O JOGO E SUAS IMPLICAÇÕES
PEDAGÓGICAS
SOBRE
 Autor:João Batista Freire
TRADIÇÃO X CONFIRMAÇÃO CIENTÍFICA
 Não reconhecimento do caráter pedagógico
do jogo
 Mais teoria que prática
 Para as p...
ARROGÂNCIA INTELECTUAL
 Brincadeiras como “escolinha” possuem
caráter formador mais forte que aulas
teóricas maçantes. O ...
REFLETINDO
 “Que há de mais importante em nossa
formação para a cidadania que o espírito
crítico?”
 “Pois não é a atitud...
 A atitude crítica é fundamental na aquisição de
qualquer conhecimento.
 Critica a escola que não reconhece uma
brincade...
 Se acompanharmos algum adolescente em um dia que não
tivesse obrigações a fazer, logo perceberíamos que a atividade
mais...
CITAÇÕES DE AUTORES QUE ESTUDARAM O
JOGO COMO FENÔMENO :
 Colas Duflo,1999 – O jogo: de Pascal a Schiller –
comenta varia...
 Pascal destacava a incerteza como
componente fundamental de qualquer jogo.
Para Schiller o homem “não é totalmente
homem...
 Jean Chateau,1987 – “O jogo prepara para
a vida séria”. “O jogo é um artificio pela
abstração: cozinhar pedra é uma cond...
 Roger Caillois, 1990 - “O jogo e a arte nascem de um acréscimo
de energia vital, de que o homem e a criança não necessit...
 Gilles Brougère, 1998 – Excessivamente cauteloso,
preocupa-se com a visibilidade da aprendizagem. Onde
aprendizagem é o ...
 Buytendijk, 1974 – A oposição entre trabalho e
o jogo, a qual cria maior dificuldade de
introduzir o jogo nas escolas, o...
DETALHES CIRCUNSCRITOS AO ÂMBITO
EDUCACIONAL
Características:
 Não esquecer coisas aprendidas
Prazer funcional da ação, a...
 Manter aprendizagem
Importância da prática da coordenação adquirida e a
evolução da espécie, o corpo humano se
desenvolv...
 Os novos desafios
Entende-se que após chegar a um nível alto, em questão de habilidade,
sempre há um desafio para chegar...
 Jogar para criar
A criatividade é suprimida no ambiente escolar.
O prazer em aprender as disciplinas não
existe devido a...
 Jogar para se descobrir
Modelos que seguimos para nos formar são muito
importantes, mas só atingimos a realização
máxima...
 O jogo-trabalho
1. Modo quase exclusivo como o jogo é aceito
nas escolas
2. Simples motivador de aprendizagem de
outras ...
COMPREENDENDO O JOGO
I. Inicialmente o jogo é apenas sensório-
motor
II. Jogo simbólico
 Para Piaget:
“Se uma criança cre...
CONCLUSÃO
 Na leitura do texo, podemos compreender
como o jogo é importante para a formação
de uma pessoa, desde a infânc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O jogo e suas implicações pedagógicas

797 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
797
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O jogo e suas implicações pedagógicas

  1. 1. O JOGO E SUAS IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS
  2. 2. SOBRE  Autor:João Batista Freire
  3. 3. TRADIÇÃO X CONFIRMAÇÃO CIENTÍFICA  Não reconhecimento do caráter pedagógico do jogo  Mais teoria que prática  Para as pessoas conhecimento é apenas aquele que a escola reconhece
  4. 4. ARROGÂNCIA INTELECTUAL  Brincadeiras como “escolinha” possuem caráter formador mais forte que aulas teóricas maçantes. O perfil malvado expresso pelas crianças a respeito do(a) professor(a).
  5. 5. REFLETINDO  “Que há de mais importante em nossa formação para a cidadania que o espírito crítico?”  “Pois não é a atitude crítica a que mais marca a brincadeira de escolinha que acabamos de descrever?”  “De que vale saber sem ser crítico do saber?”  “Que consciência se pode ter de alguma coisa sem passá-la pelo crivo da crítica?”
