Nutrição

495 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nutrição

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEDC – CAMPUS VII FISIOLOGIA ANIMAL PROF. CRISTIANA SANTANA DISCENTES: EDNA SOUZA , KELLY FIGUEIREDO, PEDRO ISABEL, SANDRA ARAUJO
  2. 2. NUTRIÇÃO Propriedades mecânica do alimento – aparelho de tomada alimentar Natureza química do alimento – mecanismos digestivos disponíveis. Quantidade e qualidade do alimento O organismo precisa de: • Energia para a atividade externa e manutenção interna •Suprimento de substâncias especificas para conservação e crescimento.
  3. 3. Suprimento energético, combustível  Parte principal da matéria orgânica  Principais produtos da digestão – aminoácidos, açúcares simples, ácidos graxos.  Consistem de: C, H, e O; aminoácidos N • Humanos (cérebro, glicose, ácidos graxos) • Drosophila (carboidrato para o voo) • Gafanhoto (lipídio para o voo)
  4. 4. Suprimento energético, combustível  Manutenção do equilíbrio • Gasto energético total = ingestão alimentar alimento = consumo de substancias corpóreas ( gordura armazenada). • Se exceder = excesso de gordura Regulação da ingestão alimentar  Ingestão alimentar ajustada ao gasto energético. • Necessidades energética – regulada de acordo.
  5. 5. Regulação da ingestão alimentar  Mecanismos regulatórios: • Mamíferos – hipotálamo  Influencias periféricas: nível de açúcar sanguíneo, grau de enchimento do estômago.  Lesões hipotamalicas: reduzem ao aumentam a ingestão alimentar.  Peixe dourado – diluição calórica de sua dieta.
  6. 6. Necessidades nutricionais específicas  A dieta adequada a energia pode ser completamente inadequada no tocante ás matérias primas para o crescimento, desenvolvimento e manutenção dos mecanismos celular e metabólico.  Animais – energia = glicose Proteínas e aminoácidos  Animal cresce – proteína continuamente sintetizada e adicionada ao organismo.  Organismo adulto – ptn mantém a quantidade por toda vida.
  7. 7. Proteínas e aminoácidos  Um suprimento protéico inadequado leva a desnutrição grave.  Proteínas são constantemente decompostas e ressintetizadas.  Proteína nova sintetizada de aminoácidos.  Homem adulto: sintetiza e degrada 400g de ptn/dia.
  8. 8. Proteínas e aminoácidos  Aminoácidos essenciais e não essenciais (importantes)  Aminoácidos essenciais devem ser supridos na dieta.  Arginina pode ser sintetizada.  Peixes, insetos e protozoários – mesmos AA.  Vegetais sintetizam ptn a partir do nitrogênio inorgânico (NO3).
  9. 9. Proteínas e aminoácidos • Micróbios usam nitrogênio molecular (N2). • Bactérias fixadoras de nitrogênio – nódulo de raízes. • Cupins e outros insetos perfuradores: bactérias fixadoras de N no intestino. • Recifes de corais: alga verde  Ruminantes não precisam denegrir AA essenciais, pois são sintetizados por microrganismos no rúmen.
  10. 10. Alimentos acessórios: vitaminas  Quantidades necessárias – miligramas ou microgramas.  Necessidades diferente nos animais. Ex: acido ascórbico (vitamina C) – sintetizado pela > aos mamíferos, exceto o homem, muitos invertebrados, peixes teleósteos e algumas aves.  Diferenças associadas a implicações evolutivas.  Diferença na síntese de colesterol.
  11. 11. Alimentos acessórios: vitaminas • Vertebrados – sintetizam facilmente. • Inseto – sintetizam utilizando esteróis.  Organismos simbiônticos são importantes fontes de vitaminas. Ex: vitamina K sintetizada por bactéria no trato digestivo dos mamíferos.  Importante para os ruminantes.
