Como montar um laboratório de análises clínicas

697 visualizações

Publicada em

ideias de como montar um laboratorio

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
697
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como montar um laboratório de análises clínicas

  1. 1. Como montar um laboratório de análises clínicas EMPREENDEDORISMO Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br
  2. 2. Expediente Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade – Presidente do CDN Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barreto Filho Diretora Técnica Heloísa Regina Guimarães de Menezes Diretor de Administração e Finanças José Claudio Silva dos Santos Unidade de Capacitação Empresarial e Cultura Empreendedora Mirela Malvestiti Coordenação Luciana Rodrigues Macedo Autor LAURI TADEU CORREA MARTINS Projeto Gráfico Staff Art Marketing e Comunicação Ltda. www.staffart.com.br
  3. 3. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ TOKEN_HIDDEN_PAGE Sumário 11. Apresentação ........................................................................................................................................ 22. Mercado ................................................................................................................................................ 33. Localização ........................................................................................................................................... 44. Exigências Legais e Específicas ........................................................................................................... 65. Estrutura ............................................................................................................................................... 76. Pessoal ................................................................................................................................................. 117. Equipamentos ....................................................................................................................................... 128. Matéria Prima/Mercadoria ..................................................................................................................... 139. Organização do Processo Produtivo .................................................................................................... 1510. Automação .......................................................................................................................................... 1611. Canais de Distribuição ........................................................................................................................ 1612. Investimento ........................................................................................................................................ 1713. Capital de Giro .................................................................................................................................... 1814. Custos ................................................................................................................................................. 1915. Diversificação/Agregação de Valor ..................................................................................................... 2016. Divulgação .......................................................................................................................................... 2017. Informações Fiscais e Tributárias ....................................................................................................... 2218. Eventos ............................................................................................................................................... 2219. Entidades em Geral ............................................................................................................................ 2420. Normas Técnicas ................................................................................................................................ 3321. Glossário ............................................................................................................................................. 3822. Dicas de Negócio ................................................................................................................................ 3923. Características .................................................................................................................................... 4024. Bibliografia .......................................................................................................................................... 4225. Fonte ................................................................................................................................................... 4226. Planejamento Financeiro ....................................................................................................................
  4. 4. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ Sumário 4327. Soluções Sebrae ................................................................................................................................. 4328. Sites Úteis ........................................................................................................................................... 4329. URL .....................................................................................................................................................
  5. 5. Apresentação/Apresentação 1. Apresentação Representa o sonho de independência financeira de médicos, biomédicos e farmacêuticos mas exige também competências gerenciais e financeiras. Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender? A análise clínica é o ramo de conhecimento que trabalha com o estudo de alguma substância de forma a coletar dados e apontar diagnósticos a respeito da saúde do paciente. Essas análises ocorrem a partir de um exame feito a pedido de um médico e são entregues em laboratórios próprios para realização desses exames. As análises podem ser realizadas por vários profissionais diferentes como: farmacêuticos, bioquímicos, médicos patologistas clínicos, ou biomédicos, sendo que esses devem ter previamente o conhecimento necessário na área de análise clínica conforme as regras da Agência Nacional de Vigilância Sanitária que é o órgão fiscalizador. Essa análise ajuda a diagnosticar algum dado ou característica que possa ajudar no diagnóstico de alguma anomalia ou problema de saúde. O exame pode incluir, por exemplo, a coleta de materiais como urina, sangue, fezes ou outros, para serem analisadas e servirem para construir dados. Os exames mais comuns são: hemograma completo, glicose, ureia, creatinina, colesterol total, triglicerídeos, ácido úrico, hemostasia, imunologia, parasitológico, sumário de urina, cultura bacteriológica e antibiograma. O laboratório de análises clínicas representa o sonho de independência financeira de médicos, biomédicos e farmacêuticos. Porém, administrar o seu próprio negócio no setor vai exigir competências gerenciais e financeiras – disciplinas pouco ensinadas nos cursos de graduação da área médica. Dois fenômenos conflitantes tornam o segmento de laboratórios mais competitivo e Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 1
  6. 6. Apresentação/Apresentação/Mercado desafiador. De um lado, os médicos solicitam exames cada vez mais sofisticados, exigindo o investimento e a atualização tecnológica dos laboratórios. De outro lado, a concorrência busca atrair mais pessoas ao mercado e ampliar a base de clientes, reduzindo os preços dos exames. O resultado é um processo de concentração predatória do mercado, com grandes redes laboratoriais comprando laboratórios menores para ganhar escala. Em algumas cidades brasileiras já não há espaço para novos entrantes, visto que o custo de aquisição de equipamentos ultrapassa a receita gerada. Uma alternativa pode ser a instalação do laboratório em clínicas e hospitais, garantindo assim uma receita estável oriunda de exames em pacientes internados. O setor também sofre intensa regulação da Agência de Vigilância Sanitária – Anvisa, do Ministério da Saúde, das Secretarias Estaduais de Saúde, dos órgãos de classe e da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. Já as vendas são relativamente estáveis ao longo do ano, com baixa sazonalidade e pouco afetadas por crises econômicas, por se tratar de um produto de primeira necessidade. É de fundamental importância a elaboração de um plano de negócio bastante criterioso. Para a construção desse plano o empreendedor poderá consultar o Sebrae mais próximo. 2. Mercado O mercado de laboratórios de análises clínicas é altamente dependente da expansão de planos de saúde. De acordo com o Portal Brasil, hoje já são 47 milhões de pessoas com este tipo de cobertura. O atendimento particular não chega a 5% do volume de exames realizados nos laboratórios. Impulsionada pelo crescimento do mercado de saúde, a demanda por laboratórios de análises clínicas vem aumentando exponencialmente no Brasil. Os principais clientes são os beneficiários de planos de saúde que realizam exames solicitados por médicos das mais diversas especialidades. Segundo a Sociedade Brasileira de Análise Clínicas, o país conta com Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 2
