SlideShare uma empresa Scribd logo
Título da Apresentação
Seminário Inovação Tecnológica em Saúde no SUS
FINEP: Linhas de Ação
São Paulo, 23/10/2012
Agenda
Inovação & Políticas Públicas
FINEP
Política Operacional & Instrumentos de apoio
Programa FINEP Complexo da Saúde 2012-2014
O que é inovação?
A inovação pode apresentar escala local, nacional ou mundial. Pode
ser incremental ou radical.
Inovações devem, necessariamente, estar disponibilizadas no
mercado, aplicadas nas organizações ou transferidas para a sociedade.
Inovação é a introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente
produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços.
(Lei 10.973/04 – Lei da Inovação)
Inovação:
Diferencial competitivo para as empresas na atual economia globalizada
Importante instrumento de desenvolvimento e transformação econômico-social
"A inovação é o que distingue um líder de um seguidor.“
Steve Jobs
Por que inovar?
Articulação das políticas industrial e de C,T&I
MCTI/FINEP
inovação
MCTI/FINEP
inovação
Diretrizes Estratégicas
• Promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico
• Criar e fortalecer competências críticas da economia nacional
• Aumentar o adensamento produtivo e tecnológico das cadeias de valor
• Ampliar os mercados interno e externo das empresas brasileiras
• Garantir crescimento socialmente inclusivo e ambientalmente
sustentável
• Ampliar os níveis de produtividade e competitividade da indústria
brasileira
Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf
Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
(A) Fortalecimento do parque produtivo de fármacos
(bioprodutos e químicos), medicamentos, equipamentos,
hemoderivados, vacinas e materiais de uso em saúde no
País
Articular ações de fomento, poder de compra, regulação e
infraestrutura tecnológica para aumentar a competitividade do CIS
 Instituir Programa para o Desenvolvimento do CIS (Procis)
 Ampliar o domínio das etapas essenciais e do conteúdo
tecnológico dos processos produtivos
 Promover a regionalização da produção e inovação em saúde por
meio das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo
 Apoiar centros de farmacologia, pesquisa clínica, escalonamento
de produção e protótipos em saúde
Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf
Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
Inserção na Diretriz Estruturante 2:
Ampliação e Criação de Novas Competências Tecnológicas e de Negócios
Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf
(B) Utilização do poder de compra governamental para
aquisição de produtos e serviços estratégicos para o
Sistema Único de Saúde (SUS)
Estabelecer parcerias para o desenvolvimento produtivo
Aplicar margem de preferência
 Aprimorar o marco regulatório para a utilização do instrumento de
encomendas tecnológicas
Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf
(D) Prospecção e monitoramento tecnológico para orientar a
política de inovação e acesso universal aos produtos para
saúde
Promover ações de cooperação técnica para a garantia da qualidade e
segurança de dispositivos médicos submetidos ao regime de controle
sanitário, no âmbito da Portaria Interministerial MS/MDIC no 692, de
08/04/09
(C) Fortalecimento da produção pública mediante a qualificação
da gestão e ampliação de investimentos, para atender as
demandas do SUS
Instituir o Procis
Consolidar a Rede de Equivalência e Bioequivalência (REQBio) e as redes
tecnológicas de suporte à inovação
Ampliar a capacidade analítica do Laboratório de Análise de Insumos
Farmacêuticos (Laif)
Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
Dimensão estruturante:
 Comércio Exterior, incluindo objetivos de curto, médio e longo prazo:
 melhoria nos instrumentos financeiros e tributários de estímulo às
exportações;
 estímulo à internacionalização de empresas nacionais visando a ampliação
de mercados e o acesso a novas tecnologias; e
 atração de centros de pesquisa e desenvolvimento de empresas
estrangeiras para o país.
 Incentivo à Inovação, com base na ENCTI 2011-2014
 Formação e Qualificação Profissional, que inclui o Programa Ciência sem
Fronteiras.
 Competitividade de Pequenos Negócios, por meio da preferência local nas
compras públicas.
Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
(*) Extrato relacionado ã Missão da FINEP
Dimensão sistêmica*
• reduzir custos, acelerar o aumento da produtividade e promover bases
mínimas de isonomia para as empresas brasileiras em relação a seus
concorrentes internacionais; e
• consolidar o sistema nacional de inovação por meio da ampliação das
competências científicas e tecnológicas e sua inserção nas empresas.
Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
(*) Extrato relacionado à Missão da FINEP
Mapa Estratégico da ENCTI 2012-2015
ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
Programas Estratégicos
 Programas prioritários para os setores portadores de futuro
TICs – Tecnologias da informação e comunicação
Fármacos e Complexo Industrial da Saúde
Petróleo e Gás
Complexo Industrial da Defesa
Aeroespacial
Nuclear
 Fronteiras para a inovação
Biotecnologia
Nanotecnologia
 Fomento da economia verde
Energia renovável
Biodiversidade
Mudanças climáticas
Oceanos e zonas costeiras
 C,T&I para o Desenvolvimento Social
Popularização da C,T&I e melhoria do ensino de ciências
Inclusão produtiva e social
Tecnologias para cidades sustentáveis
Fármacos e Complexo Industrial da Saúde
ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
Programas Estratégicos
 Fármacos e Complexo Industrial da Saúde
Principais estratégias associadas:
1. criação de mecanismos de estímulo à inovação no setor Saúde;
2. promoção de instrumentos de transferência de tecnologia das indústrias
privadas, nacionais e internacionais, para os laboratórios públicos nacionais;
3. fomento ao desenvolvimento de biomateriais e de equipamentos para a
Saúde;
4. fomento à pesquisa e desenvolvimento de produtos e moléculas a partir da
biodiversidade;
5. estruturação de uma Rede de Ensaios Pré-Clínicos;
