expediente           editorialEditor Chefe                  É com grande alegria que apresentamos o primeiro número da Rev...
sumário                                   cAPA                                   ÁLCOOL droga legalizada, mas ainda sim,  ...
T     terceira idade    Falta de atividade física prejudica                                                               ...
coluna             c                                                    Musculação para idoso                             ...
S    saúde pública    A                                                              HIPERTENSÃO               cada ano, c...
m    mente              Terapia pode ajudar pacientes de cirurgia                bariátrica a evitar retorno à obesidade  ...
que estes tendem a ter pior resultado deemagrecimento ou a recuperar o peso aolongo do tempo, anulando parte ou todo osuce...
m    medicinaA solução para as doenças autoimunitáriase neurodegenerativas pode estar naVitamina DEstudos e casos clínicos...
correlaciona com uma frequência maior de                    Dados da Federação Internacional    manentes nos rins, retardo...
“      Estou com a vida totalmente                                                                                    ativ...
c       coluna                                            FITOTERÁPICOS E FITOTERAPIA                                     ...
Alguns fitoterápicos e suas propriedadesNOME cIENTífIcO         NOME POPulAR        clASSE TERAPÊuTIcA/INDIcAÇÕES         ...
c       corpo    Dieta e exercícios podem atenuar                           efeitos do câncer                             ...
circulantes, consequentemente, reduzindo       o desenvolvimento do câncer. “Divulgam         efeitos do exercício de inte...
c        coluna                                                         A energia vem do carboidrato                      ...
saúde da criança              S   Cuidados com as crianças no verão       Roupas leves, exposição ao sol e principalmente ...
capaAbuso de álcool entre idosospode causar sériosproblemas de saúde22
“                                                                                                                        “...
capaSaiba mais sobre asBebidas AlcoólicasT       oda a história da humanidade está permeada pelo con-       sumo de álcool...
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Revista medicando
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista medicando

1.094 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.094
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista medicando

  1. 1. expediente editorialEditor Chefe É com grande alegria que apresentamos o primeiro número da Revista MedicandoMaurício Lima – Saúde em Movimento, resultado de um longo e árduo trabalho de preparação, de- finições e produção. O engajamento da equipe foi total, não apenas para desenvolverEditor Assistente uma revista, mas, principalmente, um canal de relacionamento e troca de informaçãoAdauto Menezes entre profissionais de saúde e pacientes. Há 10 anos, o Saúde em Movimento entrava no ar, como um dos maiores sites deJornalista Responsável saúde do Brasil. Desenvolver quase 500 páginas de conteúdo, sem descuidar da qua-Elizângela Isaque lidade da informação, foi um esforço gigante. Mas valeu a pena. Hoje temos mais de 4 mil páginas, 300 mil acessos por mês, 110 mil usuários cadastrados e diversosProjeto Gráfico e Criação prêmios nacionais e internacionais, que endossam os predicados do nosso veículo.Wagner Ribeiro Em janeiro de 2010, nascia o Medicando. Uma proposta totalmente inovadora, que une buscador de profissionais e conteúdo sobre saúde à mais moderna forma de re-Colunistas desta edição lacionamento via internet. Uma rede social específica, com o objetivo de pavimentarDra. ELKE de Oliveira um fácil e diferenciado acesso entre os profissionais da área e seu público-alvo: osDra. Joseane de Souza pacientes.Dr Roberto Boorhem Por fim, Medicando e Saúde em Movimento se uniram. E o primeiro fruto desta par-Dra. Silvia Ferreira ceria é a Revista Medicando – Saúde em Movimento, um periódico quinzenal, comDra. Vanessa Lima independência editorial e que se propõe a ser referência de conteúdo na área da saúde.Coordenador de TI Com informações leves e atualizadas, a publicação atende tanto aos profissionais deGustavo Lourenço saúde, com informações mais específicas, quanto aos pacientes, com textos didáti- cos que permitem a compreensão de todos os tipos de leitores.Equipe de TI A publicação conta com um espaço gratuito a todos os conselhos federais de saúde,Gustavo Silva como forma de facilitar e agilizar a comunicação com seus membros. Integrado aosRenato Mendes princípios de responsabilidade social, o veículo disponibilizará espaços para divulga-Raniery Ribeiro ção de ações e campanhas de captação de doações para os trabalhos desenvolvidosRuy Ferreira pelo Rotary, parceiro deste projeto.Alex Rodin A escolha do formato digital se deu principalmente por motivos ambientais e de abrangência. A revista está acessível a qualquer pessoa, em qualquer lugar do mun-Endereço Comercial do, sem gastar uma única folha de papel. A plataforma também está equipada comSistema M de Comunicação ferramentas de busca e armazenamento para todas as edições.SHIS Q 11 Bl. M Loja 24 Desejamos a todos um saudável 2011 e uma excelente leitura.Lago Sul - Brasília/DF Maurício LimaTelefone Editor da Revista Medicando61 3248-007861 3246-0000E-mailmedicando@medicando.com.brEndereço da Revistawww.revistamedicando.com.br
  2. 2. sumário cAPA ÁLCOOL droga legalizada, mas ainda sim, DROGA como ele pode destruir sua família 22 TERcEIRA IDADE Falta de atividade física prejudica qualidade de vida de idosos institucionalizados - 06 SAÚDE PÚBlIcA Hipertensão uma doença além das cifras - 08 OBESIDADE Terapia pode ajudar pacientes de cirurgia bariátrica a evitar retorno à obesidade - 10 AVANÇO cIENTífIcO A solução para as doenças autoimunitárias e neurodegenerativas pode estar na Vitamina D - 12 cORPO Dieta e exercícios podem atenuar efeitos do câncer- 18 SAÚDE DA cRIANÇA Cuidados com as crianças no verão - 21cOluNASMusculação para idoso .................................................................................................................................................................................... 07Fitoterápicos e fitoterapia - Características e Potencialidades .......................................................................................... 16A energia vem do carboidrato ..................................................................................................................................................................... 20Saúde mental de crianças filhas de pais alcoolistas ................................................................................................................... 26Tratamento simples para transpiração excessiva .......................................................................................................................... 29Envie suas sugestões, dúvidas e críticas para cartas@revistamedicando.com.br
  3. 3. T terceira idade Falta de atividade física prejudica vidades físicas, tornam-se reféns de vários problemas decorrentes da inatividade. Conforme apontam os resultados qualidade de vida de idosos do estudo, a aptidão física e seus compo- nentes estão relacionados à saúde, pois bons institucionalizados índices associam-se a um menor risco de de- senvolvimento de doenças ou de incapacida- des funcionais. Problemas que podem afetar Sedentarismo é o principal inimigo dos aposentados a realização de atividades do cotidiano, como levantar-se da cadeira, desviar de obstáculos Por Elizângela Isaque e pessoas, andar pela casa, subir degraus, atravessar a rua em uma velocidade segura, entre outras. “O declínio de aptidões como for- ça, agilidade, flexibilidade e coordenação, faz com que o idoso tenha dificuldade de combi- nar movimentos, o que lhe exige muito esfor- ço para realizar estas atividades do cotidiano”, explica a professora e uma das coordenado- ras do estudo Dra. Lúcia Takase, que defende a necessidade de se criar estratégias que in- centivem a prática de atividades físicas entre esse público. IMPlEMENTAÇÃO DE PROgRAMAS “É imprescindível a implementação de programas apropriados em instituições para idosos em prol da manutenção e recu- peração de um processo de envelhecimento Com o aumento da expectati- dão física. Por outro lado, quanto melhor é mais ativo”, enfatiza a