  7. 7. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização aproximadamente 17 mil laboratórios que realizam mais de 10 milhões de exames por mês. O processo de fusões e aquisições de laboratórios, inclusive com a presença de grupos internacionais de investidores, fez com que o surgimento de novos laboratórios ocorra principalmente em pequenas e médias cidades. Devido ao risco intrínseco ao negócio, recomenda-se a realização de ações de pesquisa de mercado para avaliar a demanda e a concorrência. Esse segmento tem sido beneficiado pela evolução tecnológica do setor de saúde e vem evoluindo em qualidade de processos, pressionado pela Anvisa e amparado pelos sistemas de gestão disponíveis no Brasil. Não é possível sobreviver sem a utilização de mecanismos e metodologias de ponta, atualmente. Seguem algumas sugestões: • Pesquisa em fontes como prefeitura, guias, IBGE e associações de bairro para quantificação do mercado-alvo; • Pesquisa a guias especializados e revistas sobre laboratórios. Trata-se de um instrumento fundamental para fazer uma análise da concorrência, selecionando concorrentes por bairro, faixa de preço e especialidade; • Visita aos concorrentes diretos, identificando os pontos fortes e fracos dos estabelecimentos que trabalham no mesmo nicho; • Participação em seminários especializados. 3. Localização A localização do ponto comercial é uma das decisões mais relevantes para um laboratório de análises clínicas. Dentre todos os aspectos importantes para a escolha do ponto, deve-se considerar prioritariamente a densidade populacional, o perfil dos consumidores locais, a concorrência, os fatores de acesso e locomoção, a visibilidade, a proximidade com consultórios médicos, a segurança e a limpeza do local. Os melhores pontos para a instalação de um laboratório são centros médicos e locais próximos a hospitais, clínicas e consultórios médicos. Outras opções são ruas de grande circulação de pessoas, calçadões, terminais de ônibus, estações de trem e metrô, centros comerciais e shopping centers. Alguns detalhes devem ser observados na escolha do imóvel: • O imóvel atende às necessidades operacionais referentes à localização, capacidade Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 3
  8. 8. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas de instalação do negócio, possibilidade de expansão, características da vizinhança e disponibilidade dos serviços de água, luz, esgoto, telefone e internet; • O ponto é de fácil acesso, possui estacionamento para veículos, local para carga e descarga de mercadorias e conta com serviços de transporte coletivo nas redondezas; • Possui acessibilidade para portadores de necessidades especiais, pessoas idosas ou com dificuldade de locomoção; • O local não está sujeito a inundações ou próximo a zonas de risco; • O imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais; • A planta do imóvel está aprovada pela Prefeitura; • Houve alguma obra posterior aumentando, modificando ou diminuindo a área primitiva; • As atividades a serem desenvolvidas no local respeitam a Lei de Zoneamento ou o Plano Diretor do Município; • Os pagamentos do IPTU, referente ao imóvel, encontram-se em dia; • A legislação local permite o licenciamento de placas de sinalização. p> O imóvel escolhido deverá oferecer condições para expansão do laboratório de análises clínicas. O crescimento ocorrerá com o tempo à medida que o empreendimento angariar novos clientes. 4. Exigências Legais e Específicas Para registrar uma empresa, a primeira providência é contratar um contador - profissional legalmente habilitado - para elaborar os atos constitutivos da empresa, auxiliá-lo na escolha da forma jurídica mais adequada para o seu projeto e preencher os formulários exigidos pelos órgãos públicos de inscrição de pessoas jurídicas. O contador pode se informar sobre a legislação tributária pertinente ao negócio. Mas, no momento da escolha do prestador de serviço, deve-se dar preferência a profissionais indicados por empresários com negócios semelhantes. Para legalizar a empresa, é necessário procurar os órgãos responsáveis para as devidas inscrições. As etapas do registro são: • Registro de empresa nos seguintes órgãos: - Junta Comercial; - Secretaria da Receita Federal (CNPJ); - Secretaria Estadual da Fazenda; - Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento; - Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (a empresa ficará obrigada ao recolhimento anual da Contribuição Sindical Patronal); - Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 4
  9. 9. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas INSS/FGTS”; - Corpo de Bombeiros Militar. • Visita à prefeitura da cidade onde pretende montar a sua empresa (quando for o caso) para fazer a consulta de local. • Obtenção do alvará de licença sanitária – adequar às instalações de acordo com o Código Sanitário (especificações legais sobre as condições físicas). Em âmbito federal a fiscalização cabe a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, estadual e municipal fica a cargo das Secretarias Estadual e Municipal de Saúde (quando for o caso). • Preparar e enviar o requerimento ao Chefe do DFA/SIV do seu Estado, solicitando a vistoria das instalações e equipamentos. Além do registro comercial, o empreendedor precisa cumprir as exigências legais presentes nas resoluções da Agência de Vigilância Sanitária – Anvisa, com destaque para: • RDC nº 050/02 – aprova o regulamento técnico destinado ao planejamento, programação, elaboração, avaliação e aprovação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. • RDC nº 302/05 – dispõe sobre o regulamento técnico para funcionamento de laboratórios clínicos. • RDC nº 306/04 – dispõe sobre o regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. • RDC nº 063/11 – dispõe sobre os requisitos de boas práticas de funcionamento para os serviços de saúde. As empresas que fornecem serviços e produtos no mercado de consumo devem observar as regras de proteção ao consumidor, estabelecidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). O CDC, publicado em 11 de setembro de 1990, regula a relação de consumo em todo o território brasileiro, na busca de equilibrar a relação entre consumidores e fornecedores. O CDC somente se aplica às operações comerciais em que estiver presente a relação de consumo, isto é, nos casos em que uma pessoa (física ou jurídica) adquire produtos ou serviços como destinatário final. Ou seja, é necessário que em uma negociação estejam presentes o fornecedor e o consumidor, e que o produto ou serviço adquirido satisfaça as necessidades próprias do consumidor, na condição de destinatário final. Portanto, operações não caracterizadas como relação de consumo não está sob a proteção do CDC, como ocorre, por exemplo, nas compras de mercadorias para serem revendidas pela casa. Nestas operações, as mercadorias adquiridas se destinam à revenda, e não ao consumo da empresa. Tais negociações se regulam pelo Código Civil brasileiro e legislações comerciais específicas. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 5
  10. 10. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura Alguns itens regulados pelo CDC são: forma adequada de oferta e exposição dos produtos destinados à venda, fornecimento de orçamento prévio dos serviços a serem prestados, cláusulas contratuais consideradas abusivas, responsabilidade dos defeitos ou vícios dos produtos e serviços, os prazos mínimos de garantia, cautelas ao fazer cobranças de dívidas. Em relação aos principais impostos e contribuições que devem ser recolhidos pela empresa, vale uma consulta ao contador sobre da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (disponível em http://www.leigeral.com.br), em vigor a partir de 01 de julho de 2007. 5. Estrutura A estrutura básica de um laboratório de análises clínicas de médio porte requer uma área mínima em torno de 140m², com possibilidade de ampliação conforme o desenvolvimento do negócio. Segundo a RDC nº 050, da Agência de Vigilância Sanitária, as áreas mínimas para a prestação de atendimento de apoio ao diagnóstico e terapia de patologia clínica são: • Sala para coleta de material (3,6 m2); • Área para classificação e distribuição de amostras (3 m2); • Sala de preparo de reagentes (3 m2); • Laboratório de hematologia, parasitologia, urinálise, imunologia, bacteriologia, microbiologia, micologia, virologia, bioquímica ou biologia molecular (14 m2); • Sala de preparo de soluções (9 m2); • Sala de extração de ácidos nucléicos (8,5 m2); • Antecâmara de paramentação exclusiva (2,8 m2); • Sala de PCR (6,0 m2); • Sala de revelação de géis (4 m2); • Laboratório de suporte à UTI (8 m2); • Laboratório de emergência (16 m2). O laboratório ainda deve ter os seguintes ambientes de apoio, com as áreas médias sugeridas: • Área para registro de pacientes, incluindo sala de espera (24 m2); • Depósito de material de limpeza (2 m2); • Sala de esterilização de material (4 m2); • Sanitários para pacientes e acompanhantes, incluindo portadores de necessidades especiais (10 m2); • Sanitários para funcionários (5 m2); • Copa (5m²); • Quarto de plantão (quando houver funcionamento por 24 horas); Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 6