  6. 6.  A atitude crítica é fundamental na aquisição de qualquer conhecimento.  Critica a escola que não reconhece uma brincadeira como uma aprendizagem significativa para a vida. Para os adultos, é apenas diversão (menos importante).  Dificuldade em justificar a importância da atividade lúdica para as pessoas (criança/adolescente/adulto). Teoricamente os acadêmicos reconhecem, mas na prática isso não ocorre.
  7. 7.  Se acompanharmos algum adolescente em um dia que não tivesse obrigações a fazer, logo perceberíamos que a atividade mais presente é o jogo, o qual deveríamos dar mais importância na educação.(“parece que quanto mais nova a criança, mais tempo ela dedica ao jogo).  Nota-se que muitos autores falaram sobre os jogos, mas pouco sobre o ato de jogar.  Para muitos o jogo não é tão importante como fenômeno, mas sim para funcionar como meio de ensino de disciplinas, que para serem mais legais introduzem o jogo como método pedagógico. Já no ponto de vista do autor, tudo que aprendemos aperfeiçoa as práticas. Portanto, é de fundamental importância que os professores compreendam as práticas que dizem respeito ao seu trabalho.
  8. 8. CITAÇÕES DE AUTORES QUE ESTUDARAM O JOGO COMO FENÔMENO :  Colas Duflo,1999 – O jogo: de Pascal a Schiller – comenta varias obras e como exemplo transcreve afirmações de São Tomás de Aquino: “O jogo é necessário na vida humana, mas em excesso é loucura ou preguiça...momento indispensável de não trabalho”(editado). Tomás de Aquino estabelece oposição radical entre jogo e trabalho; se há um, não pode haver o outro. Na educação o jogo torna-se atividade menor, pois não corresponde a trabalho no ponto de vista da escola.  Duflo também menciona Leibniz, que diverge de Tomás de Aquino. Para Leibniz “...o jogo ensina a pensar”. O prazer lúdico do jogo motivaria o individuo à fazer coisas que não seriam feitas sem uma forte motivação.
  9. 9.  Pascal destacava a incerteza como componente fundamental de qualquer jogo. Para Schiller o homem “não é totalmente homem senão quando joga”.  Dentre as transcrições de Duflo em sua obra, há mias manifestações de boa vontade (exceto Pascal) que argumentos para a compreensão do jogo.
  10. 10.  Jean Chateau,1987 – “O jogo prepara para a vida séria”. “O jogo é um artificio pela abstração: cozinhar pedra é uma conduta mais simples do que a da cozinha real, mas nessa conduta simples vai se formando a futura cozinheira”. Chateau confere ao jogo, com esses argumentos, um caráter meramente funcional e simplista; ele receava que o jogo fosse desvalorizado, caso não cumprisse tal papel funcional.
  11. 11.  Roger Caillois, 1990 - “O jogo e a arte nascem de um acréscimo de energia vital, de que o homem e a criança não necessitam para a satisfação de suas necessidades imediatas e que utilizam para a imitação gratuita e divertida de comportamentos reais”. 1. Não é isso mesmo que parece ocorrer durante o jogo? 2. Não é o que acontece com todos nós, eventualmente, quando fazemos alguma coisa que pode ser chamada jogo?  Para Caillois, há uma energia reservada para brincar e da o exemplo das crianças mais novas que passam horas e horas se movimentando sem mostrar cansaço. Essa energia a mais é utilizada não para fazer uma tarefa útil, mas sim algo verdadeiramente humano: a construção da cultura humana.  Caillois afirma sobre a importância do jogo como fenômeno e não sua funcionalidade.  “A finalidade do jogo é o próprio jogo”.
  12. 12.  Gilles Brougère, 1998 – Excessivamente cauteloso, preocupa-se com a visibilidade da aprendizagem. Onde aprendizagem é o produto final de um processo de instruções.  Huizinga, 1999 – “é no jogo e pelo jogo que a civilização surge e se desenvolve”. O jogo não é exclusividade dos humanos, os animais também jogam. Huizinga fala do homem cultural e não do biológico. Em sua obra acaba por confundir os leitores em algumas passagens: “o contrário de seriedade é jogo; todavia o conceito de jogo vai além, podendo até incluir a seriedade”.  Freire- O jogo pode sim incluir a seriedade.
