessoal e docompanheiro, admitindo as indicações que lhe dirigem, aceitando as opções e falhas dos seus colegas, e tratando comigual cordialidade e respeito os parceiros e os adversários.- Conhece o objetivo do jogo, a sua regulamentação básica e a pontuação do jogo de singulares, identifica einterpreta as condições que justificam a utilização diferenciada dos seguintes tipos de batimento: a) clear, b) lob, c)serviço curto.- Coopera com o companheiro (distanciados cerca de 6 m), batendo e devolvendo o volante, evitando que este toqueno chão: - Mantém uma posição base com os joelhos ligeiramente fletidos e com a perna direita avançada, regressando à posição inicial após cada batimento, em condições favoráveis à execução de novo batimento. - Desloca-se com oportunidade, para conseguir o posicionamento correto dos apoios e uma atitude corporal que favoreçam o batimento equilibrado e com amplitude de movimento, antecipando-se à queda do volante. - Diferencia os tipos de pega da raqueta (de direita e de esquerda) e utiliza-os de acordo com a trajectória do volante. - Coloca o volante ao alcance do companheiro, executando corretamente, os seguintes tipos de batimentos: - Clear - na devolução do volante com trajetórias altas - batendo o volante num movimento contínuo, por cima da cabeça e à frente do corpo, com rotação do tronco. - Lob - na devolução do volante com trajetórias abaixo da cintura - batendo o volante num movimento contínuo, avançando a perna do lado da raqueta (em afundo), utilizando em conformidade os diferentes tipos de pegas de raqueta (de esquerda ou de direita).- Em situação de exercício, num campo de Badminton, executa o serviço curto e comprido, colocando corretamente osapoios e dando continuidade ao movimento do braço após o batimento. VOLEIBOL– NÍVEL INTRODUÇÃO- Promover a aquisição e desenvolvimento dos diversos gestos técnicos abordados, transportando-os para a situação de jogo. Familiarização com o jogo de voleibol reduzido, através da interpretação e cumprimento das regras elementares inerentes.- Conhece o objetivo do jogo, identifica e discrimina as principais ações que o caracterizam: 1) serviço (Baixo), 2) passe(apoio frente), 3) receção (baixa 7 alta) e 4) finalização ( em passe), bem como as regras essenciais do jogo devoleibol: a) dois toques, b) transporte, c) violação da linha divisória, d) rotação ao serviço, e) número de toquesconsecutivos por equipa e f) toque na rede.Em situação grupo 4:- cooperar com o companheiro para manter a bola no ar, utilizando, consoante a trajetória da bola, o passe apoio frentee a manchete, com coordenação global e posicionando-se correta e oportunamente, colocando a bola em trajetóriadescendente sobre o colega.Em situação de exercício, com a rede aproximadamente a 2 m de altura:- Serve por baixo, a uma distância de 3 m a 4,5 m da rede, colocando a bola na metade esquerda ou direita do meiocampo oposto.- Como recetor, receber a bola, com as duas mãos por cima ou em manchete (de acordo com a trajetória dabola),posicionando-se correta e oportunamente, de modo a imprimir à bola uma trajetória alta, agarrando-se de seguidacom o mínimo deslocamento.Em situação jogo 2 x 2 (aproximadamente a 2 m de altura):- Jogar com os companheiros efetuando toques com as duas mãos por cima (apoio frente) e ou toques por baixo comos antebraços ( extensão -manchete), para manter a bola no ar, passando-a para o outro lado da rede dentro donúmero limitado de toques sucessivos admitidos. Em Portugal, o ensino é obrigatório e prolonga-se até ao 9.º ano com ascrianças a começarem a escola aos 6/7 anos. O ano escolar decorre entresetembro e junho, com a duração de 180 dias. No 1.º ciclo o tempo letivosemanal estende-se até às 25 horas, 5 horas por dia, incluindo intervalos. Cabeao professor gerir o tempo letivo das diferentes áreas de acordo com ascaracterísticas da turma e o horário da escolar. A escola mantém-se aberta atéàs 17h30 para atividades de animação e apoio, enriquecimento curricular ouatividades extra curriculares. Já no 2.º ciclo passam a existir 16 períodosRafael José Silva Página 23
