Diz86

543 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diz86

  1. 1. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com Jornal Plural Ano 04 Nº 86 2ª Quinzena de Junho de 2013 Edição Online para 500.000 leitores Zona Sul, Oceânica e Centro de NiteróiZona Sul, Oceânica e Centro de NiteróiImpressos com distribuição gratuita:16.000 Exemplares Edição Online para 500.000leitores Impressos com distribuição gratuita:16.000 Exemplares DizDizO jornalO jornal Diretor:Responsável: Edgard FonsecaD i r e t o r : R e s p o n s á v e l : E d g a r d F o n s e c a ModeloMesquita:Mayara*Foto:JulioCerino O Que Ferve em Niterói. Pág. 03 Diz: Todo Mundo Gosta.
  2. 2. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com “Escritores ao Ar Livro”, com lançamento do livro “Ensaios de minha douta ignorância “, de Sávio Soares de Sousa (foto), mostra que cada vez mais o movimento cultural na Praça Getúlio Vargas encontra-se fortalecido na palavra po- ética e no amor dos seus integrantes pelo espaço conquis- tado. A foto é do poeta Alberto Araújo. 2 Cultura Paulo Roberto Cecchetti prcecchetti@ig.com.br annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para 480 mil leitores N ão sou adepta do “pão e circo”. Nun- ca fui. Optei por trabalhar com co- municação logo cedo e sempre tive a consciência de que eu não queria ser apenas mais uma profissional a contribuir para a cul- tura do entretenimento emburrecedor. Admi- ro a arte de divertir, mas, a meu ver, ela não deve estar ligada a métodos alienadores. Meu desejo sempre foi poder contribuir – nem que fosse um pouquinho, mesmo que indireta- mente – para despertar certo olhar crítico nas pessoas... O bom profissional de comunica- ção não descreve apenas fatos, não escreve apenas teorias nem, muito menos, lança suas verdades pessoais. Ele instiga a dúvida, pro- põe o questionamento. Ele colabora para o início de uma discussão, estimulando o deba- te. E, acredite: não é fácil fazer isso. Muitas vezes, o jornalista faz colocações mais ardilo- sas e contraditórias simplesmente para levan- tar um tema importante, promover um bate- boca inteligente e fazer a sociedade pensar. E, neste momento, o que mais precisamos fazer é pensar. De olhos atentos, devemos observar o que está ocorrendo a nossa volta. Quem está nas ruas participando dos protes- tos não deve julgar quem decidiu não sair. Quem está em casa também não deve se co- locar no direito de julgar aqueles que criaram coragem e decidiram se manifestar. Não há certo nem errado. Quem invade as ruas tem, por excelência, um À Espera de um Milagre grito contido na garganta, um gosto amargo de fel na boca, uma sensação de angústia dentro de si. Esse mal estar tão gigante não cabe mais dentro des- sa pessoa. E, portanto, ela “explodiu”. Ela optou por cortar o som lancinante do silêncio e berrar ainda mais alto para que alguém a consiga ouvir. Essa pes- soa resolveu falar o quão insatisfeita ela está por tentar levar uma vida cor- reta, trabalhando, estudando, pagando seus impostos, e, enquanto isso, continua sendo tratada como idiota pelas autoridades. Esse cidadão é cooptado e bem tratado na época das eleições. Em seguida, é negligenciado por quatro anos de mandato eleitoral. Será mes- mo que os políticos acreditavam que todos ficariam calados eternamente? Até quando os imperadores deste nosso Brasil imaginavam que estes quase 200 milhões de habitantes iriam ficar inertes? Quem fica em casa está, obviamente, cansa- do, desestimulado, desiludido. Muitos destes já foram às ruas há décadas atrás, já mudaram de partido político, já transitaram entre a es- querda e a direita, já votaram em governantes diferentes... E, sabe o que essas pessoas vi- ram? Elas assistiram a uma piora constante do caráter dos políticos que exploram o país. Por vias democráticas, essas pessoas não conse- guiram contemplar uma saída para um “bura- co sem fundo” chamado corrupção. Esses ci- dadãos não estão errados por permanecerem em suas casas. Eles apenas já viram esse filme antes e sabem que, possivelmente, as mudan- ças mais importantes que são pleiteadas não serão atendidas. Afinal, não se trata de vinte centavos abonados da passagem, nem, mui- to menos, da PEC 37 ou da “Cura Gay”. O Brasil clama por saúde, educação e seguran- ça. O Brasil implora por moralidade política. O Brasil quer mais, muito mais. O Brasil não precisa de uma nova constituição, nem de emendas ao texto da vigente. A nossa Carta Magna é belíssima, forte e está saudável. Se a letra da lei for observada, ela bastará. Po- demos, obviamente, endurecer punições aos crimes como a corrupção, ou ainda, reduzir a maioridade penal. Entretanto, é preciso ter em mente que tais regras não promoverão as transformações que, de fato, almejamos. As leis, sozinhas, não trarão mudanças. Quem precisa mudar neste país não é o texto escrito em 1988 que nos resguarda com a democra- cia. Carecemos de mudança de gestão, de caráter, de estratégia. Necessitamos urgen- temente de seriedade, de comprometimento, de representantes que tenham reverência pelo Brasil e pelo seu povo. Infelizmente, nesta semana, não consigo su- gerir um filme. Também não consigo assistir ao futebol. Minha cultura “canarinha” que me desculpe, porém, eu preciso de tempo para refletir. Não sabemos se nos próximos dias o país continuará indo as ruas. Também não sa- bemos se questões tão importantes continua- rão a ser debatidas, votadas e implementadas. Não temos certeza de nada disso. Podemos apenas afirmar que, de fato, o nosso país pre- cisa ser tratado com mais respeito por aque- les que o governam. A crise, meus amigos, eu creio que esteja na moralidade política. Enquanto não conseguirmos eleger pessoas com caráter, que estejam mais comprometi- das com o Brasil do que com o seu próprio bolso, assim gritaremos no vácuo à espera de um milagre. - A AFN-Aliança Francesa de Niterói (Rua Lopes Trovão, nº 52 - 2º andar - Icaraí) convida para a exposição “Ama- relocéu”, de Lya Alves. Visitação até 20 de julho, de 2ª a 6ª, das 08h30 às 20h30; sab., das 08h30 às 12h. Mais informações: 2710-9619. - Já se encontra nas ruas o novo exemplar do jornal Literato, organizado pelas instituições literárias de Niterói; e rodado na Nova Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro. - A ANL-Academia Niteroiense de Letras completou 70 anos com inúmeras festividades. Parabéns à Marcia Pes- sanha, presidente desta instituição cultural, e toda a sua diretoria. A foto é o registro da solenidade de entrega de livreto e medalha comemorativa. - O Instituto Histórico e Geográfico de Niterói comunica as próximas posses das personalidades eleitas em Assembleia: Matilde Conti, Bruno Cerqueira, Vera Lucia de Queiroz An- drade e Aydil Carvalho Preis. - A comemoração pela passagem do 5º aniversário dos
