Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 21

3.136 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.136
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.342
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 21

  1. 2. <ul><li>texto </li></ul><ul><li>ser sentido como natural (não se suspeitar que havia a obrigatoriedade de se usarem aquelas seis palavras); </li></ul><ul><li>seguir o registo típico de uma notícia-reportagem (e ter em conta que era uma continuação). </li></ul>
  2. 3. <ul><li>do Mourinho > de José Mourinho </li></ul><ul><li>o Roberto Leal > Roberto Leal </li></ul><ul><li>meter > pôr, colocar </li></ul><ul><li>comer refeições > tomar refeições </li></ul><ul><li>mandar > enviar </li></ul><ul><li>cara > rosto </li></ul><ul><li>a vida dele > a sua vida </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Um quil inho de kunami. </li></ul><ul><li>N N </li></ul><ul><li>É kunami do bom. </li></ul><ul><li>N A </li></ul><ul><li>É fruta tropical raríssima. </li></ul><ul><li>N A A </li></ul><ul><li>Paiz inho ! </li></ul><ul><li>N </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Isto é bom, muito raro. </li></ul><ul><li>A A </li></ul><ul><li>Por isso o preço é upa-upa, puxad ote . </li></ul><ul><li>N (A) A </li></ul><ul><li>Olh'ò kunami fresqu inho ! </li></ul><ul><li>N A </li></ul><ul><li>Isto é só fruta podre. </li></ul><ul><li>N A </li></ul>
  5. 6. <ul><li>É preciso ter um gosto sofisticado. </li></ul><ul><li>N A </li></ul><ul><li>Doc inho ... Maravilha! </li></ul><ul><li>A N </li></ul><ul><li>Isto faz um sum inho ... </li></ul><ul><li>N </li></ul><ul><li>Alface velha, ameixas podres, ... </li></ul><ul><li>N A N A </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Com todo o respeito, a sua mulher é uma pega. </li></ul><ul><li>A N N </li></ul><ul><li>É um bocad inho , é. </li></ul><ul><li>N </li></ul><ul><li>Ainda há gente simpática. </li></ul><ul><li>N A </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Valores do diminutivo (p. 336) </li></ul><ul><li>pequenez (lomb inho , got ícula , ilh ota ) </li></ul><ul><li>carinho (quil inho , [está] boaz inha ?, filh ote ) </li></ul><ul><li>ironia (pentead inho , gord ucho , talhantez inho ) </li></ul><ul><li>depreciação (cretinaz inha , livr eco ) </li></ul><ul><li>intensificação (doc inho , puxad ote , baixinho) </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Valores do aumentativo (p. 336) </li></ul><ul><li>grandeza </li></ul><ul><li>ironia </li></ul><ul><li>depreciação </li></ul><ul><li>afecto </li></ul><ul><li>mulher aça dent uça moleng ão boc arra </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Aumentativo / Diminutivo são formas de variação em grau , possíveis em </li></ul><ul><li>nomes (suminho) </li></ul><ul><li>adjectivos (fresquinho) </li></ul><ul><li>advérbio (poucochinho, depressinha) </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Adjectivos e Advérbios costumam ter o grau expresso (sintatica e morfologi-camente) pelo «grau propriamente dito» : </li></ul><ul><li>inteligentíssimo (Adj.) </li></ul><ul><li>o mais palerma de todos (Adj.) </li></ul><ul><li>tão alegremente como (Adv.) </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Nem todos os adjetivos são graduáveis: só os adjectivos qualificativos (os relacionais , não) — cfr. p. 300. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>greve estudantil </li></ul><ul><li>língua materna </li></ul><ul><li>campeonato mundial </li></ul>
