SlideShare uma empresa Scribd logo
INICIATIVA HOSPITAL
AMIGO DA CRIANÇA
UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI
Trabalho apresentado à Universidade Anhembi
Morumbi ao curso de Graduação em Enfermagem
na disciplina de Processo do Cuidar do Ciclo Vital
II sob orientação da Profª Rita Janicas.
Beatriz Portela;Camila Ferreira da Silva;Hellen
Gouveia Jacinto;Jéssica Mariane Zebini.
1. INTRODUÇÃO
Diversos estudos científicos já comprovaram que o aleitamento materno é
extremamente benéfico tanto para a mulher quanto para o bebê. Segundo a
Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano 1,5 milhão de mortes poderiam ser
evitadas por meio dessa prática. Ainda de acordo com a OMS, a incidência de
doenças entre as crianças que só mamam no peito é pelo menos 2,5 vezes menor que
entre as que tomam leite artificial.
Neste contexto surge a Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) com mais de 20
mil hospitais credenciados em mais de 156 países nos últimos 15 anos e lançada pelo
Unicef e pela OMS em 1991-92. Neste período, diversos encontros regionais
ofereceram orientação e proporcionaram oportunidades para a criação de redes de
contatos e a troca de informações entre os profissionais envolvidos com a
implementação da Iniciativa em seus países.
A IHAC soma-se aos esforços do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento
Materno (PNIAM/MS), coordenado pelo Ministério da Saúde para:
 Informar profissionais de saúde e o público em geral;
 Trabalhar pela adoção de leis que protejam o trabalho da mulher que está
amamentando;
 Apoiar rotinas de serviços que promovam o aleitamento materno;
 Combater a livre propaganda de leites artificiais para bebês, bem como bicos,
chupetas e mamadeiras.
A adoção dessa iniciativa produz bons frutos tanto para as instituições quanto para a
comunidade. Os custos com internação, medicamentos, material de consumo
hospitalar e pessoal diminuem e a eliminação dos berçários aumenta o espaço físico.
Com a redução das infecções clínicas do bebê, os gastos daí decorrentes também
caem.
A criança e a mãe saem ganhando com a oferta de um ambiente emocional mais
calmo e tranqüilo, que implica um começo de vida mais saudável, mais prazeroso e
mais feliz. Há, ainda, aumento da demanda da população pelos serviços do hospital,
que adquire melhor imagem e maior prestígio no município, e, com o
reconhecimento público do serviço prestado, a equipe de saúde se sente mais
valorizada. Além de tudo isso, com a iniciativa, menos crianças ficam abandonadas
nos serviços de saúde.
2. EM PROL DO ALEITAMENTO MATERNO
A IHAC foi criada em 1990 pela OMS e UNICEF, em resposta ao chamado para
a ação da Declaração de Innocenti, conjunto de metas criadas com o objetivo de
resgatar o direito da mulher de aprender e praticar a amamentação com sucesso
(WHO/UNICEF, 1990). Nos últimos quinze anos essa iniciativa tem crescido, contando
atualmente com mais de 20 mil hospitais credenciados em 156 países do mundo,
incluindo o Brasil.
A IHAC está inserida na Estratégia Global para Alimentação de Lactentes e
Crianças de Primeira Infância criada em 2002 pela OMS/UNICEF, que busca apoio
renovado à amamentação exclusiva, do nascimento aos seis meses de vida, e a
continuidade da amamentação por dois anos ou mais, com introdução de alimentação
complementar adequada e no momento oportuno.
Seus Critérios Globais compreendem a adesão aos “Dez Passos Para o Sucesso
do Aleitamento Materno” e, no caso do Brasil, à Norma Brasileira de
Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de Primeira Infância, Bicos,
Chupetas e Mamadeiras (NBCAL).
2.1 Declaração de Innocenti
Sobre a Proteção, Promoção e Apoio ao Aleitamento Materno
RECONHECENDO QUE:
O Aleitamento Materno é um processo único e uma atividade que, mesmo tomada
isoladamente, é capaz de:
 Reduzir a morbi-mortalidade infantil ao diminuir a incidência de doenças
infecciosas;
 Proporcionar nutrição de alta qualidade para a criança, contribuindo para seu
crescimento e desenvolvimento;
 Contribuir para a saúde da mulher, reduzindo riscos de certos tipos de câncer
e de anemia e ampliando o espaçamento entre partos;
 Proporcionar benefícios econômicos para a família e a nação; quando bem
adotado, proporcionar satisfação à maioria das mulheres.
E que pesquisas recentes demonstram que:
 Esses benefícios aumentam com a exclusividade do aleitamento materno na
infância e com a manutenção do aleitamento na infância e com a manutenção
do aleitamento na época de introdução da alimentação complementar; e
 Que intervenções programadas podem resultar em mudanças positivas de
comportamento em relação ao aleitamento materno.
DECLARAMOS QUE:
Para otimizar a saúde e a nutrição materno-infantil, todas as mulheres devem estar
capacitadas a praticar o aleitamento materno exclusivo e todas as crianças devem
ser alimentadas exclusivamente com o leite materno, desde o nascimento até os
primeiros 4 e 6 meses de vida.
Até os dois anos de idade, ou mais, mesmo depois de começarem a ser alimentadas
adequadamente, as crianças devem continuar sendo amamentadas.
Esta alimentação ideal deve ser alcançada por meio da criação de um processo de
conscientização e de apoio para que as mães possam alimentar suas crianças dessa
maneira.
Medidas devem ser tomadas para assegurar que a mulher esteja devidamente
alimentada para elevar seu próprio nível de saúde e o de sua família. Além disso,
deve ser garantido que a mulher tenha acesso às informações e serviços sobre
planejamento familar, permitindo-lhe praticar o aleitamento materno e evitar a
redução dos intervalos entre partos que podem comprometer seu estado de saúde e
nutrição e a saúde e nutrição de seus filhos.
Atingir este objetivo exige de muitos países reforçar a cultura do aleitamento
materno, defendendo vigorosamente esta prática contra as incursões da cultura da
mamdeira. Isto requer compromisso e campanhas de mobilização social, utilizando o
prestígio e a autoridade de líderes reconhecidos da sociedade em todos os setores.
Esforços devem ser desenvolvidos para aumentar a confiança da mulher na sua
habilidade de amamentar. Esses esforços envolvem a remoção de constrangimentos e
influências que manipulam a percepção e o comportamento da mulher, e uma