  11. 11. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal • Sala da administração (15 m2). As paredes podem ser pintadas com tinta acrílica. Tons claros são adequados para ambientes pequenos, pois proporcionam a sensação de amplitude. Texturas e tintas especiais na fachada externa personalizam e valorizam o ponto. Sempre que possível, deve-se aproveitar a luz natural. No final do mês, a economia da conta de luz compensa o investimento. Quanto às artificiais, a preferência é pelas lâmpadas fluorescentes. Profissionais qualificados (arquitetos, engenheiros, decoradores) poderão ajudar a definir as alterações a serem feitas no imóvel escolhido para funcionamento do laboratório, orientando em questões sobre ergometria, fluxo de operação, design dos móveis, iluminação, ventilação etc. É aconselhável a utilização de aparelho dispensador de senhas com painel de indicação de chamadas, para organizar o fluxo de atendimento aos clientes. As senhas devem ser organizadas por tipo de atendimento, ou seja, senha para coleta de material, para entrega de resultados e para retorno (no caso de repetição de coleta ou complementação de entrega de material). 6. Pessoal O fator humano é fundamental para o sucesso de um laboratório de análises clínicas. Contar com profissionais qualificados e comprometidos deve estar no topo da lista de prioridades do empreendedor. Para a implantação de um laboratório de análises clínicas de porte médio é necessário um quadro de colaboradores conforme descrito a seguir: - 01 responsável técnico; - 02 técnicos de laboratório de análises clínicas; - 02 auxiliares de laboratório; - 02 atendentes; - 01 copeira; - 01 encarregado de serviços gerais; Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 7
  12. 12. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal - 01 gerente administrativo; - 02 auxiliares administrativos. Funções dos cargos e perfil: Responsável técnico: É uma função profissional de nível superior na qual se enquadram biólogos, biomédicos, farmacêuticos- bioquímicos e médicos patologistas clínicos. Cabe a esse profissional supervisionar e se responsabilizar pelo controle de qualidade e correção nos trabalhos relacionados à bancada laboratorial, liberação dos laudos, perícias e liberação dos resultados técnicos, assinando pelos resultados e assumindo as responsabilidades civis e penais sobre os seus atos. Ele deve apresentar experiência e ter habilidade para trabalhar com pessoas, individualmente, e com equipes. Técnico de laboratório: É um profissional com formação pelo ensino técnico em análises clínicas. É o responsável pela execução na bancada de análises clínicas, sempre sob a orientação e coordenação de um profissional de nível superior. Deve apresentar experiência, ter conhecimento sobre processos de qualidade na área, ter facilidade de relacionamento e demonstrar responsabilidade e compromisso com os serviços do laboratório. Auxiliar de laboratório: Responsável pela coleta de materiais. É desejável que possua curso específico e demonstre habilidade na coleta de sangue e outros materiais. Deve demonstrar facilidade de relacionamento interpessoal, gostar de lidar com pessoas e saber tratar situações de medo e estresse na coleta. Deve ter paciência, demonstrar respeito e interesse pelas pessoas/clientes. Atendente: Responsável pelo cadastramento dos clientes, registro dos exames solicitados e geração das etiquetas de identificação. Também atende a entrega de resultados de exames realizados no laboratório. Deve ter experiência em atendimento a clientes, domínio de informática em nível básico, demonstrar habilidade no trato com pessoas, responsabilidade e compromisso com a qualidade no atendimento. Copeira: Responsável pelo atendimento no balcão de fornecimento de lanche básico aos clientes, após a coleta de materiais, principalmente no caso de sangue, que exige jejum prolongado. Deve ter experiência no cargo, demonstrar habilidade no trato com Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 8
  13. 13. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal pessoas e facilidade para trabalhar em equipe. Encarregado de serviços gerais: Responsável pela limpeza e higiene em todas as dependências do laboratório e área administrativa. Deve ter experiência no cargo, facilidade para trabalhar com pessoas e noções de qualidade no ambiente de trabalho. Gerente administrativo: Reponsável pela gestão dos processos administrativos, incluindo gestão patrimonial, financeira, compras, contratações, relações com bancos, pagamentos e recebimentos, negociações, parcerias, gestão de pessoas, marketing e outras atividades correlatas. Deve ter experiência no cargo, conhecimentos e habilidades para o exercício de todas as funções a seu encargo. Auxiliar administrativo: Atuará junto ao gerente administrativo e será responsável pela operacionalização de todas as funções da área administrativa. Deve ter experiência de trabalho em escritório, com domínio do pacote Office em nível de usuário, ter facilidade para lidar com planilhas, relatórios e dados para a produção de controles e instrumentos de acompanhamento do negócio. Deve ter facilidade para lidar com pessoas e trabalhar em equipe. É desejável que tenha noções de processos de qualidade em serviços. É necessário que o empreendedor tenha a percepção de que o laboratório terá um gestor administrativo, que cuidará das atividades negociais e um responsável técnico que assumirá a responsabilidade pelas atividades laboratoriais através do TRT (Termo de Responsabilidade Técnica) do laboratório. Em casos especiais uma mesma pessoa poderá assumir ambos os cargos, desde que possua formação de nível superior compatível com a exigência legal e também apresente competência profissional em administração. O responsável técnico assumirá, perante a vigilância sanitária, a responsabilidade técnica pelo laboratório ou posto de coleta. Este profissional deve planejar, implementar e garantir a qualidade dos processos, incluindo: • A equipe técnica e os recursos necessários para o desempenho de suas atribuições; • A proteção das informações confidenciais dos pacientes; • Os equipamentos, reagentes, insumos e produtos utilizados para diagnóstico de uso “in vitro”, em conformidade com a legislação vigente; • A utilização de técnicas conforme recomendações do fabricante (equipamentos e produtos) ou com base científica comprovada; • A rastreabilidade de todos os seus processos. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 9
  14. 14. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal O laboratório clínico e o posto de coleta laboratorial devem manter disponíveis registros de formação e qualificação de seus profissionais compatíveis com as funções desempenhadas, promover treinamento e educação permanente aos seus funcionários e providenciar para que todos sejam vacinados, conforme a legislação vigente. A admissão de funcionários deve ser precedida de exames médicos em conformidade com o PCMSO da NR-7 da Portaria TEM nº 3.214/78 e Lei nº 6.514/77. O atendimento é um item que merece uma atenção especial, visto que, nesse segmento de negócio, os clientes satisfeitos tendem a construir relacionamento de longo prazo com os laboratórios. A qualificação de profissionais aumenta o comprometimento com a empresa, eleva o nível de retenção de funcionários, melhora a performance do negócio e diminui os custos trabalhistas com a rotatividade de pessoal. O treinamento dos colaboradores deve desenvolver as seguintes competências: • Capacidade de percepção para entender e atender as expectativas dos clientes; • Agilidade e presteza no atendimento; • Capacidade de explicar os procedimentos dos exames; • Motivação para crescer juntamente com o negócio. Deve-se estar atento para a Convenção Coletiva do Sindicato dos Trabalhadores nessa área, utilizando-a como balizadora dos salários e orientadora das relações trabalhistas, evitando, assim, consequências desagradáveis. O empreendedor pode participar de seminários, congressos e cursos direcionados ao seu ramo de negócio, para manter-se atualizado e sintonizado com as tendências do setor. O SEBRAE da localidade poderá ser consultado para aprofundar as orientações sobre o perfil do pessoal e treinamentos adequados. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 10
  15. 15. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos 7. Equipamentos Os principais equipamentos necessários para um laboratório de análises clínicas estão listados a seguir. Para o laboratório: - Estantes, armários, arquivos, prateleiras e gavetas – R$ 27.000,00; - 01 autoclave vertical – R$ 1.550,00; - 01 estufa de esterilização – R$ 2.570,00; - 01 agitador orbital – R$ 799,00; - 01 colorimetro fotoelétrico – R$ 3.970,00; - 01 banho-maria sorológico – R$ 1.470,00; - 01 destilador de água em inox – R$ 499,00; - 01 macrocentrífuga para hematócrito – R$ 2.325,00; - 01 centrífuga clínica – R$ 1.595,00; - 01 contador diferencial de células manual – R$ 920,00; - 01 microscópio biológico binocular – R$ 1.800,00; - Utensílios diversos e outros materiais e insumos – R$ 7.000,00; - 05 computadores completos – R$ 7.000,00; - 01 impressora a laser – R$ 1.740,00; - 01 impressora de cupom fiscal – R$ 390,00; - 01 aparelho de senha – R$ 2.970,00; - 02 aparelhos de ar condicionado – R$ 4.700,00; - Guichês de atendimento ao público – R$ 5.200,00; - 30 cadeiras – R$ 5.400,00; - 05 mesas – R$ 2.600,00; - Bancadas de trabalho – R$ 7.400,00; - 02 cadeiras para coleta de sangue – R$ 1.480,00; - 02 poltronas individuais – R$ 1.100,00; - 01 máquina de café, chá e chocolate para a copa – R$ 2.700,00; - 01 filtro de água – R$ 640,00. Para a área administrativa: - 03 computadores completos – R$ 4.200,00; - 01 impressora multifuncional – R$ 390,00; - 03 mesas – R$ 2.100,00; - 07 cadeiras – R$ 1.680,00; - 03 armários 02 portas – R$ 1.200,00; - 01 arquivo de pastas suspensas – R$ 370,00; - Estantes – R$ 1.900,00; - 03 poltronas individuais – R$ 1.500,00; - 01 mesa de centro – R$ 540,00; Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 11