6. implementação de laboratórios acreditados segundo as Boas Práticas de
Laboratórios (BPL) para registro de produtos junto à Agência Nacional de
Vigilância Sanitária (ANVISA);
7. criação de pelo menos um centro de semi-escalonamento na produção de
moléculas por síntese química em condições de BPL;
8. apoio ao aperfeiçoamento e estabelecimento de biotérios acreditados com
vistas à disponibilização de animais certificados para experimentação;
9. fomento ao desenvolvimento de métodos alternativos ao uso de animais de
experimentação;
ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
Programas Estratégicos
 Fármacos e Complexo Industrial da Saúde
Principais estratégias associadas (cont):
10.desenvolvimento de técnicas e metodologias associadas às terapias
celulares e ampliação da Rede Nacional de Células-tronco;
11.ampliação das pesquisas em doenças tropicais e negligenciadas, incluindo
o desenvolvimento de vacinas;
12.ampliação das pesquisas em doenças crônicas não transmissíveis, doenças
endócrinas, nutricionais e metabólicas;
13.ampliação das pesquisas em doenças cardiovasculares e neoplásicas, as
duas classes que mais matam no Brasil;
14.fortalecimento da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde
(REBRATS);
15.estabelecimento de um Programa de Avaliação Econômica em Saúde para
atender as demandas de priorização no SUS;
16.ampliação do número de hospitais universitários e de ensino participantes
da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE), incluindo sua integração em
redes internacionais de telemedicina e telessaúde.
ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil
por meio do fomento público à Ciência, Tecnologia e Inovação
em empresas, universidades, institutos tecnológicos
e outras instituições públicas ou privadas.
A FINEP – Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública
vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada
em 24 de julho de 1967.
Atua em toda a cadeia da inovação,
com foco em ações estratégicas, estruturantes e de impacto
para o desenvolvimento sustentável do Brasil.
A Finep
Áreas prioritárias para apoio da FINEP
Tecnologia da Informação e
Comunicação
Defesa e Aeroespacial
Saúde
Desenvolvimento Social e Tecnologias
Assistivas
Energia Renovável
Óleo, Gás e Naval
 reverter a vulnerabilidade externa nos segmentos intensivos em tecnologia;
 estimular a implantação de atividades contínuas de P&D nas empresas;
 elevar a competitividade da empresa brasileira;
 apoiar a inserção de empresas inovadoras em mercados globais;
 estimular a participação do capital privado em inovação;
 estruturar competências para lideranças futuras; e
 estimular a adoção de procedimentos que promovam a sustentabilidade.
Principais desafios
POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014
Financiamentos reembolsáveis para empresas
Financiamentos não-reembolsáveis para ICTs
Subvenção econômica para empresas
Investimento em fundos
Modalidades & instrumentos de Financiamento
POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014
FINEP: ciência, tecnologia e inovação
Empresa Nascente
Incubação e
start-ups
Pre-
incubação
Pesquisa
Científica
&Tecnológica
Infra-estrutura
Expansão e
Consolidação de
Empresas
Inovar
Semente TECNOVA
TECNOVA
INOVAR
Inova Brasil
Não
reembolsável
Investimento Crédito ‫‏‬
Subvenção
PROINFRA
Estruturante
Novos Campi
Juro Zero*
Subvenção: Edital Nacional
SIBRATEC
ICT-Empresa
Desenvolvimento tecnológico & inovação
Modalidades & instrumentos de Financiamento
POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014
(*) em reestruturação
 equipes participantes do projeto;
 bolsas de pesquisa;
 equipamentos e instrumentos (nacionais e importados);
 material permanente;
 matérias-primas e material de consumo;
 compra de tecnologia;
 assistência técnica e serviços de consultoria;
 obras civis diretamente associadas ao projeto;
 patenteamento e licenciamento;
 compra de participação no capital de empresas inovadoras;
 aluguel de material promocional pertinente à difusão da inovação;
 diárias e passagens no País e no exterior;
 serviços de engenharia consultiva;
 serviços de terceiros pessoa física e pessoa jurídica;
 acesso a banco de dados;
 testes de conformidade e certificação no País e no exterior;
 treinamento no País e no exterior, através de cursos e estágios ligados ao projeto;
 softwares customizados;
 concepção e desenvolvimento de software;
 produção, instalações fabris e comercialização quando associadas a inovações;
 joint-venture associada à inovação;
 nacionalização do capital social, fusões, incorporações; e
 ferramental associado a desenvolvimento tecnológico.
POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014
Itens financiáveis
Números da FINEP (Contratações e Liberações)
FINEP – Orçamento realizado
(1999-2011, em R$ milhões)
32% 54%
80% 74% 78% 79% 70% 56%
72%
58%
63%
58%
50%
1% 1% 3%
3%
15% 6%
10%
6%
68% 46%
20%
26%
22%
20%
29%
41%
25%
27% 31%
32%
44%
0
500
1.000
1.500
2.000
2.500
3.000
3.500
4.000
4.500
1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Não-Reembolsável Subvenção Crédito
793,7
651,7
947,6 892,3 1010,5
1144,2
1450,9
1713,5
2158,8
3217,9
3314,6
3932,9
3973,6
400%
PERFIL CARTEIRA SAÚDE FINEP 2004-2011
[por segmentos/aplicação]
Total da carteira SAÚDE FINEP 2004-2011: R$ 1.827 milhões
(997 operações)
R$
milhões
-
-
-
-
-
-
-
-
8,2
-
-
-
-
-
-
77,8
23,6
-
273,4
38,6
4,6
3,6
8,6
8,5
9,1
19,5
7,9
35,8
45,0
76,7
77,8
56,0
94,7
104,5
24,2
29,5
209,7
188,4
12,3
-
6,7
2,0
3,0
13,3
5,1
44,9
13,0
14,6
-
-
29,8
22,5
90,0
-
143,0
1,2
0% 25% 50% 75% 100%
outros
Infecciosas
gestão
Fatores
Bioproduto
Tecnologias Assistivas
DIP
Cancer
Kit diagnóstico
Implantes
Terapia Celular
Vacinas
TI
Saúde Pública
Infraestrutura
Produto
Equipamento
Pesquisa clínica
Medicamento
Crédito Não reembolsável Subvenção
PERFIL CARTEIRA SAÚDE FINEP 2004-2011
[instrumentos de apoio]
- 100,0 200,0 300,0 400,0 500,0
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
Crédito (R$ 383 milhões)
Não reembolsável (R$ 1.044 milhões)