  3. 3. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com 3 Documento dizjornal@gmail.com Edição na internet para 480 mil leitores O Que Ferve em Niterói Depois de assistirmos o “espetáculo do povo”, que nacionalmente se apresentou, e de forma definitiva, contestou insatisfeito foi proativo, e com outra postura diante dos des- mandos dos governos em geral. Vimos, numa lente mais aguçada e regionalizada, como se apresentam os problemas do niteroiense, que também foi às ruas, de forma ordeira, com pequenos deslizes que não representam o grande coletivo. Vamos fazer um apanhado, fazer um balanço dos últimos dias e dos fatos. O que espe- ra a população, de forma mais imediata, fora, naturalmente os problemas cruciais que envolvem o Estado e a União, como a saúde, educação e segurança. Nos protestos Quem foi às ruas sabe quantos militantes compareceram na verdade. De nada adian- ta a imprensa comprometida e autoridades ligadas ao governador Sergio Cabral, mini- mizar e dizer que foram sete ou oito mil pessoas. O que vimos na Avenida Amaral Peixoto, contando por baixo, passaram de quarenta mil pessoas. Não eram apenas jovens destemidos e cheios de vontade e esperança. Tinha gente de todas as idades e de todos os estratos sociais. Foi uma ho- mogênea massa humana unidas pelo mes- mo desejo: mudanças no modelo político e administrativo das nossas instituições. Nos primeiros dias do movimento, os go- vernantes, ainda sem a dimensão do movi- mento, falavam arrogantemente, que se tra- tava de grupos organizados politicamente, com intenções de desestabilizar o governo. Eram “baderneiros”, gente sem propósitos definidos e que logo seria reconduzida ao lugar de costume. Erraram, não foram os partidos de oposição que capitanearam os niteroienses, embora muitos militantes de partidos, enquanto cidadãos, participaram do mesmo grito, sem a pretensão de se apropriar da força que emergia e fluía es- pontaneamente. Naturalmente, surgiram os mais despre- parados e certamente sem a consciência da forma de um movimento pacífico, mas enérgico. E sem dúvida, infiltrados estavam os oportunistas criminosos e os interessa- dos em desqualificar o movimento. Estes agentes infiltrados eram fáceis de identifi- car. Assistimos a um homem, de bermudas e mochila nas costas que incentivava a PM a atirar nos manifestantes. Não há como en- ganar a todos. Estava a serviço. Nesta imensa massa, sem querer compro- meter ninguém, ouvimos muitas requisições e expectativas. As maiores queixas concentravam-se no descaso das autoridades que falam ao povo como se todos fossem idiotas. Prometem feitos que não se realizam e afirmam sem nenhuma preocupação com o que dizem: como se todos fossem aceitar submissos e robotizados. Esta circunstância incomoda e vai gerar mais reações. Em seguida, o trans- porte público, ônibus e barcas, ocuparam a pauta de reinvindicações, seguidas paralela- mente dos aspectos de segurança e desca- so explícito das nossas necessidades. Pro- testam quanto ao uso indiscriminado dos estacionamentos pagos e da reincidência dos flanelinhas, quando se afastam os “co- bradores oficiais". O trânsito caótico, que não é privilégio de Niterói, tem um novo mote de discussão: o niteroiense aceita restringir o uso de automóveis, desde que possua meios de mobilidade rá- pida, eficiente e a preços honestos; é voz unânime que temos nesta cidade um dos quilôme- tros mais caros do país, especialmen- te considerando a deficiência do ser- viço. O povo falou e usou uma metáfora interessante: é proibido e se constitui falta grave falar ao celular en- quanto dirigimos. Entretanto é permitido, o motorista de ônibus, que é responsável pela segurança de muitas vidas, receber e passar troco enquanto dirige. Há uma indignação geral quanto aos métodos de obtenção de lucros das empresas e que são acobertadas pelas autoridades competentes. Quanto aos políticos, o que tem maior re- jeição entre os niteroienses é o governador Sergio Cabral. Niterói, na sua grande maio- ria tem algo a se queixar do governador. Dos Projetos para a Cidade A grande expectativa na cidade é a aprecia- ção do projeto do “Centro Estendido”, que terá audiência pública e posterior aprecia- ção pela câmara. O projeto é da prefeitura, que tem maioria dos vereadores na Câmara e tem grande chance de ser aprovado. O projeto é de grande magnitude e se for feito à risca, representa grande avanço ur- banístico para cidade, apesar de algumas questões pendentes, como o aumento do gabarito, que resultará em grandes prédios de até 40 andares. Os empresários do ramo imobiliário de Niterói estão muito apreensivos e alguns, determinantemente contra. Não pelo de- sempenho do projeto, mas quanto a sua exe- cução. A venda dos certificados (CEPACs) que autoriza e deter- mina o gabarito dos edifícios se- rão negociados na bolsa de va- lores. Como um consórcio, que envolve a An- drade Gutierrez, OAS e Norber- to Odebrecht, será gestor do projeto? A chance para os construtores locais, é pra- ticamente impedida por força do capital. É provável que a compra desses CEPACs sejam imediatamente resgatados pelos grandes grupos, que causaria monopólio na detenção dos certificados, restando aos construtores locais ou comprar (sabe-se a que preço) dos grandes grupos ou serem empreiteiros dos empreiteiros. Vão ter que trabalhar para os “estrangeiros”. A outra apreensão é que o projeto do Centro seja apenas o começo de todo processo de monopólio da cidade. Ainda restam mui- tas áreas a serem construídas, mas, se for neste modelo de gestão, mudará comple- tamente a fisionomia, não apenas da cons- trução civil, mas, de toda economia local. A prefeitura se capitalizará, mas o domínio do mercado irá ficar nas mãos de poucos, contrariando qualquer manual de democra- cia econômica do mundo. Os Transportes Este item também estará afeto ao projeto de urbanismo (Centro Estendido e outros) da prefeitura. Nesse novo projeto, que con- templa modelos vitoriosos na Europa e de- verão ser aplicadas em Niterói, salvaguar- dando