ANATOMIA E	
  FISIOLOGIA
RESPIRATÓRIAS EM PEDIATRIA
1
Antonio Roberto	
  Carraretto,	
  TSA-­‐SBA,	
  MSc,	
  PhD
Responsá...
NÃO	
  POSSUO	
  CONFLITO	
  DE	
  INTERESSES
Resolução CFM	
  1974/2011
2
OBJETIVOS
Considerações sobre a	
  anatomia e	
  a	
  fisiologia
respiratórias aplicadas na anestesia de	
  pacientes
pedi...
4
Anestesia Pediátrica
67%
33%
Parada Cardíaca
RESPIRATÓRIA Outras
75%
25%
Incidentes	
  Críticos
RESPIRATÓRIO Outros
Paedia...
DIFERENÇAS	
  ENTRE:
CRIANÇAS	
  X	
  ADULTOS
ANATÔMICAS
FISIOLÓGICAS
6
Zeltner TB,	
  Burri PH:	
  The	
  postnatal	
  development	
   and	
  growth	
  of	
  the	
  human	
  
lung.	
  II.	
  mo...
Particularidades	
  da	
  criança
8
Via	
  Aérea Faríngea
9
Copyright © 2015 American Society of Anesthesiologists. All rights reserved.
Effect	
  of	
  Combined	
  Mouth	
  Closure	...
Cânula Orofaríngea
Tamanho e	
  posicionamento
11
Epiglote
• Mais	
  flácida (mole)
• Forma	
  de	
  “U”
• Angulada fora	
  do	
  eixo da	
  
traquéia
• Mais difícil de	
  ...
Anesthesiology,	
   V	
  118	
  •	
  No	
  3,	
  500	
  March	
  2013 13
Posicionamento para	
  Intubação
14
Caixa Torácica
§ Caixa torácica de	
  forma	
  cilíndrica.
§ Costelas horizontalizadas:	
  Menor angulação.
§ Gradil co...
Caixa Torácica
RESULTADO:
LIMITAÇÕES	
  DO	
  FOLE	
  TORÁCICO
§ Contração muscular	
  menos efetiva.
§ Tendência do	
  ...
Tórax
§ Muito	
  complacente	
  e	
  deformável.
§ Diminuição da	
  CT com	
  o	
  avanço da	
  idade.
§ EstresseRespir...
Músculos Respiratórios
§ Diafragma e	
  mm.	
  intercostais
com	
  pouca massa muscular.
§ Baixo percentual fibras tipo ...
Resistência nas Vias Aéreas
19
Poiseuille
R	
  =	
  8nl/πr4
Se	
  R/2	
  =	
  R	
  aumenta 16	
  X
Complacência nas Vias	
  Aéreas
§ Alta complacência e	
  compressibilidade:
• Colapso expiratório por pressão intratoráci...
FISIOLOGIA
21
Sistema	
  em Desenvolvimento
Adaptado de	
  Motoyama EK.	
  Fisiologia Respiratória na Infância.	
  Em:	
  Motoyama EK,	
...
23
DIFERENÇAS*entre*valores*normais*de*RN*e*adultos*
METABÓLICAS+ RN* Adulto*
Consumo*de*O2*(mL.kg@1
.min)* 6*@*8* 4*
Vent...
CONTROLE	
  DA	
  RESPIRAÇÃO
DESENVOLVIMENTO
§ Começa no	
  início da	
  gravidez e	
  continua	
  a	
  sua
maturação por...
CONTROLE	
  DA	
  RESPIRAÇÃO
HIPOXEMIA	
  	