  16. 16. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria - 03 aparelhos de telefone – R$ 180,00; Ao fazer o layout do estabelecimento, o empreendedor deve levar em consideração a ambientação, decoração, circulação, ventilação e iluminação. Na área externa, deve-se atentar para a fachada, letreiros, sinalização de entradas, saídas e estacionamento. 8. Matéria Prima/Mercadoria A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho: Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado. Obs.: Quanto maior for a frequência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão. Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa. Um laboratório de análises clínicas é tipicamente um prestador de serviços. Portanto, como não há venda de mercadorias, o consumo resume-se aos produtos e insumos necessários para coleta de material, análise clínica e equipamentos e produtos de proteção individual dos funcionários. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 12
  17. 17. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo 9. Organização do Processo Produtivo O processo produtivo de um laboratório de análises clínicas pode ser dividido em três fases: 1) Fase pré-analítica O laboratório clínico deve disponibilizar ao paciente ou responsável, instruções escritas e ou verbais, em linguagem acessível, orientando sobre o preparo e coleta de amostras, tendo como objetivo o entendimento do paciente. Também deve solicitar ao paciente documento que comprove a sua identificação para o cadastro. Para pacientes em atendimento de urgência ou submetidos a regime de internação, a comprovação dos dados de identificação também poderá ser obtida no prontuário médico. Os critérios de aceitação e rejeição de amostras, assim como a realização de exames em amostras com restrições, devem estar definidos em instruções escritas. O cadastro do paciente deve incluir as seguintes informações: número de registro de identificação do paciente gerado pelo laboratório, nome do paciente, idade, sexo, procedência do paciente, telefone e/ou endereço do paciente, quando aplicável, nome e contato do responsável em caso de menor de idade ou incapacitado, nome do solicitante, data e hora do atendimento, horário da coleta, quando aplicável, exames solicitados e tipo de amostra, outras informações adicionais quando necessárias (medicamentos em uso, dados do ciclo menstrual, indicação/observação clínica, dentre outras de relevância), data prevista para a entrega do resultado ou laudo e indicação de urgência, quando aplicável. O laboratório deve fornecer ao paciente ambulatorial ou ao seu responsável, um comprovante de atendimento com: número de registro, nome do paciente, data do atendimento, data prevista de entrega do resultado ou laudo, relação de exames solicitados e dados para contato com o laboratório. Também deve dispor de meios que permitam a rastreabilidade da hora do recebimento e/ou coleta da amostra. A amostra deve ser identificada no momento da coleta ou da sua entrega quando coletada pelo paciente, com registro do nome do funcionário que efetuou a coleta ou que recebeu a amostra de forma a garantir a rastreabilidade. O laboratório deve dispor de instruções escritas que orientem o recebimento, coleta, Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 13
  18. 18. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo identificação e transporte de amostra do paciente, estabelecendo prazo, condições de temperatura e padrão técnico para garantir a sua integridade e estabilidade. A amostra deve ser transportada e preservada em recipiente isotérmico, quando requerido, higienizável, impermeável, garantindo a sua estabilidade desde a coleta até a realização do exame, identificado com a simbologia de risco biológico, com os dizeres “Espécimes para Diagnóstico” e com nome do laboratório responsável pelo envio. 2) Fase analítica O laboratório clínico deve: • Dispor de instruções escritas, disponíveis e atualizadas para todos os processos analíticos, podendo ser utilizadas as instruções do fabricante. O processo analítico deve ser o referenciado nas instruções de uso do fabricante, em referências bibliográficas ou em pesquisa cientificamente válida conduzida pelo laboratório. • Disponibilizar, por escrito, uma relação que identifique os exames realizados no local, em outras unidades do próprio laboratório e os que são terceirizados. • Definir mecanismos que possibilitem a agilização da liberação dos resultados em situações de urgência. • Definir limites de risco, valores críticos ou de alerta, para os analitos com resultado que necessita tomada imediata de decisão. • Definir o fluxo de comunicação ao médico, responsável ou paciente quando houver necessidade de decisão imediata. • Monitorar a fase analítica por meio de controle interno e externo da qualidade. • Definir o grau de pureza da água reagente utilizada nas suas análises, a forma de obtenção, o controle da qualidade. • Manter um cadastro atualizado dos laboratórios de apoio. • Possuir contrato formal de prestação destes serviços. • Avaliar a qualidade dos serviços prestados pelo laboratório de apoio. • Arquivar laudo emitido por até cinco anos. A execução dos Testes Laboratoriais Remotos - TLR (Point-of-care) e de testes rápidos deve estar vinculada a um laboratório clínico, posto de coleta ou serviço de saúde pública ambulatorial ou hospitalar. O responsável técnico pelo laboratório clínico é responsável por todos os TLR realizados dentro da instituição, ou em qualquer local, incluindo, entre outros, atendimentos em hospital-dia, domicílios e coleta laboratorial em unidade móvel. A relação dos TLR que o laboratório executa deve estar disponível para a autoridade sanitária local. O laboratório deve disponibilizar nos locais de realização de TLR procedimentos documentados orientando com relação às suas fases pré-analítica, analítica e pós-analítica, incluindo: sistemática de registro e liberação de resultados provisórios, procedimento para resultados potencialmente críticos, sistemática de revisão de resultados e liberação de laudos por profissional habilitado. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 14
  19. 19. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação 3) Fase pós-analítica O laboratório clínico deve possuir instruções escritas para emissão de laudos, que contemplem as situações de rotina, plantões e urgências. O laudo deve ser legível, sem rasuras de transcrição, escrito em língua portuguesa, datado e assinado por profissional de nível superior legalmente habilitado. O laudo deve conter os seguintes itens: identificação do laboratório, endereço e telefone do laboratório, identificação do Responsável Técnico (RT), nº. de registro do RT no respectivo conselho de classe profissional, identificação do profissional que liberou o exame, nº registro do profissional que liberou o exame no respectivo conselho de classe do profissional, nº de registro do Laboratório Clínico no respectivo conselho de classe profissional, nome e registro de identificação do cliente no laboratório, data da coleta da amostra, data de emissão do laudo, nome do exame, tipo de amostra e método analítico, resultado do exame e unidade de medição, valores de referência, limitações técnicas da metodologia e dados para interpretação e observações pertinentes. Quando for aceita amostra de paciente com restrição, esta condição deve constar no laudo. O laboratório que optar pela transcrição do laudo emitido pelo laboratório de apoio deve garantir a fidedignidade do mesmo, sem alterações que possam comprometer a interpretação clínica. O responsável pela liberação do laudo pode adicionar comentários de interpretação ao texto do laboratório de apoio, considerando o estado do paciente e o contexto global dos exames do mesmo. O laboratório deve dispor de mecanismos adicionais de entrega de resultados de exames através da internet, mediante senha. Já é possível, hoje, disponibilizar a rastreabilidade do serviço via tablet e/ou outros aparelhos eletrônicos de comunicação e interação. 10. Automação Atualmente, existem diversos sistemas informatizados (softwares) que podem auxiliar o empreendedor na gestão de um laboratório de análises clínicas. Seguem algumas opções: - Labsolution 3.0; - LabWare LIMS; - LabWare ELN; - Unilab; - LABSYS WEB. Antes de se decidir pelo sistema a ser utilizado, o empreendedor deve avaliar o preço Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 15
