UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
Programa de pós-graduação em Educação - Mestrado

Formação de Educadores e
Conte...
O modelo de formação do
profesorado de educação
secundária na Espanha: o caso
do mestrado da universidade de
Granada
ROBER...
LEIS
CAPÍTULO 4

O MESTRADO EM EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA ESPANHOLA:
HISTÓRIA, ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA
Lei Orgânica de Educação, 3 de...
Lei Orgânica de Educação, 3
de maio de 2006, LOE/2006
Baseia-se em uma concepção de educação como um aprendizado ao
longo...
Lei Orgânica de Educação,
3 de maio de 2006,
LOE/2006
Dez anos de escolaridade no ensino básico, que se
estendem regularme...
O ENSINO NA ESPANHA
O Real Decreto
1393/2007, de 29 de
outubro de 2007
No que se refere ao ensino superior, este é
regulado pelo Real Decreto ...
O Real Decreto
1393/2007, de 29 de
outubro de 2007
Determina as diretrizes, condições e procedimentos de verificação e
ac...
O Real Decreto
1393/2007, de 29 de
outubro de 2007
As universidades são responsáveis ​pela
transmissão de ensinamentos de...
A Ordem ECI/3858/2007,
de 27 de dezembro de
2007
Estabelece os requisitos para a verificação de títulos universitários
of...
O Real Decreto
1834/2008, de 8 de
Dezembro de 2008
Estabelece a organização da universidade oficial e
determina as diretr...
1ºA Lei Orgânica de Educação (LOE), promulgada em maio de 2006,
introduziu algumas alterações importantes na formação inic...
O Mestrado em Ensino
Secundário na Espanha
COMPETÊNCIAS
1. Conhecer os currículos dos assuntos relacionados com a especialização de ensino correspondente assim como ...
CRÍTICAS
1- Persistência de critérios, imagens e hábitos do CAP de Mestrado, tanto os
professores e os alunos. A consciênc...
CRÍTICAS
7- Corpo docente extremamente especializado de ensino, mas pouco versátil do
ponto de vista da formação de ensino...
ATUALIDADES
Espanha: Adesão massiva à greve na Educação
Segundo a Confederação Sindical das Comissões Obreiras (CC OO) e o...
A comunidade educativa exige a restituição imediata dos cortes
impostos no setor da Educação, a retirada do anteprojeto de...
Um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) disse que a Espanha tem
uma das maiores taxas de pobreza inf...
Governo espanhol aprova polêmica reforma da educação
Posted by: Prensa Latina Posted date: 17 May 2013 In: Educação, Europ...
Sáenz de Santamaría explicou que a futura lei tem o duplo objetivo de melhorar a qualidade do ensino
e acabar com os eleva...
BRASIL
REFERÊNCIAS
Education, audiovisual & Culture Executive Agency
http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice/documents/thema...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada, PUENTES

219 visualizações

Publicada em

Resenha da tese de pós-doutorado de Puentes.

PUENTES, R. V. El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada (Informe de Post- Doctorado). Universidad de Granada, 2013, p. 186.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

El modelo de formación del profesorado de educación secundaria en España. El caso del Máster de la Universidad de Granada, PUENTES