as diferenças de cultura e costumes. Termos mais transportes sobre trilhos e a prioridade será o transporte de massa, dei- xando a “cultura do carro” para trás. Quan- to a esta modalidade de transporte é a ideal para qualquer cidade que deseje ter mo- bilidade. As dúvidas se acumulam, quan- to à adaptação deste projeto a questões pontuais: as empresas de ônibus de Nite- rói possuem contratos de concessão para muitos e muitos anos. Algo próximo de 30 anos. Eles irão se adaptar? Como sempre influíram demasiadamente na política local, como um dos principais financiadores de campanha, têm o hábito de decidirem ao modo deles. E agora? Teremos uma trans- formação de comportamento? Não parece ser esta a indicação. Basta ver a dificuldade para se criar uma CPI para in- vestigar o transporte público em Niterói. Acaba de ser criada uma CPI, mas, de maioria e controle da base aliada. A CPI, apresentada anteriormente pela oposição, foi, depois de ter as assinaturas necessárias, literalmente dissolvida, pois o vereador no- vato, Pastor Ronaldo, por pressões pouco declaradas, retirou a sua assinatura do gru- po propositor, Restou a base aliada, neste momento de efervescência social, criar uma CPI, capitaneada pelo nobre vereador Beto da Pipa, por ser da Comissão dos Transpor- tes. A oposição acusa a CPI de ser “Chapa Branca”, que irá ocupar espaço, mas que em nada afetará ao modelo existente. Projeto Centro Multidão na Amaral Peixoto
  4. 4. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com a camisa pra ganhar; fora isso, o cortisol (hormônio do estresse) vai lá pra cima. E o que ele faz? Faz seu corpo estocar tudo que pode, pois ele está em estado de alerta, ou seja, correu pra caramba pra perder músculo e ficar com o percentual de gordura mais alto... Não se automedique, nem prescreva para o amigo o que seu nutricionista, educa- dor físico ou médico passou para você. Os profissionais desta área tem preparo para selecionar o ideal para cada caso e vai te dar a melhor orientação. Até mais! 4 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. Rua Otavio Carneiro 143/704 Niterói/RJ. Diretor Responsável: Edgard Fonseca Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição e circulação: Ernesto Guadelupe Diagramação: Erisvelton Santana Impressão: Tribuna RJ Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz End: Rua Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ Tel: 3628-0552 | 36285252 | 9613-8634 Correspondência para Administração Rua Domingues de Sá, 274/1103 Icaraí-Niterói - CEP 24.220-091 dizjornal@gmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. D! NutriçãoEdição na internet para 480 mil leitores clara.petrucci@dizjornal.com | Instagram: Clara Petrucci Aeróbico em Jejum C ada vez mais pessoas buscam formas de queimar gordura mais rápido. Para resultados mais efi- cazes, a bola da vez é o aeróbico em je- jum. Muitos profissionais de saúde pres- crevem para seus pacientes pelo pico de hormônios que temos durante a noite, pela disposição e capacidade de queima naquele momento. Logo que acordamos, realmente, após uma boa noite de sono, com todas as adequações prescritas pelo nutricionista, realmente podemos obter resultados maravilhosos. Hoje existem muitos estudos e artigos discutindo o as- sunto, mostrando que em alguns casos os resultados são surpreendentes. O problema é aquela velha história... Não somos receita de bolo! O que serviu para seu irmão, pode não servir para você. Para fazer a atividade aeróbica em jejum é necessário uma série de pré-requisitos: uma boa noite de sono, uma alimentação adequada antes de dormir, avaliação do metabolismo e processo de catabolismo do paciente e muitas outras questões. O que acontece com você quando faz aeróbico em jejum e não está preparado para isso? Tudo que você não queria: per- da de massa muscular e ganho de massa gorda. O organismo precisa retirar algu- ma fonte de energia para se nutrir, que neste caso você está com seu estoque de glicogênio muscular muito baixo, devido há horas sem comer. Com isso, começa a “deletar” aquele músculo que você suou Recadastramento Biométrico na OAB/Niterói Começou dia 19, na sede da OAB/ Niterói, o recadastramento bio- métrico exclusivo para advogados, magistrados e servidores da Justiça. O procedimento, realizado pelo Tri- bunal Regional Eleitoral (TRE), passa a ser obrigatório a todos os eleitores do município de Niterói, inclusive aqueles cujo voto é facultativo, como menores de 18 anos, maiores de 70 e os analfabetos. Na subseção, o pos- to do TRE foi instalado no 10º andar. O procedimento pode ser feito até dia 31 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Na subseção, não há necessidade de agendamento. Os interessados devem levar apenas um comprovante de residência atualizado, documento de identidade, CPF (se pos- suir) e o título de eleitor que será trocado. Deputado Comte Bittencourt Quer Nova Licitação da RJ-116 Em Nova Friburgo foi rea- lizada audiência pública promovida pela Alerj para cobrar a redução de lomba- das eletrônicas na RJ-116. O deputado estadual Comte Bittencourt defendeu a revi- são do contrato de concessão da rodovia, administrada pela Rota 116. "Se o documento (contrato de concessão) assinado há mais de uma década não responde mais às necessidades de Nova Friburgo, ao seu pleno desenvolvimento e a sua expectativa de futuro, cabe ao poder concedente (governo estadual) abrir o debate, fazer um termo aditivo e realizar investimentos. Não há como passar ao usuário todos os gastos dos re- cursos necessários”, disse Comte. Comte quer que no segundo semestre se faça uma nova audiência pública, com a presença da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos de Transportes (Agetransp), para discutir a segurança e investimentos na rodovia. Elas Por Elas ASala de Cultura Leila Diniz comemora dois anos de funcionamento no dia 3 de julho com a inauguração da exposição “Ela por Elas: Leila Diniz nos traços das de- senhistas brasileiras” , às 18h. A mostra exibirá 33 obras inéditas, feitas por artistas mulheres, cujo tema é a atriz niteroiense. Todas as peças - entre esculturas, pinturas, fo- tografias, trabalhos em papel machê, desenhos e caricaturas - foram criadas especialmente para a mostra. A curadoria é do cartunista e pesquisador de artes Zé Graúna. A Sala Cultura Leila Diniz fica na Rua Heitor Carrilho, 81, Centro de Niterói.