Subvenção R$ 400 milhões)
PERFIL CARTEIRA SAÚDE FINEP 2004-2011
[evolução por instrumento de apoio]
R$ milhões
ano
de
contratação
6
,
6
1
7
,
6
1
8
,
4
1
3
,
8
5
,
4
9
,
9
8
,
5
0
,
9
1
,
4
90,2
78,0
74,7
69,2
92,6
87,6
90,6
97,2
97,7
3
,
3
4
,
4
6
,
9
1
6
,
9
2
,
0
2
,
5
0
,
9
1
,
9
0
,
9
0% 20% 40% 60% 80% 100%
total
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
PERFIL CARTEIRA FINEP 2004-2011
[distribuição anual]
Fármacos &
Medicamentos
R$ 605 milhões
Demais
segmentos da
Saúde
R$ 1.222 milhões
Demais
setores/áreas
R$ 16.756 milhões
Total
2004-2011
R$ 18.583 milhões
ano
de
contratação
QUANTIDADE DE EMPRESAS
INVESTIDAS (TOTAL 33)
23%
11% 11%
9%
6% 6% 6% 6% 6% 6%
3% 3% 3% 3%
PROGRAMAS
E
SERVIÇOS
EM
TI
ALIMENTOS
PROCESSADOS
QUÍMICOS
SAÚDE
COMPUTADORES
E
EQUIPAMENTOS
MATERIAL
DE
TRANSPORTE
PETRÓLEO,
GÁS
E
BIOCOMBUSTÍVEIS
SERVIÇOS
FINANCEIROS
DIVERSOS
TELEFONIA
MÓVEL
TELEFONIA
FIXA
MADEIRA
E
PAPEL
MÁQUINAS
E
EQUIPAMENTOS
MÍDIA
TRANSPORTE
Total fundos FINEP: R$ 1,65 bilhão
(Comprometimento FINEP 170,7 milhões)
PERFIL CARTEIRA FINEP - Investimento
[distribuição setorial]
 produção de intermediários químicos e extratos vegetais para fins terapêuticos
 princípios ativos (fármacos & biofármacos) e medicamentos para uso humano
 cosmecêuticos e nutracêuticos de uso humano
 materiais e equipamentos médico-odonto-hospitalares, biomaterias
 reagentes e dispositivos para diagnóstico
 hemoderivados
 imunobiológicos, vacinas
 pesquisas clínicas e pré-clínicas, reagentes e animais de laboratórios
 serviços de atenção à Saúde.
Complexo Econômico-Industrial da Saúde (CEIS)
CEIS FINEP: abrangência
PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016
 MS
 CNPq
 Empresas e Entidades Empresariais
 Academia
Promover a P,D&I para incrementar a oferta de bens e serviços
 compartilhar o risco nas etapas e/ou projetos inovadores que
constituem as iniciativas motoras do desenvolvimento do setor
 aprimorar e/ou expandir os sistemas de conhecimento, que
sustentam e impulsionam as funções produtivas
 adequar a modalidade de apoio financeiro ajustada à realidade
econômica
Parcerias
Ações
Atuação por PROGRAMAS com integração de instrumentos:
Fármacos e Medicamentos
Dispositivos Médicos
Tele Saúde & Telemedicina
Terapia Regenerativa
Estratégia
* Complexo Econômico-Industrial da Saúde
PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016
Fármacos e Medicamentos
Foco
Estratégia
Ações
Dotar o País da capacidade de escalonamento, mantendo reprodutibilidade
com menor custo e qualidade
Capacitar centros de pesquisas pré-clinica e clinica
Modernizar/ampliar biotérios (certificados) de produção
Desenvolver inovações, no País, em produtos prioritários do SUS, em
radiofármacos e para atendimento à demanda de mercado, nacional e
internacional
Fomentar a certificação nacional e internacional de plantas ou processos
Atuar na superação de “gargalos tecnológicos” da cadeia nacional de
desenvolvimento em fármacos e medicamentos
Investir na integração das diferentes competências necessárias ao pleno
desenvolvimento de fármacos e medicamentos no País.
* Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Equipamentos & Dispositivos Médicos
Foco
Estratégia
Ações
 Aquisição e internalização de tecnologias estratégicas de alta tecnologia.
 Qualificação técnica para o fornecimento de produtos e serviços a
empresas-âncora.
 Financiamento para adequação de produtos e serviços a regulamentos
técnicos, no País e no Exterior.
 Desenvolvimento de produtos estratégicos ao SUS, em atendimento à
Portaria MS 978/2006 e 1284/2010.
 Financiamento de startups como estímulo para a renovação do portfólio
tecnológico das grandes empresas do setor, através de pequenas empresas e
empresas individuais – desde estudos de viabilidade até a fase de protótipos.
 Apoio e financiamento da Engenharia Biomédica no Brasil para avanço e
consolidação de centros de formação de recursos humanos.
Atualizar e modernizar a capacidade produtiva em equipamentos e materiais
médicos, odontológicos e hospitalares.
Internalizar empresas e tecnologias e induzir o surgimento de empresas
desenvolvedoras de projetos de dispositivos médicos.
PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016
TeleSaúde & Telemedicina
Foco
Estratégia
Ações
 Equipamentos e aplicativos (hardware e software) para:
 atenção à distância em saúde
 acompanhamento remoto de paciente com vistas à geração de
serviços em saúde
 treinamento dos profissionais em saúde (capacitação em saúde)
 Infraestrutura de rede para capacidade, conectividade e velocidade
 Estudos sobre aspectos legais e de gestão, ética, responsabilidade,
padrões, pagamentos, legislação, etc
Dotar o País de instrumentos de qualidade de atenção à Saúde à distância.
Dar continuidade ao apoio nos últimos 15 anos a ICTs e às empresas que
atuam no desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias de informação e
comunicação na atenção à Saúde à distância.
PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016
* Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Terapia Regenerativa
Foco
Estratégia
Ações
 Fortalecimento e consolidação dos centros de Tecnologia Celular para
disponibilização de células tronco para a Rede Nacional de Terapia Celular.
 Pesquisas em terapias celulares e gênicas com vistas à produção de
células-tronco pela ICTs.
 Criação de centro de excelência em terapia regenerativa, com vistas ao
ganho de escala, aceleração do conhecimento e de aplicação, notadamente
através de parceria público-privada.
Manter a competência nacional na fronteira do conhecimento em terapia
celular e gênica.
Investir na consolidação e centralização das competências necessárias ao
pleno desenvolvimento e aplicação de terapias regenerativas, com vistas a
acelerar a incorporação do conhecimento.
PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016
* Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Informações: www.finep.gov.br/programas/
Obrigado!
Eliane Bahruth
ebahruth@finep.gov.br
www.finep.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (7)