pesquisadora, que é va de vida da população brasileira, cresce a coordenação e a agilidade dos seniores doutora em enfermagem, pesquisadora do proporcionalmente o número de idosos melhor é o nível de independência para a CNPq e especialista em Gerontologia, na área do país. Dados do senso de 2010, realizado realização das atividades diárias. de cuidados no envelhecimento. pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Esta- Para Dra. Lúcia e suas colabora- tística (IBGE) apontam que hoje existem 18 O OBJETIVO DO ESTuDO doras, a avaliação das capacidades físicas e milhões de pessoas com mais de 60 anos, funcionais dos idosos é fundamental para quase 9% da população total do Brasil. Des- Realizado pela parceria de seis cen- orientar programas futuros. “A detecção do tes, mais de cem mil residem em institui- tros universitários de três regiões do país foi, grau de dependência do idoso nos diferen- ções de longa permanência, comumente justamente, explorar a relação entre aptidão tes componentes da aptidão física possibilita denominadas como asilos. física e capacidade funcional dos idosos de selecionar intervenções adequadas, aplicadas Técnicos do IBGE estimam que baixa renda, residentes em instituições de tanto individualmente quanto em grupo, em 2020 a população brasileira com mais longa permanência. A pesquisa confirmou com vistas à melhoria da capacidade funcio- de 60 anos chegue a 30 milhões de pesso- a relação direta entre esses fatores e a influ- nal, principalmente no desempenho das ati- as, alcançando 13% do total, e que a expec- ência que um exerce sobre o outro, princi- vidades da vida diária”, diz. tativa de vida ultrapasse os 70 anos. Esses palmente quanto à força física, coordenação, A equipe de pesquisadores também dados têm incentivado alguns estudos refe- agilidade e equilíbrio dinâmico. alerta para a falta de procedimentos de avalia- rentes à realidade desse grupo de pessoas De acordo com a pesquisa, o ções e intervenções sistematizadas em institui- em todo o país. Aspectos como qualidade processo de envelhecimento humano ções para idosos, assim como os poucos estu- de vida, embora pouco estudados, já come- contribui naturalmente para o declínio dos sobre suas condições físicas e funcionais. çam a fazer parte de pesquisas acadêmicas. das capacidades física e funcional, as quais “Para implantar um programa adequado de Segundo artigo publicado em são agravadas pelo sedentarismo, tornan- exercícios e atividades físicas nas instituições Cadernos de Saúde Pública (vol.26, no.9) , do os idosos dependentes de cuidados de longa permanência para idosos é preciso quanto maior o grau de dependência dos de terceiros. Essa situação, no entanto, é avaliar a relação entre capacidade funcional e idosos que residem em instituições de lon- predominante entre os institucionalizados os diferentes componentes da aptidão física”, ga permanência menor é sua força e apti- que, uma vez isentos de uma rotina de ati- ressalta Dra. Lúcia Takase. 06
  4. 4. coluna c Musculação para idoso também, parte da prescrição. No entanto, O conteúdo deste texto serve como sempre, em algum momento, foi possível uti- um recado aos que insistem em treinar de for- lizar métodos intensivos com segurança. ma leve (independentemente da idade) e afir- É importante destacar que a ca- mam que só estão praticando exercício para a pacidade de aumentar a força continua saúde. Não podemos cruzar os braços diante preservada mesmo com idade avançada. de tal falta de compreensão e desinforma- Inclusive, já foram verificados aumentos ção. Os professores de musculação deveriam de até 200% na carga do teste de 1RM orientar e tentar convencer seus alunos a não (repetição máxima) com 12 semanas de subestimarem sua força e deixarem que umElke de Oliveira treinamento. Outro benefício constatado novo conceito de treinamento faça parte daMestre em Ciências Da Saúde (UNB), é o aumento significativo da massa mus- sua vida. Se o problema é o receio de causarPós-Graduada em Treinamento de Força cular, comprovado por meio de tomografia uma lesão, não se deve associar o risco somen-(UGF), Pós-Graduada em Fisiologia do computadorizada e biópsia. Com relação te à maior intensidade. Normalmente, o queExercício (UVA) às respostas hormonais, apesar de serem lesiona são os altos volumes de treinamento,Contato: elke@academiamart.com.br muito menores nos mais velhos, elas acon- técnica inadequada de execução e a falta de tecem, sobretudo em treinos que utilizam uma orientação profissional. intensidades elevadas. Será, pois, um marco para a popu- Uma das grandes preocupações Existe uma preocupação excessiva, lação mundial o dia em que todos descobri-das autoridades, tanto científicas quanto por vezes até prejudicial, com a fragilidade do rem que o treinamento de força, feito comgovernamentais, é garantir ao idoso au- idoso. Todavia, as adaptações fisiológicas propor- intensidades adequadas, pode ser a maneiratonomia em suas atividades diárias. Nesse cionadas pelo treinamento de força, com intensi- mais efetiva e barata para proporcionar umasentido, o treinamento de força (muscu- dade adequada, vão contribuir para aumentar a vida independente ao idoso, sem que nos es-lação) pode ser um grande aliado, princi- velocidade na caminhada, a potência para subir queçamos da individualidade biológica, daspalmente em razão do aumento de massa escadas e levantar-se de uma cadeira, além de restrições patológicas e de que toda prescri-muscular que ele proporciona. Mas, será ajudar na prevenção e tratamento de doenças. ção deve ser cuidadosa e progressiva.que os treinos com objetivo de saúde de- A estética é outra variável quevem ser leves como a maioria das pessoas pode ser melhorada com esse tipo de exer-acredita? Será que utilizar aquele pesinho cício, pois, afinal, qual idoso não é vaidoso?de um quilograma durante meses de trei- Não se deve menosprezar a melhora da au-namento trará algum benefício? to-estima, que é um fator de extrema impor- Estudos comparativos dos ganhos tância em todas as idades.advindos do treinamento de força entre jo-vens e idosos revelaram que protocolos combaixa intensidade produzem, sempre, resul-tados limitados e que os idosos têm menorcapacidade que os jovens para reagir aos estí-mulos. Isso nos leva a crer que, para as pesso-as com maior idade, o treino deve ser o maisintenso possível. Muitas pesquisas demonstram,igualmente, que o treinamento de força re-alizado com alta intensidade é seguro e efi-ciente para a saúde do idoso, com aumentoda densidade mineral óssea, melhora noequilíbrio e na potência muscular. Na maio-ria desses estudos, a grande preocupação selimitou a um cuidado especial com os indi-víduos com riscos cardiovasculares. Quantoaos casos de artrite, artrose, tendinite, desviosposturais, entre outras patologias, uma ava-liação e um treinamento minucioso faziam,
  5. 5. S saúde pública A HIPERTENSÃO cada ano, cerca de 7,6 milhões de mortes, 14% do total mundial, são atribuídas à hipertensão não con- uma doença além das cifras trolada. Cerca de 80% dessas mor- tes ocorrem em países de baixo e médio de- senvolvimento econômico e mais da metade em indivíduos entre 45 e 69 anos. No Brasil, Por Marcus Vinícius Bolívar Malachias a hipertensão afeta mais de 30% dos adultos. Cerca de 315 mil óbitos ocorrem anualmente por doenças cardiovasculares, dos quais mais da metade estão relacionados à hipertensão, com destaque para os derrames e infartos. Além disso, a hipertensão é, em nosso meio, a principal causa de doença renal crônica, que ocasiona mais de 10 mil óbitos anuais no país e a inclusão de 95 mil pessoas em programas de diálise ou filas de transplante. A hipertensão é, na maioria de seus portadores, assintomática. Por não apresentar sinais ou sintomas da doença, poucos são os que fazem tratamento regular. Os percentuais de adesão ao tra- tamento situam-se em torno de 10 a 20% da população brasileira afetada. Levantamentos recentes revelam que, mesmo em consultó- rios médicos privados, o controle não atinge sequer a metade dos hipertensos ali atendidos e que menos da metade segue o tratamento por mais de um ano. Se não tratada adequa- a ingestão diária de não mais que 5 g de sal, ção de óxido nítrico, um potente vasodilata- damente, a hipertensão pode reduzir em cerca que corresponde a 2 g de sódio. O consumo dor produzido nas artérias. de 16,5 anos a expectativa de vida. Nos casos médio do brasileiro é de mais que o dobro Pequenas doses de bebidas alcoó- não fatais, ressalta-se a perda da qualidade