abrangente estratégia de comunicação dirigida a todos os setores da sociedade e que
envolva todos os meios de comunicação.
Todos os países devem desenvolver políticas nacionais de aleitamento materno e
estabelecer metas de curto e longo prazos para os anos 90. Os países devem
estabelecer um sistema nacional de acompanhamento para atingir as metas,
adotando indicadores como a prevalência do aleitamento materno exclusivo até os
quatro meses de idade.
Autoridades nacionais são conclamadas a integrar as políticas de aleitamento
materno nas políticas globais de desenvolvimento e saúde, procurando evitar
políticas conflitantes. E devem reforçar todas as ações que complementem os
programas de aleitamento materno, como maternidade sem risco, prevenção e
tratamento das doenças infantis comuns e planejamento familiar.
ALGUMAS METAS POSSÍVEIS:
Todos os países, até o ano de 1995, devem ter:
 Nomeado uma autoridade competente como coordenador nacional de
aleitamento materno e estabelecido um comitê nacional de aleitamento
materno composto por membros do Governo e de organizações não-
governamentais;
 Assegurado que as maternidades coloquem em prática todos os "Dez Passos
para o Sucesso do Aleitamento Materno";
 Implementado totalmente o Código Internacional de Comercialização de
Substitutos do Leite Materno e as subseqüentes resoluções da Assembléia da
Organização Mundial da Saúde;
 Elaborado uma legislação criativa de proteção ao direito ao aleitamento da
mulher trabalhadora e estabelecido meios para sua implementação.
CONCLAMAMOS AS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS A:
 Encorajar e apoiar as autoridades nacionais no planejamento e
implementação das políticas nacionais de aleitamento materno;
apoiar pesquisas nacionais e a elaboração de planos de ação com metas
específicas;
 Estabelecer suas próprias estratégias de ação para a proteção,
promoção e apoio ao aleitamento materno, incluindo acompanhamento global e
avaliação.
A "Declaração de Inncocenti" foi produzida e adotada por representantes de
organizações governamentais, ONGs, defensores da amamentação de países de todo
o mundo, no encontro "Breastfeeding in the 1990s: A Global Initiative" organizado
pela OMS/UNICEF com apoio da A.I.D United States Agency for International
Development e da SIDA - Swedish International Development Authority, em,
Florença, na Itália, entre os dias 30 de Julho e 1 de Agosto de 1990. A Declaração
reflete o conteúdo dos documentos produzidos para o Encontro e pontos de vista
apresentados nos grupos e sessões de plenária.
3. ALEITAMENTO MATERNO UMA SOLUÇÃO
O aleitamento materno tem repercussão direta ou indireta na vida futura do
indivíduo, auxiliando na redução de doenças crônicas como hipertensão, diabetes e
obesidade, reduzindo o risco da mulher que amamenta de contrair câncer de mama e
de ovário e de ter diabete tipo II. Além disso, o aleitamento materno promove a
saúde física e mental da criança e da mãe, estreitando o vínculo entre eles. Sendo
assim considera-se o aleitamento materno como uma estratégia isolada de maior
impacto na redução da mortalidade na infância e, segundo evidências científicas,
atribui-se ao aleitamento materno a capacidade de reduzir em 13% as mortes de
crianças menores de cinco anos por causas preveníveis em todo o mundo (JONES e
STEKETEE, 2003).
No Brasil, a prática do aleitamento materno está muito aquém da
recomendada e segundo pesquisa realizada em 2008 constatou-se que o tempo
mediano de aleitamento materno exclusivo é de apenas 54,1 dias e o tempo
mediano de aleitamento das crianças brasileiras entre 9 e 11 meses é de 341,6 dias.
Para garantir a saúde e melhorar a qualidade de vida das crianças brasileiras
e contribuindo para o cumprimento das metas para o desenvolvimento do Milênio,
em especial a meta 4 – reduzir em 2/3 a mortalidade em crianças menores de cinco
anos entre 1990 e 2015, o Brasil dispõe de uma política de promoção, proteção e
apoio ao aleitamento materno, sendo a IHAC uma das estratégias dessa política.
A IHAC foi a responsável pela criação dos Dez Passos para o Sucesso do
Aleitamento Materno, que são recomendações que favorecem a amamentação a
partir de práticas e orientações no período pré-natal, no atendimento à mãe e ao
recém-nascido ao longo do trabalho do parto e parto, durante a internação após o
parto e nascimento e no retorno ao domicílio, com apoio da comunidade. Os Dez
Passos são úteis também para capacitar a equipe hospitalar que trabalha com mães e
bebês para informar sobre as vantagens e o correto manejo do aleitamento materno
e sobre as desvantagens do uso dos substitutos do leite materno, das mamadeiras e
das chupetas, entre outros.
3.1 Dez Passos Para o Sucesso do Aleitamento Materno
1. Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, que deve ser
rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço.
2. Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar essa norma.
3. Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo
da amamentação.
4. Ajudar a mãe a iniciar a amamentação na primeira meia hora após o
parto.
5. Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo
se vierem a ser separadas de seus filhos.
6. Não dar a recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do
leite materno, a não ser que tenha indicação clínica.
7. Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês
permaneçam juntos 24 horas por dia.
8. Encorajar a amamentação sob livre demanda.
9. Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas.
10. Encorajar o estabelecimento de grupos de apoio à amamentação, para
onde as mães devem ser encaminhadas por ocasião da alta hospitalar.
4. ESTRATÉGIA GLOBAL PARA ALIMENTAÇÃO DE LACTENTES E
CRIANÇAS DE PRIMEIRA INFÂNCIA
A Estratégia Global para Alimentação de Lactentes e Crianças de Primeira
Infância foi criada em 2002 pela OMS/UNICEF, busca apoio renovado à amamentação
exclusiva, do nascimento aos seis meses de vida, e a continuidade da amamentação
por dois anos ou mais, com introdução de alimentação complementar adequada e no
momento oportuno.
A finalidade desta estratégia é melhorar – por meio da alimentação ótima – o
estado nutricional, crescimento e desenvolvimento, saúde e, desta forma, a
sobrevivência dos lactentes e das crianças de primeira infância.
Os objetivos específicos da estratégia são:
 Aumentar a consciência sobre os principais problemas que afetam a
alimentação de lactentes e de crianças de primeira infância, identificar as
abordagens para solucioná-los e apresentar um quadro de referência das
intervenções essenciais.
 Aumentar o compromisso dos governos, das organizações internacionais e
de outras partes interessadas com relação a práticas alimentares
ótimas para lactentes e crianças de primeira infância;
 Criar um ambiente que permita às mães, famílias e outros provedores de
cuidados, em todas as circunstâncias, fazerem escolhas informadas
sobre – e implementarem – práticas alimentares ótimas para lactentes
e crianças de primeira infância.
5. LEGISLAÇÕES
Quanto ao Alojamento Conjunto:
 1982 – Portaria 18 do Inamps/Ministério da Saúde, que estabeleceu a
obrigatoriedade do alojamento conjunto.
 1986 – Portaria do Ministério da Educação (MEC), tornando obrigatório
o alojamento conjunto nos hospitais universitários.
 1993 – Portaria GM/MS nº 1016, com a atualização das normas.
Das Normas de Comercialização:
 1988 – Aprovação, pelo Conselho Nacional de Saúde, da Norma para
Comercialização de Alimentos para Lactentes (Resolução Nº 5),
elaborada com base no Código Internacional de Comercialização de
Substitutos do Leite Materno.
 1990 – Aprovação do Código de Defesa do Consumidor, que reforça
vários artigos da Norma de Comercialização de Alimentos para
Lactentes.
 1992 – Aprovação, pelo Conselho Nacional de Saúde, do novo texto da
Norma Brasileira para Comercialização de Alimentos para Lactentes
(Resolução Nº 31), que inclui item específico sobre o uso de bicos e
mamadeiras.
 1992 – Acordo mundial entre o UNICEF e OMS com a Associação
Internacional de Fabricantes de Alimentos, para cessar o fornecimento
gratuito ou a baixo custo de leites artificiais a maternidades e
hospitais.
 1994 – Publicado parecer Nº 62/94 da Consultoria Jurídica do Ministério
da Saúde, que redefine as penalidades para as infrações à norma.
 2006 – Aprovada a lei federal nº 11.265/06, que regulamenta a
propaganda abusiva dos produtos que interferem na amamentação. A
lei foi elaborada com base na Norma Brasileira de Comercialização de
Alimentos para Lactentes e Criança de Primeira Infância, Bicos,
Chupetas e Mamadeiras (NBCAL), constituída pela Portaria MS nº
2.051/01 e pelas resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
(Anvisa) nº 221 e nº 222/02. A lei prevê autuação e punição para
estabelecimentos de saúde e empresas que não se enquadrarem nos
dispositivos da legislação.
Quanto à Constituição:
 1988 – Promulgação da constituição, que assegura licença-maternidade
de 120 dias, licença-paternidade de cinco dias, proteção ao trabalho
da mulher e o direito às presidiárias de permanecer com os filhos
durante o período de amamentação.
Quanto ao Estatuto:
 1990 – Aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei Nº
8069, que assegura à gestante, pelo Sistema Único de Saúde, o
atendimento antes e após o parto. Também trata da obrigatoriedade
do alojamento conjunto.
Quanto ao Hospital Amigo da Criança:
 1994 – Portaria Nº 1.113, do Ministério da Saúde, que assegura
pagamento de 10% a mais sobre a assistência ao parto, a Hospitais
Amigo da Criança vinculados ao Sistema Único de Saúde.
 1994 – Portaria Nº 155, da Secretaria de Assistência à Saúde (MS), que
estabelece os critérios para o credenciamento dos Hospitais como
Amigo da Criança.
6. COMO SE TORNAR UM HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA
1 – Auto-avaliação das práticas adotadas em relação ao aleitamento materno,
adotando como roteiro o questionário de auto-avaliação, fornecido pelo
Ministério da Saúde;
2 – O questionário, preenchido pela direção ou chefias do serviço do hospital,
deve ser enviado ao Programa de Saúde da Criança com cópia para as
secretarias de saúde dos Estados;
3 – Uma equipe treinada pelo Programa de Saúde da Criança realiza pré-
avaliação no estabelecimento e entrega o certificado de compromisso. Nesse
documento, o hospital é orientado a solucionar as dificuldades existentes na
adoção dos Dez Passos e estabelece o prazo para cumprir essa meta;
4 – Solucionadas as dificuldades, o hospital solicita ao Programa de Saúde da
Criança a visita de uma equipe para a avaliação global;
5 – Se for indicado ao credenciamento, o hospital receberá, em solenidade
oficial, uma placa que o identificará como Amigo da Criança.
Sumário
1. INTRODUÇÃO.................................................................................. 3
2. EM PROL DO ALEITAMENTO MATERNO ................................................... 4
2.1 Declaração de Innocenti ................................................................. 4
3. ALEITAMENTO MATERNO UMA SOLUÇÃO ................................................ 6
3.1 Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno ................................ 7
4. ESTRATÉGIA GLOBAL PARA ALIMENTAÇÃO DE LACTENTES E CRIANÇAS DE
PRIMEIRA INFANCIA ............................................................................. 7
5. LEGISLAÇÕES.................................................................................. 8
6. COMO SE TORNAR UM HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA ................................. 9
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.............................................................. 11
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
UNICEF. Nossas Prioridades. Iniciativa Hospital Amigo da Criança. Disponível em:
http://www.unicef.org/brazil/pt/activities_9994.htm
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Iniciativa Hospital Amigo da Criança. Brasília 2010. Disponível
em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/relatorioihacatualizado.pdf
FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA(UNICEF). O Município e a Criança de
até 6 anos, Direitos Cumpridos, Respeitados e Protegidos. Disponível em :
http://www.unicef.org/brazil/pt/municipio.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aleitamento materno2 (2) (1)
Aleitamento materno2 (2) (1)Aleitamento materno2 (2) (1)
Aleitamento materno2 (2) (1)
regina oliveira de assis de brito
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Claudia Xavier
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
Biblioteca Virtual
 