  -­‐ HIPERCARBIA
§ Aumentao	
  VT e	
  a	
  FR	
  em RN	
  termo e	
  crianç...
CONTROLE	
  DA	
  RESPIRAÇÃO
APNEIA
§ Ausência de	
  fluxo aéreo >	
  20	
  s.
§ Central	
  – estímulo central	
  – imat...
CONTROLE	
  DA	
  RESPIRAÇÃO
APNEIA
§ Mecanismos	
  de	
  apneia:
• Resposta inibitória à estimulação laríngea
• Insuflaç...
Surfactante
§ Produção	
  começa	
  23/24	
  semanas	
  até	
  alcançar	
  
um	
  nível	
  suficiente nas 35	
  semanas.
...
Pulmões e	
  Tórax
§ Alveolorização:
• crescimento e	
  desenvolvimento do	
  alvéolo.
• continua	
  pela	
  infância e	
...
30
Bronquíolo
terminal
Bronquíolo
respiratório
Ducto	
  transicional
Sáculos
Sáculos terminais
Ducto	
  alveolar
Saco	
  a...
Capacidade	
  Residual	
  Funcional	
  e	
  Anestesia
31
CRF CPulm Raw
Capacidade Residual	
  Funcional do	
  RN
§ Dependente da	
  estabilidade da	
  caixa torácica.
§ Tecido pulmonar 4X	
  ...
Volume	
  de	
  fechamento acima da	
  CRF	
  
dentro do	
  volume	
  corrente
§ Atividade intercostal	
  e	
  diafragmát...
Volume	
  de	
  fechamento acima da	
  CRF	
  
dentro do	
  volume	
  corrente
Smith	
  CA,	
  Nelson	
  NM	
  [eds]:	
  T...
Manutenção da	
  CRF
§ Atividade	
  tônica mantida da	
  mm.	
  inspiratória
durante todo o	
  ciclo.
§ Freio expiratóri...
CRF	
  e	
  Homogeneidade	
  Ventilatória
• BNM
• Propofol
• Midazolam
• Opióides
• Ag.	
  Inalatórios
• Halotano mm	
  in...
Diafragma
§ Crianças e	
  adultos o	
  músculo mais
importante da	
  ventilação.
§ RN	
  =	
  perda da	
  importância pe...
METABOLISMO
Pediátricos X Adultos
Consumo O2 ped. =	
  2X	
  
(6-­‐8 para	
  4	
  mL.kg.min-­‐1)
VA pediátrico =	
  2X
(10...
COMPLACÊNCIA	
  	
  -­‐ RESISTÊNCIA
Pediátricos X Adultos
Complacência pulmonar
(2,5 para	
  100	
  mL.cmH2O-­‐1)
Resistên...
VOLUMES
Pediátricos X Adultos
Volume Corrente
(15-­‐20 para	
  500-­‐700	
  mL)
Volume Minuto
(1 para	
  6,6	
  L)
Capacid...
Current	
  Opinion	
  in	
  Anaesthesiology 2008,	
  21:332–339
41
Resumindo
DIFERENÇAS ALTERAÇÕES	
  ANATOMOFISIOLÓGICAS
Dessaturação rápida Alto	
  consumo	
  O2
Baixa	
  reserva	
  de	
 ...
Ventilação em Pediatria:
NÃO	
  SE	
  ESQUEÇA
• Desenvolvimento	
  
constante
• Prematuridade
• Cabeça grande
• Respirador...
CONCLUSÕES
§ Ser	
  em	
  constante	
  desenvolvimento.
§ Diferenças anatômicas importantes.
§ Diferenças fisiológicas ...
Muito Obrigado
www.carraretto.med.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015

3.527 visualizações

Publicada em

Anatomia e fisiologia de pacientes pediátricos de interesse para o anestesiologista.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.527
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
155
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anatomia e fisiologia respiratorias em crianças slideshare_bsb_2015