de do recomendado. licas, 15 a 30 gramas de etanol, podem fazer vida dos sobreviventes de derrames e infartos, parte do cardápio do hipertenso. Essa quan- quase sempre sequelados. PROPRIEDADES ANTI-HIPERTENSIVAS tidade corresponde a 2 latas de cerveja, 2 doses de destilados ou 2 taças pequenas de Se poucos aderem ao tratamento Muitos nutrientes têm revela- vinho, para homens, utilizados de forma não com remédios, resta uma opção atraente do propriedades anti-hipertensivas, tais diária, sendo recomendada a metade dessas que é adequação do estilo de vida, capaz como: alicina (presente no alho, alho quantidades para mulheres. de controlar um grande percentual de hi- poró, cebola e cebolinha), betaglucano pertensos sem medicamentos. Mesmo uma (presente na aveia), a substituição de par- A ATIVIDADE fíSIcA REgulAR modesta perda do peso corporal está as- te da proteína alimentar por um compos- sociada a reduções na pressão. Além disso, to de soja ou a troca de gorduras satura- Pelos menos 30 minutos diários, manter o peso normal (índice de massa cor- das e alimentos ricos em gordura animal promove vasodilatação sustentada e eficaz poral inferior a 25 Kg/m²) previne em 40% o por peixes, oleaginosas (castanhas), azeite redução da pressão. Técnicas de relaxamen- desenvolvimento de hipertensão. de oliva e óleos vegetais. to, incluindo yoga, biofeedback e principal- Dietas ricas em frutas, hortaliças, fi- O consumo diário de dois ou mais mente a respiração lenta têm comprovado bras, minerais e laticínios, com baixos teores copos de leite ou porções de laticínios ma- significativos efeitos anti-hipertensivos. de gordura, nos estilos DASH (Dietary Appro- gros correlacionou-se a menor incidência de Finalmente, a correção da apnéia do sono, aches to Stop Hypertension) e mediterrânea hipertensão, provavelmente devido ao apor- por meio de equipamentos de auxílio respi- podem operar milagres no controle pressóri- te de cálcio. A vitamina D obtida pelo consu- ratório noturno, reduz a pressão de pessoas co. Embora seja de conhecimento geral que mo de peixes e pela exposição ao sol também com esse distúrbio comum. o sal eleve a pressão, o seu consumo é cada é uma importante aliada. Os polifenois conti- vez maior em função do aumento da oferta dos no chocolate amargo, maça, uva, cebola, Marcus Vinícius Bolívar Malachias, Presiden- de alimentos e temperos industrializados. A café e nos chás preto e verde têm potencias te do Departamento de Hipertensão da So- Organização Mundial de Saúde recomenda propriedades vasoativas, aumentado a libera- ciedade Brasileira de Cardiologia. 08
  6. 6. m mente Terapia pode ajudar pacientes de cirurgia bariátrica a evitar retorno à obesidade Mudanças de estilo de vida estão entre as necessidades que, ao serem ignoradas, contribuem para o insucesso do tratamento Por Elizângela IsaqueP essoas que emagrecem depois de sub- metida. Dentre os entrevistados, 89% disseram ligado à sobrevivência. O simples saber não metidas à cirurgia bariátrica, conhecida sentirem-se aptos para a intervenção cirúrgica controla o comportamento. Os bariátricos como redução do estômago, tendem na primeira consulta. Porém, 26% admitiram desejam a operação, mas não percebem aa recuperar o peso perdido devido à falta de terem vivido o “dia do arrependimento”, diante necessidade de serem melhor preparadosacompanhamento profissional adequado. do desconforto ou da limitação provocada pelo para o procedimento e não conseguem mu-Essa é uma das conclusões obtidas por meio procedimento. Já 67,4% reconheceram que de- dar padrões de comportamento necessáriosde um estudo cujos resultados apontam as veriam ter recebido mais preparo, ao invés de para o sucesso a longo prazo, o que os leva adeficiências na comunicação entre os pro- uma única avaliação. abandonarem o tratamento”, explica.fissionais de saúde e pacientes como fator O estudo evidencia o fato de queprincipal para a reincidência ao quadro de retornos sociais ligados a padrões estéticosobesidade entre os operados. e ao desejo psicológico de mudança de vida O estudo “Acompanhamento psi- são os principais fatores que motivam os pa-cológico tardio em pacientes submetidos à cientes obesos a se submeterem à cirurgiacirurgia bariátrica”, Publicado em Arquivos bariátrica. No entanto, uma vez alcançadosBrasileiros de Cirurgia Digestiva ( vol. 23, nº. 2), esses objetivos, a motivação desaparece, poisavaliou as condições mentais e emocionais no a meta estabelecida está intimamente ligadaperíodo pós-operatório de pessoas que passa- aos reforços positivos que diminuem.ram pelo tratamento cirúrgico da obesidade(pacientes bariátricos) para compreensão de TRANSTORNOSsuas reações aos estímulos ambientais. A pesquisa, realizada com pacientes Outros estudos apontam trans-de uma clínica de Curitiba (PR), ouviu pessoas tornos psiquiátricos como ansiedade ede ambos os sexos e com tempo diferenciado depressão como as doenças de maior pre-de tratamento. Os dados obtidos demonstram De acordo com a coordenadora da valência nas entrevistas pré-operatóriasque na primeira entrevista psicológica a maio- pesquisa, a psicóloga Simone Dallegrave Mar- de pacientes com obesidade mórbida.ria dos pacientes bariátricos descreve-se como chesini, esse é o mesmo fenômeno informati- Pesquisa da Universidade da Califórniapreparada para a cirurgia, mas desconhece os vo enfrentado com a Aids e o uso da camisi- concluiu que a depressão atinge maiordetalhes acerca do método ao qual será sub- nha. “Estamos tratando de um impulso básico número entre os candidatos à operação e10
  7. 7. que estes tendem a ter pior resultado deemagrecimento ou a recuperar o peso aolongo do tempo, anulando parte ou todo osucesso cirúrgico. “A depressão leva à necessidadede tratamento prévio da ansiedade ou dequadros clínicos a ele associados”, afir-ma Dra. Simone. Por meio do estudo foipossível descaracterizar a presença destetranstorno de humor à condição clínica daobesidade ou ao efeito desta sobre a qua-lidade de vida, já que sua presença é deorigem fisiológica e metabólica. “ “ Entre os pacientes portadores deobesidade mórbida existem dois grupos cli-nicamente trabalhados, um no qual o fator deestresse funciona como gatilho da obesidade A presença da depressão leva à necessidadee outro em que a obesidade funciona comofonte do início da depressão, com ou sem an- de tratamento prévio da ansiedadesiedade. “A operação pode se constituir para ou de quadros clínicos a ele associadosos depressivos e/ou ansiosos mais um evento Dra. Simone Dallegrave Marchesiniexistencial ou ritual de passagem que provo-ca euforia ou depressão”, define Dra. Simone. DEPRESSÃO A pesquisa coordenada pela psi- mações físicas dos pacientes bariátricos. A psicóloga explica que nas en- cóloga também revela que pacientes bariá- À pesquisa, 32,6% dos operados admi-trevistas de avaliação é possível perceber tricos podem apresentar maiores distorções tiram que seus parceiros não estavamno discurso dos pacientes um sentimen- quanto à percepção do próprio corpo, o preparados para viverem com magros aoto de incompetência por não terem tido que os impedem de notarem a recupera- seu lado e 17,4% se divorciaram após aêxito nas dietas tradicionais. Isso ocorre, ção de peso. Em outra vertente eles podem operação. No entanto, alguns pacientesprincipalmente, entre as pessoas que ten- se defender dessa percepção e só buscar deixaram claro que a separação já estavadem à depressão ou distimia (tipo atenu- auxílio quando o ganho é excessivo e per- inclusa no desejo de mudar de vida e queado de depressão crônica), considerando ceptível ao meio social. “Com a recuperação a operação foi facilitadora do ato.que a cirurgia envolve a mutilação de um de peso, esses pacientes tendem a buscarórgão saudável. “Os pacientes tornam-se outros recursos cirúrgicos ou clínicos e não AcOMPANHAMENTOpassíveis de autopunições e vulneráveis aceitar que seu consumo alimentar possaaos maus resultados ou às complicações estar calcado em funcionamentos cerebrais No âmbito familiar, as altera-operatórias, por interpretarem que estão e emocionais”, explica Simone. ções físicas vividas pelos pacientes ba-‘mexendo na obra divina’”, completa. Ante a falta de um preparo ade- riátricos atingiram 19,6% dos familiares, quado e a uma subsequente recuperação que apresentaram dificuldade de lidar TRATAMENTO de peso, a maioria dos entrevistados afir- com a transformação do operado. Para mou que fariam a operação novamente, Dra. Simone, além do acompanhamen- Para a Dra. Simone, o fato de sendo que metade sente a necessidade to terapêutico pré e pós-cirúrgico, há agrande parte dos pacientes não receberem de frequentar grupos de apoio, em contra- necessidade de que profissionais quali-tratamento psicológico/psiquiátrico para ponto à outra parte que defende o direito ficados também atendam aos cônjugesos outros males que acompanham a obe- à privacidade e ao sigilo. e familiares deste grupo. “O foco tera-sidade gera a incapacidade de muitos não pêutico é necessário para que haja ummudarem o estilo de vida após a operação. cONVíVIO SOcIAl trabalho de prevenção às recaídas. O“A adesão às recomendações nutricionais tempo de preparo pré-operatório se es-é parcial, o que possibilita a ocorrência de As relações conjugais e fami- tende para além de uma única consultaalterações emocionais ligadas às deficiên- liares, de um modo geral, também são psicológica e nutricional e aumenta suacias dessa ordem”, afirma. diretamente influenciadas pelas transfor- eficácia”, enfatiza. 11
