Cap. II Arte nas fronteiras 4. O retorno da figuração
Nova FiguraçãoEntre a década de 1960,1970 e 1980 a figuraçãoretorna com uma geraçãoque reage a uma arte emextremo intelect...
Gilles Deleuze, Lógica da Sensação:                                                 Para fugir do figurativo em direção á ...
Détourn“Sejam modernos,colecionadores, museusSe vocês tem velhas pinturasnão desesperem retenhamsuas memórias por um desvi...
Jean Dubuffet, Villa Falbala, 1978 e1965
Nova Figuração no México, 1970 Jose Luis Cuevas, El Dr. Rudolph van Crefel y su paciente, 1973             Alberto Gironella
Francisco ToledoLagarto, 1973                      Visita al penal, 2002
Nova Figuração na Argentina 1961-65             Jorge de la Veja, Intimidades de um tímido
“Somos um conjunto de pintores que na nossa liberdade expressivasentimos a necessidade de incorporar a liberdade da figura...
Rómulo Macció, Hambre, 1961
Ernesto Deira, Piedra Lunar eAdão e Eva
Gastón Orellana, Chile                                         Gil Imaná,                                           Mulher...
Brasil, Grupo REX, 1960Relações com a Nova FiguraçãoWesley Duke Lee,Nelson LeirnerFrederico NasserGeraldo de BarrosNelson ...
Nova Objetividade Brasileirainfluenciada por Wesley Duque LeeExposição realizada no MAMRJ em 1967 que reúne as diversas te...
Lygia Clark, Bichos, 1960Rubens Gerchman, O rei do mal gosto, 1966
Siron Franco, Sombras   João Câmara, Figura de homem, 1970
Transvanguarda Italiana – 1977Conceituada por Achille BonitoOliva , recusam uma arte decaráter político conceitualProcuram...
Enzo Cucchi, O vento dos galos negros, 1983
O trans da Transvanguarda:“Atravessamento da noçãoexperimental das vanguardas emdireção á uma obra que seconstitui não seg...
“A fragmentação daobra significa afragmentação do mitoda unidade, significaassumir o nomadismode um imaginário semparada o...
“A obra conserva o fluxo do seu processo, do ser operacional no entorno dasubjetividade que não tende nunca a se tornar ex...
David Salle, Canfield                                             Hatfield IV 1989                                        ...
Jean Michel Basquiat
Os Novos Selvagens 1980A.R. Penck, Odemônio,1982
Anselm Kieffer, Jerusalem, 1986
Anselm Kieffer, A Onda, 1995
Jorg Immendorff, All´s Well that Ends Well, 1983
Markus Lupertz, 2002
Emilio Vedova, Non dove, 1986
Miquel Barcelo, fumaça de cozinha, 1987
Miquel Braceló, Fumaça e água, 1987
Webteca•   História da arte contemporânea•   Nova Figuração. Itaú Cultural•   Nueva Figuración Argentina, 1961-65, Curador...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

6. novafiguracao

994 visualizações

Publicada em

A Nova Figuração

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
994
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