  1. 1. ANATOMIA E  FISIOLOGIA RESPIRATÓRIAS EM PEDIATRIA 1 Antonio Roberto  Carraretto,  TSA-­‐SBA,  MSc,  PhD Responsável  CET  Integrado  HUCAM-­‐HAFPES Professor  Anestesiologia UFES Membro  CNT-­‐SBA,  2015 09:50-­‐10:30  – 21  AGO  – Sexta
  2. 2. NÃO  POSSUO  CONFLITO  DE  INTERESSES Resolução CFM  1974/2011 2
  3. 3. OBJETIVOS Considerações sobre a  anatomia e  a  fisiologia respiratórias aplicadas na anestesia de  pacientes pediátricos. 3
  4. 4. 4
  5. 5. Anestesia Pediátrica 67% 33% Parada Cardíaca RESPIRATÓRIA Outras 75% 25% Incidentes  Críticos RESPIRATÓRIO Outros Paediatr Anaesth 2001;  11:  711–718. Anesth Analg 2007;  105:  344–350. 5
  6. 6. DIFERENÇAS  ENTRE: CRIANÇAS  X  ADULTOS ANATÔMICAS FISIOLÓGICAS 6
  7. 7. Zeltner TB,  Burri PH:  The  postnatal  development   and  growth  of  the  human   lung.  II.  morphology,   Respir Physiol 67:269,  1987 7
  8. 8. Particularidades  da  criança 8
  9. 9. Via  Aérea Faríngea 9
  10. 10. Copyright © 2015 American Society of Anesthesiologists. All rights reserved. Effect  of  Combined  Mouth  Closure  and  Chin  Lift  on  Upper  Airway  Dimensions  during   Routine  Magnetic  Resonance  Imaging  in  Pediatric  Patients  Sedated  with  Propofol Anesthesiology.  1999;90(6):1617-­‐1623..   10
  11. 11. Cânula Orofaríngea Tamanho e  posicionamento 11
  12. 12. Epiglote • Mais  flácida (mole) • Forma  de  “U” • Angulada fora  do  eixo da   traquéia • Mais difícil de  ser desviada • Menor resistência ao fluxo nasal 12
  13. 13. Anesthesiology,   V  118  •  No  3,  500  March  2013 13
  14. 14. Posicionamento para  Intubação 14
  15. 15. Caixa Torácica § Caixa torácica de  forma  cilíndrica. § Costelas horizontalizadas:  Menor angulação. § Gradil costal  maleável. 15
  16. 16. Caixa Torácica RESULTADO: LIMITAÇÕES  DO  FOLE  TORÁCICO § Contração muscular  menos efetiva. § Tendência do  movimento costal  para  dentro. § Estabilidade do  gradil costal  dependente da   musculatura intercostal. § Menor capacidade de  aumentar o  VT. 16
  17. 17. Tórax § Muito  complacente  e  deformável. § Diminuição da  CT com  o  avanço da  idade. § EstresseRespiratório =   movimento respiratório paradoxal =   perda da  energia diafragmática na musculatura torácica (distorçãotorácica): • intercostal • esternal • supraclavicular 17
  18. 18. Músculos Respiratórios § Diafragma e  mm.  intercostais com  pouca massa muscular. § Baixo percentual fibras tipo I  : • Contração lentae   alto  metabolismo oxidativo RESULTADO:  Fadiga. J  Appl Physiol 1978;  44:909-­‐913. 18 Característica Tipo   I Tipo    IIa Tipo IIb ResistênciaFADIGA Alta Intermediária/baixa Baixa
  19. 19. Resistência nas Vias Aéreas 19 Poiseuille R  =  8nl/πr4 Se  R/2  =  R  aumenta 16  X
  20. 20. Complacência nas Vias  Aéreas § Alta complacência e  compressibilidade: • Colapso expiratório por pressão intratorácica elevada. • Aumento da  resistência nas vias aéreas. • Aumento do  trabalho respiratório. PEEP  melhora o  quadro 20
  21. 21. FISIOLOGIA 21
  22. 22. Sistema  em Desenvolvimento Adaptado de  Motoyama EK.  Fisiologia Respiratória na Infância.  Em:  Motoyama EK,  Davis  PJ.  Anestesia Pediátrica,  5ª  ed,  São  Paulo,  1991;  pp.  3-­‐73.  Compilado de  diversos autores (3).   Capacidade vital  chorando;    ()  entre  parêntesis =  valores interpolados;    ¥  respiração nasal;  sem=semana 22