  8. 8. m medicinaA solução para as doenças autoimunitáriase neurodegenerativas pode estar naVitamina DEstudos e casos clínicos comprovam que nutriente é fundamentalpara prevenção e controle eficaz de moléstias gravesPor Elizângela IsaqueA sabedoria popular nos ensina que maior dificuldade de transformar em ativa é sempre melhor prevenir do que a vitamina D produzida pelos raios solares remediar. Felizmente, em algumas em contato com a pele. Devido a essa ca-circunstâncias, especificamente nas li- racterística genética, alguns indivíduos comgadas à saúde, a forma de prevenção é a hábito de exposição solar diária podemmesma que proporciona a cura ou, no mí- apresentar deficiência desta substância e,nimo, um controle eficaz de determinados consequentemente, desenvolverem algum valores que não enxergava, e minha dis-problemas. Esse é o caso da vitamina D, distúrbio. Como forma de prevenção, o mé- posição é maravilhosa. Sinto-me privile-substância que tem sido fonte de constan- dico recomenda a essas pessoas a ingestão giado por ter acesso a um tratamento tãotes estudos e de importantes descobertas, do suplemento vitamínico, em forma de eficiente”, relata Marcelo Palma.no que se refere às doenças autoimunitá- cápsula ou gotas. O nome de Dr. Cícero Coimbra érias e neurodegenerativas como esclerose relacionado ao crescente número de pa-múltipla, depressão, artrite reumatóide, cientes que sob seu tratamento, a exemploParkinson, mal de Alzheimer, lúpus e viti- O engenheiro ambiental Marce- de Marcelo Palma, têm apresentado qua-ligo, entre outras. lo Palma está entre as pessoas que, em- dros de regressão de sintomas, bem como A literatura médica clássica atribui bora sempre levasse uma rotina de práti- a estabilidade de doenças como a esclero-à vitamina D um papel fundamental para a cas esportivas ao ar livre, como o surfe e se múltipla. Em todos os casos, a vitaminamanutenção do equilíbrio de determinadas capoeira, começou a apresentar sintomas D sintetizada, ministrada em doses quefunções do organismo humano, como a ini- como formigamento nos membros e alte- variam de acordo com a necessidade debição de problemas como o raquitismo em ração da sensibilidade do abdômen. Após cada paciente, é a protagonista que atuacrianças e a osteoporose em adultos. Entre- alguns diagnósticos equivocados e trata- de forma decisiva no combate aos gravestanto, de acordo com as novas descobertas, mentos que não impediam o surgimento sintomas apresentados pelas moléstias.as doses diárias recomendadas até hoje, de de outros sintomas que eram, de fato, de-400 UI (Unidades Internacionais), que equi- correntes da esclerose múltipla (EM), o jo- PuBlIcAÇÕESvale a um micrograma, estão longe do ideal vem tomou conhecimento do tratamentonecessário para prevenir, estabilizar ou mes- proposto por Dr. Cícero. Na internet, centenas de publi-mo anular sintomas das doenças relaciona- cações científicas divulgam os benefíciosdas ao sistema nervoso. da vitamina D no tratamento de doenças Embora alguns alimentos sejam Iniciado o tratamento, Marcelo neurodegenerativas, como Alzheimer, e dasfonte de vitamina D, a forma natural mais confiou sua saúde ao Dr. Cícero que ao autoimunitárias como esclerose múltipla,eficiente de obtê-la é por meio da exposição diagnosticá-lo como portador de esclero- miastenia gravis, lúpus, artrite reumatóide,solar diária. “Cerca de 10 minutos, todos os se múltipla, convenceu-o de que ao utili- psoríase e diabetes do tipo 1. O artigo “No-dias, com 90% do corpo exposto ao sol mati- zar a vitamina D como base de seu trata- vas pistas sobre as funções da vitamina Dnal, é suficiente para que maioria das pessoas mento, a doença viraria passado em sua no sistema nervoso”, publicado na Revistaobtenha a quantidade aproximada de 20.000 vida. Hoje, o jovem afirma levar uma vida Trends in Endocrinology & Metabolism, emUI”, explica o neurologista e professor do De- normal, sob acompanhamento médico, setembro de 2002, demonstra a relação dopartamento de Neurologia e Neurocirurgia da feito de uma a duas vezes por ano. “Estou nutriente com a inibição dos sintomas des-Universidade Federal de São Paulo (UNIFESPI) com a vida totalmente ativa, trabalhando, ses problemas, bem como à estabilização doDr. Cícero Galli Coimbra. surfando muito, dentre outras atividades quadro clínico de pacientes. No entanto, o neurologista lem- físicas. Posso dizer que minha vida hoje “Cerca de 70% das pessoas quebra que, devido às particularidades de cada é até melhor do que antes de tudo isso sofrem de esclerose múltipla apresentamorganismo, algumas pessoas apresentam acontecer, pois despertei para simples níveis muito baixos de vitamina D, o que se12
  9. 9. correlaciona com uma frequência maior de Dados da Federação Internacional manentes nos rins, retardo do crescimento,exacerbações (surtos) e com a sustentação de de Esclerose Múltipla (MSIF, na sigla em in- calcificação de tecidos moles e até mesmosequelas neurológicas mais acentuadas após glês), revelam que cerca de 2,5 milhões de a morte. Entre os sintomas leves de intoxi-cada surto. A simples percepção disso remete pessoas sofrem de EM, em todo o mundo. cação estão: sede excessiva, eliminação dequalquer profissional que se depare com esse No Brasil, a estimativa da Associação Brasi- grande volume de urina, náuseas, fraqueza,quadro à obrigação ética de administrar essa leira de Esclerose Múltipla (ABEM) é de que prisão de ventre e irritabilidade. Entretanto,substância como parte fundamental do trata- existam mais de 35 mil portadores. Além dis- para alcançar essas reações, seria necessáriomento”, explica Dr. Cícero. so, a entidade alerta para a constante falta o consumo muito superior aos recomenda- De acordo com o artigo, “O trata- da medicação disponibilizada pelo governo, dos pelas recentes pesquisas.mento com vitamina D na Esclerose Múlti- nos postos de saúde brasileiros. Outros estudos demonstrampla” publicado no Journal of the Neurological As medicações comumente pres- que para uma pessoa adulta, com níveisSciences, em junho de 2009, além dos fatores critas em terapias (interferons) expõem os normais de intolerância à vitamina D, vir agenéticos e ambientais, o nível de concentra- pacientes a efeitos colaterais tão comuns apresentar um quadro de super dosagemção de vitamina D no orgnanismo está deste nutriente seria necessária a in- “diretamente ligado ao desenvolvimen- gestão diária de aproximadamenteto de EM. Segundo o estudo, as evi- Cerca de 70% das pessoas que 2,5 mg (100.000 IU), por um períododências atestam que a ingestão deste de um a dois meses. Já a quantidade sofrem de esclerose múltiplasuplemento reduz o risco de desenvol- considerada tóxica para as criançasvimento da doença, diminui as chances apresentam níveis muito baixos varia de 0,5 mg (20.000 IU) a 1,0 mgde que um primeiro evento clínico su- (40.000 IU), números muito superio- de vitamina D, que se correlacionagestivo se converta em uma EM clinica- res às doses mais altas da substância,mente definida e limita a reincidência com uma frequência maior de indicadas para prevenção e trata-de pacientes diagnosticados. mento de doenças. exacerbações e com a sustentação Para o neurologista, a falta “Os limites tóxicos, sobretudo,de informação sobre o assunto en- de sequelas neurológicas mais podem variar conforme a quantidadetre a comunidade médica brasileiracomeça pelo ambiente acadêmico acentuadas após cada surto. ” de alimentos ricos em cálcio, espe- cialmente os laticínios, presentes nae culmina na pressão mercadoló- dieta, conforme