Etilismo Crônico

5.832 visualizações

Publicada em

O ETILISMO É UM PROBLEMA ATUAL QUE MERECE NOSSA ATENÇÃO !

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.832
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Etilismo Crônico

  1. 1. Instituição: Pronto Socorro Central de Santos Professora: Luzana Mackevicius Aluno: Julio Cesar Matias ESTUDO DE CASO
  2. 2. O Etanol (Álcool) tem alta solubilidade em água e por isso atinge a circulação em poucos minutos por meio do Trato Gastrointestinal. É excretado pelos pulmões principalmente através de difusão, mas também pela urina e suor. É detoxificado pela enzima desidrogenase hepática aproximadamente 8ml/hora e desaparece do sangue cerca de 15mg/dl a cada hora. O maior risco é para os bebedores esporádicos que com 300-350 mg/dl já podem entrar em estado de coma e com doses maiores que 500 mg/dl podem levar a morte. ETILISMO CRÔNICO
  3. 3. A OMS estabelece que o consumo aceitável é de até 15 doses/semana para homens e 10 para mulheres, sendo que 1 dose equivale a aproximadamente 1 lata de cerveja, ou 150 mL de vinho ( não podendo ultrapassar 2 doses diárias). O Etilismo Crônico conforme a OMS é caracterizado pelo uso contínuo e excessivo de álcool causando dependência acompanhada de perturbações mentais, da saúde física, da relação com os outros e do comportamento social e econômico. O diagnóstico é estabelecido através de uma boa coleta no histórico e conforme as manifestações clínicas. ETILISMO CRÔNICO
  4. 4. Absorção: Boca, Esôfago, Estômago, I. Delgado. Metabolização : Fígado Excreção : Rins, Pulmões e Suor. O álcool na corrente sanguínea é distribuído pelo organismo após sua metabolização hepática causando diversos efeitos nos tecidos alcançados. A dependência alcoólica está diretamente associada à distúrbios sociais, emocionais, psicológicos e ao contato precoce principalmente na adolescência. FISIOPATOLOGIA
  5. 5.  Vasodilatação e Arritmias  Alterações no TGI e metabólicas ( Absorção de vitaminas)  Alterações Renais ( Débito urinário ↑ ↑ devido ao bloqueio de produção de ADH )  Imunossupressão  Acúmulo de gordura no fígado  Depressão do Sistema Nervoso Central posterior a uma excitabilidade ( Depressão Respiratória Central seguida de falência circulatória na intoxicação aguda) EFEITOS PRINCIPAIS:
  6. 6.  Rubor e edema moderado da face  Edemas das pálpebras  Olhos lacrimejantes  Hálito cetônico  Falta de coordenação motora  Vertigens e desequilíbrio  Suores  Tremores  Cãibras Musculares  Vômitos matinais  Taquicardia  Tosse Crônica SINAIS E SINTOMAS
  7. 7. O tratamento do etilismo está associado principalmente às comorbidades advindas do uso abusivo do álcool, podendo ser farmacológico com uso de ansiolíticos, anti-hipertensivos, antagonistas de H2 e antibióticos. As psicoterapias também tem papel importante no tratamento da dependência, abstinência e reinserção social. TRATAMENTO
  8. 8.  Reduzir ou eliminar os mecanismos de enfrentamento problemáticos  Investigar sinais e sintomas  Reeducar sobre alcoolismo e possibilidade de recaídas  Promover interação social  Auxiliar na identificação e expressão dos sentimentos  Encorajar o aprendizado de técnicas de enfrentamento  Monitorar a adesão às medicações  Conhecer e esclarecer os medos do paciente  Aumentar o conforto psicológico e fisiológico CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  9. 9. O Potássio (K+) é o cátion mais abundante no meio intracelular. Neste caso é esperado que produza distúrbios em múltiplos órgãos e sistemas, principalmente no tecido neurológico e muscular. Quando a concentração de Potássio no soro é inferior a 3,5 mEq/l denomina-se hipocalemia/hipopotassemia. Sua diminuição está associada a distúrbios renais, etilismo crônico, uso contínuo de medicamentos como diuréticos e corticóides, hiperaldosteronismo, alterações no equilíbrio ácido- base. HIPOCALEMIA/ HIPOPOTASSEMIA