  5. 5. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com 5 InternetJuliana Demier - juliana.demier@gmail.com ORAÇÃOASANTO EXPEDITO Festa 19 de abril. Comemora-se todo dia 19 Se vc. está com algum , precisa de , peça a Santo Expedito. Ele é o Santo dos Negócios que precisam de pronta solução e cuja invocação nunca é tardia. Problema Difícil e aparentemente sem Solução Ajuda Urgente ORAÇÃO Obrigado. : Meu Santo Expedito da Causas Justas e Urgentes, socorrei-me nesta hora de aflição e desespero. Intercedei junto ao Nosso Senhor Jesus Cristo! Vós que sois o Santo dos Aflitos, Vós que sois o Santo das Causas Urgentes, protegei-me, ajudai-me, Dai-me Força, Coragem e Serenidade. Atendei o meu pedido: (fazer o pedido) Ajudai-me a superar estas Horas Difíceis, protegei-me de todos que possam me prejudicar; Protegei minha família, atendei o meu pedido com urgência. Devolvei-me a Paz a Tranqüilidade Serei grato pelo resto da minha vida e levarei seu nome a todos que têm fé. Rezar 1 Padre Nosso,1 Ave Maria e Fazer o sinal da cruz. “para que os pedidos sejam atendidos é necessário que sejam justos”. Agradeço a Santo Expedito a Graça Alcançada.Santo Expedito Acesse o Nosso Site: www.dizjornal.com Facebook ou no Diz Jornalwww.dizjornal.com Edição na internet para 480 mil leitores Vá Curtir a FLIP Mesmo diante de tantos pro- testos e manifestações, in- felizmente muitas vezes com o uso desnecessário da violên- cia, ainda há espaço para a ternura e para a literatura. A FLIP, Festa Literária de Parati, co- meça na próxima quarta, dia 3, e vai até o domingo, dia 7. Dez anos após a primeira edição, Graciliano Ramos será o homenage- ado da FLIP 2013, que ainda conta com uma exposição sobre o autor chamada “Graciliano, a ética da es- crita”, e presenças ilustres como a de Gilberto Gil que, junto de Luis Pere- quê, faz o show de abertura da festa. Cerca de 40 autores, nacionais e estrangeiros, vão marcar presença e a cidade já está mais do que pronta para receber os milhares de visitantes e amantes da literatura que vão par- ticipar dessa grande comemoração. No site oficial do evento, www.flip. org.br, todos os interessados terão acesso à agenda completa da progra- mação, dicas culturais, de turismo, estadia e alimentação na cidade de Paraty, além de acesso às informa- ções sobre a Flipzona, que é a pro- gramação jovem da FLIP, e sobre a Flipinha, evento especial dedicado aos pequenos leitores. Claro que, mesmo sendo um evento de literatura, a pauta maior dos últi- mos acontecimentos não será igno- rada. Mesas de debate especiais vão tratar do atual momento político bra- sileiro e de toda essa onda de protes- tos e manifestações dos últimos dias. Ainda deve ter algum hotel ou pou- sada com um quartinho disponível para a próxima semana. Corra para o site, reserve esses dias e vá curtir a FLIP.
  6. 6. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com 6 Edgard Fonseca edgard.fonseca22@gmail.com Edição na internet para 480 mil leitores Campanha Pelo Voto Nulo Vejo com grande preocu- pação a campanha que vem sendo estimulada por alguns grupos de ativistas políticos, pregando a inva- lidação do voto ou o não comparecimento às urnas nas próximas eleições. Por maior que sejam as insatisfa- ções, desta forma estaremos caminhando numa direção equivocada. Não faremos transformações rasgando a Constituição e fugindo de nossas obrigações e direitos. O voto é o instrumento mais legítimo e preservável que existe numa nação. É o nosso direito de interferir e opinar. Se existem manipulações e desvios, cabe a nós nos insurgirmos contra estas práticas e através de movimentos populares, como o estamos fazendo neste momento, chamar a ordem ao feito. Desqualificar o voto popular é fazer o cidadão desistir da sua própria participação po- lítica. Local de poder é para ser ocupado. Quando nos omitimos, estamos permitindo que os maus elementos ocupem o lugar que nos pertence. Casa vazia é um convite a invasão e a ocupação indevida. Flagrantes de um Conflito Em momentos de con- flitos, o risco existe de todas as formas. Para cada ação, existirá sempre uma reação; e seja lá o que for usada com intenção violenta vai machucar alguém. Isto é inevitável. Nos protestos desta sema- na, tive uma surpresa cons- trangedora. Estava concen- trado trabalhando quando ouvi gritos e correria na rua e a minha sala é de frente. Já passava das 21h, e concomitante, ouvi o barulho de um helicóptero. Olhei pela janela, vi fumaça e gente correndo. Não vi policiais, mas os estampidos persistiam, quando percebi que os “tiros” e bombas vinham do alto. As bombas eram lançadas do helicóptero e foram muitas. O material era farto e fez a rua parecer um imenso nevoeiro. Os gases entraram pe- las frestas das janelas e pelo ar condicionado das quatro salas da frente. Fiquei tão incomo- dado que preferi ir para rua. O ambiente dentro do jornal ficou irrespirável, insuportável! Fugi do local a pé... E ficava imaginando que com a pressa que eu estava, se encontrasse com soldados, eles pensariam que estaria praticando algum “vandalismo”, fugindo apres- sadamente. As minhas narinas e olhos ardiam e parecia que este gás da atualidade é pior do que o que conheci na juventude. É claro, que a minha resistência é que é menor, princi- palmente pelo inesperado: “bombas vindas do céu, como nos vídeos de guerra”... Imprensa Baleada As balas de borracha não são letais, mas causam estragos relevantes. Foi o caso da jornalista paulista Giuliana Vallone (foto), da TV Folha de São Paulo, que