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Programa de pós-graduação em Educação - Mestrado Formação de Educadores e Contemporaneidade: Políticas, Concepções e Práticas P R O F E S S O R E S : P R O FA . D R A . M A R I A C É L I A B O R G E S P R O F. D R . O R L A N D O F E R N A N D E Z A Q U I N O C O S TA P R O FA . D R A . V Á L D I N A G O N Ç A LV E S D A ALUNAS: LARISSA DE ALMEIDA MARTINS PAT R Í C I A F E R R E I R A B I A N C H I N I BORGES
  2. 2. O modelo de formação do profesorado de educação secundária na Espanha: o caso do mestrado da universidade de Granada ROBERTO VALDÉS PUENTES
  3. 3. LEIS
  4. 4. CAPÍTULO 4 O MESTRADO EM EDUCAÇÃO SECUNDÁRIA ESPANHOLA: HISTÓRIA, ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA Lei Orgânica de Educação, 3 de maio de 2006, LOE/2006 Real Decreto 1393/2007, de 29 de outubro de 2007 CI/3858/2007 despacho de 27 de dezembro de 2007 Resolução de 16 de julho de 2008 Real Decreto 1834/2008 Mestrado em Ensino Secundário
  5. 5. Lei Orgânica de Educação, 3 de maio de 2006, LOE/2006 Baseia-se em uma concepção de educação como um aprendizado ao longo da vida. Reforça a ideia da educação como um serviço público e um direito de todos. (inclusão) Defende a formação e o reconhecimento da formação de professores. O ensino secundário continua a manter a sua organização anterior na forma de ensino secundário obrigatório (ESO) e pós-obrigatório. Passou a considerar o ensino como uma profissão regulamentada e formação para o seu exercício a partir de um perfil determinado por habilidades.
  6. 6. Lei Orgânica de Educação, 3 de maio de 2006, LOE/2006 Dez anos de escolaridade no ensino básico, que se estendem regularmente dos 6 aos 16 anos (Ensino Primário e Ensino Secundário Obrigatório ou ESO). A Lei regula o Ensino Pré-escolar, o Ensino Secundário Superior e outros sistemas de ensino especiais (ensino artístico, desportivo, de línguas, para adultos e à distância), no âmbito da aprendizagem ao longo da vida.
  7. 7. O ENSINO NA ESPANHA
  8. 8. O Real Decreto 1393/2007, de 29 de outubro de 2007 No que se refere ao ensino superior, este é regulado pelo Real Decreto 1393/2007 de 29 de Outubro (alterado pelo Real Decreto 861/2010, de 2 de Julho), no qual é estabelecida a ordenação do ensino universitário oficial de acordo com as linhas gerais fixadas pelo Espaço Europeu do Ensino Superior (EEES). Assim, são estabelecidos três níveis de estudos superiores: Licenciatura, Mestrado e Doutoramento (regulados pelo Real Decreto 99/2011, de 28 de Janeiro).
  9. 9. O Real Decreto 1393/2007, de 29 de outubro de 2007 Determina as diretrizes, condições e procedimentos de verificação e acreditação, deve superar os planos de estudos conducente à obtenção de provas antes de sua inclusão no Registro de universidades, escolas e graus (RUCT). O documento busca: A harmonia progressiva de sistemas universitários exigidos pelo processo de construção do Espaço Europeu de Ensino Superior, O estabelecimento do conceito de competência como conteúdo a ser adquirido pelos alunos, Melhoria de métodos de aprendizagem de tais poderes e procedimentos para avaliar a sua aquisição, A defesa pela introdução de práticas para fortalecer o engajamento externo com a empregabilidade dos futuros licenciados e graduados.
  10. 10. O Real Decreto 1393/2007, de 29 de outubro de 2007 As universidades são responsáveis ​pela transmissão de ensinamentos de licenciatura, mestrado e doutoramento conducente à obtenção dos títulos oficiais correspondentes. A partir de então, todas as universidades públicas e privadas espanholas tiveram o direito de criar e oferecer Mestrado e Doutorado. Os currículos e regras de acesso aos cursos de mestrado estão a cargo das universidades, que poderiam atuar de forma autônoma
  11. 11. A Ordem ECI/3858/2007, de 27 de dezembro de 2007 Estabelece os requisitos para a verificação de títulos universitários oficiais que se qualificam para o exercício das profissões de Professor do Ensino secundário, Formação Profissional e Ensino de Línguas. No parágrafo 3 da Ordem, sobre os objetivos, define-se o conjunto de competências que os alunos que buscam o título de Mestre devem adquirir ao comprimento. Essas habilidades variam de dominar o conteúdo curricular do assunto a ser ensinado até o conhecimento do plano de atividades, implementar, executar e avaliar o processo de ensino. Regula a estrutura, considerando-se os materiais pedagógicos e professores, as áreas desse nível educacional e ressalta a importância que deve ser dada à Prática.
  12. 12. O Real Decreto 1834/2008, de 8 de Dezembro de 2008 Estabelece a organização da universidade oficial e determina as diretrizes, condições e procedimentos de verificação e acreditação a serem superados currículos para obtenção de títulos antes de sua inclusão no Cadastro de universidades, escolas e graus (RUCT). Também regula os requisitos para a verificação dos títulos de Mestrado oficiais em que as disposições específicas da Lei Orgânica 2/2006, de 3 de Maio, da Educação na formação de professores específica necessária para ensinar em certas fases do sistema de ensino.