Financiamento à Inovação
Financiamento à InovaçãoFinanciamento à Inovação
Financiamento à Inovação
 
Apresentação dr. dante alário p&di
Apresentação dr. dante alário   p&diApresentação dr. dante alário   p&di
Apresentação dr. dante alário p&di
 
Relatório de Gestão - Prêmio Qualidade Rio
Relatório de Gestão - Prêmio Qualidade RioRelatório de Gestão - Prêmio Qualidade Rio
Relatório de Gestão - Prêmio Qualidade Rio
 
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria...
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria...Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria...
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria...
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
 
Bio manguinhos 17
Bio manguinhos 17Bio manguinhos 17
Bio manguinhos 17
 
Certbio imeq apresentação
Certbio imeq  apresentaçãoCertbio imeq  apresentação
Certbio imeq apresentação
 

Semelhante a Dra. eliane bahruth

Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...
Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...
Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...
Confederação Nacional da Indústria
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
NIT Rio
 
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Nilton Nélio Cometti
 
Afobapressite 141105073005-conversion-gate01
Afobapressite 141105073005-conversion-gate01Afobapressite 141105073005-conversion-gate01
Afobapressite 141105073005-conversion-gate01
Alfob
 
Brasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América Latina
Brasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América LatinaBrasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América Latina
Brasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América Latina
Ministério da Saúde
 
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Alfob
 

Semelhante a Dra. eliane bahruth (20)

Inovacao.docx
Inovacao.docxInovacao.docx
Inovacao.docx
 
20150525 apresentação defesa final
20150525 apresentação defesa   final20150525 apresentação defesa   final
20150525 apresentação defesa final
 
Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...
Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...
Competitividade e Inovação - Clayton Campanhola - Diretor da Associação Brasi...
 
Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005
 
Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
 
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
 
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
 
Bioeconomia e o Setor Sucroenergético
Bioeconomia e o Setor SucroenergéticoBioeconomia e o Setor Sucroenergético
Bioeconomia e o Setor Sucroenergético
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
 
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
Palestra Seminário Arco norte 115-07-2014
 
Afobapressite 141105073005-conversion-gate01
Afobapressite 141105073005-conversion-gate01Afobapressite 141105073005-conversion-gate01
Afobapressite 141105073005-conversion-gate01
 
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
Política de Inovação IF Farroupilha - Santa Maria 10-07-2014
 
Brasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América Latina
Brasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América LatinaBrasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América Latina
Brasil terá primeira fábrica de equipamentos para radioterapia da América Latina
 
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2Apresentação alfob 2016 2017 - 2
Apresentação alfob 2016 2017 - 2
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
O sistema de inovação brasileiro: uma proposta orientada à missão
O sistema de inovação brasileiro: uma proposta orientada à missãoO sistema de inovação brasileiro: uma proposta orientada à missão
O sistema de inovação brasileiro: uma proposta orientada à missão
 
Apresentação ALFOB
Apresentação ALFOBApresentação ALFOB
Apresentação ALFOB
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
 
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2019
 

Mais de BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação

Mais de BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação (20)

Profa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_portoProfa. dra. geciane_porto
Profa. dra. geciane_porto
 
Prof. dr. carvalheiro
Prof. dr. carvalheiroProf. dr. carvalheiro
Prof. dr. carvalheiro
 
Mrs. constantino sakellarides
Mrs. constantino sakellaridesMrs. constantino sakellarides
Mrs. constantino sakellarides
 
Dra. maria celeste_emerik_2
Dra. maria celeste_emerik_2Dra. maria celeste_emerik_2
Dra. maria celeste_emerik_2
 
Dra. maria celeste_emerik
Dra. maria celeste_emerikDra. maria celeste_emerik
Dra. maria celeste_emerik
 
Dra. fernanda laranjeira
Dra. fernanda laranjeiraDra. fernanda laranjeira
Dra. fernanda laranjeira
 
Dr. sergio muller
Dr. sergio mullerDr. sergio muller
Dr. sergio muller
 
Dr. marcelo de_franco
Dr. marcelo de_francoDr. marcelo de_franco
Dr. marcelo de_franco
 
Dr. leonardo paiva
Dr. leonardo paivaDr. leonardo paiva
Dr. leonardo paiva
 
Dr. jorge bermudez
Dr. jorge bermudezDr. jorge bermudez
Dr. jorge bermudez
 
Dr. hernan chaimovi
Dr. hernan chaimoviDr. hernan chaimovi
Dr. hernan chaimovi
 
Dr. guilherme ary_plonsky_2
Dr. guilherme ary_plonsky_2Dr. guilherme ary_plonsky_2
Dr. guilherme ary_plonsky_2
 
Dr. guilherme ary_plonsky
Dr. guilherme ary_plonskyDr. guilherme ary_plonsky
Dr. guilherme ary_plonsky
 
Dr. cantidio
Dr. cantidioDr. cantidio
Dr. cantidio
 
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
Levantamento da continuidade da assistência às Doenças Crônicas Não Transmiss...
 
Apresentação NITs SES
Apresentação NITs SESApresentação NITs SES
Apresentação NITs SES
 
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Inovação no Estad...
 
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São PauloCoronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
Coronavirus situação epidemiológica em 26-09-2020 no Estado de São Paulo
 
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação TecnológicaProposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
 
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação TecnológicaProposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
Proposta para continuidade do apoio aos Núcleos de Inovação Tecnológica
 