levou um tiro no olho direito e por muito pouco não ficou cega. Nas suas declarações, que vi e ouvi num ví- deo, ela disse que no momento em que foi alvejada estava, acompanhada de um cole- ga e distante de qualquer conflito, ajudando uma senhora a sair do tumulto; achou que por ser mulher, aparentemente inca- paz de oferecer perigo aos policiais, e que eles já haviam apontado armas em sua direção várias vezes, não ati- rariam. Até porque, não havia motivo para esta ação. Não se trata de ser PM do Rio ou de São Paulo. As polícias refletem a própria sociedade e suas práticas. O nosso despreparo educacional é pro- porcional ao despreparo militar para enfrentamentos desta natureza. Até porque, não existem experiências an- teriores com estas características. O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, admitiu possíveis abusos da polícia carioca durante os protestos e disse que eles vão ser investigados. Passa de mais de uma centena de feridos de todos os lados, entre Rio e Niterói, entre eles, muitos que não estavam praticando qualquer ato de vanda- lismo, apenas estavam presentes ou mesmo de passagem. São tributos que pagamos para quebrar a inércia e promover mudan- ças. A cara foi feita para ter vergonha... Tiro, é perversão de propósitos. Lei que Amplia Autonomia de Delegados de Polícia Apresidente Dil- ma Rousse- ff sancionou a Lei 12.830/2013, que amplia a autonomia dos delegados de polí- cia. Vetou apenas o § 3º do art. 2º do projeto aprovado no Congres- so (PLC 132/2012), segundo o qual o dele- gado deveria conduzir a investigação criminal de acordo com seu “livre convencimento técnico-jurídico”. Parlamentares critica- ram a proposta porque poderia interferir nas atribuições de outros agentes públicos. O senador Pedro Taques (PDT-MT), que é membro do MP, manifestou preocupação quanto à possibilidade de os delegados se recusarem a praticar determinados atos, como aqueles requisitados pelo Ministério Público. Pedro Taques
  7. 7. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com Éum insulto as nossas inteligências o repentino comportamen- to do senador e presidente do senado, Renan Calheiros. Pas- sou a defender o movimento das ruas e as transformações mo- ralizadoras que até então ele mesmo combatia. Ficou legalista e até atacou seus aliados, como no caso da presidente, acusando-a de ter ministérios em excesso. Que os 39 ministérios excedem a qualquer raciocínio matemático, todos sabem; mas que Renan Calheiros, grande articulador para criação de muitos deles, para apaniguar seus aliados, venha agora, quando o povo mostrou a que veio, que ele sempre foi contra a criação e a gastança, “des- de criancinha”. É uma piada... 7 Dr. Helder Machado Urologia Tratamento de Cálculo Renal a Raio Laser Rua Dr. Celestino, 26 Centro - Niterói. Tels:2620-2084 /2613-1747 Clínica Atendemos UNIMED eParticular Atendimento 24H pelo tels: 8840-0001e9956-1620 Edição na internet para 480 mil leitores Senador Denuncia Fraudes nas Loterias Recebi um vídeo onde o senador Álvaro Dias (PSDB) faz graves denúncias sobre fraudes nas loterias brasileiras. Segundo o parlamentar, que já investiga estes crimes desde 2004, está comprovado que é impossível alguém receber prêmios na loteria por mais de cem vezes. A acusação é de lavagem de dinheiro e precisa ser devidamente apurada e seus responsáveis punidos. Se forem comprovadas, será “o fim do mundo”. Como podem desrespeitar toda nação brasileira que faz uma “fezinha” na loteria, acreditando ser algo absolutamente idôneo. Imaginem senhores: e eles pe- nalizam o Jogo do Bicho, por contravenção e insistem que os resultados não são fiscaliza- dos e podem ser “arranjados”. Entretanto... O mau exemplo vem do governo. Este caso é mil vezes pior que as acusações que derrubaram Fernando Collor. Como ficamos? O Lobo com Pele de Cordeiro Assinatura Torta Certamente por falta de experiência o vereador Pastor Ronaldo (PTN) perdeu boa chance de se firmar como um vereador de primeiro time. Desde que chegou a Câ- mara dos Vereadores de Niterói tem sido tratado como um vereador de transição, aquele que é suplente e não se sabe se con- tinua, pois o fantasma da volta de Carlos Macedo continua assombrando, pois já se fala em arquivamento do processo em que é acusado como mandante do assassinato de Lucio do Nevada. Foi pedido que assinasse o requerimento da CPI dos Transportes, de autoria dos ve- readores Bruno Lessa (PSDB) e Henrique Vieira (PSOL). Ele prontificou-se imediatamente. As pres- sões vieram e o prefeito deu-lhe “motivos” para retirar a assinatura. Ele assim o fez. Retirou a assinatura e pe- gou mal. Muito mal... Se fosse mais esperto, teria consultado primeiro aos mais experientes que teriam aconselhado que ligasse para o prefeito, que até então não lhe dava bolas, e diria que iria assinar o pedido de CPI da oposi- ção. Pouparia o vexame de ter que retirar a assinatura e assinar outra de mesmo cunho, mas, de controle da base aliada. Perdeu a chance de tornar-se respeitado por suas decisões e não a ser mais um de- pendente da vontade do executivo. Que pena... Queimou a largada... Aniversário de 5 anos do Escritores ao Ar Livro Rainha de Bateria da Viradouro Raissa Machado apresenta sua bateria Sergio Gomes Alberto Araújo
