Programa de saúde da criança no brasil

879 visualizações

Publicada em

Programa de saúde da criança
Por: Leandro Silva, Elenilton, Eliane, Priscila.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
879
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Programa de saúde da criança no brasil

  1. 1. A nível federal, tratou-se a respeito da saúde da criança quando foi criado Departamento Nacional da Criança, na década de 1940. O primeiro programa de proteção à maternidade, à infância e à adolescência de que se tem notícia foi instituído durante o Estado Novo (1937/1945).
  2. 2. LEGENDA DNRC: Departamento Nacional da Criança CPMI: Coordenação de Proteção Materno-Infantil DINSAMI: Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil PAISMC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança PAISM: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher PAISC: Programa de Assistência Integral à Saúde da Criança CORSAMI: Coordenação de Saúde Materno-Infantil ATSCAM: Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento
  3. 3. O Departamento tinha como foco: Programa Alimentar, Programa Educativo, Programa de Formação de Pessoal e Programa de Imunização. Assim, o DNCr coordenou a assistência materno-infantil no Brasil até o ano de 1969.
  4. 4. Com a extinção do DNCr, em 1969, foi criada, em 1970, a Coordenação de Proteção Materno Infantil (CPMI)
  5. 5. Em 1975, foi criado o Programa Nacional de Saúde Materno- Infantil, cujo propósito era contribuir para a redução da morbidade e da mortalidade da mulher e da criança. Que em 1976, passou a chamar-se Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil (DINSAMI).
  6. 6. Em 1983, o Ministério da Saúde, por meio da DINSAMI, elaborou o Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher e da Criança (PAISMC).
  7. 7. Em 1998, as coordenações foram substituídas pelas atuais Áreas Técnicas de Saúde da Mulher, Saúde da Criança e Saúde do Adolescente e do Jovem.
  8. 8. Nos últimos 75 anos, importantes leis e portarias foram publicadas no país, a fim de assegurar o direito da criança brasileira de 0 a 9 anos à saúde. Hoje, a legislação brasileira trata de uma série de temas, como imunização, aleitamento materno, atenção à saúde do recém-nascido, nutrição, prevenção de acidentes e violências e muitos outros.
  9. 9. Princípios norteadores do cuidado na saúde da criança Deve ser entendido como o direito de toda criança receber assistência de saúde e a responsabilidade da unidade de saúde em receber todos os que procuram a unidade, propiciando uma escuta de suas demandas ou problemas de saúde e avaliação qualificada de cada situação.
  10. 10. O atendimento á criança engloba a sequencia de ações ou medidas preventivas direcionadas desde antes do nascimento, até 5 anos de idade, com o objetivo de evitar que ela adoeça.
  11. 11. A equipe assume o paciente e estabelece compromisso e responsabilidade sobre todas as suas necessidades de saúde. A consulta médica não deve ser a única proposta de abordagem da criança e toda a equipe deve participar da assistência e resolução do problema do usuário, potencializando-se a capacidade de resposta e intervenção.
  12. 12. . É a ciência médica que se dedica ao estudo dos cuidados com o ser humano em desenvolvimento, mais especificamente com o acompanhamento do infantil. A puericultura, como subespecialidade da pediatria, preocupa-se com o acompanhamento integral do processo de desenvolvimento da criança. É de fundamental importância, uma vez que é por meio dela que o pediatra tem condições de detectar precocemente os mais diferentes distúrbios das áreas do crescimento estrutural, da nutrição e do desenvolvimento neuropsicomotor.( É o aspecto psicológico que desenvolve a coordenação motora). Puericultura
  13. 13. Vacinação Pode-se dizer, hoje, que a imensa maioria das crianças brasileiras recebe regularmente vacinas contra quase todas as doenças graves. As vacinas foram criadas para ensinar o sistema imunológico a reconhecer agentes agressores que podem provocar doenças, assim como para ensiná-lo a reagir produzindo anticorpos capazes de combatê-los. Na preparação das vacinas, pode ser utilizado um componente do agente agressor, ou seja, o próprio agente agressor numa forma atenuada, ou morto, ou outro agente que seja semelhante ao causador da doença.
  14. 14. Consulta pediátrica A assistência global à criança deve ser feita de maneira evolutiva, para acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do paciente. Assim, em cada consulta, a entrevista deve incluir dados de desenvolvimento, possíveis queixas ou dificuldades, e o exame físico deve comprovar os progressos do desenvolvimento e registrar os parâmetros de crescimento. A prescrição deve incluir alimentação, vacinação e orientação. Toda consulta pediátrica, independente da queixa, deve incluir a Puericultura.