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundialAleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
Rebeca - Doula
 
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPECAleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
associacaoportella
 
Guia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. Gladson
Guia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. GladsonGuia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. Gladson
Guia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. Gladson
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da AmamentaçãoPromovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Como dar leite materno no copinho
Como dar leite materno no copinhoComo dar leite materno no copinho
Como dar leite materno no copinho
VeraLuciaBorghiBruder
 
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentaçãoAspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Núcleo Pró-Creare - Psicologia - Assistência & Ensino
 
Mães enlutadas podem doar o seu Leite!
Mães enlutadas podem doar o seu Leite! Mães enlutadas podem doar o seu Leite!
Mães enlutadas podem doar o seu Leite!
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
Lara Martins
 
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Promocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamentoPromocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamento
Proama Projeto Amamentar
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
Centro Universitário Ages
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
NadjadBarros
 
PromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO Complementar
PromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO ComplementarPromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO Complementar
PromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO Complementar
Biblioteca Virtual
 
Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo
Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo
Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Dr. Benevenuto
 
Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde
Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde
Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Aleitamento materno2 (2) (1)
Aleitamento materno2 (2) (1)Aleitamento materno2 (2) (1)
Aleitamento materno2 (2) (1)
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
 
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termoFÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
FÓRMULA INFANTIL - uso e abuso de prescrição para RNs sadios a termo
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
 
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundialAleitamento materno, uma prioridade mundial
Aleitamento materno, uma prioridade mundial
 
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPECAleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
Aleitamento Materno - Colégio Rodin, Cata-Vento e IPEC
 
Guia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. Gladson
Guia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. GladsonGuia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. Gladson
Guia Básico para uma Alimentação de Sucesso - livro by Dr. Gladson
 
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da AmamentaçãoPromovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
 
Como dar leite materno no copinho
Como dar leite materno no copinhoComo dar leite materno no copinho
Como dar leite materno no copinho
 
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentaçãoAspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
 
Mães enlutadas podem doar o seu Leite!
Mães enlutadas podem doar o seu Leite! Mães enlutadas podem doar o seu Leite!
Mães enlutadas podem doar o seu Leite!
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
 
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
Cartilha sobre Aleitamento & Covid - UFRJ Macaé
 
Promocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamentoPromocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamento
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
PromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO Complementar
PromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO ComplementarPromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO Complementar
PromoçãO Da AmamentaçãO E AlimentaçãO Complementar
 
Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo
Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo
Curso Online de Manejo Clínico da Lactação - resumo de conteúdo
 
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
 
Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde
Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde
Semana Mundial de Aleitamento Materno 2013 - folder do Ministério da Saúde
 

Destaque

Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vidaAmamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Rebeca - Doula
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Rebeca - Doula
 
Catálogo Fragrâncias FM Best Cosmetics
Catálogo Fragrâncias FM Best CosmeticsCatálogo Fragrâncias FM Best Cosmetics
Catálogo Fragrâncias FM Best Cosmetics
Rafael de Assunção
 
Relação de documento para ações diversas
Relação de documento para ações diversasRelação de documento para ações diversas
Relação de documento para ações diversas
eugeniasilva
 
Documentos necessários para ações - Escola Modelo de Advocacia
Documentos necessários para ações - Escola Modelo de AdvocaciaDocumentos necessários para ações - Escola Modelo de Advocacia
Documentos necessários para ações - Escola Modelo de Advocacia
JedaiasNunes
 
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.comGuia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Instituto Abaçaí
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
Daiane Daine
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
Edilania Batalha Batalha
 

Destaque (8)

Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vidaAmamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
 
Catálogo Fragrâncias FM Best Cosmetics
Catálogo Fragrâncias FM Best CosmeticsCatálogo Fragrâncias FM Best Cosmetics
Catálogo Fragrâncias FM Best Cosmetics
 
Relação de documento para ações diversas
Relação de documento para ações diversasRelação de documento para ações diversas
Relação de documento para ações diversas
 
Documentos necessários para ações - Escola Modelo de Advocacia
Documentos necessários para ações - Escola Modelo de AdvocaciaDocumentos necessários para ações - Escola Modelo de Advocacia
Documentos necessários para ações - Escola Modelo de Advocacia
 
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.comGuia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
Guia para Elaboração do Relatório Social - Portal SeloSocial.com
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 