  24. 24. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012letivos, de 90 minutos cada, sendo a carga horária diária estabelecida pelosórgãos de gestão dos estabelecimentos de ensino. No 1.º ciclo, as turmas só com um ano de escolaridade não devem termais de 24 alunos e se existirem alunos de mais de dois anos escolares e sóum professor, então o número de alunos tem de ser reduzido para 22. No 2.ºciclo procura-se manter a turma do ano anterior e agrupar alunos da mesmaidade. Aqui o número de alunos de cada turma pode variar entre os 24 e os 28. O programa é estabelecido a nível nacional mas estão previstosajustamentos em função dos recursos e infraestruturas das escolas, bem comode propostas elaboradas no âmbito da sua autonomia. A escolha dos manuaisescolares é da competência do conselho de docentes no 1.º ciclo, e doDepartamento Curricular no 2.º, de acordo com critérios de apreciaçãoestabelecidos ao nível dos Serviços Centrais do Ministério da Educação. Em termos de currículo, o programa do 1.º ciclo inclui as seguintesáreas: Língua Portuguesa, Matemática, Estudo do Meio, Expressões (artísticae físico-motora), Área de Projeto, Estudo Acompanhado e Formação Cívica. Já no 2.º ciclo, no plano curricular estão incluídas as seguintesdisciplinas: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia dePortugal, Matemática, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica,Educação Musical, Educação Física, Área de Projeto, Estudo Acompanhado eEducação Cívica. Em ambas as etapas a Educação Moral e Religiosa surgecomo disciplina facultativa. No 1.º ciclo o modelo de ensino é globalizante e está a cargo de umúnico professor, podendo este ser apoiado em áreas especializadas. Já o 2.ºciclo funciona em regime de pluridocência, está organizado por áreas deestudo de carácter pluridisciplinar sendo desejável que a cada áreacorresponda um ou dois professores. No que concerne à avaliação, esta tem um carácter sistemático econtínuo. Se o aluno não desenvolver as competências necessárias paraprogredir com sucesso os seus estudos pode ficar retido. Contudo, no 1.º ciclo,exceto se o aluno tiver ultrapassado o limite de faltas injustificadas, não hálugar a retenção. Em caso de retenção, compete ao professor titular da turma,no 1.º ciclo, e ao conselho de turma, no 2.º ciclo, elaborar um relatório queidentifique as competências não adquiridas pelo aluno que deverão ser tidasRafael José Silva Página 24
  25. 25. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012em consideração na elaboração do projeto curricular de turma em que seráintegrado no novo ano letivo. ENSINO BÁSICO 1º E 2º CILCO - PORTUGAL SIM NÃO POUCO MUITOCOMPETÊNCIAS X ADEQUADAS XOBJETIVOS GERAIS X DIVERSIDADE X OBJETIVOS - BLOCOS MUITO POUCO POUCO MUITOPRECISÃO XCLAREZA XADEQUADOS XSUFICIENTES X CONTEÚDOS 1º CICLO 1º/2º Ano Bloco 1 Perícia e Manipulação Bloco 2 Deslocamentos e Equilíbrios MUITO POUCO POUCO MUITOADEQUADOS XFLEXIBILIDADE XCONTINUIDADE XRIQUEZA X 3º/4º ANO Bloco 3 Ginástica Bloco 5 Patinagem MUITO POUCO POUCO MUITOADEQUADOS XFLEXIBILIDADE XCONTINUIDADE XRIQUEZA X 1º/2º/3º/4º ANO Bloco 4 Jogos Bloco 6 Atividades Rítmicas e Expressivas (Dança) Bloco 7 Percursos na Natureza Bloco 8 (Opcional) Natação MUITO POUCO POUCO MUITOADEQUADOS XFLEXIBILIDADE XCONTINUIDADE XRIQUEZA X 2º CICLO BLOCOS MUITO POUCO POUCO MUITOADEQUADOS XFLEXIBILIDADE XCONTINUIDADE XRIQUEZA X CRITÉRIOS DE AVALIÇÃO – 1º 2 º CICLO MUITO POUCO POUCO MUITOCOERENTES XPRECISOS XDIFERÊNCIADOS XRafael José Silva Página 25
  26. 26. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 20123.2 Programas de Educação Física do Ensino Primário - Espanha O ensino primário é obrigatório e gratuito. Três ciclos de dois anos cada,no total, seis anos letivos, entre seis e doze anos de idade. O objetivo é dar a todas as crianças uma educação comum, que permitea aquisição de conhecimento cultural básica, aprendendo a falar, ler, escrevere fazer contas, bem como a progressiva autonomia de acção seu ambiente.Educação primária vai ajudar a desenvolver nos alunos as seguintescapacidades:- Usar adequadamente a língua espanhola e língua oficial da ComunidadeAutónoma.- Compreender e expressar mensagens simples em uma língua estrangeira.Aplicam-se às situações de vida diária aritmética simples e procedimentoslógicos elementares.- Adquirir as habilidades necessárias para funcionar de forma independente nafamília e na família, bem como grupos sociais com os quais eles interagem.- Apreciar os valores básicos que regem a vida e a sociedade humana e agirem conformidade.- Utilizar diferentes meios de representação e expressão artística. Saiba ascaracterísticas básicas de seu desenvolvimento físico, social e cultural e aspossibilidades de acção no mesmo.- A taxa de higiene e saúde do seu próprio corpo, e da conservação danatureza e do meio ambiente. Utilização da educação física e do desporto paraincentivar o desenvolvimento pessoal. O ensino primário é organizado em áreas de global e inclusivo e seráministrado por professores que são competentes em todas as áreas destenível. O ensino de música, educação física e línguas estrangeiras seráministrado por professores com especialização ou qualificação. EDUCAÇÃO FÍSICARafael José Silva Página 26
