TRABALHO DE
FILOSOFIA
Integrantes: Mateus Bündchen – Pedro Pelliccioli
Turma: 26TP
Professor: Alexandre Misturini
SOFISTAS
• A palavra sofista era, antigamente, sinônima de sábio e se aplicava indistintamente para
poetas, músicos e filó...
CINISMO
• O cinismo foi uma escola filosófica grega, fundada por Antístenes, discípulo de
Sócrates. O seu nome deriva, seg...
• O ideal do sábio era a indiferença perante o mundo. As origens da escola, que
remontam aos séculos III e II A.C., com um...
DUALISMO PLATÔNICO
• Segundo Platão, antes de se encarnar, a alma teria vivido no mundo das ideias,
onde tudo conheceu por...
• Escravizada pelo sensível, a alma inferior conduz á opinião e, consequentemente,
ao erro, perturbando o conhecimento ver...
EPICURISMO
• Epicurismo é um sistema criado por um filósofo ateniense chamado Epicuro de
Samos no século IV a.C. Existem v...
• Outro valor defendido pelo epicurismo e seus defensores é a amizade. A amizade
traz uma grande felicidade para as pessoa...
PIRRONISMO
• “Pirronismo, também conhecido como cepticismo pirrónico, foi uma tradição da corrente filosófica
do ceticismo...
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
• O conhecimento científico, no entanto, é aquele que é resultado de estudos e
busca por conhecime...
CONHECIMENTO LÓGICO
• Lógica é uma parte da filosofia que estuda o fundamento, a estrutura e as
expressões humanas do conh...
BIBLIOGRAFIA:
• http://www.estudopratico.com.br/conhecimento-cientifico-senso-comum-
ciencia-e-terminologia/
• https://pir...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho filosofia 26 tp mateus e pedro

361 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
361
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
177
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho filosofia 26 tp mateus e pedro