Semelhante a Iniciativa hospital amigo da criança

XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?
SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?
SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...
The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...
The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...
Especialização em Aleitamento Materno / Passo 1 SP
 
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil #SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
MotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De Medida
MotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De MedidaMotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De Medida
MotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De Medida
Biblioteca Virtual
 
#SMAM 2018 Folder para ação - WABA
#SMAM 2018 Folder para ação - WABA #SMAM 2018 Folder para ação - WABA
#SMAM 2018 Folder para ação - WABA
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidadeAmamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidade
Silvia Marina Anaruma
 
Manual aleitamento
Manual aleitamentoManual aleitamento
Manual aleitamento
Gercienny Oliveira
 
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelComo a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Silvia Marina Anaruma
 
Aleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação
Aleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a AmamentaçãoAleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação
Aleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação
Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação
Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Nbcal
NbcalNbcal
Apresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento materno
Apresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento maternoApresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento materno
Apresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento materno
jaquelinesoaresenf
 
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizadoSmam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
Mabi Almeida
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Waded Schabib Hany
 

Semelhante a Iniciativa hospital amigo da criança (20)

XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
XI ENAM - ENCONTRO NACIONAL de ALEITAMENTO MATERNO e I ENACS Santos, SP 2011 ...
 
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para açõesSMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
SMAM 2016: folder da WABA com os objetivos, temas e sugestões para ações
 
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODSWABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
WABA SMAM 2016: folder de ação AM & ODS
 
SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?
SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?
SMAM 2017 - Folder IBFAN Brasil. Vamos comemorar juntos o #AgostoDourado ?
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO - Por que investir e o que será necessário para melho...
 
The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...
The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...
The Lancet: Por que investir e o que será necessário para melhorar as prática...
 
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil #SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
#SMAM 2018: Folder de Ação da WABA para o Brasil
 
MotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De Medida
MotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De MedidaMotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De Medida
MotivaçãO Para A AmamentaçãO ConstruçãO De Um Instrumento De Medida
 
#SMAM 2018 Folder para ação - WABA
#SMAM 2018 Folder para ação - WABA #SMAM 2018 Folder para ação - WABA
#SMAM 2018 Folder para ação - WABA
 
Amamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidadeAmamentação e sustentabilidade
Amamentação e sustentabilidade
 
Manual aleitamento
Manual aleitamentoManual aleitamento
Manual aleitamento
 
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudávelComo a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
Como a amamentacao pode contribuir para um Planeta mais saudável
 
Aleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação
Aleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a AmamentaçãoAleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação
Aleitamento Materno: Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação
 
Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação
Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação
Semana Mundial da Amamentação 2017 WABA Brasil - folder de ação
 
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
Aleitamento Materno: guia prático / Departamento Científico da SBP
 
Nbcal
NbcalNbcal
Nbcal
 
Apresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento materno
Apresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento maternoApresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento materno
Apresentação do agosto dourado -mes de promoçao do aleitamento materno
 
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizadoSmam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
Smam 2014 0PS/OMS: AMAMENTAÇÃO em um mundo globalizado
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
 
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
Trab final de aleitamento [salvo automaticamente]
 

Mais de Camila Ferreira

Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Camila Ferreira
 
Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...
Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...
Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...
Camila Ferreira
 
Dietas da Moda
Dietas da ModaDietas da Moda
Dietas da Moda
Camila Ferreira
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
Camila Ferreira
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
Camila Ferreira
 
Exames Bioquímicos
Exames BioquímicosExames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
Camila Ferreira
 
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Camila Ferreira
 
SIPAT American Airlines
SIPAT American AirlinesSIPAT American Airlines
SIPAT American Airlines
Camila Ferreira
 
Um Caso sobre Esquizofrenia
Um Caso sobre EsquizofreniaUm Caso sobre Esquizofrenia
Um Caso sobre Esquizofrenia
Camila Ferreira
 
Processo educativo
Processo educativoProcesso educativo
Processo educativo
Camila Ferreira
 
Doenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativasDoenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativas
Camila Ferreira
 
Distrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenneDistrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenne
Camila Ferreira
 
Duchenne
DuchenneDuchenne
Duchenne
Camila Ferreira
 
Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2
Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2
Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2
Camila Ferreira
 

Mais de Camila Ferreira (14)

Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
 
Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...
Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...
Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre aspectos normati...
 
Dietas da Moda
Dietas da ModaDietas da Moda
Dietas da Moda
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
 
Brinquedo Terapêutico
Brinquedo TerapêuticoBrinquedo Terapêutico
Brinquedo Terapêutico
 
Exames Bioquímicos
Exames BioquímicosExames Bioquímicos
Exames Bioquímicos
 
Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013Câncer de Mama - SIPAT 2013
Câncer de Mama - SIPAT 2013
 
SIPAT American Airlines
SIPAT American AirlinesSIPAT American Airlines
SIPAT American Airlines
 
Um Caso sobre Esquizofrenia
Um Caso sobre EsquizofreniaUm Caso sobre Esquizofrenia
Um Caso sobre Esquizofrenia
 
Processo educativo
Processo educativoProcesso educativo
Processo educativo
 
Doenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativasDoenças neurodegenerativas
Doenças neurodegenerativas
 
Distrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenneDistrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenne
 
Duchenne
DuchenneDuchenne
Duchenne
 
Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2
Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2
Microbiologia clínica em infecção hospitalar 2
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