  20. 20. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento cobrado, o serviço de manutenção, a conformidade em relação à legislação fiscal municipal e estadual, a facilidade de suporte e as atualizações oferecidas pelo fornecedor, verificando ainda se o aplicativo possui funcionalidades, tais como: • Cadastro e controle de clientes; • Histórico de relacionamento com clientes; • Controle de mercadorias e materiais em estoques; • Controle de taxa de serviço; • Controle dos dados sobre faturamento/vendas, gestão de caixa e bancos; • Emissão de pedidos; • Emissão de notas fiscais; • Controle de contas a receber; • Organização de compras e contas a pagar; • Relatórios e gráficos gerenciais para análise real do faturamento do laboratório. 11. Canais de Distribuição O serviço de análises clínicas depende da presença do paciente no laboratório ou posto de coleta para entregar o material ou efetuar a coleta. A entrega do resultado pode ser realizada pela internet, presencialmente ou por serviço de motoboy. 12. Investimento O investimento poderá variar muito de acordo com o porte do empreendimento. Um laboratório de análises clínicas de porte médio poderá iniciar suas atividades com um investimento estimado em R$ 178.878,00, a ser alocado majoritariamente nos seguintes itens: Equipamentos para o laboratório......................R$ 84.818,00 Equipamentos para a área administrativa..........R$ 14.060,00 Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 16
  21. 21. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro Reforma e adaptação do imóvel...........................R$ 45.000,00 Valor estimado para capital de giro......................R$ 35.000,00 Valor total previsto para o investimento...............R$ 178.878,00 Para uma informação mais apurada sobre o investimento inicial, sugere-se que o empreendedor procure o Sebrae para um planejamento mais adequado ao seu negócio. 13. Capital de Giro Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa. O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC). Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa. Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão- de-obra, aluguel, impostos e outros forem menores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa. Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros. Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 17
  22. 22. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão. O desafio da gestão do capital de giro deve-se, principalmente, à ocorrência dos fatores a seguir: a) Variação dos diversos custos absorvidos pela empresa; b) Aumento de despesas financeiras decorrentes de empréstimos e/ou financiamentos; c) Baixa no volume de serviços prestados aos clientes; d) Aumento de custos operacionais do laboratório; e) Inadimplência ou atraso no recebimento de valores devidos por empresas contratantes dos serviços, no caso, planos de saúde. O empreendedor deverá ter um controle orçamentário rígido, de forma a não consumir recursos sem previsão. O empresário deve evitar a retirada de valores além do pró-labore estipulado, pois no início todo o recurso que entrar na empresa nela deverá permanecer, possibilitando o crescimento e a expansão do negócio. Dessa forma a empresa poderá alcançar mais rapidamente sua auto-sustentação, reduzindo as necessidades de capital de giro e agregando maior valor ao novo negócio. No caso de um laboratório de análises clínicas, o empresário deve reservar em torno de 25% do total do investimento inicial para o capital de giro. 14. Custos São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente ao preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria- prima e insumos consumidos no processo de produção. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 18
  23. 23. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio, indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio. Os custos para abrir um laboratório de análises clínicas, podem ser estimados da seguinte forma: • Salários, comissões e encargos: R$ 21.000,00; • Despesas de alimentação e transporte de empregados: R$ 3.200,00; • Aluguel, taxa de condomínio, segurança: R$ 7.000,00; • Água, luz, telefone e acesso a internet: R$ 1.200,00; • Produtos para higiene e limpeza da empresa e funcionários: R$ 800,00; • Recursos para manutenções corretivas das máquinas: R$ 1.000,00; • Assessoria contábil: R$ 1.200,00; • Propaganda e publicidade da empresa: R$ 1.500,00; • Aquisição de matéria-prima e insumos: R$ 20.000,00; • Despesas com armazenamento e transporte: R$ 1.500,00. Seguem algumas dicas para manter os custos controlados: • Comprar pelo menor preço; • Negociar prazos mais extensos para pagamento de fornecedores; • Evitar gastos e despesas desnecessárias; • Manter equipe de pessoal enxuta. 15. Diversificação/Agregação de Valor Agregar valor significa oferecer produtos e serviços complementares ao produto principal, diferenciando-se da concorrência e atraindo o público-alvo. Não basta possuir algo que os produtos concorrentes não oferecem. É necessário que esse algo mais seja reconhecido pelo cliente como uma vantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ou serviço prestado. As pesquisas quantitativas e qualitativas podem ajudar na identificação de benefícios de valor agregado. No caso de um laboratório de análises clínicas, existem várias oportunidades de diferenciação, tais como: • Ampliação da oferta de exames, com a utilização de laboratórios de apoio; • Entrega de resultados pela internet; • Rastreabilidade do processo de elaboração dos exames via tablet, celular e etc; • Expansão da atuação por meio da instalação de vários pontos de coleta; Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 19
  24. 24. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias • Instalação em hospitais para contratos exclusivos de coleta em pacientes internados; • Oferecer atendimento de qualidade que encante o cliente pelo cumprimento de prazos, horários de atendimento estendidos, demonstração de interesse pelo cliente, habilidade no trato com as pessoas, paciência e respeito; • Ambiente climatizado, oferta de lanche nutricionalmente adequado após coleta de material, música ambiente, ausência de filas demoradas. 16. Divulgação A divulgação é um componente fundamental para o sucesso de um laboratório de análises clínicas As campanhas publicitárias devem ser adequadas ao orçamento da empresa, à sua região de abrangência e às peculiaridades do local. Abaixo, sugerem- se algumas ações mercadológicas acessíveis e eficientes: • Dispor de website de boa qualidade na internet com a oferta de serviços do laboratório e com fotos do ambiente de atendimento e de realização dos exames; • Participar de feiras e eventos da área de saúde; • Realizar palestras gratuitas em escolas, faculdades e universidades; • Realizar parcerias através de convênios com empresas e planos de saúde; • Realizar anúncios patrocinados em redes sociais, sites de busca e outros ambientes da web. Se for de interesse do empreendedor, um profissional de marketing e comunicação poderá ser contratado para desenvolver campanha específica. O empreendedor deve sempre entregar o que foi prometido e, quando puder, superar as expectativas do cliente. Ao final, a melhor propaganda será feita pelos clientes satisfeitos e bem atendidos. 17. Informações Fiscais e Tributárias O segmento de LABORATÓRIO DE ANÁLISE CLÍNICA, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) 8640-2/02 como a atividade de laboratórios de análises clínicas, postos de coleta de laboratórios de Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 20
  25. 25. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias análises clínicas, poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa, R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f azenda.gov.br/SimplesNacional/): • IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica); • CSLL (contribuição social sobre o lucro); • PIS (programa de integração social); • COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social); • ISSQN (imposto sobre serviços de qualquer natureza); • INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal). Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, variam de 17,50% a 22,90%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período. Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS. MEI (Microempreendedor Individual): para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 - Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ), Neste caso, este segmento não pode se enquadrar no MEI, conforme Res. 94/2001. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 21
  26. 26. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral Para este segmento, tanto ME ou EPP, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias. Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN - Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011. 18. Eventos A seguir, são indicados alguns eventos sobre o segmento: Congresso Brasileiro de Análises Clínicas Centro de Eventos FIERGS – Porto Alegre – RS Website: http://www.sbac.org.br Congresso Brasileiro de Citologia Clínica Centro de Eventos FIERGS – Porto Alegre - RS Website: http://www.sbac.org.br CONGRELAB Centro de Eventos São Rafael – Porto Alegre – RS Website: http://www.sbac.org.br/ 19. Entidades em Geral A seguir, são indicadas as principais entidades de auxílio ao empreendedor: Abenfarbio Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 22