  10. 10.  ECG Alterado: Achatamento de onda T e desenvolvimento de onda U SINAIS E SINTOMAS
  11. 11.  Arritmia  Hiperglicemia  Aumento de P.A (↑ ↑ Renina )  Tremores  Natriurese e Poliúria (↓↓ Aldosterona )  Fraqueza Muscular  Constipação  Cãimbras  Alcalose Metabólica Reposição do potássio através de xaropes ou soluções intravenosas. SINAIS E SINTOMAS TRATAMENTO
  12. 12.  Avaliação do Estado Cardiovascular  Avaliar ECG  Acompanhamento do balanço hídrico  Avaliar Estado Neurológico  Avaliar Gasometria Arterial  Acompanhar resultados de exames CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  13. 13. HISTÓRICO Paciente: J.R.J.C Sexo: Masculino Idade: 44 anos Estado Civil : Solteiro Habitação: Santos Profissão: Soldador Data de Internação: 15/04/2014 Diagnóstico: Etilismo Crônico + Hipocalemia SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  14. 14. HISTÓRICO Paciente proveniente de sua residência de ambulância acompanhado do irmão. Relata que mora sozinho em casa de alvenaria e possui cobertura de saneamento básico, não possui filhos, etilista, não fumante e diz não possuir doenças como hipertensão e diabetes. Trabalha há mais de 20 anos como soldador e relatou que já fora internado anteriormente devido a acidente do trabalho por explosão de gerador o qual causou diversas lesões em sua pele. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  15. 15. HISTÓRICO Sinais vitais Glicemia Capilar: 90 mg/dL Pressão Arterial : 140x80 mmHg Temperatura: 37° C Frequência Respiratória: 19 mrpm Frequência Cardíaca: 94 bpm SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  16. 16. HISTÓRICO Exame Físico Cabeça: Simétrica, face corada, cabelos oleosos e com descamação excessiva de couro cabeludo, pupilas isocóricas e fotorreagentes, esclerótica hiperemiada, pavilhão auricular limpo e acuidade auditiva preservada, fossas nasais com sujidade, xerostomia, rouquidão, mucosa oral corada e com sangramento gengival. Pescoço: Pele íntegra, pulso carotídeo palpável, sem estase jugular, tireóide não palpável, não há massas palpáveis. Tórax: Simétrico, manchas hipercrômicas anteriores e posteriores, cicatrizes devido a acidente por solda, tosse produtiva. AP: MV+ com presença de sibilos e estertores em base e ápice pulmonar. AC: BANF 3T s/ S.A. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  17. 17. Abdome: Flácido, sem massas palpáveis, sem visceromegalias, hematomas em região látero-posterior, Murphy negativo. Ausculta: RHA+ em todos quadrantes. Percussão: Sons timpânicos presentes em todos quadrantes. MMSS: Tremores finos nas mãos, unhas ressecadas e com sujidade, manchas hipercrômicas, escoriações no cotovelo direito, AVP em em fossa cubital esquerda sem sinais flogísticos. MMII: Pele flácida, manchas hipocrômicas, unhas ressecadas e com sujidade, descamação interdigital, paraparesia. Informações adicionais: Consciente e comunicativo com fraqueza generalizada. Uso de dispositvo externo para coleta de urina em sistema fechado com diurese desprezada de 1100 ml em tom amarelo- escuro. A genitália mantinha-se limpa e sem alterações. Eliminação intestinal presente. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  18. 18. HISTÓRICO Exames laboratoriais: Potássio Sérico: 2,1 mEq/L. Referência: 3,5 – 5,0 mEq/l (Valores Normais) Se < 3,5  Hipocalemia Se > 5,0  Hipercalemia SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  19. 