  8. 8. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com 8 Renda Fina Aniversariantes da Edição Adriana Gonçalves Leo Caldeira Aline Ciafrino Pedro Castilho Dayse Brasil Edição na internet para 480 mil leitores Visita da Fondation Alliance Française de Paris em Niterói Posse de Odilza Vital na Casa da Amizade Conferência do Rotary Internacional Waldenir Bragança e Aristeu Peçanha na Conferência do Rotary Distrito 4750 Viviane Araújo, Gabriela Cavalcanti e Radamés Martins Stéphanie Brémaud, Rivo Gianini, Marie Grangeon-Mazat, da Fondation Alliance Française de Paris, Yann Lorvo, Delegado Geral da Aliança Francesa no BrasilComte Bittencourt, Magda Bittencourt, Odilza Vital e Karla Simões Aniversário de Gabriela CavalcantiUlisses Franceschi
  9. 9. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com 9 thatiana.ncunha@gmail.com esferaholistica.com T! News erisveltonsantana@gmail.com erisveltonsantana.com E! Games Os Protetores da Deusa N os dias 13 e 14 de julho, a tera- peuta holística Rosangela Bittar (foto) vai promover workshop no Rioflor, no bairro da Glória, RJ, sobre o uso dos florais de Saint Germain no tra- tamento do câncer. No curso, a terapeuta explica como os florais atuam durante o tra- tamento: “abordo as etapas desse processo de tratamento e seus efeitos colaterais, que são minimizados com o uso dos florais, e a atuação dos “FSG” durante a intervenção alopática”. Rosangela diz que a terapia floral é um tra- tamento complementar à saúde que visa minimizar o sofrimento emocional, mental e espiritual do paciente, que implicam em sintomas no corpo físico. “O objetivo é as- segurar qualidade de vida e bem estar para prosseguir no tratamento e obter a cura integral e humanizada. As essências florais realizam um belo trabalho em cuidados pa- liativos tanto para a pessoa tratada, como também para os familiares.” Ainda segundo ela, a escolha do sistema Saint Germain para tratar os casos de pa- cientes com câncer se deu a partir de pes- quisas que realizou: “na oncologia optei pelo FSG pela amplitude das essências e porque na pesquisa qualitativa que realizei em hospital universitário, verifiquei sua efi- cácia em inúmeros pacientes com diferen- tes questões e personalidades. Para mim, os florais deveriam ser usados de forma preventiva, mas infelizmente todos acumu- lam questões emocionais, padrões de pen- samento disfuncionais os quais conduzem a processos de adoecimento muitas vezes sérios como o câncer, o Alzheimer, doenças reumáticas ou de- pressões crônicas”. Mais informações: pensandonatural. com.br Rosangela é especia- lista em Terapia com Essências Florais pela Federal de Per- nambuco (UFPE), pesquisadora e tem publicado livros na área. Ainda Florais As terapeutas Carmen Berg e Eliene Fon- seca ministram curso de Florais de Saint Germain nos dias 6 e 7 de julho em Ni- terói. Av. Amaral Peixoto, 207. Sala 818. Centro, das 9 às 18 horas. Indicado para profissionais de saúde, psicó- logos, fisioterapeutas, terapeutas, etc. Se- rão abordados as 87 essências do sistema, a história de Dr. Edward Bach (precursor da terapia floral) e Neide Margonari (sin- tonizadora dos florais de FSG), a grande fraternidade branca e seus 12 raios divinos e muito mais. Ao final do curso será dis- tribuído material completo que inclui CD, apostila e certificado. Informações: novoplenitude@gmail.com/ espacoplenitudeniteroi.blogspot.com.br Florais de Saint Germain no Tratamento do Câncer A ve Fênix... Corrente de Andrôme- da... Colera do Dragão... Pó de Diamante... Meteoro de Pégaso... Se você reconheceu as palavras ditas an- teriormente, então já sabe que o tema da coluna desta edição trata-se desse anime clássico que marcou mais de uma geração. Os Cavaleiros do Zodíaco, que receberá um novo game em novembro deste ano, exclusivo para o console PS3. Para aqueles que desconhecem, os Ca- valeiros do Zodícaco foi um dos maiores fenômenos culturais da década de 90 e o principal responsável por tornar a cultura dos animes e mangás popular no Brasil. Eu fiz parte da "Segunda Geração dos Ca- valeiros do Zodíaco", não vi o fenômeno nascer, mas presenciei sua continuidade e popularização. O anime tem como protagonistas cincos orfãos (Ikki, Shum, Shyriu, Yoga e Seiya) que lutam para salvar a vida da reencarna- ção da deusa grega Athena (Saori Kido). Ela é a responsável por manter a ordem e paz na terra, sendo constantemente ataca- da por seus inimigos que vão desde outros deuses gregos, deuses nórdicos e até mes- mo anjos caídos. A franquia que foi iniciada nos mangás já passou por diversas mídias como televisão, cinema e vá- rios games. O mais recente, desenvolvido pela produtora “Dimps,” chama-se “Bra- vos Soldados” e terá como enredo os arcos principais da história dos Cavaleiros da Deusa Athena, as sagas “Santuário, Poseidon e Ha- des”. Os “gamers” terão a chance de lutar contra os mais po- derosos vilões do anime em batalhas de “um contra um” que acontecerão seguindo a cronologia do anime. O game apresentará gráficos e efei- tos aprimorados, melhores do que foi visto em seu antecessor “A Batalha do Santuá- rio”. De acordo com sua evolução no game haverá ainda a possibilidade de aperfeiço- amento nos “pontos de vida”, “níveis de força” e “barra de cosmo”. O universo de Cavaleiros do Zodiaco pos- sui uma mitologia muito rica e um estilo característico no mundo dos animes. O game promete levar os fãs em uma jornada repleta de batalhas ferozes, encontros épi- cos com os deuses e partidas multiplayers (podendo ser online) excitantes que certa- mente empolgarão não só os fãs tradicio- nais como também acredito que conquista- rá uma nova geração. Então, vista sua armadura e proteja a deu- sa, pois o futuro da humanidade está em suas mãos. Avante Cavaleiros da Esperança! Até a próxima.