  27. 27. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral Associação Brasileira de Ensino Farmacêutico e Bioquímico SCS Qd 2 bl C – Ed. São Paulo – sala 11, Brasília – DF CEP 70314-900 Tel.: (61) 3034-6722 Website: http://www.abenfarbio.org.br E-mail: contato@abenfarbio.org.br Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária SEPN 515, bloco B, Edifício Ômega – unidade I, Brasília – DF CEP 70770-520 Tel.: (61) 3462-6000 Website: http://www.anvisa.com.br Apac Associação dos Profissionais de Análises Clínicas e Diagnóstico por Imagem Av. dos Bandeirantes, 3.900 – Monte Alegre Ribeirão Preto – SP Fone: (16) 3602-2898 Website: http://www.apacrp.com.br E-mail: apac.rp@hcrp.fmrp.usp.br Ministério da Saúde Esplanada dos Ministérios, bl. G, Brasília – DF CEP 70058-900 Fone: (61) 3315-2425 Website: http://www.saude.gov.br E-mail: contato@saude.gov.br Receita Federal Brasília - DF Website: http://www.receita.fazenda.gov.br p> SNDC Sistema Nacional de Defesa do Consumidor Website: http://www.mj.gov.br/dpdc/sndc.htm Sociedade Brasileira de Análises Clínicas Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 23
  28. 28. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas Rua Vicente Licínio, 99 – Tijuca CEP: 20270-902 Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21) 2187-0800 Fax: (21) 2187-0805 Website: http://www.sbac.org.br E-mail: geral@sbac.org.br 20. Normas Técnicas Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2). Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física). Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País. 1. Normas específicas para um Laboratório de Análises Clínicas ABNT NBR NM ISO 15189:2008 - Laboratórios de análises clínicas - Requisitos especiais de qualidade e competência. Esta Norma define os requisitos de qualidade e competência específicos para os laboratórios clínicos Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 24
  29. 29. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas ABNT NBR NM 318:2007 – Laboratório de análises clínicas - Informação proporcionada pelo fabricante com os reativos de diagnósticos in vitro para uso profissional. Esta Norma especifica os requisitos para as informações fornecidas pelo fabricante de produtos de diagnóstico in vitro incluindo os produtos reativos, calibradores, materiais de controle e componentes de reativos para uso profissional. ABNT NBR NM 319:2007 – Laboratórios de análises clínicas - Instruções de utilização dos equipamentos para diagnóstico in vitro para uso profissional. Esta Norma especifica os requisitos aplicáveis ao conteúdo das instruções de uso dos equipamentos para diagnóstico in vitro (IVD ou DIV) para utilização profissional. ABNT NBR NM 311-1:2007 – Laboratório de análises clínicas - Pré- analítico - Parte 1: Formulário de solicitação. Esta parte da norma estabelece as recomendações para o modelo dos formulários de solicitação de exames e seu uso correto. ABNT NBR NM 311-2:2007 – Laboratório de análises clínicas - Pré- analítico - Parte 2: Preparação do paciente. Esta Norma estabelece recomendações para os laboratórios clínicos ou organização da qual faça parte, com referência aos aspectos da fase pré- analítica referidos na preparação do paciente em laboratórios nas análises clínicas. ABNT NBR NM 306:2006 – Laboratório de análises clínicas - Recomendações para o Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 25
  30. 30. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas controle interno da qualidade em ensaios quantitativos. O objetivo do documento é recomendar procedimentos de controle interno da qualidade (CIQ) para assegurar o atendimento aos requisitos de precisão e exatidão, sempre que os ensaios são realizados. Os procedimentos têm como objetivo monitorizar o desempenho analítico de um método e alertar para a presença de problemas que podem limitar a utilidade do resultado no uso pretendido. ABNT NBR NM 307:2006 – Laboratório de análises clínicas - Recomendações para julgamento dos resultados quantitativos do controle interno da qualidade e da avaliação externa da qualidade. Estas diretrizes têm como objetivo descrever as recomendações para análise, interpretação e julgamento dos resultados do CIQ. Descrevem também as recomendações para intervenção em resultados fora de controle ou inaceitáveis, mas não proporcionam ações corretivas e preventivas especificas As diretrizes são aplicáveis em qualquer locação que realiza testes de laboratório e se aplicam fundamentalmente a testes quantitativos. ABNT NBR NM 308:2006 – Laboratório de análises clínicas - Equipamentos para uso no laboratório - Critérios para a seleção de fornecedores. Esta Norma estabelece os princípios básicos para a seleção de fornecedores de equipamentos destinados a seu uso nos laboratórios de análises clínicas. ABNT NBR NM 309:2006 – Laboratório de análises clínicas - Reativos para uso no diagnóstico "in vitro" - Conservação da cadeia do frio - Armazenamento, transporte e distribuição. Esta Norma estabelece o procedimento para o manejo físico e administrativo de reativos para uso no diagnóstico "in vitro" durante seu armazenamento, transporte e Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 26
  31. 31. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas distribuição que garanta em todo o momento sua conservação nos elos da cadeia de frio até o consumidor final com o fim de assegurar sua qualidade e estabilidade. ABNT NBR NM 310:2010 – Laboratório clínico - Requisitos de elaboração dos laudos de exames. Esta Norma estabelece as regras que tem que ser seguidas para a preparação dos laudos do laboratório de análises clínicas, tanto nos aspectos conceituais como nos formais. ABNT NBR NM 296:2005 – Análises clínicas - Métodos para a verificação da calibração dos fotômetros e espectrofotômetros. Oferecer ao profissional encarregado do laboratório de análises clínicas um relatório com os controles indispensáveis que devem ser efetuados, periodicamente, para avaliação de funcionamento do seu instrumento de medição. p> ABNT NBR ISO 18308:2013 – Informática em Saúde — Requisitos para uma arquitetura de registro eletrônico de saúde. Esta Norma define o conjunto de requisitos para a arquitetura de um sistema que processa, administra e transmite a informação de registro eletrônico de saúde (RES): uma Arquitetura de RES (ARES). Os requisitos são formulados de modo a assegurar que estes RES sejam fiéis às necessidades da assistência à saúde, sejam clinicamente válidos e confiáveis, eticamente aceitáveis, atendam à legislação vigente, apoiem as boas práticas clínicas e facilitem a análise de dados para uma infinidade de propósitos. ABNT NBR NM ISO 22870:2008 – Laboratórios clínicos - Teste laboratorial remoto (TLR) - Requisitos para qualidade e competência (ISO 22870:2006, IDT). Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 27
  32. 32. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas Esta Norma brinda os requisitos aplicáveis ao TLR e se pretende que seja usada conjuntamente com a NM ISO 15189. Os requisitos desta Norma são aplicáveis quando o TLR é realizado em hospitais, clínicas e em Instituições de saúde que provém cuidados ambulatoriais. Esta Norma MERCOSUL pode ser aplicada em medidas transcutâneas, análises de ar expirado e monitorização in vivo de parâmetros fisiológicos. ABNT NBR 12807:2013 – Resíduos de serviços de saúde — Terminologia. Esta Norma define os termos empregados em relação aos resíduos de serviços de saúde. ABNT NBR 12808:1993 – Resíduos de serviço de saúde – Classificação. Esta Norma classifica os resíduos de serviços de saúde quanto aos riscos potenciais ao meio ambiente e à saúde pública, para que tenham gerenciamento adequado. ABNT NBR 12809:2013 – Resíduos de serviços de saúde — Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde intraestabelecimento. Esta Norma estabelece os procedimentos necessários ao gerenciamento intraestabelecimento de resíduos de serviços de saúde os quais, por seus riscos biológicos e químicos, exigem formas de manejo específicos, a fim de garantir condições de higiene, segurança e proteção à saúde e ao meio ambiente. ABNT NBR 12810:1993 – Coleta de resíduos de serviços de saúde – Procedimento. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 28
  33. 33. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas Esta Norma fixa os procedimentos exigíveis para coleta interna e externa dos resíduos de serviços de saúde, sob condições de higiene e segurança. ABNT NBR 13853:1997 – Coletores para resíduos de serviços de saúde perfurantes ou cortantes - Requisitos e métodos de ensaio. Esta Norma fixa as características de coletores destinados ao descarte de resíduos de serviços de saúde perfurantes ou cortantes, tipo A.4, conforme a ABNT NBR 12808. ABNT NBR 15943:2011 – Diretrizes para um programa de gerenciamento de equipamentos de infraestrutura de serviços de saúde e de equipamentos para a saúde. Esta Norma estabelece os componentes mínimos de um programa de gerenciamento de equipamentos. ABNT NBR ISO 15223-1:2010 – Produtos para a saúde — Símbolos a serem utilizados em rótulos, rotulagem e informações a serem fornecidas de produtos para saúde - Parte 1: Requisitos gerais. Esta parte da ABNT NBR ISO 15223 identifica os requisitos para o desenvolvimento e utilização de símbolos que visam expressar informação para a utilização segura e apropriada de produtos para a saúde. Esta Norma também apresenta os símbolos que satisfazem os requisitos desta parte da ABNT NBR ISO 15223. ABNT NBR ISO 17665-1:2010 – Esterilização de produtos para saúde — Vapor - Parte 1: Requisitos para o desenvolvimento, validação e controle de rotina nos processos de esterilização de produtos para saúde. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 29