19. Problemas NHB Afetadas Febril Regulação Térmica Taquicárdico Regulação Cardiovascular Arritmia Regulação Cardiovascular Tempo de internação Regulação Imunológica e liberdade Etilista Regulação imunológica, hidroeletrolítica, neurológica, auto- estima, aceitação, auto- imagem Esclerótica hiperemiada Percepção Visual Xerostomia Hidratação Rouquidão Comunicação SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  20. 20. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Problemas NHB Afetadas Descamação excessiva de couro cabeludo Integridade cutâneo- mucosa Sangramento gengival Integridade cutâneo- mucosa Manchas hipocrômicas e hipercrômicas Integridade cutâneo- mucosa Unhas ressecadas Integridade cutâneo- mucosa Descamação Interdigital Integridade cutâneo- mucosa Escoriações Integridade cutâneo-mucosa Hematomas Integridade cutâneo-mucosa
  21. 21.  Tremores finos nas mãos  Mecânica Corporal SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Problemas NHB Afetadas Paraparesia Mecânica Corporal , locomoção Tremores finos nas mãos Mecânica Corporal Fraqueza Locomoção Poliúria Regulação Hidrossalina Potássio Sérico Diminuído Regulação Metabólica Tosse produtiva Oxigenação Ruídos adventícios Oxigenação
  22. 22. PRESCRIÇÃO MÉDICA Buscopan simples 1 amp. 8/8h EV S/N Dipirona 1 amp. 8/8h EV S/N Plasil 1 amp. IM S/ N Ranitidina 1 amp. 8/8h EV Glicose 50% 3 amp. Se glicemia < 70 mg/dl Captopril 25mg VO se PAS > 180 e PAD > > 110 Tiamina (B1) 1 cp. VO 1x ao dia Complexo B 1 amp. EV 12/12 h
  23. 23. PRESCRIÇÃO MÉDICA Haldol 1 amp. 6/6h EV Rocefin 1 g. EV 12/12h Xarope de KCL 10 ml VO 8/8h Diazepam 5mg VO 8/8h Insulina Regular Se Glicemia: 180-250 = 2UI; 250-300 = 5UI; >300 = 100UI S/N SC KCL 19,1% 2 amp. + SF 0,9% 500 ml EV infusão em 4 horas.
  24. 24.  Indicação: Este fármaco é antiespasmódico. Indicado para cólicas gastrointestinais, cólicas e movimentos involuntários anormais das vias biliares e cólicas dos órgãos sexuais e urinários.  Efeitos Adversos : Taquicardia leve, xerostomia, retenção urinária, constipação, midríase e cicloplegia.  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Atentar-se a administração com medicamentos antipsicóticos ( Haldol) pois potencializa sua ação.  Enxagues orais frequentes, balas ou gomas de mascar sem açúcar podem minimizar este efeito da boca seca.  Recomende que o paciente evite atividades que requerem estado de alerta, durante a terapia.  Periodicamente durante a terapia, avalie: os sinais de retenção urinaria e a frequência cardíca.  Drágeas não devem ser mastigadas.  IV : Deve ser infundida lentamente e sempre diluída conforme prescrição médica. BUSCOPAN SIMPLES (HIOSCINA)
  25. 25.  Indicação: Este fármaco é analgésico e antipirético. É indicado no tratamento de dor e febre.  Efeitos Adversos: Hipotensão, urticária, náuseas, vômitos, irritação gástrica, discrasia sanguínea(leucopenia, agranulocitose).  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático e intestinal Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Diminui o tempo de ação de anticoagulantes, barbitúricos reduzem o efeito da dipirona, os níveis de ciclosporina são diminuidos no sangue,  Durante a terapia avaliar os sinais vitais, a função cardíaca, a função renal, a função respiratória, regulação térmica e as reações de hipersensibilidade e resultados de exames laboratoriais.  IV: Administrar lentamente sem adição de outra substância na mesma seringa. DIPIRONA
