Ag 110216-deus - o bem e o mal

242 visualizações

Publicada em

Estudo do livro da codificação espirita em ppt " A GÊNESE"

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
242
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ag 110216-deus - o bem e o mal

  1. 1. 1/31 A GÊNESEA GÊNESE
  2. 2. 2/31 CAPÍTULO I - Caráter da revelação espírita CAPÍTULO II - Deus – Existência de Deus – Da natureza divina – A Providência – A visão de Deus CAPÍTULO III - O bem e o mal – Origem do bem e do mal – O instinto e a inteligência – Destruição dos seres vivos uns pelos outros CAPÍTULO IV - Papel da Ciência na Gênese A GÊNESEA GÊNESE
  3. 3. 3/31 Cap. II – Deus - Existência de Deus “Sendo Deus a causa primária de todas as coisas, a origem de tudo o que existe, a base sobre que repousa o edifício da criação, é também o ponto que importa consideremos antes de tudo.” “Constitui princípio elementar que pelos seus efeitos é que se julga de uma causa, mesmo quando ela se conserve oculta.” A GÊNESEA GÊNESE
  4. 4. 4/31 Cap. II – Deus - Existência de Deus “Outro princípio igualmente elementar e que, de tão verdadeiro, passou a axioma é o de que todo efeito inteligente tem que decorrer de uma causa inteligente.” “Assombra-me o universo e não posso imaginar que exista um relógio e não haja um relojoeiro.” - Frase do filósofo Voltaire A GÊNESEA GÊNESE
  5. 5. 5/31 Cap. II – Deus - Existência de Deus “A existência de Deus é, pois, uma realidade comprovada não só pela revelação, como pela evidência material dos fatos. Os povos selvagens nenhuma revelação tiveram; entretanto, crêem instintivamente na existência de um poder sobre-humano.” “Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras.” A GÊNESEA GÊNESE
  6. 6. 6/31 Cap. II – Deus - Existência de Deus A GÊNESEA GÊNESE E a causa dessa grande explosão?
  7. 7. 7/31 Cap. II – Deus - Da natureza divina “Não é dado ao homem sondar a natureza íntima de Deus. Para compreendê-lo, ainda nos falta o sentido próprio, que só se adquire com a evolução espiritual. Mas, o homem, desde que aceite como premissa a sua existência, pode, pelo raciocínio, chegar a conhecer-lhe os atributos necessários, porquanto, vendo o que ele absolutamente não pode ser, sem deixar de ser Deus, deduz daí o que ele deve ser.” A GÊNESEA GÊNESE
  8. 8. 8/31 Cap. II – Deus - Da natureza divina Deus é a suprema e soberana inteligência; Deus é eterno, isto é, não teve começo e não terá fim; Deus é imutável; Deus é imaterial; Deus é onipotente; Deus é soberanamente justo e bom; A GÊNESEA GÊNESE
  9. 9. 9/31 Cap. II – Deus - Da natureza divina Deus é infinitamente perfeito; Deus é único; “A religião perfeita será aquela de cujos artigos de fé nenhum esteja em oposição àquelas qualidades; aquela cujos dogmas todos suportem a prova dessa verificação sem nada sofrerem.” A GÊNESEA GÊNESE
  10. 10. 10/31 Cap. II – Deus - A providência “A providência é a solicitude de Deus para com as suas criaturas. Ele está em toda parte, tudo vê, a tudo preside, até às coisas menores. É nisto que consiste a ação providencial.” Olhai para as aves do céu: Não semeiam, nem ceifam, nem recolhem em celeiros; e o vosso Pai celeste alimenta-as … Olhai os lírios do campo ... A GÊNESEA GÊNESE
  11. 11. 11/31 Cap. II – Deus - A providência “Para a maioria, Deus é um soberano poderoso, sentado num trono inacessível e perdido na imensidade dos céus. Tendo restritas suas faculdades e percepções, não compreendem que Deus possa e se digne de intervir diretamente nas pequeninas coisas.” O homem ainda não compreende os atributos infinitos de Deus e assim, torna-se difícil entender a ação de Deus sobre todas as coisas A GÊNESEA GÊNESE
