Womens musculoskeletal issues

664 visualizações

Publicada em

Aula realizada por integrantes do CIPE da UNIFESP, com enfoque na mulher atleta.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
664
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
35
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Womens musculoskeletal issues

  1. 1. CIPE 2011
  2. 2.  IX legislação de 1972; nº de atletas do gênero feminino; taxa de lesão; Especificidades nas atletas femininas:
  3. 3.  Anatomia feminina: gravidez e período pré-gestacional; Hormônios e fisiologia: tríade da atleta feminina, balanço energético negativo, frouxidão ligamentar, spatiomotor processing, percepção de dor. Queixas musculoesqueléticas.
  4. 4.  Tamanho: peso (93%) e altura (85%); Proporção corporal: troncos mais curtos, ombros mais estreitos, quadris mais largos e centro de gravidade mais baixa; Ângulo Q:
  5. 5.  Ciclo menstrual: LH e FSH, hormônios sexuais (progesterona, estrogênio e relaxina) e androgênios (testosterona e seus derivados). Esses hormônios são conhecidos por ocasionar múltiplos impactos em atletas.
  6. 6. Desordem alimentar, amenorréia e osteoporose. Não é consenso na literatura devido a grande variabilidade.Balanço energético nível de atividade = balanço energético (-)
  7. 7.  Prescrição de exercícios seguros para a mulher atleta grávida. Base para recomendação de exercícios para a mãe maximizar e manter boas condições: saúde para ambos na hora do partoSeguir as recomendações e visitas regulares ao obstetra garantem uma otimização da saúde da mãe e do filho.
  8. 8. TIPOS FREQUÊNCIAINTENSIDADE DURAÇÃO
  9. 9.  Lesões LCA Síndrome da dor patelofemural Dor na articulação sacroilíaca Fraturas por estresse
  10. 10.  Função do LCA: limita hiperextensão do joelho, rotação interna da tíbia. 2 a 8x mais frequente em mulheres Sem contato – incidência maior Mecanismo lesão: anatomico, hormonal ou biomecânico ?
  11. 11.  Prevenção Aumento força muscular; Otimizar biomecânica do quadril: agachamento, pliometria e treinos de agilidade; Evitar valgo excessivo
  12. 12.  Mal alinhamento da patela e fêmur Patela lateraliza ou fêmur medializa? Fortalecimento do quadríceps, principalmente vasto medial oblíquo Obs: Faixa elástica em volta dos joelhos
  13. 13.  Dificuldade no diagnóstico Aumento da flexibilidade e da força músculos CORE são benéficos Músculos do assoalho pélvico devem ser considerados
  14. 14.  Desequilíbrio entre perda e reparo ósseo Aumento da atividade e diminuição do descanso Exercícios alternativos – aquáticos
  15. 15. -Imagens:- http://poleposition.zip.net/arch2008-08-17_2008-08-23.html acesso em: 11.04.2011- http://territoriofeminino.blogtv.uol.com.br/2008/03/27/academia-a-dois acesso em: 11.04.2011- http://www.strengthcoachconcepts.com/articles/Whos+At+Risk%3F%3A+ACL+Pr evention/ acesso em: 11.04.2011- http://www.nutricionistacarol.com/2010_03_04_archive.html acesso em:11.04.2011- http://www.nutricionistacarol.com/2010_03_04_archive.html acesso em: 11.04.2011- http://www.cerebroecoluna.com.br/especialidades/neurocirurgiafuncional.aspx acesso em: 11.04.2011- http://www.dietaebeleza.com/use-a-overball-para-modelar-o-corpo/ acesso em: 11.04.2011- http://mundodeumaballerina.blogspot.com/2011/03/ballet-e-flexibilidade.html acesso em: 11.04.2011- http://www.runandcare.com.br/apresentacao/texto/2010/varo-valgo/ acesso em: 11.04.2011.

×