  26. 26.  Indicação:  Este fármaco é antiemético. Indicado em caso de náuseas e vômitos.  Efeitos Adversos:  Disritmia cardíaca reversível, bradicardia, hipertensão ou hipotensão, taquicardia e diarreia. Podem ocorrer efeitos extrapiramidais (discinesia e distonia agudas, síndrome parkinsoniana, acatisia, mesmo após administração de dose única).  Farmacocinética:  Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Atentar-se às interações medicamentosas com depressores do SNC ( Diazepam) pois potencializa seus efeitos, diminui biodisponibilidade da Digoxina e aumenta a biodisponibilidade da ciclosporina.  Manter-se atento aos efeitos extrapiramidais  Avaliar antes da administração da dose os antecedentes a hipersensibilidade à droga  Durante a terapia avaliar os sinais vitais, a função cardíaca, a função renal, a função respiratória, função neurológica e as reações de hipersensibilidade. PLASIL ( CLORIDRATO DE METOCLOPRAMIDA)
  27. 27.  Indicação: Este fármaco inibe a secreção, basal ou estimulada, do suco gástrico através da redução do volume de secreção e de seu conteúdo em ácido e pepsina. Indicado em caso de úlceras gástroduodenais e como método profilático para as mesmas.  Efeitos Adversos: Mal-estar, tontura, sonolência, insônia e vertigem. Prisão de ventre, diarreia, náusea/vômito, desconforto e dor , discrasia sanguínea (leucopenia, agranulocitose). Casos ocasionais de ginecomastia, impotência e diminuição da libido em homens.  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Atentar-se às interações medicamentosas pois o uso diminui o efeito do Diazepam.  Durante a terapia, o paciente deve receber hidratação adequada.  Recomende que o paciente evite atividades que requerem estado de alerta, durante a terapia.  Durante a terapia, avalie: as reações adversas e na presença de reações hepáticas ou renais, considere a redução da dose.  VO : Deve ser administrada durante as refeições e antes de dormir.  IV : Infusão lenta ANTAK (RANITIDINA)
  28. 28.  Indicação: Indicado para Hipertensão. Insuficiência Cardíaca e IAM. Este fármaco é um inibidor da conversão de angiotensina I em angiotensina II, diminuindo a resistência arterial periférica e a retenção de sódio e àgua.  Efeitos Adversos: Tontura, hipotensão, irritação gástrica, úlcera péptica, disgesia, constipação, proteinúria, discrasia sanguínea (Leucopenia, agranulocitopenia, pancitopenia), aumento transitório de enzimas hepáticas.  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Deve ser administrado em até uma hora antes das refeições ou 2h após as mesmas.  Reavalie a terapia com captopril em pacientes que desenvolvem proteinúria persistente.  Monitorize pressão arterial frequentemente.  Cefaléia pode ocorrer nos primeiros dias de terapia, Para diminuir o efeito, oriente o paciente a levantar-se da cama lentamente.  Atentar-se ao nível de Potássio sérico pois aumenta.  Risco de hipoglicemia no incio da terapia se administrado junto com insulina. CAPOTEN ( CAPTOPRIL)
  29. 29.  Indicação: Indicada para reposição de vitamina B1(Essencial no metabolismo dos carboidratos) que esteja em deficiência no organismo devido a algumas doenças ou consumo excessivo de álcool.  Efeitos Adversos: Diarréia, dor abdominal, dispneia, febre, cefaleia, urticária.  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Recomendar ao paciente a não consumir álcool pois o mesmo inibe a absorção de tiamina.  Antes do início da terapia avaliar os sinais e sintomas comuns na deficiência de tiamina como: anorexia, desconforto GI, irritação, palpitações, taquicardia, edema, parestesia, confusão, psicose, distúrbios visuais. TIAMINA ( VITAMINA B1)
  30. 30.  Indicação: Indicado para hipovitaminose do complexo B, coadjuvante da terapêutica antibacteriana, convalescença. Dieta de ulcerosos e diabéticos. Estomatite, glossite, distúrbios gastrintestinais, colite, doença celíaca, esteatorréia e etilismo crônico.  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal  Efeitos Adversos:  Os mais comuns com o uso do produto injetável caracterizam-se por dor e vermelhidão no local de aplicação do produto em alguns pacientes.  Cuidados de Enfermagem:  Recomendar ao paciente a não consumir álcool pois o mesmo inibe a absorção das vitaminas.  Informar ao paciente as reações adversas mais comuns e se alguma destas vier ocorrer ou alguma outra incomum deve-se comunicar ao médico. COMPLEXO B