  13. 14. <ul><li>TPC [destas duas aulas] </li></ul><ul><li>Enquanto revisão, no manual lê a secção ‘Relações semânticas entre as palavras’ (pp. 314-316). Depois, no Caderno de Actividades , e talvez durante toda a semana, vai resolvendo — desportivamente, digamos — os exercícios relativos a ‘Relações entre as palavras’ (pp. 28-37), cujas correções estão na p. 90. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Hiperonímia / Hiponímia (hierarquia) </li></ul><ul><li>Holonímia / Meronímia (todo-parte) </li></ul><ul><li>Sinonímia / Antonímia (semelhança-oposição) </li></ul><ul><li>Homonímia, Homografia, Homofonia </li></ul><ul><li>Paronímia </li></ul><ul><li>(palavras escritas e grafia-fonia) </li></ul><ul><li>Campo lexical </li></ul><ul><li>Campo semântico </li></ul><ul><li>(estrutura lexical) </li></ul>
  15. 17. <ul><li>antecedente = a expressão anterior que o pronome substitui </li></ul><ul><li>Comi sete rins de chocolate . Adorei- os . </li></ul>
  16. 18. <ul><li>Bem... Olá. Eu sou o Dr. Bean (pelo que parece). </li></ul><ul><li>O meu trabalho consiste em sentar-me a olhar os quadros. Portanto, O que aprendi eu que possa dizer sobre este quadro? </li></ul><ul><li>Bem, Primeiro que tudo, que ele é muito grande. O que é magnífico, pois, se ele fosse muito pequeno — microscópico , estão a ver —, ninguém conseguiria vê-lo, o que seria lastimável. </li></ul>
  17. 19. <ul><li>Em segundo lugar — e estou a aproximar-me do fim desta análise do quadro —, em segundo lugar, porque é que se justifica que este homem tenha gast ado 50 milhões dos vossos dólares na sua compra? </li></ul><ul><li>E a resposta é... Bem, Este quadro vale tanto dinheiro, porque é um retrato da mãe de Whistler e, como eu aprendi ao ficar em casa do meu melhor amigo, David Langley, e da sua família, as famílias são muito importantes , e, </li></ul>
  18. 20. <ul><li>apesar de o Sr. Whistler saber perfei-tamente que a sua mãe era uma avan-tesma atroz com ar de quem se sentara num cato, ele não a abandonou e até se deu ao trabalho de pintar este extraor-dinário retrato dela. Não é apenas um quadro, é um retrato de uma velha tara-lhoca e feiosa que ele estimava acima de tudo. </li></ul><ul><li>E isso é maravilhoso. Pelo menos é o que eu penso. </li></ul>
  19. 21. <ul><li>Bem... Olá. Eu s o u o Dr. Bean (pelo que parece). </li></ul><ul><li>O meu trabalho consiste em sentar-me a olhar os quadros. Portanto, o que aprendi eu que possa dizer sobre este quadro? </li></ul><ul><li>Bem, primeiro que tudo, que ele é muito grande. O que é magnífico, pois, se ele fosse muito pequeno — microscópico, e s t ã o a ver —, ninguém conseguiria vê-lo, o que seria lastimável. </li></ul>
  20. 22. <ul><li>Em segundo lugar — e estou a aproximar-me do fim desta análise do quadro —, porque é que se justifica que este homem tenha gastado 50 milhões dos vossos dólares na sua compra? </li></ul>
  21. 23. <ul><li>E a resposta é... Bem, este quadro vale tanto dinheiro, porque é um retrato da mãe de Whistler e, como eu a p r e nd i ao ficar em casa do meu melhor amigo, David Langley, e da sua família, as famílias são muito importantes e, apesar de o Sr. Whistler saber perfeitamente que a sua mãe era uma avantesma atroz com ar de quem se sentara num cato, ele não a abandonou e até se deu ao trabalho de pintar este extraordinário retrato dela. Não é apenas um quadro, é um retrato de uma velha taralhoca e feiosa que ele estimava acima de tudo. </li></ul><ul><li>E isso é maravilhoso. Pelo menos é o que eu p e n s o . </li></ul>
  22. 24. <ul><li>Portanto, o que aprendi eu que possa dizer sobre este quadro ? </li></ul><ul><li>Bem, primeiro que tudo, que ele é muito grande . O que é magnífico, pois, se ele fosse muito pequeno — microscópico, estão a ver —, ninguém conseguiria vê- lo , o que seria lastimável. </li></ul>
  23. 25. <ul><li>[...] e, apesar de o Sr. Whistler saber perfeitamente que a sua mãe era uma avantesma atroz com ar de quem se sentara num cato, ele não a abandonou e até se deu ao trabalho de pintar este extraordinário retrato d ela . Não é apenas um quadro, é um retrato de uma velha taralhoca e feiosa que ele estimava acima de tudo. </li></ul><ul><li>E isso é maravilhoso . Pelo menos é o que eu penso. </li></ul>

×