Doenças causadas por bactérias

1.482 visualizações

Publicada em

Apresentação de algumas doenças bacterianas, seminário de enfermagem .

Publicada em: Saúde
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.482
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doenças causadas por bactérias

  1. 1. DOENÇAS BACTERIANAS
  2. 2. PIELONEFRITE
  3. 3. ESCHERICHIA COLI PROTEUS MIRABILIS AGENTES ETIOLÓGICOS TODA POPULAÇÃO
  4. 4. - CANDIDA ALBICANS SAPROPHYTICUS KLEBSIELLA AGENTES ETIOLÓGICOS PESSOAS IMUNODEPRIMIDAS
  5. 5. PIELONEFRITE AGUDA NÃO COMPLICADA PIELONEFRITE AGUDA COMPLICADA PIELONEFRITE CRÔNICA
  6. 6. DOR LOMBAR FEBRE ALTA NÁUSEAS E VÔMITO CALAFRIOS DISÚRIA HEMATÚRIA URINA FÉTIDA E CONCENTRADA SENSAÇÃO DE URGÊNCIA PARA URINAR
  7. 7. EXAME DE URINA EXAME DE SANGUE ULTRA-SONOGRAFIA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA UROGRAFIA EXCRETORA CISTOSCOPIA
  8. 8. UROCULTURA ANTIBIOGRAMA -CIRURGIA - HEMODIÁLISE
  9. 9. PROFILAXIA CÁLCULOS E MALFORMAÇÕES DEVEM SEREM TRATADOS BEBA ÁGUA
  10. 10. Meningite Bacteriana
  11. 11. AGENTES ETIOLÓGICOS Neisseria Meningitidis (também conhecida como meningococo).
  12. 12. FORMA DE TRANSMISSÃO O micróbio pode ser transmitido da garganta de uma pessoa a outra, através de gotículas da tosse, espirro e beijo. A meningite nem sempre é transmitida por indivíduos doentes.
  13. 13. SINTOMAS  Febre alta e calafrios  Alterações do estado mental  Náuseas e vômitos  Áreas roxas, como machucados (púrpura).  Erupções, pontos vermelhos (petéquias)  Sensibilidade à luz (fotofobia)  Dor de cabeça forte  Pescoço rígido (meningismo)
  14. 14. DIAGNÓSTICO
  15. 15. TRATAMENTO O tratamento para a meningite bacteriana deve ser feito no hospital com a injeção de antibióticos, como Vancomicina, Oxacilina, Ampicilina ou Gentamicina, até que a infecção diminua. O indivíduo em tratamento para meningite bacteriana pode ficar internado em isolamento nos primeiros 7 dias e voltar para casa após 28 dias.
  16. 16. PROFILAXIA
  17. 17. Cólera
  18. 18. AGENTES ETIOLÓGICOS Víbrio Cholerae
  19. 19. FORMA DE TRANSMISSÃO A transmissão é por via fecal-oral e acontece, principalmente, pela ingestão de água e/ou alimentos crus ou mal cozidos contaminados por fezes ou vômitos de doentes. Objetos e utensílios de cozinha também podem ser fontes de transmissão por estarem em contato com água contaminada.
  20. 20. SINTOMAS Vômitos Diarréia Intensa Desidratação Severa Os sintomas são causados por uma toxina produzida pelas bactérias.
  21. 21. DIAGNÓSTICO Os sintomas clínicos e exames laboratoriais de cultura de fezes para identificar a presença do vibrião são elementos essenciais para o diagnóstico da cólera. É sempre importante estabelecer o diagnóstico diferencial com outros tipos de diarréia para identificar e isolar o vibrião colérico.
  22. 22. TRATAMENTO O objetivo do tratamento é repor líquidos e eletrólitos perdidos em decorrência da diarréia. Dependendo da sua condição, você pode ter que tomar líquido por via oral ou venosa (via intravenosa ). Antibióticos podem reduzir o tempo da doença. Os antibióticos que podem ser usados incluem tetraciclina ou doxiclina.
  23. 23. PROFILAXIA
  24. 24. CLASSIFICAÇÃO DA HANSENÍASE PAUCIBACILAR: DE 1 A 5 LESÕES MULTIBACILAR:DE 5 LESÕES