  23. 23. 23 DIFERENÇAS*entre*valores*normais*de*RN*e*adultos* METABÓLICAS+ RN* Adulto* Consumo*de*O2*(mL.kg@1 .min)* 6*@*8* 4* Ventilação*alveolar*(mL.kg @1 .min)* 100@150* 70* Frequência*respiratória*(rpm)* 40@60* 12@20* Relação*VA/CRF* 5/1* 1,5/1* FÍSICAS+ * * Cpulm*(mL.cmH2O @1 )* 2,5* 100* R*via*aérea**(cmH2O.L@1 .s)* 25@30* 1,6* POUCAS+ALTERAÇÕES+ * * Volume*corrente*(mL)* 15@20* 500@700* Volume*minuto*(L)* 1* 6,6* Capacidade*pulmonar*total*(mL.kg @1 )* 63* 82* Carraretto  AR,  Val  HR.   VOLUME  CORRENTE: Prematuro =  4  -­‐ 6  mL/kg RN  =   6  -­‐ 8  mL/kg
  24. 24. CONTROLE  DA  RESPIRAÇÃO DESENVOLVIMENTO § Começa no  início da  gravidez e  continua  a  sua maturação por semanas  ou meses após o   nascimento. § Imaturidade: • Ritmogênese • Quimiorreceptorescentrais e  periféricos • Outras partes da  cadeia § Padrão Respiratório: • Frequentemente irregular  e  periódico • Apneias graves  e  ameaçadoras à vida 24
  25. 25. CONTROLE  DA  RESPIRAÇÃO HIPOXEMIA    -­‐ HIPERCARBIA § Aumentao  VT e  a  FR  em RN  termo e  crianças. § Anestésicosinalatórios inibem a  resposta. § RN  pré-­‐termo -­‐ respostascomprometidas: • Resposta bifásica à hipoxemia • Aumento da  ventilação por ±1  min  seguida de   diminuição ou apneia • Resposta atenuada a  hipercarbia 25
  26. 26. CONTROLE  DA  RESPIRAÇÃO APNEIA § Ausência de  fluxo aéreo >  20  s. § Central  – estímulo central  – imaturidade. § Obstrutiva – tônus muscular  (faringe). § Geralmente são mistas. • CPAP • IOT  com  VCM 26
  27. 27. CONTROLE  DA  RESPIRAÇÃO APNEIA § Mecanismos  de  apneia: • Resposta inibitória à estimulação laríngea • Insuflação pulmonar excessiva (Hering-­‐Breuer)  – mais sensível no  RN  pré-­‐termo 27
  28. 28. Surfactante § Produção  começa  23/24  semanas  até  alcançar   um  nível  suficiente nas 35  semanas. § Deficiência surfactante: • Complacência baixa • Volume  reduzido • Atelectasia disseminada • Alteração ventilação /  perfusão • Hipóxia § PEEP. 28
  29. 29. Pulmões e  Tórax § Alveolorização: • crescimento e  desenvolvimento do  alvéolo. • continua  pela  infância e  adolescência. § Ausência de  comunicaçõesinteralveolares acessórias: • Poros de  Kohn  -­‐ conexões colaterais entre  os alvéolos. • Canais de  Lambert  -­‐ só após alguns anos. Risco de  ATELECTASIA  em regiões dependentes 29
  30. 30. 30 Bronquíolo terminal Bronquíolo respiratório Ducto  transicional Sáculos Sáculos terminais Ducto  alveolar Saco  alveolar RN 6  m 1  a 3  a 5  a 9  a 12  a Adt. No.  Sáculos X 106 30 112 129 257 280 300
  31. 31. Capacidade  Residual  Funcional  e  Anestesia 31 CRF CPulm Raw
  32. 32. Capacidade Residual  Funcional do  RN § Dependente da  estabilidade da  caixa torácica. § Tecido pulmonar 4X  mais denso que o  adulto. § Diafragma elevado pelas visceras abdominais proporcionalmente maiores. § Pulmões com  pouca elasticidade. RESULTADO: § Volume  de  oclusão dentro do  volume   corrente. 32