o peso e característi-gica exercida pela indústria farmacêuti- quanto desagradáveis. Essas drogas po- cas genéticas do indivíduo”, esclarece Dr.ca. Hoje, cada ampola de Tysabri (natali- dem desencadear reações – observadas Cícero. Conforme explica o neurologista,zumab), medicação vendida em mais de em mais de um, em cada 10 doentes – os riscos de uma hiperdosagem são pra-45 países para o tratamento de esclerose como dores de cabeça, sintomas do tipo ticamente nulos, se o tratamento é feitomúltipla custa, em média, R$ 9.000,00. Só gripal e febre. Já a vitamina D, utilizada sob com acompanhamento médico, em âmbi-em 2009, o Tysabri proporcionou ao seu acompanhamento médico, possibilita a re- to clínico e laboratorial. “A quantidade defabricante a receita de um bilhão de dó- gressão de sequelas recentes e previne a vitamina D que cada paciente necessitalares em vendas, fazendo com a empresa progressão da doença. em seu tratamento varia de acordo com oviesse a público declarar que, como es- O ajuste das doses, realizados estágio da doença e com os níveis de ca-tratégia de marketing, a expectativa para com o auxílio de exames laboratoriais, evita rência deste nutriente em cada organismo,2010 era maximizar o valor de suas ações uma hipervitaminose por vitamina D, já que por isso é muito importante a avaliação dopor meio do crescimento do consumo o excesso desse nutriente no organismo profissional”, explica.desse remédio. pode provocar problemas como danos per- O artigo “Segurança da vitami- na D em adultos com esclerose múltipla”, publicado no The American Journal Cli- nical Nutrition , em julho de 2009, cor- robora as informações do neurologista brasileiro. O estudo apresenta resultados obtidos com pacientes na fase ativa da EM, submetidos a um tratamento à base de cálcio, com aumento progressivo da vitamina D3. Após oito semanas os dados confirmaram a viabilidade de se utilizar o fármaco vitamínico de forma segura, em níveis entre 4.000 UI e 10.000 UI, varian- do-se as doses de acordo com a necessi- dade de cada paciente. 13
  10. 10. “ Estou com a vida totalmente ativa, trabalhando, surfando muito, dentre outras atividades físicas. Posso dizer que minha “ vida hoje é até melhor do que antes de tudo isso acontecer. Marcelo Palma DIVulgAÇÃO tamina D em 2006, cinco anos após rece- Foi em decorrência de um forte trau- ber diagnóstico de esclerose múltipla. Na ma emocional, inclusive, que Marcelo Palma Como a eficácia da vitamina D, em época da primeira consulta a jovem já se começou a apresentar os primeiros sintomasrelação aos medicamentos tradicionais, ainda encontrava em cadeira de rodas, devido o de EM. Surtos que, posteriormente, voltaramnão é um consenso na comunidade científica, estágio no qual se encontrava a doença. mais fortes e frequentes após uma segundaa difusão dessa nova alternativa tem ocorri- “Dois meses após o início do novo trata- experiência que lhe acarretou novo trauma.do por meio do famoso “boca a boca”. Nesse mento, baseado na reposição dessa vita- “Na primeira consulta, que durou cerca decontexto, a internet tem sido a principal ferra- mina, ela estava dirigindo. Hoje leva uma quatro horas, ele me explicou como seria amenta utilizada pelos pacientes do Dr. Cíce- vida normal, sem surtos, e sem o uso da utilização da vitamina D, aliada à B e a óle-ro, que utilizam a web para discutirem seus medicação convencional, que é bastante os de peixe (ômega 3) DHA, para ‘desativar’casos clínicos entre si e, ao mesmo tempo, agressiva. E continua apresentando me- a auto agressão do sistema imunológico nopropagarem resultados, como a estabilização lhoras”, comemora. meu organismo”, relembra.e o controle de suas enfermidades. Hoje, o maior empenho do neu- Com cerca de 500 membros a co- fATORES PSIcOlógIcOS rologista é tornar a utilização da vitaminamunidade “Esclerose Múltipla Tem Solução” D comum nos tratamentos das doençasfunciona em um dos mais famosos sítios de Dr. Cícero também chama a neurodegenerativas e autoimunitárias.relacionamentos da web e reúne pacientes atenção para a alta probabilidade de “Meu objetivo é fazer com que os demaissob o tratamento do neurologista e pessoas distúrbios como estresses emocionais e profissionais conheçam os benefícios des-que sofrem de EM que estão em busca de tra- fortes traumas desencadearem doenças sa substância e passem a ministrá-la aostamentos com resultados mais eficazes e me- autoimunitárias e neurodegenerativas pacientes em tratamento”, diz o neurolo-nos agressivos. “Após descobrir a existência do em pessoas cujos organismos apresen- gista, que acredita que, no futuro, as infor-Dr. Cícero e obter resultados fantásticos com tam dificuldades em sintetizar a vitamina mações acerca da importância desse nu-minha sobrinha achei que seria importante di- D. “Cerca de 85% dos surtos de esclero- triente estarão ao alcance de todos. “Nãofundir esse protocolo de tratamento”, explica se múltipla, por exemplo, surgem após há como impedir que esse conhecimentoSergio Vinagre, fundador da comunidade. estresses emocionais. Imagine quantos se torne comum. Pode ser que demorem Na página inicial da comunida- casos seriam evitados se fosse possível re- mais dois, três ou vinte anos. O fato é que,de, criada há dois anos, Vinagre conta que tirar ou diminuir o nível de estresse dessas cedo ou tarde, todos vão saber dos benefí-sua sobrinha iniciou o tratamento com vi- pessoas”, destaca. cios da vitamina D”.14
  11. 11. c coluna FITOTERÁPICOS E FITOTERAPIA Características e Potencialidades Você já ouviu falar em medicamentos fitoterápicos? Esses medicamentos, produzidos a partir de extratos padronizados de plantas medicinais, vêm sendo utilizados no tratamento de diversas doenças, como ansie- Dr Roberto Boorhem dade, depressão, distúrbios metabólicos como o aumento do colesterol e triglicerí- Médico e Presidente da Associação deos, diabetes, obesidade, Síndrome Climatérica, Hipertrofia Benigna da Próstata e Brasileira de Fitoterapia – ABFIT muitos outros, com redução dos efeitos colaterais e adversos, melhora do funciona- Contato: rboorhem@abfit.org.br mento do organismo, e sem causar dependência ao usuário. O quE SÃO MEDIcAMENTOS fITOTERÁPIcOS? Em diversas situações clínicas po- de-se associar fitoterápicos e alopáticos, no São medicamentos produzidos com sentido de aumentar a eficácia dos tratamen- extratos vegetais de partes de plantas, sem iso- tos convencionais e/ou reduzir a toxicidade lamento dos princípios ativos, ou seja, utilizan- causada pelos medicamentos alopáticos. Esta do a totalidade das substâncias encontradas combinação dos dois tipos de medicamentos na parte da planta adequada, tambem chama- atua, simultaneamente, a favor do organismo da de fitocomplexo. e contra a doença, como nos casos de câncer, AIDS e tuberculose, por exemplo, aumentan- quAIS PROBlEMAS DE SAÚDE JÁ SÃO TRATA- do a eficácia e reduzindo os efeitos adversos DOS cOM fITOTERAPIA NO BRASIl? dos medicamentos convencionais. Diversas doenças já têm tratamento ONDE OS INTERESSADOS PODEM ENcON- pela fitoterapia. Além das mencionadas acima, TRAR ESTES PRODuTOS E quAIS OS cuI- ainda podemos citar outras como insônia, dis- DADOS quE OS PAcIENTES DEVEM TER AO pepsias, Síndrome do Intestino Irritável, Tensão ADquIRIR E TOMAR ESTE TIPO DE PRODuTO Pré-Menstrual (TPM), artrites e artroses, aler- E POR quÊ? gias e imunodeficiência, alem de tratamento coadjuvante em algumas patologias de difícil Os medicamentos fitoterápicos po- tratamento como o câncer e a AIDS. dem ser encontrados nas farmácias e drogarias e, os extratos, nas farmácias de manipulação. quAIS OS BENEfícIOS DOS fITOTERÁPIcOS No caso dos medicamentos fitote- E DA fITOTERAPIA PARA OS PAcIENTES? rápicos vendidos em farmácias e drogarias, devemos observar o número de registro Evite também a automedicação, Os maiores benefícios estão rela- da Agência Nacional de Vigilância Sanitária mesmo com fitoterápicos, porque qualquer cionados à baixa incidência de efeitos colate- (Anvisa), impresso na embalagem. Este re- tratamento deve ser precedido de uma ade- rais e adversos, associados aos fitoterápicos. gistro sempre vem acompanhado da sigla quada avaliação do paciente e seu quadro Este tipo de medicamento regula e estimula do Ministério da Saúde (MS), seguido de clínico, e a partir de um correto diagnóstico. sistemas e funções orgânicas, além de me- uma numeração. Já os produtos manipula- No caso de alívio de sintomas e do- lhorar a performance do organismo, pratica- dos, devem ser adquiridos em farmácias de enças passageiras e de baixa gravidade, pro- mente sem causar tolerância e dependência. manipulação especializadas e prescritos por cure utilizar chás de consagrado uso tradicio- Já os medicamentos convencionais (alopáti- profissionais habilitados. nal e por pouco tempo, como por exemplo: cos), são mais eficazes no combate a micro- Evite a compra de fitoterápicos em chá de alho para gripes e resfriados, de camo- organismos e outros agentes externos e na sites pela internet, podem ser produtos frau- mila para ansiedade e dispepsia, de erva-doce inibição de sinais e sintomas. dados e sem o devido controle de qualidade. para cólicas intestinais e etc.16