  13. 13. 1ºA Lei Orgânica de Educação (LOE), promulgada em maio de 2006, introduziu algumas alterações importantes na formação inicial de professores dos níveis pré-universitários, tendo entre suas transformações mais significativas converter o magistério estudos título de Graduação e o estabelecimento de um novo Mestrado para a formação de professores do ensino secundário. 2º Em 2007, com o Real Decreto 1393/2007 e a Ordem ECI/3858/2007 aprovam-se as exigências a serem cumpridas nos currículos dessas qualificações. 3º Em 2008, com o Real Decreto 1834/2008, definiu as condições de formação para o exercício da docência no ensino secundário obrigatório, o ensino secundário, a formação profissional e a educação especializada, especialmente a formação pedagógica e didática dos futuros professores. 4º A partir 2009-2010, para começariam em cada universidade, por meio do Relatório de Verificação, para serem ensinadas novas lições.
  14. 14. O Mestrado em Ensino Secundário na Espanha
  15. 15. COMPETÊNCIAS 1. Conhecer os currículos dos assuntos relacionados com a especialização de ensino correspondente assim como ter conhecimentos didáticos acerca dos mesmos. 2. Planejar, desenvolver e avaliar o processo de ensino e aprendizagem melhorando os processos de ensino que facilitam a aquisição das competências respectivas. 3. Pesquisar, obter, processar e comunicar informação, transformá-la em conhecimento e aplicá-lo no ensino e aprendizagem. 4. Concretizar o currículo que será implementado em uma escola participando do planejamento coletivo. 5. Projetar e desenvolver o aprendizado com foco na equidade, na educação emocional e de valores, direitos e oportunidades iguais para homens e mulheres, a educação cívica e o respeito pelos direitos humanos que facilitam a vida em sociedade. 6. Adquirir estratégias para incentivar o esforço dos alunos e promover a sua capacidade de aprender por si mesmos. 7. Conhecer os processos de interação e comunicação em sala de aula, dominar habilidades e competências sociais necessárias para promover a aprendizagem e convivência em sala de aula, e resolver os problemas de disciplina e resolução de conflitos. 8. Projetar e conduzir as atividades formais e informais que ajudam a tornar o centro um lugar de participação e da cultura no ambiente onde ele está localizado. 9. Conhecer as regras e organização institucional do sistema de ensino e modelos de melhoria da qualidade com a aplicação para as escolas. 10. Compreender e analisar as características históricas da profissão docente, a situação atual, perspectivas e interação com a realidade social da época. 11. Informar e aconselhar as famílias sobre o processo de ensino e aprendizagem e sobre o pessoal, acadêmica e profissional de seus filhos.
  16. 16. CRÍTICAS 1- Persistência de critérios, imagens e hábitos do CAP de Mestrado, tanto os professores e os alunos. A consciência da necessidade de uma boa formação inicial, tipo de profissional e de nível universitário, para os futuros professores do ensino secundário. 2- Elevado número de estudantes interessados ​nesse título para participar de concursos públicos secundários. 3- Caráter fragmentado da estrutura do título, pela quantidade de áreas educacionais abrangendo: o ensino médio, o bacharelado, a formação profissional e o ensino da língua. 4- Pouca profundidade na coordenação interna do ensino, ou seja, entre o módulo genérico, os módulos específicos e o estágio. 5- Falta interligação entre as responsabilidades atribuídas aos diferentes módulos. 6- As fragilidades do modelo de recrutamento e destacamento de professorado formador, dependendo dos objetivos e competências do Mestrado. Problemas no compromisso, bem como a estabilidade e coordenação do corpo docente.
  17. 17. CRÍTICAS 7- Corpo docente extremamente especializado de ensino, mas pouco versátil do ponto de vista da formação de ensino-disciplinar. 8- Trata-se de um título com algumas fraquezas porque é um treinamento baseado em modelo de duração insuficiente. 9- A implementação do curso foi feito às pressas dentro da Universidade. 10- A pressa na implementação gerou o problema de que as competências dos professores se resumem ao conhecimento da matéria. 11- Atrasos no processo de nomeação dos professores na universidade. 12- Embora tenha se pensado a formação inicial com determinada lógica, na prática organizacional minou o plano. 13- Problemas com práticas escolares de futuros professores, porque é a gestão que oferece centros de práticas. 14- Muitas vezes o Coordenador de Estágio não tem especialização na Escola de Formação de Professores. 15- Tutores acadêmicos foram designados professores que se ofereceram voluntariamente a partir de diferentes faculdades. 16- Acredita-se que a formação de professores em habilidades reduzido a um ano não deixa tempo para o envolvimento em atividades de formação.
  18. 18. ATUALIDADES Espanha: Adesão massiva à greve na Educação Segundo a Confederação Sindical das Comissões Obreiras (CC OO) e os sindicatos do setor da Educação FECCOO, FETE-UGT e STEs-i, a paralisação foi um “enorme êxito”, com 72% dos trabalhadores de todos os níveis da educação pública a aderirem ao protesto, bem como 25% dos trabalhadores do setor privado de ensino. A Plataforma em Defesa da Escola Pública promete novas mobilizações. Artigo | 9 Maio, 2013 - 16:56