  31. 31.  Indicação: Indicado para psicoses agudas ou crônicas. Ele altera os efeitos da dopamina no SNC. É um bloqueador anticolinérgico e alfa-adrenérgico. Ele diminui os sinais e sintomas de psicoses e melhora o comportamento em outros distúrbios.  Efeitos Adversos: Arritmias, taquicardia, bradicardia, hipotensão postural,hiperglicemia, hipoglicemia, discrasia sanguínea,tontura, insônia, cefaleia, fraqueza, tremor, síndrome extrapiramidal.  Farmacocinética: Metabolismo -> Hepático Excreção -> Renal e Biliar  Cuidados de Enfermagem:  Indicar ao paciente que mude lentamente de posição para minimizar a hipotensão postural.  Atentar-se ao surgimento de reações extrapiramidais e avaliar o estado mental durante toda terapia. Acompanhar exames laboratoriais.  VO: Deve ser administrado sem diluir e concomitantemente com alimentos ou água/leite para diminuir a irritação do TGI.  IM: Injetar lentamente em músculo bem desenvolvido não ultrapassando 3 ml por local de aplicação e manter paciente em repouso por pelo menos 30 min. após a administração para diminuir os efeitos hipotensivos.  IV: Pode ser administrada não diluída para rápido controle de psicoses agudas ou delírios e em casos intermitentes dilua e infunda além de 30 min. HALDOL ( HALOPERIDOL)
  32. 32.  Indicação: Este fármaco é indicado no tratamento de infecções causadas por germes sensíveis à ceftriaxona como meningite, infecções abdominais, do trato geniturinário e respiratório. Este fármaco é bactericida, ou seja, inibe a síntese da membrana celular da bactéria.  Efeitos Adversos: Diarréia, dor abdominal, dispneia, febre, cefaleia, urticária.  Farmacocinética: Metabolismo -> Não é metabolizada sistemicamente, mas convertida a metabólitos microbiologicamente inativos pela flora intestinal. Excreção -> Renal  Cuidados de Enfermagem:  Durante a terapia monitorar a função renal e hepática, a coagulação sanguínea pois este fármaco pode alterar o TP (Tempo de Protombrina) e avaliar os sinais e sintomas de flebite e tromboflebite  IM: Administrar profundamente no músculo glúteo  IV: Nunca misturar com outros antibióticos ROCEFIN ( CEFTRIAXONA)
  33. 33.  Indicação: Indicado sempre que necessária a reposição da taxa normal de potássio ou como método profilático da hipocalemia.  Efeitos Adversos: Náusea, vômito, flatulência, desconforto abdominal, diarreia, epigastralgia. Pode ocorrer rash cutâneo e exantema.  Cuidados de Enfermagem:  Avaliar antes da administração da dose os antecedentes a hipersensibilidade à droga  Durante terapia verificar o ritmo cardíaco. A função renal, hepática.  VO: Deve ser usada concomitantemente com alimentos para evitar desconfortos GI. XAROPE DE KCL
  34. 34.  Indicação: Indicado na reposição da taxa normal de potássio ou como método profilático da hipocalemia.  Efeitos Adversos: Arritmias, alterações no ECG, irritação no local de infusão, parestesia, fraqueza, cãibras.  Cuidados de Enfermagem:  Atentar-se às interações medicamentosas: se usado juntamente com o xarope de KCL potencializa o aumento de lesões no TGI.  Conscientizar o paciente que poderão surgir sintomas como cãibras e fraqueza, portanto deve pedir ajuda para deambulação.  Avaliar local de aplicação e monitorar o ritmo cardíaco, função renal CLORETO DE POTÁSSIO (KCL 19,1%)