  27. 27. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012 Esta área, que tem no corpo e movimento humano na essência da suaacção educativos, em primeiro lugar, o desenvolvimento das capacidadesassociadas à atividade motora e a aquisição de elementos da cultura do corpoque contribui para o desenvolvimento pessoal e uma melhor qualidade de vida. No entanto, a área curricular vai além da aquisição e melhoria doscomportamentos. A área de educação física é sensível às rápidas mudançasvividas pela sociedade e visa responder, através de suas intençõeseducacionais, essas necessidades, individual e coletiva, levando ao bem-estarpessoal e promover uma vida saudável, longe de estereótipos e discriminaçãode qualquer tipo. Ensino da educação física nesta idade deve principalmente incentivar aaquisição de capacidades que permitem a reflexão sobre o sentido e efeito daatividade física e, por sua vez, atitudes e tomar valores apropriados comreferência a gestão do comportamento e do corpo do motor. Neste sentido, a área está orientado para criar hábitos saudáveis,regular e contínuo ao longo do vida e se sentir bem sobre o seu próprio corpo,que é uma ajuda valiosa na melhoria estima. Além disso, a inclusão do ladolúdico e experimentação de novas possibilidades unidade pode ajudar aestabelecer as bases para uma educação adequada para o lazer. As Relações interpessoais geradas em torno da atividade física, afetama autorização, os valores, o respeito, a aceitação e cooperação, transferívelpara o trabalho todos os dias, com o objetivo de orientar os alunos a construirrelações construtivas com os outros. Atividade mesma forma, o corpoexpressivo e motor de fomentar a criatividade e o uso de linguagem corporalpara transmitir sentimentos e emoções que humanizar o contato pessoal. O conteúdo estruturante reflete um dos eixos que dão sentido àeducação física educação primária: o desenvolvimento do cognitivo, físico,emocional e relacional ligada ao motor, a aquisição de formas sociais eculturais de habilidades motoras e educação valores e educação em saúde. Apartir desta perspetiva, a área foi dividida em cinco blocos. O desenvolvimentoda capacidade ligada ao desenvolvimento motor, é dirigida principalmente nosprimeiros três blocos, e blocos de terceira quinta é mais diretamenterelacionados com a aquisição de formas culturais do motor, enquanto aRafael José Silva Página 27
  28. 28. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012educação em saúde e educação de valores têm alta afinidade e blocos quartaem quinto lugar, respetivamente (González, 2006). BLOCO 1A imagem corporal e da perceção corresponde aos conteúdos que permitem o desenvolvimento de percetivo-motoras.É particularmente visando a aquisição de conhecimento e controle corpo que é fundamental tanto para odesenvolvimento da imagem corporal para o Posterior aquisição de aprendizagem motora. BLOCO 2Habilidades motoras, reúne conteúdos que permitem que os alunos se mover eficácia. Envolvidos, portanto, asaquisições relacionadas com o domínio e controle motor, conteúdos que facilitam a tomada de decisão para aadaptação ao movimento situações novas. BLOCO 3Artísticas e expressivas atividades físicas são direcionados para conteúdo embutido promover a expressão através docorpo e do movimento. Comunicação por meio da linguagem corpo foi levado em conta neste bloco. BLOCO 4Atividade Física e Saúde, é composto por essas habilidades para o ser a atividade física saudável. Além disso, osconteúdos são incorporados para adquirir hábitos. A atividade física ao longo da vida como fonte de bem. A inclusãode um bloco que se encontra com o conteúdos relacionados à saúde física a partir da perspetiva de atividade física éenfatizar a aquisição de aprendizagem necessária