  12. 12. Alguns fitoterápicos e suas propriedadesNOME cIENTífIcO NOME POPulAR clASSE TERAPÊuTIcA/INDIcAÇÕES VANTAgENS TERAPÊuTIcASGinkgo biloba Ginko Vaso dilatador Menor incidência de efeitos Antiadesivo Plaquetário colaterais Antioxidante Maior eficácia Tonturas Deficiências circulatórias e da memóriaHipericum perforatum Hiperico Antidepressivo Menor incidência de efeitos colateraisPassiflora sp. Maracujá (folhas) Sedativo/Ansiolítico Menor incidência de efeitos colateraisValeriana oficinallis Valeriana Ausência de tolerância e dependênciaMelissa oficinallis MelissaMaytenus ilicifolia Espinheira santa Gastroprotetor Menor incidência de efeitos colaterais Dispepsias, gastritePlantago sp Psylium Laxativo Menor incidência de efeitos colateraisCassia sp SeneRhamus purshiana Cáscara sagradaTamarindus indica TamarindoMentha crispa Hortelã Amebicida e giardicida Menor incidência de efeitos colateraisMikania glomerata Guaco Expectorante/Antialérgico Respiratório Menor incidência de efeitos colateraisGlycyrrhiza glabra Bronquite, AsmaPygeum africanum Pigeum Antiandrogênico Menor incidência de efeitos colateraisUrtica dioica Urtiga Hiperplasia prostáticaSerenoa repens Saw palmetoGlycine max Soja Ação hormonal Menor incidência de efeitos colaterais Síndrome climatérica OsteoporoseCimicifuga racemosa Black cohosh Ação hormonal Menor incidência de efeitos colaterais Síndrome climatéricaVitex agnus-castus Vitex Ação hormonal Menor incidência de efeitos colaterais TPM Maior eficáciaTanacetum Tanaceto Profilaxia da enxaqueca Menor incidência de efeitos colateraisPartheniumPanax ginseng Ginseng Adaptógeno Maior eficácia Estados de fadiga física e mentalEchinacea purpurea Equinácea Imunoestimulante Menor incidência de efeitos colaterais Preventivo e coadjuvante na terapia de resfriados e infecções do trato respiratório urinário 17
  13. 13. c corpo Dieta e exercícios podem atenuar efeitos do câncer Por Maria Alice da Cruz E studos com carcinoma 256 de Walker pesquisadoras enfatizam que as pesquisas A caquexia causa impacto ne- desenvolvidos no Laboratório de Nu- foram realizadas somente com animais e gativo sobre a habilidade de respostas dos trição e Câncer do Instituto de Biologia não focalizam a prevenção à instalação do pacientes diante do tratamento antineoplá- da Unicamp (IB) abrem possibilidades para a tumor. “Não estudamos a cura do câncer. sico, constituindo-se no ponto crucial do su- melhoria da qualidade de vida de pacientes A ideia é que esses estudos possam con- cesso do tratamento e, consequentemente, com câncer. Apesar de optarem por temas tribuir para garantir qualidade de vida aos interferindo em sua expectativa de vida, de diferentes, as pesquisadoras Emilianne Mi- pacientes com câncer, colaborando com o acordo com Emilianne. guel Salomão (doutorado) e Rebeka Tomasin tratamento convencional. No caso de meu (mestrado) buscaram em testes com ratos estudo, a proposta é reverter o quadro de SuPlEMENTAÇÃO NuTRIcIONAl wistar meios para inibição de crescimento e caquexia com auxílio de terapia alternativa”, apoptose de tumores e diminuição de risco explica Emilianne. Os resultados de testes realizados de caquexia (perda de peso involuntária). com um grupo de ratos wistar, nos quais foi Enquanto a educadora física Emi- injetado tumor Walker 256, revelaram que a lianne estudou e comprovou a eficiência suplementação nutricional com leucina (ami- da combinação nutrição-exercício físico na noácido que atua como sinalizador celular e redução da caquexia, Rebeka buscou na fonte energética para o músculo esquelético) medicina popular, especificamente num ho- e exercício físico, em longo prazo, promove mogeneizado (mistura) de mel e babosa, um melhora no ganho de peso corpóreo, com re- coadjuvante para o tratamento tradicional dução do peso do tumor; diminui a degrada- de pacientes com câncer. “Há vários estudos ção muscular esquelética, associada a maior que comprovam a eficácia anticâncer da ba- expressão de miosina muscular (principal bosa e do mel, isoladamente, então decidi proteína contrátil do músculo esquelético); investigar como funcionam os dois juntos”, traz melhora da resposta inflamatória; me- explica Rebeka. lhora a expressão gênica de transportador Os estudos fazem parte de de glicose muscular e melhora, também, o uma série de pesquisas básicas de- diâmetro da fibra muscular. senvolvidas no laboratório para “Os animais treinados diminuíram, auxiliar no avanço de investiga- de fato, a degradação proteica muscular, ções mais aprofundadas além de melhorar a resposta inflamatória. nas áreas de medici- Quanto aos animais implantados com tumor na e farmácia. As tratados com dieta normal (normoproteica) e sedentários, houve aumento da degrada- ção e, consequentemente, redução da sínte- se proteica muscular e aumento da resposta inflamatória, quando comparados aos de- mais grupos”. A pesquisadora explica que a leu- cina age, principalmente, como sinaliza- dor celular, aumentando a síntese e dimi- nuindo a degradação de proteína muscular esquelética, enquanto o exercício físico promove aumento do consumo de glicose, diminuindo os níveis de glicose e insulina18
  14. 14. circulantes, consequentemente, reduzindo o desenvolvimento do câncer. “Divulgam efeitos do exercício de intensidade leve ema oferta desse substrato às células tumo- sempre na mídia informações sobre a im- animais, mesmo nessas condições, são po-rais. “É preciso ingerir este aminoácido, portância da atividade física em problemas sitivos”, pondera Emilianne.pois nosso organismo não é capaz de sin- cardíacos ou neurológicos, mas quase nãotetizá-lo. A massa corporal magra, em par- divulgam a contribuição do exercício para cAquExIAticular musculatura esquelética, diminui a qualidade de vida em pacientes com cân-em proporção direta os efeitos da massa cer”, acrescenta a educadora. Ela explica que o desenvolvimentoneoplásica. Assim, a redução da síntese e o neoplásico causa alterações dos processosaumento da degradação proteica têm sido homeostásicos e metabólicos dos pacientesfrequentemente observado nos pacientes com câncer, desencadeando a caquexia, quecom câncer, sendo o principal fator res- pode levar à morte na maioria dos casos. Aponsável pela redução do tempo de vida perda de peso é decorrente da depleção dadesses pacientes. Então, suplementamos proteína muscular em razão do aumento daleucina aos animais para minimizar os efei- degradação ou da diminuição da síntese pro-tos provocados pela caquexia, ajudando a teica, com consequências drásticas à massamelhorar o metabolismo de proteína mus- corporal e ao estado funcional do paciente.cular, comprometido pelo crescimento do “O câncer-caquexia promove redução da for-tumor”, explica. ça muscular e da resistência cardiovascular, Emilianne acentua que os exer- ATIVIDADE fíSIcA alterações imunológicas, anorexia, dentre ou-cícios aeróbios de intensidade leve a mo- tras debilidades”, informa.derada ajudaram a minimizar as alterações Na sua opinião, a atividade fí- A caquexia se desenvolve geral-metabólicas do tecido de ratos diante do sica pode ser oferecida a pacientes que mente em estágio avançado do câncer e emcrescimento tumoral. “Vimos que os ani- estejam na fase inicial ou até mesmo em alguns tipos de carcinoma, principalmente osmais treinados têm redução no crescimen- estágios mais avançados, desde que os de trato gastrointestinal, segundo Emilianne.to do tumor, pois o exercício físico promove pacientes estejam em condições físicas.aumento do consumo de glicose pelos te- Apesar de não poder precisar a cura, já RADIOTERAPIAcidos ativos saudáveis durante o exercício, que os estudos não foram realizados comdiminuindo os níveis de glicose e insulina humanos, sabe-se que o índice de cura,circulantes, consequentemente, reduzindo com tratamento precoce, é muito grande,a oferta desses substratos para o crescimen- segundo a autora. “Quando