Dra. eliane bahruth

  • 1. Título da Apresentação Seminário Inovação Tecnológica em Saúde no SUS FINEP: Linhas de Ação São Paulo, 23/10/2012
  • 2. Agenda Inovação & Políticas Públicas FINEP Política Operacional & Instrumentos de apoio Programa FINEP Complexo da Saúde 2012-2014
  • 3. O que é inovação? A inovação pode apresentar escala local, nacional ou mundial. Pode ser incremental ou radical. Inovações devem, necessariamente, estar disponibilizadas no mercado, aplicadas nas organizações ou transferidas para a sociedade. Inovação é a introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços. (Lei 10.973/04 – Lei da Inovação)
  • 4. Inovação: Diferencial competitivo para as empresas na atual economia globalizada Importante instrumento de desenvolvimento e transformação econômico-social "A inovação é o que distingue um líder de um seguidor.“ Steve Jobs Por que inovar?
  • 5. Articulação das políticas industrial e de C,T&I MCTI/FINEP inovação MCTI/FINEP inovação
  • 6.
  • 7. Diretrizes Estratégicas • Promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico • Criar e fortalecer competências críticas da economia nacional • Aumentar o adensamento produtivo e tecnológico das cadeias de valor • Ampliar os mercados interno e externo das empresas brasileiras • Garantir crescimento socialmente inclusivo e ambientalmente sustentável • Ampliar os níveis de produtividade e competitividade da indústria brasileira Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf Plano BRASIL MAIOR 2011-2014
  • 8. Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde (A) Fortalecimento do parque produtivo de fármacos (bioprodutos e químicos), medicamentos, equipamentos, hemoderivados, vacinas e materiais de uso em saúde no País Articular ações de fomento, poder de compra, regulação e infraestrutura tecnológica para aumentar a competitividade do CIS  Instituir Programa para o Desenvolvimento do CIS (Procis)  Ampliar o domínio das etapas essenciais e do conteúdo tecnológico dos processos produtivos  Promover a regionalização da produção e inovação em saúde por meio das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo  Apoiar centros de farmacologia, pesquisa clínica, escalonamento de produção e protótipos em saúde Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf Plano BRASIL MAIOR 2011-2014 Inserção na Diretriz Estruturante 2: Ampliação e Criação de Novas Competências Tecnológicas e de Negócios
  • 9. Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf (B) Utilização do poder de compra governamental para aquisição de produtos e serviços estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS) Estabelecer parcerias para o desenvolvimento produtivo Aplicar margem de preferência  Aprimorar o marco regulatório para a utilização do instrumento de encomendas tecnológicas Plano BRASIL MAIOR 2011-2014 Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
  • 10. Fonte: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/publicacao/recursos/arquivos/biblioteca/PBMbaixa.pdf (D) Prospecção e monitoramento tecnológico para orientar a política de inovação e acesso universal aos produtos para saúde Promover ações de cooperação técnica para a garantia da qualidade e segurança de dispositivos médicos submetidos ao regime de controle sanitário, no âmbito da Portaria Interministerial MS/MDIC no 692, de 08/04/09 (C) Fortalecimento da produção pública mediante a qualificação da gestão e ampliação de investimentos, para atender as demandas do SUS Instituir o Procis Consolidar a Rede de Equivalência e Bioequivalência (REQBio) e as redes tecnológicas de suporte à inovação Ampliar a capacidade analítica do Laboratório de Análise de Insumos Farmacêuticos (Laif) Plano BRASIL MAIOR 2011-2014 Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde
  • 11. Dimensão estruturante:  Comércio Exterior, incluindo objetivos de curto, médio e longo prazo:  melhoria nos instrumentos financeiros e tributários de estímulo às exportações;  estímulo à internacionalização de empresas nacionais visando a ampliação de mercados e o acesso a novas tecnologias; e  atração de centros de pesquisa e desenvolvimento de empresas estrangeiras para o país.  Incentivo à Inovação, com base na ENCTI 2011-2014  Formação e Qualificação Profissional, que inclui o Programa Ciência sem Fronteiras.  Competitividade de Pequenos Negócios, por meio da preferência local nas compras públicas. Plano BRASIL MAIOR 2011-2014 Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde (*) Extrato relacionado ã Missão da FINEP
  • 12. Dimensão sistêmica* • reduzir custos, acelerar o aumento da produtividade e promover bases mínimas de isonomia para as empresas brasileiras em relação a seus concorrentes internacionais; e • consolidar o sistema nacional de inovação por meio da ampliação das competências científicas e tecnológicas e sua inserção nas empresas. Plano BRASIL MAIOR 2011-2014 Diretrizes Estratégicas do Complexo da Saúde (*) Extrato relacionado à Missão da FINEP
  • 13. Mapa Estratégico da ENCTI 2012-2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
  • 14. Programas Estratégicos  Programas prioritários para os setores portadores de futuro TICs – Tecnologias da informação e comunicação Fármacos e Complexo Industrial da Saúde Petróleo e Gás Complexo Industrial da Defesa Aeroespacial Nuclear  Fronteiras para a inovação Biotecnologia Nanotecnologia  Fomento da economia verde Energia renovável Biodiversidade Mudanças climáticas Oceanos e zonas costeiras  C,T&I para o Desenvolvimento Social Popularização da C,T&I e melhoria do ensino de ciências Inclusão produtiva e social Tecnologias para cidades sustentáveis Fármacos e Complexo Industrial da Saúde ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