  10. 10. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com 10 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Seu canal direto para fazer denœncias. Nada melhor do que um telefone para quem, atŽ bem pouco tempo atr‡s, s— podia colocar a boca no trombone. www.alerj.rj.gov.br Venha para o Nova Auto Europeu Velocímetros, Contagiros, Marcadores de Gasolina, Temperatura e Pressão do Óleo. Bombas de Gasolina para injeção eletrônica, Reguladores de Pressão, Motores de Passo. Troca na hora de: Velocímetros e Bóias de Tanque. * Alarmes de Controle Remoto * Trava e Vidro Elétrico * Relógios Elétricos Rua Marechal Deodoro, 295 - Loja 103/104, Centro - Niterói- RJ. Tels: 2621-5702 / 2717-3881 Fora Corruptos! E stá todo mundo dizendo que o Brasil acordou. Pode ser. Mas, o verda- deiro despertar do longo sono desde o “Fora Collor” está ex- plicado de várias maneiras. O estopim do preço das pas- sagens foi revelado pela pró- pria ganância de prefeitos, vereadores e governos estadu- ais, que concediam aumento de passagens de forma aleató- ria, pensando que somente os empresários poderiam recla- mar, já que estudantes da rede pública não pagam e idosos, idem... Acontece que eles se esque- ceram dos universitários. Eles pagam as caríssimas passagens e recebem um péssimo servi- ço. O resultado não poderia ter sido outro, com o acúmulo de desmandos (na verdade e em grande parte, as empresas de ônibus “governam” os transportes públicos, fazen- do prefeitos e vereadores seus verdadeiros serviçais). Dizem que o governador Sérgio Cabral é casado com a filha do Jacob Barata, dono de 30% do transporte público do Estado. Também dizem que muitas empresas fi- nanciam as eleições e depois, como uma espécie de “acordo”, escolhem o local de paradas, novas linhas e não pagam multas. Assim, se tudo isso for verdade, aumento concedido é igual a aumento do “caixinha” também. Estes comen- tários eu escuto há anos e creio que o fiel leitor, também. Por isso, as ma- nifestações empurraram os políticos contra a parede. Muitos políticos agiram como ratos, fugindo pelos buracos, se escondendo nas sombras e com medo, muito medo do povo. Arrisco dizer que se “Bra- sília” voltasse para o Rio de Janeiro, a cidade seria incendiada e viveríamos uma verdadeira “Prima- vera Latina”, com reflexos nas supostas democracias argentina, venezuelana e equatoriana. Basta de mentiras e construções faraônicas inúteis! Corruptos devem apenas ir para prisão, condenados a muitos anos de reclu- são, além dos seus bêns e de seus parentes diretos deverão ser congelados, penhora- dos e leiloados. Sim, é verdade que a imprensa vive marte- lando a situação da saúde pública, um ver- dadeiro absurdo e festival de incompetência de governos. Pessoas estão morrendo nas filas, sobre as macas em corredores fétidos e em hospitais sem equipamentos e mão- de-obra desqualificada. O dinheiro não chega ao destino porque passa pelo crivo da corrupção. Tudo está caro e a inflação declarada é falsa. Quem gasta mal, perde o controle das con- tas. O excesso de ministérios comprova a ineficiência do Governo Federal e a irres- ponsável gastança “Lulística” do seu gover- no populista que arrebentou com o futuro do Brasil. Coitada da Dilma! Mais uma bomba petis- ta acabou explodindo em seu colo. Tudo já programado para a volta do Lula. Só que o povo “despertou” e Lula, acossado pelo Mensalão, deve estar com medo. Medo da estrada esburacada e sem sinalização que ele foi incapaz de consertar. A única saída da Dilma seria sair do PT. Mas... Ir para qual partido se quase todos têm os mesmos podres? Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com
  11. 11. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com Pela Cidade 11 Edição na internet para 480 mil leitores Violência Contra Idosos 80 mil pessoas com mais de 60 anos sofrem com maus-tratos na cidade No mês de junho, é comemorado o Dia Mundial de Com- bate à Violência con- tra os Idosos. Estresse, conflito de gerações, dependên- cia, isolamento e falta de diálogo. Esses são fatores de risco rela- cionados à violência contra os idosos. O tema foi debatido pela coordenadora do Pro- grama Municipal do Idoso, Sonia Rocha, na sala de reuniões da Policlínica Regional Guilherme March, no Fonseca, no dia 26 passado. Segundo Sonia Rocha, o problema pode atingir cerca de 80 mil idosos só em Nite- rói, de acordo com levantamento do IBGE. O município é pioneiro na discussão e ela- boração de políticas públicas para a terceira idade. Estatísticas do Instituto de Pesquisa Econô- mica Aplicada (IPEA) apontam que a maio- ria das agressões contra os idosos acontece em casa e são praticadas pelos próprios filhos, que muitas vezes desconhecem os direitos das pessoas acima dos 60 anos. "Mais de 15% da população de Niterói é de pessoas idosas, o que está acima da média Tereza Mazeli Lança o CD “Aconteceu” Tereza Mazeli lança seu novo cd autoral “Aconteceu”, no dia 04 de julho, às 20 horas, no Teatro Municipal de Niterói. A di- reção musical leva a assinatura do violonista e guitarrista, Cilênio Peres. Explorando qualitativamente a música bra- sileira, ela investe no seu lado compositora ADivisão de Artes Visuais do Centro de Artes UFF inaugura, dia 12 de julho, sexta-feira, às 18h, na Biblio- teca Central do Gragoatá, a exposição “Um Olhar Sobre o Grafite”. É um recorte da dissertação de mestrado em Ciência da Arte, do professor Ivan Albuquerque, que pas- sou dois anos fotografando e observando os grafites nos muros do Rio de Janeiro, Ni- terói e São Gonçalo. Ressalta as intervenções que vão sendo feitas, as imagens que vão se sobrepondo, e que acabam por dar outros senti- dos aos já existentes. O visitante poderá também aproveitar para conhecer a coleção do Acervo Contemporâneo da Galeria de Arte UFF, que conta com importantes nomes da arte brasileira, como Leda Catunda, Daniel Senise, Angelo Venosa, João Magalhães e Maurício Bentes, e que se en- contra exposta na Biblioteca Central do Gragoatá. A visitação irá até 6 de setembro, das 8 às 21 horas e a entrada é franca. A Biblioteca Cen- tral do Gragoatá (UFF) fica na Rua Visconde do Rio Branco, s/nº, Campus do Gragoatá, São Domingos, Niterói, RJ. Um Olhar Sobre o Grafite do Estado. Nossa perspectiva é continuar ampliando o atendimento especializado para esse público tão importante, criando espaços para a articulação de estratégias para combater a violência contra o