sobre transversalmente obviamente incluído em todos os blocos. BLOCO 5Jogos e desportos, tem conteúdo relacionado ao jogo e desportos entendida como manifestações culturais domovimento humano. Independentemente de o jogo pode ser usado como estratégia metodológica, é tambémconsideração como exigido pelo seu conteúdo e valor antropológico cultural. Além disso, a importância neste tipo deconteúdo adquirido aspetos de relacionamento interpessoal faz Destaco aqui a proposta de atitudes voltadas para asolidariedade, a cooperação e o respeito ao outros. Os diferentes blocos têm como objetivo, de estruturar o conhecimento daEducação selecionados para esta etapa da educação física, apresentada numsistema integrado de conceitos, procedimentos e atitudes – CONTEÚDOS. CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁREA DE COMPETÊNCIAS BÁSICASA área de educação física contribui de forma significativa para o desenvolvimento da concorrência no conhecimento einteração com o mundo físico, perceção e interação pelo órgão apropriado, em movimento ou em repouso, em umdado espaço para melhorar o seu motor. Ele ajuda também através da prática, conhecimento e valorização daatividade física como um essencial para preservar a saúde.Esta área é fundamental para as crianças adquirem hábitos manutenção da saúde e melhoria da condição física queacompanhá-los durante a escolaridade e o que é mais importante, ao longo da vida.A educação física ajuda as crianças a aprender a viver principalmente em relação ao desenvolvimento e aceitação deregras para a operação coletiva, com respeito à autonomia pessoal, o participação e valorização da diversidade.Esta área contribui de alguma forma para a aquisição de concurso cultural e artístico. Na expressão de ideias esentimentos de forma criativa contribui através da exploração e uso do possibilidades e recursos de corpo emovimento. A apreciação e a compreensão do cultural, e a valorização da sua diversidade, ele faz isso através doreconhecimento e valorização do específicas manifestações culturais do movimento humano, tais como Desportos,jogos tradicionais atividades expressivas ou dança e consideração como patrimônio dos povos.A educação física ajuda a conseguir a autonomia e iniciativa na medida em que convida os alunos a tomar decisõescom autonomia progressiva em situações em que você deve manifestar auto-aperfeiçoamento, perseverança e atitudeRafael José Silva Página 28
  29. 29. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012positiva, faz assim, se destacaram alunos em aspetos de organização individual e coletiva de atividades físicas,desportivas.Além disso, esta área funciona, desde cedo, para a avaliação crítica das mensagens e estereótipos sobre o corpo, damídia e da comunicação, que pode danificar a imagem do corpo. A partir desta perspetiva, de alguma forma àconcorrência no processamento de informações e concorrência digital.A área também contribui, como o resto da aprendizagem, a aquisição de competências comunicação linguística,oferecendo uma variedade de trocas comunicativas, a utilização de normas que governam vocabulário específico e quea área oferece. OBJETIVOSO ensino da educação física nesta fase terá como objetivo desenvolver as seguintes capacidades:1. Conhecer e apreciar o seu corpo e a atividade física como um meio de exploração e gozo de seus possibilidadesmotoras, relacionamentos com os outros e como um recurso para organizar o tempo livre.2. Apreciar atividade física para o bem-estar, mostrando uma atitude responsável em relação a si mesmo e outros ereconhecendo os efeitos do exercício físico, higiene, alimentação e hábitos posturais da saúde.3. Use suas habilidades físicas, habilidades motoras e seu conhecimento da estrutura e com o funcionamento do corpopara se adaptar ao movimento para as circunstâncias e condições de cada situação.4. Adquirir, escolher e aplicar os princípios e as regras para resolver problemas motores e agir de forma eficaz eautônoma em atividades físicas, esportivas e de expressão artística.5. Esforço regular e metros, atingindo um nível de acordo com a sua capacidade de auto e natureza da tarefa.6. Use os recursos expressivos do corpo e do movimento, estética e criativa, comunicando sentimentos, emoções eideias.7. Participação em projetos de atividade física de partilha, estabelecimento de parcerias para atingir objetivos comuns,a resolução de conflitos através do diálogo e decorrentes evitar a discriminação baseada em características pessoais,de gênero, sociais e culturais.8. Conhecer e apreciar a diversidade de atividades físicas, jogos e desportos como elementos culturais mostrando umaatitude crítica tanto da perspetiva do participante e espetador. 