Iniciativa hospital amigo da criança

  • 1. INICIATIVA HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Trabalho apresentado à Universidade Anhembi Morumbi ao curso de Graduação em Enfermagem na disciplina de Processo do Cuidar do Ciclo Vital II sob orientação da Profª Rita Janicas. Beatriz Portela;Camila Ferreira da Silva;Hellen Gouveia Jacinto;Jéssica Mariane Zebini.
  • 2. 1. INTRODUÇÃO Diversos estudos científicos já comprovaram que o aleitamento materno é extremamente benéfico tanto para a mulher quanto para o bebê. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas por meio dessa prática. Ainda de acordo com a OMS, a incidência de doenças entre as crianças que só mamam no peito é pelo menos 2,5 vezes menor que entre as que tomam leite artificial. Neste contexto surge a Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) com mais de 20 mil hospitais credenciados em mais de 156 países nos últimos 15 anos e lançada pelo Unicef e pela OMS em 1991-92. Neste período, diversos encontros regionais ofereceram orientação e proporcionaram oportunidades para a criação de redes de contatos e a troca de informações entre os profissionais envolvidos com a implementação da Iniciativa em seus países. A IHAC soma-se aos esforços do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno (PNIAM/MS), coordenado pelo Ministério da Saúde para:  Informar profissionais de saúde e o público em geral;  Trabalhar pela adoção de leis que protejam o trabalho da mulher que está amamentando;  Apoiar rotinas de serviços que promovam o aleitamento materno;  Combater a livre propaganda de leites artificiais para bebês, bem como bicos, chupetas e mamadeiras. A adoção dessa iniciativa produz bons frutos tanto para as instituições quanto para a comunidade. Os custos com internação, medicamentos, material de consumo hospitalar e pessoal diminuem e a eliminação dos berçários aumenta o espaço físico. Com a redução das infecções clínicas do bebê, os gastos daí decorrentes também caem. A criança e a mãe saem ganhando com a oferta de um ambiente emocional mais calmo e tranqüilo, que implica um começo de vida mais saudável, mais prazeroso e mais feliz. Há, ainda, aumento da demanda da população pelos serviços do hospital, que adquire melhor imagem e maior prestígio no município, e, com o reconhecimento público do serviço prestado, a equipe de saúde se sente mais valorizada. Além de tudo isso, com a iniciativa, menos crianças ficam abandonadas nos serviços de saúde.
  • 3. 2. EM PROL DO ALEITAMENTO MATERNO A IHAC foi criada em 1990 pela OMS e UNICEF, em resposta ao chamado para a ação da Declaração de Innocenti, conjunto de metas criadas com o objetivo de resgatar o direito da mulher de aprender e praticar a amamentação com sucesso (WHO/UNICEF, 1990). Nos últimos quinze anos essa iniciativa tem crescido, contando atualmente com mais de 20 mil hospitais credenciados em 156 países do mundo, incluindo o Brasil. A IHAC está inserida na Estratégia Global para Alimentação de Lactentes e Crianças de Primeira Infância criada em 2002 pela OMS/UNICEF, que busca apoio renovado à amamentação exclusiva, do nascimento aos seis meses de vida, e a continuidade da amamentação por dois anos ou mais, com introdução de alimentação complementar adequada e no momento oportuno. Seus Critérios Globais compreendem a adesão aos “Dez Passos Para o Sucesso do Aleitamento Materno” e, no caso do Brasil, à Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de Primeira Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras (NBCAL). 2.1 Declaração de Innocenti Sobre a Proteção, Promoção e Apoio ao Aleitamento Materno RECONHECENDO QUE: O Aleitamento Materno é um processo único e uma atividade que, mesmo tomada isoladamente, é capaz de:  Reduzir a morbi-mortalidade infantil ao diminuir a incidência de doenças infecciosas;  Proporcionar nutrição de alta qualidade para a criança, contribuindo para seu crescimento e desenvolvimento;  Contribuir para a saúde da mulher, reduzindo riscos de certos tipos de câncer e de anemia e ampliando o espaçamento entre partos;  Proporcionar benefícios econômicos para a família e a nação; quando bem adotado, proporcionar satisfação à maioria das mulheres. E que pesquisas recentes demonstram que:
  • 4.  Esses benefícios aumentam com a exclusividade do aleitamento materno na infância e com a manutenção do aleitamento na infância e com a manutenção do aleitamento na época de introdução da alimentação complementar; e  Que intervenções programadas podem resultar em mudanças positivas de comportamento em relação ao aleitamento materno. DECLARAMOS QUE: Para otimizar a saúde e a nutrição materno-infantil, todas as mulheres devem estar capacitadas a praticar o aleitamento materno exclusivo e todas as crianças devem ser alimentadas exclusivamente com o leite materno, desde o nascimento até os primeiros 4 e 6 meses de vida. Até os dois anos de idade, ou mais, mesmo depois de começarem a ser alimentadas adequadamente, as crianças devem continuar sendo amamentadas. Esta alimentação ideal deve ser alcançada por meio da criação de um processo de conscientização e de apoio para que as mães possam alimentar suas crianças dessa maneira. Medidas devem ser tomadas para assegurar que a mulher esteja devidamente alimentada para elevar seu próprio nível de saúde e o de sua família. Além disso, deve ser garantido que a mulher tenha acesso às informações e serviços sobre planejamento familar, permitindo-lhe praticar o aleitamento materno e evitar a redução dos intervalos entre partos que podem comprometer seu estado de saúde e nutrição e a saúde e nutrição de seus filhos. Atingir este objetivo exige de muitos países reforçar a cultura do aleitamento materno, defendendo vigorosamente esta prática contra as incursões da cultura da mamdeira. Isto requer compromisso e campanhas de mobilização social, utilizando o prestígio e a autoridade de líderes reconhecidos da sociedade em todos os setores. Esforços devem ser desenvolvidos para aumentar a confiança da mulher na sua habilidade de amamentar. Esses esforços envolvem a remoção de constrangimentos e influências que manipulam a percepção e o comportamento da mulher, e uma abrangente estratégia de comunicação dirigida a todos os setores da sociedade e que envolva todos os meios de comunicação. Todos os países devem desenvolver políticas nacionais de aleitamento materno e estabelecer metas de curto e longo prazos para os anos 90. Os países devem estabelecer um sistema nacional de acompanhamento para atingir as metas, adotando indicadores como a prevalência do aleitamento materno exclusivo até os