diagnostica-to tumoral”, explica. do o surgimento de câncer em algum pa- ciente, e logo inicia-se o tratamento tanto com quimioterapias, radioterapias, quanto intervenções alternativas, tais como, nutri- cionais associadas a prática de atividades físicas, ou qualquer terapia que venha a ajudar esse paciente, será possível obter resultados positivos”, diz Emilianne. TERAPIAS cONTRA O câNcER Quando o paciente está em um quadro de caquexia avançada, no qual a perda de Na opinião da educadora física, massa muscular é grande, a resposta ao deveriam ser multidisciplinares. A ativi- tratamento radioterápico ou quimioterápi- dade física, quando bem supervisionada, co não é a mesma de um paciente que não também pode favorecer o estado psico- teve perda de massa muscular. Na opinião lógico do paciente. “É uma alternativa no da educadora física, para tentar melhorar o auxílio do tratamento psicológico, pois estado caquético do paciente, é preciso me- os pacientes que praticam atividade física lhorar a qualidade de vida e, assim, aumentar podem reduzir a ansiedade e a depressão”, a sobrevida. A atividade física, quando bem acrescenta. supervisionada, pode ser uma excelente al- Os ratos foram treinados até o ternativa no auxílio do tratamento e reabili- período pré-agônico, gerando resultados tação dos pacientes com câncer. A atividade física, segundo Emi- positivos, já para um paciente nessas con-lianne, possui grandes efeitos protetores dições, a prática de atividade física pode Fonte: Saúde em Movimento/Jornal da Uni-que podem ajudar a prevenir ou retardar não ser recomendável. “Mas sabe-se que os camp 19
  15. 15. c coluna A energia vem do carboidrato Os carboidratos são classificados de acor- Por ser uma fonte rápida de energia, é do com o seu grau de polimerização em açu- muito importante principalmente para crian- cares, oligossacarídeos e polissacarídeos. ças, que têm uma necessidade energética Na classe dos açucares estão os monos- muito grande, tanto pelo fato de serem extre- sacarídeos (glicose, galactose e frutose), os mamente ativas como pelo seu crescimento. Dra. Silvia ferreira dissacarídeos (sacarose, trealose e lactose) e Porém, devemos selecionar o tipo de carboi- Nutricionista do Flamengo os polióis (sorbitol e manitol). drato que iremos oferecer aos nossos filhos, silvia.nutricao@gmail.com Na classe dos oligossacarídeos encontra- para que seu desenvolvimento seja normal e se a malto-oligossacarídeos, compostos pelas não haja problemas como obesidade juvenil maltodextrinas e por outros oligossacarídeos e cáries. Muitas frutas são excelentes fontes Os Carboidratos representam a prin- (rafinose, estaquiose e os fruto-oligossaca- de carboidratos, então podemos incentivar o cipal fonte de energia, pois é o principal combus- rideos) e entre os polissacarídeos estão os consumo de frutas ao invés de doces indus- tível para o ser humano. A energia que vem do amidos e o não-amido. Os componentes trializados, ricos em sacarose, que é mais pre- Carboidrato é importante para o desempenho dos amidos são a amilose, amilopectina e os judicial para o nosso organismo. do trabalho interno (respiração, circulação do amidos modificados. Os polissacarídeos não- sangue e batimentos cardíacos), trabalho exter- no (caminhar, exercícios) e para manter a nossa amido são a celulose, hemicelulose, pectinas cARBOIDRATO temperatura estável, por isso os alimentos ricos e hidrocololóides. E DESEMPENHO fíSIcO Os carboidratos são consumidos em carboidratos são chamados de alimentos sob três formas: 1) cereais, vegetais, frutas, Para manter e aumentar os estoques de combustíveis. Dentre eles, o mais abundante leguminosas; 2) carboidratos purificados adi- glicogênio muscular durante períodos de encontrado na natureza é a glicose (açúcar), que cionados às preparações; 3) carboidratos dis- treinamento é necessário uma dieta com ele- por sua vez é o principal, combustível para a ma- solvidos em certas bebidas. vada quantidade de carboidrato. nutenção da vida na maioria das espécies. Na dieta ocidental, 50% de conteúdo Os estoques corporais de carboidratos são energético são fornecidos pelos carboidratos. as maiores fontes de combustível para o tra- fONTE DE ENERgIA Desses, 25% são derivados do açúcar (glicose, balho muscular. Contudo, a contribuição dos sacarose, lactose) e o restante dos 25% são po- carboidratos para o metabolismo durante Em condições normais, o carboi- lissacarídeos amido e não-amido. A maior fon- o exercício é determinada por vários fatores drato é a única fonte de energia aceita pelo te de carboidratos são os cereais, representan- incluindo a intensidade e a duração do exercí- cérebro, importante para o funcionamento do 50% do carboidrato consumido tanto em cio, influência do treinamento e a dieta. do coração e todo sistema nervoso. O corpo países desenvolvidos e em desenvolvimento. Atletas que treinam de modo exaustivo, armazena carboidratos em três lugares: fígado Os carboidratos são um importante com- dia após dia, devem consumir uma quanti- ( glicogênio hepático), músculo (glicogênio bustível dos seres vivos, mas para serem utiliza- dade adequada tanto de carboidrato quanto muscular) e sangue (glicose). Uma ingestão in- dos devem ser quebrados por nosso organismo de energia para minimizar o risco da fadiga suficiente de carboidrato promove a utilização da sua forma de depósito de polissacarídeos associada à depleção acumulativa do glico- de tecidos magros como combustível, resul- (amido e glicose) em açúcares mais simples gênio muscular. Os estoques de carboidratos tando em perda de músculos, diminuição (monossacarídeos). são diretamente dependentes do consumo da força e resistência. alimentar, uma vez que pequena quantidade é estocada no organismo. Em se tratando de recomendação de in- gestão diária de carboidrato sugere-se que os atletas consumam uma dieta contendo cerca de 6-10 g de carboi- drato/ Kg de peso corporal e tam- bém descansem periodicamente para que o músculo possa restabe- lecer seus estoques de glicogênio. 20
  16. 16. saúde da criança S Cuidados com as crianças no verão Roupas leves, exposição ao sol e principalmente hábitos alimentares requerem extrema atenção dos adultos para garantir a saúde dos filhos Por Elizângela IsaqueD evido ao forte aumento na tempe- ratura, o verão é a época do ano na qual os cuidados com as crianças de-vem ser redobrados. Como a alta da estaçãocoincide com as férias escolares, a atençãoaos hábitos dos pequenos incluem aspectosque vão do vestuário à alimentação. Alémda hidratação e do uso do filtro solar, outroszelos podem garantir que elas tirem o maiorproveito do período, sem apresentarem pro-blemas de saúde. De acordo com a presidente da So-ciedade Brasileira de Pediatria (SBP), regionalDF, Dra. Vera Bezerra, uma das principais me-didas a serem adotadas refere-se à exposiçãoao sol, que deve ser evitada no horário quevai das 9h da manhã às 16h da tarde. “Mesmocom protetor solar o sol desse período é mui-to nocivo para as crianças”, explica a médica, Para os bebês, a recomendação é HIgIENEque é professora titular de pediatria da Uni- uma sopinha de legumes. Já para as crian-versidade de Brasília (UnB). ças maiores o cardápio deve conter carne Além do cuidado alimentar Roupas leves, que confiram liber- de frango magra, legumes e verduras, sen- das crianças, a higiene do ambiente do-dade aos movimentos e, ao mesmo tempo, do as saladas é uma ótima opção. Comi- méstico também é motivo de cuidado efacilitem a transpiração, estão entre os impor- das pesadas, como as gordurosas e pratos preocupação. Com o calor, a proliferaçãotantes itens a serem observados pelos adul- combinados com farinha de mandioca, por de moscas pode causar contaminaçãotos, inclusive na hora das crianças dormirem. exemplo, devem ser evitados nessa época. de alimentos, principalmente, em locaisOutra medida é manter as meninas de cabelo Dra. Vera chama a atenção para a onde não se observam as regras básicaspreso durante o dia, o que também contribui necessidade de se redobrar os cuidados nas de higiene.para aliviar o calor da criança. praias, onde a gama de refeições oferecidas, Como o calor altera as condições Quando o assunto é hidratação os sempre tão atrativas aos olhos e ao paladar, de conservação dos alimentos é impor-alimentos exercem um papel extremamen- está repleta de produtos calóricos e de di- tante lavar bem os que são consumidoste importante. Como a refeição deve ser o fícil digestão. “O forte calor, associado aos crus, como as verduras e as