  35. 35.  Indicação: Indicada para ansiedade, agitação, sedação, espasmo muscular e crise convulsiva. Tem ação ansiolítica, sedativa, miorrelaxente e anticonvulsivante. Atua como depressor do SNC facilitando a ação inibitória do GABA.  Efeitos Adversos: Hipotensão transitória, bradi ou taquicardia, hipertensão, palpitações, náusea, vômito, desconforto GI, diarreia ou constipação, retenção ou incontinência urinária, depressão respiratória, sonolência, sedação, depressão, letargia, delírio, choro, nervosismo, dificuldade de concentração, podem ocorrer reações extrapiramidais.  Cuidados de Enfermagem:  A terapia não deve ser suspensa subitamente para que não ocorram sinais de abstinência.  Avaliar locais de aplicação e monitorar funções renais, hepáticas e hematopoiética.  VO: Deve ser usada concomitantemente com alimentos para evitar desconfortos GI.  IM: Uso não recomendado devido absorção irregular, lenta e dolorosa. A administração deve ser profunda no músculo.  IV: Administrar em veias de grande calibre lentamente sem misturar com outras drogas. DIAZEPAM
  36. 36.  Indicação: Indicada para controle da glicemia. Especificamente redução das taxas de glicose com ação rápida com pico entre 1-3h após sua administração.  Efeitos Adversos: Locais de aplicação eritematosos, lipodistrofia, respostas inflamatórias ou infecciosas assosciadas a antissepsia inadequada, hipoglicemia.  Cuidados de Enfermagem:  Atentar-se às interações medicamentosas: não administrar juntamente ao captopril pois aumenta o efeito hipoglicêmico.  Conscientizar o paciente que mediante sinais de desconforto comunicar a equipe de enfermagem.  Concientizar da importância do controle da alimentação.  Avaliar locais de aplicação e monitorar a glicemia  SC: Realizar rodízio nos locais de aplicação INSULINA REGULAR
  37. 37. EVOLUÇÃO 25/04/2014 - 07h. Paciente em 11º DI com diagnóstico médico de etilismo crônico e hipopotassemia. Repouso relativo no leito, consciente, contactuante acompanhado por sua irmã. Realizada aferição dos Sinais Vitais. Ao exame físico : pupilas isocóricas e fotorreagentes, esclerótica hiperemiada, xerostomia, rouquidão, mucosa oral corada e com sangramento gengival, tosse produtiva. AP: MV+ com presença de sibilos e estertores em base e ápice pulmonar. AC: BANF 3T s/ S.A. Abdome: Sem presença de visceromegalias, hematomas em região látero-posterior, Murphy negativo. Ausculta: RHA+ em todos quadrantes. Apresenta tremores finos nas mãos, unhas ressecadas e com sujidade, AVP em em fossa cubital esquerda sem sinais flogísticos. Descamação interdigital nos pés, paraparesia. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  38. 38. Uso de dispositvo externo para coleta de urina em sistema fechado com diurese desprezada de 1100 ml em tom amarelo- escuro. A genitália mantinha-se limpa e sem alterações. Eliminação intestinal presente. 08h. Encaminhado para banho por aspersão com auxilio de cadeira de rodas e acompanhado. Realizada higiene oral. Efetuada a troca de uripen. Limpeza concorrente do leito efetuada com troca da roupa de cama. 09h. Aceitou totalmente o desjejum. 09h30 Troca de fixação do cateter flexível periférico. 10h. Administrado KCL 19,1 %, Diazepan e Ranitidina conforme PM. Segue com antibioticoterapia. 11h. Passagem de plantão sem presença de intercorrências. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  39. 39. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM DA NANDA Legenda: N – Título do Diagnóstico N – Fatores relacionados N - Características Definidoras Risco de função hepática prejudicada relacionada ao abuso de de álcool. Mobilidade Física Prejudicada relacionado à força muscular diminuída evidenciado por capacidade limitada para desempenhar as habilidades motoras finas, paraparesia . SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  40. 