  12. 12. Minerais e microelementos  Peso corpóreo total de um mamífero • 96% = O, C, H e N • ~4% = Ca, P, K, S, Na, Cl e Mg. • 0,01% = outros 15 elementos (microelementos)  Água, proteínas, ácidos nucléicos, lipídio e carboidratos:  > H, C e N + S e P.  Restante desses minerais => esqueleto + íons dissolvidos  Íons mais importantes => Na, K, Cl e bicarbonato Equilíbrio osmótico
  13. 13. Minerais e microelementos • Na -> principal cátion no sangue e fluidos extracelulares • K -> cátion dominante no espaço intracelular • Cl -> no fluido extracelular no intracelular • Íon bicarbonato -> respiração, transporte de CO2 - regulação do pH • Ca, Mg, P e sulfato: necessários a muitos processos fisiológicos • Alteração nas concentrações => deletéria ou fatal • Ex.: Ca -> função celular, condução nervosa, contração muscular, coagulação sanguínea e constituinte do esqueleto.
  14. 14. Microelementos • Constituem menos de 0,01% de um mamífero • Podem ser divididos em: 1. Essenciais; 2. Com efeitos metabólicos mas não indispensáveis; 3. Bem distribuídos nos organismos vivos, mas parecem contaminantes acidentais.  Papel dos microelementos 1. Fornecimento de dietas sintéticas compostas de componentes altamente purificados que não contenham o elemento em investigação e; 2. O estudo de doenças, no homem e em outros animais, que sejam resultantes da deficiência de um microelemento.
  15. 15. Microelementos  Ferro (26) • Essencial • Elementos de transição • Compõe: hemoglobina (70%), mioglobina (3,2%), citocromos (0,1%), catalase (0,1%) e armazenados no fígado. • ~4g no homem adulto  Cobalto (27) • Essencial • Presente na forma de vitamina B12 – formação do sangue • Ruminantes -> vitamina B12 formada pela flora microbiana
  16. 16. Microelementos  Níquel (28) • Essencial • Penas das galinhas • Associado ao Fe • Essencial às leguminosas e vegetais superiores  Cobre (29) • Ocorre no solo • Deficiência: formação de hemoglobina • Anemia • Citocromo ovidase (Fe e Cu)
  17. 17. Microelementos  Zinco (30) • Compõe enzimas importantes • Anidrase carbônica e muitas peptidases  Vanádio (23) • Crescimento em ratos • Algumas espécies de tunicados vanádio no sangue • Função incerta  Cromo (24) • Essencial • Efeito máximo da insulina
  18. 18. Microelementos  Manganês (25) • Essencial • Ocorrência: solo, todas as plantas e animais vivos • Deficiência: desenvolvimento ósseo anormal • Importante: função dos ovários e testículos, ativador de certos sistemas enzimáticos.  Molibidênio (42) • Necessário: microrganismos fixadores de N, vegetais superiores e animais. • Compõe a xantina oxidase -> oxidação de purinas e ácido úrico
  19. 19. Microelementos  Silício (14) • Essencial às plantas • + abundante na crosta terrestre (+O) • Deficiência em pintos: anormalidades ósseas e cranianas  Estanho (50) • Essencial • Sais inorgânicos deste para crescimento normal em ratos  Arsênico (33) • Essencial aos ratos e outros animais • Deficiência: ratos crescem lentamente e com pelo áspero • Machos + afetados
  20. 20. Microelementos  Selênio (34) • Essencial • Ocorre no solo • Plantas tóxicas • Deficiência: necrose hepática e distrofia muscular • Relacionado à função da vitamina E  Flúor (9) • Essencial, principalmente aos ratos • Dentes e ossos (previne cáries) • Água potável -> “esmalte mosqueado” • ingestão -> deformação óssea e envenenamento
  21. 21. Microelementos  Iodo (53) • Componente dos hormônios da tireóide • Controle da taxa metabólica e crescimento normal dos vertebrados • Deficiência: aumento da glândula tireóide (bócio)  Outros elementos • Lítio, rubídio, berílio, estrôncio, alumínio, boro, germânio, bromo. • Amplamente presentes na matéria viva • Alguns muito tóxicos