  13. 13.  Buytendijk, 1974 – A oposição entre trabalho e o jogo, a qual cria maior dificuldade de introduzir o jogo nas escolas, onde o jogo transgride regras disciplinares e conturba a ordem habitual da instituição. Chama a atenção do caráter pático do jogo, ou seja, oposto a seriedade.  Gadamer, 1993 – Caráter motivacional do jogo pode servir como via para aprender conteúdos difíceis (Ex: matemática, química ou física).
  14. 14. DETALHES CIRCUNSCRITOS AO ÂMBITO EDUCACIONAL Características:  Não esquecer coisas aprendidas Prazer funcional da ação, a repetição de habilidades que já foram dominadas. O prazer contido no ato de repetir as coordenações adquiridas garante guardar na memória.
  15. 15.  Manter aprendizagem Importância da prática da coordenação adquirida e a evolução da espécie, o corpo humano se desenvolveu para pudéssemos nos locomover até nossas necessidades, caso não haja movimento algum, ocorre a atrofia.  Aperfeiçoar a aprendizagem Conforme a criança vai praticando tal coordenação mais aperfeiçoa-a. Sempre buscando a beleza. 1. “Afinal, que há de mais pedagógico que o exercício da beleza?”
  16. 16.  Os novos desafios Entende-se que após chegar a um nível alto, em questão de habilidade, sempre há um desafio para chegar num patamar maior e isso instiga a vontade da criança, pois será recompensada com muito prazer. A criança se sente mais forte e segura para cada vez mais aperfeiçoar sua técnica.  A educação do símbolo Freire tenta mostrar que os seres humanos são diferenciados de outras espécies não por possuir habilidades sensoriais e motoras (ouvir, falar, cheirar, tocar,saborear), mas sim por podermos interiorizar essas habilidades, ou seja, conseguimos trazer para dentro de nós essas experiências vividas. E faz a pergunta: “E que recursos utilizamos para conseguir tal proeza?” Ao citar Sartre, que tenta mostrar o caráter subjetivo do jogo, conseguimos entender que o jogo é uma das formas mais comuns de interiorizar nossas experiências.
  17. 17.  Jogar para criar A criatividade é suprimida no ambiente escolar. O prazer em aprender as disciplinas não existe devido a suas regras impostas, ou seja, a criatividade depende da liberdade que as crianças têm para encontrar soluções originais. Não é apenas o jogo que pode contribuir para formar inteligências criativas, mas é muito importante.
  18. 18.  Jogar para se descobrir Modelos que seguimos para nos formar são muito importantes, mas só atingimos a realização máxima quando o modelo se torna nós mesmos. E segundo Piaget, “O jogo é uma atividade que se distingue das outras pela polarização na direção do próprio sujeito; é mais assimilação que acomodação”. Trata-se de educar o sujeito para que possa ser ele mesmo.
  19. 19.  O jogo-trabalho 1. Modo quase exclusivo como o jogo é aceito nas escolas 2. Simples motivador de aprendizagem de outras disciplinas 3. Freinet – Trabalho como referência de orientação para a vida.Como adequar o modo de ser da criança à orientação para o trabalho.
  20. 20. COMPREENDENDO O JOGO I. Inicialmente o jogo é apenas sensório- motor II. Jogo simbólico  Para Piaget: “Se uma criança cresce corporalmente – isto é, se sua estatura aumenta - , a menos que ocorra algum acidente, alguma doença, todo o resto também cresce”.
  21. 21. CONCLUSÃO  Na leitura do texo, podemos compreender como o jogo é importante para a formação de uma pessoa, desde a infância até a vida adulta.  Conseguimos perceber como a escola resiste em aceitar o seu caráter pedagógico.  O que seria da vida sem o jogo?

×