40. Eliminação urinária prejudicada relacionado à múltiplas causas, evidenciado por poliúria. Proteção ineficaz relacionado à abuso de drogas e perfis sanguíneos anormais evidenciado por fraqueza, tosse, hipocalemia. Integridade tissular prejudicada relacionado à fatores mecânicos e mobilidade física prejudicada evidenciado por tecido lesado, hematomas, descamação do couro cabeludo e sangramento gengival. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  41. 41. PRESCRIÇÃO DE ENFERMAGEM SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Monitorar e anotar Sinais Vitais, comunicando quaisquer alterações M-T-N Realizar ausculta cardíaca atentando à arritmias M-T-N Realizar ausculta pulmonar atentando à ruídos adventícios M-T-N Atentar para queixas do paciente e sinais de febre, dor, hipoglicemia (tremores, tontura, palidez, suor frio, nervosismo, palpitações, taquicardia, náuseas, fome) ou hiperglicemia (xerostomia, hálito cetônico, poliúria, polidipsia, polifagia )e comunicar alterações M-T-N Manter repouso relativo no leito M-T-N Promover a deambulação assistida e/ ou com ajuda M-T-N
  42. 42. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Monitorar balanço hídrico M-T-N Monitorar Eliminação intestinal M-T-N Acompanhar resultados de exames laboratoriais, tais como: Nível sérico de Potássio, enzimas hepáticas, ECG, urina, Gasometria arterial. M Realizar medidas antropométricas M Realizar banho por aspersão com ajuda M Realizar durante o banho a limpeza concorrente do leito M
  43. 43. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Administrar fármacos conforme PM Horários estabelecidos Observar resposta ao tratamento medicamentoso M-T-N Insulina deve ser aplicada em locais diferentes Conforme PM Não administrar Plasil juntamente com o Diazepam pois potencializa o efeito ansiolítico. Conforme PM Não administrar Antak juntamente com o Diazepam pois diminui o efeito ansiolítico. Conforme PM Não administrar Buscopan juntamente com o Haldol pois potencializa o efeito antipsicótico. Conforme PM Demonstrar empatia e atentar as duvidas e solicitações da família e paciente S N
  44. 44. PLANO DE ALTA Estimular e orientar sobre a importância da mudança do estilo de vida e o abandono do álcool gradativamente Encaminhar ao grupo de psicoterapia mais próximo de sua residência ( AA) Orientar ao paciente que faça acompanhamento contínuo na UBS mais próxima de sua residência Orientar a importância da manutenção da terapia medicamentosa Conscientizar que o álcool aos fármacos pode potencializar os efeitos dos mesmos e causar risco a vida SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  45. 45. Explicar a importância da aferição dos niveis de glicemia e PA diariamente. Orientar sobre a importância de exercícios fisicos regulares para diminuição do stress e tensão do cotidiano. Esclarecer que há possibilidade de recaídas e ajudá-lo a desenvolver mecanismos de enfrentamento Promover a interação social do paciente SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
  46. 46. AME: Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 9 ed. São Paulo: EPUB, 2013. Diagnósticos de enfermagem da NANDA : definições e classificação 2012- 2014/[NANDA international]; tradução: Regina Machado Garcez. - Porto Alegre : Artmed, 2013. NETO, O M Vieira; NETO, Miguel Moysés. Distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico. Medicina, Ribeirão Preto 36: 325-337, abr./dez. 2003. SMELTZER, S. C; BARE, B.G. BRUNNER & SUDDARTH: Tratado de Enfermagem Médico- Cirúrgica. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. Vol. 1 e 2. WOLFGANG, Heckmann; SILVEIRA, Camila Magalhães. Dependência do álcool: aspectos clínicos e diagnósticos. Disponível em:<http://www.cisa.org.br/UserFiles/File/alcoolesuas consequencias-pt- cap3.pdf>. Acesso em: 30/10/2014. REFERÊNCIAS

×