  25. 25. SINTOMAS IMPORTANTE: EM ALGUNS CASOS A HANSENÍASE PODE OCORRER SEM MANCHAS.
  26. 26. FORMA DE TRANSMISSÃO Meio de copos, pratos, talheres, Assentos, como cadeiras, bancos; Apertos de mão, abraço, beijo e contatos rápidos em transporte coletivos ou serviços de saúde; Picada de inseto; Relação sexual; Aleitamento materno; Doação de sangue; Herança genética ou congênita (gravidez); A HANSENÍASE NÃO SE TRANSMITE POR:
  27. 27. DIAGNÓSTICO
  28. 28. TRATAMENTO
  29. 29. PERÍODO DE INCUBAÇÃO PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE
  30. 30. PROFILAXIA Diagnóstico precoce; Exame, precoce, dos contatos intradomiciliares; Técnicas de prevenção de incapacidades; Uso da BCG (ver item vacinação).
  31. 31. ANTRAZ
  32. 32. O QUE É ANTRAZ?  Antraz (ou carbúnculo) é uma doença infecciosa aguda, causada por bactérias Gram-positivas chamadas Bacillus Anthracis, capazes de formar esporos e essa habilidade de formar esporos ficou conhecida desde 1877, quando Robert Koch realizou experimentos com essa bactéria.  É uma doença mais típica das regiões agrícolas da Ásia, África e América Latina, a maior ocorrência está entre animais herbívoros e raramente afetam animais domésticos ou selvagens como vacas, cabras, ovelhas, camelos, antílopes, etc. .
  33. 33. FORMA DE TRANSMISSÃO Nos seres humanos, a infecção por Antraz pode ocorrer por três vias:  Cutânea  Gastrointestinal  Por inalação. A transmissão de pessoa para pessoa é extremamente improvável.
  34. 34. SINTOMAS  Via cutânea: primeiro sinal é uma lesão parecida com uma picada de inseto que em dois dias se enche de líquido, formando uma bolha. Forma-se então uma úlcera indolor, medindo 1 e 3 cm, que apresenta necrose ao centro. Se tratado com antibióticos a possibilidade de morte é pequena.  Via gastrointestinal: inflamação grave no trato intestinal, causada pela ingestão de carne contaminada, tem como primeiros sintomas náuseas vômitos, perda de apetite, febre, dor abdominal, diarréia severa e vômito com sangue. Aproximadamente metade dos casos de Antraz via gastrointestinal causam a morte.  Via respiratória: a infecção por inalação é a mais mortal delas, com uma taxa de letalidade de aproximadamente 100%. Os primeiros sintomas são parecidos com os de uma gripe, após alguns dias problemas respiratórios graves como pneumonia, também febre alta e choque, geralmente levam a pessoa a óbito.
  35. 35. DIAGNÓSTICO É feito por meio dos sinais e sintomas que a pessoa apresenta, exames de sangue e pela análise de secreções respiratórias e da pele.
  36. 36. TRATAMENTO O tratamento inclui doses elevadas de antibióticos, cada uma das formas da doença responde melhor a determinados antibióticos. Quanto mais cedo a pessoa for tratada, menores são as chances de complicações e óbito.
  37. 37. PROFILAXIA A vacina contra o Antraz não contém a bactéria viva e consegue prevenir a doença me 93% dos casos, mas é de uso quase restrito ao exército americano e efeitos colaterais.
  38. 38. CURIOSIDADES Alguns historiadores acreditam que uma das pragas que atingiram o Egito no Velho Testamento, tenha sido o Antraz. Devido a sua alta virulência, o Bacillus Anthracis te sido usado em ataques bélicos e em atentados e por isso alguns exércitos vacinam preventivamente seus soldados antes de partirem para guerras nas quais um ataque biológico pode ocorrer.

×