  • 15. Programas Estratégicos  Fármacos e Complexo Industrial da Saúde Principais estratégias associadas: 1. criação de mecanismos de estímulo à inovação no setor Saúde; 2. promoção de instrumentos de transferência de tecnologia das indústrias privadas, nacionais e internacionais, para os laboratórios públicos nacionais; 3. fomento ao desenvolvimento de biomateriais e de equipamentos para a Saúde; 4. fomento à pesquisa e desenvolvimento de produtos e moléculas a partir da biodiversidade; 5. estruturação de uma Rede de Ensaios Pré-Clínicos; 6. implementação de laboratórios acreditados segundo as Boas Práticas de Laboratórios (BPL) para registro de produtos junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA); 7. criação de pelo menos um centro de semi-escalonamento na produção de moléculas por síntese química em condições de BPL; 8. apoio ao aperfeiçoamento e estabelecimento de biotérios acreditados com vistas à disponibilização de animais certificados para experimentação; 9. fomento ao desenvolvimento de métodos alternativos ao uso de animais de experimentação; ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
  • 16. Programas Estratégicos  Fármacos e Complexo Industrial da Saúde Principais estratégias associadas (cont): 10.desenvolvimento de técnicas e metodologias associadas às terapias celulares e ampliação da Rede Nacional de Células-tronco; 11.ampliação das pesquisas em doenças tropicais e negligenciadas, incluindo o desenvolvimento de vacinas; 12.ampliação das pesquisas em doenças crônicas não transmissíveis, doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas; 13.ampliação das pesquisas em doenças cardiovasculares e neoplásicas, as duas classes que mais matam no Brasil; 14.fortalecimento da Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde (REBRATS); 15.estabelecimento de um Programa de Avaliação Econômica em Saúde para atender as demandas de priorização no SUS; 16.ampliação do número de hospitais universitários e de ensino participantes da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE), incluindo sua integração em redes internacionais de telemedicina e telessaúde. ESTRATÉGIA NACIONAL DE C,T&I
  • 17. Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil por meio do fomento público à Ciência, Tecnologia e Inovação em empresas, universidades, institutos tecnológicos e outras instituições públicas ou privadas. A FINEP – Agência Brasileira da Inovação - é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Atua em toda a cadeia da inovação, com foco em ações estratégicas, estruturantes e de impacto para o desenvolvimento sustentável do Brasil. A Finep
  • 18. Áreas prioritárias para apoio da FINEP Tecnologia da Informação e Comunicação Defesa e Aeroespacial Saúde Desenvolvimento Social e Tecnologias Assistivas Energia Renovável Óleo, Gás e Naval
  • 19.  reverter a vulnerabilidade externa nos segmentos intensivos em tecnologia;  estimular a implantação de atividades contínuas de P&D nas empresas;  elevar a competitividade da empresa brasileira;  apoiar a inserção de empresas inovadoras em mercados globais;  estimular a participação do capital privado em inovação;  estruturar competências para lideranças futuras; e  estimular a adoção de procedimentos que promovam a sustentabilidade. Principais desafios POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014
  • 20. Financiamentos reembolsáveis para empresas Financiamentos não-reembolsáveis para ICTs Subvenção econômica para empresas Investimento em fundos Modalidades & instrumentos de Financiamento POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014
  • 21. FINEP: ciência, tecnologia e inovação Empresa Nascente Incubação e start-ups Pre- incubação Pesquisa Científica &Tecnológica Infra-estrutura Expansão e Consolidação de Empresas Inovar Semente TECNOVA TECNOVA INOVAR Inova Brasil Não reembolsável Investimento Crédito ‫‏‬ Subvenção PROINFRA Estruturante Novos Campi Juro Zero* Subvenção: Edital Nacional SIBRATEC ICT-Empresa Desenvolvimento tecnológico & inovação Modalidades & instrumentos de Financiamento POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014 (*) em reestruturação
  • 22.  equipes participantes do projeto;  bolsas de pesquisa;  equipamentos e instrumentos (nacionais e importados);  material permanente;  matérias-primas e material de consumo;  compra de tecnologia;  assistência técnica e serviços de consultoria;  obras civis diretamente associadas ao projeto;  patenteamento e licenciamento;  compra de participação no capital de empresas inovadoras;  aluguel de material promocional pertinente à difusão da inovação;  diárias e passagens no País e no exterior;  serviços de engenharia consultiva;  serviços de terceiros pessoa física e pessoa jurídica;  acesso a banco de dados;  testes de conformidade e certificação no País e no exterior;  treinamento no País e no exterior, através de cursos e estágios ligados ao projeto;  softwares customizados;  concepção e desenvolvimento de software;  produção, instalações fabris e comercialização quando associadas a inovações;  joint-venture associada à inovação;  nacionalização do capital social, fusões, incorporações; e  ferramental associado a desenvolvimento tecnológico. POLÍTICA OPERACIONAL FINEP 2012-2014 Itens financiáveis
  • 23. Números da FINEP (Contratações e Liberações) FINEP – Orçamento realizado (1999-2011, em R$ milhões) 32% 54% 80% 74% 78% 79% 70% 56% 72% 58% 63% 58% 50% 1% 1% 3% 3% 15% 6% 10% 6% 68% 46% 20% 26% 22% 20% 29% 41% 25% 27% 31% 32% 44% 0 500 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 3.500 4.000 4.500 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Não-Reembolsável Subvenção Crédito 793,7 651,7 947,6 892,3 1010,5 1144,2 1450,9 1713,5 2158,8 3217,9 3314,6 3932,9 3973,6 400%
  • 24. PERFIL CARTEIRA SAÚDE FINEP 2004-2011 [por segmentos/aplicação] Total da carteira SAÚDE FINEP 2004-2011: R$ 1.827 milhões (997 operações) R$ milhões
  • 25. - - - - - - - - 8,2 - - - - - - 77,8 23,6 - 273,4 38,6 4,6 3,6 8,6 8,5 9,1 19,5 7,9 35,8 45,0 76,7 77,8 56,0 94,7 104,5 24,2 29,5 209,7 188,4 12,3 - 6,7 2,0 3,0 13,3 5,1 44,9 13,0 14,6 - - 29,8 22,5 90,0 - 143,0 1,2 0% 25% 50% 75% 100% outros Infecciosas gestão Fatores Bioproduto Tecnologias Assistivas DIP Cancer Kit diagnóstico Implantes Terapia Celular Vacinas TI Saúde Pública Infraestrutura Produto Equipamento Pesquisa clínica Medicamento Crédito Não reembolsável Subvenção PERFIL CARTEIRA SAÚDE FINEP 2004-2011 [instrumentos de apoio]