idoso. Toda a rede está mobilizada neste sentido", afirma o presidente da FMS e secretário municipal de Saúde Chico D’Angelo. Em Niterói, além das delegacias de polícia, há três canais de acesso para a população denunciar este tipo de ocorrência: a Ou- vidoria Geral do Ministério Público, pelo telefone 127, o Disque 100 da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos e o Con- selho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, situado à Avenida Amaral Peixoto 116, 4º andar, Centro. e lança o novo trabalho em parceria com Luly Linhares. Tereza Mazeli toca a alma de uma maneira muito especial, através do repertório que ela interpreta com profundidade, arranjos criativos, pontuando todos os momentos que marcaram sua carreira. Tereza Mazeli, que lançou seu segundo disco em 2004, contendo, na maioria, mú- sicas inéditas compostas por grandes com- positores. São joias raras que fazem parte da história da nossa música, e que brilham até hoje. Ingressos a R$20,00. O Teatro Municipal de Niterói fica na Rua Quinze de Novem- bro, nº 35, Centro, Niterói. Bruno Lessa Quer Transparência em Niterói Overeador Bruno Lessa (PSDB) é autor de dois projetos de lei, o de n°133 e n°135, em que ambas as proposições querem maior transparência nas ações da Prefeitura Municipal. Pelo primeiro projeto, a prefeitura terá que publicar em seu site oficial, o horário de funcionamento das unidades de saúde, os funcionários e suas respectivas especialidades. “A aprovação dessa proposição é muito importante, pois esclarece aos munícipes os locais de atendi- mento das especialidades médicas que ne- cessita. Isso dará maior agilidade e confor- to, uma vez que, a pessoa não vai precisar se deslocar para as unidades antes de saber os horários e os médicos que lá trabalham”. Já o PL n° 135 propõe que a Prefeitura publique também no seu site oficial todos os contratos de concessão de serviços pú- blicos em que forem parte a administração municipal direta ou indireta e, inclusive, os respectivos termos aditivos dos contratos. “Como parlamentar, tenho tido dificulda- des para obter informações dos meus re- querimentos. As respostas são dadas fora do prazo ou, pior, sem conteúdo,” reclama. Para o vereador, os projetos de lei apre- sentados estão em conformidade ao que já vem sendo implantado nas outras esferas públicas. Para ele, a cidade de Niterói está atrasada por não ter até hoje essas informa- ções disponíveis à população. É fundamental que a tenhamos em Niterói. Assim, poderemos saber quais as obriga- ções de uma determinada empresa, o que ela deve ao município, se ela está cobrando por um serviço que está sendo prestado ineficientemente e se existe alguma obri- gação contratual que não foi cumprida. É mais transparência para o legislativo e para a população,” conclui. Sonia Rocha Sergio Gomes
  12. 12. Niterói 29/06 a 13/07/13 www.dizjornal.com Em Foco dizjornal@gmail.com 12 Edição na internet para 480 mil leitores Um Esporte em Ascensão D e acordo com a definição específi- ca do Wikipédia, a enciclopédia li- vre, “Bocha” é um esporte jogado entre duas pessoas ou duas equipes, sendo quatro bochas (bolas) para cada equipe, ou seja, duas para cada jogador. O esporte consiste em lançar as bolas e situá-las o mais perto possível de um bo- lim (bola pequena), previamente lançado. O adversário por sua vez, tentará situar as suas bolas mais perto ainda do bolim ou "remover" as bo- las dos seus oponentes. As canchas devem ter dimen- sões de 26,50 m de compri- mento, 4m de largura e altura uniforme de 30cm. Com pré- via autorização da Comissão Técnica Arbitral Internacional - CTAI, da Confederação Su- lamericana de Bocha - CSB e da Confederação Brasileira de Bocha e Bolão – CBBB po- derão ser utilizadas canchas com dimensões de 24 a 27m de comprimento. Até bem pouco tempo, a maioria de pessoas que praticava o esporte era composta de idosos, mas o quadro vem mudando nos últimos anos com a adesão de jovens. A origem do bocha (conforme alguns histo- riadores) remonta a um jogo praticado no Antigo Egito e na Antiga Grécia, em que se usavam objetos de formatos esféricos - pedras redondas. Esta prática foi trazida para a América pe- los imigrantes italianos, primeiro para a Argentina e mais tarde para outros países. Os estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que receberam gran- des concentrações de imigrantes vindos da Itália, foram responsáveis pelo início do esporte no Brasil, que posteriormente se espalhou por Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo . Em Niterói, existem adeptos do esporte há muitos anos, especial- mente no Clube Italiano, em Piratininga. A Câmara Municipal dos Vereadores de Ni- terói promulgou a lei Nº 2356, de 28/06/2006, de autoria do vereador Renatinho, que estabele- ce: Art. 1º Fica o Poder Executivo autorizado a implementar o Projeto "Bocha no Campo" de São Bento; Art. 2º A pista de chão batido para o jogo de bo- cha respeitará as medidas oficiais das "can- chas" para a prática desse esporte e deverá possuir uma cobertura. O Praia Clube São Francisco possui boas canchas muito bem localizadas, com duas quadras, e permite jogos de excelente ní- vel para seus praticantes. Os horários de utilização são de terça-feira a domingo e feriados, das 8 às 22h. Desafios na Implantação da Fitoterapia no Brasil No dia 12 de ju- lho ocorrerá o Seminário Acadêmico “Desafios na Implan- tação da Fitoterapia no Brasil”. O Semi- nário é uma parceria da Universidade Fe- deral Fluminense com o Instituto Vital Brazil e tem como objetivo discutir os caminhos da implantação da fitoterapia no Brasil com representantes de órgãos públicos e comunidade acadêmica. As inscrições são gratuitas. Este evento é voltado para profissionais de saúde, acadêmicos e interessados no tema. O evento busca apresentar um pa- norama da pesquisa em fitoterápicos no Brasil, difundir as atividades realizadas por órgãos do governo como ANVISA, Farmacopéia, Conselhos de Farmácia, Ministério da Saúde e Ministério da Ci- ência e Tecnologia para implantação do uso de fitoterápicos no Sistema Único de Saúde (SUS);além de discutir o papel dos laboratórios oficiais na industrialização e fornecimento de medicamentos fitoterá- picos industrializados para os usuários do SUS. Local: Auditório da CDL. Rua Andrade Neves, 31. Centro. Niterói. Inscrições li- mitadas: www.vitalbrazil.rj.gov.br. Praia Clube São Francisco

×