6. novafiguracao

  1. 1. Cap. II Arte nas fronteiras 4. O retorno da figuração
  2. 2. Nova FiguraçãoEntre a década de 1960,1970 e 1980 a figuraçãoretorna com uma geraçãoque reage a uma arte emextremo intelectual eracional do Minimalismo e àarte Conceitual que haviadiminuído a importância doobjeto na arte, mas semdiminuir o valor do conceitonem a cultura visual popular.No Brasil foram os“popcretos” (Pop eConcreto). O Minimalismocontinuou nas pesquisas daarquitetura e do designcontemporâneo. Karel Appel
  3. 3. Gilles Deleuze, Lógica da Sensação: Para fugir do figurativo em direção á forma pura existem dois caminhos, a abstração ou o puro figural (oposto ao figurativo) através da extração e o isolamento. A figura é a forma sensível referida à sensação, atua de maneira direta sobre o sistema nervoso, que é a carne, enquanto a forma abstrata se refere ao cérebro. A obra figurativa e a obra abstrata se referem ao cérebro e por tanto não acedem á sensação, não liberam a figura A sensação tem um lado voltado ao sujeito e outro ao objeto, ou é uma unidade de sujeito-objeto . Uma “lógica do sentido” Bacon: cerebralmente pessimista, nervosamente otimista.Francis Bacon, “Retrato de Lucian Freud”, 1965
  4. 4. Détourn“Sejam modernos,colecionadores, museusSe vocês tem velhas pinturasnão desesperem retenhamsuas memórias por um desvio(détourn) que correspondacom sua era.Por que recusar o velho sepodemos modernizá-lo comumas pinceladas?Lhe dar um pouco decontemporaneidade à suavelha cultura.Fiquem em dia e sejamdistinguidos ao mesmo tempo.A pintura acabouVocês podem também terminarcom ela.Desvio.Longa vida à pintura.” (1959)Asger Jorn, A vanguardanão se rende, 1962
  5. 5. Jean Dubuffet, Villa Falbala, 1978 e1965
  6. 6. Nova Figuração no México, 1970 Jose Luis Cuevas, El Dr. Rudolph van Crefel y su paciente, 1973 Alberto Gironella
  7. 7. Francisco ToledoLagarto, 1973 Visita al penal, 2002
  8. 8. Nova Figuração na Argentina 1961-65 Jorge de la Veja, Intimidades de um tímido
  9. 9. “Somos um conjunto de pintores que na nossa liberdade expressivasentimos a necessidade de incorporar a liberdade da figura” Luis Felipe Noé, Paquete Mantegna
  10. 10. Rómulo Macció, Hambre, 1961
  11. 11. Ernesto Deira, Piedra Lunar eAdão e Eva
  12. 12. Gastón Orellana, Chile Gil Imaná, Mulher, 1970, BolíviaOswaldo Guayasamin, La Edad de la Ira,Equador
  13. 13. Brasil, Grupo REX, 1960Relações com a Nova FiguraçãoWesley Duke Lee,Nelson LeirnerFrederico NasserGeraldo de BarrosNelson Leirner, Made in Brasil, 2000 Wesley Duque Lee, Transmutatio, 1987
  14. 14. Nova Objetividade Brasileirainfluenciada por Wesley Duque LeeExposição realizada no MAMRJ em 1967 que reúne as diversas tendências da arte nacional.Oiticica é o principal articulador da tendência ao objeto, á participação do espectador e oenvolvimento com questões político-sociais: os penetráveis Tropicália e os eventos Parangolés. Wesley Duque Lee Helio Oiticica, Parangolés
  15. 15. Lygia Clark, Bichos, 1960Rubens Gerchman, O rei do mal gosto, 1966
  16. 16. Siron Franco, Sombras João Câmara, Figura de homem, 1970
  17. 17. Transvanguarda Italiana – 1977Conceituada por Achille BonitoOliva , recusam uma arte decaráter político conceitualProcuram uma identidademoderna plural e particular quese sustenta entre oantropológico (o pessoal adquireum valor antropológico) e asmitologias individuais.Busca redefinir o passado desdea perspectiva do presente.Obras abertas que transitamentre “ a compulsão do fazer ea estabilidade do resultado”“...a arte tende a se apropriar dasubjetividade do artista, deexprimi-la através da modalidadeda linguagem” (Achille Bonito Sandro Chia , Jet LagOliva, 1979)
  18. 18. Enzo Cucchi, O vento dos galos negros, 1983
  19. 19. O trans da Transvanguarda:“Atravessamento da noçãoexperimental das vanguardas emdireção á uma obra que seconstitui não segundo umacerteza antecipada de umprojeto e de uma ideologia, masse forma sob seus olhos e sob apulsão de uma mão que afundana matéria da arte numimaginário feito de umaencarnação entre a idéia e asensibilidade”...“Transvanguarda significaassumir uma posição nômadeque não respeita nenhumcompromisso definitivo ou éticaprivilegiada senão aquela deseguir os ditames datemperatura mental e material Francesco Clemente, Diálogo, 2001sincrônica à instantaneidade daobra.” (Achille Bonito Oliva,1979)
  20. 20. “A fragmentação daobra significa afragmentação do mitoda unidade, significaassumir o nomadismode um imaginário semparada ou ponto dereferência , enquantosupera a atitude davanguarda que temesse privilégio.”(Achille Bonito Oliva,1979) Mimmo Paladino, América, 1995
  21. 21. “A obra conserva o fluxo do seu processo, do ser operacional no entorno dasubjetividade que não tende nunca a se tornar exemplar, mas sempre conservar ocaráter de acidentalidade, de uma apertura de campo que não significa a ebriedaderomântica do infinito da vanguarda, mas mover-se sem centro ao longo de derivasapontadas por uma única prospectiva, a do prazer mental e sensorial.” (Achille BonitoOliva, 1979) Nicola de Maria, Reino das flores musicais
  22. 22. David Salle, Canfield Hatfield IV 1989 Julian Schnabel Bad Painting 1978Aparece nos Estados Unidos a partir de umaexposição com esse nome em 1978Quer reverter a noção do bom gostoImagens do excesso
  23. 23. Jean Michel Basquiat
  24. 24. Os Novos Selvagens 1980A.R. Penck, Odemônio,1982
  25. 25. Anselm Kieffer, Jerusalem, 1986
  26. 26. Anselm Kieffer, A Onda, 1995
  27. 27. Jorg Immendorff, All´s Well that Ends Well, 1983
  28. 28. Markus Lupertz, 2002
  29. 29. Emilio Vedova, Non dove, 1986
  30. 30. Miquel Barcelo, fumaça de cozinha, 1987
  31. 31. Miquel Braceló, Fumaça e água, 1987
  32. 32. Webteca• História da arte contemporânea• Nova Figuração. Itaú Cultural• Nueva Figuración Argentina, 1961-65, Curadora Mercedes Casanegra, VEARTETBibliografiaBONITO OLIVA, ACHILLE, La Trans-avanguarda Italiana. In POLITI, GIAN CARLO,(Ed.). Flash Art: Due decenni di storia, XXI anni. Milano: Gian Carlo Politi.Editore.1990.REIS PAULO. Arte de Vanguarda no Brasil. RJ: Jorge Zahar Ed., 2006.ARCHER, Michael. Arte Contemporânea, uma história concisa. São Paulo: MartinsFontes, 2001.BUENO, Guilherme. A teoria como projeto. RJ: Jorge Zahar Ed., 2007. BUENO,LUCIE - SMITH, EWDARD. 20th Century Latin American Art. Thames & Hudson,2005.

×