  • 26. - 100,0 200,0 300,0 400,0 500,0 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Crédito (R$ 383 milhões) Não reembolsável (R$ 1.044 milhões) Subvenção R$ 400 milhões) PERFIL CARTEIRA SAÚDE FINEP 2004-2011 [evolução por instrumento de apoio] R$ milhões ano de contratação
  • 27. 6 , 6 1 7 , 6 1 8 , 4 1 3 , 8 5 , 4 9 , 9 8 , 5 0 , 9 1 , 4 90,2 78,0 74,7 69,2 92,6 87,6 90,6 97,2 97,7 3 , 3 4 , 4 6 , 9 1 6 , 9 2 , 0 2 , 5 0 , 9 1 , 9 0 , 9 0% 20% 40% 60% 80% 100% total 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 PERFIL CARTEIRA FINEP 2004-2011 [distribuição anual] Fármacos & Medicamentos R$ 605 milhões Demais segmentos da Saúde R$ 1.222 milhões Demais setores/áreas R$ 16.756 milhões Total 2004-2011 R$ 18.583 milhões ano de contratação
  • 28. QUANTIDADE DE EMPRESAS INVESTIDAS (TOTAL 33) 23% 11% 11% 9% 6% 6% 6% 6% 6% 6% 3% 3% 3% 3% PROGRAMAS E SERVIÇOS EM TI ALIMENTOS PROCESSADOS QUÍMICOS SAÚDE COMPUTADORES E EQUIPAMENTOS MATERIAL DE TRANSPORTE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS SERVIÇOS FINANCEIROS DIVERSOS TELEFONIA MÓVEL TELEFONIA FIXA MADEIRA E PAPEL MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS MÍDIA TRANSPORTE Total fundos FINEP: R$ 1,65 bilhão (Comprometimento FINEP 170,7 milhões) PERFIL CARTEIRA FINEP - Investimento [distribuição setorial]
  • 29.  produção de intermediários químicos e extratos vegetais para fins terapêuticos  princípios ativos (fármacos & biofármacos) e medicamentos para uso humano  cosmecêuticos e nutracêuticos de uso humano  materiais e equipamentos médico-odonto-hospitalares, biomaterias  reagentes e dispositivos para diagnóstico  hemoderivados  imunobiológicos, vacinas  pesquisas clínicas e pré-clínicas, reagentes e animais de laboratórios  serviços de atenção à Saúde. Complexo Econômico-Industrial da Saúde (CEIS) CEIS FINEP: abrangência
  • 30. PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016  MS  CNPq  Empresas e Entidades Empresariais  Academia Promover a P,D&I para incrementar a oferta de bens e serviços  compartilhar o risco nas etapas e/ou projetos inovadores que constituem as iniciativas motoras do desenvolvimento do setor  aprimorar e/ou expandir os sistemas de conhecimento, que sustentam e impulsionam as funções produtivas  adequar a modalidade de apoio financeiro ajustada à realidade econômica Parcerias Ações Atuação por PROGRAMAS com integração de instrumentos: Fármacos e Medicamentos Dispositivos Médicos Tele Saúde & Telemedicina Terapia Regenerativa Estratégia * Complexo Econômico-Industrial da Saúde
  • 31. PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016 Fármacos e Medicamentos Foco Estratégia Ações Dotar o País da capacidade de escalonamento, mantendo reprodutibilidade com menor custo e qualidade Capacitar centros de pesquisas pré-clinica e clinica Modernizar/ampliar biotérios (certificados) de produção Desenvolver inovações, no País, em produtos prioritários do SUS, em radiofármacos e para atendimento à demanda de mercado, nacional e internacional Fomentar a certificação nacional e internacional de plantas ou processos Atuar na superação de “gargalos tecnológicos” da cadeia nacional de desenvolvimento em fármacos e medicamentos Investir na integração das diferentes competências necessárias ao pleno desenvolvimento de fármacos e medicamentos no País. * Complexo Econômico-Industrial da Saúde
  • 32. Equipamentos & Dispositivos Médicos Foco Estratégia Ações  Aquisição e internalização de tecnologias estratégicas de alta tecnologia.  Qualificação técnica para o fornecimento de produtos e serviços a empresas-âncora.  Financiamento para adequação de produtos e serviços a regulamentos técnicos, no País e no Exterior.  Desenvolvimento de produtos estratégicos ao SUS, em atendimento à Portaria MS 978/2006 e 1284/2010.  Financiamento de startups como estímulo para a renovação do portfólio tecnológico das grandes empresas do setor, através de pequenas empresas e empresas individuais – desde estudos de viabilidade até a fase de protótipos.  Apoio e financiamento da Engenharia Biomédica no Brasil para avanço e consolidação de centros de formação de recursos humanos. Atualizar e modernizar a capacidade produtiva em equipamentos e materiais médicos, odontológicos e hospitalares. Internalizar empresas e tecnologias e induzir o surgimento de empresas desenvolvedoras de projetos de dispositivos médicos. PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016
  • 33. TeleSaúde & Telemedicina Foco Estratégia Ações  Equipamentos e aplicativos (hardware e software) para:  atenção à distância em saúde  acompanhamento remoto de paciente com vistas à geração de serviços em saúde  treinamento dos profissionais em saúde (capacitação em saúde)  Infraestrutura de rede para capacidade, conectividade e velocidade  Estudos sobre aspectos legais e de gestão, ética, responsabilidade, padrões, pagamentos, legislação, etc Dotar o País de instrumentos de qualidade de atenção à Saúde à distância. Dar continuidade ao apoio nos últimos 15 anos a ICTs e às empresas que atuam no desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias de informação e comunicação na atenção à Saúde à distância. PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016 * Complexo Econômico-Industrial da Saúde
  • 34. Terapia Regenerativa Foco Estratégia Ações  Fortalecimento e consolidação dos centros de Tecnologia Celular para disponibilização de células tronco para a Rede Nacional de Terapia Celular.  Pesquisas em terapias celulares e gênicas com vistas à produção de células-tronco pela ICTs.  Criação de centro de excelência em terapia regenerativa, com vistas ao ganho de escala, aceleração do conhecimento e de aplicação, notadamente através de parceria público-privada. Manter a competência nacional na fronteira do conhecimento em terapia celular e gênica. Investir na consolidação e centralização das competências necessárias ao pleno desenvolvimento e aplicação de terapias regenerativas, com vistas a acelerar a incorporação do conhecimento. PROGRAMA FINEP CEIS* 2012-2016 * Complexo Econômico-Industrial da Saúde