  • 5. quatro meses de idade. Autoridades nacionais são conclamadas a integrar as políticas de aleitamento materno nas políticas globais de desenvolvimento e saúde, procurando evitar políticas conflitantes. E devem reforçar todas as ações que complementem os programas de aleitamento materno, como maternidade sem risco, prevenção e tratamento das doenças infantis comuns e planejamento familiar. ALGUMAS METAS POSSÍVEIS: Todos os países, até o ano de 1995, devem ter:  Nomeado uma autoridade competente como coordenador nacional de aleitamento materno e estabelecido um comitê nacional de aleitamento materno composto por membros do Governo e de organizações não- governamentais;  Assegurado que as maternidades coloquem em prática todos os "Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno";  Implementado totalmente o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno e as subseqüentes resoluções da Assembléia da Organização Mundial da Saúde;  Elaborado uma legislação criativa de proteção ao direito ao aleitamento da mulher trabalhadora e estabelecido meios para sua implementação. CONCLAMAMOS AS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS A:  Encorajar e apoiar as autoridades nacionais no planejamento e implementação das políticas nacionais de aleitamento materno; apoiar pesquisas nacionais e a elaboração de planos de ação com metas específicas;  Estabelecer suas próprias estratégias de ação para a proteção, promoção e apoio ao aleitamento materno, incluindo acompanhamento global e avaliação. A "Declaração de Inncocenti" foi produzida e adotada por representantes de organizações governamentais, ONGs, defensores da amamentação de países de todo o mundo, no encontro "Breastfeeding in the 1990s: A Global Initiative" organizado pela OMS/UNICEF com apoio da A.I.D United States Agency for International Development e da SIDA - Swedish International Development Authority, em, Florença, na Itália, entre os dias 30 de Julho e 1 de Agosto de 1990. A Declaração
  • 6. reflete o conteúdo dos documentos produzidos para o Encontro e pontos de vista apresentados nos grupos e sessões de plenária. 3. ALEITAMENTO MATERNO UMA SOLUÇÃO O aleitamento materno tem repercussão direta ou indireta na vida futura do indivíduo, auxiliando na redução de doenças crônicas como hipertensão, diabetes e obesidade, reduzindo o risco da mulher que amamenta de contrair câncer de mama e de ovário e de ter diabete tipo II. Além disso, o aleitamento materno promove a saúde física e mental da criança e da mãe, estreitando o vínculo entre eles. Sendo assim considera-se o aleitamento materno como uma estratégia isolada de maior impacto na redução da mortalidade na infância e, segundo evidências científicas, atribui-se ao aleitamento materno a capacidade de reduzir em 13% as mortes de crianças menores de cinco anos por causas preveníveis em todo o mundo (JONES e STEKETEE, 2003). No Brasil, a prática do aleitamento materno está muito aquém da recomendada e segundo pesquisa realizada em 2008 constatou-se que o tempo mediano de aleitamento materno exclusivo é de apenas 54,1 dias e o tempo mediano de aleitamento das crianças brasileiras entre 9 e 11 meses é de 341,6 dias. Para garantir a saúde e melhorar a qualidade de vida das crianças brasileiras e contribuindo para o cumprimento das metas para o desenvolvimento do Milênio, em especial a meta 4 – reduzir em 2/3 a mortalidade em crianças menores de cinco anos entre 1990 e 2015, o Brasil dispõe de uma política de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, sendo a IHAC uma das estratégias dessa política. A IHAC foi a responsável pela criação dos Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno, que são recomendações que favorecem a amamentação a partir de práticas e orientações no período pré-natal, no atendimento à mãe e ao recém-nascido ao longo do trabalho do parto e parto, durante a internação após o parto e nascimento e no retorno ao domicílio, com apoio da comunidade. Os Dez Passos são úteis também para capacitar a equipe hospitalar que trabalha com mães e bebês para informar sobre as vantagens e o correto manejo do aleitamento materno e sobre as desvantagens do uso dos substitutos do leite materno, das mamadeiras e das chupetas, entre outros.
  • 7. 3.1 Dez Passos Para o Sucesso do Aleitamento Materno 1. Ter uma norma escrita sobre aleitamento materno, que deve ser rotineiramente transmitida a toda a equipe do serviço. 2. Treinar toda a equipe, capacitando-a para implementar essa norma. 3. Informar todas as gestantes atendidas sobre as vantagens e o manejo da amamentação. 4. Ajudar a mãe a iniciar a amamentação na primeira meia hora após o parto. 5. Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas de seus filhos. 6. Não dar a recém-nascido nenhum outro alimento ou bebida além do leite materno, a não ser que tenha indicação clínica. 7. Praticar o alojamento conjunto – permitir que mães e bebês permaneçam juntos 24 horas por dia. 8. Encorajar a amamentação sob livre demanda. 9. Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas. 10. Encorajar o estabelecimento de grupos de apoio à amamentação, para onde as mães devem ser encaminhadas por ocasião da alta hospitalar. 4. ESTRATÉGIA GLOBAL PARA ALIMENTAÇÃO DE LACTENTES E CRIANÇAS DE PRIMEIRA INFÂNCIA A Estratégia Global para Alimentação de Lactentes e Crianças de Primeira Infância foi criada em 2002 pela OMS/UNICEF, busca apoio renovado à amamentação exclusiva, do nascimento aos seis meses de vida, e a continuidade da amamentação por dois anos ou mais, com introdução de alimentação complementar adequada e no momento oportuno. A finalidade desta estratégia é melhorar – por meio da alimentação ótima – o estado nutricional, crescimento e desenvolvimento, saúde e, desta forma, a sobrevivência dos lactentes e das crianças de primeira infância. Os objetivos específicos da estratégia são:  Aumentar a consciência sobre os principais problemas que afetam a alimentação de lactentes e de crianças de primeira infância, identificar as abordagens para solucioná-los e apresentar um quadro de referência das intervenções essenciais.