  12. 12. 12/31 Cap. II – Deus - A providência “Compreendemos o efeito: já é muito. Do efeito remontamos à causa e julgamos da sua grandeza pela do efeito. Escapa-nos, porém, a sua essência íntima, como a da causa de uma imensidade de fenômenos. Conhecemos os efeitos da eletricidade, do calor, da luz, da gravitação; calculamo-los e, entretanto, ignoramos a sua natureza íntima. Será então racional neguemos o princípio divino, por que não o compreendemos?” A GÊNESEA GÊNESE
  13. 13. 13/31 Cap. II – Deus - A providência “Diante desses problemas insondáveis, cumpre que a nossa razão se humilhe. Deus existe: disso não poderemos duvidar. É infinitamente justo e bom: essa a sua essência. A tudo se estende a sua solicitude: compreendemo-lo. Só o nosso bem, portanto, pode ele querer, donde se segue que devemos confiar nele: é o essencial. Quanto ao mais, esperemos que nos tenhamos tornado dignos de o compreender.” A GÊNESEA GÊNESE
  14. 14. 14/31 Cap. II – Deus - A visão de Deus O Deus que criamos a nossa imagem e semelhança A GÊNESEA GÊNESE
  15. 15. 15/31 Cap. II – Deus - A visão de Deus “Se Deus está em toda parte, por que não o vemos? Vê-lo-emos quando deixarmos a Terra? Tais as perguntas que se formulam todos os dias.” “À primeira é fácil responder. Por serem limitadas as percepções dos nossos órgãos visuais, elas os tornam inaptos à visão de certas coisas, mesmo materiais.” A GÊNESEA GÊNESE
  16. 16. 16/31 Cap. II – Deus - A visão de Deus “Quanto à visão de Deus pelos espíritos após a morte, isso constitui privilégio das mais puras almas e que bem poucas, ao deixarem o envoltório terrestre, se encontram no grau de desmaterialização necessária a tal efeito. Qual a aparência de Deus? Um velhinho com certeza não é. Somos quais cegos de nascença a quem procurassem inutilmente fazer compreendessem o brilho do Sol.” A GÊNESEA GÊNESE
  17. 17. 17/31 Cap. III – O Bem e o mal - Origem do bem e do mal “Sendo Deus o princípio de todas as coisas e sendo todo sabedoria, todo bondade, todo justiça, tudo o que dele procede há de participar dos seus atributos, porquanto o que é infinitamente sábio, justo e bom nada pode produzir que seja ininteligente, mau e injusto. O mal que observamos não pode ter nele a sua origem.” A GÊNESEA GÊNESE
  18. 18. 18/31 Cap. III – O Bem e o mal - Origem do bem e do mal “Se o mal estivesse nas atribuições de um ser especial, quer se lhe chame Arimane, quer Satanás, ou ele seria igual a Deus, e, portanto, tão poderoso quanto este, e de toda a eternidade como ele, ou lhe seria inferior.” O primeiro caso é inconciliável com a harmonia e o equilíbrio que existe em todo o universo A GÊNESEA GÊNESE
  19. 19. 19/31 Cap. III – O Bem e o mal - Origem do bem e do mal “No segundo caso, sendo inferior a Deus, aquele ser lhe estaria subordinado. Não podendo existir de toda a eternidade como Deus, sem ser igual a este, teria tido um começo. Se fora criado, só o poderia ter sido por Deus, que, então, houvera criado o Espírito do mal, o que implicaria negação da bondade infinita.” A GÊNESEA GÊNESE
  20. 20. 20/31 Cap. III – O Bem e o mal - Origem do bem e do mal “Entretanto, o mal existe e tem uma causa.” O homem, cujas faculdades são restritas, não pode penetrar, nem abarcar o conjunto dos desígnios do Criador; aprecia as coisas do ponto de vista e ainda não compreende a ordem da Natureza. Por isso é que, muitas vezes, se lhe afigura mau e injusto aquilo que consideraria justo e admirável, se lhe conhecesse a causa, o objetivo, o resultado definitivo. A GÊNESEA GÊNESE
  21. 21. 21/31 Cap. III – O Bem e o mal - Origem do bem e do mal “Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a Humanidade, formam duas categorias que importa distinguir: a dos males que o homem pode evitar e a dos que lhe independem da vontade. Entre os últimos, cumpre se incluam os flagelos naturais. Deus nos dotou de inteligência para evitar ou atenuar determinados males. A GÊNESEA GÊNESE