  15. 15. Comida e nutrientes são as matérias-primas que nos permitem formar os dentes, ossos, músculos e tecidos e mantê-los saudáveis. Uma boa dieta alimentar também pode proteger de várias doenças. A dieta de uma criança necessita de um planejamento especial - as necessidades de energia e nutrientes fundamentais são elevadas, mas o apetite é reduzido e os hábitos alimentares inconstantes. A alimentação das crianças deve ser constituída por refeições pequenas e frequentes, desde que ricas em nutrientes. Nutrição
  16. 16. Assistências e Benefícios do programa da criança O programa da criança, preocupa-se em abordar aspectos fundamentais para a proteção da saúde da criança, entre eles como preparar o “ninho” para melhor recebê-la, em visitá-la, oferecer suporte a seus pais ou cuidadores, estimular o fortalecimento de vínculos – que serão importantes para toda a sua vida.
  17. 17. Desejo que todas as crianças possam ouvir, ver, falar, sorrir, crescer e desenvolver toda a sua potencialidade para conhecer o mundo e viver. Os princípios mais importantes da atenção básica no Brasil são: integralidade (definir o que deve ser atendido), qualidade (usado para garantir na prática a igualdade na assistência a todos os cidadãos) e a participação social (participação da população para definir as prioridades no atendimento e fiscalizar o funcionamento do serviço).
  18. 18. Número de crianças acompanhadas pelo UBS Do município de Capim Grosso De 0 a 11 meses De 12 a 23 meses Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 0 a 11 meses 286 321 354 12ª 23 meses 311 331 334
  19. 19. Equipes de saúde UBS (Unidade Básica de Saúde) Médico responsável. Técnico de enfermagem e 6 agentes comunitários, dentista e auxiliar. Cada equipe atende de 3000 a 4500 pessoas ou de 1000 família
  20. 20. Por meio da definição do número de pessoas a serem atendidas (tecnicamente chamada de adstrição da população), as Equipes Saúde da Família estabelecem ligação (denominada de vínculo) com a população, possibilitando o compromisso e a responsabilidade destes profissionais com os usuários e a comunidade.
  21. 21. Até qual idade a amamentação é necessária? O leite materno é um alimento completo. Isso significa que até os seis meses o bebê não precisa de nenhum outro alimento, a partir dos seis meses a alimentação deve ser complementado com outros alimentos. É bom que o bebê continue sendo amamentado até dois anos ou mais. Entrevistada: Luzinete Alves de Almeida Técnica de enfermagem
  22. 22. Quais os maiores cuidados com o recém- nascido? O bebê nunca deve dormir de barriga para baixo (de bruços) e recomenda-se que ele durma de barriga para cima. Cuide para que a boca e o nariz não fiquem cobertos e para aquecer é preferível agasalha-lo com mais roupas do que cobrir com muitas cobertas.
  23. 23. Qual o benefício da vacinação? A vacina é essencial para manter a criança saudável. Para vacinar procure o centro de saúde ou uma equipe de saúde que cuide da sua família.
  24. 24. Qual a importância do dente de leite e o desenvolvimento deles? Os dentes de leite são importantes para guardar o espaço e preparar o caminho dos dentes permanentes. A perda dos dentes de leite antes do tempo certo pode prejudicar a criança que estar aprendendo a falar, além disso, a criança poderá se sentir diferente do restante do grupo de sua faixa etária, podendo causar algum problema emocional/social. Tabela: 5 a 6 meses >> quando começa a aparecer os dentes de leite 10 a 12 meses >> aparecem os dentes de trás 3 a 6 anos >> já se conta total de 20 dentes 6 a 18 anos >> nesse período inicia-se a troca de dentes de leite pelos dentes permanentes. Aos 18 anos tem-se em torno 32 dentes.
  25. 25. Como identificar a desidratação? Quais os sintomas? Olhos fundos, muita sede, pouca saliva, choro sem lágrima, pele seca e pouca urina são os sinais de desidratação. Se apresentar vômitos e as fezes estiverem muitos liquidas, deve-se oferecer soro oral após cada evacuação e vômito.
  26. 26. BRASIL. Decreto nº 66.623, de 22 de maio de 1970. Disponível em: <http://www6.senado.gov. br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=180519>. Acesso em: 12 jan. 2011. BRASIL. Decreto-Lei nº 2.024, de 17 de fevereiro de 1940. Disponível em: <http://www.ciespi. org.br/base_legis/baselegis_view.php?id=148>. Acesso em: 12 jan. 2011. BRASIL. Ministério da Saúde. Instrumento gerencial da saúde da mulher, da criança e do adolescente. Brasília, DF, 1995. v. 1. BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório anual de avaliação: PPA 2000–2003 – Exercício 2002. Brasília, DF, [2003?]. BRASIL. Ministério da Saúde. Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame. Brasília, DF,1986. BRASIL. Ministério da Saúde. Relatório de avaliação do Projeto de Assistência integral à Saú- de da Mulher e da Criança: primeira parte. Brasília, DF, 1986. BRASIL. Ministério da Saúde. Divisão Nacional de Saúde Materno-Infantil. Relatório de

×