  • 8.  Aumentar o compromisso dos governos, das organizações internacionais e de outras partes interessadas com relação a práticas alimentares ótimas para lactentes e crianças de primeira infância;  Criar um ambiente que permita às mães, famílias e outros provedores de cuidados, em todas as circunstâncias, fazerem escolhas informadas sobre – e implementarem – práticas alimentares ótimas para lactentes e crianças de primeira infância. 5. LEGISLAÇÕES Quanto ao Alojamento Conjunto:  1982 – Portaria 18 do Inamps/Ministério da Saúde, que estabeleceu a obrigatoriedade do alojamento conjunto.  1986 – Portaria do Ministério da Educação (MEC), tornando obrigatório o alojamento conjunto nos hospitais universitários.  1993 – Portaria GM/MS nº 1016, com a atualização das normas. Das Normas de Comercialização:  1988 – Aprovação, pelo Conselho Nacional de Saúde, da Norma para Comercialização de Alimentos para Lactentes (Resolução Nº 5), elaborada com base no Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno.  1990 – Aprovação do Código de Defesa do Consumidor, que reforça vários artigos da Norma de Comercialização de Alimentos para Lactentes.  1992 – Aprovação, pelo Conselho Nacional de Saúde, do novo texto da Norma Brasileira para Comercialização de Alimentos para Lactentes (Resolução Nº 31), que inclui item específico sobre o uso de bicos e mamadeiras.  1992 – Acordo mundial entre o UNICEF e OMS com a Associação Internacional de Fabricantes de Alimentos, para cessar o fornecimento gratuito ou a baixo custo de leites artificiais a maternidades e hospitais.  1994 – Publicado parecer Nº 62/94 da Consultoria Jurídica do Ministério da Saúde, que redefine as penalidades para as infrações à norma.
  • 9.  2006 – Aprovada a lei federal nº 11.265/06, que regulamenta a propaganda abusiva dos produtos que interferem na amamentação. A lei foi elaborada com base na Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Criança de Primeira Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras (NBCAL), constituída pela Portaria MS nº 2.051/01 e pelas resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nº 221 e nº 222/02. A lei prevê autuação e punição para estabelecimentos de saúde e empresas que não se enquadrarem nos dispositivos da legislação. Quanto à Constituição:  1988 – Promulgação da constituição, que assegura licença-maternidade de 120 dias, licença-paternidade de cinco dias, proteção ao trabalho da mulher e o direito às presidiárias de permanecer com os filhos durante o período de amamentação. Quanto ao Estatuto:  1990 – Aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei Nº 8069, que assegura à gestante, pelo Sistema Único de Saúde, o atendimento antes e após o parto. Também trata da obrigatoriedade do alojamento conjunto. Quanto ao Hospital Amigo da Criança:  1994 – Portaria Nº 1.113, do Ministério da Saúde, que assegura pagamento de 10% a mais sobre a assistência ao parto, a Hospitais Amigo da Criança vinculados ao Sistema Único de Saúde.  1994 – Portaria Nº 155, da Secretaria de Assistência à Saúde (MS), que estabelece os critérios para o credenciamento dos Hospitais como Amigo da Criança. 6. COMO SE TORNAR UM HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA 1 – Auto-avaliação das práticas adotadas em relação ao aleitamento materno, adotando como roteiro o questionário de auto-avaliação, fornecido pelo Ministério da Saúde;
  • 10. 2 – O questionário, preenchido pela direção ou chefias do serviço do hospital, deve ser enviado ao Programa de Saúde da Criança com cópia para as secretarias de saúde dos Estados; 3 – Uma equipe treinada pelo Programa de Saúde da Criança realiza pré- avaliação no estabelecimento e entrega o certificado de compromisso. Nesse documento, o hospital é orientado a solucionar as dificuldades existentes na adoção dos Dez Passos e estabelece o prazo para cumprir essa meta; 4 – Solucionadas as dificuldades, o hospital solicita ao Programa de Saúde da Criança a visita de uma equipe para a avaliação global; 5 – Se for indicado ao credenciamento, o hospital receberá, em solenidade oficial, uma placa que o identificará como Amigo da Criança.
  • 11. Sumário 1. INTRODUÇÃO.................................................................................. 3 2. EM PROL DO ALEITAMENTO MATERNO ................................................... 4 2.1 Declaração de Innocenti ................................................................. 4 3. ALEITAMENTO MATERNO UMA SOLUÇÃO ................................................ 6 3.1 Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno ................................ 7 4. ESTRATÉGIA GLOBAL PARA ALIMENTAÇÃO DE LACTENTES E CRIANÇAS DE PRIMEIRA INFANCIA ............................................................................. 7 5. LEGISLAÇÕES.................................................................................. 8 6. COMO SE TORNAR UM HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA ................................. 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.............................................................. 11
  • 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS UNICEF. Nossas Prioridades. Iniciativa Hospital Amigo da Criança. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/activities_9994.htm MINISTÉRIO DA SAÚDE. Iniciativa Hospital Amigo da Criança. Brasília 2010. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/relatorioihacatualizado.pdf FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA(UNICEF). O Município e a Criança de até 6 anos, Direitos Cumpridos, Respeitados e Protegidos. Disponível em : http://www.unicef.org/brazil/pt/municipio.pdf