  34. 34. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas Esta parte da ABNT NBR ISO 17665 especifica requisitos para o desenvolvimento, validação e controles de rotina para o processo de esterilização por vapor de produtos para saúde. ABNT NBR ISO 17665-1:2010 – Esterilização de produtos para saúde - Esterilizadores de vapor a baixa temperatura e formaldeído - Requisitos e métodos de ensaio. Esta parte da ABNT NBR ISO 17665 especifica requisitos para o desenvolvimento, validação e controles de rotina para o processo de esterilização por vapor de produtos para saúde. ABNT NBR 15659:2009 – Esterilização de produtos para saúde — Vapor - Parte 1: Requisitos para o desenvolvimento, validação e controle de rotina nos processos de esterilização de produtos para saúde. Esta Norma específica os requisitos e métodos de ensaios aplicáveis a esterilizadores LTSF, que usam uma mistura de vapor a baixa temperatura e formaldeído como agente esterilizante, e que estejam operando somente abaixo da pressão ambiente. ABNT NBR 11816:2003 – Esterilização - Esterilizadores a vapor com vácuo, para produtos e saúde. Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para esterilizadores a vapor com capacidade volumétrica maior que duas unidades de esterilização (UE), especialmente os usados no campo da medicina. Inclui também o campo industrial, quando, por motivos médicos, materiais devem ser esterilizados. 2. Normas aplicáveis na execução de um Laboratório de Análises Clínicas Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 30
  35. 35. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas ABNT NBR 15842:2010 - Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais. Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente. ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio. Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio. ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 - Instalações elétricas de baixa tensão. Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens. ABNT NBR 13534:2008 - Instalações elétricas de baixa tensão - Requisitos específicos para instalação em estabelecimentos assistenciais de saúde. Aplica-se o disposto na ABNT NBR 5410, com as seguintes exceções: Adicionar: Os requisitos específicos desta Norma aplicam-se a instalações elétricas em estabelecimentos assistenciais de saúde, visando garantir a segurança dos pacientes e dos profissionais de saúde. NOTA 1 Quando a utilização de um local médico for alterada, em particular com a introdução de procedimentos mais complexos, deve-se adequar a instalação elétrica existente à alteração promovida, de acordo com os requisitos desta Norma. Essa é uma questão ainda mais crítica se envolver Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 31
  36. 36. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas procedimentos intracardíacos e de sustentação de vida de pacientes. NOTA 2 Quando aplicável, esta Norma pode ser utilizada em clínicas veterinárias. Nota 3 Esta Norma não se aplica a equipamentos eletromédicos. Para equipamentos eletromédicos, ver série de normas ABNT NBR IEC 60601. ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013 - Iluminação de ambientes de trabalho - Parte 1: Interior. Esta Norma especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho. ABNT NBR 5419:2005 - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. Esta Norma fixa as condições de projeto, instalação e manutenção de sistemas de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA), para proteger as edificações e estruturas definidas em 1.2 contra a incidência direta dos raios. A proteção se aplica também contra a incidência direta dos raios sobre os equipamentos e pessoas que se encontrem no interior destas edificações e estruturas ou no interior da proteção impostas pelo SPDA instalado. ABNT NBR 5626:1998 - Instalação predial de água fria. Esta Norma estabelece exigências e recomendações relativas ao projeto, execução e manutenção da instalação predial de água fria. As exigências e recomendações aqui estabelecidas emanam fundamentalmente do respeito aos princípios de bom desempenho da instalação e da garantia de potabilidade da água no caso de instalação de água potável. ABNT NBR 8160:1999 - Sistemas prediais de esgoto sanitário - Projeto e execução. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 32
  37. 37. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ Esta Norma estabelece as exigências e recomendações relativas ao projeto, execução, ensaio e manutenção dos sistemas prediais, de esgoto sanitário, para atenderem às exigências mínimas quanto á higiene, segurança e conforto dos usuários, tendo em vista a qualidade destes sistemas. ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 - Sistemas de alarme - Parte 1: Requisitos gerais - Seção 1: Geral. Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente. ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida:2005 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade. 21. Glossário ALVARÁ SANITÁRIO: licença de funcionamento ou licença sanitária. Documento expedido pelo órgão sanitário competente Estadual, Municipal ou do Distrito Federal, que libera o funcionamento dos estabelecimentos que exerçam atividades sob regime de vigilância sanitária. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 33
  38. 38. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ AMOSTRA DO PACIENTE: parte do material biológico de origem humana utilizada para análises laboratoriais. AMOSTRA LABORATORIAL COM RESTRIÇÃO: amostra do paciente fora das especificações, mas que ainda pode ser utilizada para algumas análises laboratoriais. AMOSTRA CONTROLE: material usado com a finalidade principal de monitorar a estabilidade e a reprodutibilidade de um sistema analítico nas condições de uso na rotina. ANALITO: componente ou constituinte de material biológico ou amostra de paciente, passível de pesquisa ou análise por meio de sistema analítico de laboratório clínico. BIOSSEGURANÇA: condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente. CALIBRAÇÃO: conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a correspondência entre valores indicados por um instrumento, sistema de medição ou material de referência, e os valores correspondentes estabelecidos por padrões. COLETA LABORATORIAL DOMICILIAR: realização da coleta de amostra de paciente em sua residência. COLETA LABORATORIAL EM EMPRESA: realização da coleta de amostra de paciente no âmbito de uma empresa. COLETA LABORATORIAL EM UNIDADE MÓVEL: realização da coleta de amostra de paciente em unidade móvel. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 34
  39. 39. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ CONTROLE DA QUALIDADE: técnicas e atividades operacionais utilizadas para monitorar o cumprimento dos requisitos da qualidade especificados. CONTROLE EXTERNO DA QUALIDADE: atividade de avaliação do desempenho de sistemas analíticos através de ensaios de proficiência, análise de padrões certificados e comparações interlaboratoriais.Também chamada Avaliação Externa da Qualidade. CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE: procedimentos conduzidos em associação com o exame de amostras de pacientes para avaliar se o sistema analítico está operando dentro dos limites de tolerância pré-definidos. DESINFECÇÃO: processo físico ou químico que destrói ou inativa a maioria dos microrganismos patogênicos de objetos inanimados e superfícies, com exceção de esporos bacterianos. ENSAIO DE PROFICIÊNCIA: determinação do desempenho analítico por meio de comparações interlaboratoriais conduzidas por provedores de ensaio de proficiência. EQUIPAMENTO LABORATORIAL: designação genérica para um dispositivo empregado pelo laboratório clínico como parte integrante do processo de realização de análises laboratoriais. ESTERILIZAÇÃO: processo físico ou químico que destrói todas as formas de vida microbiana, ou seja, bactérias nas formas vegetativas e esporuladas, fungos e vírus. FASE PRÉ-ANALÍTICA: fase que se inicia com a solicitação da análise, passando pela obtenção da amostra e finda ao se iniciar a análise propriamente dita. FASE ANALÍTICA: conjunto de operações, com descrição especifica, utilizada na realização das análises de acordo com determinado método. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 35
  40. 40. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ FASE PÓS-ANALÍTICA: fase que se inicia após a obtenção de resultados válidos das análises e finda com a emissão do laudo, para a interpretação pelo solicitante. GARANTIA DA QUALIDADE: conjunto de atividades planejadas, sistematizadas e implementadas com o objetivo de cumprir os requisitos da qualidade especificados. INSPEÇÃO SANITÁRIA: conjunto de procedimentos técnicos e administrativos, de competência da autoridade sanitária local, que previnem e controlam o risco sanitário em estabelecimentos sujeitos a este controle. INSTRUÇÃO ESCRITA: toda e qualquer forma escrita de documentar as atividades realizadas pelo estabelecimento e ou serviço. INSTRUMENTO LABORATORIAL: designação genérica para dispositivos empregados pelo laboratório clínico que auxiliam na execução de uma tarefa analítica. INSUMO: designação genérica do conjunto dos meios ou materiais utilizados em um processo para geração de um produto ou serviço. LABORATÓRIO CLÍNICO: serviço destinado à análise de amostras de paciente, com a finalidade de oferecer apoio ao diagnóstico e terapêutico, compreendendo as fases pré-analítica, analítica e pós-analítica. LABORATÓRIO DE APOIO: laboratório clínico que realiza análises em amostras enviadas por outros laboratórios clínicos. LAUDO LABORATORIAL: documento que contém os resultados das análises laboratoriais, validados e autorizados pelo responsável técnico do laboratório ou seu substituto. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 36