  19. 19. A comunidade educativa exige a restituição imediata dos cortes impostos no setor da Educação, a retirada do anteprojeto de lei da Lei Orgânica de Melhoria da Qualidade Educativa (Lomce) - que prevê, por exemplo, um menor envolvimento da comunidade educativa, a implementação de um sistema de ensino dual, que se vocaciona exclusivamente para responder às demandas do mercado de trabalho e avaliações estandardizadas no final de cada ciclo de ensino - e a demissão do ministro da Educação.
  20. 20. Um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) disse que a Espanha tem uma das maiores taxas de pobreza infantil entre as 29 maiores economias do mundo. O estudo divulgado na quarta-feira observa que foram considerados cinco aspectos básicos na avaliação, incluindo bem-estar material, saúde, segurança e educação. O artigo 27 da Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC) afirma, “Os Estados-partes reconhecem o direito de toda criança a um nível de vida adequado a seu desenvolvimento físico, mental, espiritual, moral e social.” As crianças são os últimos responsáveis pela crise e, no entanto, sofrem suas graves consequências igualmente ou ainda mais do que outros grupos sociais. Ao mesmo tempo, o impacto sobre eles é o mais difícil de detectar, além de serem precisamente os menos capazes (individual e coletivamente) de lidar com suas consequências. Enquanto o acordo internacional de Assistência Oficial para o Desenvolvimento das Crianças correspondia a 0,7% do orçamento espanhol, ele foi reduzido para 0,23%. Maior equidade é uma questão de justiça, mas também de estabilidade social e capacidade de desenvolvimento econômico. A UNICEF da Espanha propôs algumas medidas básicas para garantir a aplicação dos direitos das crianças: • Proteger os investimentos em áreas que colocam desafios fundamentais para as crianças. • Colocar as crianças e as famílias no centro das decisões a serem tomadas. • Desenvolver um plano nacional contra a pobreza infantil. • Promover a qualidade, coordenação, eficácia e coerência. • Recuperar a iniciativa de um pacto do Estado pela educação. • Manter o espírito de compromisso.
  21. 21. Governo espanhol aprova polêmica reforma da educação Posted by: Prensa Latina Posted date: 17 May 2013 In: Educação, Europa O conservador governo espanhol aprovou hoje uma nova reforma da educação, a sétima em 37 anos de democracia, apesar da contundente rejeição do setor educativo e da maioria dos partidos políticos. Em sua habitual reunião semanal, nesta sexta-feira, o Conselho de Ministros deu luz verde à denominada Lei Orgânica para a Melhora da Qualidade da Educação (Lomce), impulsionada pelo direitista Partido Popular, depois do qual será remetida à Câmara dos Deputados. Em coletiva de imprensa conjunto com o ministro de Educação José Ignacio Wert, a vice-presidenta do Governo, Soraya Sáenz de Santamaría, sublinhou que a lei é uma das reformas fundamentais da administração conservadora de Mariano Rajoy.
  22. 22. Sáenz de Santamaría explicou que a futura lei tem o duplo objetivo de melhorar a qualidade do ensino e acabar com os elevados níveis de reprovação escolar, que, segundo sua opinião, dificultam a inserção dos jovens espanhóis no mercado de trabalho. No entanto, para a comunidade educativa (docentes, alunos e associações de pais) e quase todas as forças políticas da oposição, a Lomce é segregadora, elitista, adoutrinadora e mercantilista. Há uma semana, a Plataforma Estatal pela Escola Pública realizou uma greve geral em todos os níveis de ensino desta nação europeia contra a projetada legislação e os duros cortes na educação aplicados por Rajoy. Além da greve, em várias cidades aconteceram grandes manifestações para protestar contra a também conhecida como Lei Wert (sobrenome do ministro de Educação). Entre outras medidas impopulares, essa norma aumenta as taxas universitárias, reduz a capacidade de decisão das autonomias, que têm as competências transferidas na instrução estatal, suprime a seleção e introduz exames de revalidação ao final de cada ciclo. Estudantes, professores e famílias recusam as mudanças promovidas pelo ministro, ao considerar que são contrárias à igualdade de oportunidades e favorecem a privatização da escola pública. Cataluña, Canárias, Astúrias, País Basco e Andaluzia são algumas das 17 comunidades autônomas espanholas que exteriorizaram seu repúdio à Lei Wert. O Sindicato de Estudantes acusou a direita dirigente de utilizar a crise econômica como pretexto para o desmantelamento do sistema educativo universal. A intenção do Governo é expulsar do sistema educativo milhares de jovens das famílias mais humildes, denunciou a organização juvenil.
  23. 23. BRASIL
  24. 24. REFERÊNCIAS Education, audiovisual & Culture Executive Agency http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice/documents/thematic_repor ts/086ES.pdf http://www.oecd.org/brazil/ http://pearsonfoundation.org/oecd/index.html POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESPANHA E NO BRASIL: ESTUDO COMPARADO SOBRE TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS Rose Meri Trojan

×