1º CICLO BLOCO 1 UNIDADES DIDATICAS ESQUEMA CORPORALOBJETIVOSFamiliarize-se com a dinâmica das aulas de educação física.Reconhecer e nomear nomeadamente segmentos e articulações principais do corpo.Executar movimentos básicos com diferentes articulações e segmentos do corpo. (flexão,extensão, rotação ...).Use básicos de higiene e cuidados com o corpo.Nomear e identificar companheiro de partes do corpo.Ações que envolvam exercício e acção de relaxamento muscular.Identificar as fases da respiração e controlar voluntariamente.CONTEÚDOSConhecimento do próprio corpo: articulações e segmentos do corpo.Possibilidades de movimento articular e segmentos corporais.Fases de Respiração;Observação e experimentação de movimentos básicos do corpo e posturas.Experimentação e utilização de diferentes fases de respiração.Experimentação e uso de estado de tensão muscular voluntário e relaxamento.Respeitar e cuidar do corpo.Autonomia e confiança em sua capacidade de se mover.Rafael José Silva Página 29
  30. 30. Análise Curricular e Metodologia – Educação Física 2012Higiene básica, desportivo cuidado vestuário e corpo.CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃONomear e reconhecer os diferentes segmentos corporais em si próprio e nos outros.Movimentos dissociados realizada com diferentes segmentos corporais.Reconhecer as fases da respiração e controlado voluntariamente.Use a higiene básica.Contrair e relaxar os grupos musculares de forma voluntária.Desfrute de atividade física e respeita as regras e companheiros. LATERALIDADEOBJETIVOSDescobrir e afirmar a lateralidade.A consciência da simetria corporal.Segmentos afastar direita / esquerda movimentos assimétricos.Diferenciando a direita ea esquerda sobre si mesmo e os outros.Diferenciando a direita e para a esquerda para os objetos.Nosso corpo: segmentos corporais.Simetria corporal.Lateralidade.Realizar exercícios de afirmação de lateralidade.Discriminação de esquerda e direita em si, nos outros e em relação aos objetos.Respeito por si próprio e aos outros.Respeite os equipamentos e instalações utilizadas.CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOEntender, identificar e diferenciar as partes do corpo em si e nos outros.Entender, identificar e diferenciar a direita e a esquerda em seu corpo, e outros relação aos objetos.Respeitar os seus pares, instalações e equipamentos.Participar ativamente dos vários exercícios. ESPAÇO – TEMPOOBJETIVOSOrientação em referência espacial próxima com o corpo.Apreciar a distância entre você e um objeto.Apreciar as distâncias entre os dois objetos.Apreciar as distâncias entre si e seus pares.Percebendo duração (curto-prazo) e adaptar-se a este movimento.Percebendo velocidades (rápido - lento) movimento e se adaptar a elas.Noções percebidas sobre a organização temporal (antes, depois, etc.).Frequências e intensidades experiência e adaptar o movimento a eles.Adaptar movimento para ritmos simples.CONTEÚDOSAs noções básicas de topologia: de frente para trás, sobre-abrigo, de dentro para fora e de direita-esquerda.Direções: para a frente e para trás, de cima para baixo, direita-esquerda.Distâncias: perto-longe, cluster dispersão.Aspetos quantitativos da organização temporal: duração, velocidade, frequência e intensidade.Aspetos qualitativos da organização temporal: simultaneidade, ordem e alternância.Usando as relações básicas: esquerda-direita, de frente para trás, para cima para baixo, com relação asi.Noções de experimentação espaciais dentro para fora, de dentro para fora, de frente para trásacima-abaixo, com respeito ao objeto orientado.Realizar ações que envolvam o uso da noção de distância de um objeto e / ou de um parceirosobre si mesmo.Realizando ações que envolvem o uso do conceito de objeto à distância um do outro.Realizar ações que envolvem contrastes entre noções opostas: curto-longo, rápido-lento,mais forte do mais fraco, menos frequentes com frequência.Criar situações em que o aluno se move livremente, tentando manter o ritmoRafael José Silva Página 30

×