  41. 41. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ LIMPEZA: processo sistemático e contínuo para a manutenção do asseio ou, quando necessário, para a retirada de sujidade de uma superfície. MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO: tecido ou fluido constituinte do organismo humano. METODOLOGIA PRÓPRIA EM LABORATÓRIO CLÍNICO (IN HOUSE): reagentes ou sistemas analíticos produzidos e validados pelo próprio laboratório clínico, exclusivamente para uso próprio, em pesquisa ou em apoio diagnóstico. PACIENTE DE LABORATÓRIO: pessoa da qual é coletado o material ou amostra biológica para ser submetida à análise laboratorial. POSTO DE COLETA LABORATORIAL: serviço vinculado a um laboratório clínico, que realiza atividade laboratorial, mas não executa a fase analítica dos processos operacionais, exceto os exames presenciais, cuja realização ocorre no ato da coleta. PRODUTO PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO: reagentes, padrões, calibradores, controles, materiais, artigos e instrumentos, junto com as instruções para seu uso, que contribuem para realizar uma determinação qualitativa, quantitativa ou semi-quantitativa de uma amostra biológica e que não estejam destinados a cumprir função anatômica, física ou terapêutica alguma, que não sejam ingeridos, injetados ou inoculados em seres humanos e que são utilizados unicamente para provar informação sobre amostras obtidas do organismo humano. PROFISSIONAL LEGALMENTE HABILITADO: profissional com formação superior inscrito no respectivo Conselho de Classe, com suas competências atribuídas por Lei. RASTREABILIDADE: capacidade de recuperação do histórico, da aplicação ou da localização daquilo que está sendo considerado, por meio de identificações registradas. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 37
  42. 42. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ RESPONSÁVEL TÉCNICO: profissional legalmente habilitado que assume perante a Vigilância Sanitária a Responsabilidade Técnica do laboratório clínico ou do posto de coleta laboratorial. SANEANTE: substância ou preparação destinada à higienização, desinfecção, esterilização ou desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos, públicos e privados, em lugares de uso comum e no tratamento da água. SUPERVISÃO: atividade realizada com a finalidade de verificar o cumprimento das especificações estabelecidas nos processos operacionais. TESTE LABORATORIAL REMOTO: teste realizado por meio de um equipamento laboratorial situado fisicamente fora da área de um laboratório clínico. Também chamado Teste Laboratorial Portátil -TLP, do inglês Point-of-care testing -POCT. VALIDAÇÃO: procedimento que fornece evidências de que um sistema apresenta desempenho dentro das especificações da qualidade, de maneira a fornecer resultados válidos. VERIFICAÇÃO DA CALIBRAÇÃO: ato de demonstrar que um equipamento de medição apresenta desempenho dentro dos limites de aceitabilidade, em situação de uso. 22. Dicas de Negócio O setor de laboratórios de análises clínicas possui uma concorrência muito acirrada, com um intenso movimento de fusões e aquisições. Por meio de escala, os grandes grupos de laboratórios são capazes ao mesmo tempo de baixar preços e oferecer exames de alta complexidade. Ao pequeno empreendedor ainda restam oportunidades em pequenas e médias cidades, onde as principais bandeiras ainda não entraram. Outra opção é a parceria para a instalação em hospitais. Dessa forma, o laboratório Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 38
  43. 43. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ terá acesso garantido e exclusivo aos pacientes internados e em UTI, além de atender os pacientes de consulta eletiva e emergencial no hospital. Atender planos de saúde é fundamental para a sobrevivência do negócio. Embora os valores pagos não sejam atrativos, o volume de exames garante uma receita mínima mensal. Não basta abrir mais um laboratório, é necessário abrir as portas com diferencias efetivos e capazes de chamar a atenção do público-alvo, transformando céticos e curiosos em clientes fiéis. 23. Características O empreendedor envolvido com atividades relacionadas a laboratório de análises clínicas precisa adequar-se a um perfil que o mantenha na vanguarda do setor. É aconselhável uma autoanálise para verificar qual a situação do futuro empreendedor frente a esse conjunto de características e identificar oportunidades de desenvolvimento. A seguir, algumas características desejáveis ao empresário desse ramo: - Ter paixão pela atividade e conhecer bem o ramo de negócio; - Pesquisar e observar permanentemente o mercado em que está instalado, promovendo ajustes e adaptações no negócio; - Ter atitude e iniciativa para promover as mudanças necessárias; - Acompanhar o desempenho dos concorrentes; - Saber administrar todas as áreas internas da empresa; - Saber negociar, vender benefícios e manter clientes satisfeitos; - Ter visão clara de onde quer chegar; - Planejar e acompanhar o desempenho da empresa; - Ser persistente e não desistir dos seus objetivos; - Manter o foco definido para a atividade empresarial; - Ter coragem para assumir riscos calculados; - Estar sempre disposto a inovar e promover mudanças; - Ter grande capacidade para perceber novas oportunidades e agir rapidamente para aproveitá-las; - Ter habilidade para liderar a equipe de profissionais do laboratório de análises clínicas. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 39
  44. 44. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ 24. Bibliografia AIUB, George Wilson et al. Plano de Negócios: serviços. 2. ed. Porto Alegre: Sebrae, 2000. BARBOSA, Mônica de Barros; LIMA, Carlos Eduardo de. A Cartilha do Ponto Comercial: como escolher o lugar certo para o sucesso do seu negócio. São Paulo: Clio Editora, 2004. COSTA, Nelson Pereira. Marketing para Empreendedores: um guia para montar e manter um negócio. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003. FERRAZ, Flavio C. Técnicas de segurança em laboratórios: regras e práticas. São Paulo: Nacional, 2004. 184 p. FISCHBACH, Frances. Manual de enfermagem: exames laboratoriais e diagnósticos. São Paulo: Nacional, 2005. 756 p. GIL, Edson. Competitividade em vendas. Rio de Janeiro: Alta Books, 2003. 92 p. GONÇALVES, R. Reis e MILLER, Otto. Laboratório para o clínico. São Paulo: Nacional, 1995. 624 p. KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000. LUPPA, Luis Paulo. O vendedor pit bull. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2007. 128 p. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 40
  45. 45. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ MOTTA, Valter T. Bioquímica clínica para o laboratório. São Paulo: Nacional, 2005. 419 p. MOURA, Roberto de A. Técnicas de laboratório. São Paulo: Nacional, 2002. 511 p. RAVEL. Laboratório Clínico: Aplic. Clínicas de dados laboratoriais. São Paulo: Nacional, 1997. 616 p. SILVA, Décio T. e GONÇALVES, Roberto R. Glossário das boas práticas de laboratórios clínicos. São Paulo: Nacional, 2001. 113 p. SILVA, José Pereira. Análise Financeira das Empresas. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006. TERRA, Paulo. Coagulação: interpretação clínica dos testes laboratoriais de rotina. São Paulo: Nacional, 2004. 225 p. WALTER, Marina, ESFRINDGE, Bárbara e REYNOLDS, Rana P. Laboratório clínico: técnicas básicas. São Paulo: Nacional, 1998. 482 p. Referências eletrônicas: Softwares para laboratórios de análises clínicas. Disponíveis em: http://www.labware.com/br/p/04 . Acesso em 27 de setembro de 2013. http://www.fitinovacao.com.br/ produtos.asp . Acesso em 27 de setembro de 2013. http://www.labanalises clinicas.com.br/software.php . Acesso em 27 de setembro de Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 41
  46. 46. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ 2013. http://www.labsysweb.com.br/ . Acesso em 27 de setembro de 2013. http://www.baixaki.com.br . Acesso em 27 de setembro de 2013. http://www.superdownloads.com.br . Acesso em 27 de setembro de 2013. Eventos do setor. Disponível em: http://www.sbac.org.br/pt/index.html . Acesso em 27 de setembro de 2013. Análises clínicas. Disponível em: http://analises- linicas.info/mos/view/O_que_%c3%a9_An%c3%a1lise_Cl%c3%adnic a/ . Acesso em 27 de setembro de 2013. 25. Fonte Não há informações disponíveis para este campo. 26. Planejamento Financeiro Não há informações disponíveis para este campo. Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 42
  47. 47. Apresentação/Apresentação/Mercado/Localização/ExigênciasLegaiseEspecíficas/Estrutura/ Pessoal/Equipamentos/MatériaPrima/Mercadoria/OrganizaçãodoProcessoProdutivo/Automação/ CanaisdeDistribuição/Investimento/CapitaldeGiro/Custos/Diversificação/AgregaçãodeValor/ Divulgação/InformaçõesFiscaiseTributárias/Eventos/EntidadesemGeral/NormasTécnicas/ 27. Soluções Sebrae Não há informações disponíveis para este campo. 28. Sites Úteis Não há informações disponíveis para este campo. 29. URL http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/Como-montar-um- laborat%C3%B3rio-de-an%C3%A1lises-cl%C3%ADnicas Ideias de Negócios | www.sebrae.com.br 43

×