  22. 22. 22/31 Cap. III – O Bem e o mal - Origem do bem e do mal “Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho e egoísmo, da sua ambição e cupidez, de seus excessos em tudo” Deus, todo bondade, pôs o remédio ao lado do mal, isto é, faz que do próprio mal saia o remédio. Um momento chega em que o excesso do mal moral se torna intolerável e impõe ao homem a necessidade de mudar de vida. A GÊNESEA GÊNESE
  23. 23. 23/31 Cap. III – O Bem e o mal - O instinto e a inteligência A GÊNESEA GÊNESE “Qual a diferença entre o instinto e a inteligência? Onde acaba um e o outro começa? Será o instinto uma inteligência rudimentar, ou será uma faculdade distinta, um atributo exclusivo da matéria? O instinto é a força oculta que solicita os seres orgânicos a atos espontâneos e involuntários, tendo em vista a conservação deles.
  24. 24. 24/31 Cap. III – O Bem e o mal - O instinto e a inteligência A GÊNESEA GÊNESE
  25. 25. 25/31 Cap. III – O Bem e o mal - O instinto e a inteligência A GÊNESEA GÊNESE “A inteligência se revela por atos voluntários, refletidos, premeditados, combinados, de acordo com a oportunidade das circunstâncias. É incontestavelmente um atributo exclusivo da alma.” “Todo ato maquinal é instintivo; o ato que denota reflexão, combinação, deliberação é inteligente. Um é livre, o outro não o é.”
  26. 26. 26/31 Cap. III – O Bem e o mal - O instinto e a inteligência A GÊNESEA GÊNESE Instinto e inteligência, em muito seres se revelam juntos; Ao longo da evolução, o instinto vai sendo substituido pela inteligência e pelo desenvolvimento da razão e do senso moral; Existe uma teoria espírita que defende uma evolução contínua de todos os seres, desde os mais rudimentares até os seres angelicais
  27. 27. 27/31 Cap. III – O Bem e o mal - Destruição dos seres vivos uns pelos outros A GÊNESEA GÊNESE “A destruição recíproca dos seres vivos é, dentre as leis da Natureza, uma das que, à primeira vista, menos parecem conciliar -se com a bondade de Deus. Pergunta-se por que lhes criou ele a necessidade de mutuamente se destruírem, para se alimentarem uns à custa dos outros.”
  28. 28. 28/31 Cap. III – O Bem e o mal - Destruição dos seres vivos uns pelos outros A GÊNESEA GÊNESE “Não lhes permitindo a curta visão, de que dispõem, apreciar o conjunto, não compreendem que um bem real possa decorrer de um mal aparente. Só o conhecimento do princípio espiritual e o da grande lei de unidade, que constitui a harmonia da criação, pode dar ao homem a chave desse mistério e mostrar-lhe a sabedoria providencial e a harmonia, exatamente onde apenas vê uma anomalia e uma contradição”
  29. 29. 29/31 Cap. III – O Bem e o mal - Destruição dos seres vivos uns pelos outros A GÊNESEA GÊNESE “A verdadeira vida, tanto do animal como do homem, não está no corpo. Está no princípio inteligente que preexiste e sobrevive ao corpo.” “Deus há de ser infinitamente justo e sábio. Procuremos, portanto, em tudo, a sua justiça e a sua sabedoria e curvemo-nos diante do que ultrapasse o nosso entendimento.” As dificuldades da vida são necessária ao desenvolvimento do espírito
  30. 30. 30/31 Cap. I - Caráter da revelação espírita Cap. II – Deus Cap. III - O bem e o mal Cap. IV - Papel da Ciência na Gênese Cap. V – Antigos e modernos sistema do mundo Cap. VI – Uranografia Geral Cap. VII – Esboço geológico da terra Cap. VIII – Teoria sobre a formação da terra A GÊNESEA GÊNESE
  31. 31. 31/31 “A alma dorme no mineral, sonha no vegetal, agita-se no animal e acorda no homem” Leon Denis A GÊNESEA GÊNESE

×