Alergia alimentar

3.077 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.077
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alergia alimentar

  1. 1. Trabalho apresentado ao prof. MSc.Luiz Prudêncio Santos, na disciplinade Imunologia, no 4º período docurso de Enfermagem, paraobtenção de pontos.
  2. 2. UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS -UNIPACFUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-FUPAC ALERGIA ALIMENTAR DENILSON SILVA Itajubá, 2012
  3. 3. INTRODUÇÃO A alergia alimentar é uma resposta imunológica desencadeada por certos alimentos, como ovos, amendoim, leite ou algum outro, determinando o termo alergia alimentar muitas vezes utilizado por leigos. 
  4. 4. OS FATORESTrês fatores estão relacionados ao desenvolvimento da doença alérgica: Fatores genéticos; Contato com o alérgeno; Fatores ambientais.
  5. 5. AS CAUSAS A causa das alergias alimentares está relacionada à produção de um tipo de substância pelo organismo, chamada de anticorpos imunoglobulina E (IgE), que provoca reações alérgicas a um alimento específico. Embora muitas pessoas apresentem intolerância a alimentos, as alergias alimentares são menos comuns. Em uma alergia alimentar real, o sistema imunológico produz anticorpos e liberação de histamina em resposta a um determinado alimento.  
  6. 6. OS MAIS COMUNS
  7. 7. A PREVALÊNCIA DA ALERGIA ALIMENTAR   Estima-se que as reações alimentares de causas alérgicas verdadeiras acometam de 6 a 8% das crianças com menos de 3 anos de idade e de 2 a 3% dos adultos. 
  8. 8. A ALERGIA ALIMENTAR NA INFANCIA A probabilidade de uma criança desenvolver alergiaestá em torno de 30% quando um de seus paisapresenta alergia.Essa probabilidade dobra quando ambos os pais ou umdos pais e um irmão são alérgicos.No entanto, uma alimentação com potencial alergênicoreduzido nos primeiros meses de vida é benéfica para asaúde geral das crianças, independentemente daexistência ou não de histórico familiar positivo deatopia.
  9. 9. TRATAMENTO Consiste na dieta de eliminação, na terapiafarmacológica (corticosteróides, anti-histamínicos esintomáticos) e na dessensibilização com alérgenosnaturais ou alergóides.Evitar o alimento ainda é o mais recomendado.Outros tratamentos incluindo injeções contra alergiae probióticos, não foram claramente comprovados noauxílio a alergia alimentar.
  10. 10.  Em reações graves, pacientes podem apresentar pressão arterial abaixo da normalidade e vias respiratórias bloqueadas. Às vezes, testes cutâneos e exames de sangue são utilizados para confirmar a existência da alergia alimentar. Entretanto, não há critérios bem aceitos para diagnosticar a alergia alimentar. Com as dietas de eliminação, evita-se ingerir o alimento suspeito de causar a alergia até o desaparecimento da sintomatologia e, em seguida, esses alimentos são reintroduzidos na dieta para verificar se ocorrerá reação alérgica.
  11. 11. SINTOMATOLOGIA Os sintomas, em geral, aparecem imediatamente em até duas horas após ingesta do alimento. Em casos raros, os sintomas podem surgir horas após comer o alimento prejudicial. Dor abdominal, cólicas, vômitos podem surgir. Irritação na boca, na garganta, nos olhos, na pele ou em outra região; tontura ou desmaio; congestão nasal; náusea; corrimento nasal; manchas escamosas com coceira (dermatite atópica), descamação ou bolhas também podem surgir. Inclusive edema (inchaço) nas pálpebras, face, lábios e língua (angioedema);
  12. 12. COMPLICAÇÕES POSSÍVEIS A anafilaxia é uma reação alérgica grave, que ocorre em todo o corpo e podendo levar o paciente a óbito. Embora pacientes com síndrome de alergia alimentar raramente sejam acometidas por uma reação anafilática, elas devem perguntar ao médico sobre a necessidade de trazerem consigo a epinefrina injetável. NUNCA utilize medicamentos sem conhecimento e indicação médica.
  13. 13. OBSERVAÇÕES A amamentação pode ajudar a evitar alergias. Fora isso, não existe nenhuma forma conhecida de evitar as alergias alimentares, exceto esperar mais tempo para introduzir na dieta dos bebês alimentos que possam causar alergias, até que o trato gastrointestinal destes esteja mais desenvolvido. O momento certo para isso varia de acordo com o alimento e o bebê. Após uma reação alérgica se manifestar pela primeira vez, deve-se ficar atento e evitar o alimento nocivo, o que, em geral, impede a ocorrência de novos problemas.
  14. 14. FONTES http://www.asbai.org.br/secao.asp?s=81&id=306 http://pt.wikipedia.org/wiki/Alergia_alimentar http://saude.terra.com.br/doencas-e- tratamentos/conheca-os-principais-viloes-da-alergia- alimentar,5299311b82f77310VgnVCM4000009bcceb0 aRCRD.html 

×