frutas, além demais leve possível, frutas, verduras e legumes alimentos prontos desses ambientes, não se manter limpos os vasilhames onde elesdevem ser a maior parte do cardápio diário. são bons para as crianças porque propiciam são acondicionados, medida que confereAlém da água, que deve ser filtrada ou fervi- a ocorrência de diarréias, vômitos e desidra- maior segurança contra a contaminação.da e acondicionada em local apropriado para tação”, adverte. Leite, frutas e verduras devem ser guarda-evitar contaminação, sucos naturais, prefe- Além das saladas, as frutas frescas dos na geladeira, sempre tampados, pararencialmente das frutas da época, devem ser da estação, facilmente encontradas nas fei- garantir maior tempo de duração e deconsumidos à vontade. ras e mercados a preços mais baratos, de- aproveitamento. Liberado com moderação para a hi- vem ser amplamente consumidas. A suges- Durante a ocorrência de diar-dratação dos adultos, os chás não devem ser tão para o período são o mamão e a laranja, réias, é comum casos de mães que medi-incluídos nos alimentos das crianças devido cujos preços são mais populares. A maçã, cam as crianças sem orientação médica. Aà cafeína. “Como essa substância dificulta a inclusive, teve seu custo reduzido devido o recomendação, nesses casos é a de que, aabsorção de ferro no organismo, há um ris- aumento do produto nacional e já começa a qualquer sinal destas doenças, um pedia-co muito grande de a criança ficar anêmica”, fazer parte permanente da lista de compras tra, ou os serviços públicos de saúde, devealerta Dra. Vera. dos consumidores. ser procurado com urgência. 21
  17. 17. capaAbuso de álcool entre idosospode causar sériosproblemas de saúde22
  18. 18. “ “ Em artigo publicado na revista Ca- relação com o fato de que uma proporção foram encontradas diferenças no consumodernos de Saúde Pública da Fiocruz, pesquisa- considerável da população idosa está sob de álcool entre homens e mulheres. “A frequ-dores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) alguma forma de medicação com interação ência de ser um consumidor regular foi maiorinvestigaram a associação entre o risco de que- potencial com álcool”. entre homens (38%) do que em mulheresdas e o consumo de bebidas alcoólicas em (17,5%) e somente homens relataram umidosos com mais de 60 anos. O estudo contou VulNERABIlIDADE consumo excessivo”, explicam os pesquisa-com a participação de 432 pessoas moradoras dores. “Houve também diferenças em relaçãoda Região Metropolitana de São Paulo. Destas, Os pesquisadores apontam que, ao contexto de consumo: 40% dos homens24,5% relataram tombos no último ano, relacio- mesmo sendo frequentes os problemas rela- reportaram beber durante as refeições, en-nados ao risco de uso de álcool e a idade, sendo cionados ao álcool no Brasil, a extensão des- quanto somente 18,9% das mulheres repro-45,2% das pessoas que caíram afirmaram serem sas questões entre indivíduos de mais idade duziram esse padrão”.consumidoras frequentes de álcool. permanece desconhecida. “Os idosos são me- O artigo ainda destaca que o abuso “Apesar do consumo de álcool ser nos vulneráveis a acidentes de carro e brigas, de álcool entre os idosos pode trazer sériascomumente menor entre idosos, quando mas são propensos a outras consequências, consequências para a sua saúde e um consi-comparado com pessoas mais jovens, suas como quedas, já que a probabilidade destas derável impacto no sistema de saúde. “Com oconsequências negativas podem ser altas, ocorrerem em casa é maior”, afirmam os estu- aumento da expectativa de vida, problemasdevido às mudanças próprias da idade”, diosos. “Quedas são eventos comuns para os de saúde entre pessoas mais velhas se tor-comentam os pesquisadores. “Os idosos idosos, com um impacto em sua saúde física naram relevantes”, dizem os pesquisadores.apresentam aumento de gordura corporal que pode resultar em uma série de incapaci- “É crucial não ignorar o uso de álcool pelose redução de água, assim como uma dimi- dades, incluindo o medo de cair”. idosos. É igualmente importante que o temanuição do metabolismo hepático. Como Os resultados da pesquisa indica- receba a apropriada atenção, não só em exa-consequência, os níveis de álcool no sangue ram que, em relação ao uso do álcool, 50,9% mes clínicos, mas também em agendas políti-elevam e a pessoa começa a experimentar dos entrevistados nunca haviam feito uso, cas e de pesquisa”.efeitos adversos da ingestão de bebidas al- 25,5% não beberam no último ano e 23,4%coólicas. Outro importante problema tem consumiram bebidas alcoólicas. Além disso, fonte: Agência Fiocruz de Notícias 23
  19. 19. capaSaiba mais sobre asBebidas AlcoólicasT oda a história da humanidade está permeada pelo con- sumo de álcool. Registros arqueológicos revelam que os primeiros indícios sobre o consumo de álcool pelo serhumano datam de aproximadamente 6000 a.C., sendo portan-to, um costume extremamente antigo e que tem persistidopor milhares de anos. A noção de álcool como uma substânciadivina, por exemplo, pode ser encontrada em inúmeros exem-plos na mitologia, sendo talvez um dos fatores responsáveispela manutenção do hábito de beber ao longo do tempo. Inicialmente, as bebidas tinham conteúdo alcoólicorelativamente baixo, como por exemplo o vinho e a cerveja,já que dependiam exclusivamente do processo de fermenta-ção. Com o advento do processo de destilação, introduzido naEuropa pelos árabes na Idade Média, surgiram novos tipos debebidas alcoólicas, que passaram a ser utilizadas na sua formadestilada. Nesta época, este tipo de bebida passou a ser con-siderado como um remédio para todas as doenças, pois “dissi-pavam as preocupações mais rapidamente do que o vinho e acerveja, além de produzirem um alívio mais eficiente da dor”, ca, especialmente nas sociedades ocidentais, acarretando altossurgindo então a palavra whisky (do gálico usquebaugh, que custos para sociedade e envolvendo questões, médicas, psicoló-significa “água da vida”). gicas, profissionais e familiares. A partir da Revolução Industrial, registrou-se umgrande aumento na oferta deste tipo de bebida, contribuindo EfEITOS AguDOSpara um maior consumo e, consequntemente, gerando umaumento no número de pessoas que passaram a apresentar A ingestão de álcool provoca diversos efeitos, que apare-algum problema devido ao uso excessivo de álcool. cem em duas fases distintas: uma estimulante e outra depressora. Nos primeiros momentos após a ingestão de álcool, po- ASPEcTOS gERAIS dem aparecer os efeitos estimulantes como euforia, desinibição e loquacidade (maior facilidade para falar). Com o passar do tempo, Apesar do desconhecimento por parte da maioria começam a aparecer os efeitos depressores como falta de coor-das pessoas, o álcool também é considerado uma droga psi- denação motora, descontrole e sono. Quando o consumo é muitocotrópica, pois ele atua no sistema nervoso central, provo- exagerado, o efeito depressor fica exacerbado, podendo até mes-cando uma mudança no comportamento de quem o conso- mo provocar o estado de coma.me, além de ter potencial para desenvolver dependência. Os efeitos do álcool variam de intensidade de acordo O álcool é uma das poucas drogas psicotrópicas com as características pessoais. Por exemplo, uma pessoa acos-que tem seu consumo admitido e até incentivado pela socie- tumada a consumir bebidas alcoólicas sentirá os efeitos do álcooldade. Esse é um dos motivos pelo qual ele é encarado de for- com menor intensidade, quando comparada com uma outra pes-ma diferenciada, quando comparado com as demais drogas. soa que não está acostumada a beber. Um outro exemplo está re- Apesar de sua ampla aceitação social, o consumo lacionado a estrutura física; uma pessoa com uma estrutura físicade bebidas alcoólicas, quando excessivo, passa a ser um de grande porte terá uma maior resistência aos efeitos do álcool.problema. Além dos inúmeros acidentes de trânsito e da O consumo de bebidas alcoólicas também pode de-violência associada a episódios de embriaguez, o consumo sencadear alguns efeitos desagradáveis, como enrubecimento dade álcool a longo prazo, dependendo da dose, frequência e face, dor de cabeça e um mal-estar geral. Esses efeitos são maiscircunstâncias, pode provocar um quadro de dependência intensos para algumas pessoas cujo organismo tem dificuldadeconhecido como alcoolismo. Desta forma, o consumo inade- de metabolizar o álcool. Os orientais, em geral, tem uma maiorquado do álcool é um importante problema de saúde públi- probabilidade de sentir esses efeitos.24

×