  1. 1. TRABALHO DE FILOSOFIA Integrantes: Mateus Bündchen – Pedro Pelliccioli Turma: 26TP Professor: Alexandre Misturini
  2. 2. SOFISTAS • A palavra sofista era, antigamente, sinônima de sábio e se aplicava indistintamente para poetas, músicos e filósofos. Mas no século V AC toma uma outra conotação pejorativa e se aplica a um grupo de mestres ambulantes que vão para as cidades gregas ensinando o que eles chamam de “sabedoria” em troca de polpudos honorários. • Essa acepção pejorativa da palavra toma mais força com Platão e Aristóteles. “É sofista, disse Platão, aquele que em sua disputa se compromete ao afirmar coisas contraditórias e com suas palavras engana de maneira maravilhosa seus ouvintes”. Aristóteles diz “Sofista é aquele que tira dinheiro da ciência que parece ser e não é”. Ambas definições coincidem em que a ciência dos sofistas é aparente e enganosa, pura inutilidade retórica e malabarismo conceitual no sentido de deslumbrar os ouvintes e sacar destes bons volumes de dinheiro. Platão não deixou de lado uma série de modelos interessantes para contrapor argumentações sofísticas envolvendo os sofistas em um turbilhão de palavras. Os sofistas ensinam o ascetismo e o relativismo tanto teoricamente como praticamente.
  3. 3. CINISMO • O cinismo foi uma escola filosófica grega, fundada por Antístenes, discípulo de Sócrates. O seu nome deriva, segundo vários testemunhos, do fato de alguns membros da escola se reunirem no Cinosargo, ginásio situado perto de Atenas. Segundo outros, a sua origem vem da palavra grega kýon (que significa "cão"), pelo fato de Diógenes de Sinope dormir no local que era usado frequentemente como abrigo para cães, para assim demonstrar o seu desacordo com o modo de viver dos homens. • A maior virtude para eles era a autarcia, o que se basta a si mesmo, e renunciar os bens e prazeres terrenos até conseguir uma total independência das necessidades vitais e sociais. O autodomínio permitia alcançar a felicidade, entendida como o não ser afetado pelas coisas más da vida, pelas leis e convencionalismos, que eram valorizados de acordo com o seu grau de conformidade com a razão.
  4. 4. • O ideal do sábio era a indiferença perante o mundo. As origens da escola, que remontam aos séculos III e II A.C., com um ressurgimento posterior, nos séculos I e II d.C., foram objeto de discussão. Alguns filósofos a classificam como escola socrática, na linha de Sócrates-Antístenes-Diógenes. Outros negam a relação Antístenes-Diógenes, não a consideram uma escola socrática e vêm em Diógenes o seu fundador e inspirador.
  5. 5. DUALISMO PLATÔNICO • Segundo Platão, antes de se encarnar, a alma teria vivido no mundo das ideias, onde tudo conheceu por simples intuição, ou seja, por conhecimento intelectual direto e imediato, sem precisar usar os sentidos. Quando a alma se une ao corpo, ela se degrada por se tornar prisioneira dele. Passa então a se compor de duas partes • a)Alma superior (a alma intelectiva) • b)Alma inferior e irracional (a alma do corpo). • Esta, por sua vez, divide-se em duas partes: • ·A alma irascível, impulsiva, sede de coragem, localizada no peito; • .A alma concupiscível, centrada no ventre e sede do desejo intenso de bens ou gozos materiais, inclusive o apetite sexual.
  6. 6. • Escravizada pelo sensível, a alma inferior conduz á opinião e, consequentemente, ao erro, perturbando o conhecimento verdadeiro. O corpo é também ocasião de corrupção e decadência moral, caso a alma superior não saiba controlar as paixões e os desejos. Portanto, todo esforço humano consiste no domínio da alma superior sobre a inferior. • Não deixa de parecer contraditória essa desvalorização do corpo, se sabemos o quanto os gregos apreciavam os exercícios físicos, os esportes, além de cultuar a beleza do corpo. • Nesse contexto, fica claro que a felicidade para Platão é de natureza racional e moral, e depende do controle do corpo e das paixões.
  7. 7. EPICURISMO • Epicurismo é um sistema criado por um filósofo ateniense chamado Epicuro de Samos no século IV a.C. Existem vários fundamentos básicos do Epicurismo, porém, se distingue o desejo para encontrar a felicidade, buscar a saúde da alma, lembrando que o sentido da vida é o prazer, objetivo imediato de cada ação humana considerando sem sentido as angústias em relação à morte, e a preocupação com o destino. • Os seguidores do epicurismo são chamados de epicuristas e, de acordo com o sistema filosófico, devem procurar evitar a dor e as perturbações, levar uma vida longe das multidões (mas não solitário), dos luxos excessivos, se colocando em harmonia com a natureza e desfrutando da paz.
  8. 8. • Outro valor defendido pelo epicurismo e seus defensores é a amizade. A amizade traz uma grande felicidade para as pessoas, já que a convivência pode ocasionar uma troca saudável de pensamentos e opiniões enriquecedoras. • Segundo Epicuro, o criador do epicurismo, as pessoas não podem viver de forma agradável se não forem prudentes, gentis com os outros e justas em suas atitudes e pensamentos sem viver prazerosamente. As virtudes então devem ser praticadas como garantia dos prazeres.
  9. 9. PIRRONISMO • “Pirronismo, também conhecido como cepticismo pirrónico, foi uma tradição da corrente filosófica do ceticismo fundada por Enesidemo de Cnossos no século I d.C., e registada por Sexto Empírico no século III. • Toma o seu nome de Pirro de Élis, um cético que viveu cerca 360 a 270 a.C., embora a relação entre a filosofia da escola e essa figura histórica seja pouco clara. • O pirronismo tornou-se influente há alguns séculos desde o surgimento da moderna visão científica do mundo. • “Nada pode ser conhecido, nem mesmo isto”. • Os céticos pirrônicos negam assentimento a proposições não imediatamente evidentes e permanecem num estado de inquirição perpétua. Por exemplo, pirrônicos afirmam que uma falta de provas não constitui prova do oposto, e que essa falta de crença é profundamente diferente de uma descrença ativa. Ao invés de descrer em Deus, poderes psíquicos etc., baseados na falta de evidências de tais coisas, pirrônicos reconhecem que não podemos estar certos de que evidências novas não possam aparecer no futuro, de modo que eles mantém-se abertos em sua pesquisa. Também questionam o saber estabelecido, e veem o dogmatismo como uma doença da mente.”
  10. 10. CONHECIMENTO CIENTÍFICO • O conhecimento científico, no entanto, é aquele que é resultado de estudos e busca por conhecimento. Esse tipo de conhecimento surgiu da necessidade e do desejo que o ser humano tem em saber como as coisas funcionam, não aceitando- as de forma passiva e sem questionamentos. Com isso, foi possível ao ser humano entender os fenômenos naturais e intervir cada vez mais nos acontecimentos diários. • Quando utilizado de forma correta, esse tipo de conhecimento traz muitos avanços para a humanidade. No entanto, quando for usado incorretamente, pode gerar catástrofes. Como exemplo de aplicação desse conhecimento, citamos a descoberta da cura de doenças que destroem milhares de vida. Mas quando usadas de forma errada, podem, com o mesmo conhecimento, criar uma arma de destruição em massa.
  11. 11. CONHECIMENTO LÓGICO • Lógica é uma parte da filosofia que estuda o fundamento, a estrutura e as expressões humanas do conhecimento. A lógica foi criada por Aristóteles no século IV a.C. para estudar o pensamento humano e distinguir interferências e argumentos certos e errados. • As falácias que são falhas na argumentação possíveis de serem percebidas são bastante usadas no estudo da lógica, pois auxilia na detecção de verdades e falsidades.
  12. 12. BIBLIOGRAFIA: • http://www.estudopratico.com.br/conhecimento-cientifico-senso-comum- ciencia-e-terminologia/ • https://pirronismo.wordpress.com/sobre/ • http://www.significados.com.br/epicurismo/ • https://historiadafilosofia.wordpress.com/tag/sofismo/ • http://www.mundoeducacao.com/filosofia/sofistas.htm • http://www.brasilescola.com/filosofia/o-que-logica.htm • http://filosofia.uol.com.br/filosofia/ideologia-sabedoria/17/artigo133470-1.asp

×