  22. 22. DEFESA QUÍMICA  Proteção contra predadores  Vegetais -> compostos tóxicos Ex.: borboleta do repolho tolerante aos óleos de mostarda  Animais -> venenos e toxinas  Defesa e ataque (cobras, aranhas, escorpiões) Venenos de plantas •Afetam quase todos os sistemas fisiológicos •Pele, metabolismo, sangue, sistemas: digestório, nervoso, hormonais e reprodutivos
  23. 23. Venenos de plantas  ALCALÓIDES • Substâncias defensivas • Ex.: cocaína tem efeitos inseticidas-> neurotransmissão nos insetos • Folhas frescas e macias-> ++ alcalóide • Estricnina e curare -> usado em flechas indígenas • Nicotina -> protege as folhas do vegetal contra insetos
  24. 24. Venenos de plantas  GLICOSÍDEOS • Hidrolisado = açúcar e outros compostos • Digitalina (dedaleira) -> doenças cardíacas • Cianeto (HCN): • Amigdalina (tóxico) -> amêndoas amargas, sementes de damasco, ameixa seca, cerejas e sementes de maçã. • Tubérculos de mandioca-> cianeto letal • Odor forte para alguns indivíduos e inodoro para outros
  25. 25. Venenos de plantas  TANINO • Compostos polifenóicos com sabor amargo e adstringente • Tóxicos: precipitam proteínas e reduzem a digestibilidade da matéria vegetal das proteínas • Indica competição contínua entre vegetais e herbívoros • Ex.: salgueiro ++ tanino -> lebre ++ saliva que aglutina e desintoxica o tanino.
  26. 26. Venenos de plantas  ÓLEOS E RESINAS • Efeitos diferentes • Canábis -> princípio ativo na marijuana • atua no sist. nervoso central: alucinações • Óleos e resinas: • Irritantes à pele, ao nariz e à boca • Agem no trato gastrointestinal: vômito, diarreia,
  27. 27. Venenos de plantas  ÁCIDO OXÁLICO • Muito tóxico: precipita o Ca na forma de oxalato de Ca insolúvel • Envenenamento agudo: - Ca no sangue -> sintomas nervosos, cãibras musculares e lesão renal aguda. • Erva gên. Halogeton: ++ oxalato -> ++ tóxica aos animais • Chenopodicae: espinafre e ruibarbo • Ruibarbo: folhas ++ oxalato -> mortes • Espinafre: ++ por dia -> deficiência de Ca
  28. 28. Venenos de plantas  INIBIDORES ENZIMÁTICOS • Algumas plantas: subst. que inibem tripsina – proteolítica do pâncreas • (soja, vagem, amendoim, outras) • Inibidores de tripsina são sensíveis ao calor  COMPOSTOS COM EFEITOS HORMONAIS • Crucifereae: repolho, rabanete, mostarda, outras • Gosto picante = óleos de mostarda -> irritantes, fatal • Spp. com inibidores da glândula tireóide (bócio) • Subst. Antitireoidianas -> tioureia = feniltioureia (amargo ou não) • PTC – Feniltiocarbamida.
  29. 29. Venenos de plantas  COMPOSTOS QUE AFETAM A REPRODUÇÃO ANIMAL • Defesa vegetal -> interferir na reprodução de seus inimigos • Ex.: produção de hormônio juvenil (insetos) por sempre-verdes • Plantas com atividade hormonal antijuvenil • Plantas que afetam o sist. endócrino : reprodução dos vertebrados • Imitam efeitos estrogênicos (ervilha) • Diminui a fertilidade de ovelhas e reprodução de codornizes
  30. 30. Venenos de plantas  UTILIZAÇÃO ANIMAL DOS HORMÔNIOS VEGETAIS • Borboleta monarca ingere glicosídeos cardíacos produzidos pela serralha (Asclepiias) • Uso de subst . tóxicas obtidas pela alimentação – insetos • Lesmas ->nematocistos -> caravelas (Physalia) sem liberar veneno e o incorporam nos tecidos -> contra peixes predadores  UTILIZAÇÃO ANIMAL DE VENENOS PRÓPRIOS • Cobras, escorpiões, aranhas, abelhas e vespas • Milípedes -> cianeto de hidrogênio • Besouro bombardeiro -> jato químico de 100ºC
  31. 31. REFERÊNCIAS • SHIMIDT-NIELSEN, K. Fisiologia animal. Knut Shimidt-Nielsen et al. 5ª ed. Santos. São Paulo, 2002.
  32. 32. OBRIGADO!

×