  33. 33. Volume  de  fechamento acima da  CRF   dentro do  volume  corrente § Atividade intercostal  e  diafragmática pós-­‐ inspiratória (auto-­‐recrutamento) § FR  alta com  Tempo  expiratório curto (auto-­‐PEEP  ou hiperinsuflação dinâmica) § Adução laríngea na expiração para  aumentar a   resistênciaexpiratória das  vias aéreas (PEEP  funcional) 33
  34. 34. Volume  de  fechamento acima da  CRF   dentro do  volume  corrente Smith  CA,  Nelson  NM  [eds]:  The  Physiology  of  the  Newborn  Infant,  1976,  p  207. 34
  35. 35. Manutenção da  CRF § Atividade  tônica mantida da  mm.  inspiratória durante todo o  ciclo. § Freio expiratório com  diminuição contínua da   atividade diafragmática. § Estreitamentoda  glote durante a  expiração. § Inspiração iniciada no  meio da  expiração.* § FR  alta em relação a  constante tempo  exp.* *  Cria  uma  PEEP  e  Auto-­‐PEEP 35
  36. 36. CRF  e  Homogeneidade  Ventilatória • BNM • Propofol • Midazolam • Opióides • Ag.  Inalatórios • Halotano mm  intercostal – Movimentos paradoxais • Desflurano – aumento resistência vias aéreas (laringo e   broncoespasmo) • Relaxamento  muscular • Efeito  inibitório na atividade muscular • Diminuição da  resposta ao O2 e  CO2 36
  37. 37. Diafragma § Crianças e  adultos o  músculo mais importante da  ventilação. § RN  =  perda da  importância pela   horizontalização das  costelas. § Mais fibras musculares tipo I  =  mais susceptivel a  fadiga. 37
  38. 38. METABOLISMO Pediátricos X Adultos Consumo O2 ped. =  2X   (6-­‐8 para  4  mL.kg.min-­‐1) VA pediátrico =  2X (100-­‐150 para  70  mL.kg.min-­‐1) VT e  VD equivalentes Aumento  da  FR e  não do  VT (40-­‐60    para    12-­‐20  rpm) 38
  39. 39. COMPLACÊNCIA    -­‐ RESISTÊNCIA Pediátricos X Adultos Complacência pulmonar (2,5 para  100  mL.cmH2O-­‐1) Resistência via  aérea (25-­‐30 para  1,5  cmH2O.L-­‐1.s) Relação VA /  CRF (5/1      para      1,5/1) 39
  40. 40. VOLUMES Pediátricos X Adultos Volume Corrente (15-­‐20 para  500-­‐700  mL) Volume Minuto (1 para  6,6  L) Capacidade Pulmonar  Total (63      para      82 mL.kg-­‐1) 40
  41. 41. Current  Opinion  in  Anaesthesiology 2008,  21:332–339 41
  42. 42. Resumindo DIFERENÇAS ALTERAÇÕES  ANATOMOFISIOLÓGICAS Dessaturação rápida Alto  consumo  O2 Baixa  reserva  de  O2 Aumento  do  risco  de   apneia Controle  respiratórioimaturo Aumento  da  resistência via   aérea Pequeno  calibre Aumento  da  tendência de  colapso Aumento da  Complacência ??? Perda  da  CRF Recolhimento  elástico reduzido Pressão de  fechamento perto ou abaixo da  CRF Elevação da  CRF  ativamente (dinâmica) Redução da  eficiência dos   músculos respiratórios Menos  fibras  tipo  I Alta  complacência parede torácica Costelas alinhadasmais horizontalmente 42
  43. 43. Ventilação em Pediatria: NÃO  SE  ESQUEÇA • Desenvolvimento   constante • Prematuridade • Cabeça grande • Respirador nasal • Língua grande • Epiglote • Traquéia • Caixa torácica • Musculos respiratórios • Resistência VA • Complacência • Volumes  pulmonares • CRF • Capacidade de   fechamento • Consumo de  O2 • Sensibilidade O2 43
  44. 44. CONCLUSÕES § Ser  em  constante  desenvolvimento. § Diferenças anatômicas importantes. § Diferenças fisiológicas importantes. § Sensibilidade e  Margem de  Erros. § Monitorar adequadamente. 44 VENTILAR  COM  PROTEÇÃO
  45. 45. Muito Obrigado www.carraretto.med.br

×